Etc Longform

Um pouco sobre transmissões e as confusões que geram na cabeça do consumidor

carro-com-cambio-automatico Um pouco sobre transmissões e as confusões que geram na cabeça do consumidor

Dias atrás um grande amigo meu, Marcos, pediu minha opinião sobre a compra de um sedã médio. Fiquei surpreso com a confusão que ele fez com os diferentes tipos de transmissões disponíveis no mercado! E olha que ele nem é tão leigo assim.



Até entendo, uma vez que até há poucos anos só se ouvia falar em dois tipos de transmissão, vulgo câmbio: manual (também chamado mecânico) e automático (que alguns chamavam de “hidramático”).

Pra que serve o câmbio (ou transmissão)?

Começando pelo básico: a função da transmissão é tranferir o torque (força do motor) para as rodas do veículo. Para que isso seja possível, o câmbio usa uma escala de marchas, da mais baixa para a mais alta para ter um melhor aproveitamento do torque, conforme as condições de utilização do veículo encontradas. As marchas podem ser trocadas manual ou automaticamente.

Transmissão Manual

No sistema manual existe a embreagem para desconectar as rodas do motor, pois o motor gira o tempo todo, mas as rodas podem não estar girando ou girar em rotações muito diferentes da rotação do motor. E isso tem que acontecer sem que o carro morra ou apague.

Quando acionada no pedal esquerdo, as rodas ficam livres e o motorista pode passar a marcha, reduzindo-a ou aumentando-a. Quando se solta o pedal, a embreagem já estará emgrenada (engatada) e permitirá que o sistema de transmissão, formado ainda por diferencial,  transmita a força para as rodas na dosagem certa.

O sistema de embreagem é composto basicamente por 3 componentes principais: Disco (volante do motor, de aço), Platô (feita de material bastante aderente,similar ao das pastilhas de freio) e a Mola, que em carros de passeio é do tipo cônica (como um chapéu chinês). Cabo de aço, rolamento e garfo, entre outros são componentes secundários.

Cinco marchas a frente se tornou o padrão por muitos anos. No entanto, já existem vários câmbios manuais de 6 marchas, mesmo no Brasil. E a Porsche apresentou recentemente um de 7. Com exceção de caminhões, que podem oferecer mais de uma marcha à ré, nos veículos de passeio há só uma.

Transmissão Automática

Em uma caixa automática tradicional, as marchas são literalmente engrenagens (como as de um relógio desmontado). A combinação das engrenagens, que se interligam, cria todas as diferentes relações de marchas que a caixa pode produzir. Normalmente de quatro a seis marchas a frente e uma a ré.

Quando nesse tipo de câmbio as marchas vão sendo trocadas, o motorista pode eventualmente perceber pequenos trancos a cada troca. Já existem no mercado câmbios automáticos com 8 marchas a frente. Um de 10 está sendo desenvolvido pela Hyundai. Assim como nos carros com câmbio manual, apenas uma marcha à ré é o padrão adotado.

O que caracteriza um câmbio automático é o conversor de torque. Ele é o componente do câmbio automático responsável pela transmissão inicial de força para os demais sistemas internos da caixa de câmbio. Os componentes internos do conversor são rolamentos, turbina, catraca e bomba.

O conversor de torque é o item mais caro da transmissão. Sua substituição ou reparação pode custar entre R$ 6 mil e R$ 10 mil reais. Mesmo num carro nacional, já que o item geralmente é importado.

Automático Sequencial

No fim da década de 1990, com o lançamento do segundo modelo do Passat alemão no mercado brasileiro a mesmice das transmissões começaria a mudar. O modelo vinha com a transmissão automática do tipo sequencial com 5 marchas que a Volks batizou como Tiptronic, que permitia mudanças manuais com toques  curtos na alavanca (+ e -).

Vale lembrar aqui que nomes como Hydramatic e Tiptronic não são tipos de transmissão e sim nomes comerciais de um produto.

Um ano depois, em 1999, a Série 3 da BMW seria reestilizada e traria o mesmo sistema, que ela lançou comercialmente como Steptronic . A Chrysler tinha o seu AutoStick, quase igual. A diferença era que os toques (+ e -) eram para a direita e para a esquerda e não para cima e para baixo. Nos Mercedes ainda é assim.

Transmissão Manual com Embreagem Automática e Manual Automatizada

No mesmo ano, a Mercedes-Benz trouxe o nacional Classe A com um sistema  inédito de transmissão para o nosso mercado: manual com embreagem de acionamento automático, sem o pedal esquerdo, que ela denominou AKS. Palio, Corsa e Twingo viriam a usar o sistema com outros nomes comerciais.

Nesse sistema, havia um sensor no pomo – ou manopla – do câmbio que reconhecia a mão do motorista, acionando internamente a embreagem, como se um pé esquerdo invisível acionasse o pedal também invisível da frição (embreagem).

Com o fim do cabo de acelerador, substituído por sistema eletrônico (‘drive by wire’), estava pavimentado o caminho para o que viria a ser o manual automatizado lançado pela GM como Easytronic e pela Fiat como Dualogic.

O uso de sensores mais aprimorados conectados entre si e a instalação de uma central eletrônica (computadorzinho) possibilitou que este tipo de câmbio ganhasse um modo “robotizado” que troca as marchas sem a ação do motorista, porém sem a suavidade dos automáticos autênticos com conversor de torque.

Este tipo de câmbio é vendido erroneamente em alguns concessionáros como “automático”. Custa a metade do preço do automático justamente por não ter o conversor de torque. Sua manutenção é também mais barata e consiste na troca do sistema de embreagem, similar ao sistema de um carro manual, com algumas modificações.

Porém GM (Easytronic), Volks (iMotion) e Fiat (Dualogic, o pioneiro) têm diferenças entre si e os componentes podem custar de R$ 680 na VW até quase R$ 2 mil na Fiat.

Não é exclusividade de populares e médios. O Alfa 147 2.0 já teve seu Selespeed e o Mercedes-Benz C 230 Kompressor Sportcoupé já andou de Sequentronic.

No próximo tópico a evolução desse sistema.

Transmissão Manual Automatizada com Dupla Embreagem – a seco ou banhadas em óleo

Na tentativa de agradar a gregos e troianos e oferecer o melhor dos dois mundos (manual e automático), eis que surge para carros de passeio, nos anos 2000, o sistema de dupla embreagem, que a Porsche criou em 1985 mas que por um bom tempo permaneceu restrito às pistas de corrida.

Com respostas mais rápidas e ariscas que um câmbio manual, o sistema de dupla embreagem está se popularizando. Pode ser de dupla embreagem a seco (DDCT do grupo Fiat e DSG da Audi com 7 marchas) e de embreagens banhadas a óleo (DSG de 6 marchas do VW Jetta, DKG e SMG da BMW e PDK da Porsche). Geralmente contam com as borboletas ou paddle shift(er)s para troca de marchas atrás do volante

Os Fiat Linea e Bravo devem oferecer esta caixa em breve.

CVT  (Continuously Variable Transmission) Transmissão Continuamente Variável

O tipo mais comum de CVT funciona com um engenhoso sistema de duas polias, que permite uma infinita variabilidade entre a marcha mais alta e a mais baixa mesmo sem relações de marchas pré-definidas (1a, 2a, 3a, 4a etc) como num automático convencional.
Quando uma polia aumenta o seu raio, a outra o diminui para manter a correia tensionada. Quando as duas polias mudam seus raios entre elas, criam um número infinito de relações de marchas da mais baixa até a mais alta.

