Cupês Esportivos História Matérias NA Porsche

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Pensado para as pistas, o Porsche 911 GT3 é, antes de uma versão anabolizada do superesportivo alemão, um nível de homologação para que o mesmo possa competir na categoria GT3 da FIA, a Federação Internacional de Automobilismo.


Assim como o Porsche 911 GT2, o GT3 foi concebido para que o clássico bólido germânico pudesse entrar nas pistas da categoria, uma vez que a FIA exige dos fabricantes, que tenham um volume de produção mínimo do carro para competir.

Sucesso nas categorias Porsche Carrera Cup e GT3 Cup Challenge, o Porsche 911 GT3 foi bem também na Porsche SuperCup, que antecede as provas de Fórmula 1.

Assim como nas pistas, o GT3 é uma variante do 911 bem-sucedida entre os clientes da marca. Apesar da nomenclatura, ele não é o mais poderoso e nem a opção de maior preço do superesportivo, primazia essa do 911 GT2.

Porsche 911 GT3

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

O Porsche 911 GT3 se posiciona sempre acima das demais versões do 911, exceto a GT2. Esse destaque acabou por faze-lo sobrepujar o famoso Porsche 911 Turbo, embora em realidade, ele esteja para o Carrera assim com o GT2 para o Turbo.

Isso significa que, originalmente, o Porsche 911 GT3 foi concebido para ser uma versão bem poderosa do aspirado Carrera, conseguindo assim ficar acima do 911 Turbo, enquanto este teve sempre o GT2 como degrau.

O problema dessa relação foi que a última geração aspirada do 911 Carrera foi a 991, anterior à atual 992. Quando na 991.2, o Porsche 911 abandonou o boxer seis cilindros de aspiração natural, o Carrera perdeu parte do sentido de ser.

Ainda assim, a Porsche “arrumou a casa” com o Carrera como versão de acesso, porém, teve que matar o Turbo, o que excluiu uma das quatro opções do 911 desde 1999. Isso fez do ainda aspirado GT3, um intermediário.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Enquanto os 911 Carrera e 911 Turbo eram mais puristas, limpos e feitos para o dia a dia, os 911 GT3 e 911 GT2 foram dedicados às pistas e por isso ostentam não só força bem superior, mas também um visual condizente.

Isso não significa apenas estilo. O Porsche 911 GT3 – assim como seu irmão – pode simplesmente sair das ruas e entrar nas pistas com pouca adaptação para um belo dia de track day ou mesmo para uma prova de competição.

Carro de corrida feito para as ruas, o GT3 provou-se tão bom em atrair os clientes da Porsche, que foi obrigado a descer um degrau. A descrição acima é a do GT3 RS, que é a proposta original desse 911 aspirado das pistas.

Assim, o Porsche 911 GT3 como descrito a seguir, é uma versão para o dia a dia também, que surgiu para cobrir a ausência do Porsche 911 Turbo, que morreu após a geração 991.2.

Estilos

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

A atual geração do Porsche 911 GT3 é a anterior 991.2, pois ainda não houve a mudança para a 992, mais moderna e já disponível para venda no Brasil. O GT2 não está mais disponível, enquanto o 911 Speedster também não mudou para 992.

Independente de ser um carro de geração antiga, tratando-se de Porsche 911, os clientes da marca não pensam em um produto desatualizado, pelo contrário, já que o 911 GT3 é um carro desejável em qualquer das gerações.

Isso é porque ele cumpre com o prometido, entregando performance esperada para bater de frente com os rivais nas pistas e ainda andar, tanto com estilo quanto bem mais rápido que os demais fora dos circuitos.

O objetivo, no entanto, é fazer bonito dentro das limitações da pista e não fora dela. Então, o Porsche 911 GT3 reúne o pacote para uso diário e extremo desempenho em volta rápida, tendo ainda o belo som do boxer aspirado.

GT3

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

No primeiro caso, o Porsche 911 GT3 é mais próximo dos Carrera e Carrera S em visual, mas com detalhes que o diferenciam bem, mesmo visto de longe.

Entra aí o enorme aerofólio traseiro pronunciado na traseira, cujo estilo remete ao 911 clássico usado nas pistas. Sendon uma asa alta e apoiada por dois suportes, o defletor vem ainda com prolongamentos pretos nas extremidades.

Outro diferencial são as rodas pretas em estilo mais agressivo e com aros 20 polegadas, tendo pneus 245/35 ZR20 na frente e 305/30 ZR20 atrás. Um conjunto de spoilers e saias laterais também o destaca, assim como difusor traseiro.

