Sedãs Toyota

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)
Toyota Corolla XRS

Conhece o Corolla XRS? Muitos dizem que o Toyota Corolla é o carro perfeito para quem tem mais de 50 anos de idade e qualquer um que ocupe o posto de motorista dentro do sedã médio japonês envelhece alguns anos.

Tudo isso pelo fato de o carro ter um visual um pouco careta demais e a ausência de alguns atributos para atrair os mais jovens (como motor turbo e recursos tecnológicos mais avançados).


Mas o Toyota Corolla XRS tenta provar o contrário.

Se você ainda não conhece o Toyota Corolla XRS, vamos apresenta-lo: ele nada mais é que a versão esportivada do sedã mais vendido no Brasil e no mundo. Sim… sabe o falecido Fiat Palio Sporting e o Chevrolet Onix Effect?

Então, é quase a mesma receita aplicada num carro maior, mais caro e mais refinado. Mas, é claro, sem tantos abusos para não perder a linha.


O Corolla XRS nasceu nos Estados Unidos na nona geração do sedã médio da Toyota (conhecida por aqui como “Corolla Brad”). Ele chegou por lá em 2005. Todavia, no Brasil, sua trajetória teve início somente em 2012, já na décima geração do carro.

Tal versão faz parte da atual linha do Corolla, que está em sua 11ª geração global. Ele se posiciona como a segunda variante mais cara da linha.

Confira abaixo todos os principais detalhes da trajetória do Corolla XRS no Brasil e no mundo:

Toyota Corolla XRS – 2005 a 2006

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)
Toyota Corolla XRS

Como mencionado acima, o Toyota Corolla XRS é uma criação da Toyota dos Estados Unidos.

O sedã em sua versão com visual mais arrojado foi apresentado por lá em meados de 2005 e se diferenciava pelo visual mais agressivo, com kit aerodinâmico exclusivo, além de uma mecânica mais aprimorada com um novo motor e câmbio manual.

A começar pelo conjunto motriz, o Corolla XRS de primeira viagem herdou o mesmo aparato de modelos como Toyota Matrix XRS e Toyota Celica GT-S.

Sob o capô, o modelo esconde um propulsor 1.8 litros de 16 válvulas e quatro cilindros, que consegue girar até 8.000 rpm, com direito a bloco e cabeçote de alumínio.

Tal propulsor possui o mesmo deslocamento das outras versões do Corolla comercializadas naquela época.

Entretanto, o principal diferencial da unidade era o sistema VVTL-i de comando de abertura de válvulas variável inteligente e temporizado, que varia o tempo de abertura das válvulas ao ajustar a relação entre a abertura das válvulas de admissão e escape.

Nos modelos convencionais o motor tem somente a tecnologia VVT de comando de válvulas controlado hidraulicamente.

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

Ele pode entregar potência máxima de 170 cavalos de potência (contra os 130 cv do modelo original), a 7.600 rpm. Já o torque é de 24,7 kgfm, a 4.400 rpm.

Junto ao motor 1.8 VVTL-i está um câmbio manual de seis marchas e tração dianteira.

De acordo com dados da Toyota, o primeiro Corolla XRS pode acelerar de 0 a 100 km/h em menos de oito segundos! Já a velocidade máxima é de 210 km/h.

O Corolla XRS traz também uma suspensão revista, com amortecedores mais rígidos e uma redução de 2,5 cm na altura.

Ele conta ainda com rodas de liga-leve de 16 polegadas calçadas com pneus 195/55 R16 e freio a disco nas quatro rodas com ABS.

No visual, o Toyota Corolla na versão esportivada seguia a mesma linha do Corolla S.

Entre os diferenciais, apresenta spoilers, saias laterais, faróis e lanternas traseiras com lentes escurecidas, grade frontal exclusiva com uma nova grelha interna e rodas de liga-leve exclusivas.

Já o interior conta com bancos dianteiros esportivos estilo Recaro com abas laterais mais pronunciadas, detalhes de acabamento diferenciados, painel de instrumentos Optitron com novos grafismos, volante de três raios revestido em couro, entre outros.

