Crossovers Matérias NA Suzuki

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

O Suzuki SX4 foi um crossover compacto vendido pela marca japonesa no Brasil entre 2009 e 2015, sendo substituído pelo S-Cross, um modelo de desenvolvimento próprio do fabricante asiático e que ainda hoje está no mercado.


O projeto do SX4 foi compartilhado com a Fiat, já que a General Motors tinha importante participação na Suzuki em 2006, ano de seu lançamento mundial, assim como na marca italiana.

Com um mistura de hatch e utilitário esportivo, o Suzuki SX4 foi um produto que realmente trouxe ao mercado a proposta de um carro aventureiro com real capacidade 4×4, uma vez que tinha esse sistema de tração.

Produzido na Índia e China, foi vendido na Europa como Fiat Sedici, que nunca chegou ao Brasil para evitar concorrência com o produto da Suzuki, que chegou a ter edição especial com direito até a chuveirinho de praia.


Foi equipado aqui apenas com motor 2.0 de 145 cavalos e transmissão manual ou automática. O propulsor era o mesmo que equipava o Suzuki Grand Vitara da época.

Chamava mais atenção por seu sistema de tração i-AWD (Intelligent All Wheel Drive), que ainda utilizava suspensão traseira por eixo de torção em “V” para permitir a passagem do eixo cardã até o diferencial traseiro.

A solução é a mesma do Novo Onix Plus que, embora não tenha tração nas quatro rodas, apresenta suspensão do Chevrolet Trailblazer 2020 chinês, que é semelhante em aspecto à do Suzuki SX4.

O modelo ganhou uma atualização leve com grade adotando grelha com frisos horizontais e novos vincos nos para-choques, mas sem acrescentar muito em conteúdo.

Suzuki SX4 – detalhes

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

O Suzuki SX4 chegou importado do Japão em setembro de 2009, sendo oferecido inicialmente apenas na versão Sport Pack, equipada com motor 2.0 e com câmbio manual de cinco marchas ou automático de quatro marchas.

Seu conjunto mecânico apresentava o sistema de tração nas quatro rodas com opções de seleção, assim como visual bem esportivo e jovial. Sua carroceria era compacta com capô curto e baixo, assim como teto alto e boa área envidraçada.

As colunas A avançam sobre a frente e apresentavam vigias, baixando bem a linha de cintura do carro. As colunas C eram destacadas com suas vigias laterais, integradas ao desenho do vidro traseiro.

Com esse visual, o Suzuki SX4 mesclava bem os estilos de hatchback e crossover, com uma pitada de minivan. O modelo media 4,135 m de comprimento, 1,730 m de largura, 1,585 m de altura e 2,500 m de entre eixos.

Embora parecesse um carro de porte médio, ainda era um compacto e tinha porta-malas com capacidade dessa categoria, levando 270 litros de bagagem. O tanque de combustível era pequeno, medindo 45 litros.

Ele tinha faróis de parábola única com pisca e lanterna em cada lente. O conjunto ótico envolvia o capô, fundindo-se bem visualmente com a grade superior dotada de elementos estéticos semelhantes a escamas.

O para-choque tinha grade inferior central retangular e duas molduras laterais com faróis de neblina circulares. O crossover tinha retrovisores grandes e teto alto com barras longitudinais.

Em cima, o Suzuki SX4 tinha teto solar elétrico opcional, assim como antena. Na traseira, o japonês tinha para-choque elevado e lanternas compactas. O utilitário esportivo também apresentava proteção plástica nas saias de rodas.

Como diferencial, a versão Sport Pack tinha faixas decorativas de cor cinza sobre o capô, teto em cor preta, faixas laterais cinzas com o nome SX4 e defletor de ar traseiro sobre a tampa do porta-malas.

As rodas de liga leve aro 16 polegadas tinham acabamento em cor cinza brilhante e cinco raios, além de pneus de uso normal com medidas 205/60 R16, que garantiam estabilidade e conforto.

No interior, o Suzuki SX4 tinha painel moderno para a época, embora um tanto simples. O cluster era analógico e tinha grafismo vermelho, tendo ainda display central para o computador de bordo.

Além dos mostradores de velocímetro e conta-giros, maiores, o quadro tinha ainda medidores menores para nível de combustível e temperatura da água num terceiro medidor e tinha indicador de marcha.

O ambiente tinha ainda acabamento em dois tons de cinza, tendo volante multifuncional com função de mídia. Os difusores de ar eram pequenos e o sistema de áudio com CD player e auxiliar era integrado ao conjunto.

