Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

O Peugeot 208 1.2 foi a versão de entrada do francês durante vários anos no Brasil, quando chegou a ser o carro mais econômico do país com seu motor de 3 cilindros.


Mesmo com seu excelente consumo, visual arrojado e interior moderno, o hatch nunca conseguiu enfrentar de igual para igual os principais concorrentes do segmento.

Concorrentes esses que eram nomes de peso como Chevrolet Onix e Hyundai HB20.

Descubra os motivos disso e confira todos os detalhes do Peugeot 208 1.2!

Peugeot 208 1.2 – detalhes

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Em 2010, o então novo Peugeot 208 começou a ganhar vida na Europa, inicialmente por meio de diversas projeções baseadas no conceito SR1. Tudo indicava um grande avanço em relação ao seu antecessor, o 207.

Enquanto isso, os rumores de que o novo francês pudesse ser vendido no Brasil ganhavam força. Aproveitando o momento, a marca confirmou no final de 2011 que realmente teríamos a novidade por aqui, mas apenas em 2013.

A ideia da Peugeot era reforçar sua presença no segmento de compactos, que na época respondia por quase 70% das vendas no Brasil, enquanto os SUVs ainda representam menos de 10%.

O lançamento mundial do novo Peugeot 208 ocorreu no Salão de Genebra de 2012, por volta da mesma época que os primeiros flagras do modelo eram feitos e divulgados por aqui.

Depois de alguma espera, e de vermos o francês aparecer primeiro em outros mercados à nossa volta, o novo 208 foi lançado no Brasil durante o Salão do Automóvel, no final de 2012.

Uma nova era para a Peugeot no Brasil

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Antes da chegada do Peugeot 208, o mercado brasileiro estava acostumado a um certo atraso em relação à Europa. Enquanto os modelos por lá eram renovados rapidamente e tinham um estilo mais moderno, por aqui a marca se contentava apenas com reestilizações.

Isso ficou para trás quando vimos a nova geração do hatch, que exigiu um investimento de R$ 800 milhões na fábrica de Porto Real (RJ).

Em seu estilo, o Peugeot 208 era igual ao modelo europeu, incluindo os faróis bem recortados, as lanternas em estilo bumerangue, os detalhes cromados por toda a carroceria e o capô mais musculoso.

Por dentro, o modelo também impressionava em alguns aspectos. Mesmo tendo um acabamento na média dos concorrentes (com bastante uso de plástico), tudo era bem encaixado e tinha um ótimo aspecto visual.

Como já estamos acostumados atualmente, o Peugeot 208 vinha com o quadro de instrumentos elevado e o volante de tamanho reduzido, resultando em uma posição bem interessante para o motorista.

Essa posição, aliás, era um dos principais atrativos do modelo. Para convencer os clientes disso, a Peugeot lançou uma promoção inusitada, pagando R$ 300 (valor que depois subiu para R$ 500) para quem fizesse o test-drive no 208 e acabasse comprando um concorrente.

Além disso, a marca francesa não foi tímida na lista de equipamentos da versão de lançamento Premier, equipada com motor 1.6 de 122 cv e que chegou em janeiro de 2013 por R$ 54.990.

Ela vinha com 6 airbags, multimídia de 7 polegadas, ar-condicionado digital dual zone, direção elétrica, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, bancos em couro e até mesmo teto solar.

Pouco tempo depois, a linha completa foi anunciada pela Peugeot, com as versões Active (R$ 39.990), 208 Allure (R$ 45.990) e Griffe (R$ 50.690 na versão manual e R$ 54.690 na automática). As duas primeiras vinham com o motor 1.5 de 93 cv, enquanto a Griffe usava o 1.6 citado acima.

Tudo isso mostrava que a Peugeot não estava brincando ao dizer que queria uma generosa fatia do segmento. Mesmo assim, a marca ainda sentia que estava faltando algo.

O carro mais econômico do Brasil

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Depois de aumentar a oferta de versões automáticas, o que ocorreu na linha 2015, a Peugeot passou a concentrar sua atenção no desenvolvimento de outra novidade: o Peugeot 208 1.2.

O novo propulsor da família Puretech era completamente novo, com 3 cilindros, tecnologia flex, 90 cavalos de potência e 13 kgfm de torque. A ideia era substituir o 1.5 8V por um motor mais econômico e, ao mesmo tempo, superior aos 1.0 usados na concorrência.

O lançamento oficial veio em abril de 2016, acompanhado pela nova versão topo de linha 208 GT, com motor 1.6 turbo de 173 cv.

Falando sobre o Peugeot 208 1.2, que chegou na linha 2017, vale destacar que seu visual também recebeu um leve retoque. Seguindo o modelo europeu, ele mudou o para-choque, grade, faróis e lanternas.

Por dentro, o francês ganhou novo revestimento nos bancos e multimídia com tela de 7 polegadas, além de manter o painel elevado e volante menor.

Mas a principal novidade era mesmo o propulsor 1.2 de 3 cilindros e 12 válvulas, com bloco mais leve que o anterior 1.5 e ainda com a vantagem de eliminar o tanquinho para partida a frio.

Esse conjunto logo fez o Peugeot 208 levar o título de modelo mais econômico do Brasil, de acordo com o Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro. Na cidade, ele fazia 10,9 km/l com etanol e 15,1 km/l com gasolina, enquanto que na estrada suas médias eram de 11,7 km/l e 16,9 km/l, respectivamente.

Nova geração e o fim do 208 1.2

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Com visual moderno e interior diferenciado, o Peugeot 208 1.2 (e suas outras versões) tinha tudo para fazer mais sucesso no Brasil. Diferente do que ocorria na Europa, porém, a situação por aqui não foi a esperada pela marca.

Prova disso eram as constantes promoções anunciadas pela Peugeot. Até mesmo o test-drive que pagava R$ 500 para quem comprasse um concorrente voltou, além de outras ofertas bem interessantes.

Mesmo assim, as vendas do francês não empolgavam. Seu melhor ano foi em 2014, quando acumulou 23.520 unidades, mas ainda assim terminando em 8º lugar no segmento (o líder Onix 2014 emplacou quase 151 mil unidades).

Depois disso, o modelo da Peugeot nunca conseguiu passar de 13 mil emplacamentos por ano, o que o deixava muito abaixo da ideia da marca, que era vender 3 mil unidades mensais.

Com a chegada da nova geração do 208 (foto acima), ainda havia a expectativa de termos o modelo anterior como uma versão de entrada, especialmente com o motor 1.2. Na Argentina, até mesmo o novo 208 usava esse propulsor.

Mas isso acabou não acontecendo por aqui, o que decretou o fim do Peugeot 208 1.2 na linha 2020. A nova geração, que poderia ter sido lançada com um novo conjunto mecânico, acabou ficando apenas com o velho 1.6 (além da versão híbrida).

Peugeot 208 1.2 – versões

Confira abaixo as versões do Peugeot 208 1.2 ao longo de sua história no Brasil:

  • Peugeot 208 Active 1.2 (2016 a 2020)
  • Peugeot 208 Active Pack 1.2 (2017 a 2019)
  • Peugeot 208 Allure 1.2 (2017 a 2020)

Cores disponíveis: Branco Blanquise (sólida), Vermelho Aden (sólida), Preto Perla Nera (metálica), Cinza Aluminium (metálica), Azul Bourrasque (metálica), Branco Nacré (perolizada) e Dark Carmin (metálica).

Peugeot 208 1.2 – equipamentos

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Peugeot 208 Active 1.2

ITENS DE SÉRIE: airbag duplo, freios ABS, alarme, cinto de três pontos e encosto de cabeça para todos os ocupantes, faróis com refletores duplos, limpador e lavador do vidro traseiro, luz de neblina traseira, retrovisores com repetidores de seta, desembaçador do vidro traseiro, Isofix, ar-condicionado, direção elétrica, banco do motorista com ajuste de altura, volante multifuncional com regulagem de altura e profundidade, retrovisores elétricos, vidros elétricos, rádio com USB e Bluetooth, computador de bordo, entre outros.

Peugeot 208 Active Pack 1.2

ITENS DE SÉRIE: itens acima + câmera de ré, faróis de neblina, rodas de liga leve, banco traseiro bipartido, entre outros.

Peugeot 208 Allure 1.2

ITENS DE SÉRIE: itens acima + ar-condicionado dual zone, faróis com luzes diurnas em LED, lanternas em LED, airbags laterais, multimídia com tela de 7 polegadas, navegador GPS, volante com acabamento cromado, teto panorâmico, volante em couro, detalhes cromados, luzes de emergência em frenagem forte, controle de cruzeiro com limitador de velocidade, entre outros.