Na época, o Corolla XRS era comercializado por US$ 17.455.

Toyota Corolla XRS – 2008 a 2014

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

Para repetir o sucesso da antiga geração, o então Toyota Corolla de décima geração manteve a versão especial XRS com apelo esportivo.

O modelo seguiu praticamente a mesma linha do Corolla S, considerado uma versão mais leve do XRS, com direito a boa parte dos upgrades visuais da configuração esportiva, mas sem os reajustes de motorização e suspensão da variante aqui citada.

Ele é equipado com um motor 2.4 litros de quatro cilindros a gasolina, herdado do Camry. Tal motor rende até 160 cavalos de potência, a 6.000 rpm, e 22,4 kgfm de torque, disponível a partir de 4.000 rpm.

Junto a este propulsor está uma transmissão manual de cinco velocidades ou automática também de cinco marchas e tração dianteira.

Apesar do conjunto mecânico ligeiramente menos potente que o de seu antecessor, o Corolla XRS de segunda geração é igualmente rápido e eficiente.

Pode alcançar os 100 km/h em cerca de 7,8 segundos e atingir velocidade máxima de 215 km/h.

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

Ainda na parte mecânica, o Corolla XRS traz suspensão com acerto mais firme e rebaixada em alguns milímetros, além de contar com uma barra estabilizadora extra na dianteira para tornar a condução mais ágil.

Há também direção elétrica com assistência variável.

A respeito da estética, o modelo segue a mesma receita de sempre. Oferece spoilers dianteiro e traseiro, saias laterais, faróis com máscara negra, grade dianteira com desenho exclusivo e o nome “XRS” em sua lateral direita, rodas de liga-leve de 17 polegadas com pneus de perfil baixo (215/45 R17), lanternas traseiras com lente escurecida, ponteira de escape cromada e até aerofólio traseiro.

Por dentro, ele oferece poucas mudanças, que se resumem a bancos dianteiros com abas laterais ligeiramente mais pronunciadas e detalhes de acabamento prateados.

Entre os equipamentos, há controle eletrônico de estabilidade, controle de tração, piloto automático, acabamento interno em couro, faróis de neblina, volante multifuncional, trio elétrico, ar-condicionado, airbags frontais, laterais e de cortina, luzes de condução diurna, banco traseiro bipartido e rebatível, entre outros. Podia receber recursos opcionais como central multimídia com navegador GPS e teto solar.

Seu preço inicial na época era de cerca de US$ 20 mil, podendo chegar a US$ 24 mil com todos os opcionais.

Lançamento do Toyota Corolla XRS no Brasil

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

Eis o primeiro Corolla XRS comercializado pela Toyota no mercado brasileiro. O modelo fez a sua estreia por aqui no início de 2012 com a tentativa de dar um ar mais jovial ao sedã médio e tentar atrair um público mais jovem.

A novidade chegou meses após a nova geração do Honda Civic, que foi lançada com aprimoramentos e era mais moderno que o Corolla.

O Corolla XRS se posicionava como a versão intermediária do sedã da Toyota, entre os modelos XEi e Altis.

Porém, ao contrário do que acontecia nos EUA, a marca optou por lançar o XRS brasileiro apenas com modificações cosméticas. Ou seja, nada de motor mais potente.

Entre as novidades, adotou uma grade frontal com barra horizontal em tom grafite, faróis com máscara negra, spoilers dianteiro e traseiro, saias laterais, rodas de liga-leve do XEi pintadas também em grafite, lanternas traseiras em LED e aerofólio com brake light integrado.

Oferecia ainda logotipo com letras em vermelho na tampa traseira.

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

Já o interior foi decorado com bancos revestidos em couro preto perfurado com costuras contrastantes na cor vermelha, tapetes exclusivos, volante multifuncional com desenho diferenciado, base achatada, paddle shifts e revestimento em couro, entre outros.

Debaixo do capô, o conhecido motor 2.0 16V Dual VVT-i flex aspirado de quatro cilindros, que entrega 142 cv com gasolina e 153 cv com etanol, a 5.800 rpm.

O torque é de 19,8 kgfm, a 4.000 rpm, e 20,7 kgfm, a 4.800 rpm, respectivamente. Atrelado a ele, um câmbio automático de quatro marchas.

A Toyota disse que ajustou a suspensão do Corolla XRS para deixar a traseira do carro mais estável nas curtas.

O modelo pode atingir os 100 km/h em cerca de 11,6 segundos. A velocidade máxima do carro é de 193 km/h.

A lista de equipamentos seguia a mesma linha do Corolla XEi, com direito a quatro airbags, faróis de neblina, retrovisores externos com rebatimento elétrico e luzes indicadoras de direção, piloto automático, volante multifuncional, sistema de som com entrada USB, computador de bordo, ar-condicionado digital, entre outros. Mais tarde, ganhou central multimídia com tela touchscreen.

Ele era oferecido por a partir de R$ 79,5 mil, ou R$ 1,5 mil a mais que o XEi. A linha oferecia também os modelos XLi 1.8 MT e AT e GLi 1.8 MT e AT, com preços a partir de R$ 64,5 mil.

Já o Altis topo de linha custava R$ 87,8 mil.

Toyota Corolla XRS – 2017 a 2019

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)
Toyota Corolla XRS

Em março de 2013, os brasileiros puderam conhecer a nova geração do Toyota Corolla, considerada a 11ª a nível global. O modelo estreou com preços entre R$ 66.570 e R$ 92,9 mil, porém, apenas nas configurações GLi, XEi e Altis.

O Corolla XRS ficou de fora e seria lançado somente na versão reestilizada do sedã.

Foi em março de 2017, exatos quatro anos depois, que o Toyota Corolla 2018 estreou as primeiras mudanças da linha por aqui.

Ele recebeu retoques estéticos, melhorias no interior e novos equipamentos de série. Além disso, o Corolla XRS voltou a fazer parte da linha.

Esta nova geração do Toyota Corolla XRS foi anunciada com um visual bem mais arrojado, marcado pelos faróis mais afilados conectados à grade e o para-choque mais marcante.

Além disso, a carroceria conta com formas mais bem esculpidas e uma traseira com terceiro volume bem formulado.

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

O visual “esportivo” é realçado pelos spoilers dianteiro e traseiro, saias laterais, rodas de liga-leve diamantadas de 17 polegadas (as mesmas do Altis topo de linha), faróis e lanternas escurecidos e um aerofólio posicionado na parte superior da tampa do porta-malas com a terceira luz de freio integrada. Há também ponteira de escape cromada.

Ele está disponível apenas nas cores Branco Polar e Preto Eclipse, esta última por R$ 1,5 mil a mais.

Por dentro, o Corolla XRS não surpreende e é mais discreto que sua antiga geração.

Se diferencia apenas pelo acabamento predominantemente preto, com bancos revestidos em couro preto e com costuras contrastantes na cor branca, além de apliques imitando alumínio no painel, console central e painéis de porta.

Entre os equipamentos, o Toyota Corolla XRS oferta sete airbags, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, faróis de LED com nivelamento automático, chave presencial, faróis com acendimento automático, câmera de ré, volante multifuncional, retrovisor interno eletrocrômico, chave presencial, partida do motor por botão, piloto automático, central multimídia com navegador GPS, computador de bordo com tela TFT de 4,2 polegadas, entre outros.

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)

O motor é o mesmo do XEi e do Altis. Ou seja, um 2.0 Dual VVTi 16V flex de até 154 cv e 20,7 kgfm, com câmbio automático do tipo CVT que simula até sete marchas e tem paddle shifts atrás do volante.

A Toyota diz que o Corolla XRS 2019 vai de 0 a 100 km/h em 9,6 segundos. A velocidade máxima do carro é de 199 km/h.

Um dos problemas é que o Corolla XRS é praticamente um XEi travestido de esportivo, mas que cobrava R$ 9,9 mil a mais por isso. Pelo menos na época do seu lançamento.

