Mercado Montadoras/Fábricas

Uma análise profunda do setor automotivo e seus preços

quatro-grandes1 Uma análise profunda do setor automotivo e seus preços

Estrutura de Mercado Oligopolizada + Protecionismo + Comportamento do Consumidor = Preço Elevado



Tendo resolvido trocar meu carro, passei a acompanhar mais de perto as notícias do setor automotivo. Pesquisei, então, sobre qual modelo seria o seu substituto, deparando-me com preços muito elevados e, em minha opinião, fora da realidade brasileira; ainda mais quando comparados com os praticados no exterior.

Naquele momento, comecei a buscar informações e justificativas para o elevado valor dos carros no Brasil. Encontrei sites, blogs e reportagens criticando de forma enfática o tal do “lucro Brasil” e a exploração que o pobre coitado do brasileiro sofre da indústria automotiva e do seu maior sócio, o Governo Federal.

No entanto, não obtive sucesso na busca pelas informações que indicassem o motivo dos altos preços dos carros no Brasil. Isso me motivou a fazer um estudo do setor automotivo e a tentar de alguma forma apresentar aos leitores do site Notícias Automotivas alguns fatos que podem esclarecer o motivo pelo qual os preços praticados aqui são tão elevados.

Passo a discutir, portanto, a estrutura e o grau de concentração do mercado automotivo, bem como as barreiras à entrada de concorrentes, os comportamentos das firmas e dos consumidores, assim como o protecionismo praticado pelo governo.

Estrutura de mercado

O produto de interesse de nossa reflexão é o carro. Por isso, vamos fazer um exercício de abstração e tratá-lo como um produto homogêneo produzido, montado ou importado pelas indústrias que compõem o setor automotivo. Essas indústrias se apresentam em um número relativamente pequeno. Tanto é que uma das principais queixas que percebo nos fóruns é a baixa concorrência. Por esse motivo, vamos classificar a estrutura de mercado do setor automotivo como oligopólio.

Mas, afinal de contas, o que é oligopólio?

Oligopólio é uma estrutura de mercado na qual poucas firmas ofertam produtos que podem ou não ser diferenciados. Considerando o carro um produto homogêneo, percebemos que o mercado consumidor de carros é muito grande em relação ao número de firmas (muito pequeno) que o ofertam, ou seja, poucas empresas são responsáveis por abastecer o mercado.

Como aumentar o número de empresas ofertantes de automóveis e, com isso, aumentar a concorrência do setor automotivo?

No caso da indústria automotiva, essa não é uma questão simples, pois envolve diversas barreiras à entrada como, por exemplo: patentes tecnológicas necessárias à produção; escassez de mão-de-obra qualificada; negociações sindicais; altos investimentos na produção; longo tempo para a instalação da planta produtiva; licenças governamentais; altos custos com marketing; elevada carga tributária, longo tempo de maturação do negócio…

Mas, ainda que existam poucas firmas, elas não deveriam concorrer entre si?

Em um primeiro momento, eu até poderia dizer que sim, mas a resposta para essa pergunta é depende. Refletindo sobre isso, percebe-se que existe uma limitação da capacidade produtiva individual, ou seja, essa é muito menor do que a capacidade que o mercado tem de absorver a produção. Em outras palavras: a demanda total do mercado é muito maior que a capacidade de produção das firmas instaladas. Por isso, ela não venderá mais se concorrer por preços, pois a sua capacidade produtiva já está dimensionada para o nível de oferta que ela deseja.

É certo que atualmente a demanda é maior que a oferta; existem muitos modelos com prazo de entrega superior a 60 dias. No entanto, ofertar mais significa aumentar o investimento, contratar mais funcionários e aumentar os custos de produção, o que pode não ser interessante para as firmas.

Caro leitor, por acaso você já teve a sensação de que os carros de uma categoria possuem, na maior parte das vezes, o mesmo conjunto de equipamentos, especificações semelhantes e preços muito próximos, independentemente da marca? Na busca pelo meu carro novo, eu sempre tinha essa sensação e acabei chegando à conclusão de que não se trata apenas de uma sensação: isso realmente ocorre!

Então, o que observamos é que as firmas do setor automotivo cooperam entre si de forma a maximizar os seus lucros. Elas possuem um comportamento parecido com um cartel, atuam de forma coordenada precificando seus produtos em valores muito acima do que seriam caso não houvesse cooperação.

Note que não estou afirmando que existe de fato um cartel formado pelas montadoras. Não acredito que isso ocorra. Na verdade, o que percebo é que existe uma cooperação entre as indústrias do setor, feita através de sinalizações sutis, como, por exemplo, propagandas com preços e condições de pagamentos feitas por uma empresa e seguidas pelas demais.

Geralmente, reajustes nos preços para mais ou para menos são realizados na mesma época pela maioria das empresas do setor, ou, pelo menos, pelas mais representativas.

Enquanto o mercado está aquecido e possui uma forte demanda, esse tipo de comportamento pode ser observado. No entanto, a cooperação entre as firmas termina nos momentos de crises, quando elas se tornam rivais na busca por clientes.

Afinal de contas, já que existem poucas empresas, qual é o grau de concentração do mercado de automóveis?

O mercado é muito concentrado. A seguir, listei a participação de mercado das 20 maiores marcas de veículos por emplacamentos de carros em 2012 (até setembro).

 

grafico-fenabrave-materia-mercado-1 Uma análise profunda do setor automotivo e seus preços

Fonte: FENABRAVE

Comparando as 5 maiores empresas e agrupando as outras 15 menores na marca Outras, podemos resumir a tabela acima da seguinte forma:

grafico-fenabrave-materia-mercado-2 Uma análise profunda do setor automotivo e seus preços

Fonte: FENABRAVE e autor

Ou seja, as cinco maiores empresas possuem mais de 81% de participação no mercado, enquanto as outras 15 empresas ficam com pouco mais de 18% do mercado.

Percebe-se claramente que o mercado é muito concentrado, pois 25% das empresas dominam uma fatia de mais de 81% do mercado, e, quanto mais concentrado for o mercado, maior é a possibilidade de coordenação e cooperação entre as firmas, sendo, desta forma, maior a margem de lucro das empresas!

Então, quer dizer que o preço dos automóveis é alto porque o mercado é concentrado?

Bem, podemos dizer que esse é um dos principais motivos, mas, além desses motivos, podemos citar outros como: o comportamento irracional do consumidor que possui grande sensibilidade à propaganda, os financiamentos a perder de vista, a sensação de status de ter sempre um carro novo na garagem, o péssimo transporte público.

Vamos analisar esses fatos:

Comportamento irracional do consumidor: Vocês já perceberam a grande quantidade de carros do tipo 4×4 que circulam nas grandes cidades? São muitos! A explicação para isso é simples: Se o tipo de carro da moda é pick-up, um grupo de consumidores estará disposto a fazer de tudo para comprar uma, mesmo que não tenha necessidade de rodar em estradas de barro, não precise carregar nada na caçamba e o principal uso do veículo seja para passear na cidade, ir ao trabalho e levar as crianças ao colégio. Isso pode ser considerado uma compra irracional.

Financiamentos: Devido à baixa qualidade do ensino de base, o brasileiro é, por natureza, ignorante do ponto de vista financeiro. Não sabe fazer contas e, tampouco, fazer o dinheiro trabalhar a seu favor. O consumidor que quer comprar um carro vai comprar tendo ou não o dinheiro, pois verá que, por exemplo, a entrada de R$ 10.000 + 60 parcelas de apenas R$ 499,00, que pagará por um carro popular básico, caberá no seu orçamento. Note que, a uma taxa de juros de 0,5% ao mês (aproximadamente o valor remunerado pela poupança), essas parcelas mais a entrada geram um montante aproximado de R$ 48.300 após 60 meses; muito caro para um carro popular que, ao final do pagamento, já estará bem depreciado.

Status: Carro não deveria ser sinônimo de status. Carros foram feitos para servir de meio de transporte. Competir com vizinhos ou com parentes trocando de carro todos os anos ou comprando carros cada vez mais caros e desnecessários não pode ser considerado status. Podemos é considerar que a pessoa que age dessa forma não tem capacidade para dimensionar as suas reais necessidades.

Péssimo transporte público: O brasileiro pensa no sofrimento que é encarar 3 horas por dia em pé dentro do ônibus, trem ou metrô lotados. O transporte público no Brasil é caro e de péssima qualidade. Por esses motivos, muitas pessoas preferem passar as mesmas 3 horas diárias do trajeto casa-trabalho-casa no conforto do seu carro.

Quer dizer que uma vez que o mercado automotivo é uma estrutura oligopolizada, existem barreiras à entrada, o mercado é concentrado, a economia está indo muito bem, o crédito é farto, e os consumidores são irracionais, então as chances de os preços dos veículos baixarem é nula?

Podemos dizer que sim. No atual momento, quando o governo age de forma protecionista, é utopia pensar que os preços podem baixar.

Ainda assim, uma solução para a redução dos preços seria a maior abertura do mercado (sem aumento de impostos para os importados e sem redução para os nacionais, é claro!) de forma incentivar a entrada de outras firmas do setor, elevando a oferta de carros importados e reduzindo a concentração do setor automotivo.

É certo que os consumidores possuem grandes poderes, mas eles são desorganizados. Não conseguem se unir e, ainda que conseguissem uma união de forma a adiarem a compra de carros novos, esse ato teria que ser muito bem orquestrado para ser suficiente para forçar a redução da margem de lucro das montadoras, pois, como elas possuem grandes poderes políticos, ter o pátio lotado causaria idas ao governo para que ele reduzisse sua margem de lucro (impostos), ou para que ele criasse regras mais favoráveis aos financiamentos, ou, ainda, a indústria poderia preferir manter os estoques e dar férias coletivas e demitir funcionários a baixar preços.