Já o ar condicionado era manual, tendo ainda vidros elétricos nas quatro portas, travamento central elétrico e retrovisores com ajustes elétricos. A direção elétrica tem ajuste em altura e o banco do motorista também.

A padronagem dos bancos era dupla, com a parte mais clara nos assentos e encostos. O banco traseiro bipartido tinha articulação para rebatimento, o que permitia colocar objetos planos no assoalhe.

O espaço interno era bom somente em altura com espaço traseiro reduzido para pernas. O Suzuki SX4 tinha ainda um bagageiro pequeno, mas suficiente para sua proposta jovial.

A suspensão era bem robusta e tinha 175 mm de altura livre, sendo adequada para rodagem em estradas esburacadas e locais com pequenos obstáculos.

Pesando 1.300 kg, era bem ágil, mas lhe faltava um conteúdo melhor. Não tinha sequer piloto automático ou um sistema de som melhor. Faltava ainda airbags laterais, vistos nas versões globais, bem como teto solar elétrico.

O SX4 pecava ainda mais por não dispor de controles de tração e estabilidade, tal como assistente de partida em rampa, itens importantes num carro com essa proposta.

Suzuki SX4 – novidades

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

O Suzuki SX4 trouxe uma novidade importante para o mercado brasileiro, um sistema de tração nas quatro rodas on demand para um carro compacto, sendo chamado i-AWD (Intelligent All Wheel Drive).

Essa tecnologia permitia ao SX4 rodar com maior desenvoltura em estradas de terra, lama e ter maior estabilidade no asfalto com o uso da força nas quatro rodas.

O conjunto i-AWD tinha três opções de atuação, escolhidas pelo condutor. A primeira era a 2WD, que mantinha a tração apenas dianteira, conferindo aí menor consumo de combustível e agilidade no dia a dia.

No seletor, mudando-se para 4WD Auto, o sistema acoplava eixo cardã e diferencial traseiro, com seus semieixos para dispor de tração nas quatro rodas sob demanda. Ou seja, ela só acionava as rodas traseiras em caso de necessidade.

Era um sistema mais simples que o atual empregado no S-Cross, que é o sucessor do SX4. Assim, o crossover poderia manter o desempenho e a economia, dependendo da condução que estava sendo empregada.

Então, havia a opção 4WD Lock. Nesse caso, a tração nas quatro rodas fica permanente, tendo variação de força entre os eixos como na 4WD Auto, mas sempre com as rodas traseiras impulsionando também o carro, mas somente até 60 km/h.

O dispositivo é interessante pelo fato de não necessitar de uma suspensão traseira multilink, usando somente um eixo de torção elevado no meio, a fim de permitir a passagem do eixo cardã.

O diferencial traseiro é preso na carroceria e usa semieixos parta mover as rodas. Diferentemente do sistema usado pela GM na plataforma VSS dos novos Onix e Trailblazer, por exemplo, o do Suzuki SX4 não usa braços adicionais Watt.

Mormaii

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

No SX4, outra novidade era a versão Mormaii, que tinha foco mais jovem e aventureiro, voltado aos surfistas. Além da personalização leve, trazia ainda bancos em couro e o famoso chuveirinho de praia.

O crossover nessa versão vinha com pintura personalizada em grafite, rodas na cor grafite, teto preto, aerofólio traseiro, ponteira de escapamento cromada, protetores pronunciados nos para-choques dianteiro e traseiro, acabamento interno em couro personalizado, pintura em dois tons, faixas laterais e emblemas alusivos à série.

Além disso, o SX4 Mormaii trazia o chamado SportShower, um pequeno chuveiro pressurizado, que era montado dentro do porta-malas, na lateral, tendo reservatório de 17 litros atrás do para-choque traseiro.

O equipamento foi desenvolvido por uma empresa chamada DDS e não tinha a função de servir de lavatório para os ocupantes que vinham da água da praia, mas para limpeza de prancha e artigos de praia, antes de acondiciona-los em suas capas.

No entanto, podia sim ser usado para lavar pés e mãos de forma rápida e prática, mas não tendo água suficiente para o banho rápido de todos os ocupantes no modelo.

Era uma novidade exclusiva do SX4 no Brasil, não sendo vendida em nenhum outro lugar do mundo. O SportShower era vendido em forma de kit, que no básico, onde o acabamento em couro era oferecido, tinha preço de R$ 2.400 em 2013.

No kit Mormaii Full, que acrescentava outros itens ao pacote, incluindo rack especial no teto, o preço era de R$ 5.700.