A maioria das CVTs tem somente três componentes básicos:

  • uma correia de metal ou borracha para alta potência;
  • uma polia de entrada “condutora” variável;
  • uma polia de saída “conduzida” também variável.

As CVTs também possuem vários microprocessadores e sensores, mas os três componentes acima são os elementos-chave que permitem que a tecnologia funcione.

Transmissões CVT podem ser usadas com tração dianteira, traseira ou integral e  em motores de baixa a alta potência, como no Audi A6 3.0 de seis cilindros que utiliza a transmissão do tipo CVT com nome comercial de Multitronic. Já na Nissan o CVT recebe o sobrenome Xtronic. Máquinas como motoserras e motocicletas tipo “scooter” também usam CVT.

As transmissões deste tipo não são tão chatas como se supõe. Veja o Fluence, o Mitsubishi ASX e os Audi, por exemplo: oferecem mudanças manuais, como nos automáticos sequenciais. Mas como é possível? Nesse caso as marchas são virtuais, de modo que as polias parem em seis posições programadas, imitando 6 marchas.

Dá para identificar o tipo de câmbio só olhando a alavanca?

No caso dos automatizados nacionais tipo Dualogic da Fiat e iMotion da VW, fica fácil. Não há a posição “P” de Park ou Estacionamento. E as posições “R” de Reverse ou Ré, “N” de Neutral ou Neutro, “D” de Drive ou Dirigir, na Posição Automática, não estão na conhecida sequencia P-R-N-D. E não existe a trava para sair do “P”.

No caso dos automáticos, pode haver uma pequena variação no que vem depois do “D”,  como D3, “L” de Low, Baixa(s) que indica marchas mais baixas, redução. Ainda  após o “D”, pode vir a sequencia numérica de marchas. Por exemplo, em um câmbio de 4 marchas, ainda muito comum, toda a sequencia ficaria assim: P-R-N-D-3-2-1 ou P-R-N-D-3-2-L. Atualmente a sequencia pára no D e ao lado há um pequeno trilho paralelo para mudança manual (+ acima e – abaixo ou vice-versa).

Menos comum, visto mais em alavancas na coluna de direção, pode vir: P-R-N-D-O. Nesse caso, “O” de Overdrive, que indica que todas as marchas estão disponíveis para uso. Muitas vezes esse modo fica interessante para viagens em rodovias a uma velociadade maior e mais constante sugerindo maior economia.

Outra forma de Overdrive é através de um botãozinho no tronco da alavanca. Acionando-o, o motorista estará desligando o Overdrive e a marcha menor que a máxima será usada.

Recentemente, alguns carros de luxo como Jaguar e Aston Martin aboliram a alavanca e adotaram um seletor giratório redondo que lembra o seletor multimída iDrive dos BMW.

Nesses casos para não frustar quem curte uma redução manual, geralmente existem as aletas, borboletas ou paddle shift(er)s atrás do volante. Recurso criado pela Ferrari em 1989 na F1 e depois oferecido pela Porche e a mesma Ferrari nos carros de Passeio por volta de 1997.

Em matéria de aparência de alavanca, houve um exótico câmbio oferecido nos Alfa Romeo 156, chamado de Q-System (Q de quadra, quadrado, devido à disposição das quatro marchas em forma de um pequeno quadrado, num esquema em “H” que simula o de um câmbio manual). Esse quadrado, no sentido anti-horário continha as marchas 1-2-3 e 4 de relações bem curtas e ficava deslocado para à esquerda. Deslocando-se a alavanca para a direita você tinha um convencional automático (P, R, N e D).

Rejeição aos automáticos

O desejado câmbio automático de hoje era demonizado no passado e tachado como “carro de deficiente”. Hoje todo mundo diz que ama. O que fica fácil quando todo mundo aprova. Em 1999 tive meu primeiro automático, um Honda Civic. E era alvo de inúmeras chacotas.

Está certo que até os anos 1990 as transmissões geralmente tinham 3 marchas. Nos anos 60 houve automáticos americanos com duas velocidades e até mesmo com uma única. Havia uma certa lentidão, muito ruído e trancos fortes. Porém, na América o padrão de trem de força eram os seis e oito cilindros.

No Brasil, depois dos Dodge e Ford V8 e GM 6 em linha, ficamos com parcos quatro cilindros. De fato, guiar um Del Rey CHT 1.6 automático de 3 marchas, com passageiros e bagagem não era a coisa mais prazerosa do mundo.

Considerações Finais

Não se pode dizer que há um tipo melhor ou pior de transmissão, mas uma mais adquada ao gosto ou ao uso de cada motorista. Quanto à economia de combustível, a manual ainda seria a mais econômica. Em seguida as CVT, as automatizadas e por último as automáticas.

Automáticos e automatizados deixaram de ser coisa de popular. Quase todo superesportivo utiliza este tipo de transmissão atualmente.

E o câmbio manual, que para os puristas sempre foi sinônimo de esportividade, também está deixando de ser unanimidade. Prova disso é que a partir de 2012 a Lamborghini não irá mais oferecer câmbio manual em seus modelos. E você, leitor, o que prefere?  E qual tipo de câmbio não compraria? Até breve! Câmbio, Desligo.

Por Gerson Brusco Gonzalez

  • HugoSW

    Desde a aquisição do meu primeiro carro com câmbio automático, não faço questão de voltar aos manuais. Nem mesmo para superesportivos.
    O prazer da condução de um carro é muito mais que um simples pedal de embreagem.

    • rafa_marcao

      Mas que tenha borboletas no volante. Imagina pegar um 911 de 450 cavalos e automático? Não sei você, mas para mim é um crime.

      • Dharo Lima

        eu ate gosto de cambio borboleta , nada contra. Mas seria MUITO MAIS PRAZEROSO , dirigir um 911 com cambio manual de 7 marchas

        • rafa_marcao

          Pode ter certeza que sim. O que eu disse é que SE for automático, que pelo menos tenha borboletas no volante.

      • Carlos.Machado

        da para perceber que ele não é um Gearhead! e provavelmente n vai entender a emoção que é acelerar uma ZR1 com aprox 620cv Manual, ou algo mais simples como um 350z Manual, nao tem automatico nenhum no mercado que iguale a essa sensação!

        • rafa_marcao

          Aquele "coice" que a força do motor passa para a embreagem não tem igual….

          A reduzida com freio motor na embreagem e o punta taco nas curvas…

          Realmente é demais!

          PS: a subida de giro entre as trocas de marcha…

      • Breno “Clarkson” Zanatta

        Isso se os belos cambios automatizados de dupla embreagem não fizessem um trabalho melhor (e mais rápido) que o nosso, usando cambio mecanico.

    • Claudioelite

      Completando o que voce disse. Tem tanta gente por ai que diz que não troca a "emoção" de um cambio manual por um automatico. Pra mim os que dizem isso estao divididos em 2 grupos.

      1) Os quebrados que não tem dinheiro pra comprar um carro automatico e ficam com conversa fiada
      2) Os que nunca nem sequer experimentaram um carro com cambio automatico e falam o que não sabem.

