Combustíveis Ecologia Elétricos Mercado Montadoras/Fábricas Toyota

Toyota reconhece o carro elétrico sendo mais viável que hidrogênio

toyota-mirai-211 Toyota reconhece o carro elétrico sendo mais viável que hidrogênio

Em entrevista à Reuters, Yoshikazu Tanaka, engenheiro-chefe do projeto Mirai, revelou: “Elon Musk está certo, é melhor recarregar um carro elétrico conectando-o diretamente à rede”. A afirmação, feita durante o Salão de Tóquio, surpreendeu. No entanto, o representante da Toyota rapidamente completou, dizendo que o hidrogênio também tem um lugar importante como alternativa ao uso da gasolina.



Se no Brasil, o debate é se o futuro será de híbrido flex ou carro puramente elétrico, em nível global, parece que a discussão terminou em relação ao hidrogênio. A citação atribuída à Elon Musk confirma o que o chefão da Tesla teria dito anteriormente, que a aposta no hidrogênio era “burra”. O bilionário sul-africano sempre defendeu que o meio mais viável como alternativa ao combustível derivado de petróleo era o carro elétrico.

Apesar da declaração de Musk, pesa contra o carro elétrico o tempo de recarga das baterias, cuja carga rápida no máximo é feita em 15 minutos, mas isso não confere uma autonomia plena, já que apenas 80% da capacidade é preenchida de forma muito rápida. No caso do hidrogênio, o reabastecimento necessita de meros 3 minutos para ser executada, dando plena autonomia ao veículo, que pode percorrer em média 500 km. A Hyundai, por exemplo, quer alcançar 800 km em cada abastecimento.

O problema do hidrogênio é sua obtenção e logística, muito mais cara que uma rede tradicional de pontos de recarga para carros elétricos. Além disso, a infraestrutura tem de ser muito cara e segura para manipulação do hidrogênio líquido. De qualquer forma, a Toyota acredita que ele também serve como alternativa, embora agora comece a mudar o tom com duas parcerias, ambas envolvendo a mesma empresa.

tesla-model-3-flagra-5 Toyota reconhece o carro elétrico sendo mais viável que hidrogênio

A primeira é nos EUA com a Mazda, que prevê uma grande planta de produção que deve fazer, entre outras coisas, carros elétricos para o mercado americano. A outra, no Japão, envolve também a conservadora Mazda, mas com a presença da Denso. O objetivo é o desenvolvimento de carros elétricos e baterias, embora a Toyota não tenha incluído o compartilhamento de sua bateria de estado sólido.

Pelo sim, pelo não, a Honda parece ter percebido que o hidrogênio tem ainda muito chão pela frente até se tornar economicamente viável e assim determinou que o projeto FCV, que virou o Clarity, tivesse também propulsão híbrida plug-in e elétrico, além das células de combustível. A Toyota seguiu apenas com esse último no Mirai, que já vendeu 4,3 mil unidades em todo o mundo.

Mas a questão do custo envolve no hidrogênio pode ganhar um impulso para sua redução através da China. A Toyota vê o país asiático como esperança para tornar o combustível mais popular. O governo de Pequim determinou como meta que se tenha em circulação uma frota de 20 mil carros e 10 mil unidades industriais ao ano no país até 2025. No entanto, no mesmo período, o país terá um mercado anual de 7 milhões de carros elétricos.

Na Nissan, ao invés de se apostar diretamente no hidrogênio, a montadora japonesa focou no etanol como reagente no processo químico para obtenção de eletricidade em combinação com o oxigênio, funcionando 100% com o derivado da cana ou com presença de até 55% de água. Se o hidrogênio parece o futuro para os mercados consolidados, aqui essa tecnologia parece ter sido desenvolvida quase que exclusivamente, dado o álcool ser um produto amplamente difundido no país.

[Fonte: Reuters]

 

 

https://www.reuters.com/article/us-autoshow-tokyo-hydrogen/hydrogen-fuel-cell-car-push-dumb-toyota-makes-a-case-for-the-mirai-idUSKBN1CV0I2

Según Toyota, Elon Musk tenía razón sobre el hidrógeno, y es mejor recargar un coche con un enchufe

  • leandro

    Não há discussão, o futuro está no carro elétrico. Híbrido só caminhão e ônibus, hidrogênio só cento urbano japonês

    • Ducar Carros

      Não entendi porque não carros híbridos. Para quem pega estrada no Brasil, vai ser a melhor opção por muito tempo.