Peugeot 208 1.2 – preços

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

Confira abaixo os preços do Peugeot 208 1.2 no mercado de usados, o que mostra que a desvalorização do francês é um dos problemas que talvez o tenha impedido de conseguir números melhores em suas vendas:

  • Peugeot 208 Active 1.2 2016 – R$ 37.080
  • Peugeot 208 Active 1.2 2017 – R$ 39.900
  • Peugeot 208 Active 1.2 2018 – R$ 41.650
  • Peugeot 208 Active 1.2 2019 – R$ 46.020
  • Peugeot 208 Active 1.2 2020 – R$ 49.980
  • Peugeot 208 Active Pack 1.2 2017 – R$ 40.650
  • Peugeot 208 Active Pack 1.2 2018 – R$ 42.250
  • Peugeot 208 Active Pack 1.2 2019 – R$ 48.220
  • Peugeot 208 Allure 1.2 2017 – R$ 46.440
  • Peugeot 208 Allure 1.2 2018 – R$ 48.415
  • Peugeot 208 Allure 1.2 2019 – R$ 53.980
  • Peugeot 208 Allure 1.2 2020 – R$ 61.070

(Valores de acordo com a Tabela Fipe, em julho de 2021)

Peugeot 208 1.2 – motor

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

O novo motor 1.2 usado pelas versões de entrada do Peugeot 208 certamente foi uma de suas grandes novidades no Brasil, já que disputava contra modelos 1.0 que entregavam menos potência e torque.

Além de mirar nos concorrentes 1.0, o desenvolvimento desse propulsor também teve como objetivo substituir o 1.5 8V, até então usado nas versões mais baratas do hatch compacto francês.

Segundo a marca, o novo motor da família Puretech era 25 kg mais leve que seu antecessor 1.5 e ainda apresentava o torque máximo a 2.750 rotações por minuto. Além disso, como já citamos, ele tinha um novo sistema de aquecimento dos bicos injetores, o que eliminava o tanquinho para partida a frio.

Com disposição transversal, 3 cilindros em linha, 12 válvulas e injeção multiponto, esse motor entregava 84 cavalos com gasolina e 90 cavalos com etanol, sempre a 5.750 rpm. Seu torque era de 12,2/13 kgfm, respectivamente, a 2.750 rpm.

Sempre associado ao câmbio manual de 5 marchas e com tração dianteira, esse conjunto ainda era muito mais econômico, chegando a beber 37% a menos na cidade. Isso o ajudou o Peugeot 208 a receber o título de carro mais econômico do Brasil.

Mas não era apenas na economia que o Peugeot 208 1.2 se destacava. Quando comparado a outros modelos tricilíndricos, ele ainda apresentava condução e desempenho bem interessantes.

Suas respostas em baixa rotação eram muito boas, o que o tornava mais prazeroso na cidade. Em velocidades mais altas, o desempenho também era ótimo para um hatch de 90 cv, além de oferecer um isolamento acústico digno de elogios.

Com preço idêntico ao anterior modelo com motor 1.5, o Peugeot 208 1.2 oferecia desempenho praticamente igual e um consumo muito melhor, sendo uma opção bem mais interessante no segmento.

Na Europa, a Peugeot também fez um extenso uso desse motor, inclusive adotando versões turbinadas no próprio 208 e em outros modelos da PSA.

Peugeot 208 1.2 – desempenho

Além de ser bem econômico, o Peugeot 208 1.2 também tinha um desempenho interessante frente a seus rivais. Confira sua aceleração de 0 a 100 km/h e também a velocidade máxima:

  • Peugeot 208 1.2 – 12,8 segundos e 177 km/h

Peugeot 208 1.2 – consumo

Peugeot 208 1.2: motor, consumo, equipamentos, versões e fotos

O grande destaque do Peugeot 208 1.2 era seu consumo de combustível, reconhecido não apenas nas medições oficiais do Inmetro, mas também em testes da imprensa e por consumidores nas situações reais do dia a dia. Confira:

CONSUMO CIDADE

  • Peugeot 208 1.2 – 9,6 km/l com etanol e 13,9 km/l com gasolina

CONSUMO ESTRADA

  • Peugeot 208 1.2 – 10,7 km/l com etanol e 15,5 km/l com gasolina

Peugeot 208 1.2 – manutenção e revisão

As revisões do Peugeot 208 1.2 eram sempre feitas a cada 10.000 km ou 12 meses, seguindo o padrão usual do mercado. O detalhe, no caso da marca francesa, é que ela costuma oferecer dois tipos de revisões: básica ou recomendada.

Veja abaixo as diferenças no caso do 208 1.2 entre as duas revisões, lembrando que os valores da opção “básica” podem ser divididos em 2 parcelas, enquanto os preços da “recomendada” podem ser parcelas em até 6 vezes:

REVISÃO BÁSICA

  • 10.000 km – diagnóstico eletrônico, verificação dos níveis dos líquidos, óleo do motor e filtro de óleo.
  • 20.000 km – diagnóstico eletrônico, verificação dos níveis dos líquidos, óleo do motor, filtro de óleo, filtro de combustível, filtro de ar e filtro de pólen.
  • 30.000 km – diagnóstico eletrônico, verificação dos níveis dos líquidos, óleo do motor e filtro de óleo.
  • 40.000 km – diagnóstico eletrônico, verificação dos níveis dos líquidos, óleo do motor, filtro de óleo, filtro de combustível, filtro de ar, jogo de velas e filtro de pólen.
  • 50.000 km – diagnóstico eletrônico, verificação dos níveis dos líquidos, óleo do motor e filtro de óleo.
  • 60.000 km – diagnóstico eletrônico, verificação dos níveis dos líquidos, óleo do motor, filtro de óleo, filtro de combustível, filtro de ar e filtro de pólen.

REVISÃO RECOMENDADA

  • 10.000 km – itens da troca básica + palhetas de para-brisa, alinhamento e balanceamento, líquido do limpador de para-brisa, kit lubrificação e oxi-sanitização.
  • 20.000 km – itens da troca básica + palhetas de para-brisa, alinhamento e balanceamento, líquido do limpador de para-brisa, kit lubrificação e oxi-sanitização.
  • 30.000 km – itens da troca básica + palhetas de para-brisa, alinhamento e balanceamento, líquido do limpador de para-brisa, kit lubrificação e oxi-sanitização.
  • 40.000 km – itens da troca básica + palhetas de para-brisa, alinhamento e balanceamento, líquido do limpador de para-brisa, kit lubrificação e oxi-sanitização.
  • 50.000 km – itens da troca básica + palhetas de para-brisa, alinhamento e balanceamento, líquido do limpador de para-brisa, kit lubrificação e oxi-sanitização.
  • 60.000 km – itens da troca básica + palhetas de para-brisa, alinhamento e balanceamento, líquido do limpador de para-brisa, kit lubrificação e oxi-sanitização.

Revisão

Custo

Quilometragem Básica Recomendada
10.000 km R$ 495 R$ 1.139
20.000 km R$ 866 R$ 1.510
30.000 km R$ 495 R$ 1.139
40.000 km R$ 1.129 R$ 1.773
50.000 km R$ 495 R$ 1.139
60.000 km R$ 866 R$ 1.510
Total R$ 4.346 R$ 8.210

Peugeot 208 1.2 – ficha técnica

Motor

Puretech 1.2

Tipo

Dianteiro, Transversal e Flex

Número de cilindros

3 em linha

Cilindrada em cm3

1.199

Válvulas

12

Taxa de compressão

12,5:1

Injeção eletrônica de combustível

Multiponto

Potência Máxima Líquida (ABNT NBR 5484)

Etanol: 90 cv @ 5750 rpm / Gasolina: 84 cv @ 5750 rpm

Torque Máximo Líquido (ABNT NBR 5484) 

Etanol: 13 kgfm @ 2750 rpm / Gasolina: 12,2 kgfm @ 2750 rpm

Transmissão

Tipo

Manual de 5 marchas

Tração

Tipo

Dianteira

Freios

Tipo

Disco sólido / Tambor

Direção

Tipo

Elétrica

Suspensão

Dianteira

Independente, McPherson

Traseira

Eixo de torção

Rodas e Pneus

Rodas

Liga Leve aro 15 polegadas

Pneus

195/60 R15

Dimensões

Comprimento total (mm)

3975

Largura sem retrovisores (mm)

1702

Altura (mm)

1472

Distância entre os eixos (mm)

2541

Capacidades

Porta-malas (litros)

285

Tanque (litros)

55

Carga útil (kg)

ND

Peso em ordem de marcha (kg)

1073

Coeficiente de penetração aerodinâmica (Cx)

0,33

Peugeot 208 1.2 – fotos

Viny Furlani

Formado em Gestão de Negócios, trabalha no segmento automotivo há mais de 17 anos. Em 2009, passou a escrever avaliações e notícias sobre carros, totalizando mais de 2.000 artigos, em vários sites. Além das matérias escritas para o NA, também cuida das mídias sociais do site.