Mercado Volvo

Volvo: sem salão, marca sueca aposta em lançamentos para crescer no Brasil

Volvo: sem salão, marca sueca aposta em lançamentos para crescer no Brasil

Ao inaugurar uma nova concessionária em São Paulo, a Volvo reafirmou seu compromisso em ficar de fora do Salão do Automóvel e de focar em eventos direcionados para clientes e potenciais compradores. Por isso, o Ocean Race – competição de vela oceânica patrocinada pelo fabricante nórdico – continuará a ter mais importância do que nunca aqui no Brasil, ainda mais que as vendas da marca cresceram bastante em nossa região. De janeiro a abril, a escandinava teve 1.633 emplacamentos e market share de 0,22%.


No mês passado, vendeu 536 carros e chegou perto da Audi, que emplacou 666 no mesmo período. No ano passado, a Volvo tinha vendido 959 carros no mesmo período, ficando no mesmo mês com 259 unidades. A expectativa é de vender esse ano em torno de 6,4 mil carros por aqui. Diante desse salto, proporcionado principalmente pela chegada dos novos XC90 e XC60, nessa ordem, o fabricante da terra dos vikings trouxe recentemente o XC40 e promete mais lançamentos por aqui até 2019.

Volvo: sem salão, marca sueca aposta em lançamentos para crescer no Brasil

Para este ano, a Volvo trará duas novidades na linha XC60. A primeira é a D5, que chega em agosto com motor diesel Drive-E de 225 cavalos e transmissão automática de oito marchas, tendo naturalmente tração nas quatro rodas. Um pouco mais adiante, em novembro, o XC60 recebe a versão híbrida plug-in T8, que tem propulsor 2.0 com outro elétrico, entregando 408 cavalos e permitindo condução com emissão zero de poluentes.


Mas a investida da marca não para por aí, pois no mês de agosto chega a nova geração da perua V60, que trará o terceiro modelo com a plataforma modular SPA ao Brasil. O modelo deve chegar nas versões Momentum T5 e Inscription T6, que entregam 254 e 310 cavalos, respectivamente, sempre com o motor 2.0 Drive-E. Para 2019 é esperado o sedã médio S60 de nova geração, que deve trazer também a versão T4 com 190 cavalos num segundo momento, após as esperadas T5 e T6.

Ainda no segundo semestre, a Volvo trará finalmente seu sedã topo de linha, o S90, mas na versão mais sofisticada, a híbrida T8, que também entrega 408 cavalos, assim como o XC90 já vendido aqui. Ele chega em novembro. Destes, só ficou faltando a perua V90, que teve a versão Cross Country exibida no Ocean Race, em Itajaí-SC. É uma opção que não foi confirmada, mas que não seria nada ruim, se houver demanda. No próximo ano, o Volvo XC40 deve chegar na versão T3, que tem motor 1.5 de três cilindros e 156 cavalos, custando por volta de R$ 150 mil e ficando abaixo do T4, que até dezembro desembarca com 190 cavalos.

[Fonte: Automotive Business]

Volvo: sem salão, marca sueca aposta em lançamentos para crescer no Brasil
Este texto lhe foi útil??

  • Lucas

    Só deixar de cobrar milhares de reais pra fazer manutenção básica nos carros, já que os veículos em si são de extrema qualidade.

    • Leonel

      É, eu concordo @disqus_hvQPclV5Wc:disqus . Pelo preço das revisões que já vi, são bem altas.

    • Allan Marconato Marum

      Concordo! Tem muito mercado no Brasil para carros de 150~200k, mas a Volva amedronta muito possíveis compradores por conta dos curso de se manter estes carros.

  • cepereira2006

    Tinha que apresentar preços mais razoáveis. Estão surreais os preços dela. Ao preço do XC60 de um ano atrás ela oferece hoje o XC40 mais pelado. Daí mofa o show room todo. Sem chance.

    • Dod

      Mofa o show room como se ela hoje vende muito mais que na época do xc60 de 150k?

    • Vitor Almeida

      Se a XC60 está cara, imagina uma X3 por 300 mil então!

      • alex freire

        bmw e mercedes , isso sim são exploradoras. No custo benefício a Volvo é imbativel. Comparem os preços e equipamentos da XC60 de entrada com Audi Q5 e BMW X3 e mercedes GLC de entrada ..

      • Thiago

        Isso mesmo, X3 é um roubo. Caro é comprar Onix, segurança zero. A Volvo é n. 1 sem segurança. Ainda bem.

  • Ângelo Coppo

    Essa perua… pqp! Mexe comigo dum jeito….

    • Rbs

      Perua . . puta . . tudo a ver mexe comigo também!

  • zekinha71

    Só mostra pra quem é do mundinho fechado, e resto que se vire pra conhecer, já as 3 alemãs vão lá mostram tudo, a pessoa hj não pode ter condições de comprar o carro, mas fica com uma vontade enorme, o dia que tiver condições realiza o sonho.
    E isso vale para as outras marcas que acham que fazer eventos fechados vão aumentar as vendas.
    Não se cobiça aquilo que não se conhece.

    • Thiago

      A Volvo é a única que faz um evento mundial como o Volvo Ocean Race, entrada gratuita e se conhece até carros que não vão vir p ca..

  • Alessandro Rodrigues

    Decisão essa que já vem sendo copiada por várias outras premiuns. Complicado avaliar. Por um lado, o salão atrai vários visitantes e até possíveis compradores. Por outro, um evento direcionado é muito mais vantajoso, jogando luz apenas ao carro da marca e em uma imersão muito maior. Fica a questão de conseguir trazer o maior número de interessados possíveis, coisa que o salão ainda faz uma vez que se reúnem várias outras marcas e acaba sendo uma bela viagem rápia de final de semana.

    • duhehe

      Stand no Salão do automóvel, para marca premium é igual propaganda no horário nobre da globo, custa uma fortuna e apenas 0,001% dos potenciais clientes são impactados.
      Direcionar a verba para outras ações onde de fato estão os clientes é muito mais eficiente, vamos ser honestos, cliente de carros de R$ 200.000 não vai no salão se acotovelar com a multidão para ver um carro.

      • Alessandro Rodrigues

        Depende. Há marcas premium que surfam em boas vendas nesse evento, principalmente BMW e MB. Outras aproveitam para mostrar o que podem oferecer, mesmo que por importação independente, caso da Lexus. No mais, quem paga 200 mil não se acotovela, de fato. Fica no devido espaço selecionado para estes.
        O problema de não se expor no salão do automóvel é justamente a penetração. Pode ser mais barato organizar um evento fora, mas capta poucos clientes por ser apenas um evento. Ninguém viaja 1500km para ir numa apresentação, nem mesmo a imprensa. E aí vem a necessidade da marca ter de organizar mais eventos. A questão do custo acaba sendo diluída quase que por completo e o marketing também, uma vez que o mesmo evento só é acompanhado pela grande imprensa uma vez.
        Não digo ser ineficiente, mas na minha região nunca vi Jaguar/Land Rover ou Volvo fazerem alguma ação. Contudo, conheço e já fui um desses que viajou exclusivamente para um final de semana curtindo o S.A.

        • duhehe

          Sem duvidas ha muitas variáveis a se considerar, para marcas do calibre da Volvo e Land Rover ( as outras ainda mais luxuosas já não vão faz tempo), não vejo razão para estar no salão, a imagem da marca já esta feita, o show room nos principais polos econômicos já existem.
          Ainda mais no brasil onde a popularização é visto como algo ruim ao invés de bom no que tange certos tipos de produtos/serviços.

          • Alessandro Rodrigues

            Os principais polos não são a preocupação de expansão física. Nenhuma das grandes marcas se abstém das capitais, ao menos as principais. Mas não é lá que o crescimento atual se dá. Grandes marcas estão crescendo nos polos interioranos. Não há nem sentido de marcas de premiuns construírem fábricas visando o mercado interno se não querem o aumento de suas vendas -e por consequência, o aumento de vendas, entendido nesse sentido como ”popularização”.
            A Land Rover por exemplo, não abaixou os preços dos produtos nacionalizados justamente porque os clientes não queriam (pode parecer um contra-senso, mas foi o que o presidente da divisão brasileira disse), e faz sentido dado o fato de exclusividade que o carro oferece. Mas vender mais, esse sempre foi o objetivo de absolutamente qualquer empresa.

      • zekinha71

        Eu já vi em um salão o cantor Sergio Reis fechar a compra de um Classe S, também era o único carro que ele cabia confortavelmente.

  • Leonel

    Esta perua é linda…

  • Andre Studart

    Cara.. esse S90 ta uma verdadeira obra de arte..

  • Jefferson

    Nada sobre o V40?

  • Felipe Gonçalves

    Eles deveriam investir na abertura de novas concessionárias também, mais próxima da minha cidade fica a 2 mil km e mesmo assim está enchendo de Volvo.

  • Mauro Banqueiro

    Quer se tornar marca marca premium

  • Cristiano Melo

    Com esse preço de manutenção fica bem dificil. Fiz essa semana a 2a revisao do meu v40 ( a de 2anos) troca de oleo + pastilha de freio traseira :R$ 3.000,00.

    • Felipe Foppa

      Bom dia Cristiano, tenho uma XC60 T6 e as pastilhas de meu carro comprei no site https://www.myswedishparts.com São peças originais importadas dos EUA. Comprei 2 jogos da dianteira e 2 da traseira, paguei R$ 1.400,00 e quando as peças chegaram teve um custo com impostos de aproximadamente R$ 900,00. Achei que compensou muito, na concessionária um jogo de pastilhas custava aproximadamente R$ 1.000,00 e paguei menos de R$ 600,00 nas pastilhas + R$ 90,00 de mão de obra para substituir, sem o imposto teria custado R$ 350,00 cada jogo.

    • Freaky Boss

      pois é, não sou cliente dessas marcas premium mas já ouvi falar que o custo de revisão / manutenção dos Volvo supera Audi, Mercedes e BMW (que dizem ser a mais cara das alemãs)…Não sei se é verdade ,mas não duvidaria…

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email