Entradas de ar maiores, suspensão rebaixada e escape duplo central e preto, são outros itens que identificam o Porsche 911 GT3 em relação ao Carrera. O logotipo GT3 impõe respeito também.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Por dentro, o ambiente da geração 991.2 mantém o diminuto display do PCM, assim como a alavanca em alumínio pronunciada e o característico porta-copos duplo e retrátil.

O volante em Alcantara com marcador 00:00 em vermelho chama atenção, assim como os bancos em estilo concha com faixas vermelhas num revestimento em Alcantara e couro.

Elementos vazados sob os apoios de cabeça, reforçam a proposta de estilo e exclusividade. Com cintos de segurança vermelhos e detalhes da guarnição e assentos em fibra de carbono, o Porsche 911 GT3 é feito apenas para dois.

O Porsche 911 GT3 vem ainda com um pacote de equipamentos de conforto, conectividade e segurança, que tornam o bólido ainda mais desejável, especialmente as programações eletrônicas para alto desempenho em pistas.

GT3 RS

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Se o GT3 “padrão” parece um carro apreciável, o Porsche 911 GT3 RS é mesmo para quem vai das ruas para as pistas e ainda quer ser notado. O bólido tem nessa opção, sua proposta original e isso significa que não é um carro comum.

O RS nem mesmo pode ser descrito como um carro confortável. Embora possa rodar nas ruas, ele não atende como os demais, já que sua composição é para estar sempre dentro das pistas.

Ainda assim, ele se exibe para os demais com faixas decorativas pretas com a designação da versão. Ele também traz uma frente mais nervosa com saídas de ar pretas no capô e para-lamas, além de entradas de ar adicionais nas laterais.

Os spoilers são mais pronunciados, assim como molduras pretas nas entradas de ar frontais. Ele tem ainda uma asa traseira ajustável, que é totalmente feita para as provas. Na traseira, as bocas de escape e o difusor são maiores.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

As rodas são exclusivas e forjadas em alumínio, tendo aro 20 na frente e 21 atrás, contendo pneus 265/35 ZR 20 e 325/30 ZR 21 atrás, sendo feitos especialmente para as pistas, embora sejam de fato trocados por similares slick para competição.

O visual do Porsche 911 GT3 RS pode ainda ser incrementado com o pacote Weissach, cujo visual é reconhecível pelos capô, teto e asa traseira em fibra de carbono exposta, tendo o nome “Porsche” nesse último.

No interior do GT3 RS, o marcador 00:00 do volante é verde, assim como as alças das portas e assentos dos bancos, que são feitos de antracite, couro e fibra de carbono (no pacote Weissach), com os cintos de mesma cor.

O GT3 RS se distingue do GT3 por ter uma gaiola de proteção interna padrão da FIA para as competições. No Weissach, a inserção de mais fibra de carbono chega a cortar 12 kg do peso.

Porsche 911 GT3 – Motores

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Construído especialmente para ser um Porsche 911 GT3 ou GT3 RS, o 911 nessa proposta é considerado um carro diferente das outras versões. Mais reforçado e resistente para longos raides, onde os esforços são maiores, ele é exclusivo de fato.

O GT3 não só tem a estrutura mais rígida e leve que o Carrera, mas alterações mecânicas consistentes, projetados unicamente para ele. Assim, os discos de freios são maiores e mais potentes, possuindo pinças vermelhas de seis pistões.

Atrás, quatro pistões e os discos têm 380 mm no GT3, tendo mais reforço em molas e amortecedores, além de suspensão ajustável para uso em pista com alteração de convergência/divergência, cambagem e barras anti-rolagem.

No Porsche 911 GT3, o propulsor é o boxer de seis cilindros 4.0 litros com 500 cavalos a 8.250 rpm e 46,7 kgfm a 6.000 rpm. Isso faz com que ele vá de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos no câmbio de dupla embreagem PDK de sete marchas.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

No manual, ele é mais lento, fazendo o mesmo em 3,9 segundos. A máxima é de 320 km/h nesse caso e 318 km/h no PDK. O 911 GT3 pesa 1.413 kg no manual e 1.430 kg no PDK. Seu tanque tem 64 litros.

Já no Porsche 911 GT3 RS, a cavalaria é um pouco maior. Seu propulsor 4.0 aspirado tem 520 cavalos e 47,7 kgfm, ambos nas mesmas rotações do GT3. Note que os torques são pequenos, uma característica desse motor.

No GT3 RS, a aceleração é melhor, indo o bólido de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos, atingindo 312 km/h. Embora muitos apreciem o câmbio manual, por ser mais purista, nesta versão, o 911 só dispõe do automatizado PDK.

Com 4,557 m de comprimento, 1,880 m de largura, 1,297 m de altura e 2,453 m de entre eixos, o Porsche 911 GT3 RS pesa os mesmos 1.430 kg do GT3 PDK, tendo ainda 125 litros no porta-malas e 64 no tanque. O consumo médio é de 6,7 km/l.

