Fiat História Pickups

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A Strada Working é a versão de trabalho da picape leve da Fiat e está presente na gama de versões do produto há 20 anos.


Com 20 anos de mercado, a picape leve teve quatro atualizações de estilo ao longo do ano, tendo nascido do projeto 178, que deu origem aos modelos Palio, Palio Weekend e Siena.

A picape leve inovou ao criar um versão de cabine estendida e posteriormente de cabine dupla. Nesta, adicionou-se uma terceira porta.

No início, a Strada Working tinha apenas cabine simples, mas agora ela tem cabine estendida ou dupla com terceira porta, mas oferecida sempre com motor 1.4 Fire, o mais simples da gama.


Strada Working

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A Strada Working é bem básica, tendo cabine simples, para-choques, grade, molduras nas saias de rodas e retrovisores sem pintura. Ela dispõe ainda de faróis simples, rodas de aço aro 14 polegadas sem calotas e pneus 175/70 R14.

Tem alças externas no teto e molduras da caçamba de carga em plástico preto. O para-choque traseiro tem dois apoios de pé metálicos e tampa da caçamba com alças de cabos em aço.

A Strada Working tem um visual bem antiquado e simplório, justamente para baixar preço.

Por dentro, a Strada Working tem painel desatualizado com cluster analógico, tendo o nível de combustível digital. O volante é antigo, assim como o conjunto todo.

O espaço interno é limitado e o estepe vai atrás do banco do passageiro.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Sem opcionais, ela não tem nem ar condicionado ou muito menos direção hidráulica. A caçamba de carga de 1.220 litros é toda revestida em plástico protetor.

Tem trava simples, retrovisores com controle interno, preparação para som com 2 alto-falantes, entre outros.

Com 4,438 m comprimento, 1,664 m de largura, 1,590 m de altura e 2,718 m de entre eixos, a Strada Working pesa 1.063 kg e tem capacidade de reboque de 400 kg.

Seu motor Fire 1.4, entrega 05 cavalos na gasolina e 88 cavalos no etanol, ambos a 5.750 rpm. O torque é de 12,4/12,5 kgfm a 3.500 rpm, respectivamente.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Tendo tração dianteira e câmbio manual de cinco marchas, a Strada Working dispõe também de suspensão dianteira McPherson e traseira de eixo rígido com feixes de molas parabólicas.

A picape leve da Fiat vai de 0 a 100 km/h em 12,2 segundos com máxima de 173 km/h.

O consumo com etanol é de 7,6 km/l na cidade e 9,2 km/l na estrada. Na gasolina, faz 10,9 km/l no circuito urbano e 13,2 km/l no rodoviário. Tem tanque de 58 litros e altura livre do solo de 170 mm.

Strada Hard Working

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A Strada Working ganhou uma variação, a Strada Hard Working, que vem com conteúdo melhor.

Ela inclui o pacote de opcionais Pack Worker, que traz vidros e travas elétricos, abertura elétrica do bocal do tanque, assim como protetor de cárter e do vidro traseiro.

O Kit Protection compreende estes dois últimos itens. No Pacote Convenience, a Strada Hard Working tem todos os itens citados e ainda vem com rádio USB, bem como ajuste de altura do banco do motorista e calotas integrais.

Há também um adesivo “Hard Working” na tampa de carga. Além da cabine simples, existe a opção de cabine estendida.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Com isso, a caçamba tem seu volume reduzido para 910 litros.

Porém, a capacidade de carga se mantém em 705 kg, tendo o mesmo desempenho da cabine simples, mas com consumo de etanol em 7,4 km/l na cidade e 8,5 km/l na estrada. Na gasolina ela faz 10,8/12,3 km/l, respectivamente.

Na Strada Hard Working com cabine dupla, o peso é de 1.174 kg, enquanto a caçamba é reduzida para 680 litros. Ela vai de 0 a 100 km/h em 12,4 segundos e com máxima de 173 km/h.

A capacidade de carga é reduzida para 650 kg.

O acesso pela porta lateral só se dá por meio da abertura da frente. O banco tem dois apoios de cabeça, mas o espaço atrás é muito reduzido.