Suzuki SX4 – versões

  • Suzuki SX4 AWD 2.0 MT
  • Suzuki SX4 AWD 2.0 AT
  • Suzuki SX4 AWD Sport Pack 2.0 MT
  • Suzuki SX4 AWD Sport Pack 2.0 AT
  • Suzuki SX4 AWD Mormaii 2.0 MT
  • Suzuki SX4 AWD Mormaii 2.0 AT
  • Suzuki SX4 AWD Mormaii Full 2.0 MT
  • Suzuki SX4 AWD Mormaii Full 2.0 AT

Suzuki SX4 – preços

Preços de 2013:

  • Suzuki SX4 AWD MT – R$ 59.990
  • Suzuki SX4 AWD AT – R$ 63.990
  • Suzuki SX4 AWD Sport Pack MT – R$ 65.580
  • Suzuki SX4 AWD Sport Pack AT – R$ 69.580
  • Suzuki SX4 AWD Mormaii MT – R$ 62.380
  • Suzuki SX4 AWD Mormaii AT – R$ 66.380
  • Suzuki SX4 AWD Full Mormaii MT – R$ 65.688
  • Suzuki SX4 AWD Full Mormaii AT – R$ 69.688

Suzuki SX4 – equipamentos

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

Suzuki SX4 AWD – vidros elétricos nas quatro portas, travas elétricas, ar condicionado automático, direção elétrica, banco do motorista com regulagem de altura, sistema de áudio com CD e MP3, volante com comando de áudio, computador de bordo, barras longitudinais no teto, faróis de neblina, airbag duplo, freios ABS com EBD, vidros verdes, rodas liga leve 16 polegadas,. pneus 205/60 R16 e alarme.

Suzuki SX4 AWD Sport Pack – Itens acima, mais faixas esportivas no capô, ponteira do escapamento em inox, teto na cor preta, aerofólio traseiro, rodas com pintura grafite, logotipia exclusiva e bancos de couro.

Suzuki SX4 AWD Mormaii  – Itens acima, mais teto na cor grafite, protetores adicionais dianteiro e traseiro, logotipia cromada, pintura em dois tons e faixas laterais.

Suzuki SX4 AWD Mormaii Full – Itens acima, mais SportShower, chuveiro portátil com reservatório de 17 litros e pressurização.

Suzuki SX4 – motor

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

O Suzuki SX4 tem motor J20A 2.0 litros, de quatro cilindros, que era usado na época no Grand Vitara, SUV que a marca japonesa emplacou bem por aqui. O propulsor tinha duplo comando de válvulas e era aspirado.

Equipado com injeção eletrônica multiponto, nunca foi convertido em flex no SX4. Tinha 1995 cm3 e acionamento dos comandos por corrente lubrificada. Com 16V, trabalhava com taxa de compressão de 9,5:1.

Este propulsor entregava 145 cavalos a 5.800 rpm e 18,7 kgfm a 3.500 rpm. A transmissão era manual de cinco marchas ou automática com conversor de torque e quatro velocidades.

Suzuki SX4 – desempenho

Seu desempenho de 0 a 100 km/h era de 11,1 segundos e tinha máxima de 180 km/h, quando equipado com câmbio manual de cinco marchas. No automático, o crossover precisa de 12 segundos e tinha final de 175 km/h.

O SX4 nunca teve versão flex, o que poderia ter ajudado a melhorar suas vendas. Também nunca ofereceu uma opção de câmbio de seis marchas, tanto manual quanto automática.

Suzuki SX4 – consumo

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor

O consumo do Suzuki SX4 era de 7,7 km/l na cidade e 10,0 km/l na estrada, na versão com transmissão manual. No automático, o rendimento era menor, fazendo 7,0 km/l no ciclo urbano e 9,8 km/l no rodoviário.

Seu tanque de 45 litros permitia de até 450 km na estrada, o que era pouco, ainda mais se tratando de um carro que era movido apenas por gasolina. O alto consumo é em parte atribuído ao sistema i-AWD e ao câmbio, bem como também por conta do peso.

Suzuki SX4 – revisão e garantia

A garantia da Suzuki era de três anos e o Suzuki SX4 tinha revisões a cada 10.000 km, tendo um pacote de serviços que incluía troca de óleo do motor, filtro de óleo, filtro do ar condicionado, filtro de ar, entre outros.

