*Destaque *Featured Crossovers Hyundai Lançamentos

Hyundai Creta 2017 é anunciado a partir de R$ 72.990

Hyundai Creta 2017 é anunciado a partir de R$ 72.990

A partir de agora, é provável que os modelos Chevrolet Tracker, Honda HR-V, Jeep Renegade e Nissan Kicks passem a ter uma vida mais difícil no mercado brasileiro. A Hyundai anunciou nesta segunda-feira, 5, a chegada do novo Creta, crossover de porte compacto que teve sua versão nacional mostrada pela primeira vez há cerca de um mês no Salão de São Paulo, que estará disponível nas concessionárias com preço inicial de R$ 72.990, podendo alcançar os R$ 99.490 na configuração mais cara.


O novo Creta chega ao País com três opções de versão, duas de motorização e duas de câmbio. A variante de entrada Attitude e a intermediária Pulse serão equipadas com um motor 1.6 litro Gamma flex de quatro cilindros, dotado de bloco e cabeçote de alumínio, comando de válvulas variável Dual CVVT, duplo comando de válvulas DOHC, quatro válvulas por cilindro e sistema de partida a frio “e-start” sem tanque adicional de gasolina, que consegue entregar potência de 123 cv com gasolina e 130 cv com etanol, a 6.000 rpm, e torque de 16 e 16,5 kgfm, a 4.500 rpm. Neste caso, haverá um câmbio manual de seis marchas ou um automático sequencial também de seis velocidades.

Segundo o divulgado da Hyundai, este motor entrega consumo de 7,6 km/l na cidade e 8,2 km/l na estrada com etanol e 10,4 e 11,7 km/l com gasolina. O modelo com câmbio automático faz 7,1 e 8,2 km/l com etanol e 10,1 e 11,3 km/l com gasolina.

Hyundai Creta 2017 é anunciado a partir de R$ 72.990


A Pulse e a topo de linha Prestige contarão com o 2.0 litros Nu flex de quatro cilindros, com bloco e cabeçote de alumínio, comando de válvulas variável Dual CVVT, duplo comando de válvulas DOHC, quatro válvulas por cilindro e sistema de partida a frio “e-start”, capaz de desenvolver 156 cv de potência na gasolina e 166 cv no etanol, a 6.200 rpm, e 19,1 e 20,5 kgfm de torque, a 4.700 rpm. Neste caso, o câmbio é sempre automático sequencial de seis velocidades.

O consumo das versões com motor 2.0 litro é de 6,9 km/l na cidade e 8,2 km/l na estrada com etanol e 10 e 11,4 km/l com gasolina.

 

Confira abaixo os preços e equipamentos de série da linha do Hyundai Creta:

Hyundai Creta Attitude 1.6 MT: R$ 72.990
Hyundai Creta Attitude 1.6 AT: R$ 69.990 (exclusivo para Portadores de Necessidades Especiais, PNE)
Equipado de série com airbag duplo, freios ABS, monitoramento de pressão dos pneus, Isofix, alerta de cinto de segurança do motorista e passageiro, alarme, ar-condicionado, sistema Stop & Go, volante com ajuste de altura e profundidade, banco do motorista com regulagem de altura, trio elétrico, direção elétrica, chave canivete com telecomandos, computador de bordo, console central Deluxe, sistema multimídia com rádio AM/FM, entradas USB, auxiliar e para iPod e conexão Bluetooth, volante multifuncional, rodas de liga-leve aro 16, barras de teto, grade frontal com acabamento na cor cinza, painel central em preto/cinza e alavanca de câmbio em couro.

Hyundai Creta Pulse 1.6 MT: R$ 78.290
Acrescenta controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle de tração (TCS), gerenciamento de estabilidade (VSM), assistente de partida em rampa (HAC), sinalização de frenagem de emergência (ESS), faróis de neblina, sensor de estacionamento traseiro, portas com acabamento em tecido e acabamento em couro nos apoios de braço das portas e central.
Hyundai Creta Pulse 1.6 AT: R$ 85.240
Inclui ainda rodas diamantadas de 17 polegadas, grade frontal com acabamento cromado e controle de cruzeiro com comandos no volante.
Hyundai Creta Pulse 2.0 AT: R$ 92.490
Dispõe também de luzes diurnas de LED, faróis com iluminação lateral Cornering Light, faróis com projetor, luz de posição em LED, saída de ar traseira, vidros elétricos com função one-touch e antiesmagamento e abertura fechamento dos vidros elétricos pela chave.

Hyundai Creta Prestige 2.0 AT: R$ 99.490
Agrega airbags laterais e de cortina, alarme volumétrico, bancos do motorista com ventilação, bancos em couro marrom, volante em couro, painel central em preto/marrom, ar-condicionado automático e digital, smart key e partida por botão, computador de bordo com funções de ajustes do veículo, retrovisores com rebatimento elétrico, faróis com acendimento automático, sistema multimídia blueNAV com tela sensível ao toque de sete polegadas, navegador integrado, Android Auto, Apple CarPlay, entradas USB, auxiliar e para iPod e Bluetooth, volante com novos comandos e câmera de ré dinâmica.