      Cambio automatico é tudo de bom. Tenho um TIGUAN que alem automatico permite troca de marchas atras do volante, mas na real, quase não uso. Quem vai querer ficar trocando marcha se isso pode ser feito automaticamente?

      Uso as vezes de farra ou num momento ou outro numa viagem. 95% do tempo da em DRIVE, 4% em DRIVE S e 1% em MANUAL

      VIVA O CAMBIO AUTOMATICO

      • rafa_marcao

        Acho que você está equivocado. Ninguém aqui está dizendo qual é melhor do que qual. É que questão de preferencia.

        Eu prefiro um mecânico pois gosto de ter controle sobre o carro. E embreagem faz parte do controle do carro.

        Viva o grande leque de opções de câmbios existentes hoje em dia! rs

        PS: esse tipo de comentário: " Os quebrados que não tem dinheiro pra comprar um carro automatico e ficam com conversa fiada " não é necessário aqui no NA.

        • Sias

          Isto mesmo…o pessoal somente pensa no troca da marcha em sí mas esquece que a embreagem faz parte deste controle e sem ela não é a mesma coisa.

        • zeuslinux

          "E embreagem faz parte do controle do carro. "

          A embreagem foi criada basicamente para permitir a troca de marchas manuais. Em algumas situações específicas você controla o carro pela embreagem, mas o controle principal ainda é feito pelo acelerador. Depois que a marcha está engrenada e estabilizada a embreagem está sem uso.

          Muita gente abusa da embreagem, tipo ficar debreando no sinal em uma subida de ladeira, mas isso é errado e acaba com a embreagem. Vejo muita gente tirando onda de piloto se exibindo com este tipo de uso excessivo da embreagem, sem saber que está acabando com ela. Parou na ladeira, puxou o freio de mão.

          Quem usa carro automático sabe que você passa mais de 90% do tempo no D (drive) e usa borboletas (ou outra forma) basicamente para redução de marchas (para segurar o carro numa descida ou para reduzir antes de curvas fechadas e dirigindo rapidamente).

          Não é preciso ter embreagem para controlar a troca de marchas do carro. Basta, assim como acontece em alguns carros de corrida, que o acionamento da troca de marchas possa ser feito por algum botão ou alavanca. A troca pode ser feita por um mecanismo qualquer que possibilita a troca das marchas.

          A embreagem vai acabar, com certeza.

          • rafa_marcao

            Amigo, quanto ficar segurando o carro na ladeira com a embreagem, realmente chega a ser uma idiotisse que muitas pessoas fazem. Acaba com a embreagem mesmo.

            Porém se não fosse a embreagem não poderíamos subir o giro entre as trocas de marcha para não perder rendimento e muito menos fazer o bom e velho punta taco.

            Ayrton Senna no NSX que o diga!

            • zeuslinux

              Mas eu falo de motoristas normais, não pilotos de corrida.

              E em corridas os carros nem são os de passeio normais. Mesmo quando usam um carro de passeio como base, trocam quase toda a mecânica para correr.

              Não consigo ver ainda argumentos para quem defende câmbio manual para uso normal por motoristas normais, a não ser o custo de manutenção (isso pode ser importante em carros de empresa) e o custo de aquisição, quando temos tantos câmbios automáticos mais evoluídos à disposição.

              Outro nirvana para mim seria ter carros com tração integral nas 4 rodas permanente.

              O problema todo ainda é mais questão de custo e escala de produção do que tecnologia ou preferência dos consumidores.

              • rafa_marcao

                Eu uso punta taco normalmente e subida de giro entre as marchas. Quem anda de 1.0 tem que aproveitar tudo o que o pobre motor pode dar…rs

                Quanto aos câmbios tem uma solução simples. Deveria existir a opção de comprar manual ou automatico.

                • Edson Roberto

                  Mas poderia também exisitr como no Japão que são os cambios CVT. Esses resolveriam 90% do problema do cambio manual (em relação a potencia também).

                  Vc comentou de carros esportivos, lembrando que na Formula 1, o cambio é semi automatico (a troca é feita por botoes e sem embreagem).

            • DCald

              Cara, vc realmente sabe o que é um punta taco?

              Náo precisa de embreagem pra fazer punta taco!
              subir o giro entre as trocas de marcha só serve para gastar mais combustivel, já que qdo vc soltar a embreagem, o a rotação do motor vai ser equivalente a das rodas (com as devidas relacoes da caixa de cambio)… independente de vc ter esgoelado o motor antes disso…

              O unico motivo que vejo contra o automatico é o conversor de torque, que desperdica parte da forca do motor… mas isso em automatizados náo acontece…

              Pra mim, o melhor tipo de cambio é o automatizado de dupla embreagem… se possivel, com as borboletas para qdo quiser brincar de trocar marcha….

              • rafa_marcao

                Eu sei que punta taco se usa freio e o acelerador.

                Não é apenas gastar gasolina amigo. Vamos a um exemplo: Numa corrida o que sempre buscam são trocas de marchas mais rápidas, correto? E para que? Para que não se perca giro a mais do que normalmente se tem entre as trocas.

                Agora vamos ao extremo: Carro 1.000 da Fiat que tem câmbio que nem de caminhão. Entre uma troca e outra o gira chega a cair 3500 – 4000 giros (dependendo da situação como carro a frente, algum desvio). Não que eu afundo o pé no acelerador entre as marcha, mas um pequeno toque sim, para pelo menos amenizar.

                A gasolina que eu gasto com o pequeno toque no acelerador não se compara com o tanto que gasto para um motorzinho fulero subir esse tamanho todo de faixa de rotação.

            • Yuri Fiori

              Boa, é o que eu ia dizer, infelizmente muitas pessoas, talvez mais novas, não conheçam isso, e se apegam a comodidade da tecnologia, mesmo pq é preciso “manjar” p/ fazer punta taco subir giro, usar freio motor, enfim as próximas gerações não saberão o q é isso ( interação entre homem e máquina) hoje com sensores e a elevada potência dos motores e com os eficientes câmbios com muitas marchas que buscam faixas adequadas de giro rapidamente com a ‘tocada” do motorista fica difícil p/ algumas pessoas entenderem da arte de extrair potência e desempenho de alguns modelos de automóveis.

      • duduguazzi

        Não generaliza por favor pois assim você me da o direito de falar que todo motorista de carro automático é preguiçoso por isso dirige carro sem ser manual.
        Já dirigi tanto automático normal (307) , CVT (sentra) e Dupla embreagem (Jetta) e carros manuais.
        Não achei ruim, muito pratico na verdade mas me davam a sensação de não ter dominio do carro. O que mais se aproximou de sentir ter o carro na mão fazendo o que eu quero foi o Jetta e por isso acredito no futuro do sistema de dupla embreagem.
        Se não for pra ter um assim PREFIRO sim o manual.

      • Giorgio

        Deixe eu colocar mais um grupo pra você:
        3)Aqueles que realmente gostam de sentir o carro com mais controle, com mais prazer de dirigir, e que não se incomodam em usar o braço.

        Já vi carro manual, automático, e CVT, e o manual é o que mais agrada a minha pessoa. Se você é diferente, tudo bem, mas não adianta criar preconceito com quem prefere manual.
        Não é só porque alguém gosta de trocar marchas que essa pessoa não sabe o que é automático ou ela é pobre.

