_Destaque Segurança Tecnologia

Vídeo demonstra o quanto é importante a distribuição de peso em um reboque

estabilidade-reboque

Um vídeo muito interessante está chamando a atenção nas redes sociais. Utilizando uma esteira elétrica e um Ford Mustang em escala, um instrutor demonstra o quanto é importante a distribuição de peso em um reboque.

No vídeo, o reboque possui dois pinos com pesos, sendo que um terceiro é colocado sobre o pino dianteiro do reboque. Como resultado, o deslocamento do veículo se mostra linear e controlável, mesmo com oscilações laterais provocados pelo manipulador do experimento.

Mas, alterando-se o peso móvel da frente para a parte de trás do reboque, a coisa muda radicalmente. Embora mantenha a trajetória linear, qualquer movimento lateral – na vida real um desvio repentino, por exemplo – provocando uma grande instabilidade direcional.

O reboque começa a oscilar de um lado para o outro, alterando também o comportamento do carro, que fica instável. Se o instrutor do experimento não intervém, o automóvel e seu reboque acabam por perder totalmente o controle, provocando assim um acidente se fosse na vida real. Confira o vídeo neste link.

trailer-control

Controle de reboque

Pensando nisso, alguns fabricantes desenvolveram controle eletrônico de estabilidade com reboque, normalmente utilizado em picapes, mas que pode ser encontrado em outros segmentos de veículos.

O sistema foi desenvolvido pensando em trailers, comuns nos EUA e Europa. O sistema monitora o alinhamento do reboque em relação ao veículo e, se necessário, aplica os freios de modo a estabilizá-lo, evitando assim um tombamento.

Ambos os veículos são controlados em situações extremas de instabilidade até uma velocidade segura, onde o alinhamento e o controle direcional são restabelecidos. O sistema faz parte do ESP ou controle eletrônico de estabilidade do veículo. Há também o controle de tração para auxiliar a condução com reboque.

esp-2

Controle de estabilidade

O controle de estabilidade, popularmente conhecido por ESP (Electronic Stability Program ou Programa Eletrônico de Estabilidade), é um sistema eletrônico que atua diretamente nos freios e evita que o condutor perca o controle direcional em curvas ou desvios de trajetória, garantindo maior segurança.

O dispositivo analisa a rotação de cada uma das rodas em relação à velocidade do veículo e rapidamente identifica aquela que está perdendo aderência, acionando o freio daquela unidade, a fim de corrigir a trajetória do veículo, evitando que o mesmo rode na pista ou saía excessivamente no tangenciamento da curva. Alguns automóveis utilizam o ESP junto com outros sistemas, ampliando assim a atuação desta tecnologia.

Assim, há controle de estabilidade com influência sobre o sistema de direção ou mesmo agregado ao controle de condução dinâmica, que geralmente oferece modos de dirigir com vários níveis de atuação do ESP, oferecendo maior ou menor (ou até mesmo a ausência total de assistência) ação sobre os freios. O ESP é uma tecnologia que já está se tornando obrigatória na Europa e equipa carros, comerciais leves, caminhões e ônibus, bem como até motocicletas.

TCS-Sys

Controle de tração

O controle de tração ou TCS (traction control system) é um sistema eletrônico que evita o giro em falso de uma ou mais rodas de tração de um veículo através dos freios ABS. Ele reduz o torque na roda que está perdendo tração, garantindo maior segurança durante a condução.

Em pisos molhados, neve ou trechos de lama, o TCS é um dispositivo que ajuda o condutor a não perder o controle do veículo ou sair de situações difíceis. A tecnologia geralmente é associada com o ESP, mas em alguns casos, o torque pode ser gerenciado também pelo diferencial eletrônico ou pelo próprio conjunto propulsor. Alguns veículos nacionais (incluindo ônibus e caminhões) utilizam o TCS de série ou em forma de opcional.

O TCS pode ser desativado em alguns veículos, sendo também utilizado em conjunto com o ESP em modos de condução pré-programados ou personalizados. Há casos em que o controle de tração também atua diretamente em curvas, portanto, chamado de “controle de torque vetorial”, já que aumenta o torque em uma das rodas a fim de fazer com que o carro mantenha uma trajetória mais dentro da curva.

Várias tecnologias adicionais permitem também melhor distribuição de torque entre os eixos ou entre as rodas, garantindo maior controle do veículo, embora com custo muito maior que os sistemas mais comuns. Estes dispositivos podem incluir motores elétricos e até barras estabilizadoras com rigidez controlável, por exemplo.

Outros agregam suspensão adaptativa com amortecedores eletrônicos ou magnéticos ou mesmo câmaras (eletro) pneumáticas para compensar inclinação de carroceria, arrancada, descida, curvas em maior velocidade e transposição de obstáculos e terrenos difíceis no off-road, entre outros. Enfim, depois de airbags e ABS, agora o próximo passo é a popularização de ESP e TCS.

Agradecimentos ao Ricardo Rangel.







Send this to friend