Hyundai Creta 2017 é anunciado a partir de R$ 72.990

O Creta será oferecido com garantia de cinco anos, sem limite de quilometragem. Já as revisões serão periódicas até 60 mil quilômetros com preços fixos. Ao adquirir o modelo, o consumidor recebe a primeira mão de obra gratuita. Confira as tabelas divulgadas pela Hyundai:

Plano de manutenção periódica Hyundai Creta 1.6

10 mil km

20 mil km

30 mil km

40 mil km

50 mil km

60 mil km

R$ 227,00

R$ 495,50

R$ 578,00

R$ 624,50

R$ 399,00

R$ 719,00

Plano de manutenção periódica Hyundai Creta 2.0

10 mil km

20 mil km

30 mil km

40 mil km

50 mil km

60 mil km

R$ 243,00

R$ 511,50

R$ 594,00

R$ 616,00

R$ 415,00

R$ 735,00

Galeria de fotos do novo Hyundai Creta

Hyundai Creta 2017 é anunciado a partir de R$ 72.990
Este texto lhe foi útil??

218 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

    • Hyundai Creta 2.0 Automático

      Ciclo urbano (cidade): 6,9 km/l (etanol) e 8,2 km/l (gasolina)
      Ciclo rodoviário (estrada): 10 km/l (etanol) 11,4 km/l (gasolina)

      Hyundai Creta 1.6 MT6

      Ciclo urbano (cidade): 7,6 km/l (etanol) e 10,4 (gasolina)
      Ciclo rodoviário (estrada): 8,2 km/l (etanol) e 11,7 Km/l (gasolina)

      Hyundai Creta 1.6 AT6

      Ciclo urbano (cidade): 7,1 km/l (etanol) e 10,1 (gasolina)
      Ciclo rodoviário (estrada): 8,2 km/l (etanol) e 11,3 Km/l (gasolina)

      • O Creta 2.0 tem o mesmo consumo do maior, e portanto mais pesado, Jeep Compass na cidade!

        Esses motores ficaram péssimos em consumo. Tanto que um Creta 1.6 manual tem consumo de Renegade 1.8 evo-evo-evo. !!!

        O Creta 1.6 manual de 73 mil perde pro Renegade 1.8 manual.

        O 1.6 manual de 78 mil, perde pro HR-V 1.8 manual ou Tracker 1.4 turbo AT.

        O 1.6 AT de 85 perde pro Kicks 1.6 CVT SV.

        O 2.0 AT de 93 mil perde pro HR-V 1.8 CVT.

        O 2.0 AT top de 100 mil, perde pro Jeep Compass.

        A Hyundai escolheu mal os adversários.

      • números bem distantes do Kick(acho que pela perfumaria deve ser concorrente deste modelo), mas quem sabe agora com concorrência chegando a Nissan corrige a bizarrice de não colocar piloto automático e a GM coloca um pacote de segurança(esp…freio disco 4 rodas), para mim só não compro a GM(melhor motor na minha opinião/consumo) em função de ter um veículo que possui controle tração, controle estabilidade, freio a disco nas 4 rodas, como ando bastante , acho fundamental estes itens, meu carro ja está chegando a 74000 Km, por isto estou pensando em trocar.

    • Mas esse segmento como um todo é assim mesmo. São carros bem medíocres (no sentido de não terem nada demais). Para ficar “mais alto que os outros” no trânsito, cobra-se 20mil a mais em relação a um sedan ou hatch semelhante, aí abre-se mão de consumo, estabilidade, desempenho.

    • Sinceramente (não tenho carros de nenhuma das duas marcas) não vejo o porquê de se optar pelo carro por conta da marca no caso destas duas empresas. Ambas gozam de bom prestígio e confiabilidade no mercado local, com níveis de desvalorização relativamente baixos (ao menos no que diz respeito aos Hyundai nacionais) e bom pós-venda.
      Eu prefiro esperar o carro estar no mercado para avaliá-lo por critérios objetivos ligados à relação custo x benefício, design e atendimento às minhas demandas.
      De qualquer forma, eu não consigo enxergar a atratividade que o mercado em geral anda vendo nesses ditos “crossovers”. Carros de apelo tecnológico relativamente discreto (plataformas de compactos), com equipamentos de menos para a faixa de preço em que atuam, espaço interno também pouco auspicioso para o patamar de preços em que são vendidos, e com características off-road que com raras exceções, não passam do visual. Tem muito sedã médio por aí sendo vendido na mesma faixa de preços, com espaço interno significativamente superior, plataformas mais modernas, melhor motorização e mais equipados.

        • No caso dos crossovers o mercado aprovou por algumas características:

          -São mais altos e passam mais fácil em lombadas e buracos
          -Tem posição de dirigir agradável para a maioria das pessoas
          -Facilidade para entrar e sair do carro sem precisar dobrar a coluna
          -São pequenos por fora e com bom espaço interno
          -Porta malas mais alto facilitando colocar objetos que não cabem em um sedan médio.

          No caso dos Sedans compactos:

          -Pequenos e estreitos por fora
          -Baixo peso ficando com bom desempenho sem precisar de motores maiores
          -Tendencia a melhor consumo de combustível por usar motores menores.
          -Porta malas BEM maior que de sedan médio, no caso do Etios o porta malas possui 562L

          No geral carros pequenos, ágeis, com excelente porta malas e maior facilidade em manobras dentro da cidade mantendo um bom espaço interno além de serem relativamente “completos”

          Os VERDADEIROS consumidores de Sedan médio migraram para Crossovers por na prática serem bons carros diferente das criticas aqui onde alguns falavam que são “carros pato” mas na prática o mercado mostrou o contrário.

