China Elétricos SUVs Tecnologia

Wey P8: SUV chinês usará nova bateria sem cobalto e alcançará 880 km

Wey P8: SUV chinês usará nova bateria sem cobalto e alcançará 880 km

A realidade dos carros elétricos mudou drasticamente nos últimos anos, quando a autonomia que mal passava de 160 km agora alcançar mais de 600 km. Alcançava, já que iniciou a produção de um novo modelo (supostamente o Wey P8), que chegará a impressionantes 880 km.


Este é o Wey P8, um dos muitos SUVs elétricos de origem chinesa, mas como um diferencial importante: não usa cobalto em suas baterias de lítio. Desenvolvidas pela empresa Svolt, estas células de energia oferecem alta densidade em um pacote de tamanho padrão.

Wey P8: SUV chinês usará nova bateria sem cobalto e alcançará 880 km

Ainda sigilosa em alguns detalhes, a Svolt tem dois tipos de bateria sem cobalto, sendo que a NMx tem custo entre 5% e 15% menos que a NCM811, produzida por fabricantes importantes da China e Coreia do Sul, como CATL, Samsung e LG Chem, por exemplo.

VEJA TAMBÉM:

Segundo a chinesa Svolt, a bateria sem cobalto tem vida útil mais longa, densidade de energia maior e segurança superior às células comuns, que usam o elemento químico 27. Esse tipo de bateria já está sendo produzido e adicionado a carros elétricos da Great Wall, sendo que o Wey P8 aparentemente fará a estreia do mesmo.

Wey P8: SUV chinês usará nova bateria sem cobalto e alcançará 880 km

Nesse caso, o P8 – se de fato for confirmado – terá uma autonomia de 880 km sem recarga, algo que deixa para trás todos os carros da Tesla e de outras marcas importantes do setor.

Segundo cálculos, já que o processo chinês segue o antigo europeu NEDC, a autonomia real será de 800 km no WLTP, o que ainda é superior aos 660 km do Tesla Model S LR no país.

Wey P8: SUV chinês usará nova bateria sem cobalto e alcançará 880 km

Embora pareça uma proeza tecnológica a ser aplicada localmente, a verdade é que a Svolt está de olho mesmo é na Europa, onde procura um local.

A empresa confirmou o investimento de US$ 2,24 bilhões numa fábrica de baterias no velho continente, onde produzirá anualmente 24 GWh em células sem cobalto. Isso, sem dúvida, deve assustar bastante os atuais players desse setor.

[Fonte: FCE]

 

 

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Vinícius

    China está vindo com tudo

  • Jamilson Junior

    Nossa… Um chinës com personalidade e desenho original, que raro haha! Curti

    • ÓQUEI

      Não mano, muito pelo contrário! Basta seguir no instagran qualquer página automotiva chinesa que vc verá como eles têm milhares de opções, são belos carros de verdade, por dentro e por fora, com personalidade (esquece esses poucos modelos baratos que duas ou três montadoras tentam vender por aqui).

      Eles têm diversas opções muito interessantes em todos os segmentos, carros muito mais interessantes do que qualquer um vendido aqui no brasil. Chega que dá raiva ver os carros disponíveis pra eles e os que são lançados toda semana, e olhar pra esse nosso mercado automotivo pífio.

    • Sino Weibo

      Na verdade não é raro,é pq o brasileiro não conhece as marcas e a evolução do mercado chinês, pois a imprensa aqui fala pouco, e quando fala, fala mal.

  • Jad Bal Ja

    O engraçado mesmo é essa megagrade pra um carro que nem precisa ter grade né?

    • Debraido

      Estranho mesmo. Assim como a versão Turbo do Porsche Taycan. Soa estranho.

  • Vinicius Paes

    Se ligar o ar-condicionado, som interno e adicionar mais 3 pessoas a autonomia já cai uns 200km, alguém dúvida?

    • ÓQUEI

      Ainda assim terá 600km de autonomia. Mais do que qualquer carro a combustão nessa mesma situação que vc citou.

    • Toyo_Highlander fan

      Ainda vejo como o único problema dos carros elétricos é só a demora no carregamento. Vc com um carro a combustão se fizer uma viagem de 1000 kms, consegue fazer isso até mesmo durante o dia a uma velocidade de 100 km/h parando apenas para reabastecer, coisa que demora no máximo uns 5 minutos, enquanto um elétrico teria que levar umas 6 horas no mínimo para recarga.

      • Sino Weibo

        Um Tesla Model S em um 150kw Rapid chargers carrega de 100 a 350 Km entre 20 e 30 min. e 500 km até em uma hora. Essa tecnologia já existe. Está inclusive no segmento da empresa: “The typical time to charge an electric car can take as little as 30 minutes or up to 12 hours. This depends on the size of your vehicles battery and the speed of the charging point.” Fonte: pod-point . com

  • Luis Burro

    Bem q a Mitsubishi podia ter tido este design pra seus modelos, mto mais a ver com uma evolução do antigo q o atual, poderia até manter um Lancer Evolution!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email