Agora pergunto a você, supondo que você é o capitalista sócio investidor da “indústria automotiva”: Você aceitaria ter uma margem de lucro menor quando pode manter essas margens mais elevadas?

Eu, não. Prefiro o maior lucro possível!

Por Rafael Guimarães

  • RmouraTW

    Se um dia o brasileiro tiver noção do que é BOICOTE, muita coisa mudará nesse país.

    • rpasini1

      De que adianta saber, se a maioria absoluta não está nem ai.

      • bandaxadibar

        a graaaaaaaaaaaaaaaaaaaaande maiori….diga-se de passagem…99,99%

      • CoroNeL

        Os caras proclamam o BOICOTE e vão lá e compra carros com 3 ou 4 anos de uso por 80% do valor original.

        Para e pensa… 70~80% do valor original em 3 ou 4 anos?
        Ex:
        – Em 2008 você foi lá e comprou um GOL Power por 40k;
        – Em 2012, tem gente pagando quase 30k nele, mesmo com seus ~60.000 km rodados;
        – Isso daria 75% do valor original;

        Eu pergunto: Cade a vantagem disso? Porquê paga-se tanto em usados no Brasil?

        O povo compra o que quer e faz esse mercado tolo que temos.
        Se venderem LOGAN com AB2 + ABS, + Trio, SOM, etc por 25k aposto que nem 5.000 unidades vendia… Por quê? Porque é feio… e é isso que importa.

        Eu não tenho pena de quem compra carro cara não.
        Pessoal chora chora chora e compra Veloster… Compra Sedan Médio em lançamento com ágio… e por ai vai.

        O Mercado está fechado mesmo…
        MAS NÃO SÓ POR CAUSA DA INDUSTRIA NÃO!!! A Cultura atual tem um bom tanto de CULPA!

        • Eugenio C.

          Você tocou em cultura e me fez lembrar de algo importante: não temos a cultura de que o carro deve ter uma vida útil baixa, como em países do Norte. Aqui se compra carro pensando na revenda, na desvalorização, por causa justamente da nossa cultura de usar o carro até ele explodir em mil pedacinhos. Não se compra Fusca, Del Rey, Escort, Brava, Monza para se colecionar ou posar de nostálgico, mas porque fulanos querem um carro (ou precisam para trabalhar, em muitos casos) e não têm condições de pagar por um zero.

          Isso influencia até os projetos específicos para nosso mercado. Um carro europeu não precisa ter materiais que durem mais de dez anos, pois será reciclado ou retirado de circulação após esse tempo. Aqui, não. Após dez anos, o carro vai para o segundo, terceiro, quarto, quinto proprietário… Tanto é assim que muitos carros lançados no Brasil acabam tendo de receber reforços no isolamento acústico para evitar ruídos ao longo do tempo, como ocorreu com a Scénic e o EcoSport em suas primeiras reestilizações, por exemplo.

        • Diegorji

          Comprei um Focus 2003 1.8 glx com couro , ar, direção, computador de bodo, rodas de liga, regulagem elétrica dos farois air bag duplo e abs… Joguei 2500 Reais para manutenção e tenho um carro Top e confiável. O problema é que as pessoas contam as moedas para ter um carro e só se prejudicam. Se eu fosse comprar um Focus 0km com os mesmos itens pagaria quase 70 mil e em 2 anos o carro já valeria 40 mil. Onde está o tal benefício do 0km ? Já fui a Salvador com meu carro, sem o menor problema…mesmo se tivesse com grana sobrando não compraria 0km.

    • Mas boicotar como, cara? Como ele mesmo mencionou no texto, ninguém em sã consciência prefere usar nosso péssimo transporte público. Usar bicicleta para transporte diário? Já tentei, quase morri atropelado diversas vezes pela falta de respeito dos motoristas e falta de ciclovias.

      E comprar usado não é boicote, afinal, você está comprando de alguém que provavelmente trocou o usado dele por um novo.

      • heliobarbosa

        quem vai morrer com 3 meses de boicote?

        • 3 meses de boicote não ia mudar nada. Precisaria ser um boicote muito mais longo para a indústria sentir.

          Afinal, ninguém troca de carro de 3 em 3 meses. Até por que depois desses 3 meses nego vai comprar de qualquer modo, já que não existe alternativa decente de transporte.

          • heliobarbosa

            Lógico que funciona….
            Não sei de onde vc chegou no raciocínio de comprar carro de 3 em 3 meses.
            Se houvesse uma campanha nacional: Não compre carro zero no mes de Nov,Dez e Jan, isso iria quebrar as pernas de todas montadoras…
            Mas quem compra carro zero aqui no brasil é otário… Brasileiro parece papel, aceita qualquer coisa…. Os caras reduzem o preço por R$ 1000 e já acha que está fazendo o negócio do ano…

            Um abraço na sua alma

            • O raciocínio do 3 em 3 meses parte do fato que comprar um carro é uma compra de alto envolvimento e um produto com ciclo de vida longo. Um boicote de três meses faria sentido com carne ou refrigerante. Mas não com carro.

              • heliobarbosa

                Acho que funciona sim, só o volume de um mês alimenta uma cadeia gigantesca de interesses.
                Mas… se brasileiro quer ficar dando de otário… comprando carro zero aqui pelo triplo do valor que e lá fora, fazer o que né…. (muitas vezes o carro é fabricado aqui no brasil….) o.0
                Enquanto houver otário no mundo, malandro não morre de fome

                • zeuslinux

                  Boicote é bobagem. Bastaria que todo mundo passasse a trocar de carro no mínimo a cada 5 ou 6 anos que os preços melhorariam muito.

                  Eu fiz a minha última troca em um tempo menor do que isso porque pude pagar a diferença à vista e não estava satisfeito com o meu carro anterior, mas também já fiquei com um carro por 9 anos e outro por 7 anos sem grandes problemas. Mas também nunca troco o carro por outro ruim ou pior que o anterior, além de não me endividar por mais de 1 ano no máximo.

                  • heliobarbosa

                    No no, a única maneira é quebrar as pernas deles….
                    Deixar a cadeia produtiva parada, pátio lotado!!!
                    Infelizmente o brasileiro é otário e compra carro zero, quer ficar desfilando e mostrar para o vizinho o quando é bonzão….
                    Tem gente que anda de corolla zero e acha que tá "abafando", como minha mãe diria…
                    Enquanto que pelo mesmo preço poderia estar rodando de audi zero, bmw zero, camaro zero…

            • Hellvins

              Nossa e quem ira bancar essa propaganda??? Na verdade a verdade é pura, ninguém liga, não existe ninguém que bancaria uma propaganda em horario nobre, nem colocaria outdoors, nas ruas, afinal tem coisas mais importantes que não se fazem propaganda, o povo só tá preocupado com novela das oito!

              • heliobarbosa

                Na verdade, nem precisaria ser nacional….
                Um tempo atrás um pessoal de goiana fez um protesto contra o preço alto do combustível… Se não me engano eles se juntaram para comprar R$ 0,50 em gasolina…. O pessoal baixou o preço…
                Isso é questão de querer continuar sendo otário e comprando carro zero ou não…
                Tem protesto mais fácil do que não comprar? Precisa nem sair de casa…

          • Juniorfillingam

            basta não comprar das 4 grandes mais renaul. E ai vc vai ver eles baixarem os preços.

      • Louis

        Só deixar de trocar de carro sem necessidade. Se cada um que comprasse carro zero ficasse 4 ou 5 anos com o carro, as vendas cairiam pela metade facilmente.

        • Não sei, cara.

          O Brasil tá com esse "boom" nos preços e demanda não exclusivamente pq os consumidores trocam de carro todo ano, mas por que tem muita gente que nunca teve carro e está comprando pela facilidade de crédito.

          Mas concordo com vc em partes. Tanto que meu outro carro ficou comigo durante 7 anos e 220k km. E depois, comprei meu atual semi-novo e planejo ficar com ele mais um bom tempo. Mas não sei se este comportamento em larga escala seria o suficiente.

        • fabioalisson

          É exastamente o que faço. Compro carro zero e só troco a cada 5 anos. Rodo em média 20 mil km por ano, e essa é a média aproximada que boa parte dos motorirstas rodam em Brasília.

      • Herumor_

        mas brasileiro acha que um carro com 3 anos de uso e 40.000km já ta na hora de vender… o melhor boicote seria se todos que trocam de carro a cada 2 anos (não vou nem falar no "gado" que troca menos tempo que isso) esperassem mais 2 anos cuidando do que tem teria um grande impacto…

        • Bom, vou dar um ctrl+c no comment de cima.

          Não sei, se concordo.

          O Brasil tá com esse "boom" nos preços e demanda não exclusivamente pq os consumidores trocam de carro todo ano, mas por que tem muita gente que nunca teve carro e está comprando pela facilidade de crédito.

          Mas concordo com vc em partes. Tanto que meu outro carro ficou comigo durante 7 anos e 220k km. E depois, comprei meu atual semi-novo e planejo ficar com ele mais um bom tempo. Mas não sei se este comportamento em larga escala seria o suficiente.

          • Herumor_

            essa atitude não é a solução mas é um passo… olha o que uma porcaria de QQ (importados baratos) fez com o mercado de 3 anos pra cá…

            • Ah, mas o QQ é uma solução que daí acho que funciona: abrir o mercado. Ao contrário do protecionismo que ocorre.

      • eduardo82br

        Simples, não troque de carro o tempo todo. Diminua o ritmo do mercado. Compre um carro com dois anos de uso e fique pelo menos uns cinco anos com ele. Máquina e funcionário ocioso também dão prejuízo.

        E comprar usado é uma forma de boicote (não é a ideal, claro). O cara que se desfez de um carro usado comprou um novo, ok. Mas a montadora poderia ter vendido dois carros zero, mas vendeu só um.