          Tudo tem um começo, meio e fim. Da mesma forma que o fim chegou para as Peruas no inicio dos anos 2000 os Sedans Médios estão dia a dia indo para o mesmo buraco…

          • Tô contigo ViniciusVS, apesar de muita gente não gostar, o mercado abraçou a ideia dos crossovers, só acho que os sedans médios ainda tem um bom chão pela frente, ao contrário dos hatches médios, que já estão na beira do abismo a um bom tempo.

          • Acrescento algo que serve para os “Crossovers”: as pessoas têm o direito de achar um crossover mais bonito do que um sedan médio, não tem? Não são todas as pessoas que acham Sedans médios atraentes e acho que uma das principais coisas analisadas ao se comprar um carro, é o design.

            Outro ponto, os hatches médios e os próprios sedans são (em sua maioria) bastante masculinizados, trazem esportividade e isso faz com que muitas mulheres não escolham um veículo desses na hora da compra. Esteticamente elas preferem os crossovers.

      • são carros mais joviais que os sedans médios que, fora o novo civic, todos tem cara de tiozão. nesses tempos em que passar dos 35 anos é crime, todo mundo anda buscando parecer mais jovem… porém, concordo plenamente que esses crossovers não tem custo-benefício algum. um fit de 65 mil entrega praticamente os mesmos equipamentos que um hr-v de 80, assim como fiesta/ecosport, sandero/duster e hb20/creta.

        • Ja dirigiu o Fit e o Hrv?

          Entregar a mesma quantidade ou mais equipamentos não faz um carro ser melhor que o outro, nessa teoria um Uno seria melhor que um Corolla porque o Uno tem ESP.

          O Hrv é mais que um derivado do Fit, ele tem acertos diferentes que fazem dele outro carro.

          • não foi isso que eu disse. só acho que a superioridade do hr-v não justifica a diferença de preço. ou qualquer concorrente comparado ao hatch de origem. vai me dizer que um duster vale 85 mil sendo um sandero com músculos? ecosport por 93 mil? hr-v por 102 ou mais? Veja a diferença de preço do duster pro sandero na europa…

            • O Duster custa 85 na versão completa com todos os opcionais possíveis, porém esse é o seu valor oficial se procurar no site da Renault encontra no link as ofertas e tem lá a versão 2.0 Dynamique automática por 76.990.

              Na versão básica o Duster está oficialmente por 68.000 porém está saindo na oferta por 63.990.

              Fazendo da maneira que você fez procurando a versão com maior valor e colocando todos os opcionais mais pintura metálica o Sandero altinho ( Sim fui tolerante de não colocar o RS no comparativo absurdo) que nem automático tem ( EasyR automatizado) está na versão completa pelo valor oficial somente 64.750 porém na oferta sai por 59.970.

              A versão básica do Sandero no valor oficial sai por 42.400.

              Existe sim uma margem de lucro porém basta negociar e o Duster é muito mais carro que um Sandero, pode ter motor antigo sim porém tem mais espaço, mais torque, cambio AT de verdade, se analisar bem o que está caro são os Hatchs e não seus derivados.

              • mais absurdo pra mim é comparar versão completa de um hatch com a versão básica de um crossover, afinal em qualquer lugar do mundo as categorias “se cruzam”. quanto a ser um hatch altinho ou não, existem casos e casos. no da renault, o duster é sim um sandero alto e esticado, até as portas tem o mesmo formato. hr-v, ecosport e outros, sim, tem maiores diferenças em relação aos hatches de plataforma compartilhada. renegade, vitara e creta nem sequer derivam de plataforma de um hatch compacto, mas o são. isso não faz diferença, são todos crossovers do mesmo jeito, todos entregam basicamente a mesma coisa, então é apenas modo de dizer. apenas constatações óbvias (ou nem tanto para alguns) até aqui.

                voltando ao que interessa – já que você desviou o assunto umas 3 vezes – te falei pra ir no site da Dacia e olhar a diferença de preço entre Sandero e Duster na Europa, pra constatar que só no Brasil essa diferença de preço é tão enorme. ou então compare o sandero 1.6 MT mais caro com o duster 1.6 MT mais caro no Brasil mesmo (agora que usam o mesmo motor e câmbio, talvez você pare de reclamar). se quer acreditar que esses crossovers valem 20 ou 30 mil a mais que um hatch compacto, vá em frente. eu só cansei de argumentar mesmo. porque aqui não existe conversa, apenas pessoas dispostas a encher o saco até que concorde com elas. eu não tenho tempo nem disposição pra isso. grande abraço.

                • “se quer acreditar que esses crossovers valem 20 ou 30 mil a mais que um hatch compacto, vá em frente.”

                  Independente do que eu acho ou do que você acha, o mercado acha que vale e as vendas comprovam isso com crossovers em alta e sedan médio em baixa. Não sou eu que dito as regras e sim o mercado, em qual segmento as montadoras vão investir? em sedan médio que não será e a prova disso é que até o Kwid virá como “suv ” (Subcompacto??) logo se o mercado aceita e coloca na liderança tem sim valor.

                  Quanto a Dacia não existem parâmetros, não tem como comparar mercado Europeu com o Brasileiro, lá existe Logan perua e Logan minivan, aqui o mercado rejeitaria as duas opções por exemplo…

                  Cada mercado com sua realidade.

            • HR-V tem este preço porque é líder de mercado, isto acontece com qualquer segmento de produto de qualquer indústria. Veja o Gol que historicamente era líder e era o mais caro. Perdeu a liderança o preço baixou. Pode uma Strada Adventure ser mais cara que uma Saveiro Cross, considerando que a tecnologia da Saveiro dá de 10 a 0 na Strada, a dirigibilidade, e a diferença de projeto ? Pode pois a Strada é líder de mercado. É assim que funciona. Se o Renegade tivesse um porta-malas decente e um visual que agradasse um número maior de mulheres, ele seria o líder e certamente seria o mais caro.