        • Giorgio

          Já tive automático, ainda prefiro o manual. Tente pensar que talvez, cada pessoa tenha sua opinião, e algumas ainda preferem o automático. Louco? Sim, por preferir sentir um pouco mais do carro. Não moro na roça, já enfrentei trânsito, com manual e automático, e mesmo assim prefiro o manual. Se não sabe respeitar que talvez as pessoas tenham diferentes opiniões das suas, não sei porque você está em um blog automotivo fazendo comentários. Gosto de manual e não largo, mas não tenho preconceito com quem tenha automático. Quer o automático? Compre-o, mas aprenda a viver que tem gente que tenha outras preferências, e nem por isso é desinformado ou falido, muito menos louco.

          • Edson Roberto

            É Giorgio, para vocês que tem essa preferencia, há um outro agravante: Geralmente os carros top de linha atuais, somente são encontrados em variantes automaticos. Isso acaba por deixar quem quer um carro completo ferrado da vida, já que esse não quer cambio automatico e sim manual.

            • Giorgio

              É o preço que se paga pela inovação de hoje em dia, infelizmente, certas coisas são deixadas de lado. Mas tudo bem, eu particularmente prefiro o manual, mas não deixaria de comprar um modelo completo apenas por ele ser automático.

        • 430scuderia

          Falou tudo Giorgio.

          E claudioelite, em transito é outra coisa, até porque nao tem como sentir o carro em um transito urbano.

        • rafa_marcao

          Até por que se você tem uma McLaren F1 ou uma F40 mecânica você não é nada nada pobre…rs

      • MattTr00

        "quebrados que não tem dinheiro pra comprar um carro automatico"

        será que quem compra um superesportivo de mais de R$500mil reais com câmbio manual é quebrado?

        ou quem opta com um Civic SI ao invés de um LXS?

  • GreatU2

    Meu próximo carro será automático, e manual nunca mais! Não faço questão de fazer "câmbios esportivos" a 10km/h de primeira pra segunda marcha, e "reduções radicais" de segunda pra primeira a 4km/h.

  • MattTr00

    Câmbio manual até a morte! Viva as marchas, viva a verdadeira arte de dirigir!

    ps. Já tive Pajero automático, não sinto falta nenhuma.

    • danielGT

      Somos 3. Até concordo que no anda e para da cidade um cambio automatico cai muito bem, mas primeiro, ando de metro, não faço questão nenhuma de gastar gasolina, desgastar as peças do carro e me estressar no transito, fora os "aliados" que estão sempre de olho, quando vc da mole tchau carrinho amado. Segundo, tenho um jeito muito particular de dirigir, reduzo sem dó. Por causa disso abasteço bem menos que meu pai por exemplo e meus freio duram BEM mais. Logico que (só um exemplo) to vindo em quinta marcha a 120km/h não vou do nada engatar terceira só para reduzir velocidade….dai não há motor que resista, mas é até saudavel fazer reduções para auxiliar na frenagem. Não sei dirigir sem isso….quando pego um carro automatico (meu pai tem um Linea T-Jet e um Omega 4.1 AT) eu canso tanto quanto num manual pois vc usa mais a perna direita, pois precisa pisar mais fundo justamente por causa da falta de controle do cambio e não usar as reduções de marcha. Pra mim se for comparar conforto por conforto a diferença é minima mais os beneficios do cambio manual trazem a mim não vale a pena pegar (por mais grana ainda) um AT. Fora o custo, quebrou F$#$%%eu caso vc tenha um AT !!! Agora se o Linea T-Jet do meu pai tivesse um DDCT, eu concerteza não iria reclamar caso ele queira troca-lo pelo meu Focus !!!

  • daviddiniz

    Bom aqui em casa tem um carro com transmissão automática e o meu próximo com certeza terá câmbio automático. Chega de ficar fazendo aquele exercício todo e detonar meu joelho.

    • MarcosBtta

      Concordo Contigo
      Tanto é que o meu carro atual é uma L200 triton, apesar de ter só 4 marchas, um pouco ruim em relação ao consumo, naum trocaria por manual jamais, tanto é que a antiga era uma Hilux manual, e por isso troquei, e ha próxima será automática tbm.

  • WorthWRT

    "Pra que automático? O prazer está em passar a marcha" dizia um amigo meu, concordo. Mas quando se está no transito, naquele lenga lenga…nada que um automático ou automatizado pra melhorar o conforto, e ainda dá pra coçar a barba :D

    Atualmente possuo tanto manual como automatizado em casa, por mim tanto faz….já pra outros….

    • rafa_marcao

      Por isso um automático com borboletas no volante ou tiptronic é o ideal para alegrar gregos e troianos.

      • lndnfsu2

        eu ja acho que o automatizado com dupla embreagem veio para ficar… é tao suave quanto o automatico e tao esportivo quanto o manual… só depende do ajuste de fabrica apropriado

  • Roms

    Sei… a Fiat vai trocar o Duallogic por dupla embreagem… Só se for no bravo tjet ou no linea tjet. Mas ainda assim, duvido!

    • zemarreta

      Capaz de chamar Duallogic doppio.
      Algum tempo depois eles elucidam que se trata do dualogic (com apenas uma embreagem mesmo), mas com mudanças capazes de proporcionar "duplo prazer ao dirigir" e outras abobrinhas saidas da cabeça criativa de algum marqueteiro.

    • luis_ten

      Não tenho dúvidas que existem câmbios melhores que o dualogic, mas meu carro possui o câmbio e não tenho queixas. Gosto muito!!!

      • Roms

        Não entendi o seu post. Não há críticas sobre o Dualogic para você se defender. Só disse que duvido (ou se prefereir, acho muito pouco provável) que a Fiat substituirá o Dualogic pelo de dupla embreagem, como o DSG da Volks/Audi, ao menos que seja nas versões TOP do seu hatch médio e do seu pseudo sedã médio.

  • MecanicoDigital

    Olá Gerson!
    Como a intenção do artigo é esclarecer, e não confundir, vamos esclarecer uma pequena confusão… Quando você disse:
    "O sistema de embreagem é composto basicamente por 3 componentes principais: Disco (volante do motor, de aço), Platô (feita de material bastante aderente,similar ao das pastilhas de freio) e a Mola, que em carros de passeio é do tipo cônica (como um chapéu chinês). "

    Na verdade, o correto, é:
    "O sistema de embreagem é composto basicamente por 3 componentes principais: Disco (feito de material bastante aderente,similar ao das pastilhas de freio) , Platô (peça de aço composta de um disco fixo, molas e hastes, semelhante a um chapéu chinês, que trabalha presa ao volante do motor ) e o rolamento da embreagem (também conhecida como "colar de embreagem" por mecânicos), peça móvel que trabalha conectda a um garfo que é acionado pelo pedal da embreagem "

    • GersonBrusco

      Olá MD!
      Como vai?
      De fato sua colocação está correta!
      Obrigado e não deixe de me avisar em situações assim!
      Grande Abraço
      Gerson

  • jonasperola

    A grande rejeição dos cambios automáticos é a questão da manutenção ser delicada, e consequentemente esse tipo de serviço é realizado pelas autorizadas, outro fator primordial é o preço de uma revisão e os custos das peças de reposição fora a mão de obra, isso é que deixa o consumidor assombrado.