      Aqui o elétrico só vai deslanchar quando a energia solar for altamente competitiva, e todos os problemas da bateria elétrica forem resolvidos.

      • leandro

        Muito simples, o carro híbrido tem o pior dos dois mundos: todo sistema de motor elétrico e baterias + motor a combustão, caixa, diferencial, correias, filtros e etc.. tem manutenção dobrada. Já o puramente elétrico apenas bateria maior que o híbrido e dispensa toda parte a combustão. Atualmente modelos modernos já atingem autonomia na casa dos 400km.. quem roda mais que isso diariamente vai ser vantajoso ficar no a combustão, uma parcela ínfima roda mais que 400km em um dia e os que fazem isso normalmente são turistas eventuais que não vão se importar em fazer uma parada de 1h para recarregar 80% da bateria..

        Já em relação a energia solar já é extremamente vantajosa aqui no Brasil graças aos sucessivos aumentos.. pode ir no MercadoLivre e pesquisar os sistemas ongrid. Para uma produção mensal de 180 kWh (uma conta de uns 165 reais aqui MG) esse sistema instalado fica por 9 mil reais com garantia de 90% de produção após 20 anos…
        Já é realidade, basta a ignorância ser afastada

        • Jok Jok

          Esperar 1 ou 2 horas carregando pra andar 800 km… Pode ter certeza que pra mim nao da!

          • leandro

            Sorte a sua, tudo que vc precisa é de um carro a gasolina então

          • Renato Duarte

            corrige aí pra 300km. ainda é só sonho essa autonomia aí…

        • Renato Duarte

          ninguém garante que uma bateria dura os 10 anos de ciclo prometido.. ainda mais em se falando de brasil onde os proprietários daqui não sabem nem lavar um carro direito.

          • Pedro Sampaio Carvalho

            hauhuah Não sabem mesmo. Arranha o carro todo por fora e por dentro!

            • Renato Duarte

              heuhueuehuehe

          • Ducar Carros

            E tem o problema, pouco falado, da perda da eficiência das baterias com o tempo. A capacidade de recarga vai diminuindo, como serão recargas diárias, a tendência é a autonomia ficar bem pequena mesmo antes dos dez anos.

            • Renato Duarte

              Por isso eu defendo o hidrogênio como fonte de energia pros elétricos. Baterias ainda serão grandes inimigos do meio ambiente quando os carros elétricos forem unanimidade nas vendas. Já o hidrogênio vira apenas vapor d’água quando é descartado….

          • leomix leo

            Mais a Ford da garantia de 10 anos na do Fusion(híbrido), então tá de boa, se ela ser pau nesse período, a Ford troca.

            • Renato Duarte

              A central eletrônica vai te denunciar caso a bateria der pau. Vai registrar todas as vezes em que você der carga de forma incorreta. Aí é bye bye garantia.

        • Ducar Carros

          Só tem um detalhe: o elétrico hoje só é viável com subsídio dos governos + prejuízo das montadoras, para alterar essa equação ainda vai demorar muito. Aqui, esquece, não terá subsídio algum, a nossa energia elétrica tem outras finalidades mais urgentes a atender. Creio que o carro elétrico será voltado, por um bom tempo, para carros pequenos urbanos (tipo o Up, ou então endinheirados que quiserem ostentar carros maiores).

          Com os híbridos, já não é mais necessário subsídio, embora o lucro para a montadora seja menor do que o movido a combustão puro (senão, todas já teriam substituído seus modelos). E há vantagens, como não haver o risco de você precisar do carro e não poder usá-lo, por estar descarregado, e a estrutura de recarga disponível em todo o país.

          • João Holmes

            Lá fora carro elétrico tem incentivos federais e estaduais que abaixam o seu preço. Aqui isso nunca vai ocorrer, mas a lógica moderna de tributação de veículos leva em consideração a quantidade de emissões que o veículo faz. Nesse caso, o elétricos saem na frente, pois não emitem nada. É por isso que o Rota 2030 está dando pau, porque se adotado esse modelo, os elétricos teriam menor imposto no Brasil do que híbridos e menos ainda que os a combustão. Mas as montadoras tradicionais não querem isso, pois vai encarecer os carros atuais, margens maiores, e favorecer veículos híbridos e elétricos que tem margens menores.