Porsche 911 GT3 – Gerações

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

O primeiro Porsche 911 GT3 surgiu em 1999 com a geração 996, a primeira a ter motor refrigerado a água e estreante em nova plataforma, já que as anteriores eram derivadas do 911 clássico de 1964.

Para inscrever o 911 na categoria GT3 definitivamente, a Porsche criou essa versão relacionada diretamente com o Carrera. Portanto, sempre teria um propulsor aspirado, o que acontece até os dias atuais.

O GT3 996 tinha um boxer de seis cilindros com 3.6 litros, que entregava 360 cavalos ante os 300 cavalos do Carrera S. Com asa traseira fixa e spoilers bem pronunciados, o 911 daquela época era facilmente notado.

Essa primeira geração ainda usou a carcaça do motor do 964, que era refrigerado a ar, algo que só mudou em 2004. O Porsche 911 GT3 996 teve ainda sua potência aumentada para 380 cavalos e ganhou a versão Clubsport para as pistas.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Assim como atualmente, o GT3 RS surgiu também, mas apenas em 2003 e com quase 400 cavalos, tendo as características faixas decorativas e asa traseira mais alta, entre outras modificações.

Em 2006, a geração 997 foi a que teve mais variações de motor para o Porsche 911 GT3, que começou com o boxer 3.6 de 415 cavalos, que estranhamente foi acompanhado pelo RS.

Logo, esse motor foi trocado por um 3.8 aspirado de 435 cavalos, com o GT3 RS indo finalmente para 450 cavalos. Nessa altura, o GT3 já estava fazendo de 0 a 100 km/h em 4 segundos.

Então, em 2011, o atual motor boxer 4.0 entrou em ação com a geração 997.2 com o GT3 RS alcançando 500 cavalos. Foi a primeira vez que o 911 chegou tão longe com um motor aspirado.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Por fim, o Porsche 911 GT3 chegou à geração 991 em 2013. Contudo, embora atualmente tenha apenas o boxer 4.0, ele começou com o 3.8 litros anterior.

Adotando injeção direta de combustível e câmbio de dupla embreagem PDK, o GT3 elevou sua força para 483 cavalos. Com bielas de titânio e pistões forjados, o motor do Carrera S ficou mais resistente para as provas de pista.

Essas alterações fizeram com que o GT3 pela primeira vez alcançasse os 100 km/h em apenas 3,5 segundos, chegando a 325 km/h e fazendo tempo de 7m25s em Nürburgring-Nordschleife.

Até então, tudo parecia ir bem. A Porsche já havia vendido 784 carros, quando detectou um problema grave no propulsor de 3.8 litros. Várias falhas foram detectadas e descobriu-se que o problema estava nos parafusos das bielas.

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Sua fabricação teve um erro no fornecedor e todos os motores até então, poderiam simplesmente quebrar. A Porsche fez um enorme recall para o 911 GT3, recolhendo a frota e trocando todos os motores, acrescentando um ano de garantia.

A Porsche garantiu uma cobertura de 10 anos ou pouco mais de 193.000 km para defeitos relacionados com as bielas do motor 3.8 do GT3 991.1. Os GT3 R e GT3 RS não foram afetados.

Temendo mais problemas, a marca de Zuffenhausen trocou definitivamente o motor 3.8 pelo mais moderno 4.0, fazendo com que o Porsche 911 GT3 alcançasse os mesmos 500 cavalos do GT3 RS.

Nessa mudança, ocorrida na geração 991.2, o GT3 RS teve sua cavalaria ampliada para 520 cavalos para não haver a mesma equiparação da geração 997.1 em termos de potência.

Futuro

Porsche 911 GT3: a versão anabolizada do esportivo alemão

Bem próximo do lançamento, que deve acontecer no Salão de Genebra de 2020, a geração 992 do Porsche 911 GT3 deverá manter o boxer 4.0 de 500 cavalos e o RS sua versão com 520 cavalos.

O motivo de não ir além é que a Porsche prepara o retorno do 911 Turbo, que deve ficar em torno de 600 cavalos com um boxer turbinado, deixando o próximo GT2 RS com 700 cavalos ou mais.

Uma imagem do próximo GT3 vazou durante o Super Bowl, nos EUA, em janeiro, de acordo com o site CarAdvice. A expectativa é que o 992 desembarque ainda em 2020 no mercado brasileiro.

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Robinho

    a terceira foto…parece que esta semi sorridente…

  • Edgar

    ” Bem próximo do lançamento, que deve acontecer no Salão de Genebra de 2020″… mas não foi cancelado?

  • Jeanphil

    Carros dos meus sonhos…

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email