    • xton

      mas isso não é de interesse do governo então, ele irá usar diversos argumentos para que a massa na sua maioria burra não compre a idéia! Infelizmente

    • guihounter

      noção tem, problema é a preguiça e o ego.

    • erosisique

      Pra mim a maioria dos brasileiros são hipócritas.. Pois todos falam mal mas se fizermos uma pesquisa dessas 40 pessoas que comentaram aquiete ter certeza q mais de 75% possui um carro das 5 grandes….. Vcs tem a mania de julgar o conteúdo pela embalagem.. Como por exemplo um carro chinês q oferece muito mais conforto , equipamentos de serie, preço de seguro menor….e mas outros pontos positivos q ao invés de darmos forca pra essas marcas …..vcs apenas criticam.. E a maioria q critica nunca andou ou nunca teve carro chinês…. Acabei de pagar 36k em um cielo hatch zero.. 119 cv o troque e meio manco mas nao desaponta…seguro uma mixaria. O carro tem tudo e msm assim tem pessoas q preferem pagar 36 k em um gol 1.6 pelado. Então antes de pensar em boicote ou coisa do tipo reflita sobre sua opinião em carros de outras marcas..

      • carrosempre

        O Cielo é muito pesado, o motor não dá conta. Se analisar a quantidade de reclamações/vendas, é um nível assutador, poucos carros chegam a um nível de insatisfação tão grande. Os chineses vão ter que melhorar muito ainda.

        • fabioalisson

          Pois é, na hora da compra o valor e o conteúdo é bom. Na hora do pós venda é que a história muda de figura. Será que compensa?

        • erosisique

          Se vc analisar friamente vera q mts montadoras vivem fazendo recall… Nem sempre um produto globalizado se encaixa perfeitamente no gosto e na necessidade te todos os seus consumidores. Tenho 3'anos de garantia e tenho crtz q qq problema será sanado pela CSS… Diferente de vc acho q o motor da conta sim… Ele eh bem pesado com crtz mas se comparado a um voyage Naum tem tanta diferença porém como eu disse sua relação motor x cambio deixou um pouco a desejar.. Por ser 1.6 16v sua forca começa após 3000 giros.

      • jpmocellin

        Não compraria um Cielo nem a pau. Compro um Fiesta Rocam 1.6, mas não o Cielo. Se bem que cada um pensa do jeito que quiser.

        • erosisique

          Respeito sua opinião… Porém tinha um fiesta 11 hatch.. Em set de 2010 comprei zero por 33 k vendi por 22k… O q me diria dessa desvalorização ?

      • BullittKowalski

        Falou tudo, você fez uma compra racional e está de parabéns.

        Os próprios leitores que ficam aqui esperneando nos preços dos carros são os responsáveis pelos atuais preços. A indignação de vocês reflete o desejo irresistível e irracional em ter os carros dos sonhos. Por isso o preço, consequência da alta demanda. E o pior é que a maioria de vocês já devem ter um mas todos sempre sonham em ter carros melhores. É como a famosa e supercapitalista Apple: Eles lançam produtos mais modernos a cada ano, sem mesmo os consumidores julgarem se o último lançamento realmente é necessário. É irracional como a atitude de vocês. Tô me lixando se o Audi A1 custa 110 mil. Não preciso dele. Meu carro dos sonhos é um Subaru WRX Sti. Mas eu preciso dele? Claro que não, tô feliz com meu Ford Focus. É o que o autor do artigo acima falou: Carro virou objeto de desejo e claro, as montadoras aproveitam a euforia que cada lançamento que o Notícias Automotivas traz, é aquela torrente de mimimis reclamando do custo Brasil e dos nossos carros "defasados". Se eu fosse dono claro que eu aproveitaria a onde, seja dono de montadora, seja dono de padaria. A moda agora não é essa porcaria de sorvete de iogurte? Eu vou vender então. Todo mundo quer essa coisa inútil que é o Tablet? Claro que eu vou vender também.

      • Sr_Andante

        36k, isso foi em São Paulo ? Quando olhei ele tava 44k e eu achei caríssimo. Foi promoção ou preço de tabela ? E você tem razão, comprar um chinês é uma forma de boicote sim (mas tem que ser um bom igual este Cielo), tanto é que o fenômeno Chery / Jac mudou o mercado e fez caírem máscaras. Parabéns pelo bom negócio.

        • erosisique

          São Paulo amigo.. Peguei uma promoção legal.. 36k e gastei mais 1k no banco em couro… Ou seja por 37 k tenho um cielo hatch branco 2012 , 3 anos de garantia, com o interior caramelo , com abs , air bag , trava vidro e retrovisor elétrico ,rodas aro 16 ( inclusive liga leve 16 tb no estepe ) , ar condicionado, direção hidráulica, som original embutido no painel, vidro one touch nas 4 portas, chave canivete, alarme com fechamento auto das portas e vidros, bco traseiro bipartido, farol de milha, desembacador no retrovisor, porta luvas refrigerado, porta óculos, comp de bordo no painel, luz de neblina, faróis em led, sensor de estacionamento q mostra a distancia no painel, detalhes cromados no interior e exterior, um monte d porta treco… E Mt mais… !

          • Edson Roberto

            Depois fale a respeito do carro, pois somos carentes de saber desse modelo.

            Pena que minha impressão ao conhecer um Cielo não foi das melhores. Engates ruins, peças mal acabadas e ainda algumas do Cielo mostrado, pronto para "saltar".

            Mas espero que lhe faça feliz!

            Abraços!

    • Daniel Ramos

      O pior é que a população tem noção, mais não faz nada, bem que dizem, o pior cego é aquele que não quer enxergar(Esse recado vai pra todos os brasileiros).

      • BullittKowalski

        Não faço nada porque são as regras. Você está sendo egoísta, quer mudar as regras do jogo mas quer o máximo? Vai é ficar aí estressadinho o resto da vida. O que você pode fazer é criar suas regras de consumo, você pode definir o que realmente precisa. AVocê precisa do novo lançamento da Renault na Europa?. Se todos tivessem esse comportamento, os preços cairiam.

        Isso acontece na Argentina: Lá tem carrões de todas as marcas a preços de sonho, mas a maioria lá tem Renaults, Fords e Peugeots dos anos 60. Porque não podem pagar? Sim, mas eles estão morrendo de raiva por causa disso? Não , é o famoso consumo consciente.

    • BullittKowalski

      Não existe essa bobagem de boicote no mercado. O Sarney nos anos 80 pediu que o povo boicotasse produtos que não seguissem o tabelamento de preços (os mais velhos devem lembrar da SUNAB ) e o que aconteceu? é claro que foi um grande fracasso, é muita ingenuidade de vocês acharem que exista mobilização social para regular os preços. Isso só existe em economias socialistas, onde o governo, numa onda populista, define o valor do produto, desestimulando os investidores. Daí sobram os produtos "nacionais" de grande tecnologia, vide Trabants, Ladas, etc. Nós somos um país constitucionalmente CAPITALISTA e uma das regras básicas que os americanos sempre falam é que o capitalismo tem as suas regras pra ganhar dinheiro. Se não as aceita, azar o seu, pois tem milhões aí seguindo seu jogo.

      • Sr_Andante

        O problema é que o Sarney também fazia parte da farsa eleitoreira de 86. O boicote que os amigos acima propõem seria apenas um protesto temporário, para ver o que acontece, eu particularmente acho que uns 3 meses já irão fazer um tremendo barulho! Seu raciocínio sobre nosso sistema está corretíssimo, ainda bem que nem todo mundo aqui propaga que somos "socialistas" ou "comunistas" só porque seus partidos não conseguem ganhar eleição. Somos capitalistas de fato e o mercado interno se 'auto-regula'. Daí eu acreditar que um pequeno boicote generalizado, apesar de não resolver todos os nossos problemas, daria um forte recado ao mercado : "Não somos idiotas".

  • 72007998

    muito boa matéria, parabéns, e seguimos tristes.

    • Pedro_Rocha

      E olha que ele nem entrou no principal mesmo: a equação {[Sarney X (PSDB + PT)] X ANFAVEA}. Esse é o real problema, sendo que os citados pelo autor são os sintomas.

    • RafafGuima

      Obrigado.

  • RodWH

    Textos como este são o motivo de vir pra esse site. Excelente e jamais apareceria em uma revista automotiva "séria".

    • walbere

      Concordo com RodWH, aprendemos muito aqui no NA.
      E concordo com autor do texto, como sócio não aceitaria um lucro menor.

    • dudupruvinelli

      Concordo, mas nas últimas semanas saiu 2 notícias bem interessantes na Revista Veja falando sobre o preço dos carros e sobre a segurança dos mesmos. É um começo.. dá uma olhada!

    • RafafGuima

      Obrigado!

    • pauloferrer

      Fala não, esse site pra mim é referencia nas noticias sobre carros sempre compartilho as noticias nas redes sociais e recomendo aos amigos e aramente compro uma revista hj em dia….

  • jrcferrari

    falta muito pro brasileiro encarar um carro como apenas um meio de transporte. Muito boa matéria, realmente a ignorância que esse povo carrega so faz levar ainda mais para o buraco, com a ajuda do governo que , teoricamente, deveria impedir esse mercado supervalorizado e protecionista.

  • carrosempre

    Mas isso ocorre pois são as únicas a oferecerem carros populares. O resto só tinha carros caros, e o máximo eram as mal-faladas francesas. Agora vai ser diferente, temos a Hyundai, Nissan, Toyota, essas agoram vão ingressar nas vendas, consequentemente o "cartel" formado pelas 5 grandes vai diminuir. Ou seja, o cenário é favorável, com diversas fábricas por vir, a concorrência mais acirrada e mal ou bem, o Inovar Auto, que vai ajudar a melhor o consumo, ou seja, nossos motores terão de ficar mais econômicos.