          • FrankTesl

            a energia para consumdor residencial já é proporcionalmente mais cara. a energia para estabelecimentos abastecidos por media tensão tende a ser mais barata.
            vamos como a Aneel vai tratar a questão da revenda de energia para recarga de energia.

        • Ducar Carros

          Energia solar hoje pode ser viável para empresas visando o auto-consumo, mas para PF ainda não é: colocando o custo de oportunidade (custo de financiamento), e manutenção, a conta só fecha após muitos anos.

          E ainda tem o risco tecnológico: como a tecnologia está avançando, o risco de você instalar um sistema que daqui a cinco anos estará obsoleto ou mais barato que atualmente é grande.

          • FrankTesl

            antigamente, quando o PC ainda era novidade no Brasil, todo mundo falava: não compre um Pentium 100 MHz agora, espere um ano para comprar um Pentium 200 MHz MMX… se for pensar assim, ninguém comprava nada, e deixaria de usufruir dos benefícios da informática…
            Hoje é a mesma coisa com celulares,se a pessoa que não tem celular pensar que um celular mediano pelo qual se paga 1000 reais vai estar obsoleto perante um celular de mesmo preço no ano que vem, ela nunca compra celular nenhum…

            e quanto a alegação de que energia fotovoltaica não é viável para pessoas físicas, revise seus conceitos: hoje um kit doméstico tem tempo de retorno de investimento em menos de 7 anos para uma vida útil de 25+ anos, quando eram mais de 10 anos no início da década o tempo para recuperar o investimento.

            Por um lado as tarifas de eletricidade só sobem de preço, enquanto do outro o preço dos kits fotovoltaicos grid tie cada vez mais menores.

            E ainda dá para gastar menos gás de cozinha, usar o ar condicionado sem medo de estourar a conta de luz, e se um dia os cartéis e seus auxiliares pagos e também os inocentes úteis informais pararem de lançar FUD contra carros elétricos, daria para deixar de gastar um dinheirão com combustíveis.

            • Ducar Carros

              Não disse que não é viável: considerando o custo de oportunidade, pode levar 7 anos ou mais para as PF, ainda é um prazo longo para o Brasil, com juros reais nas alturas.

              Mas o risco tecnológico existe: no celular e no computador hoje é pequeno, os avanços são muito incrementais, mas já foram grandes; esse é o estágio da energia solar, em dois anos, a eficiência e o custo podem cair muito, quem adotar primeiro pode sair perdendo.

              • Daniel

                Quem adotar primeiro não vai sair perdendo. No máximo, lucra menos, o que não é sair perdendo.

                Mas, claro, tem que se fazer todas as contas para ver a viabilidade para cada caso. Eu acho que, na busca por reduzir gastos com energia, a primeira etapa é investir em eficiencia (equipamentos mais eficientes, projetos bem feitos que vão dispensar iluminação durante o dia, ou vão dispensar uso de ar-condicionado, etc), depois de já estar com a eficiencia bem ajustada, dai partir para a geração de energia (fotovoltaica, eolica, etc) sempre estudando todas as possibilidades para chegar no melhor custo x beneficio.

                Sou engenheiro civil especializado em construção sustentável, aqui em casa, pago taxa minima de energia, então não faz sentido eu investir em fotovoltaico. Já na casa da minha mãe, o consumo é um pouco maior e o condomínio fica em final de rede, com falta de energia de vez em quando. Lá vou investir num sistema fotovoltaico.
                Faço consultoria nessa parte de eficiência das edificações.

              • FrankTesl

                os juros estão caindo, só ver a tendência da SELIC, e os preços da energia só vão subir, para pagar o prejuízo causado pelas barbeiragens regulatórias e populismo tarifário dos últimos anos.
                Sem falar que o preço das placas e demais equipamentos cai continuamente, mesmo com o repique do dolar no meio deste ano. Agora com o câmbio mais tranquilo, e de se notar que o preço dos equipamentos cai ainda mais.

                A grande revolução de patamar de preços no fotovoltaico já aconteceu justamente com a implementação do sistema on grid, que dispensa aquisição de baterias, apesar de elas ainda serem opcionais, caso se monte um sistema com backup.

                Usando a própria rede como “bateria”, pelo sistema em que a distribuidora reconhece os excedentes e devolve créditos ao microgerador, o custo inicial do investimento cai e o retorno fica garantido. E a própria distribuidora sai ganhando, pois pode adquirir energia no próprio local onde será consumida, se apropriando de excedentes de um microgerador e vendendo ao vizinho a preços de varejo. Com isso ela pode inclusive ela pode diminuir a energia comprada das geradoras e transmissoras durante o dia e só aumentar essa demanda durante a noite, com isso gerenciando muito melhor a sua própria rede.

      • Maycon Farias

        A solar vai ser competitiva em breve. Já em relação a bateria, teve uma matéria aqui mesmo recente de uma bateria que pode ter carga completa em 8 minutos. Devem ter mais uma centena de empresas trabalhando nisso ao mesmo tempo. Vocês não tem ideia de quantas coisas irá nos surpreender nos próximos capítulos. Está tudo a velocidade da Luz.

        • Ducar Carros

          Esse breve pode levar dez, vinte, ou mais anos.

          A rapidez da recarga é só um dos problemas. Custo das baterias, reciclagem das mesmas, perda de eficiência da bateria com o tempo, autonomia dos carros, infraestrutura de recarga. Fora que o elétrico hoje só é viável com subsídio dos governos + prejuízo das montadoras, para alterar essa equação ainda vai demorar muito.

          • Maycon Farias

            Na velocidade que as coisas estão pode levar apenas anos. Já em relação a vida útil da bateria ou se vai ser reciclada ou não isso é o menor dos problemas, pois até onde eu sei motores a combustão tão não são totalmente reciclados. Aconselho a ler mais matérias e documentários sobre eficiência energética e tecnologias que estão sendo testadas, irão se surpreender com a rapidez que as coisas irão se acertar. O foco das fabricantes agora é autonomia, esses detalhes de uso e fim de automóveis elétricos são o menor dos problemas.

            • Ducar Carros

              Você está enganado, essas baterias são muito caras e poluentes, a sua reciclagem/recolhimento é extremamente importante, pois um dos motes do carro elétrico é ser ambientalmente correto, e vai demandar muito lítio (recurso finito) ao ser usada em larga escala.

          • FrankTesl

            até meados de 2006 poucos tinham um visão do ponto a que chegariam os smartphones. Em 2007, o iPhone foi lançado, e de 2010 em diante não se concebe uma razão para não reconhecer a importância dos smartphones e do modelo de negócios por ele firmado.

            Aqui no Brasil até 1989 etanol era a salvação da lavoura, a indústria e do governo. Todos estavam felizes com a reserva de mercado para os carros, satisfeitos com o combustível exclusivo brasileiro… mas no final daquele ano o alcool sumiu, 90% da frota ficou desatendida, os usineiros deram banana para o mercado… De 1992, 93, 94 em diante carro à álcool virou espécie em extinção, e o álcool só voltou a ter importância após a implantação do flex em 2004/05, justamente porque motorização flexível protegia o consumidor do risco de ficar sem combustível, senão ninguém mais compraria outro carro à álcool novamente.

            Microgeração distribuída, smart grids, abertura da informática, abertura de mercado de automóveis…não é porque o Brasil historicamente se vira de costas para o progresso que ele não chega (de mansinho ou batendo o pé na porta),

            e ultimamente tem sido cada vez mais reduzido esse tempo em que aqui dentro se tenta ignorar o que já existe lá fora mas contraria interesses estabelecidos aqui dentro.

      • João Holmes

        Como assim energia solar for mais competitiva? O custo da energia solar residencial hoje já é menor que o custo da energia comprada da distribuidora. Aqui onde moro a energia custa 0,70/kWh e o meu sistema de energia solar gera energia por 0,40/kWh. Você está desatualizado em vários anos.

        • Ducar Carros

          A energia solar ainda é bem mais cara para gerar que as demais fontes (térmica, hidrelétrica, eólica), no autoconsumo ela é mais viável, mas o alto custo de investimento (incluindo o custo de oportunidade, que frequentemente é excluído dos cálculos) faz com que o retorno se dê em prazos muito longos.

          • João Holmes

            O uso residencial é autoconsumo e por conta dos incentivos existentes o tempo de retorno (considerando tudo, inclusive custo de oportunidade) é de 8 a 10 anos. Isso é bem baixo, o tempo de retorno de uma hidrelétrica não é menor que 20 anos. Hoje quem tem um consumo maior que 300 reais por mês, telhado disponível e dinheiro guardado, faz mais bem uso do dinheiro se instalar geração fotovoltaica.