          • Não precisa ir tão longe na comparação do Uno, ele compartilha a plataforma com o Palio e o Palio é melhor, só os Fiat Lovers veneram o Uno com Motor Firefly (que é bom), direção elétrica, ESP e Hill Holder(que bem poucos Uno saem de fábrica com estes 2 itens). Continua sendo um Uno, apesar de estar equipado com um motor melhor e mais tecnologia, não faz dele algo comparável a um HB20 ou Ka, por exemplo.

        • Detalhe, você está cometendo um grande erro ao colocar HB20/Creta no mesmo patamar que Sandero/Duster, Fiesta/Ecosport e Fit/HR-V, porque enquanto todos esses dividem a mesma plataforma, o Creta utiliza a plataforma (assim como motor e câmbio) do Elantra/i30.

          • não acho um grande erro. o renegade usa a mesma plataforma que carros maiores como compass, e pra mim ele é do mesmo nível dos outros. não conheço o creta ainda, mas eu aposto que ele não terá a mesma dirigibilidade, acabamento, dinâmica, etc do elantra. plataforma tem pouca importância, o que importa é o que o carro entrega na prática. ainda mais em tempos de plataformas modulares (eu sei que não é o caso).

            • Plataforma não tem pouca importância não. A plataforma praticamente define o carro que estamos falando. É claro que acabamento nada tem a ver. Mas veja bem não estou dizendo que a dirigibilidade dele será a mesma do Elantra,mesmo porque só pelo fato de ser um carro de centro de gravidade elevado, já se perde nesse quesito. Mas você está cometendo um grande erro sim. O que pelamordeDeus o HB20 tem a ver com esse carro? Você só está citando carros, digamos, “irmãos” e ao lado deles você cita o Creta e o HB20. Não tem nada a ver. Está errado dizer que o Creta está para o HB20 assim como o HR-V etá para o Fit. Ademais, você erra ao dizer que o Renegade tem plataforma de carros maiores. É o contrário, o Compass que utiliza aplataforma do seu “irmão” menor.

              • plataforma é apenas a estrutura básica construtiva do carro. daí pra frente a engenharia faz o que quiser dependendo do resultado que pretende. tem sim pouca importância na prática. quanto ao compass ter plataforma de renegade, eu me recuso a discutir quem veio primeiro, se foi o ovo ou a galinha. a small wide é derivada da gamma, que foi usada por vários carros desde o início dos anos 2000. e os carros não são nada iguais, alguns nada tem a ver. o creta pode ter tudo a ver com o elantra, ou nada a ver. mas o provável é que tenha pouco a ver, já que o creta é um compacto e não terá a qualidade de um médio, caso contrário custaria como tal.

                • Sabe, tenho que dizer que acho engraçado você dizer que “plataforma é apenas a estrutura básica construtiva do carro”. Só isso. Simples assim. Importância nenhuma. Mas beleza, não vamos ficar aqui em uma discussão sem fim. Mas voltando ao ponto que você postou e que eu discordei, ainda que como sua própria argumentação afirme, o Creta tenha pouco a ver com o Elantra, uma coisa eu e você temos certeza: ele não tem NADA A VER com o HB20. Logo, é um grande erro citar: HR-V/Fit, Duster/Sandero, Fiesta/Eco e Creta/HB20. Para se ter o mínimo de coerência você deveria dizer Creta/Elantra ou Creta/i30.

                  • Tirando a parte do “acho engraçado” e o sarcasmo barato, pois isso é de uma arrogância ímpar vindo de um cara totalmente leigo, cuja opinião importa tão pouco quanto a minha ou de qualquer anônimo, e tirando também a sua total incapacidade de interpretar o que eu digo, tudo bem, opinião sua, eu respeito (embora você não saiba fazer o mesmo).

                    Plataforma é importante do ponto de vista de engenharia, mas do ponto de vista do consumidor, isso tem pouquíssima importância, quase NENHUMA, pois carros diferentes são diferentes, o fato da plataforma básica ser a mesma não diz necessariamente respeito ao que o novo carro entrega pro usuário. Mas na internet todo mundo é metido a especialista pra falar de plataforma, etc, então dane-se. Não sei como ser mais claro. Ademais, você pode continuar achando/apostando que o creta é extremamente superior ao hb20 e do nível do elantra (o que não faz o menor sentido), pois não vou ser eu a te convencer do contrário, e também não me importo. Grande abraço.

          • porta malas, altura de rodagem, talvez praticidade (em que o Fit é referência também), entre outros pontos menores. mas mesmo assim, não vejo aonde um hr-v vale 15 ou 20 mil a mais. e olha que eu considero ele o mais equilibrado do segmento.

  • Achei bem quadradão, mas mesmo assim me agradou. Se fosse 10k mais barato na versão top ele seria uma ótima opção, apesar que eu acho q ele deve ter um consumo bem alto.

  • Se, atualmente, até nos 1.0 começa a ficar frequente a opção pelos automáticos/automatizados, quanto mais caro o segmento, mais inimaginável se torna optar por um manual.
    Logo, pode-se dizer que o modelo em questão parte do 85 mangos. Salgado.

  • Às vezes eu tenho vontade de trocar meu carro, um hatch 1.0 com “kit dignidade”. Mas daí eu vejo um compacto 1.6 manual com kit dignidade custando R$ 73 mil e rapidamente mudo de ideia.

    Acho que eu deveria agradecer ao cartel das montadoras, pois estão me economizando um bom dinheiro por causa desses seus preços absurdos!

    • E se você tiver disciplina financeira e investir a quantia das parcelas do financiamento, daqui a pouco tempo teria bem mais que o valor do carro, se fosse comprar a vista melhor ainda, investiria logo um bolo grande e se conseguisse juntar ainda as prestações, seria o ideal.

    • Seu kit dignidade para Compacto 1.6 manual está pesado. O que considera o seu kit?
      Digo isso porque, aqui em BH achei nesse sábado na TAI um HB20 Style 1.6 MT6 por 52k modelo 2017 na cor branco ou preto. Ainda falaram que se eu quiser alguma outra cor, fazem pedido na fábrica e entregam antes do natal, mas claro com aumento do custo da pintura metalica que é 1100 reais.
      Ah, tinha também o Confort Plus 1.6 MT6 por 48mil, mas ele nao tem roda, farol de milha, regulagem do volante e algumas coisinhas que nao lembro mais, mas já vem com ar, direção, vidro eletrico nas 4 portas, chave canivete com alarme, calota aro 15, som com bluetooth e comandos no volante e retrovisor eletrico.

      • O HB20 é diferente, pois tem um custo-benefício melhor que esse SUV. A minha crítica foi voltada ao Creta (e outros SUVs), que deve ter equipamentos semelhantes ao HB20 Style que você viu, além de alguns centímetros a mais de espaço inteiro, porém, cobrando R$ 21 mil a mais que o HB20.

        É muita grana por um salto alto e uma esticadinha no tamanho…

        • Realmente está mais barato. Antes de ir à concessionária, pesquisei no site da Hyundai no “monte seu carro” e anotei os valores em um rascunho.

          Cheguei na concessionária e fingi de bobo como se nao soubesse do preço do carro. A vendedora me apresentou muito bem o carro e perguntou se teria algum carro na troca. Eu disse que nao, que queria financiar dando uma boa entrada o restante com taxa zero ou quase zero. Diante da negativa do carro usado, ela me falou que até dia 26 (nao sei se é verdade) tinha um bonus pra esse carro e me deu os preços citados.

          Achei o desconto interessante, tendo em vista que HB20 costuma ter pouco desconto. Fiz um test drive e gostei bastante do carro. Agora é quebrar o cofrinho pra ver se consigo comprar.

          Só de curiosidade, perguntei se eu fosse dar meu carro no negocio (nem citei qual carro era) se conseguia o mesmo desconto. Ela disse que provavelmente nao. Ou seja, essas promoçoes de tabela fipe pra mim é enganação: seguram o desconto do carro novo pra melhor a avaliação do usado. No fim das contas, o que realmente importa é a diferença entre o zero e o usado, o quanto voce vai ter que desembolsar. Prefiro vender meu usado pela internet do que entregar na concessionária.

  • O desenho externo não me agradou, agora o interno, parece estar bem resolvido. O ponto positivo é que o Creta tem um porta malas conforme o que se espera de um utilitário esportivo compacto e parece ter espaço interno pelo menos razoável. Agora, os preços estão salgados. A diferença entre a versão Attitude e Pulse é muito grande e a versão de entrada tem pouco recheio para 72 mil reais. As versões automáticas começam em 85 mil, o que é um valor salgado. Não tenho dúvidas que irá vender, mas esse carro, na minha opinião, não se destaca perante a concorrência e continua a oferecer mais do mesmo, apenas numa nova roupagem e com o símbolo Hyundai.

    • cara achei exatamente a mesma coisa. Automático a 85k e pouco recheio. Cada vez tenho certeza que vou ter ariscar um carro usado do que pagar um absurdo em carro 0km que não tem nem quebra sol.

    • Convenhamos que nenhum SUV atualmente vale o quanto custa. Claro que temos opções interessantes, mas a maioria é ruim e o povo não se importa e compra mesmo assim. Eu tenho um Hyundai em casa, gosto muito, mas um Creta desses eu não abraço. Sem falar que pelo valor da pra pegar uma ix35 semi nova…

  • Nessa categoria, consideraria como opção de compra o Renegade que depois da recalibrada que fizeram no motor 1.8, parece ter ficado com um desempenho mais interessante, a Nissan Kicks que vem bem recheada, 2008 THP, e subindo um pouco o patamar tem a compass de entrada, mas jamais pensaria nesse Hyundai, achei enorme o abismo entre as versões intermediárias comparando com a topo. Se quiser uma CMM vc tem que partir pra versão de 100 mil reais (igual fazem no HB20), ficaram malucos de vez, sem contar nos itens de segurança, onde são de série desde as versões de entrada na concorrência. Ao contrário desse aí que só disponibiliza tais itens nas versões mais caras. Como troquei de carro nesse ano, fico no aguardo pelo TCROSS da VW em 2018.

    • A Hyundai demonstrou arrogância nesse sentido. Eles tem a certeza que o brasileiro é trouxa… Colocar uma versão de um SUV lançamento a preço de SUV médio…. Faço a minha parte e não compro…

  • Creta 1.6 MANUAL custando praticamente o mesmo que o Tracker LT 1.4 TURBO AUTOMÁTICO.
    Creta 2.0 automático custando R$ 2.500,00 A MAIS que o Tracker LTZ 1.4 TURBO bem mais completo.

    • O preço do Tracker veio “honesto”. Motor turbo, tiraria o painel de onix, start stop… eu era um crítico ferrenho, mas agora, passei a gostar do Tracker. Um creta com motor 1.6 de hb20 custar mais caro que um carro turbo, é de matar.

      • Tracker 2017 não vem mais com painel de Ônix. Pecou pela falta do ESP, para quem está direto na estrada ou região de muita chuva é complicado …

          • HR-V, renegade, kicks, vitara e s-cross, todos eles tem esp em todas as versões. o ecosport só não tem na versão de entrada, assim como o creta. só o tracker e o duster não têm em nenhuma versão.

            • Todos custam mais caro que a Tracker at6. Nunca defendendo a GM, mas ela “acertou” e se começar os descontos que nem o modelo anterior, será uma compra “menos pior”

                    • Eu troco o ESP pelo motor turbo, air-bags laterais, bancos em couro, alerta de ponto cego, faróis tipo projetor, luz de condução diurna em LED, lanternas em LED, rodas de 18″, sistema Easy Entry (abertura das portas e alarme anti-furto através de sensor de aproximação na chave), partida sem chave, retrovisores com aquecimento, teto solar elétrico, etc..

                • Com todos os air-bags o Tracker LTZ+ custa o mesmo que o Creta 2.0 básico com apenas 2 air-bags e que não vem sequer bancos em couro.
                  Tracker LTZ+ vem com alerta de ponto cego, faróis tipo projetor, luz de condução diurna em LED, lanternas em LED, rodas aro 18″, sistema Easy Entry (abertura das portas e alarme anti-furto através de sensor de aproximação na chave), partida sem chave, retrovisores com aquecimento, teto solar elétrico, bancos em couro e banco do motorista com regulagem lombar elétrica.
                  Todos esses itens NÃO são oferecido no Creta do mesmo preço.

          • Se não me engano os concorrentes diretos todos tem de série ou como opcional. Apenas o Duster que não considero concorrente direto é que também não oferece. Sou candidato à um Tracker em 2017, mas praticamente não viajo e na minha região chove muito pouco. Se viajasse bastante não abriria mão do ESP.

    • O Tracker não vai ter força pra disputar liderança de segmento porque a GM estragou o carro ao deixar de colocar controle de estabilidade, tração e ar digital em todas as versões… Vc pode pedir um Tracker LTZ +++++ que ele não virá com esses itens. Isso faz muita diferença nesse segmento…

  • tirado de outro site:
    E a tarefa foi realizada: as versões com ambas as motorizações conseguiram nota A do Inmetro na categoria. Com câmbio manual, o 1.6 faz na cidade 7,6 e 10, 4 km/l (e/g) e, na estrada, 8,2 e 11,7 km/l (e/g). Já o 2.0 faz 6,9 e 10 km/l na cidade e 8,2 e 11,4 km/l na estrada.

    • Tracker provavelmente não virá com controles de tração e de estabilidade. No Creta eles são de série desde o modelo intermediário. A única coisa que se destaca na Tracker é o motor. E só.

      • A única coisa que vi de economia porca na Tracker (além do que você citou em relação ao ESP), foi a falta de discos nos freios traseiros… Isso acho mais porco até do que não ter o ESP… Será que isso procederá mesmo?

        • Tomara que não e que eu também esteja errado em relação ao ESP. Se vier com ambos, dependendo do preço, vai fazer sucesso, principalmente por causa da motorização superior aos concorrentes.

        • Freio à tambor traseiro dá para perdoar, agora sem ESP é cruel, pelo menos no LTZ tinha que ter. Sou candidato a um Tracker, porque praticamente não viajo e aqui não chove quase nada, por isso cogito a compra de um Tracker apesar da falta do ESP, agora para quem viaja muito ou região de muita chuva é complicado sem ESP.

          • Quando eu me referi à “economia porca” não foi nem relacionando o grau de importância dos itens…

            ESP tem muito veículo que ainda não tem (alguns custando mais caro ainda) e mesmo sem justificar a falta deste item, ainda acho que manter freios a tambor em veículos que não sejam 1.0 de entrada me parece ser a economia mais porca que existe.

        • O Tracker não vai ter força pra disputar liderança de segmento porque a GM estragou o carro ao deixar de colocar controle de estabilidade, tração e ar digital em todas as versões… Vc pode pedir um Tracker LTZ +++++ que ele não virá com esses itens. Isso faz muita diferença nesse segmento…

          • Liderança acho difícil também, mas que vai incomodar, vai, porque provavelmente vai entregar desempenho e consumo que nenhum outro entrega. Deverá ser o primeiro Crossover com desempenho e consumo semelhante ao de sedã médio. Se tivesse o ESP e ar-digital seria sério concorrente à liderança.

        • Parece loucura mas e GM colocou um motor moderno na Tracker em todas as versões mas foi muquinha com o esp/tc. E mais airbags que a lei só na top também.

      • O Creta automático custa 85 mil, enquanto o tracker, 80… se ocorrer que nem o Cruze os descontos, que no Creta não deve ter, vide hb20, iria de Tracker, mesmo sem os equipamentos.

            • Porque o Cruze ficou com preço semelhante à Civic e Corolla, sendo que este é um segmento bem conservador. Tracker veio comparativamente ao Cruze mais competitivo, e este segmento ainda não está consolidado, tem muito consumidor entrando neste segmento e aí eles não tem preferência por modelo (algo que é muito forte no segmento dos sedan médios),

        • Ah, eu já não penso assim. Creio que ESP em SUV é um item obrigatório, pelo centro de gravidade mais alto e o peso maior desse tipo de veículo. Eu não compraria um sem controle de tração e de estabilidade, ainda mais um Tracker, que vai vir com um bom motor e, certamente, o dono será instigado a acelerar! Rsrs

  • O preço poderia ser mais chamariz tipo 69.990, porém é uma boa pedida e vai fazer bagunça no mercado… Aliás, o importante é termos fartura de opções por até no máximo 79.990,00.

  • Pra ter central multimídia tem que pagar 100 mil… lançam um carro, apresentam em salões, vemos as imagens do carro completo e na hora de comprar o preço de 73 mil não existe, porque você não quer uma carro em 2017 sem central multimídia, sem piloto automático, sem controle de estabilidade etc, é nesse ponto que todas as empresas nos comem o fígado, então é simplesmente inacessível.

  • Estive agora no começo de dezembro na fábrica da Hyundai em Piracicaba e o que mais me causou espanto é não ver nenhum Creta na linha de produção, isto posso garantir com absoluta certeza. Só vi alguns cretas com placa verde de teste lá fora. Na produção apenas HB20 Hatch e HB20S . Com certeza o Deadline da Hyundai não está para iniciar as vendas em Janeiro. Atualmente a produção está em 30 carros por hora, mas a produção inteira está para Hb20 Hatch e S.

  • Mais um pega trouxa, 73mil com motor de hb20, manual, se duvidar som Bosch, e se duvidar ainda mais, calotas e bancos de tecido. Não sei onde o mercados de crossover pequenos vão parar, e quanto ainda o brasileiro ira gastar para andar em carro de altura maior e sem nenhum outro atrativo…

    • Equipamentos da versão de entrada:
      Equipado de série com airbag duplo, freios ABS, monitoramento de pressão dos pneus, Isofix, alerta de cinto de segurança do motorista e passageiro, alarme, ar-condicionado, sistema Stop & Go, volante com ajuste de altura e profundidade, banco do motorista com regulagem de altura, trio elétrico, direção elétrica, chave canivete com telecomandos, computador de bordo, console central Deluxe, sistema multimídia com rádio AM/FM, entradas USB, auxiliar e para iPod e conexão Bluetooth, volante multifuncional, rodas de liga-leve aro 16, barras de teto, grade frontal com acabamento na cor cinza, painel central em preto/cinza e alavanca de câmbio em couro.

    • Com certeza. Eu mesmo vou ficar entre ele e o Kicks, que se encontra fácil a versão SL por 85 mil, e passa a ter um ótimo custo benefício se comparado ao Creta.

            • Kkkk o Kicks sai pra mim 25 mil mais barato, além do seguro e revisões mais baratos. Só que há muito preconceito com ele, e a culpada é a Nissan pela faixa de preço errada em que ele foi lançada e não é praticada. Consegui o grafite com interior machiatto (marrom) por 84500 e acho q vou fechar amanhã. Meu maior medo é a desvalorzação acentuada que pode ter se suas vendas baixarem muito.

                • Boa tarde Eick, vc vai conseguir um bom negócio na Nissan de Bragança Paulista. Quem me atendeu foi o vendedor Ted, sempre muito solícito. Acabei comprando o Compass Sport. Fui fazer o test drive e me surpreendeu a qualidade do carro, realmente está em outro patamar de HR-V e Kicks. Sempre falei que preferia um SUV compacto mais completo, mas achei a diferença entre os carros muito grande e preferi pegar o Compass de versão de entrada. Também consegui uma boa negociação, recomendaria vc conhecer o carro pessoalmente. Como rodo pouco, o consumo não importa tanto pra mim. Abraço

          • Também acho a diferença muito pequena , eu iria de Jeep Compass sem pensar 2 X, no shopping aonde eu almoço quase de diariamente , tem um em exposição e o carro alem de muito bonito , parece ser muito bem construído.

  • Eu acho mais negócio um Kicks SL por 85 (facilmente encontrado nas concessionárias) que um Creta Pulse pelos mesmos 85 mil. Pense bem:
    Kicks SL tem a mais: 6 airbags, chave presencial, câmera 360graus, bancos em couro, cluster digital, sensor de luminosidade e central multimídia.
    Creta Pulse tem a mais: piloto automático.
    Ambos tem o freio a tambor na traseira.

    • Se for olhar apenas os equipamentos sim, mas um veículo é um conjunto e aí precisa andar nos dois para ver como se comportam. Tem também custo de revisões, seguro, depreciação, garantia.

      • Olha, no Kicks eu já andei e pra cidade se comporta muito bem. Deve sofrer um pouco em ultrapassagens. O Hyundai 1.6 tem um pouco mais de cavalos, mas tb é um pouco mais pesado, devendo ter comportamento similar.
        O custo de revisões do Kicks é menor que HRV, creio que será muito parecido tb no Hyundai.
        O seguro do Kicks é bem razoável e a garantia é de três anos, contra 5 da Hyundai.
        O ponto que mais o Kicks pode sofrer é a depreciação, pois a Hyundai hj está mais valorizada que a Nissan, mas a diferença de equipamentos e a diferença que eles fazem no seu uso do carro, com certeza irão compensar uma desvalorização um pouco maior.

      • No lançamento será muito difícil ter Creta com desconto.
        E o que vale numa comparação, na realidade, é o quanto você irá pagar. Se o carro tem desconto, é isso que você tem que levar em consideração. Se o outro não tem, então que pegue o valor de tabela dele.

  • Palhaçada vender uma versão automática para PNE R$ 3.000,00 mais barato que a mecânica ao consumidor comum. Se dá para vender para PNE neste valor (que é o limite de preço para pegar as isenções de IPI/ICMS) dá para vender ao consumidor comum também. obs: para quem não sabe este preço anunciado para PNE, é o preço com impostos, após a(s) isenção(ões) reduz ainda mais.

      • 23% de desconto sobre 70k. Se for comprar qualquer outra versão, o desconto é de 11% da tabela, em média. Nesse sentido, a montadora está de parabéns por oferecer. A JEEP tb oferece. Já a honda e as demais não tem uma versão de até 70k para ter o desconto maior.

  • Veio muito caro, mais isso pode ser explicado por causa da limitação da fábrica que só poderá fabricar 30.000 mil cretas por ano, e aposto que vai vender tudo, e os preços estão dentro da categoria.

  • Caro e é sério que mais airbags que o padrão só na versão de 100 mil? Enquanto isso o 2008 tem 4 de série (sim sei da ausência do esp, mancada também Pug) mas a lista de equipamentos de série é bem maior. A tal versão Pulse poderia ter 4 airbags ao menos. Agora olhem só o 2.0 tem números similares ao do 2.0 do Compass, dependendo das vendas não duvido de uma nova mexida no powertrain do Renegade ao menos na versão top flex.

  • A Hyundai força a pessoa a comprar o top de linha. Se não, você tem apenas a casca do carro, “vazia de equipamentos por dentro e visualmente por fora”….

    • Creio que seja semelhante ao caso do Corolla. Nem Corolla nem HRV se destacam em tecnologia, mas ambos tem um bom conjunto e fama de bom pós-vendas (custo e qualidade de atendimento).

  • O Creta 2.0 Pulse (intermediário) tem bancos de couro?? Tem multimídia e ar digital??? Ou somente o top de linha terá??? Não ficou bem claro isso…. Se não tiver esses itens é carta fora do baralho…

  • Capaz do WR-V partir de preços maiores, o FIT nas versões intermediárias já passa dos 70 mil reais. Agora vamos ver até que ponto a HMB irá conseguir por esse Creta entre os mais vendidos do segmento, porque apesar de falarem no site que é a marca que mais sabe fazer SUV até onde sei todos os SUV’s da marca eram CAOA, será o primeiro, me corrijam se estiver errado, da HMB . Mas pelo que vejo nos fóruns e Facebook muitos clientes do HB20 querem fazer o “upgrade” e ir para o Creta, é só saber fidelizar os já clientes da marca e é sucesso garantido.

  • Sinceramente por essas e outras que acredito que a TIGGO5 deveria vir ao mercado, mesmo que custando acima do Creta; uma TIGGO5 2.0 CVT custando seus 75 mil de início e chegando ao máximo a uns 85 mil, quem sabe até com a versão 1.5T não estaria nada mal. Ela tem um design ao meu ver mais bonito que o do Creta e de alguns concorrentes do segmento, é bem equipada desde as versões de entrada… câmbio CVT. E agora com o novo canal de distribuição, leia-se CAOA, não sei qual é o problema de a lançarem no mercado brasileiro.

  • 1-Tracker: ótimo desempenho, só que peca pela falta do ESP
    2-Peugeot 2008 THP: ótimo desempenho falta AT
    3-Kicks: bom conjunto, falta piloto automático e desempenho mediano
    4-Renegade: quase tudo de bom, só falta desempenho e consumo melhores
    5-HR-V: o mais equilibrado, porém mais caro que os demais
    6-Creta: equilibrado, mas tá meio beberrão não?
    Ou seja, parece que as montadoras combinaram.

  • O legal destas matérias é que quanto mais eu leio sobre estes lançamentos de SUVinhos e Crossovers e seus preços estratosfericos, mais eu me apaixono pelo meu hatch medio.

  • Veio dentro da faixa de preço dos concorrentes. Eu esperava a versão topo de linha uns 5k abaixo e mais air bags e esp em todas as versões. De qualquer forma, será bem vindo ao mercado, mas encosta perigosamente no Compass, como também ocorre nos concorrentes em suas versões mais completas.

  • Gostei do carrinho no geral, mas perdi o tesão ao ver o maldito ( a quem goste) couro marrom na versão top e a falta de um simples retrovisor interno fotocrômico, aí alguém diz, ah, deixa de ser fresco, são detalhes, ok, mas quem já andou na estrada com um cara com luz alta e ainda desregulada andando atrás vai entender a falta que faz um acessório desses que deve ter um valor insignificante para uma montadora usando em larga escala.

  • Esse carro é um dos mais feios da categoria. Não gostei do acabamento. A favor dele, somente o fato de ser feito sobre a plataforma de um veículo classe C ao invés de um Classe B como os concorrentes diretos.

  • Eu troco o ESP por um motor turbo, air-bags laterais, bancos em couro, alerta de ponto cego, rodas de 18″, sistema Easy Entry (abertura das portas e alarme anti-furto através de sensor de aproximação na chave), partida sem chave, retrovisores com aquecimento, teto solar elétrico, etc..

  • Não adianta, não consigo gostar do design deste Creta. Vi ele ao vivo no salão e mesmo assim me parece muito quadrado e desengonçado. Acredito que não vai vender mais do que Renegade nem HRV.

  • Erro grave na escolha das versões equipamentos, motores e preço. Iria vender como pão quente, mas esses motores estão fora dos padrões de consumo da categoria. Falta ESP no básico também…

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email