Renault Sedãs

Uma análise do Renault Megane

Pegue um carro cheio de qualidades, ótimo conjunto, vasta lista de equipamentos sobretudo de segurança, amplo financiamento facilitado pelo banco da montadora, projeto em consonância com sua versão vendida no seu continente de origem na época do lançamento por aqui… Será que temos aí a receita para um sucesso de vendas? Não necessariamente…

É o que se observa no Renault Megane, que apesar de todas essas qualidades não vê suas vendas decolarem e não passa de mero coadjuvante num segmento com crescente participação no mercado.

Dentre os diversos motivos para o insucesso nas vendas podemos destacar alguns fatores, talvez gerados pela maior importância dada pelo fabricante em ocupar sua linha de montagem em São José dos Pinhais com seus modelos de entrada (Logan e Sandero), deixando a preocupação com uma melhor inserção do Megane em segundo plano.

Suas versões, sempre muito bem equipadas, vindo inclusive com importantes itens de segurança como Air Bag duplo e Freios ABS desde a versão de entrada, além de itens interessantes no segmento como chave por cartão magnético e direção elétrica em todas as versões.

Porém talvez tenham havidos pequenos pecados desde o lançamento do carro em 2006. Seu rádio CD Player foi talvez o último do segmento a rodar MP3, o ar condicionado digital também demorou a estar disponível, bem como sensor de chuva e retrovisor fotocrômico.

Mas o grande pecado está nas versões mais potentes, com motor 2.0 16V. Enquanto todos os concorrentes a excessão de poucos importados já oferecem a tecnologia flex, essa versão do Megane ainda roda só com gasolina! Se o comprador decide não abrir mão dessa tecnologia, tem de se contentar com a versão 1.6 16V, que apesar do bom rendimento oferecido para a cilindrada, é um propulsor um tanto quanto subdimensionado para o tamanho e peso do carro.

Para completar, mais recentemente sua morte começou a ser alardeada aos quatro ventos com a proximidade da chegada de seu sucessor, o Fluence. Ao menos na Europa, o Megane sempre foi um hatch que deu origem a outros modelos, como a versões sedan e perua. No Brasil, na geração que ainda temos aqui, optou-se por não disponibilizar a versão hatch, haja visto que o desenho da traseira desse modelo é um tanto quanto polêmico, e julgou-se que não agradaria em nosso mercado. Logo para nós a versão básica do carro é o sedan.

Na próxima geração do modelo, a opção foi de dar “nova vida” a versão sedan, com pequenas alterações em relação ao “modelo original” na dianteira e painel, podendo a partir de então rebatiza-lo de Fluence, que nada mais é do que o irmão sedan das outras versões do Megane de nova geração.

Ou seja, o Megane não vai ser descontinuado, sua versão sedan será renomeada, ao menos lá fora. Resta saber se para nós sobrará apenas a opção do Fluence, não nos sendo disponibilizado nem a versão hatch nem a perua do Megane de nova geração. Caso isso se confirme, daí sim, teremos (no Brasil) a descontinuação desse interessante modelo que pelas suas qualidades merecia ocupar uma posição de maior destaque no mercado.

Texto de Leonardo Constant Oliveira





  • Darthvex

    O Megane Dynamique mesmo 1.6 vem completaço e até bom um bom preço. Pena ser mal divulgado, pq é bom. Quase comprava, optei por outro pra ser à vista. O Fluence não é a evolução do Megane e é triste uma substituição desse tipo.
    Complicado. A Renault põe os pés pelas mãos em quase toda a linha. E ainda tem a Nissan, que é do mesmo grupo e não trabalham muito em prol do conjunto.
    Tá faltando mando nessas empresas. O carro é bom e O MAIS equipado, pelo melhor preço.

  • heliofig

    O Megane tem muitas qualidades. Tive dois 1.6. Troquei o segundo por um Corolla XEi automático 2009 zero. Mas o Megane tem muitas qualidades melhores que o Corolla: suspensão mais firme e mais alta (livra das lombadas que ferem o fundo do Corolla), bancos mais firmes sem deixar de ser confortáveis.
    Ergonomia melhor no Megane – comandos do volante fino e do piloto automático do Corolla são horríveis.
    O Megane GT 1.6 sobe a serra entre Araguari e Uberlândia em 5ª marcha; o Corolla só em 3ª.
    O Corolla tem revisões a cada 5.000km, custando cada uma o mesmo das revisões do Megane, que são a cada 10.000km.
    Mas o Corolla tem coisas melhores que o Megane:
    – mais largo (mas isto dá muita insegurança em locais apertados, por causa da lateral “barriguda”);
    – ar condicionado digital excelente e silencioso – o do Megane é bom, mas barulhento;
    – isolamento acústico muito bom (até o fechamento da porta mostra a qualidade);
    – som da buzina…

    Quer saber? Quando sair o Fluence vou dar uma espiada com muito carinho…

    • Raul

      Isso foi uma ótima opnião de alguem que ja teve o carro e tem outra

      pois muitoos aqui falam por falar vlaeu pelo comentário!

      Mais você recomentda o Corolla? Parece ser um ótimo carro mais vc acha o corolla superior correto mesmo porque o corolla deve estar em um segimento a cima! pelo que entendo…

    • Armando

      Também gostei da sua opinião. Antes de alguém levantar a bandeira de uma marca, deveria saber o que está falando, como você fez.

      Lembro que esse Fluence vai ser maior que o Logan em entre-eixos e porta-malas. Já na largura, imagino que seja uma barca.

      Só não gostei muito da frente do Fluence, mas em compensação a traseira é muito bem feita.

  • O meu é de 98, e ainda assim um big de um carro. Imagina esse atual. O Fluence talvez não tenha o mesmo carisma, pois podem faltar o hatch e a perua.

  • Marcelo Amorim

    Eu to pra trocar de carro e to muito tentado no Megane Dynamic 1.6 16v…aqui se encontra 2008 por 35 mil,mas o que ta pesando é justamente essa possivel descontinuacao do carro.

    • heliofig

      Sò pra vc ter uma idéia, a mecânica do 1.6 (motor e câmbio) é a mesma do Clio, Sandero, Logan e Symbol. Ou seja, de carros que continuam e com mecânica garantida (com custo de carro popular).

      Por R$35 mil, ele já desvalorizou o que tinha pra desvalorizar (já está quase a metade do preço zero).

  • Rod

    O Mégane é im injustiçado. Mas também quase não se vê propagandas dele na mídia; promoções entre outras coisas.

    • Armando

      Falta divulgação em massa na TV. A Renault não vai pra frente assim. Por exemplo, o Classic está na mira do Logan por terem o mesmo preço. Só que a GM já tem comercial na TV e já lançou um hot site. E o Logan pós face-lift, com cromado, comando dos vidros nas portas, o que mostrou? Gente comum não olha site de carro e sim propaganda no intervalo de novela.

  • Garch

    Esse carro é ótimo! O problema está na marca, que não está nem aí para o mercado.. Não dá atenção aos seus produtos, não faz seu consumidor ter orgulho da mesma..
    Em 2005 e esse carro já havia ganhado um face lift na Europa que o nosso nunca teve.
    Ou seja, nosso modelo veio um ano depois e ainda por cima com a frente antiga de lá..
    Isso é relaxamento.. Renault pagou por isso no Brasil..

  • pedroevandrom

    Quem matou o Mégane foi a própria Renault.

  • Oque lascou de vez esse ótimo carro foi a falta de criatividade na campanha de lançamento do mesmo, ou melhor, a total falta de propaganda, pq como o texto mesmo diz, a Renault só se preocupa com seus modelos pé de boi…

  • MarceloRJ

    Na minha opiniao,já foi criada a idéia de que carro médio tem que ser toyota ou honda,e por sua vez as revistas especializadas colaboram para criar uma distancia tecnologica e de qualidade entre outros modelos, que nao é tao verdadeiro assim .Posso dizer isto pois já tive alguns modelos e já estive um bom tempo com outros.É o mesmo que acontece com o gol, passa por um momento de muitos defeitos mas já se criou um paradigma de que é o melhor carro pequeno e continua o mais vendido.

