Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)
Toyota C-HR

O Toyota C-HR é o SUV compacto da Toyota que todos esperam que seja lançado no Brasil.

Mas infelizmente, até o momento a Toyota parece apostar todas as suas fichas no Corolla.


Enquanto outras marcas seguem a tendência do mercado em lançar SUVs compactos a preços de sedãs médios (mesmo sendo carros inferiores que os sedãs), a fabricante japonesa usa um pensamento mais racional e até hoje não lançou o Toyota C-HR no mercado brasileiro.

Se você já ouviu falar do C-HR, já deve saber que se trata de um utilitário-esportivo de qualidade. Ele usa a mesma plataforma TNGA do Prius e da nova geração do Corolla, além de contar com uma série de tecnologias e até a opção de motorização híbrida.

Porém, se você ainda não conhece o modelo, já vamos adiantar que ele seria um modelo de respeito para peitar Honda HR-V, Nissan Kicks, Hyundai Creta e o novo Volkswagen T-Cross.

Ao mesmo tempo, fica o aviso que ele dificilmente chegará ao Brasil – a própria Toyota já descartou a vinda do modelo ao País.

Ainda assim, vale a pena conhecer um pouco mais do C-HR. Confira:

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – detalhes

A começar pelo visual, dá para reparar que o C-HR tem uma proposta diferenciada do Corolla. Ele tem formas mais agressivas, visto que tem como foco um público mais jovem, enquanto o sedã médio mira nos consumidores mais velhos.

Ainda assim, tem potencial para roubar os atuais e futuros proprietários do sedã da Toyota, assim como já acontece com Civic e HR-V e, em breve, Jetta e T-Cross.

O Toyota C-HR se difere bastante de praticamente todos os outros Toyota à venda no mercado global. Ele tem formas marcantes, com vincos para lá de definidos e detalhes côncavos por todos os lados.

A dianteira é mais curta e elevada, com enormes faróis espichados que invadem quase todo o para-lama, interligados por uma grade destacando o logotipo da marca no centro.

Os para-choques também são pronunciados. Já as laterais surpreendem pelo caimento suave do teto, dando uma sensação de continuidade por conta do vidro traseiro bastante inclinado.

Há também um enorme vinco em “U” ocupando toda a extremidade inferior das portas. E por falar em portas, as traseiras têm as maçanetas embutidas na coluna “C” e janelas de pequenas dimensões.

A traseira, por sua vez, tem lanternas em formato de bumerangue e um desenho da carroceria bastante elevado e pronunciado. Tanto é que o para-choque parece ser grande demais.

Pulando para o interior, o C-HR apela para um estilo mais conservador, com a mesma ideia encontrada em modelos como a nova geração do Corolla.

De acordo com a Toyota, o desenho interno do novo crossover compacto é fruto do conceito “Sensual Tech”, que “combina a funcionalidade da alta tecnologia com um estilo sensual e moderno”.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Começando pelo painel, o modelo traz “dois andares”, com a parte superior mais reta e a inferior, mais inclinada para baixo. O acabamento é bom, com a parte de cima do painel revestida em couro preto ou marrom e costuras aparentes.

Há também uma faixa central em preto brilhante que abriga a tela flutuante da central multimídia, as saídas de ar-condicionado e os comandos de ventilação. No caso do C-HR Hybrid, há também um outro friso, mas neste caso colorido, que percorre a porção superior central.

O volante é multifuncional de três raios e conta com acabamento em couro e detalhes em preto brilhante. Já o painel de instrumentos é analógico, mas com uma tela colorida em TFT de 4,2 polegadas no centro.

Outro ponto interessante é que o C-HR tem formas de diamante tanto do lado de fora como no lado de dentro.

Ele pode ser visto no desenho das portas, além dos botões de comando no painel, nos painéis interiores de portas, nas grades dos alto-falantes, nas formas dos tweeters, no revestimento de teto e até nas agulhas dos instrumentos analógicos do painel.

O interior pode ser encomendado em três esquemas de cores: cinza escuro, preto e azul ou preto e marrom.

A respeito do espaço interno, o C-HR oferece uma boa acomodação para os ocupantes, ainda mais para quem viaja nos bancos da frente.

Nas versões mais caras, o carro oferece ajustes elétricos tanto no banco do motorista como no do passageiro.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Entretanto, o espaço traseiro não é dos melhores, só que ainda assim não é extremamente ruim. O espaço para a cabeça é um tanto quanto sacrificado devido ao caimento do teto, enquanto as janelas diminutas das portas traseiras causam uma certa sensação de claustrofobia.

Ele mede 4,36 metros de comprimento, 1,79 m de largura e 1,55 m de altura, com distância entre-eixos de 2,7 m. O porta-malas, por sua vez, tem capacidade para 377 litros.

Devido ao uso da plataforma TNGA, o C-HR oferece um centro de gravidade mais baixo. Ainda segundo a Toyota, ele tem o menor centro de gravidade entre os modelos da categoria.

Isso se traduz numa condução mais agradável e equilibrada, sem tanto rolamento da carroceria.

A plataforma permite um novo posicionamento do compartimento do motor, com componentes realocados e colocados mais abaixo, como forma de suportar o centro de gravidade mais baixo.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – versões e equipamentos

As versões do C-HR variam conforme o mercado. Nos Estados Unidos, o C-HR pode ser encontrado nas variantes LE, XLE e Limited. Já na Europa, ele está disponível nas configurações C-Enter, C-Ity, C-Lub, C-Ult e C-Hic.

Utilizando como parâmetro o C-HR americano, todas as versões saem equipadas com múltiplos airbags (dois frontais, dois laterais dianteiros, dois laterais traseiros, de cortina dianteiro e traseiro e para os joelhos do motorista), monitoramento de ponto cego, alerta de tráfego cruzado traseiro, assistente de partida em rampas, controles de estabilidade e tração, freio de estacionamento elétrico, alerta de saía de faixa com correão, controle de cruzeiro adaptativo, sistema de frenagem pré-colisão com detecção de pedestres, entre outros.

Oferece também ar-condicionado automático de duas zonas, painel com tela TFT de 4,2 polegadas, retrovisor interno eletrocrômico, chave presencial, partida do motor por botão, luzes de condução diurna, faróis com acendimento automático, direção elétrica, vidros, travas e retrovisores elétricos, volante multifuncional, câmera de ré integrada ao retrovisor interno, entre outros.

As versões mais caras recebem banco do motorista e do passageiro dianteiro com ajustes elétricos e aquecimento, acabamento interno em couro, faróis de neblina em LED, rodas de liga-leve de 18 polegadas, retrovisores externos com aquecimento, rebatimento elétrico e luz de cortesia, sensor de chuva, sistema multimídia com Android Auto, Apple CarPlay, navegador GPS, WiFi Connect e tela de oito polegadas, entre outros.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – preços

Nos Estados Unidos, o Toyota C-HR tem preço de US$ 20.995 na versão de entrada LE, US$ 23.030 no modelo intermediário XLE e US$ 26.050 na configuração topo de linha Limited. Em todos os casos, o motor é um 2.0 litros aspirado de 146 cv, acoplado a um câmbio automático CVT.

Já no caso do modelo europeu, mais precisamente o vendido na Alemanha, o C-HR com o motor 1.2 turbo tem preços que começam em 21.990 euros.

Já o C-HR com o conjunto híbrido parte de 25.590 euros, podendo chegar a 34.430 euros em sua versão mais completa.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – motor

Assim como a gama de versões, os motores do Toyota C-HR variam conforme o mercado.

A gama mais tradicional e popular inclui um 1.2 litro turbo a gasolina para as versões mais em conta ou um 1.8 litro a gasolina atrelado a outro elétrico, formando um conjunto híbrido, para as variantes mais caras.

O motor 1.2 litro é dotado de quatro cilindros, turbocompressor, injeção direta de gasolina e o sistema de comando de válvulas variável VVT-i da Toyota.

Ele pode gerar até 116 cavalos de potência, a 5.200 rpm, e 18,9 kgfm de torque, a partir de 1.500 rpm.

Ele está associado a um câmbio manual de seis marchas ou automático continuamente variável (CVT) Multidrive S e tração dianteira 2WD ou nas quatro rodas 4WD.

Esse sistema de tração integral, batizado de Dynamic Torque Control AWD, distribui a força entre os dois eixos por meio de um acoplamento eletromagnético. Dependendo das condições, a distribuição de torque entre o eixo dianteiro e o eixo traseiro pode variar de 100% a 50-50%.

O destaque, porém, vai para o C-HR com conjunto híbrido. Ele é equipado com um motor 1.8 litro VVT-i de ciclo Atkinson e outro elétrico.

A Toyota informa que, em comparação com a terceira geração do Prius, a unidade foi totalmente reprojetada para entregar uma melhor economia de combustível.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

O motor a combustão consegue desenvolver 100 cavalos de potência, a 5.200 rpm, e 14,5 kgfm de torque, a 3.600 rpm.

Já a unidade elétrica fornece 53 kW de potência (algo em torno de 72 cv) e 16,6 kgfm de torque e é alimentada por uma bateria de níquel-metal hidreto (NiMH) posicionada embaixo dos bancos traseiros). Isso resulta numa potência combinada de 122 cv.

Neste caso, a transmissão é sempre automática do tipo CVT, com tração dianteira 4×2.

O carro oferece um seletor com três modos de condução (Normal, Sport e Eco), que altera o comportamento do carro para entregar uma condução mais esportiva ou eficiente, por exemplo.

Vale lembrar que, nos Estados Unidos, o C-HR conta com um motor 2.0 litros de quatro cilindros a gasolina. Este rende 144 cv, a 6.100 rpm, e 19,2 kgfm, a 3.900 rpm.

Ele está combinado a um câmbio automático do tipo CVT que simula até sete marchas, além de tração dianteira.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – desempenho

A respeito do desempenho, o C-HR 1.2 turbo se sai ligeiramente melhor. A marca informa uma aceleração de 0 a 100 km/h em 10,9 segundos e velocidade máxima de 190 km/h.

Já o C-HR Hybrid com seus 122 cv pode ir de 0 a 100 km/h em 11 segundos, mas tem velocidade máxima de 170 km/h.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – consumo

De acordo com informações da Toyota, o C-HR com motor 1.2 turbo, câmbio manual e tração integral consegue entregar consumo combinado de 16,4 km/l.

Ele emite até 138 gramas de CO2 por quilômetro rodado, também no ciclo combinado.

Já no caso do C-HR com o 1.2 turbo, mas com câmbio CVT e tração 4WD, o consumo médio é de 14,9 km/l, com emissão de CO2 de 152 g/km.

O C-HR Hybrid, claro, é bem mais eficiente. A Toyota diz que ele (oferecido sempre com câmbio CVT e tração 2WD) entrega consumo combinado de 26,3 km/l e emissão de CO2 de 86 g/km.

Toyota C-HR: versões, equipamentos, preços, motor (e desempenho)

Toyota C-HR – chegará ao Brasil?

Por mais que o segmento de crossovers e SUVs compactos esteja bastante aquecido e acirrado no mercado brasileiro, a Toyota parece não dar muito importância para a venda do C-HR em nosso País.

Logo no lançamento do Toyota C-HR lá fora, começou a surgir alguns burburinhos a respeito da vinda do crossover ao Brasil.

Porém, pouco tempo depois os executivos da Toyota descartaram o modelo para a linha nacional. Entre os motivos, eles veem o C-HR como um carro um tanto quanto inadequado para o nosso mercado.

Isso porque ele não é tão espaçoso quanto um HR-V ou T-Cross e, ainda, seria caro demais para nós.

Caso fosse comercializado por aqui, o Toyota C-HR seria posicionado como uma espécie de carro de estilo e como forma de demonstrar as boas tecnologias da marca japonesa, sobretudo por conta do motor híbrido.

Portanto, seu preço acabaria sendo bastante elevado, tornando inviável a sua comercialização e, consequentemente, a competição com os demais carros da categoria.

Caso fosse vendido por algo em torno de R$ 100 mil, a Toyota não teria muita margem de lucro e, além disso, poderia contar com uma demanda que a marca não daria conta de atender – tendo em vista que o C-HR poderia chegar como um carro importado.

Já se fosse um pouco mais caro, por algo em torno de R$ 130 mil, ele iria canibalizar quase que por completo o Prius na gama da marca.

Por esse preço, a Toyota entregaria um carro com visual mais arrojado e boas tecnologias, mas sem um bom espaço interno.

Sendo assim, a Toyota segue sem um representante no segmento. E o pior: o SUV mais barato da empresa é o RAV4, que parte de R$ 149.990. Ele é também o único da marca na categoria.

Toyota C-HR – fotos

Leonardo Andrade

Leonardo atua no segmento automotivo há quase nove anos. Tem experiência/formação em administração de empresas, marketing digital e inbound marketing. Já foi colaborador em mais de sete portais do Brasil. Fissurado por carros, em especial pelo mercado e por essa transformação que o mundo automotivo está vivendo.