Enquanto o XEi partia de R$ 99.990, o XRS tinha preço inicial de R$ 108.990. Hoje, este mesmo modelo pode ser encontrado por R$ 111.990.

Toyota Corolla XRS: preço, versões, motor, equipamentos (e detalhes)
Nota média 5 de 2 votos

Leonardo Andrade

Leonardo Andrade

Leonardo atua no segmento automotivo há quase nove anos. Tem experiência/formação em administração de empresas, marketing digital e inbound marketing. Já foi colaborador em mais de sete portais do Brasil. Fissurado por carros, em especial pelo mercado e por essa transformação que o mundo automotivo está vivendo.

  • Ricardo

    Ehh Brasil! Custava mexer no motor como nas versões dos EUA!?

  • Louis

    Não sou muito fã de “esportivados”, mas este XRS atual é muito lindo. Pra ficar melhor, só faltou teto solar. A respeito do motor, não decepciona, anda muito bem.

    • Ricardo

      Anda bem, mas não como um esportivo de verdade.

    • leomix leo

      Até vc achar um Civic, cruze ou Jetta turbo pela frente, em uma ultrapassagem é notória a falta de torque em baixas e vc sente o peso da idade do velho e bom dual vvti. Não deixa de ser um bom e caríssimo carro, mais os players do mercado são melhores, o fator revenda pesa muito em uma classe que não pode perder muito dinheiro (média) por isso o queridinho da galera, mais não fazem as contas do emplacamento mais caro e do valor muito acima dos concorrentes (cruze).

      • Magnamox

        Falou bem, CIVIC, CRUZE e JETTA (Todos Turbo) porque os ASPIRADOS não acompanham esse 2.0….ou acompanham?

        • leomix leo

          Claro que sim, o cara só anda a 200?!?! Se brincar o Civic 2.0 anda pau a pau e o cruze antigo 1.8 anda junto. Vamos ver as condições, carro cheio? Subida? Não é nada excepcional não, até pq minha mãe já teve um corola lá em 2012 e depois que pegou um Fusion Titanium chamou o carolla de caroça. Kkkk eu falei com ela que nem tanto, mais a diferença de um aspirado para um turbo é notória. Vai se desfazer do Fusion agora e talvez pegue uma Toro Diesel.

          • Luís Guilherme

            O Civic anda ligeiramente menos, tanto o G9 e G10 em relação ao Corolla G10 e G11. O Corolla, dos motores aspirados, é uma excelente escolha.

            • Navaman

              O Corolla anda mais e com mais economia em comparação ao Civic, que gosto mais, por sinal. Digo porque temos ambos na família desde 2009, nas últimas 3 gerações.

      • David Diniz

        Pergunta: você já dirigiu um corolla com esse motor 2.0 e o CVT no modo manual esticando marcha? Faça isso e conte depois como foi.

        • leomix leo

          Sim, sim, ande em um concorrente que verás que ele não é o suprasumo não. Eu disse que o motor é bom mais já mostra o peso da idade e se for pra falar de andar, tem o 2.0 do focus que deixa ele comendo poeira, mais os turbos já estão aí.

          • Ernesto

            leomix leo, o negócio é que quem compra Corolla não está tão preocupado assim em tirar racha com outros carros.
            Chegou um Jetta, um Civic ou qualquer outro carro que esteja mais rápido (pode até ser um Uno com escada no teto), basta abrir e deixar passar. Esse é o pensamento de quem tem Corolla já que normalmente ele está carregando algo que vale mais do que ganhar uma corrida: a sua família.
            O motor dele é mais que suficiente para uma viagem tranquila. Claro que um motor mais moderno (turbo) é mais interessante (principalmente por questões de economia), mas o atual também não faz feio nesse ponto.

            • leomix leo

              Carregue o carro e pegue uma BR116, na hora de uma ultrapassagem o turbo lhe dá alívio e segurança, o aspirado e com CVT é morto, não tem modo manual nem modo sport que dê jeito.

              • Ernesto

                Tenho um XEi 13/14, ou seja AT4.
                Viajo com certa frequência para o Sul de Minas (sou de São Paulo) para visitar a família da minha mulher. Estrada em sua maior parte de pista única, com muitas curvas, subidas, descidas. E quando vamos para lá minha mulher quer levar uma mudança (dá para entender, né?). E nestas condições, nunca tive problemas na viagem para fazer ultrapassagens. O carro responde muito bem. E olha que ele é inferior ao modelo com CVT.

                • leomix leo

                  O motor não é ruim, mais tem coisa melhor ou parecida, é isso que a galera não está entendendo. Esse 2.0 não é péssimo, mais ele não empolga não, o problema é quando vc anda em coisa melhor ou com turbo, vê que ele não é o suprasumo.

                  • Ernesto

                    Sim, sim leomix leo. Sei que há motores melhores, mais modernos, mas o que quis dizer que ele ainda atende bem para o seu público.
                    Eu, em momento algum, disse que ele é o suprassumo. Inclusive no meu comentário de ontem eu falei que um motor mais moderno é bem-vindo.

          • David Diniz

            O motor do focus pode ser bom mas a caixa de câmbio “automatizada” é aquela “maravilha”…

            • leomix leo

              Estamos falando de motor, durabilidade de caixa de câmbio já é outra coisa, vc deve ser eleitor do PT, Affff…

              • David Diniz

                Eu? Comunismo? To fora.

  • Domenico Monteleone

    Como a Toyota é campeã em criar versões bregas

    • BillyTheKid

      Sei não, acho difícil ganhar da Fiat. Ainda sonho que um dia lancem um “Uno Way 1.0R Sporting Blackmotion Trekking HGT Adventure Blackjack”

      • El Gato!

        Coloca “Wolverine Estrada Real” no final que fica show.

        • leomix leo

          Aquele Branco Wolverine era tosco de mais, parecia que o cara tinha arranhado a porta em algum piquete.

          • El Gato!

            Verdade! A gente fazia uma careta quando via de longe, tipo “nossa, carro novinho e arrebentou a lataria”… aí quando aproximava se via que era um adesivo. E a careta aumentava. Hahaha!

        • zekinha71

          E ainda faltou o Mangalarga Xingu.

  • El Gato!

    Gosto do XRS atual. Embora eu parta do princípio que uma versão esportiva de verdade deva ter um upgrade no motor, esse kit estético do Corolla me atrai. Acho que combina com o carro! Só que eu nunca pagaria a diferença de valor que a Toyota quer… Pra mim, só valeria a pena se sair no mesmo preço do XEi, ou então uma unidade seminova. Porque R$12 mil por aerofólio e saias… não dá.

    • Louis

      Realmente o preço não justifica. Mas também muda o farol dianteiro (igual do Altis, em Led)

    • Sedici

      podia ter um teto solar pelo menos né

  • Emygdio Carlos

    XRS?

    De esportivo não tem nada!

    Só alguns adereços.

  • Cléber_V

    Essa versão do Corolla é tipo aquele tiozão de nike shox, regata, bermuda, corrente no pescoço, boné virado pra trás e se acha o meninão…

  • zekinha71

    Tenho uma história em relação ao primeiro paragrafo.
    Tem um vizinho meu, já de meia idade mas com visual de jovem, frequenta academia, a mulher dele parece ser a mãe dele, ele tinha um HB20S.
    Dias desses aparaceu com um Corolla zero, mas por incrível ele perdeu aquela aparência de jovem e ficou mais parecido em idade com a esposa.
    Sem haterismo e nem zoeira, o cara depois que saiu do Hyundai parece que envelheceu uns 15 anos, ficou com cara de tiozão.

