Elétricos Europa Hatches Salões do Automóvel Volkswagen

Volkswagen e-Up surge com 260 km de autonomia e preço de R$ 100 mil

Volkswagen e-Up surge com 260 km de autonomia e preço de R$ 100 mil

Se ele fosse vendido aqui pelo mesmo preço que sai na Alemanha, até poderíamos imaginar que se seria uma boa estratégia de marketing, afinal, o preço de R$ 99.990 (R$ 99.986 mais exatamente em conversão direta) seria um chamariz enorme para um carro 100% elétrico.


Na Alemanha, o Volkswagen e-Up 2020 ressurge como alterações e preço menor: € 21.975. Com esse preço, que equivale ao descrito acima em reais, é a oferta da marca em seu mercado doméstico, onde os interessados poderão fazer um esquema de leasing por € 159,00 ao mês.

Volkswagen e-Up surge com 260 km de autonomia e preço de R$ 100 mil

Com o mercado de subcompactos submergindo diante da aproximação da nova norma de emissão da União Europeia, que derrubará a média por frota de fabricante para 95 g/km de CO2, a única saída para produtos como o up! é a eletrificação e, nesse caso, plena, pois os custos de um conjunto híbrido ainda são mais altos e ineficazes nessa categoria.


Embora ainda seja vendido nas versões movidas por gasolina, a tendência é que o e-Up seja a única opção daqui a dois anos. Para atrair o interesse do público, a Volkswagen trocou as baterias de lítio de 18,7 kWh por novas de 32,3 kWh, as mesmas oferecidas no futuro pacote de eletrificação de clássicos como Fusca e Kombi.

Volkswagen e-Up surge com 260 km de autonomia e preço de R$ 100 mil

Com isso, a autonomia de e-Up subiu para 260 km no ciclo da vida real, o WLTP. O motor elétrico permanece em 83 cavalos e permite que o subcompacto alemão alcance 130 km/h limitados, indo de 0 a 100 km/h em 11,9 segundos. O tempo de recarga é de uma hora em carregador de 40 kW.

O foco da VW é oferecer o e-Up para empresas, motoristas de aplicativos e particulares, que precisam ou desejam ter um carro com emissão zero para evitar o pagamento de pedágios urbanos para carros à combustão ou ficar livres de restrições de circulação nos centros urbanos. Na Alemanha, isso já é uma realidade em algumas cidades e deve ser ampliado.

Volkswagen e-Up surge com 260 km de autonomia e preço de R$ 100 mil
Nota média 4.4 de 11 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • FFSB

    Se tivéssemos uma política nacional de subsídio a carros elétricos, talvez veículos como este começassem, aos poucos, a povoar – e mudar – a nossa paisagem urbana. Um e-Up por até R$ 60k, com incentivos no IPVA, isenção de rodízio de rodagem, seguro mais barato etc, seria muito legal.

    • Jhon

      Pra chegar em 60k só com subsídio mesmo, mas seria um subsídio muito grande. Acho que não é uma coisa que o governo deveria estar colocando dinheiro, muito menos uma quantia tão grande.

      • Chico AMX

        pois é…e vamos enfiar o petroleo no c…, a galera não entende que o Estado é inchado demais, que a carga tributária é alta para financiar esta máquina… que não importa de onde eles vão tirar dinheiro, se um lado não paga, outro paga em dobro!

        • Sino Weibo

          Um dos majores produtores de petróleo da Europa, a Finlândia, é um dos que mais incentiva carros elétricos no mundo. E foi o primeiro país a vende mais elétricos que a combustão recentemente.

    • Roberto

      Deixa eu ver se entendi: você que que o governo cobre menos impostos de quem tem mais dinheiro, para que quem tem mais dinheiro possa gastar menos com combustíveis e pagar ainda menos impostos, de forma que estes impostos economizados por quem tem mais dinheiro seja pago (em pequenas porções) justamente por quem não tem dinheiro sequer para comprar um UP 2012 e paga quase 10 reais todo dia para andar de ônibus lotado e sem ar condicionado?

      • Fellipe Z

        perfeito.

      • Erick Terto

        Tipo as vendas diretas (PCD e Locadoras) da forma que são usadas hoje…

        • Roberto

          Outro absurdo.
          90% dos casos é para a classe mais abastada da sociedade, que pode usar para comprar Renegade, Compass, Toro e outros carros para passear no shopping.
          Enquanto isso, os assalariados pagam impostos mais caros para comprar seu Ford Ka 1.0

          • Julio Alvarez

            Ué, quem é mais pobre e tem deficiência não pode comprar carro com desconto? não entendi sua colocação.

            • Roberto

              Eu tava falando das vendas diretas no geral. PCD tem uma série de restrições e prazo para ficar com o carro.

              • Paulo Lustosa

                O pcd tem prazo mínimo pra ficar com o carro antes de revender, se quiser, pode ficar mais tempo. Tem gente que não gosta de ficar trocando de carro direto, consumindo o máximo que pode pra ele se pagar com o passar dos anos de utilização.

          • Vinícius Alves Mendes

            concordo mas quero que você entenda ou se já viu lembre, é que a culpa é do mercado brasileira que f#de o povo… o mesmo GOL1.6 que vendem aqui por 59mil, é vendido por 25 ou 30 la fora. Brasileiro aceita cada carro bomba que em outros países nem entra. Pq você acha que carro global é mais caro no brasil, pq os padrões aqui são mais baixos que nos outros lugares e cobram caro pq isso aliais.

      • Alaor

        Hahaha basicamente isso. É um deslumbramento total em vários níveis de raciocínio.

      • Sempre quando vejo alguém dizendo que o governo deve dar subsídios para carros elétricos penso da mesma forma. A maioria desses carros possui valor acima dos 100 mil e o governo deve ajudar essas pessoas? Subsídios devia existir para remédios de grande consumo, cesta básica, planos de saúde voltados à população geral entre outros.

        • Roberto

          Exatamente.
          No Brasil você é obrigado a pagar educação, saúde, segurança e transporte públicos, mas como são péssimos, se tiver condições você busca um privado. Ai no privado, você paga ainda mais caro.
          Se tiver que haver alguma mudança de impostos nos carros, que seja para todos.
          Ex: Porque não cobrar impostos menores nos novos, em troca de CIDE maior? Assim, a busca seria por carros mais econômicos, frota mais nova, teríamos menos panes mecânicas na cidade, etc.

      • Vinícius Alves Mendes

        não amigo, ele quer que o governo cobre menos imposto para que pobre tbm possa comprar saca? um carro desse roda 150mil a 200 mil km fazendo a manutenção certinho pois o que desgasta de verdade são os motores e transmissão a gasolina/alcool e diesel. Mas, sendo realista, a chances disso acontecer são minimas.

        • Roberto

          Claro, porque pobre pode pagar 100 mil num carro

        • FFSB

          Isso.

      • Anderson Lemos

        Discordo de você. O Subsidio tem uma função primordial de fortalecer a introdução de uma nova tecnologia no mercado. O governo não implementa pois pode prejudicar sua galinha dos ovos de ouro (Petrobrás) e não por pena dos mais pobres.Se você expandir esse raciocínio você verá que novos postos de trabalho podem surgir, novas fábricas, novas oficinas. Imagine por exemplo que clientes desse mercado terão necessidade/interesse em instalar sistemas on grid em suas residências e que futuramente o veículo possa se tornar até mesmo um “power bank” residencial e outras coisas mais. Você está pensando apenas pelo lado assistencialista da questão, que realmente é um problema, mas toda inovação vem carregada de soluções e… problemas.
        Você vive em um país onde um parlamentar chega a custar 2 milhões anualmente, pago com os impostos supracitados e não trazem evolução alguma para o país. O subsidio deve sim responder a um determinado critério mas não o vejo com maus olhos.

        • Roberto

          Melhor dar dinheiro a juros subsidiados. Ai cada um decide se é mais importante carro elétrico ou um patinete

        • FFSB

          Excelente!

        • Sonfav

          É um conjunto de situações.
          Você quer que joguemos fora a imensa riqueza em petróleo que temos só por conta da moda da nova tecnologia?
          Qual é o problema em continuar usando os ótimos carros a combustão? Menos poluentes, mais baratos, de fácil e rápida manutenção, com imensa autonomia, e com rede de abastecimento extensa e imensamente geradora de empregos?
          Se o carro elétrico é mais simples, é claro que isso gerará desemprego, e não empregos. Não sou contra a tecnologia, mas o fato é que ela tira postos de trabalho. Quanto mais desenvolvida uma fábrica, menos gente há nela. Quanto mais simples um produto, menos gente para produzir e desenvolver.
          As pessoas já estão colocando energia fotovoltaica em suas casas, e já há incentivos para isso. Não precisa ter um carro elétrico na garagem. Serve pra manter o ar condicionado ligado tb.
          Não podemos justificar erros novos usando erros velhos. A questão é diminuir o custo do Estado, e criar ambiente favorável para que a competição possa existir.
          Se querem vender carros elétricos.. que ofereçam. O cliente decide.
          O Brasil não ganha nada subsidiando isso. Talvez em algum dia isso mude. Mas não é nossa realidade hoje.

          • Sino Weibo

            A Finlândia é um dos países que mais lucra com petróleo, e um dos que mais incentiva elétricos. Foi o primeiro país onde um elétrico vendeu mais que veículos a combustão recentemente. Graças a subsídios e estrutura montada pelo governo e as empresas. Na outra esteira a China, também incentiva elétricos, mesmo tendo uma das maiores empresas do mundo na área de petróleo e gás.

            • Sonfav

              Parece-me que Finlândia, China e Brasil são países em condições bem diferentes.
              Repito : Não há, na minha opinião, nenhuma justificativa para o Brasil fazer isso.
              Citar caso A ou B não é trazer para o debate o motivo pelo qual o Brasil deveria entrar nessa.
              Não se faz nada porque A ou B fez. E sim porque é interessante para si.

              • Sino Weibo

                Eu falo pela questão do petróleo. Nao é pq se produz muito que vc e obrigado a consumir muito. Alias, é algo interessante, diminuir a dependência dele. Ate pq petróleo nao é usado somente para combustível.

                • Sonfav

                  Tá.. mas a Finlândia é um país diminuto tanto em área quanto em população.
                  Temos petróleo no Brasil à vontade, até onde a vista alcança e provavelmente mais ainda.
                  É usar o que se tem. Porque lá embaixo da terra, não vale nada.

                  • Sino Weibo

                    A Finlândia é um dos maiores produtores de petróleo da Europa. Eles também exploram no mar, como o Brasil. Ninguém está dizendo pra nao usar petróleo, ate pq nao se usa so pra combustíveis, se faz plásticos, pneus, etc…

                    • Sonfav

                      Você saberia dizer a quantidade de petróleo extraída pela Finlândia? Fiquei curioso.
                      Eu sei que o petróleo está em quase tudo. O meu ponto é que, como combustível, é muito mais significante num país de dimensões continentais, que num país pequeno, com pouca população.

        • SDS SP

          Se uma tecnologia não tem viabilidade financeira em condições normais de temperatura e pressão, o estado não tem que se meter.

      • FFSB

        Não, não entendeu. Eu compreendo a perspectiva aparente de que “não faz sentido beneficiar quem tem mais (receita e/ou patrimônio) com subsídios para aquisição de veículos elétricos”, mas este discurso é muito simplista.

        No caso, falo em um panorama de política nacional de desenvolvimento de veículos elétricos (passageiros e cargas), acompanhando tendência mundial, e necessidades ambientais (muito embora a matriz de produção dos elétricos ainda não seja limpa).

        Nesta perspectiva, sem incentivos governamentais, o Brasil irá demorar MUITO TEMPO, comparado a outros países mundo afora, para acompanhar a indústria, caindo (novamente) na obsolescência da inovação (aliás, nela permanecendo).

        Sem incentivos governamentais – enquanto a iniciativa privada trabalha por conta própria no desenvolvimento tecnológico que tem permitido, a cada ano, redução no custo de produção dos elétricos – o nosso mercado não irá se desenvolver. E por aí vai.

        • Sonfav

          O raciocínio é simples, porque a situação proposta é simples.
          Se a tecnologia precisa de subsídio para entrar no mercado, isso é problema dos desenvolvedores da tecnologia, e não do governo.
          Não há no momento absolutamente nenhuma justificativa lógica para o Brasil fomentar isso.
          Só há mesmo a modinha de um lado..
          E de outro lado, aqueles que querem que outras pessoas paguem para que eles fiquem na moda.

          Isso é simples. E é velho.

      • SDS SP

        Perfeito. Não existe almoço grátis.

    • Julio Alvarez

      Lembre que todo valor de carros na Europa incluem 20% de imposto. O carro sai portanto a 16800 Euros, ou R$ 76k sem impostos daqui.

    • Fellipe Z

      subsidio eh a forma mais facil de vc falir com qualquer povo apoiando ideias erradas. se eh tao bom, o pessoal compraria. se nao compra, eh pq o mercado nao quer isso. Nao adianta querer regular ou tentar enganar o mercado c subsidios. subsidios foi um dos principais responsaveis pela situacao atual do brasil.

      • Julio Alvarez

        Roubo e desmando foram os principais responsáveis pela nossa situação atual. Subsídios são usados no mundo todo, como incentivo a novas tecnologias estratégicas por exemplo.

        • Fellipe Z

          subsidios > privilegia uma determinada classe > joga o custo em todo resto > acaba 90% pagando a mais p 10% nao.
          Isso eh o brasil, resumidamente. Desde carteirinha de estudante ate emprestimos de milhoes p maquinas agricolas.
          sem subsidios > menos impostos p manter a maquina publica > reducao de custo p 90% > mais desenvolvimento. Se um setor falir por nao ter subsidios, ele nao devia ter existido desde o comeco.
          Voce prefere o governo subsidiar montadoras aqui p brasileiro continua comprando carro basico por 70mil, pra 1 milhao de pessoas ter emprego, ou toda a populacao do pais pagar um valor justo por carros feitos em locais q chegariam aqui mais barato?
          Eh um assunto complicado de resumir em tao poucas linhas…mas eh bem por ai, entende? subsidios nada mais eh que monopolio.

          • Julio Alvarez

            Talvez não tenha me explicado direito. Os subsídios no Brasil são péssimos, concordo. Mas podem ser usados como ferramenta estratégica para incentivar novas tecnologias. EUA Europa e China fazem isso direto, então criam produtos com muito valor agregado o pais e sua população ganham muito.

        • Na verdade a maioria dos países ricos consede subsídios em produtos básicos. Nos Estados Unidos tem subsídios na agricultura, inclusive plantação de laranjas. Na Europa a pecuária só existe por causa dos subsídios.

        • SDS SP

          Lembrando-se de que parte da roubalheira era de empresário se envolvendo em negociata para favorecer seu feudo.

    • Chico AMX

      ae eu te pergunto, e o que vamos fazer com o nosso petroleo? como o estado vai se sustentar sem ele? seria muito bom num momento e péssimo nos momentos seguintes… tudo dispararia de preço e só uma revolução armada para tirar os “privilégios adquiridos” e uma redução do tamanho do estado para que os impostos baixem… se isso fosse feito, por um passe de mágica, nossa gasolina ia ser tão barata que não teria-se vantagem econômica em ter um carro eletrico… por isso não haverá redução de alíquotas para carro elétrico, se tiver, o mercado será inundado em 2 anos… os carros a combustão não valerão nada, as fábricas abandonarão o Brasil a arrecadação vai cair e o funcionalismo vai derrubar qualquer governo democrático… simples assim…

      • Julio Alvarez

        Legal. Bom mesmo é continuar pagando 5 reais o litro de gasolina.

      • Sino Weibo

        A Finlândia é rica em petróleo e nem por isso deixa de incentivar eletricos. Teve o carro mais vendido no país um elétrico. A China também tem empresas gigantes na área de petróleo e gás, e nem por isso deixa de incentivar eletricos em massa. Querem que pelo menos 20% da gama de cada montadora la seja.

        • Chico AMX

          mas eu não discordo que os carros tenham que ser o que é seu caminho natural tecnológico…só que precisamos conhecer e saber como funciona o Brasil… vcs não conseguem ver que somos alheios às economias desenvolvidas? e o Pq disso? os fatos eu coloquei acima baseado na nossa estrutura estatal/tributária… vcs acreditam em sonho, num que não se realizará enquanto não tivermos carga tributária de menos de 20% do PIB… hoje passa dos 40%…, o governo/estado precisa tirar de algum lugar o dinheiro para financiar a máquina pública, e “agradeçam” ao PT, que pegou carga de menos de 20% e colocou onde estamos hoje… quando o Lula entrou no GF, o número de funcionários da Petrobrás era de 35mil, depois da Dilma, passou de 60mil…imaginem outras estatais… no fim, que está posto hoje é este estado gigante…e , até mudar, vamos precisar dos NOSSOS recursos, a conta é simples, se o governo subsidiar os elétricos, ele vai colocar impostos em outro lugar para compensar… a curva de laffer vai continuar péssima! ou seja, vamos virar uma Cuba, onde teu dinheiro não compra nem coisas “baratas” como uma geladeira ou TV, quiça um carro de 10mil dólares…

          • Sino Weibo

            Subsidiar é um modo de falar. Hoje tem de tudo elétricos. Caminhões, ônibus. Trens, carros, motos, triciclos, etc.. O governo nao precisa fazer muito, um ex: carros velhos nao pagam IPVA na maioria dos estados, ou pagam menos. E pq isso? Pq nao dar isenção de IPVA para carros eletricos/ecológicos, pra facilitar a compra, e taxar estes carros velhos para que saiam de uma vez de circulação? É algo que o primeiro mundo faz, mas aqui é o contrário.

    • Diego Lip

      Subsídios pesados tem que dar para ônibus elétricos, e não carros elétricos.

    • Emanuel Schott

      Tesla e CIA limitada tem subsídios até o talo dos governos federal dos EUA e estadual da Califórnia e nem assim deixa de ser bem caro (para padrões americanos).

      Detalhe: o ROTA 2030 reduziu o IPI dos carros elétricos, já tem o tal “subsidio”. Foi ele que possibilitou o Corolla Hibrido e a importação de alguns elétricos pra cá.

  • Edson Fernandes

    Pois é…. não adianta ser eletrico de bateria super limitada(os antes 150km de autonomia). Isso porque até lá fora, a realidade é que muita gente vai optar por carregar na tomada. Então faz sentido o acrescimo de bateria além do tipo de uso.

    • th!nk.t4nk

      Até então o e-Up era vendido basicamente pra car-sharing. Nesse sistema, os clientes ganham créditos toda vez que deixam o carro carregando num totem, no fim da viagem. Por conta disso, os 150 km eram razoáveis até. Mas cidades muito grandes uma bateria de maior capacidade com certeza vai bem (e pra clientes privados, quem sabe, mas não creio que seja o foco).

      • Edson Fernandes

        Pois é…. para car sharing realmente 150km é mto tranquilo.

        É que eu já começo a imaginar possibilidades no uso diário. Se fosse os 150km originais, eu rodaria no máximo 2, quiçá num rodar proximo 3 dias. O que eu acharia ruim apesar de tudo.

        Já com o upgrade de autonomia, eu sei que uma semana para rodar ao trabalho poderia ser de 4 a 5 com folga. Claro que hoje não pq moro em SP e fico a semana trabalhando no interior(sim, pretendo me mudar) e nesse caso seriam 2 dias… rs mas já começa a melhorar mto. Tanto que o ID.3 com suas baterias intermediarias e a mais robusta, é mto interessante.

        • Cláudio Modesto

          Mas esses carros a galera usa majoritariamente pra deslocamento diário e carrega o carro à noite em casa. Difícil rodar mais que 150Km por dia. Claro que não dá pra viajar nele, esse carro é o carro de ir pro shopping e pro trabalho.
          Mas acredito que as baterias de carga rápida estão logo ali na esquina. Teremos carros com baterias pequenas, autonomia razoável e carga rápida ao invés de baterias gigantes. Vamos acompanhar.

    • Emanuel Schott

      Pra mim seria complicado porque pego muita estrada e cada vez é no mínimo 400Km rodando.

      Mas andando na cidade no máximo ando 60Km durante a semana toda. Se fosse só pra uso urbano, 150km daria e sobrava pra mim.

      • Edson Fernandes

        No meu tipo nem tanto. Até por preço, optaria por algo hibrido (se houvessem mais opções) do que exatamente e puramente elétrico.

        Mas eu tbm rodo mto em estrada e autonomia é sempre desejavel.

  • Bil

    Não consigo entender porque um carro elétrico nesse preço valeria a pena. Se for pra fugir do rodízio, esse preço compra dois do à combustão. Se for pra ser “verde”, sabemos que as baterias e o processo de fabricação não o são. Se for pra economizar em combustível, pelo amor de Deus, compra o TSI e use 40 mil reais de gasolina. Pra minha realidade, carro vai desmanchar e ainda não terei gasto os 40 mil. NÃO FAZ SENTIDO.

    • Rodrigo Pasini

      Por que elétrico é moda e tem a desculpa de economizar. Mas no frigir dos ovos não compensa em nada.
      Pra ti tirar a diferença que tu paga entre o modelo elétrico e o modelo a combustão, tu vai ter que rodar muito, mas muito mesmo.

    • Cláudio Modesto

      Por isso que no Brasil só serão populares em 20 anos. Por enquanto é coisa de ryco.

    • Anderson Lemos

      kkkkkkkk você falou tudo e mais um pouco. Por que raios alguém pagaria 40 mil a mais para economizar gasolina? Tipo, lançaram um Porsche que faz 40 km/l, como alguém paga meio milhão em um carro pensando em preço de gasolina na bomba, isso é para quem anda de Uno, Fox, Ka…

    • SDS SP

      Para a nossa realidade não faz sentido por enquanto.

  • Nhego

    A nossa realidade, a Brasileira, ainda não comporta a popularização de veículos com esta proposta, vendas serão notadas apenas para pessoas com alto poder aquisitivo, que utilizarão este veículo como apenas mais uma modernidade. Nossa moeda é desvalorizada, precisamos de mais dinheiro, mais trabalho para comprar a mesma coisa que em economias avançadas soam normais.
    Transporte público de qualidade ainda é utopia, dá uma olhada lá de onde vêm esses veículos elétricos ‘baratos’.
    Não adianta, não tem mágica, estamos atrasados, defasados e sem dinheiro valorizado.
    Que tal começar pela desoneração em paralelo ao fim da corrupção que encarece tudo nesse país? simples né.

  • carnero

    Esse eu teria fácil aqui…

    O governo poderia ter uma simplificação para importação independente…. mesmo custando caro acho que valeria a pena o custo da energia elétrica versus a gasolina

  • tiago

    O WLTP bate com o EPA?

  • FREDRED

    O que deveria ser feito na bananalandia era o incentivo real do uso de álcool, deveria sim ter incentivo e subsídio para os agricultores/usina. ( somente álcool, não a papagaiada que fazem com o açúcar)
    Ou vc esqueceu que a empresa que vc, seus pais, parentes e amigos trabalha ganhou subsídios do município, ganhou o terreno de graça e 20 años sem pagar tributos?!
    É fácil ser pistoleiro na Internet.

  • 🅰🅽🅳🅴🆁🆂🅾🅽 – 🆂🅿® ✅

    Ele poderia ter uma central ali onde existe o rádio e os comandos do ar, é muito botão desnecessário e o comando de certas coisas poderia ser via touch pela multimídia.

  • Cláudio Modesto

    É isso que eu quero ver, carros elétricos normais e mais em conta. No Brasil fica pra depois…

  • CanalhaRS

    Honda-E vai pegar uma pedreira pela frente.
    O UP tem 40km a mais de autonomia e custa 11.500 mil euros a menos.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email