A Strada Hard Working pode ainda dispor de barras longitudinais no teto como acessório.

Strada Working – início lá em 1999

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A Strada Working surgiu em 1999 junto com a primeira geração de Palio e Siena. O modelo tinha como objetivo substituir a picape Fiorino, que nunca conseguiu combater a rival VW Saveiro de forma satisfatória.

Com um projeto elaborado pelo estúdio I.DE.A, na Itália, o projeto 178 foi bem rico ao criar uma família de compactos, apesar da semelhança com os indianos da Tata, feitos no mesmo estúdio e época.

A primeira versão da Strada Working tinha duas opções de cabine, sendo a simples e a estendida. Esta última tinha 800 litros na caçamba.

A capacidade de carga era de 685 kg. Na versão de cabine simples, tinha 1.100 litros e os mesmos 705 kg de carga de hoje.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Naquela época, a Strada Working não era a opção mais barata, pois havia uma sem designação. Seu motor ainda era o Fiat Fiasa 1.5 8V.

Esse propulsor entregava 76 cavalos a 5.000 rpm e 12,1 kgfm a 2.750 rpm, tendo assim uma boa força em baixa rotação.

Com ele, a Strada Working de 1999 ia de 0 a 100 km/h em 12,8 segundos e tinha máxima de 165 km/h. Tendo câmbio manual de cinco marchas, a picape leve fazia 8,5 km/l na cidade e 10,7 km/l na estrada.

O modelo da Fiat tinha para-choques pretos, assim como saias de rodas, retrovisores e barras no teto.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A Strada Working 1999 também podia dispor de grade na vigia traseira. A caçamba já vinha com protetor plástico, enquanto o para-choque traseiro exibia degraus de metal.

Os faróis simples e a grade integrada ao para-choque eram as principais características estéticas, assim como o entre eixos longo e a suspensão traseira por feixe de molas parabólicas de lâmina única.

A Strada Working 1999 com cabine estendida oferecia mais conforto e espaço interno.

Primeira atualização em 2001

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Em 2001, a Strada Working ganhou faróis duplos mais retangulares e com piscas integrados, assim como grade anexada ao capô, mas de tamanho menor.

Os para-choques eram pretos e a rodas de aço ganhavam calotas integrais. Havia opção de rodas de liga leve.

Também era opcional a capota marítima. Nessa época, o estepe ia na própria caçamba de carga.

O interior permanecia o mesmo de 1999, tendo instrumentação ampla, volante de três raios, difusores de ar centrais inclinados, rádio, entre outros.

A Strada Working mantinha o motor Fiasa 1.5 8V, mas acrescentou o mais potente Torque 1.6 16V, que entregava 106 cavalos a 5.500 rpm e 15,1 kgfm a 4.500 rpm.

Com ele, a picape ia de 0 a 100 km/h em 9,9 segundos e tinha máxima de 180 km/h. O consumo de gasolina era de 10,7 km/l na cidade e 14,8 km/l na estrada, algo muito bom.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Este motor Torque 1.6 16V só era oferecido na Strada Working de cabine simples, enquanto a de cabine estendida tinha opção das duas cabines.

No ano de 2003, a Fiat tira de cena o Fiasa 1.5 e introduz o GM 1.8, o mesmo motor usado no passado pelo Chevrolet Monza.

A Strada Working estava disponível com cabine simples ou estendida. O GM Família I tinha injeção multiponto e cabeçote de 8 válvulas, entregando 103 cavalos a 5.400 rpm e 17,0 kgfm a 2.800 rpm.

O propulsor de 1.796 cm3 e 9,4:1 de taxa de compressão fazia a picape ir de 0 a 100 km/h em 10,2 segundos com final de 176 km/h.

A Strada Working 1.8 tinha consumo de 7,1 km/l na cidade e 11,5 km/l na estrada. Apesar do motor mais forte, a capacidade de reboque e carga não mudaram.

Além disso, a versão de acesso sem denominação passou a ser também Working, ganhando assim a opção do quatro cilindros Fire 1.3 8V (1.25), que tinha somente 67 cavalos a 5.250 rpm e 11,1 kgfm a 2.250 rpm.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Como era mais fraca, a Strada Working 1.3 ia de 0 a 100 km/h em 15,2 segundos e tinha máxima de apenas 152 km/h. Porém, o consumo era bom, fazendo 8,9 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada.

Esta versão também teve um adicional, pneus 175/80 R14 ante os de série 70, ampliando assim a economia verificada nos números.

Os retrovisores elétricos passaram a figurar como opcionais na Working. Capota marítima, assim como a direção hidráulica, passaram a ser de série junto com outros itens.

Segunda atualização em 2005

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Em 2005, a Strada Working ganha nova frente.

Na segunda atualização de estilo da picape leve, entram os novos faróis com projetor baixo maior que o alto, ganhando um contorno próprio, assim como grade com visual estilizado e para-choque pronunciado com vincos abertos na parte superior e espaço para quatro faróis auxiliares, presentes apenas na Adventure.

O modelo também ganhou lanternas levemente atualizadas, enquanto a tampa adiciona proteção extra, com vincos como na frente.

Com a alterações nos para-choques, a Strada Working 2005 passou a ter 4,444 m de comprimento. A altura também ampliou-se para 1,559 m.

O painel também mudou, adotando um conjunto mais vertical e com volante de três raios diferenciado.

O cluster também é novo, assim como o sistema de áudio integrado e o ar condicionado com botões mais ergonômicos.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A maior mudança mecânica é o fim do motor 1.3 Fire na picape, enquanto que seu substituto passou a ser o Fire 1.4 8V, nova opção que trazia a tecnologia flex, entregando assim 80 cavalos na gasolina e 81 cavalos no etanol, ambos a 5.500 rpm.

Os torques eram de 12,2/12,4 kgfm a 2.250 rpm.

Com câmbio manual de cinco marchas, a Strada Working 2005 com motor Fire Flex, ia de 0 a 100 km/h em 12,8 segundos e tinha máxima de 162 km/h.

No etanol, o consumo era de 7,2 km/l na cidade e 9,3 km/l na estrada. Na gasolina, era 9,3 km/l no circuito urbano e 14,0 km/l no ciclo rodoviário.

Terceira atualização em 2010

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Na terceira atualização, a Strada Working ganhou mais alterações no visual, mas agora com um diferencial, a cabine dupla.

Ainda apenas com duas portas, a picape leve da Fiat tinha seu comprimento reduzido para 4,409 m e adicionava faróis amendoados e de projetor simples, enquanto grade e para-choque voltavam a ter a mesma estrutura.

A Strada Working 2010 também ganhou faróis de neblina, assim como saias de rodas com proteção parafusada, enquanto a proteção traseira ficava mais lisa.

As lanternas ganharam extensão sobre a tampa da caçamba de carga. A cabine dupla tinha apliques nas laterais das colunas C, assim como protetor de vidro traseiro e barras longitudinais no teto.

Um aplique foi adicionado à solda da cabine traseira, adicionando um visual bem estranho ao modelo. A Strada Working tinha vigia traseira basculante.

As rodas ganharam novas calotas, enquanto o painel tinha a parte central em cinza mais claro. O cluster era completo e tinha computador de bordo. O sistema de áudio com CD player era embutido.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Airbag duplo e freios ABS eram opcionais. Por dentro, o espaço para quem ia atrás era apertado, mas os bancos tinham bom basculamento.

A Strada Working 2010 também ganhou melhorias no motor Fire, que passou a ser chamado de Fire Evo, tendo agora 85 cavalos na gasolina e 88 cavalos no etanol, obtidos em 5.750 rpm. Os torques eram de 12,4/12,5 kgfm a 3.500 rpm, respectivamente.

Na Strada Working CD 1.4, a aceleração era de 0 a 100 km/h em 13,2 segundos com máxima de 164 km/h.

Os consumos eram bem ruins com etanol, fazendo 6,3 km/l na cidade e 7,6 km/l na estrada. Na gasolina, era de 10,3/12,2 km/l, respectivamente.

Quarta atualização em 2014

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

A Strada Working mudou mais uma vez, agora pela quarta em 2014. O modelo ganhou frente com faróis menores, dotados de lente única com repetidores de direção e lanternas.

A picape leve ganhou para-choque pronunciado com grade integrada e acabamento cinza. Além disso, recebeu ainda nova entrada de ar central e faróis de neblina.

As saias de rodas com proteção também permaneceram, enquanto as lanternas traseiras passaram a ser mais compactas e elevadas, tendo ainda uma tampa da caçamba lisa, que tem base protegida por plástico, assim como as laterais.

O para-choque mantém os degraus de apoio ao embarque e manejo de cargas.

De série, a Strada Working 2014 vinha com capota marítima, rack no teto, caçamba revestida com protetor plástico, direção hidráulica, ambiente preto, cluster com computador de bordo e conta-giros, entre outros. As rodas de aço ganharam novas calotas.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Na versão com cabine simples, a Strada Working 2014 tinha 1.220 litros na caçamba, mantendo a capacidade de carga em 705 kg.

O motor Fire Evo 1.4 Flex garante aceleração de 0 a 100 km/h em 12,5 segundos com máxima de 164 km/h. Na gasolina, ela faz 9,2 km/l na cidade e 12,2 km/l na estrada. No álcool, 6,3/8,4 km/l.

Na versão com cabine estendida, os números são bem parecidos. Já na cabine dupla, a novidade foi a introdução da terceira porta.

Ela permitiu melhor acesso aos dois bancos traseiros, eliminando assim a coluna B do lado direito, bem como reposicionando a fixação do cinto de segurança do passageiro.

Strada Working: história, anos, motor, consumo, equipamento, detalhes

Além disso, a Strada Working 2014 ganhou novas rodas de liga leve aro 14 polegadas opcionais. Nesse ano surge a edição especial Hard Working, com vários itens de série.

Opcionalmente tinha rodas de liga leve aro 15.

Na linha 2017 da Fiat, a Strada Working teve a opção Hard integrada à gama de versões.

No ano seguinte, ela recebeu melhoramentos no acabamento para atrair mais a atenção na gama de entrada, visto que a versão Freedom ficou bem mais cara, porém, atraente pelo conteúdo e visual.

Este texto lhe foi útil??

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Domenico Monteleone

    Praticamente o último dos moicanos, se não fosse a Working seria mais um segmento caminhando para a extinção.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      Mas eu acho que não demora muito pras pick-ups compactas morrerem. A VW vem com Tarok, a Fiat já tem uma nova Strada vindo, GM vem com uma nova Montana, todas no porte da Toro. Se ver bem as vendas das utilitárias, depois da Strada vem a Toro que custa 90 mil, é provável que fiquem tudo nessa faixa de 65 mil em diante em versões CS.

  • Hodney Fortuna

    Lamentável é o preço absurdo. A versão mais simples da pickupinha custa 55 mil reais.

    • mjprio

      Muitas sao vendidas pra frotistas e outros PJ. Acaba saindo mais barato

    • Ricardo Blume

      A maioria são vendas diretas. Sai mais em conta.

  • Renato Otto

    Pegaram um Palio Fire jurássico de 1996, adaptaram uma caçamba, e mudaram o nome para Strada, e dobraram o valor.

    E ainda tem gente que compra e, fala que anda de picape kkkkk

    .

    • Robinho

      pode ser, mas para o trabalho , hoje não tem opção melhor.

  • lucas de jesus

    Orra, só “05 cavalos na gasolina” é tenso :v

  • Fabiano Navas

    O maior dinossauro do mercado automobilístico brasileiro…
    20 anos de mesma carroceria representam o atraso tecnológico e de segurança que esse modelo tem.
    Uma pena a LatinCap não testá-lo, pois certamente, teria decretado o fim de vida dela há muuuuito tempo.

  • Renato Pereira de Oliveira

    A strada é a melhor pick-up para trabalho no mercado. Aguenta muito desaforo, coisa que a montana e saveiro não dão conta. Sob o projeto ser antigo acho o de menos nela, o que cairia bem seria uma gama de motores mais modernos e econômicos. O preço está absurdo, mas qual carro hoje que não esta?

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email