            • FrankTesl

              ainda mais por conta da tendencia declinante da taxa Selic.

          • FrankTesl

            se fosse levar a ferro e fogo o “custo de oportunidade”, ninguem mais compraria carro zero no Brasil , ou pelo menos trocaria de carro antes de cinco anos de uso.
            Um kit solar domestico custa hoje 10%, 15% do preço de um suv ou sedan medio.
            o que a pessoa que troca de carro com menos de dois anos de uso perde no “custo de oportunidade” ela paga um kit fotovoltaico… fazendo as contas, ao adiar a troca de carro por mais um ou dois anos, a pessoa ja poderia botar o kit fotovolraico na casa dela, teria tarifa minima para pagar na conta de luz por décadas , e tricaria de carro depous que a depreciação do valor do veículo se estabiliza.p

            • Ducar Carros

              Muita gente está deixando de ter carros nas grandes cidades porque o racional é não ter.

              Não é porque a pessoa não considera o custo de oportunidade que ele não existe. Só que o apelo de um kit solar é muito menor do que um carro para muita gente.

              • Daniel

                O apelo é menor pq o brasileiro em geral só pensa no curto prazo. E isso pra tudo. Seja pra comprar carro, seja pra comprar energia, etc.

              • FrankTesl

                eu nunca disse que não existe o custo de oportunidade. Mesmo considerando esse custo, o tempo de retorno, que já foi de mais de 10 anos, já está sendo reduzido a olhos vistos… Hoje uma instalação doméstica ja se paga em menos de 7 anos, em alguns casos até 5 ou 6.
                O juros estão declinantes, os preços da eletricidade ascendentes com as bandeiras vermelhas e a ressaca da bandalheira regulatória feita nos últimos anos.
                e muita gente compra carro zero só pelo apelo de status e notoriedade que um bem desses traz (não desconsiderando quem precisa para usar profissionalmente) nem liga para custos de oportunidade, pois se ligasse nem sequer cogitaria trocar de carro em menos de dois ou três anos.

          • FrankTesl

            isso seria pensar pequeno por parte das distribuidoras.
            com microgeração distribuída elas se torbariam verdadeiros de energia, gerenciando demanda e excdentes dos consumidores e vendendo energia das grandes geradoras.
            durante o dia elas captam a energia excedente dos microgerdores e vendem a “preço de varejo” para quem só consome ou gera menos do que consome.

            e para compensar o microgeradir que cedeu seus excedentes, ela dá de noite

    • Renato Duarte

      O brasil é potência na produção de etanol. Abandona a produção de combustíveis de origem do petróleo e foca no etanol e produção de Híbridos,,, que vingarão por aqui por muito tempo ainda.

  • Maycon Farias

    Existe uma verdade. Automóveis elétricos e autônomos SÃO o meio de transporte do futuro próximo! ou pelo menos até que em muitas décadas à frente a ciência e engenharia criem outro meio de locomoção ainda mais eficiente a qual ainda não é permitido pela idade tecnológica da humanidade.

  • Cesar

    E se… A Toyota fez um despiste

    • Ducar Carros

      Aposto mais na tecnologia da Nissan que no hidrogênio.

  • hinotory O

    Carro elétrico já deveria vir com teto de células fotovoltaicas. Carrega sozinho.

    • Bruce Wayne

      Pode ser o futuro ou não se alguém ou muitos não tiverem mais como lucrar com a venda de energia.

    • BillyTheKid

      Já foi comentado bastante sobre isso. Infelizmente, é inviável atualmente. O Karma Revero possui um teto de painéis solares, por ex. Segundo a marca, o carro produz “1.5 milhas (2,4km) de autonomia por dia, dependendo das condições climáticas.”

      Agora, sejamos realistas: Você pagaria para ter todo o sistema de painéis solares, fora o peso que eles adicionam ao carro (aumentando o consumo de energia para se movimentar), pra ter que deixar o carro no sol de modo a ganhar nem 3km de autonomia no dia?

      Provavelmente é mais barato e menos complexo simplesmente adicionar um pouco mais de células na bateria…

      • hinotory O

        É, realmente não rola..

      • Alexandre Viotto

        Só seria eficiente se o painel em cima do carro fosse do tamanho de um campo de futebol! Kkkk

    • Louis

      Já pensei nisso, mas instalar placas fotovoltaicas em casa é mais negócio, pois estas duram 25 anos, iriam durar mais que o carro.