  • Analfa

    Do ponto de vista técnico-prático, comprar carro manual é como comprar TV sem controle remoto.
    Você terá um aparelho onde é necessário uma operação manual (levantar e apertão o botão) sendo que há recursos que podem fazer o mesmo por você (apenas apertar o botão).

    A única diferença: trocar as marchas em algumas situações de pista é muito prazeroso.

    Por isso o AT com opção de trocas manuais é o melhor dos dois mundos, IMO.

  • BlueGopher

    Realmente é uma questão de gosto.
    Dirigi muitos carros com câmbio automático, são práticos e cômodos no trânsito e mesmo em ladeiras, mas ainda não abro mão do câmbio manual.
    Talvez seja uma curtição final (saudosismo antecipado?) por uma das coisas que tendem a desaparecer do mercado, como está acontecendo com os V8 e L6 em carros de custo acessível.

  • alyalysson

    depois que meu pai comprou um civic 2005 automatico, senti o conforto de dirigir.
    depois um citroen picasso 2008, manual. duas definições diferentes da palavra conforto.
    o picasso, pelo seu espaço interno e o civic pelo conjunto motor cambio automatico.
    se tiver como escolher um carro pelo mesmo preço, manual e automático, levo o automatico.
    ou ainda o cvt!

    • zemarreta

      O Fit 1.5 com CVT é a melhor combinação de motor/câmbio das dezenas de carros que já dirigi.

      • rafa_marcao

        Amigo, já chegou a dirigir o Fit 1.5 VTec correto? O que achou dele? Bem esperto? Estou cogitando pegar um 2007.

        • zemarreta

          O lá de casa é 05/06 1.5+CVT.
          Bom, como disse o câmbio funciona com o motor como se estivessem na Orquestra Filarmônica de Berlim. Suavidade ímpar, bom desempenho em baixa (alta também) rotação (vc solta ele no sinal, aperta só um pouquinho e ele já arranca bem a frente dos outros sem fazer esforço), e consumo razoável (11,5 km/l na cidade com gasolina). Manutenção simples (é o único que só levamos na CCS), e e revisões baratas e sem pegadinhas de itens bizarros na conta. Por fim, é pequeno e cabe em todas vagas, mas tem espaço interno muito grande e versátil.
          Os aspectos negativos são a simplicidade espartana do interior (nada de temporizadores, luzinhas que se apagam devagarzinho nem nada. Fechou a porta, apagou a luz. Pronto), rádio bem peba no meu (embora de boa qualidade sonora), sem interface com outras mídias, nem MP3, suspensão dura pra chuchu e baixo que raspa em todos os lugares.
          No resumo, recomendo a compra de olhos fechados, especialmente se vc conseguir abstrair o som sem interfaces (acho que no 2007 pelo menos tem entrada AUX, não tenho certeza) e a suspensão dura. O resto compensa com sobras.

          • rafa_marcao

            Bom, venho de um Palio, logo será um belo pulo e os pontos baixos que citou são melhores do que os meus altos…rs

            Mas bom saber quanto ao motor, já me falaram que é um carrinho bem esperto mesmo. Ainda estou dando uma procurada, qualquer novidade ou dúvida volto a falar com você. Obrigado amigo!

            • zemarreta

              Ok! à disposição no que puder ajudar! Abs, e boa sorte.

          • vynycyus

            Aqui em casa tamném tem um Fit CVT, só que é 1.4, o carrinho é show, bem econômico, anda bem, quanto vou olha no velocímetro já estou a 170km/h, o carrinho é muito bom.

            Só uma dica pra quem for comprar Fit CVT, tem que ter todas as revisões feitas na CSS. Mas uma coisa um FIT com 100 mil km/rodados está novo.

  • EuMeSmObYmYsElF

    eu gosto de manual quando se tem bastante espaço para se usar da maneira mais prazeirosa… no anda-e-para das cidades um automático é a saída…

  • zeuslinux

    Tenho um automático e já tive muitos outros carros manuais. Como na maioria do tempo dirijo em engarrafamentos de grandes cidades, o automático é um tremendo conforto.

    E como o meu carro tem as borboletas atrás do volante, posso reduzir marchas facilmente quando for preciso, como é o caso de você estar descendo uma ladeira ou uma serra (freio motor).

    O câmbio CVT é muito legal também.

    Acho que no futuro todos os carros serão CVT ou Transmissão Manual Automatizada com Dupla Embreagem. Embreagem será extinta, queiram ou não.

    Muitos vão dizer que sentem falta do controle da embreagem para p.ex. segurar o carro no sinal numa ladeira (subindo). Quem tem carro automático sabe que nem precisa se preocupar com o recuo do carro na saída em uma situação dessas. Os sistemas de controle de hoje seguram o carro para você e assim não queima disco de embreagem.

    • YoOdEx

      Pois é! Já existe inclusive uma tecnologia em carros manuais e automáticos que seguram o carro por um instante em uma subida, não me recordo o nome, mas parece que já tem inclusive no Bravo T-Jet que é manual.

      • _Hofmann_

        Hill Holder.

        • FFFuel

          Eu odeio essa desgrama!
          fico p… quando o carro freia sem o meu consentimento!
          Ás vezes queremos que o role para trás… sozinho… por força da gravidade. Daí é necessário colocar o carro no ponto morto…. AH… é um saco!

          • luizcrjr

            do mesmo jeito q tem q colocar em ponto morto ou pisar na embreagem… nada demais isso…

      • zemarreta

        O 3008 e o Tiguan também têm.

    • rafa_marcao

      O que se pode fazer apenas com manuais é subida de giro entre as marchar e o bom e velho punta taco. Que diga Ayrton Senna!

  • Jeremy_Hall

    Ainda fico com o manual. Por gostar de ficar pisando em pedais e mexendo em alavancas, só por isso.

    • AlceuF

      Melhor comentário até agora. Gosto é gosto. Não precisa ficar floreando.

  • Armando_Perez

    Excelente o texto, bem informativo, antigamente sempre tive carro manual e não trocava por automático até dirigir um.
    Hoje não quero mais nem ouvi falar em carro manual.

    • zemarreta

      No fundo é isso mesmo. Eu também achava um pouco assim, que o automático tiraria o prazer de dirigir, mas na prática não muita utilização para um câmbio manual hoje em dia. No fundo, muita gente é contra o automático porque se comporta como a raposa da fábula: as uvas não são boas… estão verdes.

      • rafa_marcao

        Meu pai sempre teve carros automáticos. Já morei nos EUA e só dirigia carros automáticos.

        Ainda assim prefiro manuais. Não pense que é proibido, ou loucura, gostar de manuais.

        Concordo que em engarrafamentos não há nada melhor, porém olhe minha situação. Vou trabalhar de metro e só uso o meu carro para o lazer e viagens.

  • YoOdEx

    Bom, CVT e o Dupla Embreagem são absolutamente os melhores.. Mas devido ao preço um pouco mais elevado não são amplamente utilizados…

    O CVT é uma tecnologia que pode evoluir muito! Seria extremamente interessante, aproveitar bem a faixa de rotação do motor para se obter algum fim, matendo o carro em potencia máxima, ou torque máximo dependendo da necessidade do condutor.. (isso já acontece, mas pode ser muito mais bem explorado ainda).. O Dupla Embreagem oferece conforto, economia de combustivel e troca extremamente rápida eficiente e com a popularização tende a se tornar mais em conta que um automático convencional.

