Argentina Salões do Automóvel SUVs Volkswagen

Volkswagen descarta T-Roc no Brasil e estuda alternativa

 

Volkswagen-T-Roc-oficial-28 Volkswagen descarta T-Roc no Brasil e estuda alternativa



Em nota, a Volkswagen não confirma a produção do SUV Tharu, conforme publicado, mas estuda alternativas neste segmento de mercado para o Brasil.

Conforme indicado anteriormente em matéria que citamos do site Auto Papo no dia 5 de agosto, a Volkswagen confirmou a produção de um novo utilitário esportivo para o mercado brasileiro, a ser feito em General Pacheco, Argentina. O SUV terá porte compacto, mas com tamanho maior que o recém-lançado T-Roc, que será focado nos mercados consolidados.

De acordo com David Powels, presidente da Volkswagen para Brasil e América do Sul, o nome Tharu – já registrado no INPI – é referente ao projeto internamente e não ao produto em si. O novo utilitário esportivo ficará entre T-Cross, que deverá ser feito em São José dos Pinhais-PR e o Tiguan 2018 (Allspace), importado do México.

Skoda-Karoq-2018-2 Volkswagen descarta T-Roc no Brasil e estuda alternativa

Powels não confirmou a participação da Skoda no desenvolvimento do Tharu, mas também não desmentiu. Sabe-se que o novo SUV seria baseado no recém-lançado Karoq, que utiliza plataforma MQB padrão, a mesma usada pelo Golf e apresenta mior espaço interno, tendo 2,63 m de entre eixos – portanto, bem superior aos 2,56 m do T-Cross – e 4,38 m de comprimento total. Além disso, comenta-se que o projeto será compartilhado com a China, onde a VW tem deficiência em oferta de SUV e onde o tcheco deve ser feito também.

Skoda-Karoq-2018-5 Volkswagen descarta T-Roc no Brasil e estuda alternativa

Com isso, podemos esperar pelo Tharu ou qualquer outra designação do novo SUV por volta de 2021. Mas bem antes, o velho Tiguan sai de cena, ficando apenas T-Cross e o Tiguan mexicano, aparentado com o Kodiaq (à esquerda na foto abaixo). Outro ponto interessante é que a produção do modelo na Argentina pode empurrar a fabricação da nova picape MQB-A0 para uma das plantas brasileiras, visto que o projeto para Pacheco sempre envolveu um único produto, que agora sabemos ser um SUV. Assim, restam apenas Anchieta e Paraná como pólos de fabricação para este produto, que deve concorrer com a Fiat Toro e outras rivais que estão em gestação nesse momento.

karoq-kodiaq-2-1 Volkswagen descarta T-Roc no Brasil e estuda alternativa

Mas como será o Tharu para o mercado brasileiro? Seu porte – ou melhor, do Skoda Karoq – o coloca acima de HR-V e Kicks, por exemplo. São quase 4,40 m de comprimento, isso se de fato não alcançar essa marca. O motivo é claro, deter o Jeep Compass, que já chegou a ser líder de vendas entre os utilitários esportivos e se tornou um sucesso, desbancando até mesmo o crossover da Honda, até então o preferido na categoria. No entanto, não devemos esperar por um 2.0 TDI vistoso, mas por um 1.4 TSI (ou 1.5 TSI até lá…) com bons 150 cv e 25,5 kgfm, a fim de sobrepujar o Tigershark 2.0 Flex.

[Fonte: Auto Papo]

  • Nossa, esse tal Tharu talvez chegue lá para 2021???
    A VW não cansa de ser tão lerda, daqui a até lá o Compass já foi melhorado, a Hyundai talvez até já tenha o New Tucson competitivo por aqui.
    Fora isso vai fazer outra besteira. Ao invés de algo de porte semelhante a Toro, vai de encontro a Oroch, enfim, o projeto já nasce para ser coadjuvante.

    • Olha, até a VW soltar um produto para aproveitar a onda dos SUV’s, capaz de ela já ter passado… rs.

      • Tem grande risco mesmo, é uma lambaça gigante com o portfólio no Brasil

      • Juliano Ross

        Torram milhões de dólares pra arriscarrem no new POLO que além de disputar um segmento estagnado e com previsão de baixa tem grandes chances de não dar retorno (especialmente se se confirmarem os preços especulados) e adiam um urgente SUV deixando de aproveitar um segmento que está em franca espanção (no momento) e jogam pro futuro (incerto) onde não se sabe seque se o segmento estará em alta… Por essas e tantas outras decisões equivocadas (de uma empresa que parece que está alienada do mercado local) que a DAS AUTO está onde está no Brasil… Por favor: DEMITAM OS ESTAGIÁRIOS…

        • Pois é. Nas últimas duas décadas foram erros estratégicos em série. O único verdadeiro acerto talvez tenha sido o Cross Fox, produto de enorme sucesso durante anos. Até por isso fica difícil entender como a VW não enxergou o nicho dos SUV’s antes que as outra, ou ao menos junto com a Ford.
          Tenho impressão que houve grande soberba por parte dos alemães, acreditando que a marca sempre se venderia por inércia do mercado, por uma fama até meio injustificada adquirida em tempos passados.

          • Guedes

            Começo do fim da VW foi insistir no Gol e relegar o Golf ao ostracismo com o Golf mk4.5. Quando trouxeram o Golf MK7, o mercado de hatches médios já estava moribundo.

      • cepereira2006

        Ao menos até lá eles talvez já tenham notado que o preço do Golf está inadequado ao mercado e talvez tragam este à realidade.

        • Angelo Lucca

          Que nada… Vão tirar o Golf de linha e deixar o Polo no lugar… Assim como fizeram quando tiraram o Polo em 2014 e “promoveram” o Fox ao seu lugar…

    • th!nk.t4nk

      O mercado automotivo brasileiro é muito pequeno. Eu sei que dói ler isso, mas nao vale a pena investir tanto assim.

      • Guedes

        Está entre os 10 maiores do mundo. é o 9° pra ser exato.
        Já chegou a ser o 4°. Não é pequeno.

        • Mas salvo exceções como os SUVinhos, Corolla, Toro, S10 e Hilux… o grosso das vendas são modelos locais ou modelos de baixo custo para emergentes. Aí fica complicado investir alto para veículos de alto valor agregado. O investimento da VW para fazer o Golf aqui, acho que só se pagará por montar também modelos Audi, senão talvez desse prejuízo.
          Ai vem a VW com Polo e Virtus.
          Polo se vier bem posicionado talvez vendas seus 3, 4 mil/mês, mas chuto menos. O Virtus, esse acho boa proposta, mas deve sofrer com o Toyota Vios, então imagino menos de 2 mil por mês.
          Eu acho que um SUVinho bem lançado e posicionado poderia vender o mesmo que esses dois carros juntos.

          • Guedes

            Pequeno no sentido de ser limitado à venda de modelos específicos, beleza.
            Mas dizer que o 9° mercado do mundo é simplesmente”pequeno”, é uma inverdade.
            Esse T ROC viria pro segmento que mais bomba. Não é possível que seria tão mais caro assim que os HRV e Compass da vida.
            Faltam c*lhões à VW.
            Como podem tomar tantas decisões erradas assim?!

            • Pois é, mas é um SUVinho do Golf, lá fora os SUVinhos tem preço parecido ou pouco acima do modelo do qual deriva, mas aqui metem a faca.
              Sendo a VW como é, não duvidaria que se trouxesse o TRoc, seria com porte de HRV e preço de Compass longitude diesel.
              Daí pegar o modelo theco, para ter tamanho próximo ao do Compass e preço similares, mas como talvez chegue aqui em 4 anos, as coisas podem estar bem diferentes.
              Similar ao que houve com o Taigun, que enrolaram tanto e acabaram desistindo.

            • freedun

              Veja o preço em Euros do T-Roc nos sites da VW Europa. É caríssimo.

              VW está desenvolvendo um modelo específico p/ mercados emergentes.

        • th!nk.t4nk

          É pequeno sim, Guedes. Esqueça essa lista dos top 10, nao é assim que funciona. As montadoras não têm essa visão por país, e sim por blocos comerciais. Carros fabricados no Brasil nao têm benefício significativo pra serem vendidos em outros mercados, enquanto um país de mercado teoricamente pequeno (como a Bélgica) pode se beneficiar de modelos fabricados em todo o resto da UE (e pra exportar pra estes). É essa a conta que interessa, e nela o Brasil está na lanterna. Como eu gostaria que os brasileiros conseguissem entender isso, mas parece impossível.

          • Guedes

            Entendo, mas pra mim não faz tanto sentido essa sua matemática.

            Mesmo o Brasil fabricando carros que podem ser exportados para poucos outros países, continua, em número absoluto, sendo o 9° mercado do mundo, ué.

            Se somos 200 países, o Brasil é o 9° consumidor, não somos “pequenos.”

            • Marcel Zago

              Volume é diferente de valor agregado.

              • Guedes

                Ninguém falou de valor agreado aqui. Estamos discutindo se o mercado é “pequeno”. Não é.

                E indo para “valor agregado”, é sabidamente notório que as margens( inclui valor agregado?) no Brasil são das mais altas praticadas pela indústria de automóveis no mundo.

                • freedun

                  As margens brutas são altas porque o custo operacional é extremamente elevado. A maioria das empresas está empilhando dívida no cenário econômico atual.

          • Acho que a crítica maior é o erro de estratégia na vdd, a Fiat por ex. investiu na Jeep e conquistou o mercado, esta bombando nos Suvs. A VW, ao invés de responder a altura, vai trazer de imediato o Polo pra um segmento natimorto, ainda que com vendas razoáveis, e nada de Suvs, mesmo estando lançando la fora. Então não é questão de tamanho do mercado, e sim estrategia acertada mesmo.

      • Marcel Zago

        Parabéns! Curto, claro e objetivo. Acho que o melhor comentário e análise breve que li nesse “poço de sabedoria” que é a área de comentários do blog. Resume tudo e poucos veem e reconhecem.

      • duhehe

        O mercado não é pequeno a ponto de ser ignorado e também não é grande e diverso para compensar fazer de tudo.
        Alguns produtos caem na graça do consumidor e vendem muito, outros patinam durante a vida do produto toda.
        Para piorar tudo isso, temos o mercado muito fechado para importação, gastar milhões para montar aqui e não valer a pena ( Golf) ou ignorar a ver os concorrentes que correram o risco nadar de braçada ( Suvs pequenos).
        Se o mercado fosse aberto, teríamos no segmento de entrada mesmo que importado todas as opções, como ocorre no mercado premium.

  • Tochio

    Se colocar duas tartaruga pra VW tomar conta, uma escapa, e a outra machuca !!..

    • Louis

      kkkkkkkk

    • Vinicius

      Ou engravida!

  • V12 for life

    VW e GM estão competindo pra ver quem é mais lerda.

    • Diogo Augusto

      Essas duas estão mais lerdas que Ecosport 1.0 subindo a ladeira

    • Pois é. Mas a GM, com toda a lerdeza dela, vem chegando na liderança de mercado.

      • Matthew

        Isso não quer dizer muita coisa. Mais da metade do que ela vende no Brasil eh de Onix e Prisma, que são carros medíocres, embora comercialmente bem acertados. Tanto que a receita foi seguida por toda a concorrência. A Fiat que sempre ousou em seus modelos, fez um feijão com arroz no Argo. Punto, Palio tinham diferenciais muito maiores à época de seus respectivos lançamentos.

        • Gu92

          É capaz da GM requentar o motor F1 pela décima vez e não lançar a tão esperada nova familia de motores aqui no Brasil, mesmo com esse anuncio de investimento na fábrica de motores de joinville!!

        • Hummmm. Não consigo me lembrar de um grande diferencial do Palio em relação à concorrência na época. Talvez um visual um pouco inovador, mas com conjunto mecânico que deu sequência direta à linha do Uno.
          A Fiat acertou no lançamento de produtos em lacunas do mercado que ninguém via, como a Strada cabine estendida, cabine dupla, com três portas, o motor 1000, as séries Adventure quando não tínhamos ainda os SUV’s disponíveis, mas nunca foi uma marca de apostar em soluções tecnológicas de ponta para ganhar mercado. Foi até muito conservadora nesse aspecto ao longo de “seu reinado”.
          A GM anda seguindo os mesmos passos, sem “ousar” muito, mantendo conjuntos mecânicos bem conservadores (pra não dizer que são tecnologicamente defasados) e com facilidade de manutenção na rede paralela. Me parece ser ainda este o “X” da questão no nosso mercado: trazer mudanças visuais sem ousar muito na utilização de tecnologias mais avançadas. Ao menos no que diz respeito ao mercado de alto volume (modelos de entrada), me parece ser essa a tônica.
          O caso da VW é um claro “dormiu no ponto”. E dormiu muitas vezes. A marca germânica anda muito lenta em seguir as tendências de mercado. Exemplos: 1-Tirou o Voyage de linha quando todas as outras marcas viram que os sedãs compactos tinham grande penetração em nosso mercado (mercado com ênfase em modelos de baixo custo mas com grandes distâncias a serem vencidas pela dimensão do país); 2-insistiu em peruas quando o mercado resolveu que não as queria; 3-simplesmente deu as costas para a onda dos SUV’s, sendo que tinha dados mais que suficientes para captar essa mensagem do mercado quando lançou o Cross Fox com enorme sucesso; 4-manteve o Gol praticamente inalterado na última década, a despeito da clara renovação em massa da concorrência; 5-manteve o Golf inalterado por mais de uma década quando o mercado de hatches médios estava em efervescência e trouxe o novo quando esta categoria já estava em franco declínio; 6-demorou para buscar colocação no mercado de sedãs médios com um modelo competitivo, e por aí vai. Difícil uma marca se manter no topo com tantos erros estratégicos nas últimas duas décadas.

          • Verdades sobre o mercado

            Itens 1, 2, 3 e 5 perfeito. O 4 é mais ou menos isso, deveria ter colocado o interior do ultimo facelift já no facelift anterior (G6) e colocar o TSI no ultimo facelift, certamente estaria vendendo melhor. Item 6, a VW tem o Jetta que é um ótimo sedan mas demorou para colocar o 1.4 TSI no lugar do 2.0 aspirado que era uma lastima, e a prova disso é que nos últimos meses o Jetta esta vendendo bem(considerando seu histórico de vendas) mesmo sendo um modelo com 6 anos de mercado, ou seja, sem o frescor de novidade.

            • Problema que me referi na questão do Jetta é que ele só entrou no mercado de forma competitiva em 2011. Antes disso a VW chafurdou no segmento com o quase eterno Santana (que perdeu competitividade em meados da década de 90) e com o fracassado Bora, além do (ótimo) Jetta de quinta geração, que acabou tentando a sorte no segmento de sedãs grandes, apesar de ser claramente um sedã médio.
              Bem, o segmento de médios tem grande importância no mercado desde a década de 80, com o Monza chegando a liderar o mercado por 2 ou 3 anos. Depois tivemos Vectra, Civic e Corolla. Mas a VW insistiu no Santana até ficar impossível sustentá-lo em linha e depois apostou em importações de modelos que nunca tiveram representatividade significativa no mercado.
              Hoje até que o Jetta representa bem a marca no segmento de médios, mas paga o preço de 20 anos de “ausência” da fabricante no mercado, o que torna muito difícil a missão de conquistar consumidores de clientes já cooptados por outras marcas.

          • Matthew

            Me referia à alguns acessórios presentes sobretudo no Punto, como teto solar maior que o convencional e coluna de direção regulável em altura e profundidade, itens ausentes no Argo. A versão HGT é bem menos espalhafatosa para os padrões de esportivo da marca.
            Edit: agora que eu vi no site da marca que as versões mais caras do Argo têm direção regulável em profundidade também. Mas de qualquer forma percebe-se que é um projeto mais racional, até pela paleta de cores disponíveis.

            • Punto foi realmente um produto diferenciado em seu lançamento, principalmente em questão de design.

        • Jad Bal Ja

          Mercados medíocres terão carros medíocres.

    • th!nk.t4nk

      Elas sao rápidas nos mercados onde vendem muito. No Brasil só vale a pena produzir carros mais baratos, e montar em CKD os mais caros. É uma escolha estratégica, e faz sentido. Há mercados muito mais interessados pra se investir.

    • thi

      VW WINS!

  • Alunak Oliva

    Em outras palavras vão trazer qualquer lixo para o Brasil

  • RSRX

    Cadê o Escape, Ford?

    • Acho que o Escape chegaria a preço de Tiguan e teriam vendas medíocres, aí a marca prefere pular logo para o Edge.

      • oloko

        Pulinho ein? Da ecosport pra edge…

        • KKKKKKKK, verdade. Ainda tinha na cabeça que o Edge custava uns 180 mil.
          Mas continuo achando que o Escape por 130-150 mil não venderia bem.

          • th!nk.t4nk

            O Escape tem seus problemas (muita tecnologia, mas péssima implementaçao), porém por 100-120 mil seria um carro até honesto, desde que bem equipado. É grande, um pouco duro, mas tem bons motores e uma bela lista de itens de série já no modelo intermediário. Sempre imaginei esse carro fazendo sucesso no Brasil. A Ford a meu ver deu sim bola fora em nao levá-lo pro país.

            • Rodrigo

              Difícil de entender mesmo.
              Quando estive na Argentina no ano passado vi muitos Escape em Buenos Aires, e olha que Ford lá, tirando as picape, vende menos que Peugeot.
              Edit: citei Escape mas na verdade era Kuga (que é praticamente o Escape europeu).

            • Eu prefiriria o Kuga, não sei se hoje são o mesmo carro no mundo.

  • JCosta

    É que no Brasil, pra ficar no mesmo preço dos rivais, a margem de lucro seria só 30%… [ironic mode on]

  • Alternativa para o T-Roc no Brasil: elevar a suspensão do Polo e aumentar seu preço em 15 mil reais. Done!

    • Debraido

      Aqui teremos o T-Cross. Que é mais ou menos isso o que você falou.

    • Coloca um farol maior, tipo Gol Track, umas molduras nas rodas tipo Gol Track, uma lanterninha traseira com umas “fitas isolantes” tipo Up! 2018 e “voila”! Temos um W-RV da VW… kkkk.

  • Ueldes Damasceno

    ” a alternativa” deve ser algo com um Gol Rally hahahah

    • sigma7777777

      Polo rally para cobrar R$ 100 mil logo e levar os fanboys à loucura.

  • Ericson Lorenzetti Düsmann

    O Volks com Design mais legal, não vem. Aff…

    • Bruno Alessandri

      Provavelmente o T-Cross vai ser muito semelhante ao T-Roc, apenas um pouco menor.

  • Fábio Henrique

    Faz sentido pq ia ficar mto coisa e no caso do t-roc e t-cross os portes mto parecidos.

  • zekinha71

    Vão pegar um Gol, meter uns tamancos pra ficar bem alto, esticar o bicho, tacar farol gigante a lá Saveiro, colocar fita isolante nas lanternas a lá up!, enfiar bastante plástico nas laterais a lá Adventure. e eis o SUV da VW pro 5º mundo.
    E vão chamar essa plataforma mais remendada que Elza Soares de MQB (mais que bost@).

  • Fabão Rocky

    Deve ter descartado pq se viesse, viria custando o mesmo q um Audi Q3.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    Talvez farão um redesenho pesado CrossFox

  • Vanderley Almeida

    Pra nos só porcaria de terceiro mundo msm! Essa VW tem mais é que sumir daqui com esses carros sem graça.

  • afonso200

    era pra ter lançado o Taigun em 2013, e ainda nao o fez por aqui, e todas marcas ja tem seus SUV menores

    • zekinha71

      E ia estar vendendo muito, eu mesmo quando vi pessoalmente o bichinho foi paixão, ia estar com um, mas a dona VW não deixou.

  • RPM

    Muitos consumidores também já descartaram a VW aqui no Brasil……

  • Elfo Safadão.

    Alternativa?
    Pra quê?
    Já temos o CrossFox…

  • Ricardo Blume

    Que confusão e o pior, típico da VW. Enquanto isso ela vai perdendo mercado ano após ano.

  • zeh

    ..vamos ter fazer um curso pra entender a VW?…kkkk…vai ver ,eles acham que o Gol cross supre o mercado….kk

  • Danillo Santos

    Só eu que achei esse texto super confuso?

  • A VW vai esperar o mercado ser invadido por Suvs chineses ano que vem, pra depois decidir como e quando lança o seu kkk depois que os chineses fizerem fama como baratos e robustos, sera que a VW vai conseguir emplacar algum por um preço razoavel?

  • Vattt

    kkkkkkkkkkkk, Brasil tá um lixo emsmo. Nenhuma evolução. A VW vai criar um pseudo aventureiro com o Polo e cobrar 100 mil!!!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend