Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

No princípio era a Kombi. A saudosa “perua” da Volkswagen foi o precursor do transporte leve nos centros urbanos do Brasil. Agora ela já prepara os documentos para dar entrada no INSS.


Afinal, são 60 anos de serviço e sem férias! Depois dela, algo menor e mais barato surgiu na reabertura das importações. Era a Asia Towner. A pequena coreana chegou, mas não sozinha. Ela trouxe também a japonesa Suzuki Super Karry. Mas a coreana fez sucesso, mas no auge disse adeus e deixou milhares de órfãos no país.

Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

Da segunda metade da década passada para cá, esse nicho de mercado deixado pela minivan começou a ser ocupado por fabricantes chinesas, começando pela Chana, agora Changan.

Logo depois, surgiram Effa, CN Auto e mais recentemente chegou a Rely, que deverá ser lançada oficialmente muito em breve. Ela pertence à Chery. O mercado para este tipo de veículo também tem atraído a atenção da GM, que testa minivans da chinesa Wuling já há algum tempo.

Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

Com menos de 4 metros, bom volume interno para carga, motor 1.0 e acabamento simples, elas ainda contavam no início da carreira no Brasil com preços baixos, chegando alguns modelos em versão picape a custar menos de R$ 20.000.

Mas com o IPI adicional para importados, ficou difícil manter esse atrativo do preço baixo, por isso pelo menos duas delas já confirmaram fábricas no Brasil: Changan e CN Auto. A Effa já tem uma linha de montagem em Manaus.

A Changan (ex-Chana) sofreu inicialmente com o nome pouco apropriado para o Brasil, mas ainda assim conseguiu vencer o preconceito e emplacou suas minivans. Atualmente a marca dispõe dos modelos Mini Star CS e Mini Star CE.

Estes dois possuem motor 1.0 de 53 cv e capacidade para até 1.000 kg. Os modelos Picape Star, Star Family (van) e Star Utility (furgão) são maiores e tem motor 1.3 de 82 cv. A Mini Star CS custa R$ 28.632.

Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

A CN Auto foi outra que chegou e rapidamente fez sucesso, ainda mais por ter ressuscitados os nomes Towner e Topic no mercado. O primeiro modelo também é chinês (Hafei) e conta com versões Passageiro, Pickup, Furgão e Baú.

Também tem motor 1.0, mas com 48 cv e visual moderno. Ela chegou a ser vendida com kit para cachorro-quente, por exemplo. Ainda há a Towner Jr. Pickup, que possui quatro versões e preço menor.

A outra da CN Auto é a Topic, que é porte grande, motor 2.0 de 123 cv a gasolina com opção GNV. Esta tem até versão Escolar e Ambulância, além de Passageiro e Furgão. Falta um motor diesel. A Towner Passageiro está custando R$ 28.942 na tabela Fipe.

Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

Já a Effa Motors começou com outros modelos da Hafei e também reservou um pedaço do mercado para si. Hoje ela tem duas linhas de minivans utilitárias, sendo a primeira e mais antiga é a ULC, enquanto a segunda (mais nova) é chamada de Start.

As duas linhas possuem versões picape, furgão e passageiros, além de oferecer opção baú e cabine dupla, como as rivais. Ela tem motores 1.0 de 46 cv e 47 cv. A marca de origem uruguaia ainda lançou caminhões leves da JBC e JMC, além de uma picape diesel e um popular 1.0 M100, o primeiro chinês de passeio no Brasil.

A ULC picape custa R$ 20.480.

Minivans chinesas conquistam transporte leve nos centros brasileiros

Com produção programada para o Brasil, estas marcas voltaram a oferecer preço baixo para seus pequenos comerciais, já que estão incluídas no Inovar Auto e deixaram de pagar os 30% adicionais do IPI. Carga leve no meio urbano?

As chinesinhas estão aí, prontas para o serviço.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.