VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui

VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui

A estratégia Accelerate da Volkswagen foi amplamente anunciada pela montadora nesta sexta (5), focando em “digitalização, novos modelos de negócios e condução autônoma”.


Antes de seu “salto quântico”, a VW quer equilibrar as contas com redução de 5% dos custos fixos até 2023, ampliar a produtividade das fábricas em 5% e otimizar as compras de materiais em 7%.

Nos EUA e América do Sul, a empresa quer encerrar 2021 com equilíbrio fiscal e assim gerar lucro mesmo com queda de 15% nos states e em até 30% em nossa região.

Sem dar mais detalhes, a VW não explicou como reduzirá o “custo fixo” nas operações da América do Sul, mas se sabe que a montadora conta com seis fábricas no Brasil e Argentina. Pois é, trata-se de uma estrutura enorme para a realidade atual.

Deixando de lado esse assunto, por enquanto, visto que não se tem mais detalhes do que a VW fará por aqui, uma coisa que a marca alemã deixou bem claro, no entanto, foi seu plano Accelerate em termos práticos.

Trinity

VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui

Como já mencionado anteriormente no elétrico popular, a VW não puxou o plugue, mas adiou colocá-lo na tomada por dois anos nos casos de ID.1 e ID.2.

Também reduziu a energia de alguns lançamentos da família ID, embora tenha confirmado ID.4 GTX no primeiro semestre de 2021, o ID.5 (descrito como “esportivo”, mas em realidade um crossover-cupê) no segundo semestre deste ano e o ID.6 X / Cross no outono chinês.

VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui

Isso coloca em dia os lançamentos mais próximos, mas deixará para depois a sucessão de produtos importantes como Polo, T-Cross e o Passat, esperados para 2023. Falando no último, parece que terá relação com o “grande plano mestre” da VW, que já tem nome e está em dia com as prestações: Trinity.

A marca revelou um teaser onde um sedã notadamente semelhante ao ID Vizzion se apresenta parcialmente oculto. “O Trinity se tornará uma espécie de máquina do tempo para nossos clientes, economizando tempo e estresse. No entanto, essa tecnologia não deve se tornar domínio exclusivo de uma elite seleta, por isso estamos trabalhando nisso para torná-la disponível para muitas pessoas”, disse Ralf Brandstätter, CEO da VW.

VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui

O sedã Trinity, que seria o tal “salto quântico” da alemã, será conectado a uma rede neural e terá serviços integrados que podem ser contratados ou não pelos proprietários, baseados em uma plataforma de software que ativa e desativa funções.

Além disso, a VW quer o Trinity inicialmente com Nível 2+ de condução autônoma. Podemos interpretar isso como algo semelhante ou superior ao Honda Sensing Elite do Legend, ou ao mais recente Auto Pilot da Tesla. Ele só será Nível 3 se for reconhecido por autoridades, como no Japão.

VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui

Mas, o Trinity já estará preparado para o Nível 4, aquele onde o volante se retrai, o assento do condutor se inclina sob um som ambiente relaxante, deixando o condutor cochilar tranquilamente.

Se não for assim, adicionar uma mesinha e trabalhar em seu notebook, como muita gente quer fazer, mas não pode sem um motorista particular.

A VW já iniciou essa abordagem com o ID Vizzion sem volante e pedais, mas isso significaria o Nível 5, onde a máquina é totalmente independente do homem. Quando chega? Em 2026.

Volkswagen ID Vizzion – Galeria de fotos

 

Ricardo de Oliveira
Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

12 comentários em “VW: Trinity, sucessor do Passat em 2026 e redução de custos aqui”

    • Desde os anos 90 falam em veículos autônomos. Porém parecem meio perdidos, uma hora falam em eliminar a dependência dos veículos outra hora em sistemas autônomos de última geração. Me parece q nem um outro será a realidade. Talvez um meio termo parece mais razoável.

      • Eu acho que isso só vai rolar quando os sistemas de inteligência artificial estiverem mais avançados, pois por enquanto ainda está tudo muito primitivo e a parte do funcionamento dos neurônios artificiais dos sistemas de IA é toda feita em software… Talvez só quando existirem sensores e processadores neuromórficos que consigam simular o funcionamento de neurônios reais direto no hardware esse tipo de coisa se torne de fato realidade.

    • Semi-autônomos todas as marcas têm hoje em dia, mas totalmente autônomo leva um bom tempo ainda realmente. Mas pra pegar estrada os sistemas atuais já funcionam muito bem. Essa já é uma realidade em dezenas de países. O desafio é fazer estes sistemas funcionarem no Brasil, com a sinalizaçao horizontal e vertical precárias, além das pessoas dirigirem de forma extremamente agressiva. Isso complica e muito a vida do algoritmo, que normalmente tem uma postura mais defensiva.

  1. Dos sites automotivos que frequento o notícias automotivas tem a galeria de fotos mais arcaica de todos, não passa foto com seta do teclado e também não sai da foto com ESC. Como se não bastasse isso agora também dá #erro404 para ampliar as imagens. Será que não tem um editor capaz de resolver isso?

Deixe um comentário