    • Alexandre Viotto

      Até ajudaria, em uns 10%, do que o carro necessita para recarregamento das baterias! rs

  • guilherme

    Quem sabe quando carros elétricos darem lucro

  • leomix leo

    Acabou o sonho de muita gente aqui. O elétrico sempre foi mais viável e fácil de se produzir. Tchau hidrogênio… Kkkkkkk

    • FrankTesl

      aqueke filme “quem matou o carro elétrico” já mostrava isso, que a tal promessa do hidrogênio só serviu como desculpa para os grupos de pressão anti carro elétrico.

    • th!nk.t4nk

      Eu nunca entendi por que sempre tem tantos defensores do hidrogênio aqui nos comentários do NA. No resto do mundo todos sabem que a tecnologia está morta e enterrada. Agora a própria Toyota reconheceu isso. Vamos ver se esse povo se atualiza, porque haja gente cabeça-dura.

  • João Holmes

    Cansei de desmascarar os defensores do hidrogênio aqui. Espero que agora eles sumam de uma vez por todas. O futuro é dos veículos elétricos, não só carros, mas caminhões, ônibus, drones, motos, pequenas lanchas e pequenos aviões. Usando combustível na forma líquida apenas grandes aviões, navios e trens de carga.

    • BillyTheKid

      Lembra daquele cara com avatar da maçonaria, que há algumas semanas disse que deveríamos ler mais sobre carros a hidrogênio, que carros a hidrogênio não tem nada a ver com elétrico, entre outras besteiras?

      Já procurei bastante, mas está difícil achar os comentários dele nessa notícia… Bom, no fim das contas, devo concordar com o que ele disse daquela vez: “Contra fatos não há argumentos, querer contrariar o que está descrito pela propria Toyota ? Ser prolixo não demonstra inteligencia, seja razoável. Sem mais!”

      • leomix leo

        Ele não deve ter visto a matéria ainda, ele vai postar ainda.

    • leomix leo

      Rpz tinha um cidadão aqui, que tacava o pau nos elétricos, acho que agora ele não posta mais nada aqui. Rsrsrsrsrsrs

  • Celso

    A mais de 10 anos falo isso. No fundo, no fundo, o gás hidrogênio funciona como uma bateria, menos eficiente. A exceção é a tecnologia da Nissan, que retira hidrogênio do álcool.

  • Wellington Myph13

    Ainda acho que a solução por um bom tempo ainda serão os Híbridos. Evoluir neles primeiro como: Plug-In, mais formas de recarregar baterias como por exemplo o que a Audi está fazendo na suspensão pra que também regenere energia…

    Depois os puramente elétricos…
    Mas… Vamos ver…

  • Ricardo Blume

    Deve ser cara mesmo esta tecnologia por que não houvesse falar muito a respeito, a contrário da tecnologia híbrida e elétrica.

  • NaoFaloComBandeirantes

    No Brasil não vai ser nem um e nem outro. Aqui vamos engolir mais uma era de motor a combustão com Etanol.

    O governo aqui é sempre buscando atender interesses… Interesse de usineiro.

    • leomix leo

      Os usineiros bancam as campanhas, os banqueiros, as montadoras, as grandes redes de mercado, tudo que vá onerar a receita deles, o governo faz um jeito de poder arrombar com o povo e deixar eles mais ricos.

      • invalid_pilot

        Vão ser hibridos com motor a álcool, pode anotar e me cobrar.

  • FocusMan

    OFF: Olhem o alinhamento das chapas da porta e da lateral do Tesla Model X… Todos que eu vi pessoalmente parecem carros que cairam da carreta. A Tesla precisa melhorar isso urgente!!!

  • Schack Bauer

    Pela foto, a montagem da tesla não parece ser nenhum primor… Tudo desalinhado.

    • Alexandre Viotto

      Realmente! Tá parecendo os carros chineses! kkkkkk

  • leitor

    O problema de tempo de carga poderia ser tratado com um espaço para uma segunda bateria de uma determinada rede de postos de carga. Sendo fornecida uma bateria carregada e quando descarregasse fosse trocada. A mesma devendo ter uma certificação e validação. Podendo até mesmo receber uma carga para aumentar a autonomia. Pra quem anda mais que a autonomia da carga em um dia, resolveria a troca em alguns minutos, em vez de uma carga que durasse horas.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend