EUA Híbridos Lançamentos Marketing/Propaganda Sedãs Vídeos Volkswagen

Volkswagen Jetta Hybrid 2012 já está sendo promovido nos EUA

Volkswagen-Jetta-Hybrid

A Volkswagen não quer perder tempo (e dinheiro) e já está divulgando o primeiro vídeo do Jetta Hybrid 2012 nos Estados Unidos.

O sedã médio da VW é a proposta de um híbrido com motor 1.4 TSI de 150 cv acoplado a um elétrico de 27 cv e baterias de íons de lítio.

Com isso, o Jetta Hybrid 2012 entrega 170 cv e 25,4 kgfm de forma combinada e controlada por uma caixa de dupla embreagem DSG com sete marchas.

A VW diz que o Jetta Hybrid 2012 é 20% mais eficiente que a versão comum e tem consumo médio para os EUA de 19 km/litro. Além disso, o modelo pode ir de 0 a 100 km/h em menos de 9 segundos, o que é explorado pelo vídeo abaixo.





  • ahsoliveira

    se esse 1.4 viesse equipar nosso Jetta no lugar do APzão já seria uma grande evolução de mercado!

    • Ricston

      No lugar do APzão? Never! Nosso Jetta Comfortline nada mais é do que um Bora.

  • ahsoliveira

    a VW não acredita mesmo em CVT, nem nos híbridos!
    mas o DSG é muito bom!

    • AF1979

      O grupo VW acredita sim em CVT, vide transmissão Multitronic da Audi, pioneira no uso de cinta de aço para substituir correia de borracha. A impressão que me passa é a de que a VW quer explorar melhor a dupla embreagem, ainda mais pensando que foi a pioneira em tal solução para carros de série.
      Pelo que também vi, a dupla embreagem também consegue ganhos de economia maiores que os do CVT, ao menos pelos estudos conduzidos pelo governo americano. Creio eu que a Nissan vá discordar disso (ainda mais que apresentou CVTs com relação de diferencial de 7:1 e 7,3:1), mas cada marca tem sua filosofia e vem extraindo bons frutos dela.

      Também fica-me a impressão de que a VW, que sempre foi meio chata em relação à adoção de algumas tecnologias, não deve até agora ter conseguido fazer um bom CVT transversal com cinta de aço no lugar de correia de borracha. A JATCO, que é da Nissan, tem transmissões transversais com cinta de aço, mas não me parece que a VW vá querer dar o braço a torcer.

  • AF1979

    Sendo Jetta, é feito no México. Sendo feito no México, está beneficiado pelo acordo que aquele país e o nosso fizeram. E seria uma boa alternativa ao Fusion Hybrid, por vários motivos:

    1) O motor 1.4 o joga para a segunda faixa mais baixa de IPI. O Fusion Hybrid hoje está na faixa mais alta por causa de seu motor de 2,5 l. Porém, na próxima geração ele terá a cilindrada reduzida em meio litro, o que mesmo assim o fará pagar mais IPI que o Jetta;

    2) Seria oportunidade mais adequada para a VW investir no Jetta enquanto carro ecológico. Que ninguém se esqueça que a geração passada,com motor de 2,5 l, foi dos carros mais poluentes nas medições para etiquetagem;

    3) Há também o lance de se poder vendê-lo como uma boa alternativa de carro ao mesmo tempo com espaço razoável e bom grau de economia. Com certeza ele deve, com esses 150 cv só do motor a combustão e os 170 cv combinados, mais os 25,4 kgfm, andar tanto ou mais do que um Jetta V com aquele motor de 2,5 l, obviamente bebendo muito menos;

    4) Querendo ou não, as cidades congestionadas são uma ferramenta de marketing involuntária para o carro. Enquanto os outros estão parados jogando gasolina fora ou bebendo muito no anda e para, o Jetta Hybrid não está consumindo nada de combustível;

    5) Há também a semelhança das culturas automobilísticas brasileira e americana no que tange a combustível. Ambos os países preferem o ciclo Otto ao Diesel, bem como a carestia do etanol tem feito as pessoas gostarem mais e mais da gasolina;

    6) Ao menos no Sudeste e no Sul, após a concessão da Régis Bittencourt e seus pedágios de preços que dão vontade de pagar pela estrada que se recebe em troca, está havendo um estímulo às grandes viagens. Um carro que tenha consumo médio de 19 km/l torna esse ato ainda mais tentador. Também sei que no Nordeste, pelas bandas de Pernambuco, há estradas boas e que dão vontade de viajar.

    Enfim, creio que há bons argumentos de venda do Jetta Hybrid por aqui. Basta à VW mexicana apenas montar os faróis de especificação europeia. Se vender o Jetta Hybrid a preço de Fusion Hybrid, saberemos de antemão que estão aplicando uma margem de lucro muito maior que aquela da Ford, o que significará jogar a marca alemã na fogueira dos infiéis para queimar.

    • Ricston

      Boa análise.

    • zemarreta

      AF, apenas uma pequena correção para abrilhantar mais seu texto. São 3 faixas de IPI apenas: motor<1.0, 1.0<motor<2.0 e motor>2.0. Assim o 1.4 e o 2.0 pagam a mesma alíquota, que é menor que a do 2.5.

      • AF1979

        De fato, havia errado nessa.

    • expresso222

      Boa análise, mas no meu ponto de vista (5) o brasileiro não se importa se é ciclo Otto ou ciclo Diesel, o que nós queremos é andar em um carro econômico e de bom desempenho. Se oferecessem carros de passeio à Diesel com certeza seria esta a preferência nacional, mesmo custando mais caro (vide as picapes médias, que em suas versões à Diesel vendem bem mais que as versões à gasolina). e em relação (6) ao consumo médio de 19km/l o consumo menor dos carros híbridos é no trânsito das cidades e não nas estradas, onde a ajuda do motor elétrico é quase anulada.

      • AF1979

        No caso da similaridade entre Brasil e Estados Unidos em relação à preferência por ciclo Otto a Diesel, obviamente que por lá é preferência cultural, enquanto por aqui é preferência imposta por lei. De qualquer maneira, há o tal lance de por aqui a cultura ser mais ligada a Otto e isso ser similar aos EUA, excetuando-se o caso das pick-ups (mas aqui ligado ao fato de que só se compra pick-up a diesel por aqui pelo fato de a gasolina ter ficado cara com o passar das décadas e os motores a diesel terem se aperfeiçoado e ganho força).
        Ainda no caso do consumo do Jetta Hybrid, é preciso saber de quantos modos é o sistema híbrido da VW, pois pode haver algum ganho de consumo mesmo na estrada se o sistema for de dois modos (como os das pick-ups grandes da GM americana, que podem funcionar só com eletricidade, só com combustão ou também combinando combustão e eletricidade). Se for de um modo só (como o do Prius), aí sim de fato haverá o lance de que na estrada obrigatoriamente beberá mais do que na cidade.

        Ainda quero saber mais sobre o sistema híbrido desse Jetta, pois pode haver analogias com o sistema híbrido adotado na segunda geração do Touareg. E no Touareg, há o lance de se poder rodar a mais de 60 km/h só na eletricidade. Em ambos, há o lance de serem sistemas híbridos montados em transmissões com marchas fixas, o que por si só já é uma analogia.

  • Leosena

    Além da louvável proposta ecológica, gostei bastante dos novos faróis com leds. Deram uma boa valorizada no visual.

  • _biolog_

    Ei! Essa grade ficou muito interessante!



Send this to friend