    • granrs78

      Concordo com vc, mas vou citar um dos problemas para esse cartel: A falta de mais concessionarias de outras marcas em outras cidades, principalmente no interior, que só temos das marcas mais tradicionais, dificultando e muito quando precisamos ir fazer uma revisão, ou mesmo para trocar de carro, já que temos que andar muitos kilometros atrás de outros modelos.

      • pauloferrer

        concordo e vivo falando isso aqui mesmo no NA!!! moro em uma região de umas 5 cidades, mais de 500 mil habitantes e só temos concessionarias das 4 maiores!!!

  • PortoWF

    Rafael Guimarães é Economista???

    Parabéns pelo Texto!

    • RafafGuima

      Sim.
      Sou economista!

      Obrigado pelo elogio!

      • PortoWF

        Obrigado você por representar tão bem nossa categoria aqui no NA!

        Tenho uma pergunta:
        Vc acredita que haja alguma solução possível para que o preço dos automóveis se reduza para padrões civilizados em menos de 10 anos?
        Qual seria?

        • RafafGuima

          Falando só de preço, sem considerar a qualidade dos veículos produzidos eu acho que sim, porém pouco provável.

          Bom, a solução que consigo visualizar é política e engloba uma série de ações como, por exemplo, a redução da carga tributária com repasse obrigatório para o consumidor, a redução do prazo de financiamento para alguma coisa próxima a 24 vezes, melhorias significativas do transporte público e principalmente, investimento em educação de base.

          • PortoWF

            Será que o problema esta mesmo na Carga tributária?

            Há países na Europa em que o valor total dos impostos que incidem sobre os veículos é similar ao nosso e ainda assim, são carros mais baratos.
            Sabemos também que essa industria é beneficiada com todo tipo de desoneração possível e inimaginável, como tem-se o caso do governo fluminense, que até ofereceu as unidades da Volkswagen os mesmos benefícios dados para a instalação da fábrica de ônibus e caminhões em Resende, ou seja, a postergação por cinco anos no pagamento de 75% do ICMS, além da infra-estrutura na porta da fábrica, com disponibilidade de gás natural, telefonia digital,água e energia elétrica.

            Não há em seu horizonte de analises a possibilidade de uma Fabrica Nacional de Automóveis tivesse capacidade de interferir no mercado de maneira mais Positiva e mais rapida?

            • RafafGuima

              Um dos problemas pode ser a carga tributária, mas como você disse, incentivo é o que não falta… Até mesmo o terreno para a construção da fábrica é cedido pelo governo.

              Fico pensando como uma única fábrica seria capaz de mudar o preço do mercado… Bom primeiro ela teria que cair no gosto de boa parte dos consumidores, em segundo lugar ela teria que possuir uma planta gigantesca para atender a demanda, note que estamos falando de mais de 2 milhões de carros vendidos nos 9 meses do ano! Tudo bem que não teria que abocanhar todo o mercado, mas apenas uma parcela significativa de clientes que comprariam das outras…

              Acho que a maneira mais fácil de mudar o rumo do mercado é com o aumento significativo da concorrência.

              • PortoWF

                Sim, todas essas prerrogativas teriam que ser validas:
                Popular e com imensa capacidade de produção, mas ,será que estamos falando de algo impossível? Será que não é um modelo lucrativo de negocio?
                E mesmo que ela entrasse no mercado somente como mais um "player", não seria vantagem para o País, manter o Lucro dessa instituição circulando aqui ao invés de ser remetido pro exterior?
                Se é pra Lucrar, vamos fazer uma S.A Nacional e repartir esse Bolo na Bovespa, assim de alguma forma eu posso ter acesso a esse lucro oras…kkkk

              • pauloreis

                Mais um Obrigado pelo seu texto, esclarece com muito detalhes o nosso momento. Também concordo com a grande maioria comentando aqui. O triste é que o "passar dos tempos" será algo por volta de 100 anos, no mínimo, para a tal conscientização em massa, não somente relacionado com o consumo de carros, para todas as outras coisas "torta" deste país. Curiosidade: Chile já tem data para se tornar país de primeiro mundo, em 2017 – a cada 4 jovens de 24 anos, 3 tem casa própria… Vamos mudar para o Chile? já viram a carta de carros disponíveis que tem lá?? O difícil é engolir os terremotos… tudo tem seu lado bom e seu lado ruim… Meu feeling é que os chineses não vão se importar com as Oligopolizadas e vão puxar os preços para baixo, elas já são e serão ainda mais o chute inicial, vamos ver…

              • Edson Roberto

                Rafa, no seu texto, vc cita algo que me incomodou: Você disse a respeito de conseguir competição externa com competição interna sem cobrar mais de quem vem de fora. A pergunta que faço é: Não seria mais viavel então, reduzir os tributos (não falo da carga tributaria em si, porque é muito maior), mas considerar algo mais interessante de momento voltado ao mundo automotivo fazendo e forçando as empresas terem o interesse em montar fabricas aqui ao invés exatamente de pensarmos na redução da carga tributária, provocar o interesse de fora?

  • Rafael4lves

    Não vejo esperança tão cedo para uma redução de preços, pois os ditos "messias" automobilísticos como o HB20, Etios e Onix além de não trazerem inovações, se mantiveram no mesmo nível de preço dos demais. O poder é só do consumidor, e a única saída é deixar de compar carros no geral, nem usados nem semi-novos, pois, alguém que se desfez de seu usado o fez para a aquisição de um novo.

    • spok

      A hyundai falou que qm dita o mercado é o VW/GOL.. com seus precos e opcionais. Por isso o HB20 nao foi tao diferente.
      Agora vai entender o pq de nao querer bater de frente e oferecer coisa melhor.

      E concordo.. enquanto o carro mais vendido do brasil for o gol.. e continuar subindo de preco.. sempre jogara o preco de todos os outros para cima. Ele é a base da piramide, tem gol de 40 mil .. faixa de preco onde era para estar os sedans medios.. entao os sedans medios se aproveitam por ser um carro "melhor" que gol e jogam para 60 mil.

      • PortoWF

        Pq ele maximiza seu lucro montando uma planta para vender 150 mil veículos por ano ao preço que vende.

  • Renato_DF

    Temos três culpados as montadoras, o governo e os compradores. Devemos começar a mudar ao pensamento dos compradores, pois é onde a gente se encaixa, Se os leitores do NA pensassem antes de comprar seus 0 km e conversassem com seus conhecidos que tambem comprarem seus autos, já estaremos fazendo a diferença.

    • pauloferrer

      Concordo com vc, principalmente no que diz respeito aos compradores, existe muito pré-conceito quando não se fala das 4 grandes, eu por ex. comprei um nissan, sou taxista e moro no interior, quando apareci de livina no meu ponto fui chamado de louco pra baixo…

  • CerebroLoco

    O Governo é quem DEVERIA TRABALHAR para ajudar a resolver esse problema, no entanto é SÓCIO dessas montarroubas, esfolando os brasileiros.

    • Herumor_

      quanto mais caro o carro mais caro o IPVA mais $$ no bolso deles… eles querem mesmo é que aumente o preço!

    • rvieria

      Jogar toda a culpa no Governo é, basicamente, jogar a culpa em nós mesmos.
      Lembre-se, o governo é só o reflexo de um país.
      A culpa é, em primeira instância, nossa.
      Se o povo brasileiro fosse um pouco mais inteligente, Tiririca/Romário não estariam no poder. Se o povo fosse um pouco mais esclarecido, o Lulão não teria chance de reeleição, visto que com ele vem uma corja de ladrões.
      Mas fazer o que, na dúvida, vamos culpando o governo e as montadoras, afinal os brasileiros são pobres coitados sem poder.

      • Sr_Andante

        É mesmo, o governo só existe na esfera federal, todos os outros são invisíveis ou são uns santos e eu que pensava que o IPVA era imposto que ia para o bolso dos governadores…. Fazer campanha política de indignação seletiva também é reflexo de um país imaturo.

      • CerebroLoco

        Novamente culpa do Governo sim, pois salário de professor no Brasil é uma vergonha, por isso que o sistema de ensino esta todo sucateado. Como consequencia temos alunos mediocres que no futuro serão alienados e sem visão real das coisas ou como vc mesmo disse brasileiros com pouca inteligência.

    • Ughadoo

      E é sócio majoritário, pois deve ganhar umas 3 vezes mais em impostos que as montadoras em lucro (afinal o governo também cobra imposto sobre o lucro!).

      Tem ICMS, IPI, PIS, COFINS, IRPJ e mais uns trocentos impostos diferentes. Normalmente as análises que tentam descobrir quanto há de impostos só incluem os que estão diretamente no preço ( ICMS, IPI, PIS e COFINS), esquecendo todos os demais, mas o governo não esquece desses outros impostos…

  • jeff_klein

    Muito bom o texto, não tenho nada a acrescentar, a não ser dizer parabéns.
    É uma pena que esse lado tão simples de se entender, tão claro e tão lógico, está a anos de chegar aos olhos das massas deste país afim de faze-los refletir.

    • RafafGuima

      Obrigado pelos elgios…
      Cara, essa lógica é muitodistante das massas pois o governo, durante anos, "esqueceu" do principal: educação.

      • CerebroLoco

        Concordo plenamente, professor deveria receber ótimos salários para que o setor de educação tivesse os melhores profissionais, no entanto, no Brasil existe muito professor passando fome !!! Governo no Brasil sempre foi mediocre, mas ultimamente piorou sensivelmente !!! Resultado : População alienada, sem visão, sem profundidade nos pensamentos, Burra !!!

  • Sayd_Jarrad

    Cartel existe sim. concorrência branca existe: Governo é complacente com essa Palhaçada. MAFIA DA ANFAVEA É GRANDE. Cade o MPF pra investigar isso ?