Suzuki SX4 – ficha técnica

Motor

2.0

Tipo

Dianteiro, transversal e a gasolina

Número de cilindros

4 em linha

Cilindrada em cm3

1.995

Válvulas

16 (4 por cilindro)

Taxa de compressão

9,5:1

Injeção eletrônica de combustível

Indireta multiponto

Potência Máxima

145 cv a 5.800 rpm

Torque Máximo

18,7 kgfm a 3.500 rpm

Transmissão

Tipo

Manual de 5 marchas/Automático de 4 marchas

Tração

Tipo

Integral sob demanda

Freios

Tipo

Discos ventilados (dianteira) e discos sólidos (traseira)

Direção

Tipo

Elétrica

Suspensão

Dianteira

Independente, McPherson, com molas helicoidais

Traseira

Eixo de torção, com molas helicoidais

Rodas e Pneus

Rodas

Liga-leve de 16 polegadas

Pneus

205/60 R16

Dimensões

Comprimento total (mm)

4.135

Largura (mm)

1.730

Altura (mm)

1.585

Distância entre os eixos (mm)

2.500

Capacidades

Capacidade de carga (kg)

440

Tanque (litros)

45

Porta-malas (litros)

270

Peso vazio em ordem de marcha (kg)

1.300

Suzuki SX4 – galeria de fotos

Suzuki SX4: detalhes, versões, preços, equipamentos, consumo e motor
Nota média 5 de 1 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • LArtur

    Esse carrinho era muito legal, o motor que faltava no GV caia muito bem nele. A versão Mormaii foi a única com apelo ao surf que tinha um diferencial não so do 4X4 e chuveirinho mas tinha também um kit lift de 1 e 1/2 polegada, deixava ele mais altinho

  • De Vieira

    O Suzuki SX4 é um carrinho bem interessante, meu pai já ensaiou comprar um zero km na época de lançamento, mas preferiu outro modelo maior um Honda CR-V e eu ensaiei comprar um usado na troca pela minha Pajero TR4, mas acabei trocando de categoria, Honda Fit. Posso dizer que é um carrinho bem especial, prático e divertido. Aqui em Brasília não é tão raro ver um desses por aí, e o consumo de um automático fica na casa dos 10km/l na cidade como a maioria dos 2.0 automáticos por aqui. Ter a disponibilidade de um sistema que tracione os dois eixos é bem interessante, mas um tanto oneroso também. Infezlimente, por não ser um veículo muito vendido a escassez de peças é clara, e o seguro, normalmente, mais alto do que veículos similares com tração nas quatro rodas.
    Imagino que a durabilidade desses carrinhos é exemplar, mas manter ele seja um tanto caro. O S-Cross substituiu bem o SX4 original, tendo mais equipamentos de conforto e de segurança e dando um pouco mais de requinte visual. Um veículo razoavel para pequenas famílias.

  • Chris

    Aventureiro de verdade!!! Carro que fazia jus a sua proposta, robusto e com capacidade offroad de verdade, mesmo que leve. Uma pena hoje o mercado ser dominado por onix activ e hb20x da vida, dentre outros.

  • Tivemos um. Ficamos 5 anos com ele. 0 problema. Fomos pra Conceição do mato dentro com 4 adultos.
    Fez mais bonito que pick up 4×4.
    Saudades dele.
    Acho que o zero a 100 da reportagem está errado.
    Família cresceu e estamos felizes com nosso Grand vitara 6 cilindros em V.
    Bela reportagem.
    Manutenção igual a de qq carro aspirado.
    Pecas idem. Hj nenhuma css tem peças fora manutenção básica em estoque.

  • 4lex5andro

    Junto do Jimny, o SX4 (que também tem uma versão Fiat), fez a ótima fama da Suzuki no segmento de crossovers no Brasil.

    Competente em trânsito urbano, manobrável, posição alta de pilotagem e também, fora de estrada, enfrenta bem ladeiras e rodovias sem pavimentação.

  • Eu tenho ele há 7 anos. Nunca me deu problema. Com ele fui a lugares que um carro comum não me levaria. Também nunca tive problemas com peças de reposição, todos disponíveis na internet. E mesmo se tivesse uma peça mais difícil de ser achado aqui, como ele é um carro mundial que vendeu muito na europa por conta da sua habilidade em andar na neve (veja no Youtube), não é problema achar peças. Seguro paguei 1200 reais esse ano. Quem quiser comprar um usado, pode comprar, um carro de alta durabilidade, 4×4 sem precisar ser uma jamanta, com conforto e espaço que o Jimny não tem e custando hoje o preço de um QQ chinês.

  • bruno romero

    Aqui onde moro tem poucos, moro no interior de SP, porém todos que ja tiveram um suzuki falam bem, inclusive aqueles suzuki swift que tinham antigamente, eles são bons e engraçados, mas particularmente eu acho o design dos carros suzuki que são vendidos aqui no Brasil meio defasados, parecem carros dos anos 2000, poderiam dar uma atenção nisso, pois se são carros bons, também podem ser atualizados e bonitos né.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email