Jeep Lançamentos SUVs Vídeos

VÍDEO: Jeep Renegade – Treinamento de concessionários em Sete Lagoas/MG

Agradecimentos ao Guigow pela dica.





  • dallebu

    Esse Jeep vai fazer um baita sucesso!
    Pelo que parece o motor mesmo sendo a Diesel ta bem isolado.
    Se eu pudesse e meu dinheiro desse eu comprava um Longitude 4×4 Diesel!

    • Junoba

      Mas tudo depende do preço…

    • Edinaldo_Tapica

      Vai vender MUITO! Se preparem, digo que chega a encostar nos números de Corolla/Civic…

      • Marcos Wild

        kkkkkkkk viajou

        • RFGV

          e pra bem longe…

        • Edinaldo_Tapica

          Daqui há um ano a gente vê quem aqui é turista seus menino metido a engraçado !

      • Danilo Fernandes

        Corolla/Civic não chegaram como campeões de vendas. Construíram seus nomes com anos e anos de bons resultados de manutenção e revenda. Hoje utilizam dessa fama e se tornaram péssimos CxB. O Renegade tem dois desafios para chegar nesta meta que você falou: se mostrar um bom carro na hora da manutenção e revenda e os SUVs têm que continuar nessa crescente de popularidade. Num lugar onde as cidades são verdadeiras selvas urbanas é possível sim. Difícil, mas possível.

  • birchip

    Jeep Renegade parece ser um legítimo off-road.
    Os concorrentes Ford Ecosport, Renault Duster, Chevrolet Tracker, Hyundai Tucson, etc podiam fazer a mesma demonstração como mostrada nos vídeos.

    • Adolfo Frota

      Se não estou enganado, na época do duster, houve o mesmo tipo de treinamento, com vídeos. Acho que dá para encontrar no youtube.

    • Netovski

      A Renault trabalha bastante na imagem do dacia duster como sendo um veículo off-road de fato. A impressão é que 50% da publicidade da Renault é em cima do crossover, o que é justificável dada a margem fenomenal de lucro que ela pratica sobre o carro.

  • Bruno Jefferson

    e os preços de todas as versões? quero saber os preços das versões a Diesel.

  • EJ

    A Fiat terá que explicar muuuuito ao consumidor brasileiro burrinho que o Renegade tem capacidade off-road pra diferenciá-lo do HR-V. Eu tenho idéia fixa que os burrinhos não entenderão. Vide o que a Mitsubishi fez…largou de vender o TR-4 porque apesar de amortizado, o consumidor não entendia que estava pagando mais caro porque o produto tinha capabilidades off-road que outros não possuíam. Aí ficou vendendo só ASX mesmo. Não é só o brasileiro que possui esse desconhecimento do que dirige, vide o clássica pesquisa da BMW com seus consumidores de Série 1 (maioria esmagadora não sabia que o carro possuía tração traseira).

    • Já pensou que na verdade a maioria dos compradores de TR-4 na verdade não precisam da capacidade off-road? Aliás, não tenho certeza se quem compra Troller precisa (Generalizando claro, mas já vi muito Trollers cheios de lama e outros que devem passar longe até de poças)!

      Faltou acrescentar: No entanto, concordo contigo. Independente do cliente usar ou não, o fato dele estar mais apto ao off-road naturalmente deve refletir no preço!

      Abraços

      • Floma08

        Olha, a pessoa que compra um troller para usar na cidade, está cometendo um erro gigantesco. Porque até o ano passado, era 90 mil por um carro extremamente desconfortável (suspensão muito dura), com o interior digno de dó (espartano ao extremo), sem nenhum tipo de conforto, porta malas inexistente, seguro alto, manutenções idem, etc… Logo
        Comprar um troller para usar na cidade e não na terra… É no mínimo… Estranho

        • Concordo contigo, estranho, mas compreensível! E vou além: Essa decisão é do mesmo nível de raciocínio para uma grande parcela de compras de pickups, de sedãs grandes, de crossovers… Mas eu tenho algumas “teorias”. Como o Ubaldir disse, tem a questão do visual. Segundo, a idéia da resistência (Independente disso acontecer ou não na prática).

          • AndreiVieira

            Já vi um Troller aqui na minha cidade com rodas de 19 ou 20 polegadas e perfil baixíssimo!!!

            • Nem vou falar o que penso senão serei banido da internet! hehehe
              Mesmo pensamento para quem faz isso com pickups.

    • A MMC foi obrigada a encerrar a produção da TR4 por ordens da Matriz no Japão. Existe um grande grupo de admiradores (incluo-me) que ficou super chateado com esta decisão. E tem muita gente que utiliza sim a capacidade off-road da TR4, até porque pelo valor que ela custava e a forma espartana como era construída, ela não atraía tanto o publico dos Suv de shopping.

      • Amigo, acho que o certo era não DEVERIA atrair… Porque vejo muitas, muitas mesmo na cidade para o dia a dia… Bem, mas obviamente é só minha opinião porque não tenho dado oficial da porcentagem que é usada em trilha…

      • EJ

        Eu moro em Fortaleza, e como a cidade não representa bem todo o mercado brasileiro por particularidades como grande variedade de praias com acesso difícil, aqui sim vejo bastante pessoas utilizando TR-4 e Troller no sentido “correto”. Inclusive até hoje me assusto com a quantidade destes veículos nas ruas (Acima da média nacional, antes morava em MG) Há uma pequena parcela que usa como SUV também, mas é minoria. Obrigado pela info sobre a matriz ordenar a suspensão da fabricação do produto.

        • Netovski

          Considerando o índice de violência em Fortaleza haja culhões pra desbravar alguma praia da cidade em um carro de mais de 70 mil.

      • Wally

        Se eles vendessem o projeto para a Caoa produzir com a marca própria ele poderia continuar no mercado. E o preço ainda ia subir.. hehe

    • Na verdade, acredito que o consumidor médio desse tipo de veículo não sabe e nem quer saber sobre a capacidade off-road real do carro, já que não vai dar utilização a ela. Como o comprador desse mercado está querendo “visual”, e não tem nenhuma vocação para pegar trilhas, acaba se interessando mesmo é pela aparência e pelo preço.
      No caso do TR-4, tudo bem que tem adjetivos para os praticantes do off-road de verdade. Mas como é um carro caro, que oferece muito pouco em termos de conforto, equipamentos de cabine e em acabamento, acaba ficando caro demais para encarar os “pseudo-aventureiros”, que oferecem custo menor por não possuírem recursos verdadeiros para encarar trilhas, mas que ao mesmo tempo são mais receptivos em suas cabines, com mais equipamentos e apetrechos de conforto, sem falar no visual mais caprichado. Como a maior parte dos consumidores desses veículos jamais vão sair do asfalto, está valendo. É aí que a coisa pode pegar para o Renegade: por certo que as versões mais caras, dotadas de vários recursos off-road, vão cobrar bem caro por isso. De qualquer forma, as versões mais em conta deverão seguir a receita de Ecosport, Cross Fox, HR-V, dentre outros: visual off-road em um carro estritamente urbano. Se vier com preço condizente nas versões de entrada, vai conquistar seu lugar ao sol.

      • Ubaldir, outro ponto que a pessoa busca nos Jeeps são a resistência maior aos desafios de nossas ruas. Na cidade, onde passa um TR4 passa um Celta, mas qual deles estará mais inteiro no fim do dia?

        • Posso até concordar com a tese, meu amigo Alessandro. Só que temos que convir que o TR-4 saía por mais de 80 mil reais com câmbio automático e alguns poucos opcionais, e notadamente tinha custos de manutenção rotineira alta, incluindo nesse aspecto o consumo muito elevado. Você pode até ter que consertar a suspensão do Celta algumas vezes a mais que a do TR-4 ao longo de sua vida útil, mas ainda assim vai ter nível de investimento muito distante para o que se tem no Mitsubishi.
          O mais complicado que acho no TR-4 é que ele tem preço de sedã médio, mas entrega internamente não muita coisa a mais do que se tem nos carros de entrada. Aí, para se poder medir seu real valor, só mesmo sendo adepto do off-road de verdade, o que é muito raro entre os consumidores brasileiros. É aquilo, o TR-4 é um ótimo veículo para trilhas. Mas se você o adquirir para uso estritamente urbano (como grande parte do público que o consumiu), vai ter pago caro demais para ter pouco em troca.

          • Concordo contigo, e iria um pouco além. Não acho ele um ótimo veículo para trilhas. Acho que ele seria no máximo adequado. Recentemente precisei ser guinchado por um. E tive que esperar uma S10 chegar.

            • É aquela coisa, o TR-4 até responde bem quando você o utiliza nas trilhas, mas cobra custo elevado na sua manutenção depois, fazendo crer que, como você disse, ele não seja tão adequado assim ao uso off-road quanto o seu custo de aquisição e visual faz crer.

      • EJ

        Sim, por isso disse que a Fiat precisará suar pra explicar ao consumidor que o Renegade a diesel e 4X4 é mais caro, pois o consumidor padrão não precisará do que o carro tem a oferecer. Aí o risco é o HR-V “papar” as vendas dele, pois é supostamente confortável e bem acabado.

        • KVF

          O Renegade tem muito mais poder de fogo, se comparar com o HR-V. São 3 tipos de cãmbio ( manual de 5, e automática de 6 e 9 marchas, 2 motores, (gasolina e diesel) e 3 tipos de tração : 4×2, 4×4 sem reduzida e 4×4 com reduzida (Trailhawk). Enquanto o HR-V só tem 2 tipos de cambio, 1 tipo de motor, e é somente 4×2. Não dá p/ comparar o leque de opções do Renegade é muito maior.
          É lógico que o HR-V vai vender bem, afinal de contas é um Honda e já se vende sozinho…, mas no meu caso desisti quando vi que a Honda não vai trazer com a opção de 4×4 como é vendida no exterior. Ao contrário do que muitos dizem 4×4 não se usa só em trilha, com pista molhada ( asfalto) é muito útil pois o carro agarra no chão e já me salvou de muitas derrapagens na estrada. O diferencial do motor turbo diesel é imbatível, enquanto o HR-V tem 17,5 kgfm aos 4500 rpm o Renegade diesel tem 35,6 kgfm aos 1750 rpm, com esse torque não dá p/ comparar, são 2 carros completamente diferentes.

          • Mas convenhamos, quando a Honda produziu seus primeiros carros no Brasil ( idos do ano 1999 ) ninguém queria a marca. A Honda fez sua fama, assim como a Toyota. Me pergunto porque a Citroen, Peugeot e outras ( que praticamente chegaram na mesma época ) não conseguiram engradecer suas marcas ? E vou mais longe, se a Jeep seguir a politica da Honda e Toyota como no inicio quando elas chegaram aqui, a Jeep fara secesso daqui a 10 anos, fidelizando seus clientes, como Honda e Toyota fizeram. Ou será que a Jeep vai virar uma marca qualquer daqui a 10 anos ? Muitos criticam, mas muitas marcas chegaram ao Brasil no final dos anos 90, porém poucas conseguiram enraizar sua marca. Por que será? Sorte é que não é…..

      • Netovski

        Acredito que o que realmente encanta é a posição elevada de dirigir somada ao argumento do carro por metro e a crença de que esses carros tem suspensão mais adaptada à buraqueira do Brasil.

        • Concordo que a crença é esta mesma. Eu já curto é carro com o banco “colado” no assoalho e com o comportamento dinâmico exemplar. Esse negócio de dirigir parecendo que está sentado no “trono” não é pra mim, kkkkk.
          Quanto à suspensão, é aquela coisa: até ajuda a evitar raspadas do assoalho em obstáculos de maior altura, mas ainda não vi um dos representantes desse mercado que ofereça algo realmente mais robusto. Em termos de resistência, ela é a mesma do que temos nos modelos “não aventureiros”. Só conta mesmo com aqueles 5 centímetros a mais no curso das molas.

    • Junoba

      Isso mostra que o consumidor não interessa com oque o carro possui. Uma grande parte só quer saber se a parcela vai caber no bolso…

  • O carro parece muito bacana, essa é uma constatação primária.
    Os problemas que vejo:
    – todas as montadoras pesam demais a mão nos preços dos modelos que se encaixam no que se convencionou chamar de SUV. A margem de lucro cresce demais nesse mercado em que o consumidor se condiciona a pagar bem mais pelo… hum… digamos “status” que esse tipo de carro tem no Brasil (e em outros mercados também, convenhamos) atualmente;
    – o carro tem muitos recursos off-road (ao menos nas versões mais equipadas), tornando-o apto a trafegar em trilhas de verdade, ao contrário da maioria de seus oponentes no mercado. Entretanto, mais de 90% dos adquirentes do modelo jamais vão dar utilização a seus recursos, ampliando a percepção de baixo “custo x benefício” que o consumidor terá ao adquirir esse veículo, já que o comprador vai levar um bocado de equipamentos que custam caro (muito caro) para jamais dar utilização aos mesmos.
    Tirando isso, se há quem pague, que se cobre então, ora bolas. É a lei de mercado pura e simples. Não há nada mais alvissareiro para uma empresa privada que poder aplicar farta margem de lucro sem prejudicar a expectativa de vendas de um produto.

    • Rodrigo

      Por que andar de SUV geraria, humm… “status”?
      Eu acredito mais na hipótese de que quem compra Ranger, L200, S10, Frontier, e nunca pôs uma mochila na caçamba para não riscar é quem realemnte vai atrás de “status”! E olha que tem gente pra caramba, muita mesmo, que faz isso!
      O SUV tem um desenho mais bonito, mais interessante, só isso!
      Aí as montadoras deitam e rolam, cobrando o que querem! Em todos os segmentos!
      Vai dizer que pagar R$ 130 mil em uma Ranger Diesel que nem tinha opção de bluetooth é razoável?

      • Bom, o porquê de gerar o dito “status” eu não sei, mas é o que rola no mercado hoje.
        Eu, particularmente, não sou afeito nem aos SUV’s (de qualquer tamanho), nem às pick-ups (a não ser para uso apropriado, que é para o trabalho ou para ir para a fazenda).
        Em minha opinião nem o desenho dos ditos SUV’s são interessantes. Não troco um bom hatch médio ou um sedã médio por SUV nenhum.
        E pick-up… ainda estou para entender você andar em um “trambolho” dentro da cidade, que é complicado de estacionar, tem comportamento dinâmico aquém de qualquer bom sedã ou hatch médio, tem conforto interno muito relativo, acabamento normalmente tosco e com materiais comparáveis aos de vários carros de entrada, extremamente visado pelos amigos do alheio, tem custo de seguro nas alturas, manutenção cara…
        Mas que é uma verdade inegável do mercado que o pescoço de boa parte dos consumidores vira para ver um desses pseudo-aventureiros passar e está disposto até a pagar mais por eles, isso é. Foi isso que eu nomeei (não sei se apropriadamente, não consegui pensar em outra palavra) como “status”.

        • Talvez a preferência por SUV seja a segurança em caso de colisão. Via de regra, carros maiores são mais seguros que carros pequenos, médios ( salvo exceção ).

          • No caso dos SUV’s pequenos como o Renegade, essa “maior segurança” não existe.

  • Diggo

    O jipeiro mesmo não entra igual menina nas subidas assim.

    • dallebu

      Mas a intenção do test drive não era essa, mas apenas mostrar o funcionamento do Hill Descent…

      • Exatamente. Estávamos testando as opções eletrônicas embarcadas no veículo. Não estávamos fazendo trilha.

  • Pedro Paulo ()

    HCL = Hill Lauch Control = Assistente/Controle de Partida em Rampa/Colina/Aclive…
    OU
    HCL = Ácido Clorídrico…

    HDC = Hill Descent Control = Controle de Descida em Declives..

    • pedroo

      Hill Launch Control eh HLC e nao HCL

      • Pedro Paulo ()

        tá ok.

  • Wally

    Quando o carro volta na rampa, não foi refugo, nem medo do condutor. Assistindo ao segundo video dá pra entender. Era uma demonstração dos controles HSA (Hill-start assist, que segura o freio por um tempo, tem até no fiat 500 isso) e de descida(HDC hill descent control, que fica presssionando o freio automaticamente para descer devagar).

  • Gustavo73

    Semana passada fui para Diamantina. E vi uns 10 Renegade rodando na BR-040 ainda camuflados. A FCA deve investir muito nesse bichinho. Vamos ver os valores e equipamentos…

    • Junoba

      Você quer dizer preço neh… Porque, como muitos dizem aqui no N.A, valor é diferente de preço. Isso muda tudo.

  • daniel germano

    Nossa o carrinho vai fazer um sucesso de vendas pelo jeito, se tivesse dinheiro iria garantir um renegade a gasolina sem duvidas!!.

  • Nícolas Souza Gomes

    Marcello Sant’Anna quando testava supercarros no Auto+ costumava dizer: “belo brinquedo”. Eu gostaria de ter um brinquedo como o Renegade pra curtir umas trilhas, saindo bem da rotina.

  • Luis LC

    Chassi ou monobloco?

  • CharlesAle

    KKK-Esse carro não vai ser uma “revolução”como diz o começo do vídeo, até porquê é um Chrysler e não será barato.Mas o carro trás inovações interessantes, mas não creio que incomodará Eco e Duster, devido ao preço mais alto…

  • matheus

    comprava sem pensar 2x a versão sport! carro é belissimo em todos os aspectos. vai vender igual agua..

  • 1945_DE

    Achei estranho. O instrutor pediu para parar o carro para tirar da reduzida logo após a subida da rampa. Neste carro não dá para selecionar os modos de tração com o carro em movimento? Ou ele não desativa a reduzida após uma determinada velocidade? Estranho.

    • Luis LC

      O bloqueio de diferencial talvez mas a reduzida é outra caixa então só com o carro parado em neutro

  • LeandroBalmant

    Vai tirar boa parte das vendas do Ecosport. A única coisa que vejo de negativo é a quantidade de concessionárias no país, que vai impedir um pouco o “sucesso” que poderia fazer.

  • Heitor Borba

    um grande auditório…. com um locutor … alguns participantes dos quais…. ecoSport toda sorridente, Duster do lado com cara de ixi tá com nada… a treko mais ao lado olhando com desdém… lifan olhando com olhos quase fechados de raiva…e o locutor diz.. e o oscar vai para.. silêncio… tensão… uns instantes… para o jeep!… renegade!, o mesmo sai de traz da cortina logo atrás de todos… todo serio… porém confiante… para receber o premio… hahahaha e todos ficam se saber o que dizer…. ma ma ma ma … mas…. pois é… off-road.. tem que ser de verdade!

  • Guest

    Gostei demais. Os vídeos são meus. Abraços.

  • Gostei de ver meus vídeos por aqui.

  • Quando filmei o primeiro vídeo, eu estava dentro de um ECAsport. A Jeep nos deu a oportunidade de comparar. Daí vou falar pra vocês: Deu dó dos concorrentes. ECAsport e Duster não chegam aos pés do Renegade.



Send this to friend