  • Nasckar

    ou seja, existe uma CONSPIRAÇÃO contra os brasileiros de bom senso !

    • Herumor_

      alimentada pelos que não tem bom senso…

  • julinho76

    Êêêê ôôô vida de gado, povo marcado, povo feliz. O que mata qualquer tipo de reação do povo se chama alienação. Enquanto o brasileiro não enxergar um palmo na sua frente nada mudará. Boicote é uma saída, mas para conduzir todo esse povo alienado para uma atitude de causar uma reviravolta no mercado não é uma tarefa fácil. As redes sociais estão iniciando uma mudança, mas por enquanto sutil e pouco inteligente. As redes sociais ajudam nesse sentido, de estimular as massas para um objetivo em comum, porém o brasileiro também é mal acostumado a ser egoísta. "Se eu posso comprar um carro com um preço absurdo estou pouco me lixando se esse preço é incompatível com a realidade". O que interessa é atender uma necessidade imediata de satisfazer meus desejos. Os outros pouco me importa, eu posso comprar!!!! E é nesse ponto fraco que as grandes montadoras conseguem lucrar absurdos com a falta de união do povo brasileiro. Por que o Brasil é a sensação do momento? Porque o brasileiro é tão consumidor voraz quanto os norte-americanos. O consumo desenfreado sem avaliar se os preços são justos ou não perpetua a ganância dos cartolas donos das empresas. Raramente a gente vê uma união contra alguma causa como por exemplo abastecer o carro 50 centavos e pagar com uma nota de 50 reais para protestar contra os preços abusivos dos postos de combustível. A ideia é mais ou menos essa, unir para forçar uma redução de preço. O mesmo deveria valer para a redução de impostos e por ai vai. Mas em relação a união faz a força, nesse quesito os brasileiros estão anos luz atrasado.

  • Gregori_Costa

    Desde que os chineses foram "banidos" do nosso mercado com o IPI by Mantegoso que eu perdi as esperanças. Depois tive um pouco de esperança quando as vendas cairam drasticamente, mas ai deram um desconto, que hoje em dia quase não existe mais, e as filas voltaram, não vejo mais solução, faço minha parte, mas não vejo mudanças no curto/médio prazo chegando.

  • powercam

    Muito bom o texto, como já falaram… seguimos tristes, revoltados e comprando carros zero como nunca huahuahuahuahu

  • JulioCMO

    Tomara que, com textos como esse, o pessoal perceba que toda a cadeia industrial e mercadológica brasileira está errada, logo, não existem "heróis" no sistema, não vai ser empresa X ou Y, coreana, japonesa ou americana que irá "salvar os brasileiros da injustiça". O personagem do carro, no Brasil, cresceu de forma errada. Supervalorizamos produtos que não valem 1/3 do que é cobrado, consequentemente, os produtos "acima" somente vão pagar por essa inconsciência do consumidor.

    O problema não é o Civic, o Corolla ou o Camaro serem caros demais, o problema é que até hoje o pessoal paga, SORRINDO, mais de 20 mil reais em produtos defasados de 10… 20 ou até 30 anos. Não tem como inserir bons carros com preços competitivos se as carroças (e a falta de inteligência) ocupam a base do mercado.

    • PortoWF

      fato é que demora pro Consumidor atingir a maturidade, só com o passar dos anos e com a manutenção do poder de compra a população ira aprender a consumir melhor.

      • pauloreis

        concordo com o autor, com vocês e com a grande maioria comentando aqui. O triste é que o "passar dos tempos" será algo por volta de 100 anos, no mínimo, para a tal conscientização em massa, não somente relacionado com o consumo de carros, para todas as outras coisas "torta" deste país. Curiosidade: Chile já tem data para se tornar país de primeiro mundo, em 2017 – a cada 4 jovens de 24 anos, 3 tem casa própria… Vamos mudar para o Chile? já viram a carta de carros disponíveis que tem lá?? O difícil é engolir os terremotos… tudo tem seu lado bom e seu lado ruim…

    • rvieria

      Cara, concordo com sua posição.

      Uma coisa que não entendemos muito bem é que o mercado é uma pirâmide. A base sustenta o topo.
      Não adianta tacar facas na Hyundai/Honda/Audi/MB e afins pelo preço pornográfico de seus carros (que são veículos mais sofisticados pra renda mais alta) se a base da pirâmide, composta pelo Gol&Cia sai por preços abusivos. A base reflete o topo.

      E sobre isso entra o maior problema que o texto aborda indiretamente, a falta de EDUCAÇÃO brasileira.

      É engraçado pensar que um texto tão simples como esse é ininteligível pra 90% da população brasileira. É óbvio que grande parte do problema do país seria resolvido com uma população mais esclarecida. Todavia, nisso o Brasil ainda peca, o atraso educacional é a âncora que puxa esse barco pro fundo.
      Enquanto vivermos numa república das bananas, onde um jogador de futebol ganha milhões para chutar a porcaria de uma esfera e um Professor ganha meio salário-mínimo pra educar as gerações futuras, não adianta chorar contra o mercado automobilístico.

      E, sinceramente, acho que a tendência é piorar. Verdade seja dita, mas a pobreza vem reduzindo e, dia após dia, mais pessoas ganham capacidade de consumo, mas faltam no conhecimento/inteligência pra usar essa capacidade.

      Também é por culpa de nosso educação porca que os políticos que todos reclamam continuam no poder.
      Por fim, também é a ausência de uma educação de respeito que mantém valores idiotas, como o "status social" do carro, vivos e perpetuados.

      É amigos, talvez uma frase ufanista muito proferida durante a ditadura faça sentido:
      "Brasil, ame-o ou deixe-o"

      Pensando melhor, talvez a melhor seja:
      "A Melhor saída para o Brasil é o aeroporto"….

      • JulioCMO

        Concordo plenamente, informação e dinheiro desacompanhados de educação não levam a lugar algum.

        Aliás, essa última frase, infelizmente, vem passando demais pela minha cabeça… o portão de embarque do aeroporto é cada dia mais sedutor rsrs'

  • Louis

    Eu acredito em CARTEL chamado Anfavea. Lógico que com o apoio do des'governo.

  • GabrielR6

    "Eu, não. Prefiro o maior lucro possível!"

    Zerou o post. Parabéns (:

  • zzzepa

    belo e verdadeiro texto..explanado com conhecimento….justo na medida..parabens…deveria ser uma oração de todo brasilerio antes de comprar um carro…e deixa-se levar pelo impulso descontrolado de consumir….entender o mecanismo que mantem o mercado automobilístico aquecido…por conta de traidores da bandeira nacional , da patria…..somos vendidos, esta é a grande verdade..por um governo que deveria nos proteger..o trabalhador e seu dinheiro..afinal qual dinheiro é o mais…importante????

    • RafafGuima

      ZZZepa, obrigado pelo incentivo!

  • Herumor_

    e cade os protestos de "não compre carro 0km em 2012 ou 2013 ou [insiraopróximoanoaqui]"…

  • Cristiano_JVL

    Parabéns Rafael, excelente trabalho! Concordo com cada palavra.

    • RafafGuima

      Valeu!

  • LFCruz

    Só acho meio complicado o "Compra irracional" pq td bem tem gente que não precisa de um SUV 4×4 pra andar na cidade e bla bla bla, mas onde fica o GOSTO? E se o cara sonhou a vida inteira em ter um SUV, ou uma pickup grande, ou um sedan grande mas só anda na cidade? Sei la. O povo aqui adora meter o pau em quem compra carros "não práticos" ou "muito grandes" e se tem caçamba e não usa, emfim, esse tipo de coisa. Mas esquecem que todos temos os nossos gostos. Eu tenho um 2o. carro que é um Escort Conversivel 88. Foi uma compra racional? Não. Ele quebra toda hora e ainda não é o tipo de carro que dá pra parar em qquer lugar. Assim ele é pratico? Não. Mas eu tenho e adoro e gasto quanto for pra mantê-lo afinal. MAIS VALE UM GOSTO QUE O DINHEIRO NO BOLSO.

    • Felix_S

      Lembra-se dessa história?: Steve Jobs levou a equipe do Macintosh original para seu primeiro retiro, um membro do grupo perguntou se deviam fazer um estudo de mercado para ver o que o consumidor queria. “Não”, respondeu Jobs, “pois o consumidor não sabe o que quer até que nós lhe mostremos”. E citou a famosa frase de Henry Ford: “Se tivesse perguntado ao cliente o que ele queria, ele teria dito: ‘Um cavalo mais rápido!’” (fonte: http://www.hbrbr.com.br/materia/verdadeiras-licoe…. Será mesmo que o nosso "gosto" são grandes SUVs pra andar em cidades de ruas estreitas e "adventures" cheias de plásticos (quando qualquer um sabe que nenhum fora-de-estrada é cheio de enfeites inúteis..)? Ou será puro marketing?

      • pauloferrer

        é… to mais pra vc Felix_S do que pro LFCruz ali…. sem querer desmerecer mas apenas discordando!!! talvez o "sonho" o "gosto" tenha vindo de anos de influencia da midia etc… mas é dificil admitir isso!!!

  • walbere

    Temos que lembrar que não é só com automóveis que pagamos mais caro.
    O maior vilão é o Governo sim.

  • MecanicoDigital

    Gostei muito do texto, claro e objetivo.
    Espero que um dia nossa realidade mude…. Por enquanto isso, vou fazendo minha parte. Sei que sou só um, mas no dia em que cada um fizer sua parte, as coisas mudarão.

  • Neanderthal_Man

    Solução real, que possa ser aplicada na prática, para este problema não existe.
    Existem soluções teóricas, que poderiam surtir efeito apenas no papel.
    Então conformem-se consumidores. Este é o cenário assombroso que se tornou o mercado no Brasil.
    Ou façam como eu, mudem-se para outro país, coisa que farei em breve.