    No momento possuo carro manual, mas quem sabe num próximo modelo dependendo do $$ não dê para começar a pensar em um automatico/automatizado.

    • zemarreta

      O CVT até já faz isso. No Fit, se vc bota em S e crava o pé, ele mantém o giro na faixa de potência máxima e acelera mais rápido, se vc deixa em D e crava o pé ele vai subindo o giro de forma mais linear até chegar na potência máxima. Porém, se vc não crava o pé, o giro varia conforme o apetite com que vc está pisando.
      No fundo acho que o CVT só precisa mesmo é de mais durabilidade, já que o defeito de alguns fabricantes acabaram manchando a reputação do sistema. No Fit lá de casa, por enquanto, são 65000km só de alegrias.

  • mikaelbrian

    quando eu tiver carro qualquer uma que ñ tenha pedal de embreagem ja ta de bom tamanho

    • zemarreta

      Rapaz, dirigi o i——-mo——ti——on uma vez e não me convenceu, o câmbio é bem ruinzinho. Ele não tem o "crawling", que é aquele negócio do carro ficar indo para frente sem pisar no acelerador, e quase morria para sair numa rampa mais acentuada. Teria minhas dúvidas entre ele e o manual…

  • fkas

    Não compro: Essas "gambiarras" automatizadas que soluçam mais do que passam (lentamente) marchas, apesar de reconhecer que elas são fundamentais para quem quer ter um "automático" comprando carro popular.
    Não compro: Câmbio manual. Se 90% de meu uso de um carro é na cidade, prá que eu quero algo que me estresse MAIS no para e anda do trânsito?
    Não compro: A automática da PSA (Peugeot/Citroen), lenta, obsoleta, imprevisível e com trancos inaceitáveis.

  • Leandro1978

    Eu gosto de câmbio mecânico, mas meus próximos carros serão automáticos ou automatizados. Em São Paulo, devido ao trânsito, esse tipo de transmissão deixou de ser luxo há tempos…

    • zemarreta

      É análogo àquele negócio do Civic SI: no autódromo ele deve ser muito legal, com o motor que pode ser esticado bastante, mas no dia a dia, vc só vai lembrar mesmo da falta de torque em baixa rotação.
      Em resumo, o manual é divertido, mas quem tem dinheiro para comprar um carro só para usar no autódromo?

      • FFFuel

        Um monte de gente tem!
        Principalmente quem gosta de CARRO, compra!

        SE você quer um meio de locomoção apenas, vá de TÁXI. No final do ano, vai te sair bem mais barato!

  • Sias

    Ótimo texto, muito bom mesmo. Eu sempre tive carro MT e gosto assim, mas com os congestionamentos cada vez maiores que ando pegando acredito que o próximo será AT, mas só de tiver sequencial.

    • Claudioelite

      Exatamente o que tento explicar aqui. Quem dirige um carro com cambio automatico em um transito caótico NUNCA MAIS vai querer um carro com cambio manual. Alegam mais "emoção". Só se for na estrada, mesmo assim a "emoção" vai acontecer nas ultrapassagens e curvas, pois se for uma estrada plana, com curvas abertas e 3 pistas garanto que vai ficar de 5 ou 6 a maior parte do tempo

      Quando voce pegar o AT mesm com cambio sequencial (Tenho um VW TIGUAN que é assim). No começo voce vai achar o maior barato ficar la trocando marcha, uma semana depois vai por em D e ficar so curtindo a paisagem e a mulherada na rua, rs

      • Sias

        Mas nem sempre se pode levar tão ao extremo esta situação. Moro em uma capital e consigo usar todas as marchas do meu carro. Do tempo que fico em trânsito aproximadamente 20% são em congestionamentos (que com a tendênia atual, vão piorar).

        A maioria dos câmbio AT são de 4 marchas e em todos que andei não gostei de nenhum. O motor fica em um giro bem mais alto do que o necessário e o consumo, mesmo que pouco, aumenta.

        • Claudioelite

          Ai não. Pegou um carro com cambio ultrapassado. Um bom automatico dever ter no minimo 5 marchas. Tenho um TIGUAN com 6 marchas. Meu pai um ACCORD V6 com 278 cv e 5 marchas

          Em qualquer um deles voce roda suave, rotações baixas, consumo compativel, prazer total em dirigir

          Presumo que voce tenha pego um COROLLA ou FUSION, foi isso?

          • Sias

            Mas como disse, a maioria ainda é de 4 marchas. Já dirigi GM (Vectra), Hyundai (i30 e Tucson) e Corolla… Só comprarei um se for de 5 marchas pra cima.

  • GuilhermeTucson

    Ai vai do gosto do freguês né, mais um manual tem mais graça sim.

  • Miguel Osterroht

    Cada situação é diferente, para o maldito transito, e dia dia, temos que admitir que automático é ótimo, agora, ter um porsche para fim de semana manual não é nada mal. E se tivesse um usaria no dia a dia, também sem problemas de ser manual. Ok fui controverso, mas pô é um Porsche.

    • Claudioelite

      Solução. Cambio automatico com trocas manuais sequenciais atras do volante

      • Miguel Osterroht

        Isso que falei no comentário abaixo, acho que um PDK resolveria tudo, haha…

    • zemarreta

      Não sei, não, Miguel. Tenho a impressão que um DSG cai como luva no Porsche. Na prática, o giro dele sobe tão alucinadamente rápido que vc nem tem tempo de passar essas marchas todas. Se num Audi ou BMW 6 cilindros o motor já engole as marchas, imagina num Porsche…

  • TvaxQuivax

    um Twingo quickshift pra mim já tava ótimo, realmente no lenga lenga é horrível ter q ficar medidno a força no pedla de embreagem, pra mim, só pelo fato de não possuir esse pedal já tava ótimo!
    http://images01.olx.fr/ui/1/70/19/10916119_3.jpg

    e o único carro auto qdirigi, foi um honda 95 cheio das coisas.. uahuauh

  • Led_Zeppelin

    Cambio manual dá mais trabalho, as vezes a embreagem é dura… mas imagine dirigir esse carro com um cambio automatico:

    [youtube 0YPabCzxMXM http://www.youtube.com/watch?v=0YPabCzxMXM youtube]

    • _Tango_Down_

      Um carro desses é apenas para andar nos fins de semana. Tanto é que vemos ferraris com 3 anos de uso com quilometragem baixa, não chegaram nem aos 10mil quilometros. Agora tenta dirigir esse carro por 2 horas em um trânsito caotico como o de SP e vê se vc vai ter algum "prazer" em digirir.

      • Led_Zeppelin

        Lógico, em momento algum eu falei que é pra usar no dia a dia. Pra isso o que conta é conforto e praticidade, que o cambio automatico oferece. Agora, pra se divertir, não há nada comoum manual

  • AndersonDak

    sou muito mais um manual de 6 ou 7 marchas com belas e grandes borboletas no volante.

  • sbacana

    é questão de gosto, pena que tenha muito carro que não se acha mais as versóes completas manuais , como se automático fosse sinônimo de luxo (ex. ASX, IX35, Fluence, etc…), Forester a COCOA nem sequer importa o manual. O que faz com que muita gente que não troca manuais por nada fique com menos opção.
    O importante é que o mercado ofereça opção para todos os gostos. E que cada um compre o que gosta…

    • zemarreta

      Pensando por esse lado concordo com vc, aliás é um pouco que nem a ditadura do preto/prata, mesmo que vc não goste, vai acabar tendo que comprar um desse jeito.

  • aas18

    Só uma correção, SMG não é dupla embreagem, a dupla embreagem da BMW é o DCT !

  • ismajunior

    Experimentei um C4 Pallas Automático (é o da primeira foto, lá em cima), e achei sensacional o conforto de não precisar trocar marchas. Confesso que me adaptei rápido. Mas, por enquanto, prefiro trocar as marchas e me divertir um pouquinho. ;)

  • simoloko

    CVT, tem uma ressalva: A revisão de 60 mil km, quando são trocadas as correias do câmbio (doravante, o oleo), é caríssima, chegando a uns 5 mil reais, como é o preço da revisão de 60 mil km do Renault Fluence (contando com discos e pastilhas de freio) – do Honda Fit, só a troca da correia CVT custa em torno de 1.5mil nesta revisão.

    Alguns dados equivocados neste texto:

    1-Quanto ao câmbio automático de duas marchas, citado no texto, existia em 1950 e 1954 nos Powerglide da GM, que equipavam a linha Chevrolet e Pontiac. O de única marcha, era o do Ford Modelo T (1908-1927), que tinha "mudanças" de marcha no pedal.

    2-Os câmbio automáticos nos anos sessenta, como o TH350 (Turbo Hydramatic 350) da GM, eram suaves e bem fortes, tanto que sempre aguentavam bem e davam bons "burnout" para Camaros, Chevelle, Cultlass, Corvettes, Firebirds, Impalas, Bonneville etc

    • jnasser

      Mas o CVT do Fluence tem correia? Desculpe se perguntei besteira….

      • simoloko

        Sim: Todo CVT tem uma correia e dois cones. Acontece que é uma correia de borracha, ao invés de correia de liga metálica, como é no Fit e nas Audi.

        E só tem um jeito de trocar: Abrindo a caixa de câmbio. A mão de obra/hora disso é caríssima dentro de uma CSS Renault, além do que tem que drenar todo oleo – e colocar oleo novo, que é caro.

        Mão de obra custando caro e perda de garantia, a revisão vai de 2 mil reais (oficina comum) a 5 mil (CSS Renault).

        Disso ninguém fala do Fluence.

        Ou seja: Quem usar até os 50 mil km, vai vender e o vendedor da CSS vai abaixar o preço alegando esta revisão. Por isto acho que o Fluence é um péssimo custo x benefício. Ao final das contas, desvalorizará demais!

        • jnasser

          Juro que pensei que a Nissan/Renault usasse o CVT toroidal…..

    • zemarreta

      Olha, na parte de revisões do manual do meu Fit não consta nenhuma "troca de correias", apenas a troca do óleo com 80.000km, que deve ser coisa de uns 300 reais, ou seja nada do outro mundo. Eu já mandei trocar preventivamente com 40.000km. Ante à suavidade e precisão desse câmbio acho que é um custo muito pequeno.

      • acanina

        É isso aí… não há troca de correia nenhuma do câmbio.
        A única correia que o FIT tem é a de acessórios, pois até a distribuição é feita por correntes.
        Esta correia é trocada aos 80.000 km.
        A troca com 40.000 do óleo só é necessária se for em condições severas, trânsito, carga, poeira etc.. fora isso
        pode trocar com 80.000 km sem problemas.

  • zemarreta

    Se todo mundo testasse um CVT, pouca gente iria querer outro sistema depois…

    • lugavioli

      Concordo com vc zemarreta. Tive um Fit 1.5 CVT e acho o cambio maravilhoso. A pena foi a Honda não ter renovado o contrato de concessão do uso da tecnologia com a Nissan e ter colocado no New Fit o cambio automatico do Civic. Quanto à revisão ser cara, a manutenção neste cambio só é mais cara na revisão de 40 e 80 mil km pois é necessário trocar o oleo da caixa e o valor dele é em torno de 40 reais o litro. Quando sai do Fit fui para um Azera 2011 0 km com cambio automatico de 6 marchas; trocas suaves em baixas rotações e "inteligente", ou seja, quando vc quer mais desempenho basta fazer um kick down que o bicho fica nervoso e troca as marchas em giros mais altos, fora a alternativa de trocas sequenciais ( não tão praticas por não serem com borboletas no volante e sim troca na alavanca de marchas ( pra frente ( + ) aumentando as marchas e para tŕas ( – ) para reduzir. Enfim, eu diria que dos que conheço o CVT ainda é o que acho mais prazeroso dirigir. Quando eu tiver a chance de dirigir um DSG quem sabe mude de opiniao.

      • zemarreta

        Concordo com vc, embora ainda não me acostume com os tranquinhos do câmbio automático normal (estou agora com uma 3008). Quem sabe com o DSG realmente deixe de perceber os tranquinhos…

  • Msgui2

    Eu tenho um Audi A1 com cambio Stronic de dupla embreagem com 7 marchas. Minha unica consideração sobre ele: perfeito! Não existe nada igual a um cambio de dupla embreagem. As marchas são passadas e reduzidas com tamanha rapidez e suavidade que simplsmente nao se percebe as trocas a nao ser pelo movimento do ponteiro do contagiros. Fora que a calibragem que a Audi dá ao cambio é sensacional. Viajo a 120km/h 7a marcha a 1800 rpm fazendo 17km/L…

    • Fabio_Tex

      Parabéns pelo carro, deve ser realmente empolgante. Tenho o Tiptronic sequencial de 6 e já fico bem feliz. Quem sabe na próxima troca?
      Sucesso.

  • AutoIng

    Esse texto infelizmente confunde mais ainda a cabeça dos brasileiros, ao insistir em chamar o automatizado de "manual". Tudo o que não precisa da intervenção do motorista é automático, ponto. A diferenciação está somente no sistema, mas jamais, eu repito, JAMAIS, "automático" foi sinônimo de "conversor de torque". Se fosse assim, câmbio CVT não poderia ser chamado de automático também. Algumas tecnologias são melhores, outras piores, mas todos estes câmbios são "automáticos" na realidade, quer alguns gostem do termo ou não. Recomendo utilizar o dicionário quem ainda tem dúvidas.

    • jnasser

      Acho que essas comparações do automatizado/manual é culpa das fábricas mesmo. Tem muito vendedor de concessionária dizendo que "a manutenção é tranquila porque o automatizado nada mais é do que um câmbio manual com atuadores que simulam o motorista". Se isso é verdade (acredito que seja), então realmente o automatizado está mais pra manual do que para aquela que estamos familiarizados "automático=luxo=carrão=complexo=conforto"……..

    • FFFuel

      Concordo plenamente!
      Um é automático com conversor de torque, e o outro é automático por atuadores hidráulicos!

      • jnasser

        Não podemos esquecer que o automatizado tem embreagem….. ou seja:

        Um é automático com conversor de torque e o outro é embreagem e alavanca por atuadores !

  • Guga2010

    Meu preferido? CVT que pisando fundo cola o giro em 5 mil rpm e não sai mais!!! Sem marchas virtuais!!

    Qual não vivo sem? Pelo menos um automático com borboletas no volante.

    Se o automático não tiver borboletas eu NÃO compro! E se tiver o FALSO sequencial (Corolla, C180) eu to fora também! Câmbio automático sequencial de verdade tem que segurar a última marcha quando se pisa fundo na estrada (sem apertar o kick down).

  • JPaulo10

    Uma pergunta: com o câmbio automático comum (P-R-N-D), não é maior o desagaste de freio?
    Vi uma entrevista de um técnico da Toyota em que ele afirma que o problema de empenamento dos discos de freio da Hilux se deve ao uso excessivo do freio, sem que o motorista se utilize das marchas 3-2-1 (como seria o correto) para redução da velocidade.
    Mas e num câmbio automático comum?

    • zemarreta

      Boa pergunta. Nos automáticos que já dirigi, todos eles (mesmo os CVT) sempre faziam um pouco de freio motor em desacelerações mais longas a partir velocidades bem elevadas.

  • Fabio_Tex

    Em São Paulo é extremamente DESGASTANTE o uso de cambio manual. Como já mencionaram antes, atualmente um sério gerador de problemas de saúde em Joelho e Coluna, adicionando-se a postura terrível na qual a maioria das pessoas ficam em carros com assentos sem boa ergonomia ou regulagem decente, até mesmo por ignorância de alguns.
    Me arrisco a dizer que "centenas ou milhares" de trocas diárias "ponto-morto", primeira, ponto morto, primeira, segunda, PM, primeira, PM, primeira, embrea, desembrea, embrea….. são fontes de pequenos acidentes. Já tive mais de um impacto na traseira ocorrido neste contexto.
    Se o "papai do céu" e meu bolso permitirem, manual novamente só se residir fora de SP.

    • ricpts

      Concordo, tem a questão de segurança. Também dirijo em São Paulo, toda a atenção é necessária nas marginais e em avenidas movimentadas. O câmbio automático não só descansa o braço direito e a perna esquerda nos congestionamentos: na verdade, libera um braço para a direção, aumentando o controle do motorista em situações emergenciais, facilita a entrada em ruas e avenidas de velocidades altas, etc.

  • Gostei do texto, basta simples e esclarecedor para que confundia…
    Só que continuo achando que além de ter a necessidade de cada um, é gosto pessoal, então sempre vai ter quem goste e quem não goste.
    Eu por exemplo gosto de camobio manual pois não dirijo em trânsito pesado todo dia.
    Mas tem gente que fica 2h e meia em congestionamentos, haja joelho né…. tudo vai do gosto e necessidade de cada um.
    Abraços

  • jnasser

    Realmente automático é o que há de mais confortável.

    Não entendo como alguém que busca conforto compra um automatizado/quase/manual. Andei neste fim de semana num Voyage iMotion e os trancos parecem barbeiragem do motorista. E não eram, porque já andei de Civic automático com o mesmo motorista e faltei dormir de tão suave.

    • ricpts

      Engraçado que na semana passada saiu um comparativo entre o câmbio automatizado do Fox iMotion e o câmbio automático do Sandero no site da AutoEsporte, e eles tentaram de tudo para igualar os dois, em uma propaganda descarada da VW… Eu acho que nem tem comparação, automático é bem superior.

  • FFFuel

    Ainda prefiro um câmbio manual! Sem dúvida!
    Mesmo que seja num carro 1.0.
    Nada substitui a embreagem e o câmbio sendo atuados exatamente da maneira como eu quero, e não como o cara que programou a porcaria da central do câmbio achou que eu devesse agir!

    Se formos falar de um automático com conversor de torque então…… dá até raiva! O câmbio tem vida própria… faz o que querer e ainda consome um belo bocado de gasolina para isso.

    • FFFuel

      Ignorância é a da tua mãe!
      Me diga como é que você faz no seu COCOSPORT para enfiar o pé… rodando a FULL throtle em baixa rotação, sem trocar de marcha?… que diga-se de passagem é o modo mais econômico de se guiar???

      Como é que você fica com o acelerador totalmente aberto, à 2000 RPMs em 2.a marcha por exemplo???

      Eu acho cambio automático uma grande porcaria!
      Se você é aleijado e gosta, problema teu!

  • AraujoRibeiro

    Muito bom este post, bem esclarecedor. Eu particularmente prefiro o bom e velho câmbio manual. Acho que proporciona maior controle sobre o carro. Sem contar a economia de combustível.

  • RafaelPimenta

    o DUALOGIC só tem duas posiçoes msm? pow se for só isso amei o dualogic. eu nunca tinha visto. eu acho q isso de cambio automatico poderia ser mais padronizado. o cara sai de um carro cm um tipo de cambio automatizado e entra em um totalmente diferente. é uma m…

  • Felipe00Reis

    É bom dirigir um carro com um câmbio automático, mas o mesmo se relaciona ao sedentarismo.

    As pessoas que gostam de dirigir um câmbio manual são as verdadeiras pessoas apaixonadas por carros, pois querem entrar em sincronismo com seu veiculo e pilotam pelo prazer.

    Mas creio q tbem há excessões…;)

  • Herumor_

    ainda acho que F1 com cambio manual era realmente esporte de macho…

  • crisburatto

    Olha, essa história de Passat de fim dos anos 90 introduzir o tiptronic no Brasil está absurdamente errado, o sistema foi lançado aqui pela Porsche, no 911 Carrera 2 1994 (geração 993), e o Audi A8 também já tinha se não me engano em 1995, o Chrysler Stratus tinha em 1997, a Audi já tinha estendido para o A4 e A6, e a VW só foi usar naquele Passat derivado do Audi A6 em 1998, depois desses todos. E a embreagem automática existia nos DKW-Vemag dos anos 60, com o nome Saxomat, nada de estreia no Classe A nacional….

    • Avantimes

      Citroen DS também teve sistema manual com embreagem automática. Acho que NSU também. Mas acredito que o grande público mesmo conheceu o sistema no Classe A, Palio e Corsa e o Automático Sequencial (Tiptronic é nome comercial) no Passat.

  • acanina

    A questão dos componentes da embreagem já foi corrigido pelo colega acima. Agora só uma correção,
    o câmbio CVT é MAIS econômico que o manual !!!
    Ele sempre trabalha na melhor faixa de torque/potência do motor, evitando aceleração brusca e mantendo uma rotação constante, por isso economiza mais que o manual!
    Então a sequência correta é: (de economia)
    CVT >>>>Manual >>> Automatizado >>> Automático

  • FiuzaLima

    É questão de gosto e comodidade…
    Tenho um Prisma 1.4 que anda que é uma beleza (para um popular) e minha namorada tem um Fit 1.4 CVT 2006 que anda menos, mas juntamente com isso consome menos, dá mais conforto e nos engarrafamentos à qualquer hora que se tem hoje em qualquer metrópole, é de uma comodidade absurda!
    Meu próximo carro com certeza vais ser automático ou CVT, mas com paddle shifts!

  • Claudioelite

    Nada como dirigir um carro com cambio automatico no para e anda do transito

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend