India Mercado Sedãs Volkswagen

Volkswagen Ameo saiu de cena no mercado indiano e não terá sucessor

Volkswagen Ameo saiu de cena no mercado indiano e não terá sucessor

O Volkswagen Ameo foi uma adaptação da montadora alemã para se enquadrar no segmento de carros compactos com menos de 4 metros no mercado indiano.


O pequeno sedã era derivado do Polo Sedan russo, mas com o porta-malas cortado para poder medir menos de que o limite estabelecido por governo indiano, que dá ótimo incentivo fiscal para a categoria (variando de 1% a 3% de imposto).

Com cara do Polo da geração anterior, não vendido no Brasil, o Ameo foi lançado em 2016 na Auto Expo, de Nova Déli. O produto logo chegou aos consumidores, mas as vendas não empolgaram.

Sem um sedã realmente projetado para atuar nesse segmento, o VW Ameo seguiu os passos malfadados do Renault Logan indiano, que era igualmente encurtado e desequilibrado.

O rival da Renault passou para a Mahindra, igualmente sem sucesso. Na Volkswagen, mesmo que a escolha fosse pelo brasileiro Voyage, a marca teria que corta-lo como fez com o Polo Sedan.

Em 2019, o Ameo alcançou a marca de 50 mil carros vendidos na Índia, um volume bastante baixo para sua proposta. Para termos uma ideia, somente no ano passado, o Honda Amaze e o Maruti Dzire, venderam mais de 67 mil unidades cada um.

Assim, com queda nas vendas recentemente, a Volkswagen decidiu por cortar o Ameo, que sai de cena sem sucessor. Os planos da VW-Skoda não projetam um sedã compacto por agora, sendo que a aposta reside mesmo em hatch e crossover abaixo de 4 metros.

Isso não impede o desenvolvimento de um sedã menor, mas o projeto seria igualmente bem localizado. Diferente de hatch, crossover ou mesmo minivan, modelo de três volumes nesse porte exige um um desenvolvimento mais aprimorado por causa do tamanho e projeção do porta-malas.

Na VW, o último sedã pequeno que poderia entrar nessa categoria sem alterações de projeto foi o Derby, versão três volumes do Polo I, feito nos anos 70 e 80, que media 3,866 m de comprimento. Era menor que o Voyage (4,06 m).

[Fonte: IAB]

 

 

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Diego Honorato

    Foi um tiro muito errado. Era caro no mercado indiano, e oferecia menos conteudo que os concorrentes, além da propria marca VW ser um tanto enfraquecida na India. Nem tanto o design dele, até porque o Figo Sedan nada mais é que o Ka sedan nosso encurtado, bem estranho e vende bem mais que AMEO

  • Coronel John Matrix

    Interessante esse “Gol Sedan”.

  • Henrique12

    VW é tudo igual.

  • vicegag

    A VW quer que o indiano “AME O”, mas o indiano não “AMA”.
    Acho muito trabalho para detonar um carro, para receber de 1 a 3 por cento de benefício.

  • Alaor

    Design não foi o problema do Ameo. Todo sedan indiano de 4m é horroroso, só ver fotos dos concorrentes. A questão principal aqui, como quase todo VW que flopa mundo afora, é o preço acima da média e falta de equipamentos que os concorrentes já ofereciam.

    • Discordo. O antigo Hyundai Xcent era um belo micro sedan, assim como o Hyundai Aura tem um design ousado, porém legal.

      • Alaor

        Pra mim, chamar qualquer uma dessas aberrações de belo é forçar a barra. O Xcent é talvez o melhor que dê pra fazer pra encaixar um sedan em 4 m de comprimento, mas continua desproporcional ao extremo. Pegaram um i10 e enxertaram um mini porta-malas, isso é extremamente contra-producente do ponto de vista visual.

      • th!nk.t4nk

        Caramba acho o Xcent horroroso. A frente é curtíssima e o resto parece achatado no Photoshop. Carro desse tamanho jamais deveria ser sedã. Se a ideia é aproveitar o espaço, dá pra fazer uma peruinha ou minivan bem mais decente.

  • Marco

    Afinal, Ameo o Dexeo.

  • Spyjet

    Bichinho feio! Parece um Voyage abalroado! Kkkkkkk

  • Não achei que vendeu mal, não. 50 mil por ano não fica tão distante dos 67 mil do Amaze ou do Dzire.

    • Verdades sobre o mercado

      Pelo que entendi foram 50 mil desde que foi lançado em 2016, ou seja, cerca de 15 mil por ano (a depender do mÊs que começou a ser vendido em 2016).

  • G. de F.

    Cá entre nós, os indianos não perderam muita coisa, e nem vai deixar saudades o “falecido” modelo… Uma novidade pra mim é essa “opção” do mercado indiano em “precificar” para efeito de imposto, a “metragem” do veículo.

    • Natán Barreto

      Isso é assim há anos lá. Tem diversos modelos adaptados só pro mercado Indiano de tri de 4 metros como Ka Sedan, Suzuki Swift, Hyundai Accent e por aí vai

  • Natán Barreto

    A VW faz uma confusão com esses nomes.
    O sedã do Polo muda de nome a cada geração. Já foi Derby, Polo Classic, virou Polo Sedan, após 2010 foi batizada de Vento (que na Argentina era o Jetta) e agora essa versão curte Ameo.

    O próprio Jetta já foi Bora, Vento, Sagitar e a gente nem consegue acompanhar direito

    • Cromo

      Fora a confusão dos nomes de seus SUVs, muito parecidos um com o outro, confunde pacas.

  • Mayck Colares

    Nessa categoria de semana compactos abaixo de 4m não tem nenhum com desenho harmônico.

    • Verdades sobre o mercado

      Talvez se fosse um cupê 5 portas ficasse mais harmônico.

      • Mayck Colares

        Sim, uma ótima ideia! Parece que justamente o que dá errado no design desses carros é a tentativa de criar um terceiro volume claro.

  • Luccas Villela

    Os feito para ser pequenos costumam ter design melhor. O Ka sedã já é feio aqui de traseira, lá é pior, esse da VW não achei de todo mal não.

  • Vendo as imagens da traseira do Ameo no Goolge eu me pergunto se não era bem melhor ter apenas espichado o Polo hatch… eita coisinha mal resolvida…

  • Parece um Sedan anão!!!!!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email