Carros da Fiat (2022): modelos, antigos e versões

carros da fiat

Os carros da Fiat estão presentes no Brasil regularmente desde 1976, quando se iniciou a produção de veículos da marca italiana em Betim-MG.


A gama da Fiat seguiu basicamente três linhas de produto ao longo dos 20 primeiros anos de Brasil, sendo elas baseadas nos projetos 127 (147), 144 (Uno) e 178 (Palio).

Toda a gama era baseada nessas plataformas até a chegada do Tempra, que foi o primeiro médio da Fiat por aqui.

Com sua chegada nos anos 90, a Fiat expandiu a linha e admitiu produtos importados e mais sofisticados.

Nesse caso, o estiloso Fiat Coupe ao polêmico Fiat Marea, a marca explorou muitos produtos, chegando aos anos 2000 ainda bem diversificada…

Quais são todos os carros da Fiat? Veja aqui:

Carros da Fiat – anteriores

Foi por essa época que apostou em utilitários como a van Fiat Ducato, posteriormente com o Doblò atuando como multivan.

O Punto chegou com sua plataforma, compartilhada com Idea e Linea, além do Fiat Grand Siena.

Após fracassar em vender carros médios por aqui, a Fiat apostou nos compactos, gerando a segunda geração do Palio, compartilhado com um segundo Uno. Também criou um carro subcompacto, o Mobi.

Nos anos 2020, a Fiat resolveu fazer uma “limpa” no portfólio ultrapassado, dispensando vários modelos e adotando novos, como o Fiat Argo (projeto 328), que originou uma nova gama, ainda incompleta.

Em todos esses anos, a Fiat manteve um portfólio essencialmente nacional, ainda que tenha feitos vários produtos europeus, mas teve poucos modelos importados.

Hoje, essencialmente a Fiat “brasileira” não tem nenhum correspondente nacional com a Itália, com exceção da van Ducato, feita em Sete Lagoas-MG pela Iveco.

Contudo, projetos como 363 (Pulse) e 376 prometem alavancar as vendas da Fiat, assim como a Nova Strada está fazendo.

Carros da Fiat – atuais

Melhores carros da Fiat

Fiat Argo

Projeto 328, o Fiat Argo se tornou o primeiro compacto da gama atual da marca e um dos carros da Fiat mais bem aceitos no mercado nacional, sendo feito sobre a plataforma MP, derivada da antiga SCCS do Punto.

O Argo adotou uma nova arquitetura e também um novo motor, o Firefly de conceito modular GSE, com versões 1.0 6V de três cilindros e até 77 cavalos, assim como 1.3 8V com quator cilindros, entregando até 109 cavalos.

Usou ainda o E.torQ 1.8 com até 139 cavalos, mas deve se beneficiar mesmo é do GSE 1.0 Turbo de até 130 cavalos. Foi um dos últimos a usar um câmbio automatizado, recebendo um automático (1.8) e em breve um CVT.

Fiat Cronos

O Cronos é outro dos carros da Fiat derivados do Argo, sendo sucessor do Grand Siena, o modelo logo mais terá de assumir uma posição de entrada com motor 1.0 6V Firefly, não visto no modelo até agora.

Compartilha os demais motores com o Argo e também aguarda coisas novas, como motor 1.0 Turbo e CVT, em lugar de um velho motor 1.8 e sua (boa) caixa automática.

Ele emprestará peças e componentes para o projeto 376, um crossover de estilo cupê. O Cronos deve ser feito em Betim também para oferecer a opção 1.0.

Fiat Pulse

Chamado projeto 363, ele é tido como feito sobre a plataforma MLA, que em realidade é a MP do Ago, porém, com arquitetura eletrônica mais avançada, compartilhando muito com o hatch, inclusive usando as mesmas portas.

Considerado SUV compacto, é a grande aposta da Fiat para entrar num segmento que os consumidores queriam ver a marca, que nunca trouxe o Fiat 500X…

Usa o mesmo motor Firefly 1.3 recalibrado (com até 107 cavalos) e GSE 1.0 Turbo com até 130 cavalos, tendo ainda câmbio CVT.

Fiat Mobi

Qual o Fiat mais barato? O Mobi, com certeza.

Feito no tempo certo, mas estreando na época errada, o Mobi tinha tudo para fracassar e para salvá-lo, a Fiat sacrificou o Novo Uno, que ficou prensado entre o pequenino e o Argo, tendo hoje poucas unidades de uma série de despedida.

O Fiat Mobi chegou a ter motor Firefly, mas continua com o velho Fire. Mesmo assim, deve em breve assumir o motor mais moderno.

Atualmente divide com o Renault Kwid o título de carro mais barato do mercado, esperando uma atualização necessária para ser esticado um pouco mais.

Fiat Fiorino (terceira geração)

A Fiorino atual é a terceira geração e o único dos carros da Fiat que ostenta nome mais antigo, desde o primeiro modelo no fim dos anos 70.

Feita com base na plataforma do Novo Uno, assim como do Novo Palio, tem ainda o Mobi como fonte de compartilhamento de peças e componentes, assim como a Nova Strada.

É um furgão urbano necessário e com boas vendas, mas ainda usa o velho 1.4 Fire Evo, que deve ser substituído em breve pelo Firefly 1.3.

Fiat Strada (nova)

A segunda geração da picape leve da Fiat tem base mesclada com Mobi e Uno, recebendo pela primeira vez uma cabine dupla com quatro portas, o que a tornou bastante famosa e comercialmente um sucesso.

Foi o carro mais vendido em 2021 e recentemente ganhou câmbio CVT para o motor 1.3 Firefly, mas ainda porta o velho Fire 1.4 8V na versão Endurance.

Bem-sucedida, a Fiat Strada atual ainda receberá melhoramentos, especialmente em interior e motorização, com o GSE 1.0 Turbo sendo desejável para a picape.

Fiat Toro

Antes da Nova Strada, a Fiat já fazia sucesso com a Toro, tendo criado um nicho inexistente não só no Brasil, mas no mundo. Gerou equivalentes como Ford Maverick e Hyundai Santa Cruz, mas no mercado americano, onde não atua…

Feita sobre a plataforma global Small Wide B, a Toro é uma picape cabine dupla de porte médio e carroceria monobloco, chamando atenção para suspensão traseira multilink e motor em transversal.

Tem atualmente motores GSE 1.3 Turbo de até 185 cavalos e diesel Multijet 2.0 com 170 cavalos, empregando câmbio automático de seis ou nove marchas, bem como tração dianteira ou integral.

Fiat Ducato

A atual geração da Ducato nacional é a mesma do modelo global e se destaca por ter carrocerias em formatos de cabine-chassi, furgão e passageiros, tendo até 15 lugares, mais o motorista, além de baú com até 13 m³.

Ela é equipada com motor diesel Multijet 2.3 de 130 cavalos e com transmissão manual de seis marchas, tendo tração dianteira e plataforma baixa, permitindo melhor acomodação de carga ou conforto dos passageiros.

A Ducato é feita em Sete Lagoas-MG na fábrica da Iveco, que ainda tem o furgão Daily como um concorrente dentro da Stellantis. Aliás, os modelos Peugeot Boxer e Citroën Jumper são equivalentes da Ducato.

Fiat 500e

Único importado atualmente entre os carros da Fiat, o 500e chega em nova geração para ser o carro elétrico da marca no mercado nacional. Com preço elevado, ele vem importado da Itália.

Subcompacto como o anterior, o Fiat 500e tem motor elétrico de 118 cavalos e bateria de lítio de 42 kWh, que garante autonomia de 320 km no ciclo WLTP.

Bem luxuoso em comparação com o antigo modelo a combustão, tem ainda um som eletrônico em alusão a uma música de composição italiana.

Carros da Fiat – geração 147

Fiat 147

Foi o primeiro dos carros da Fiat no Brasil, tendo sido lançado em 1976 e equipado com motor 1.050 e 1.300, sendo um projeto modificado do Fiat 127 italiano, tendo seu custo reduzido para ser feito aqui.

Fiat Spazio

Este foi uma evolução do 147, sendo em realidade o mesmo carro, com mudanças no visual e mais atenção no acabamento. Durou apenas três anos.

Fiat Oggi

Era a versão sedã do Spazio e tinha duas portas, sendo o primeiro três volumes da Fiat aqui.

Fiat Panorama

Ela era a perua do Oggi e também tinha duas portas, com vigias laterais basculantes, sendo a primeira familiar da Fiat no Brasil.

Fiat City

Surgiu como primeira picape leve da Fiat e era derivada diretamente do 147.

Fiat Fiorino

Modelo maior que a City, era um furgão que já existia na Itália, igualmente derivado de 127/147. Tinha motor 1.300 e bom espaço para cargas.

Carros da Fiat – geração Uno

Fiat Uno

Revolucionário, o Uno apareceu em 1984 com soluções inovadoras, mas herdando do 147, suspensão traseira com feixe de molas e estepe no motor. Chegou a ter motor 1.3 Turbo e vendeu muito como Mille até seu fim em 2013.

Fiat Uno Furgão

Era a versão furgão do Uno e tinha bom uso em frotas.

Fiat Prêmio

A versão sedã do Uno ampliou as vendas da marca e teve duas ou quatro portas, chegando a ser exportado para a Europa.

Fiat Elba

Perua do Prêmio e assim como ele, tinha espaço de sobra e chegou a ter quatro portas, além das duas originais.

Fiat Fiorino Furgão

Teve longa vida e duas variantes derivadas do Uno, sendo uma mais longa. Saiu de linha em 2013.

Fiat Fiorino Pickup

 

A picape derivada do Uno não fez tanto sucesso quanto ao furgão, mas sucedeu bem a City.

Carros da Fiat – geração Palio

Fiat Palio

Surgiu em 1996 para rivalizar com Gol e Corsa, tendo parentesco de estilo com o Tata Indica. Teve diversos motores de quatro origens, sendo eles 1.5 Fiasa, 1.6 Sevel, 1.0 e 1.4 Fire, bem como GM 1.8 e durou até os anos 2010.

Fiat Palio (novo)

Segunda geração, usou motores Fire e GM 1.8, tendo sido lançado em 2011. Durou bastante, mas foi substituído pelo Argo.

Fiat Siena

Nasceu do Palio nos anos 90 e também durou até poucos anos atrás, tendo motores de origem Fiasa, Sevel, Fire e GM.

Fiat Uno (novo)

Segunda geração do hatch compacto, surgiu em 2010 com motores 1.0 e 1.4 Fire, chegando a ter personalizações e motor Firefly 1.0 e 1.3. Saiu de linha em 2021.

Fiat Palio Weekend

Tinha entre eixos e suspensão diferente de Palio e Siena, tendo sido feito até 2019. Inovou com a versão Adventure.

Fiat Strada

Sucedeu a Fiorino Pickup e inovou com cabines estendida, dupla e terceira porta, tornando-se líder de mercado.

Carros da Fiat – geração SCCS

Fiat Punto

Hatch compacto premium, teve motores Fire 1.4, GM 1.8 e E.torQ 1.6 e 1.8, sendo o 1.4 T-Jet seu ponto alto com 152 cavalos e muita esportividade.

Fiat Idea

Minivan com correspondente europeia, como o Punto, tinha ótima altura e compartilhou elementos com o hatch. Compartilhou motores com o Punto, exceto T-Jet.

Fiat Linea

Sedã criado a partir do Punto para suceder o Marea, mas sem muito sucesso, dado ser um compacto esticado. Teve motor 1.9 e 1.4 Turbo, por exemplo.

Fiat Grand Siena

Derivado do Punto, surgiu como sucessor do Siena e fez sucesso, chegando a ter a versão Tetrafuel do anterior. Teve motores Fire 1.0 e 1.4, além de E.torQ 1.6. Saiu de linha em 2021.

Carros da Fiat – médios

Fiat Tempra

Primeiro médio entre os carros da Fiat no Brasil, chegando com motor 2.0 de 8V ou 16V. Teve versão duas portas e opção Turbo com 165 cavalos. Foi sensação em sua época.

Fiat Tempra SW

Importada da Itália, era a perua do Tempra e tinha painel digital, usando ainda o 2.0 8V do sedã, mas com injeção.

Fiat Tipo

Foi vendido como importado e depois nacionalizado, tendo motor 1.6 e carrocerias de duas ou quatro portas.

Fiat Brava

Hatch médio sucessor do Tipo, também foi feito aqui e teve motores 1.6 e 1.8, ambos 16V.

Fiat Marea

O polêmico sedã é tido hoje como “bomba” por causa da manutenção, teve motores 1.8, 2.0 e 2.4, estes dois últimos de cinco cilindros, além de versão 2.0 Turbo.

Fiat Marea Weekend

Igualmente considerada como o sedã, compartilhou motores com ele e morreu como segunda (e última) perua da Fiat.

Fiat Stilo

Sucedeu o Brava e fez algum sucesso, tendo basicamente motor GM 1.8, mas existiram alguns 2.4 da Fiat. O teto panorâmico em lâminas foi sua inovação.

Fiat Bravo

Ocupou o lugar do Stilo e teve versão T-Jet com 152 cavalos, além de motor E.torQ 1.8. Foi o último médio da Fiat por aqui.

Carros da Fiat – veículos comerciais

Fiat Doblò

Durou 20 anos no mercado como multivan de sucesso, mas envelheceu. Teve motores GM 1.8 e Fire 1.4, levando até sete pessoas. Robusto, teve séries emblemáticas.

Fiat Doblò Cargo

Furgão derivado do Doblò, tinha motores 1.4 e 1.8, durando muito também.

Fiat Ducato

Van e furgão chegaram a meados dos anos 90, ficando mais de 20 anos sem mudança de geração por aqui, até 2017.

Carros da Fiat – importados antigos

Fiat Coupé

Raro, o modelo era um cupê importado com motor 2.0 16V de 137 cavalos, sendo vendido aqui de 1995 a 1996.

Fiat 500

Inicialmente importado da Polônia, tinha motor 1.4 Fire 16V e o apimentado 500 Abarth com 167 cavalos. Trazido depois do México, chegou a ter motor Fire 1.4 8V Flex.

Fiat Freemont

Era a versão Fiat do Dodge Journey, tendo motor 2.4 Tigershark e espaço para sete pessoas. Durou pouco por aqui.

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.

Deixe um comentário