  • jvjv

    Perfeito o texto. Parabéns ao seu autor e ao NA por divulgá-lo.

    • RafafGuima

      jvjv, Valeu pela força!

  • Hellvins

    Aproveitando alguém sabe como foram as vendas dos carros? sera que bateram recorde de novo???

    • zzzepa

      …só li um post em outro site..que os preçosdos carros estão caindo..caindo?…eu ri…kkkkk,….subiram 10k..e abaixaram 3k…o governo ri..achado que está funcionando a queda do IPI….

  • CanalhaRS

    Eu acho que a situação aqui tende a melhor, mas a maturidade do mercado (e dos consumidores) só será alcançada daqui a uns 15 ou 20 anos…

  • epa

    Só o fato de estarmos debatendo sobre o assunto na web, já é o início de uma revolução que mostrará resultados em mais ou menos uns 100 anos. Guenta coração!

  • dudupruvinelli

    Tenho uma solução utópica para isso: colocar o vídeo sobre o Gol, do canal do otário, no intervalo da novela "Salve Jorge". kkkk

  • maryfotografias

    Só eu que incomodo quando as pessoas generalizam e dizem que "SÓ OTÁRIO COMPRA CARRO NOVO NO BRASIL". Particularmente, considero esta uma generalização IDIOTA e totalmente DESNECESSÁRIA.
    Querer encontrar os problemas do mercado é louvável. Querer a melhoria do preço e das condições de acesso aos veículos – melhores e mais seguros – também. Mas isso não tem o condão de legitimar generalizações IRRACIONAIS como a mencionada. Eu, particularmente, devo ser OTÁRIO: porque gosto de carro novo (é o que atende às minhas necessidades). E, não acho que a compra de um carro (novo, usado; SUV, esportivo; grande, pequeno – tudo vai de acordo com a necessidade de cada um) é critério seguro para mensurar a capacidade intelectual de cada um.

    Acho que tem muita INVEJA por aqui. Isso mesmo, INVEJA. Não estou dizendo que todos sejam invejosos, nada disso. Apenas que alguns comentários são típicos de invejosos. Isso – no meu entender – não ajuda em simplesmente NADA, não tem nenhum ponto positivo e não vai corrigir as aberrações do mercado.

    • daniellopesrj

      Concordo com você. Infelizmente, como foi dito na reportagem, o povo brasileiro é ignorante.

    • Neanderthal_Man

      Estou de pleno acordo que esta generalizacao eh idiota. Muito pelo contrario, quem compra carro 0Km eh porque pode arcar com os custos e para isso foi esperto (e nao otario) ao ganhar seu dinheiro. Obvio que vai perder mais dinheiro comprando 0Km mas e a satisfacao nao conta? Se alguem coloca a satisfacao pessoal de ter um 0Km acima do dinheiro que vai gastar a mais, deve ser considerado otario? De maneira nenhuma. Assim como quem prefere o melhor custo-beneficio tambem nao deveria ser rotulado disso ou daquilo.

    • plextor2012

      Respeito o ponto de vista, mas discordo. Não acho que o caminho para que as coisas venham a melhorar seja este: "SÓ OTÁRIO COMPRA CARRO NOVO NO BRASIL", porém acredito que diante de tantas matérias recentemente publicadas pela mídia de que o carro é considerado o mais caro do mundo, me impressiona o brasileiro sair correndo para comprar carro novo.

      Que tipo de comportamento é esse? Ignorância? Matérias como a da Forbes (Grand Jeep Cherokee de $80.000,00 do Brasil). Somos vistos como um povo ignorante, que aparentemente não tem noção do que está acontecendo. Existem os desinformados (obviamente), porém a parcela que detém a informação (alguns) continuam comprando. Onde está a união? Vejo protestos em outros países que não consigo ver aqui. Porque será?

      "OTÁRIO: porque gosto de carro novo (é o que atende às minhas necessidades)?" Para mim ficou claro que somente (apesar de não haver esse termo na frase) o carro novo é que atende às suas necessidades, estou errado? Já tive diversos carros novos, inclusive um penúltimo 2010, que troquei por um 2007 (último), faz sentido isso para você? Porque alguém trocaria um carro 2010 por um 2007? Para alguns isso é burrice, porém depende do ponto de vista de cada um. Só para frisar que o 2007 tem equipamentos que nem mesmo o 2010 possui.

      Você gostar de carro novo e achar que eles é que atendem sua necessidade, ótimo, agora achar que todos estão dispostos a trabalhar 3, 4, 5 anos para pagar um carro, que no mercado vizinho, é vendido pela metade do preço, desculpe, mas não existe lógica nenhuma nisso. Invejoso, acredito que até tenha sim, porém alguns estão realmente revoltados com o que acontece aqui nesse país, simples.

      • maryfotografias

        Não entendi a "discordância". Na minha opinião, tu ratificou quase tudo o que eu disse. Os preços dos carros no Brasil são sim absurdos – isso é fato, não há o que questionar. Como resolver? Sinceramente, não sei. Chamando os consumidores que possuem condições de comprar um carro novo de otário eu garanto que não é. Quanto a falta de união, isso é normal. União como? Não imagino uma forma do consumidor brasileiro – de fato, não na teoria – se unir.
        O problema do valor dos carros é bem complexo: nossa máquina estatal é (e continuará sendo, tendo em vista o perfil constitucional da nossa Carta de 1.988) pesada e cara. Com isso, os tributos tendem a ser mais caros (os neoliberais acham isso o fim do mundo, embora a estratégia neoliberal "talvez" ainda seja pior). O tema é complexo, a solução, consequentemente, também.
        Penso o seguinte: o mercado está super aquecido – e os preços não vão baixar. Quando o mercado "esfriar" vai ter muita gente vendendo e pouca gente para comprar – o que creio, deva ocorrer daqui uns anos. Acho que somente no momento de queda brusca do mercado os preços vão ficar menos desalinhados com o resto do mundo.

        Sobre o carro novo: eu, quando olho um carro, prefiro novo pelo requisito "confiança". Não que eu esteja certo ou errado, mas eu prefiro o novo. Diferente do que alguns pensam, isso não me faz pior ou melhor do que ninguém. Só quis ressaltar o fato de que o comprador é a pessoa mais capaz de definir suas prioridades e que não temos legitimidade para exigir a forma com que os outros gastem seu dinheiro – e muito menos para dizer que se gastarem de determinada forma, são otários.
        Abs!

        • plextor2012

          Bem, acredito que não temos uma fórmula para resolver o problema, pelo menos imediatamente. Também acredito que a união sempre vai fazer a força, basta voltarmos na época do Collor, quando a população decidiu sair às ruas e brigar pelos seus direitos. Os chamados "Caras Pintadas", você se lembra? Eu me lembro muito bem. Surtiu efeito, não foi? Impeachment nele.

          Concordo que a máquina estatal é pesada e cara, e, muitas vezes, ineficiente. Penso que seja também uma possibilidade:

          "Penso o seguinte: o mercado está super aquecido – e os preços não vão baixar. Quando o mercado "esfriar" vai ter muita gente vendendo e pouca gente para comprar – o que creio, deva ocorrer daqui uns anos. Acho que somente no momento de queda brusca do mercado os preços vão ficar menos desalinhados com o resto do mundo. "

          Não mencionei em momento algum que você está errada em gostar de carros novos, preferência é gosto e cada um tem o seu, sempre deixando bem claro que, o dinheiro é seu e você compra aquilo que mais lhe agrada, certo? Agora nem todos estão dispostos a arcar com o preço de um carro que é vendido aqui pelo dobro, triplo do preço de outros mercados. Simples, perda de 15% a 25% nos primeiros 3 anos, IPVA, licenciamento, emplacamento, seguro obrigatório, manutenção, garagem, combustível, seguro e mais outras coisas. Lembrando que não acho que chamar os outros de otários vá resolver a questão e nem que seja a melhor forma de mostrar aos outros que poderiam fazer de forma diferente.

          Para reflexão:
          http://dinheirama.com/blog/2012/08/28/carros-conhhttp://dinheirama.com/blog/2012/10/23/voce-e-os-c

          Abs!

          • maryfotografias

            Interessante os dois artigos.
            Acho que você está certíssimo em considerar um usado boa opção: apesar de preferir o novo, não descarto totalmente a possibilidade de comprar um usado (principalmente se o dono antigo for conhecido e o estado de conservação for bom).
            O problema é difícil de ser resolvido: como o artigo que você citou bem fala, muitas são as causas. Só que não acredito que nós (povo, que claro, devo me incluir) temos maturidade para mudar isso de uma hora para outra – não que não deveríamos, claro que sim, acontece que provavelmente não faremos.
            O meu protesto foi contra o título de otário para quem compra carro novo – uma generalização altamente idiota. Fico pensando: quem é mais otário? Quem compra um carro novo ou quem considera a compra um aspecto suficiente para medir a capacidade intelectual de cada um?
            Um compra refletida, de acordo com as necessidades e com a disponibilidade financeira é sempre uma boa compra.
            Abração!

            • plextor2012

              De fato, os dois artigos, principalmente o primeiro, são bem esclarecedores. O carro usado, como você mencionou, pode e dependendo da situação até diria que deve ser a opção lembrando que, deve-se pesquisar bastante antes de comprar, pois os problemas podem aparecer depois da compra. O ideal é comprar realmente de quem você já conheça, caso seja um usado.
              Infelizmente, tenho que concordar que a coisa não muda assim, exceto, acredito eu, se a população partisse para um boicote, mas acredito (tenho certeza) que isso não aconteça.
              A ideia é essa mesmo, participar dos comentários, refletir sobre vários pontos de vista e enxergar a realidade dos fatos, e como você mencionou uma boa compra é aquela de acordo com suas necessidades, financeira, racional (as vezes o emocional toma de conta)…
              Abração!

  • Juniorfillingam

    O q fico triste e quando o brasileiro ver assim edição limita, carro copa, carro rock rio, etc, corre paga mais caro e o carro em sí e o mesmo. É ser muito otário mesmo, era realmente necessário um boicote, nem necessita ser extremo sem comprar carro, basta não comprar das 5 grandes e pronto, elas abaixam o preço e as demais tb. Acorda

  • Daniel Ramos

    Oba, enfim uma matéria boa que se preze, bom pra botarmos a boca no trombone e dizermos tudo que está engasgado na nossa garganta. Primeiro, quero lhes parabenizar pela ótima matéria, está muito bem feita e explicada. Eu acho que o povo brasileiro tem que tomar vergonha na cara e aprender a correr atrás de seus ideias(nossa, não canso falar isso!), o brasileiro não LUTA, é fraco, vê, mais é cego…ou seja, o brasileiro pesca, vê o "predador" roubar o seu peixe mais não faz nada, entendeu +- como é a coisa?! O brasileiro é muito acomodado, espera que alguem vai la faça por ele, se existe alguem que tem mais medo do governo e com tao pouca atitude que o brasileiro alguem me diga…Eu acho o seguinte, a REVOLUÇÃO, a REFORMA está nas mãos da gente, brasileiros, é só a gente querer, só a gente lutar e ir atrás, assim as coisas mudam.

  • daniellopesrj

    E os impostos, nada? Concordo com quase tudo, exceto pela ausência de alguma referência aos impostos.

    • ChicoFCarvalho

      Pois é, além dos impostos faltou mencionar o "custo Brasil" aquele que se manifesta na precária infraestrutura (estradas, portos, aeroportos) que dificultam a logística de produção e distribuição além da burocracia que é outro fator importante. Também não se pode descartar a questão cambial que encarece os produtos fabricados aqui para exportação prejudicando ganhos de escala.

      Também discordo quando o autor cita que, atualmente, a demanda supera a oferta. Não creio nisso. Até onde sei, nenhuma montadora está operando em 3 turnos para atender a demanda. Considerando que um veículo pode ter várias opções de motorização, acabamento, opcionais e cores, é natural que não se encontre o veículo exato que se deseja, mas neste momento, os únicos que estão em falta são justamente os importados que foram afetados por artifícios governamentais, ou seja, sobretaxa do IPI e cotas de importação e, obviamente, os recentes lançamentos que ainda não possuem estoques suficientes. Aliás, o motivo da implantação de cotas e da sobretaxa do IPI foi para evitar que as montadores locais continuassem a perder mercado para os importados e tivessem ainda maior ociosidade, ameaçando o governo com demissões coletivas.

      De quebra, ainda ganharam a redução do IPI que, conjuntamente com a facilitação do crédito, geraram uma pequena e temporária bolha de consumo que logo se esvaziará, não só pelo fim do benefício como pela antecipação do consumo e do esgotamento da capacidade de pagamento dos empréstimos.

      Concordo com o autor quando diz que uma das formas de combater os citados oligopólios é não sobretaxando as importações e isto ficou comprovado pois, quando os chineses e coreanos, mesmo com Imposto de Importação de 35%, começaram a invadir nosso mercado com preços competitivos, as montadoras nacionais ensaiaram uma pequena redução de seus preços/margens. Logo vieram as medidas governamentais para proteção das mesmas em detrimento dos importados.

      Ainda conforme dito no texto, embora com grandes barreiras à entrada, há que se destacar que outras montadoras já atuantes no país, não participam no mercado de carros ditos populares ou de mais baixo custo. Isto está mudando, haja visto a entrada da Hyundai e da Toyota nesse mercado e, num futuro próximo, provavelmente a Honda. Sem dúvida, quantos mais fabricantes tivermos, mas difícil será manter esse oligopólio e seu status quo. Até lá, não há muito o que fazer no curto prazo senão a redução dos impostos não só sobre os importados, como também os locais.

  • Long_life_tobigcars

    Foi o post mais realista e bem acertado que já li aqui no NA. O tópico simplesmente acertou a realidade em tudo que se pratica nesse mercado centralizado pelas quatro marcas e a subcultura do brasileiro em transformar o carro, um simples objeto de consumo em status.
    Ou seja, o maior problema de o carro custar absurdamente caro, coisa inigualável pelos quatros cantos do mundo, é o próprio consumidor.

    Ainda assim, uma solução para a redução dos preços seria a maior abertura do mercado (sem aumento de impostos para os importados e sem redução para os nacionais, é claro!) de forma incentivar a entrada de outras firmas do setor, elevando a oferta de carros importados e reduzindo a concentração do setor automotivo.

    Isso mesmo! A importação seria a melhor forma de forçar as montadoras locais a baixar o preço mas com um "papai" como o governo é proibido por lei até falar nessa palavra que causa arrepios nelas: concorrência.

    Por fim fica os meus parabéns ao autor do post.

    • RafafGuima

      Obrigado pelos elogios!

  • diogo_rs6

    "Agora pergunto a você, supondo que você é o capitalista sócio investidor da “indústria automotiva”: Você aceitaria ter uma margem de lucro menor quando pode manter essas margens mais elevadas?

    Eu, não. Prefiro o maior lucro possível!"

    Este é um ponto que vem o seguinte questionamento: o desejo de "mordermos uns aos outros". É a lei de Gérson em sua melhor forma. E isto não se restrige apenas à sanha das empresas automobilísticas ou mesmo do governo: no dia-a-dia milhares de pessoas sempre procuram meios de tentar explorar o máximo possível uns aos outros – a especulação imobiliária e os mais diversos golpes que aparecem por aí mostram claramente isto. É claro que a "maximização dos lucros" não é um fenômeno exclusivo no Brasil, pois existe lá fora, mas os valores do custo Brasil parecem ser algo ainda mais pronunciado. E seria capaz de apostar que esta sanha é que está alimentando a inflação de preços

    Isto me fez pensar que em outros tempos não era bem assim: em um post do Autoentusiastas foi falado sobre Sir William Lyons e o magnífico Jaguar E-Type. O carro, que dispensa apresentações, nunca foi vendido com sobrepreço, sempre tinha preço justo – e o custo dele era a metade de uma Ferrari e mesmo assim muitos famosos compraram o Jag.

    É aí que me vem a pergunta: por que não sacrificar um pouco as margens líquidas e tentar ganhar os clientes do que as vendas??? Por que não ganhar a satisfação dos clientes??? Afinal, logo num setor que sempre foi muito mal conceituado nesta parte – o pós-venda, investir pesado nesta parte poderia ter muito mais sentido do que uma ação publicitária com uma atriz global….

    • Hellvins

      O empresariado brasileiro, não liga para clientes, todo mundo e tradado igual lixo, e por isso que ninguém quer se apegar de mais a uma marca, por que sabe que vai ser traido, cedo ou tarde!

  • lsguaranikaiowa

    Boicote já! A página do lucro brasil, no facebook, já dizia isso desde sua fundação. Temos que mostrar aos outros consumidores – familiares, vizinhos, amigos – que podemos ter melhores veículos se mudarmos nosso pensamento a respeito.

  • Felix_S

    Concordo com a maior parte do texto. Mas, aqui mesmo no NA se vc fala mal de Palio Adventure, Crossfox, Fordeco e Duster sempre aparece alguém defendendo… se vc fala mal de quem paga caro em SUV com só AB2 e motor fraco (beeem piorado em relação ao comprado pelos mexicanos…) sempre alguém tomas as dores… Enquanto ainda tiver gente pagando caro em Civic e Corolla pelados em vez de escolher concorrentes mais equipados…FAZER O QUE? CULPA DE QUEM?

  • Gustavo82

    No Brasil se vende camisa Polo da TommyHilfiger por R$300,00 onde nos EUA custa US$30. Tudo aqui é assim, nao somente os automoveis…
    Essa conversa nao tem fim e solução, pelo menos nos proximos 200 anos. Se mudar o preço dos carros, tudo no Brasil que é muito caro tambem vai ter que baixar.

    • pauloferrer

      lendo o q vc escreveu sobre as camisas tommy (que estão muito em evidencia) volto a pensar que o culpado é o brasileiro e sua "ignorancia" sim, pois paga 300 numa camisa tommy pelo "status". foi como a forbes falou ou falaria "o q ha de status em uma camisa tommy?" nada mas por estar na "moda" se paga caro por ela, ou seja o brasileiro parece ter um ego enorme de um modo geral, quer aparecer seja com uma camisa ou com seu carro novo parece ser um problema cultural mesmo.

  • Dcyno

    Aqui na bananolândia enquanto o governo for sócio das fábricas o preço só vai continuar subindo e além do mais a cultura empresarial aqui é produzir pouco e ganhar muito ( único lugar do mundo que ví esta mentalidade, é o avesso da lógica ). Enquanto coisas desse tipo perdurarem, este país nunca vai ser nada que preste. Enquanto aqui só existirem líderes que pensem pequeno, nunca seremos uma grande nação.

  • pauloferrer

    o brasileiro é muito preconceituoso, com tudo inclusive com carros… vejam sou taxista em uma cidade com +- 300 taxis, onde sua maioria é fiat, depois GM, em terceiro com bem menos carros temos VW's e uma meia duzia de Ford, 2 Renault, 1 honda e 1 Nissan q é o meu. Acham meu carro "bonito", interessante, espaçoso, mas quando eu pergunto pq nao compra? correm feito diabo da cruz… alegam q não a css na cidade, as peças devem ser muito caras etc…. na minha opinião puro medo e preconceito pois falamos de carros "zero" que tendem a nao dar problema como o meu nao deu e o da maioria dos colegas aqui com as marcas tradicionais tb não da! penso que esse é um problema cultural que foi construido durante anos e que as novas "marcas" terão que trabalhar anos anos para "desfazer".

  • Cafefilosofico

    Minha modesta opiniao e' que governos corruptos (estou falando desde JK) sempre se venderam para esta (e outras tb…) industria automotiva que ai esta. Nunca cobraram contrapartidas, e sempre ferraram qualquer tentativa de "carro nacional". E seria simples: qdo a industria recebeu incentivo para aqui se instalar, pelo menos 30/40 % de suas acoes, da filial claro, deveriam ter ido para a Bolsa de Valores. Hoje teriamos empresas parcialmente nacionais, poderia-se fiscalizar o real lucro delas (porque se alguem aqui ja' viu as planilhas que eles apresentam ao governo para justificar IPI, II etc e' RIDICULA!!) Mas sai mais barato comprar uns deputadozinhos e um punhado de senadores, temperar com estes PESSIMOS presidentes e Voila'!!! O prato esta pronto, e nos, bobalhoes por natureza, pagamos a conta. O que fazer? Curto prazo, muito pouco, mas ajudar a desconstruir a imagem de "carro e' status" e' um bom comeco (isto p/ nos, de foruns, etc) e de resto exigir educacao de qualidade, enquanto professor ganhar mil e poucos reais, teremos ensino publico de mil e poucos reais…._O que faco diretamente: ha' mais de 6 anos nao compro carro nenhum. Tenho um carro americano, que as pecas sao sempre mais baratas, mesmo com frete e imposto, e desprezo completamente o mercado dito "nacional".

  • Focusman

    Cansado de ler a mesma coisa…

    Entendam…

    A culpa não é das fábricas, mas sim do governo.

    No dia que o governo morder menos, as fabricas lucrarão menos. Simples assim.

    Os consumidores não irão parar de trocar de carro. Se pararem é pior, a economia para, as industrias fecham.

  • n8mindwin

    "Ò pátria amada,
    Entre outras mil és tu Brasil A MAIS ROUBADA.."

  • Prezado autor (não achei seu nome)

    Está claro que entende de economia, mas faltou uma abordagem de marketing e publicidade (e talvez até psicológica / sociológica) quando fala que o leitor é irracional nas compras. Esta afirmação está superficial. O que acontece é que neste mercado, as empresas agem de maneira a cativar o consumidor pela emoção, para que este aja de maneira impulsiva e não racional. E o fazem através da associação das marcas à arquétipos / imagens carregadas de emoções. Assim, o cidadão compra um 'bravo' pois quer aparecer. Um 'focus' pois quer ser 'antenado e moderno'. Um 'esportivo' seria o 'veloster'. Mesmo que estas imagens não sejam a realidade oferecida, funcionalmente, pelo produto.

    Me parece que a 'irracionalidade' do consumidor não é culpa deste; na verdade este é vítima de um sistema que joga com os significados 'senso comum' da sociedade brasileira. E jogam muito bem, por sinal.

  • kkduu

    Não vejo esperança de nada mudar nos proximos 5 anos… Quem lê sites de noticias automotivas como este é minoria perto de quem compra.
    O povo n se importa e so quer comprar o carro que quer. Quem curte no face curte pra fazer volume mas muitos acabam indo comprar da mesma forma.
    O que resta é pesquisar e comprar um carro q valha o esforço a ser pago… o q está cada vez mais dificil. É caro é.. mas eu tbm n consigo viver sem um carro, sendo caro ou não.. vou buscar o q eu posso comprar…. por status? Não mas por usabilidade, segurança e necessidade.

    A população q se uniu para derrubar collor éra diferente da de hj q tem a bunda quadrada de ficar em casa no facebook com preguiça de fazer alguma coisa.

  • greicemari

    TAPA NA CARA DA SOCIEDADE… excelente máteria..

  • Outra coisa que esqueci de escrever, apesar do ótimo texto, vale um esclarecimento.

    Tração nas 4 rodas pode sim ser útil no uso urbano e estrada de asfalto. Os brasileiros tendem a pensar apenas na tração blocada que serve pra jipeiro sair da lama, mas muitos carros se servem da tração 4×4 integral para conferir maior estabilidade na dinâmica do veículo. Sugiro pesquisar o sistema Symetrical All Wheel Drive da Subaru. É um sistema que compõe a chamada 'segurança passiva' do veículo, pois funciona não apenas numa colisão (como um air bag), mas a todo momento do uso. Quando uma roda perde aderência (estrada com poça d'água, trecho de grama com menor aderência, cascalho, por exemplo), a tração é automaticamente distribuída para as outras 3 rodas com contato no solo, assim diminuindo a chance de perder o controle do veículo. Evidentemente, nem todas as trações 4×4 são assim, tem de investigar o sistema do veículo em questão. Abs

  • Prezados, replico aqui no aberto 2 links interessantíssimos postados pelo PLEXTOR 2012, mas que ficam 'escondidos' na resposta dele. Aí vão:

    Para reflexão:

    Gostei muito deste 1º, ele coloca na ponta do lápis o custo de se ter um civic … http://dinheirama.com/blog/2012/08/28/carros-conh
    http://dinheirama.com/blog/2012/10/23/voce-e-os-c

    • plextor2012

      Bacana a iniciativa recguerra, é disso que precisamos, esclarecer o que vem acontecendo. Deixando claro que não estou fazendo propaganda para site nenhum.
      O primeiro link é realmente bem interessante!!!

      • Pra vc ver: achei este post na página do Facebook do grupo "Lucro Brasil", e achei outras infos bacanas nos comments. Acho que este é o caminho para nós cidadãos – consumidores, o caminho do compartilhamento de informações. Abs

  • Texto simples, sincero e direto.
    Se uns 40% da população tivesse tal inteligência, as coisas não estariam assim.

  • Parabéns pela matéria! O consumidor brasileiro ainda não se deu conta de como empresas tremem quando um de seus produtos não emplacam no mercado, um dia a gente fica mais exigente, com a internet o acesso à informação já provocou melhorias nos últimos quinze anos, até os anos 90, as pessoas ainda não compravam Mondeo porque tinham o DelRey na cabeça, evitavam o Vectra porque o Opala bebia muito ou quebrava a cara com o Gol bolinha por causa da fama do Fusca e do Gol quadrado… hoje não se busca a informação, ela literalmente chega às pessoas e está ficando difícil de passar a conversa no público… torço para que isto já esteja provocando novas e boas mudanças na mentalidade das pessoas. Se chegarmos ao nível de recusar carros inseguros já vai ser um baita salto!

  • kikofar

    Gostei muito do texto. Valeu a pena os 15 minutos para poder lê-lo na totalidade. E acho que o autor foi muito feliz quando toca naquilo que é o cerne de toda a questão por trás do nosso mercado “sui generis” brasileiros de automóveis: O BRASILEIRO É MAU EDUCADO. Não no sentido de polidez, de compreensão com o próximo, mas no sentido de realizar o que é básico: contas e extrair informações de um texto. Juros sobre juros ou juros compostos é algo longe da compreensão de muita gente que compra carro básico por preço de médio que no final paga por 2 carros!
    CONTINUA…

  • kikofar

    Outro dia estava numa rodovia americana quando eu e meu cunhado notamos a indicação na placa de uma saída para outra auto estrada de “3/4 mile”. Na hora nós pensamos o mesmo: “país de gente que sabe fazer contas é isso aí!” Imagine uma placa aqui no Brasil dizendo “próxima saída 3/4 km”: entenderiam “entre 3 e 4 kilômetros a saída?” ou “a saída vai do km 3 até o 4?” rsrsrsrsrsrs E é aí que eu chego à conclusão: como uma boa educação só muda o status quo de um país ou uma comunidade em 30 anos, aproximadamente, supondo, EU DISSE, supondo que no Brasil a educação passe a ser ofertada em ótima qualidade a partir dessa década (algo praticamente impossível!), teríamos ações mais inteligente por parte do consumidor, ações mais refletidas e sensatas lá para 2040… então, melhor esperamos sentados, porque aqui a coisa não muda tão cedo…!

  • Edson Roberto

    Mas dai ela perderia o lucro que ela já planejou. A ideia do mercado para mim é clara: Fiat sendo a mais vendida e a VW com seu carro-chefe. Não me parece que é atrativo a Fiat ser lider….

  • Leandro_SP

    Perfeito !!!!

    E digo mais, no Brasil existe mais uma bolha automotiva do que imobiliaria.

    O governo de forma irracional prefere cortar IPI e facilitar financiamento, aumentando o lucro e diminuindo a receita por imposto. Para corrigir isso aumenta outros impostos como IOF e etc. Onde isso vai levar ? Eu mesmo lhe respondo, a inadimplência ! A falta de combustível… ao endividamento excessivo.

    O governo se importa com o valor do veículo ??? Porque deveria ? Para ele tanto faz recolher IPI sobre 10 mil carros valendo 10 mil cada ou 1/2 do IPI sobre 10 mil carros valendo 20 mil cada um.

  • Alexandro Vieira Lopes

    Estava vendo um link atual e cliquei neste, 5 anos depois, nota-se que a participação das 4 grandes diminuíram e aumentou honda , toyota e hyundai, mas os preços aumentaram muito! ou seja não mudou muita cosa.

    Comprei um polo modelo 2018 e 50% do valor dele é imposto, há mais transito e o país não está preparado para mais carros!

    Bem o polo é 5 estrelas no latincap, vamos ver se outros carros são seguros também!

    Parece sim que há uma máfia entre montadoras e o governo não diminuí impostos, o jeito é ficar com carro por mais de 5 anos.

    Nota-se que há serviços de compartilhamento de carros (uber) e em breve os elétricos, vamos ver como o setor se comportará!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend