Listas Top 10 Mercado

Top 10: Dicas para comprar um carro zero

comprando carro eua - Top 10: Dicas para comprar um carro zero

Muitas pessoas querem comprar o carro ideal por um preço justo. Esse é o objetivo de todo mundo, porém, quando veem a realidade, nem sempre conseguem o que querem. Mas, não basta apenas querer, é preciso seguir alguns passos para se alcançar essa meta. Então, com atenção nos detalhes, paciência e otimismo, pode-se conseguir aquele carro desejado por um preço realmente bom.


Neste Top 10, damos dicas de como comprar um carro novo, um modelo zero km. Naturalmente, esses 10 passos não garantem o resultado final esperado, visto que diversas variáveis poderão influenciar no resultado final, mas no geral, essas são as etapas para não cair em um mau negócio e ainda obter uma boa compra.

1) Defina o que você quer

O que você quer? Essa é a pergunta, cuja resposta vai definir todo o processo de compra. Busque um tipo de carro que irá atender satisfatoriamente suas necessidades, mesmo que elas sejam emocionais. Nesse caso, gosto não se discute, então o comprador é livre para buscar o que realmente vai lhe agradar, independente do segmento. Mas, hoje em dia, são poucos os que se prendem apenas a isso. A necessidade de um tipo de veículo em específico é ainda o fator determinante para quase todo mundo.


Se você é solteiro, morando com os pais ou sozinho, por exemplo, pode optar por um carro compacto, pequeno, tal como um hatch, por exemplo, que vai atender as necessidades de alguém que não vai precisar levar muita gente, exceto se os pais não possuírem carro. No caso de um pai de família, não há outra opção se não buscar um carro maior, com porta-malas grande e até mais do que cinco assentos, por exemplo. Sedãs, minivans e SUVs atendem bem nesse caso. Então, saiba o que precisa e defina o tipo de veículo antes de sair procurando.

2) Preço sugerido não é tudo

O ponto crucial dessa escolha pode ser o preço, dependendo do poder de compra de cada um. Assim, a opção precisa estar dentro de uma faixa de preço servirá de referência, pois não significará o valor final a ser pago. É apenas um horizonte para se guiar na procura por uma boa oferta. Saiba que junto com o carro, não vem apenas o preço de tabela ou sugerido pelo fabricante.

Existem outros custos que precisam ser analisados além do preço do carro, entre eles os custos com revisões, gastos com consumo de combustível (a etiquetagem veicular é um bom referencial), documentação, IPVA, etc, precisam ser colocados na mesa, especialmente se o carro for financiado, devido às despesas mensais com as parcelas.

3) Pesquisa

Pode parecer estranho, afinal, as marcas possuem preços sugeridos para seus modelos zero km, porém, é importante pesquisar quando se vai comprar um carro novo. Use a internet e sites especializados para obter mais informações sobre o carro e alternativas de mesma categoria. Sempre tenha uma opção além do carro escolhido.

Saiba em quais concessionários ou lojas multimarcas o modelo novo está com preço melhor. Se atente aos detalhes dos anúncios, especialmente as promessas que “não são de fábrica”, cortesias que servem de chamariz. Mesmo com os preços sugeridos, as ofertas podem ir de preços menores a vantagens de financiamento e outros benefícios. Anote tudo, copie a tela dos anúncios, se prepare para a batalha que virá a seguir. Não tenha medo de buscar mais detalhes das ofertas, ligue, marque um horário e vá negociar.

4) Test drive

Um ponto que precisa ser atendido é a experimentação. O test drive não está na loja apenas como enfeite para chamar atenção. Por isso, é extremamente necessário andar no carro. Por que? Pode ser que o modelo não te agrade ao volante e isso é um fator determinante para a compra.

Vá pessoalmente às lojas para conhecer o produto de perto e faça test drive! Isso é obrigatório para ter a impressão ao dirigir de um carro que será seu por algum tempo. Lembre-se: você poderá estar com ele praticamente todo o dia ou o dia inteiro! Depois de andar, não feche imediatamente se você tem outra opção. Experimente o máximo que puder.

5) Desconto

Após a definição do modelo, da pesquisa e do test drive, chegou a hora de negociar. E a primeira coisa que deve ser focada é no desconto. Um ponto interessante nesse caso é prestar bem atenção ao desempenho do carro no mercado. Por exemplo, se o carro escolhido está saindo de linha ou mudando de geração, os descontos geralmente são maiores, pois as lojas precisam trocar o estoque pelo modelo novo. Nem todo mundo quer andar de carro desatualizado, mas quando há um bom desconto envolvido, vale a pena.

Mesmo se o preço não tiver com desconto, peça. Não tenha vergonha de pedir um corte no valor. Especialmente se você tem informações como essa sobre o produto. Um consumidor bem informado não permite que o vendedor possa levar vantagem para a loja. Elas vão continuar ganhando, com ou sem sua compra. Então, não se intimide diante de uma negativa do vendedor quanto ao desconto. Saia e busque uma oferta melhor.

6) Conhecendo o produto

Durante a pesquisa, não busque apenas preço, mas detalhes e impressões do carro desejado. Até a opinião de quem já tem o carro é válida. O importante também é saber o que o modelo oferece na versão escolhida. Preste atenção e até decore o que o carro traz de série ou o que é opcional. Se o vendedor apresentar algo que não se encaixe, confronte a informação com o que descobriu sobre o produto.

Não se deixe enganar por itens de ano/modelo. Se o último mudou, você precisa saber se houve ou não alteração. Isso serve como defesa contra eventual armação de profissionais de vendas desonestos, evitando assim pagar um extra por algo que já vem de fábrica. Algumas lojas induzem os compradores a fechar em versões mais caras e completas.

Além disso, se fechar a venda, saiba que haverá mais ofertas e estas vão de garantia estendida a tapetes personalizados ou calhas de chuva. Há uma infinidade de acessórios e serviços extras que as lojas podem tentar empurrar junto com a venda. Analise bem se precisará realmente de algum ou alguns deles. Se o preço for muito alto, recuse. Uma boa dica é, caso haja necessidade de determinado item, pesquisar o preço do acessório, sendo uma forma de saber se a loja está cobrando mais ou menos pelo item.

7) Desista se não conseguir a condição que deseja

O vendedor pode vir com aquela história de que o preço sobe amanhã ou são últimas unidades em estoque. Não seja intimidado por ameaças de alta ou unidades finais, saiba desistir de um negócio ruim e busque outras lojas e ofertas. Como já falamos, a loja vai continuar ganhando com ou sem você. Então, é o comprador que decide o final da história.

8) Financiamento mesmo fora da loja

Preste atenção ao anúncio. Não se encante pelos valores reduzidos ou algo como “taxa zero”. Saiba que nem tudo (especialmente o mais importante) está estampado na descrição. É preciso ver todas as opções de financiamento oferecidas e mesmo as que não foram apresentadas pela loja. Taxa zero é oferecida para planos curtos, de 12 a 36 meses, mas com um bom percentual de entrada. Já o banco do fabricante geralmente tem taxas mais baixas, mas veja com seu banco. Se você é um bom cliente e antigo, pode haver vantagens em seu banco.

9) Entrada maior, parcela menor

A tal parcela que cabe no bolso. Saiba o quanto pode pagar por mês. Não vale a pena colocar as finanças em risco por um financiamento mal planejado. O ideal seria juntar o dinheiro e comprar à vista, mas nem todo mundo pode fazer isso. Assim, dê o maior valor possível de entrada para que as parcelas sejam as menores possíveis, especialmente bem abaixo do limite de 30% da renda, que é determinado por lei em caso de financiamento de veículos.

10) Venda o carro usado para particular

Como obter uma entrada maior? Se você já tem um automóvel, venda-o para obter esse valor de entrada integral ou parcial. O ideal é vender o carro para um particular, onde pode-se obter um valor mais justo pelo veículo. Usado na troca? Nem pensar! Se você não tem pressa, não use seu carro como moeda de troca por um novo. A loja vai pagar muito menos que a tabela, porque quer ganhar com a venda dele também. Assim, a revenda ganha duas vezes em cima de você. Então, deixe outra pessoa feliz com seu carro e parte para o novo. Boa compra!

 

COMPARTILHAR:
  • Saulo Gomes

    Esqueceram da principal: fuja de Fiat como o diabo foge da cruz.

    • leandro

      Não existe carro ruim, existe muito motorista ruim

      • Nicolas_RS

        Pega aqui seu troféu de comentário sem noção.

      • Unknown

        Concordo que existam muitos motoristas ruins, agora dizer que não existem carros ruins, está de brincadeira né?

        • Gil de Piento

          É o comentário padrão de um gagá de um certo site automotivo que eu nem visito mais: “não existe carro ruim”. E olha que o cara é endeusado por ser ex redator de revistas.

      • Ítalo Figueirôa

        Recall é apenas uma piada né?

        • leandro

          Me fala uma única marca que nunca teve recall??

    • Pedro Henrique

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      cara depende, se for zero km é recomendado mesmo kkkkkk
      mas, se for um usadinho inteiro E for o primeiro carro, um fiat com motorzinho fire é uma boa pedida, manutenção barata, fácil e o carro não vai ser dos piores gastões, mas tbm não vai ser um primor kkkkkkk e eles vem bem completinhos até

      • Saulo Gomes

        Usado é mais tranquilho, o primeiro dono faz o controle de qualidade, ai vem com menos defeitos.

  • zekinha71

    A que tinha que ser a primeira e única: ter muito dinheiro disponível pra comprar um veículo que dá pra chamar de carro e não carroça.

  • Ricardo

    Lojas normalmente só pensam no lado delas e fodam-se os compradores. depois reclamam que as vendas estão ruins. Pegam carros por R$ 15.000, querem vender por R$ 25.000 e dizem que não podem dar descontos. Fora as adulterações, tipo de quilometragem! FDPs!

    • Luciano RC

      Isso acontece com algumas revendas… todo segmento tem o lixo. Hoje tem muitas formas de vender o carro. Vários sites, aplicativos e feirões.

    • SK15

      Sim, sim todos dizem que é que é a melhor avaliação do mercado mas todos oferece o mesmo valor baixo, claro, parece uma mafia, eu estava querendo um automático porque estou precisando por causa da minha mulher, tenho um carro 16/17 que pela FIPE diz que vale 47.000 e uns quebrados ai fim de semana estava de bobeira e fui ver um ‘Fiesta Powershit’ 16/16 estava 45.000 e que me chamou à atenção e era perto do trabalho se não nem ia, e os caras ofereceu no meu carro 30.000 ou seja uma diferença brutal e ainda tinha que pagar o documento dos 2 e ainda pericia do meu, muita ganancia, se oferece pelo menos 40.000 era de se pensar ou seja 5.000 de diferença limpinho no bolso deles mas não a diferença ia passar dos 15.000 e depois iam vende o meu por 45.000 de novo.

      • Ricardo

        Muitos se sujeitam à isso, esse é o maior problema!

        • O foda é que aceita vender para a loja por 10/15 abaixo e não aceita vender para um particular com esse descontam.
          Meu primo vendeu o dele com 2K abaixo do v

  • Oberon de Megrez

    1ª dica: Não compre.

  • Gustavo Bard

    Lojistas não gostaram dessa matéria 😂

  • SK15

    Problema dos usados é que está tudo tão caros quanto quantos os novos e tudo de qualidade duvidosa quilometragem alta, você vê o carro na foto via Webmotors e afins e quando chega lá tudo quebrado e maquiado cheio de riscos, os botões soltos, dias desses tava vendo um Punto (só por ver mesmo) numa loja que entrei ai coloquei o dedo no botão do volante multifuncional e caio o botão (aff), os caras vedem do jeito que esta pela tabela FIPE.

    E se tem um usado na troca só o dos caras (lojas, css e afins) valem alguma coisa, o seu não vale nada não todos dizem nos anuncios “melhor avaliação do mercado”, mas TODOS oferece o mesmo valor no seu carro, isso sem contar a pericia que eles querem do seu e o deles garante de pé junto que são periciados sendo que o carro esta no estoque a meses e a pericia vale por 30 dias apenas.

    • Mr. On The Road 77

      Isso que você relatou é o que mais acontece. O seu carro nunca vale nada e o que eles querem vender vale ouro.
      Por isso que há muito tempo não esquento mais a cabeça em ter carro ‘bom de mercado’.

  • Mambo Ted

    Efetuar a compra nos 2 últimos dias do mês. O vendedor , o gerente e a loja tem meta , dificilmente chegam a meta , negociação fica menos ruim nos últimos dias do mês .

    • Fábio A.

      Isso é bem verdade. Certa vez, depois de muita pesquisa e uma guerra de preços entre 2 concessionárias da mesma marca, fechei uma compra de um 0km dia 30/08, um amigo meu fechou o mesmo carro, no mesmo dia, com a mesma condição. Na semana seguinte outro amigo achou o negócio interessante e foi pesquisar, o vendedor não manteve a mesma condição pra ele.

  • sigma7777777

    Após o item 1, priorize veículos japoneses, e portanto não precisa ser apenas da Honda ou Toyota; fique de olho também nas outras! Geralmente apresentam veículos concorrentes com bom custo de manutenção, alta durabilidade, baixo custo de revisão e bom custo de seguro.

  • Ricardo Blume

    Primeira dica: Aceite. Mas aceitar o que? Aceitar que está sendo roubado.

  • Rodrigo

    Faltou a principal dica: se não quer perder dinheiro jamais faça emplacamento e licenciamento pelo despachante da CSS. Vale muito mais a pena fazer sozinho (se tiver tempo) ou procurar um despachante de sua confiança. A economia beira os 90%

  • Samluzbh

    A principal dica seria; Somente compre carro zero em caso de extrema necessidade, o que é raríssimo!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email