  • Lucas

    Tive um XRS 18. Comprei com 8 mil km e vendi com 12 mil km, pelo mesmo valor pago, 3 ou 4 meses depois. É muito caro pelo que custa. Depois da empolgação inicial de ser ter o sedã mais vendido do Brasil, percebe-se a simplicidade do veículo, que na nota fiscal custou 111 mil reais. Os plásticos são de péssima qualidade, com textura e cores heterogêneas, muito mal feitos mesmo – em especial nas portas, onde o material plástico é esbranquiçado e com rebarbas. O carro também apresentou vários grilos durante o pequeno período de uso no painel e na coluna do passageiro.
    O máximo que consegui fazer com gasolina foi 7,8 km/l, mesmo a montadora prometendo bem mais. Por último, o seguro chegou a quase 4500 reais, o mesmo valor do seguro do carro que o substituiu, uma Ranger XLT 2017 cujo valor de tabela era quase 30 mil a mais.
    O sistema de abrir a porta sem chave funciona bem, mas o de travar não. Ele consiste em passar a mão por cima da macaneta. Em tese é ótimo, mas com o carro molhado, tu ficas igual um retardado esfregando a mão na lataria molhada sem conseguir travar o carro.
    É um veículo bom por 80 ou 85 mil. Aliás, é o que ele realmente dá a impressão de valer.
    Edit: A multimídia, no primeiro contato, parece que não vai chatear. Com 2 dias de uso dá uma vontade imensa de arranca-la do painel. É lenta demais nas respostas! Tu começas a diminuir o volume e ela so responde 2 segundos depois.

    • leomix leo

      Ano passado vendi um 15/16, com 40k rodados de meu primo que deixou comigo pra poder eu vender, em ruas de paralelepípedo era insuportável os grilos. Mais é Corolla…

    • TchauQueridos

      Pode ter certeza que simplicidade, rebarbas e preço nas alturas não são exclusividade do Corolla.

    • Luís Guilherme

      O meu XEi 2019 começou a apresentar grilo nas portas traseiras com 8 mil km, mas foi resolvido na concessionária. Espero que não volte a ter tais problemas. Eu ainda acho o acabamento do Corolla acima da média pra categoria na questão de materiais.

      • Lucas

        Eu achei bem medíocre, levando em consideração o valor do carro. Olhe bem o plástico da metade pra baixo das portas, é horrível. Até o revestimento em “couro” do painel é uma espécie de courino colada sobre um painel de plástico duro. Os botões são vagabundos e meio soltos nos seus compartimentos e até a manopla do freio de mão se movimenta pros lados, é meio solta. Sem falar da multimídia, que se você não reclamou, já deve ter trocado.
        Vai vender bem quando quiser e bem rápido, mas é só isso mesmo. Falta qualidade. Se os concorrentes forem piores, aí é complicado, já que esse foi o único sedã normal que possuí.

  • Paulo

    Pelo menos não criaram o Corolla Cross! Imagina o pesadelo

    • Klaus Nickel

      não dá ideia!

  • Super esportivo e moderno, como todo Toyota. *ironic*

  • Gabriel Molina Pinheiro

    “Hoje estou querendo andar num esportivo de verdade, vou dirigir meu Toyota Corolla”. Faz bastante sentido.

  • Mauro Moraes

    Na boa… Se o Corolla é vovô, o que dizer de Jetta e Passat? No mínimo são bisavós.

  • Junoba

    “Nenhum jovem” compra Corolla, porque jovem não tem mais de 100k pra dar em um carro.

  • Ricardo Blume

    No Brasil, RS de verdade é o Sandero. O resto deveria estar na Sapucaí.

    • Yuri Lima

      Exatamente, Laçador!
      Digo o mesmo

  • Eduardo Sad

    Comprei esse ano em Xei 18 com um ano de uso. Tive a oportunidade de comprar um XRS preto do mesmo ano e em igual estado de conservação por pouca coisa a mais. Mas pro meu gosto, o visual do XRS é meio “over”, parece esportivo de loja de som automotivo. Não combina com a proposta do carro. Acho o XEi o mais bonito e coerente dos modelos atuais do Corolla. Em termos de esportividade, meu Corolla anterior, um Gli 1.8 Manual 6 marchas era mais “esportivo” que ambos… Pena ter dado PT em dezembro. Saudades daquele carro.

  • Elver

    Que matéria paga….

    • Ernesto

      Então aqui no NA tem muita matéria paga.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email