  • Muniz

    Tenho uma Megane GT 1.6 Dyn e realmente não vejo outro carro que tem tudo que ela oferece. Tendo um custo bem baixo, em combustivel, seguro e revisões, e tudo isso num carro com luxos de Corolla e Civic, e ainda mais como partida com botão. As vezes vejo qual carro poderia substitui-la e relamente não há. A unica Station Wagon que temos é a Jetta Variant, com um custo muito superior ao da Megane GT.
    As coisas que mais gosto no Megane são a direção eletrica, freios a disco nas quatros, piloto automatico , regulagem do som no volante, otimo porta-malas e suspensão muito boa, nunca raspei o fundo , não é baixo como o Civic ou i30 e sem precisar ser um adventure da vida. Qualquer carro que eu fosse trocar teria que sacrificar uns 4 itens que gosto no Megane ou teria que pagar muito para não perder-los.

  • FernandoVW

    Tenho um modelo 2008 e não tenho do que reclamar. Antes de comprá-lo, estivemos olhando o Corolla e Civic. O carro é ótimo, recomendo a qualquer um que procure pagar um preço “justo” (não a exorbitância que cobram os japoneses e que oferecem o mesmo e às vezes menos). Se conseguir comprar um usado, melhor negócio ainda, pois não é muito “visado”, logo há ótimas oportunidades. Como já falaram acima, a mecânica é tranquila; aqui em minha cidade não tenho problemas com a autorizada, muito pelo contrário. Foi o que me fez escolher a marca para passar alguns anos com o carro e não me preocupo tanto com a continuidade (com relação à manutenção; a revenda serão outros quinhentos, mas daqui pra lá, já se diluiu). Não duvido que até mantenham o Mégane como “entrada” para os sedans maiores da marca e deixem o Fluence convivendo como top (como fizeram com o Clio/Symbol ou Peugeot 206/207). Se for assim, teremos 3 gerações do Mégane produzidas aqui no Brasil: Scénic, Mégane e Fluence :)

    • José R

      Já se deu conta o quanto isso é absurdo? 3 gerações simultâneas! Que atraso!

  • É uma pena mesmo o preconceito que o brasileiro tem com os franceses, deixando de comprar um bom carro como o Megane. Minha mãe tem um Sandero e fui consultar o valor de mercado e fiquei impressionado com a desvalorização, imagino o quanto não deve desvalorizar um Megane…
    É uma pena por um lado, mas pra outros tem o seu lado bom… eu de vez em quando olho os preços da Grande Tour usada, está ficando interessante.
    Agora se a Renault soubesse o sucesso que um carro com design bizarro como o Agile faria sucesso no Brasil talvez ela teria cogitado o Megane hatch, eu gosto da ousadia dele.

  • Duuh

    Comprei um Mégane Dyn. 2.0 mec em 2007 zero.. segunda-feira (17) estou pegando um Novo Focus, porém estou trocando meu carro com o coração na mão, pois nesses mais de três anos de convivencia só me deu alegrias, excelente carro, motor mto potente aliado ao câmbio de 6 marchas. Talvez quando o Fluence chegar eu volte pro meu tão querido carro.

  • filippe

    o problema do megane foi ter sido lançado junto com o Civic. ninguém deu bola pro francês.
    e também o problema de mercado que sofrem os carros franceses.
    e uma correção: o megane foi lançado aqui quando já estava mudando pra nova geração na europa.

    e a chave não é um cartão magnético… é um… cartão!
    cartão magnético é que eu uso no banco!

    • Mirax

      Exatamente Felipe. Além disso, na Europa, esse cartão basta estar no bolso para abrir as portas e dar a partida. Aqui no Brasil, ele só serve pra dar a partida e tem que estar conecatado na ignição.
      O problema não está no Mégane, está nos concorrentes do Mégane, que tem um marketing mais agressivo, como o Focus, o Civic, o 307 Sedan, o Corolla e até mesmo seu irmão Sentra. Aliás, enche o saco de ver tanta propaganda do Focus na tv.
      Outra que não sabe vender sedan é a VW. Raramente, ou nunca, se vê o Jetta numa propaganda na tv, apesar de ser um excelente carro. E pra completar, a VW ainda depenou o carro, cobrando como opcional itens que antes eram de série.

      • Mirax

        Outro fator, é a falta de divulgação do Mégane por parte da Renault. O mesmo problema, tinha o Focus anterior, que a Ford havia esquecido e só olhava pro Fiesta. Com o novo Focus, a Ford mudou a estratégia e se o Focus não é líder em vendas, está em bem melhor situação que o modelo anterior.

        Acho que a Renault tem que parar de olhar só para Sandero e Logan e divulgar seu melhor carro aqui no Brasil. Como parece ser a opinião de todoss aqui neste post.

  • Bom, sem querer simplificar demais a situação da Renault, acho que falta para ela um presidente que pegue o ferramental da Samsung e Dacia, traga para cá, tire o Logan de linha e bote algo parecido com o Voyage, mas com faróis mais puxadinhos, torneados como os do Corolla anterior e uma traseira alta com lanternas do Jetta.
    Abortaria esse Fluence que vai ter o mesmo destino fatal do Megane e não é preciso ser vidente para ver algo evidente assim e em seu lugar, pegaria o Samsung SM3 que está indo para o México e Colômbia e botaria uma traseira mais bonita e uma frente mais "esperta". Na falta de criatividade, enfiassem o focinho do Laguna I de 1994 e a traseira do Lexus GS450h que já estava de bom tamanho e deixasse ele com preços pouco menores que o do Vectra.
    Para finalizar, sobre a plataforma do Tiida, faria algo muito, mas muito parecido com o Opel Astra novo, mas com uma grade semelhante à usada no Sandero.
    Certamente isso tudo baratearia a manutenção e as mecânicas, mais simples, seriam mais robustas, os carros teriam uma cara mais bonita e tudo que eu falei foi completamente prático, se fosse feito com gosto e criatividade, a Renault já estaria ao menos cutucando a Fiat em todos os segmentos e vendendo muito mais do que na posição de divisor de opiniões que ela ocupa hoje. É o que eu penso.

  • O único ponto fraco do Mégane é a desvalorização agressiva. Temos um aqui em casa, comprado zero km (dyn 1.6) em 2007 e já desvalorizou 50%… Lamentável. Tirando isso, é um carro sensacional.

  • mario

    Tive um megane, o carro não é esta maravilhava toda não. Há as qualidades elencadas, porém os defeitos a superam em muito:

    – constantes panes eletrônicas
    – parabrisas que trinca
    – peças de baixa qualidade
    – pastilha de freio que não dura 15.000 km
    – revisões caras
    – péssimo pós-venda
    – seguro absurdo
    – grande desvalorização
    – ninguém sabe mexer no carro (inclusive nas concessionárias)
    – não é um carro confiável

    Vendi o meu, e nunca mais quero um carro da dacia, digo renault. Este carro é merecidamente um fracasso….

    • Muniz

      Voce falou que o seguro é caro, o meu saiu um preço bom , seguro depende muito de cidade e idade, tenho uma GT e o seguro ficaria ate mais barato se fosse no sedan.
      Já vi algumas pessoas reclamarem sobre esse problema do vidro , mas muitas outras tambem nao tiveravam, pode depender das ruas que se andam, mas claro que não deveria existir.
      Sobre pastilhas já vi muita gente falar o mesmo do Civic eu tive um Golf 2.0 que tinha que trocar a cada 10.000 KM, na minha GT acho que foi trocado com 20.000 KM, tambem varia do jeito que se dirige.
      Achei o preço das revisões bons, mas talvez se tiver que trocar mais coisas alem do padrão esperado deve ficar caro mesmo, por percebi que algumas peças são meio caras.
      Agora desvalorização é realmente o maior problema, por outro lado o IPVA fica bem mais barato. A perca grande é trocar um usado por um zero e aceitando o preço que a revenda oferece. O inverso de tudo isso é vender para um particular e comprar outra semi-novo, ai sim não precisa gastar muito para trocar de carro.

  • Na minha opinião, faltou o carro trazer ítens de conforto logo no início e, quem quer vender carro nos maiores mercados (SP, MG, PR e RJ) têm que ter versão flex dos seus motores. Esses fatos feriram a reputação já há uns 5 anos atrás. Imaginem os outros golpes que vieram depois: má qualidade de alguns acabamentos, isolamento acústico apenas bom (quando deveria ser ótimo num carro que quer concorrer nesse nível) e por ai vão. Essa versão mais "esportiva" (de mentirinha, como sempre, de nome Black qualquer coisa) foi uma boa tacada, mas deveria ter sido lançada há uns 2 ou 3 anos atrás e na versão 2.0. Um erro crasso!

    Aí…. fica difícil mesmo manter vendas em alta de um carro tão mau cuidado pela Renaut do Brasil.

  • Ademais, me desculpem aí quem tem carro francês, mas (tirando os "populares", como Clio, por exemplo), o pós-venda é horroroso, as próprias concessionárias das fabricantes francesas abaixam o preço dos carros a níveis em que nem a concorrência paga tão mal! Uma colega minha vendeu o Logan dela, com 2 anos de uso, pouco mais de 20 mil km rodados, bem conservado… na concessionária da VW, porque nas da Renault, o preço oferecido no carro (PARA COMPRAR OUTRO CARRO DA MARCA) era o mais baixo de todos. Ela entendeu assim quando os vendedores vinham avaliar o carro: "putzzzzzz essa mulher quer nos repassar essa porcaria que a gente vende…!!!" isso só de olhar pra cara deles. rs Coitada!
    Ademais, a manutenção é cara sim, alguns ferramentais só existem nos carros franceses, diminuindo o leque de opções para manutenção fora da rede autorizada e por aí vai.

  • CONTINUA…
    Meu cunhado comprou um 207 há 1 ano por insistência da mulher (pra variar! rs) e hoje ele está maluco pra vender o carro. Andei nele a semana passada e a porta parece que vai entrar pra dentro do carro quando a gente fecha por dentro. Os barulhos nas irregularidades do piso nos dão a impressão que estamos num carro coreano da década de 90.
    Por fim… acho eu que os carros franceses tem muito design, já o resto… Mas, como brasileiro compra (a grande parte) pela estética…

  • Gilberto Belin

    Concordo com esse texto, mas tem um tracho em especial que diz tudo: que a grande culpada é própria Renault. Seus modelos são extremamente de acordo com o mercado em questão de design e preço (talvez por isso ainda vendfa mais ou menos bem), mas a questão é fazer o que todas as outras estão fazendo: INOVAR. Não é só o Megane, comparem a venda de Sandero e Logan/Simbol com seus respectivos concorrentes…poderiam ser melhores né…
    O próprio Simbol não ficou nem na lista dos 50 mais vendidos de Agosto!
    Espero que a Renault encontre o rumo certo com seus próximos lançamentos, principalmente o Fluense, do contrario podemos ter uma fabricante a menos em nosso mercado em um futuro não muito distante.

  • Carlos Batista

    Possuo um Dynamique 1.6 07/08. Até hoje nada de problema no carro, já passou dos 30.000km e só teve de fazer as manutenções de rotina. Já vi pessoas reclamando da durabilidade das pastilhas, as do meu aos 30.000 estavam em meia vida. Não sei, talvez esse problema do desgaste excessivo desse item seja algo mais recorrente nas versões automáticas. As revisões tem preço tabelado e são mais baratas do que minha esposa pagou nas mesmas revisões para o Polo dela.
    Como diz o texto, a própria Renault tratou de matar o carro. A desvalorização dele é algo absurdo, mas pode ser vantajosa pra quem queira adquirir um bom carro usado com uns 2 anos de uso, até porque quem ficou com ele nos dois primeiros anos é que vai arcar com a mega desvalorização, que também tem imbutida o fator IPI reduzido, que fez com que preços de carros usados nesse segmento com pouco uso simplesmente despencasse.

  • Carlos Batista

    A versão 2.0 não ser flex até hoje é um ABSURDO!!! Quando comprei o meu a três anos já era algo mandatório na minha opinião. Ao fechar negócio me ofereceram o mesmo Dynamique só que 2.0 automático por R$ 2.000 a mais. Embora fosse uma ótima proposta optei pelo 1.6 pois o interesse seria de rodar com alcool.
    A Renault parece perdida. O lançamento do Symbol chega a ser ridiculo, o carro é horroroso! A Scenic que temos por aqui ainda é aquela da primeira geração do Megane, dos anos 90! O atual Clio europeu que é muito bonito jamais chegou por aqui! Ao invés disso optou-se por massificar por aqui produtos da linha Dacia, como Logan e Sandero. Esse último até é bonitinho por fora, porém, o interior deles é horrível! E pior, logo chegará a nosso mercado o novo Duster. O carro parece ter muitas qualidades, porém, virá com esse interior horroroso do Logan… E isso pra brigar com Ecosport, Tucson, Sportage, TR4…

    • kikofar

      "A Renault parece perdida. "
      Carlos, pra mim, você resumiu todos os comentários!

  • Rafael

    Tenho um 1.6 expression 2007, carro ótimo, todos babam e dizem que carrão, pelos itens que possui é o melhor na relação custo/benefício, o conforto é algo que me deixa muito feliz, o carro é excelente……

    A única coisa ruim é o som não ter o MP3 mas que se dane, tenho banco de couro, partida botão, chave-cartão, freio ABS, air-beg duplo e direção elétrica…..Maravilha de Carro

  • nair

    Credo, q carrinho feio. Qualidades todos tem. E design. Coisa q os carros da renault nao conhecem. Mas são muito feios! Interior simplérrimo!
    Vcs viram a alavanca do cambio automatico que grotesca? Painelzinho tosco, o botão do alerta fica jogado lááá embaixo…
    Meu Deus a renault é péssima pra design de exterior e interior e ergonômia. E não investem em motor flex, talvez por saber que nem flex essa tristeza iria vender…Por mim é uma marca que não faz diferença nenhuma em ter no país senão pelos empregos que gera. Mas os carros em sí eu quero distância!!!
    A renault desvaloriza o carros dos outros espantando os clientes e os próprios carro jogam o preço lá embaixo, não querem nem de volta seus carros nos pátios de seminovos. Eu por 2 vezes tentei comprar renault e praticamente não me deixaram com uma avaliação totalmente fora da realidade em relação a concorrência. Hoje eu agradeço a Deus por não ter dado certo e eu ter comprado Vw e Fiat respectivamente.
    A manutenção dos franceses é diferenciada o fazendo ficar muitas vezes dependente das concessionárias que cobram o que querem e trabalham mal. Muito mal. E o design dos franceses eu acho dos piores do mercado. Simplesmente horríveis. Não é preconceito e nem trabalho na concorrência, mas é uma constatação de fatos. Dos franceses (carros) eu só quero DISTÂNCIA!!!

  • MARCOS

    BOA NOITE !!!!!!!!! ESTOU PARA COMPRAR UM 1.6 16V GOSTARIA DE SABER QUAL O PREÇO APROXIMADO DO SEGURO



Send this to friend