Mercado Tecnologia

Diferença entre câmbio automático e automatizado

Fiat Mobi Drive GSR 2018 25 - Diferença entre câmbio automático e automatizado

As vendas de carros automáticos no Brasil subiram muito nos últimos anos. O aumento da renda, observado no começo da década de 2010, motivado em grande parte pelos incentivos absurdos comandados pelo governo, fez com que o consumidor passasse a exigir mais na hora da compra. Antes os carros eram bem desprovidos de equipamentos, mas depois passaram a oferecer mais itens de série, porém, o principal item que fez mudar o panorama do mercado foi a oferta de câmbio automático.


Em 2017, 40% das vendas de carros no País foram de modelos com esse tipo de dispositivo, que oferece conforto ao dirigir. Para alguns, mais prazer. Para outros, necessidade. Neste último caso, o aumento das vendas para clientes PCD (Pessoa com Deficiência) ajudou na elevação do percentual desse mercado.

Mas, muito se fala na diferença entre automatizado e automático. Algumas pessoas nem consideram o primeiro como tal, mas em realidade o sistema cumpre o que a função designa, ou seja, permite que as marchas sem trocadas sem intervenção do motorista, que assim também não precisa acionar a embreagem para efetuar a mudança de velocidade da transmissão.


renault sandero easy r logan easy r 26 - Diferença entre câmbio automático e automatizado

Câmbio automatizado

O nome já indica que é algo que originalmente não é automático, mas que foi adaptado para ser. Esse tipo de sistema foi popularizado no Brasil com o sistema Dualogic da Fiat, que era feito pela divisão Magneti Marelli, que acabou por fornecer também à Volkswagen, onde ficou conhecido como i-Motion. A GM também apostou nessa tecnologia com o sistema Easytronic, que não teve sucesso comercial por conta de uma característica bem ruim do dispositivo, que falaremos mais abaixo. A Renault (foto acima) também utiliza a tecnologia, chamada Easy´R.

O sistema automatizado de mudança de marcha é um dispositivo eletrônico que atua diretamente na alteração das marchas atrás de um módulo eletrônico e um atuador eletromecânico que, além de acionar o trambulador para acionamento das marchas do câmbio, pois ao contrário dos automáticos é mecânico (manual), também aciona a embreagem automaticamente.

O sistema gerencia as trocas de marcha e acionamento da embreagem ao mesmo tempo e com rapidez suficiente para conferir um desempenho mediano para o carro, pois como platô e disco geram uma perda de contato com o propulsor durante o acionamento, o desempenho não acompanha a mesma velocidade de resposta de um câmbio automático tradicional, por isso há uma lacuna grande entre as mudanças, com perda de força suficiente para não agradar muita gente.

Para reduzir o feito, a tarefa fica por conta do condutor, ao perceber o tempo da mudança, aliviando o pé no acelerador, mas ainda assim não é suficiente para que a sensação desapareça por completo. Essa tecnologia permite introduzir modos de condução, geralmente uma opção mais esportiva com o alongamento das mudanças, mas no recente GSR-Comfort da Fiat, empregado no Mobi, o modo Sport altera também os parâmetros do motor, acrescentando também em desempenho.

A vantagem do câmbio automatizado é que ele dispensa o uso de uma caixa complexa e hidramática ou um CVT. Assim, utiliza-se o câmbio manual normal, bem como seu sistema de embreagem. Assim, adiciona-se apenas os atuadores eletromecânicos, alavanca seletora (ou botões de marcha, como da foto no alto) e módulo de gerenciamento eletrônico, basicamente. O custo é menor e por isso no início essa opção era vantajosa por custar menos que R$ 5.000, a diferença tradicional entre câmbio manual e automático. Atualmente apenas Fiat e VW utilizam esse sistema.

dsg 1 - Diferença entre câmbio automático e automatizado

Câmbio automatizado de dupla embreagem

Quando se fala em câmbio de dupla embreagem, muita gente se esquece que ele é na verdade um automatizado. Trata-se de uma transmissão de conceito mecânico, mas com gerenciamento totalmente eletrônico. O motivo é simples, pois ao invés de um único eixo principal com as engrenagens de cada marcha, como num câmbio manual comum, ele possui dois eixos paralelos, que contêm as engrenagens das marchas.

Para fazer as trocas, ele precisa de um sistema de embreagem duplo, que acopla e desacopla ao mesmo tempo, pois utiliza dois discos de fricção, um dentro do outro, onde o contato com o motor nunca é desligado, por isso é necessário o controle eletrônico. Assim, não há perda de força nas trocas, fazendo com que a caixa automatizada de dupla embreagem possa ser mais rápida que um piloto manuseando um câmbio manual tradicional. Diferente do automatizado comum, o de dupla embreagem é muito mais rápido que qualquer outro tipo de câmbio automático.

Geralmente é usado em marcas como Ford, Volkswagen, Audi, BMW, Mercedes-Benz, entre outras, permitindo trocas imperceptíveis, suaves e rápidas. Mas, se o automatizado comum gera alguns inconvenientes em seu funcionamento normal, o câmbio de dupla embreagem pode apresentar ruídos, vibrações, aquecimento e outros problemas em virtude das altas temperaturas no Brasil. Por isso, foi substituído em algumas marcas por câmbios automáticos comuns.

zf 8hp2 - Diferença entre câmbio automático e automatizado

Câmbio automático

O câmbio automático ficou algum tempo no limbo após a introdução do automatizado de dupla embreagem, que fez sucesso rapidamente em diversas marcas, em especial na Volkswagen com o DSG. Mas, os problemas do chamado DCT (Dual Clutch Transmission) fizeram com que o câmbio automático voltasse a estar em evidência, mas não somente isso. A pressão ambiental fez com que o número de marchas subisse nesse tipo de câmbio, ajudando assim em seu “retorno” em diversas marcas e produtos.

Trata-se de um sistema que utiliza engrenagens planetárias que estão conectadas entre si e são acionadas de forma hidráulica, sempre de acordo com a velocidade e rotação do motor, dentre outros parâmetros em caixas mais modernas. O gerenciamento eletrônico permite a gestão dessas mudanças, incluindo modos de economia ou performance, alterando assim os tempos de troca.

Para a conexão com o motor, utiliza-se um conversor de torque que utiliza pressão hidráulica para gerenciar a transferência de energia entre motor e câmbio. Em geral apresenta um desempenho abaixo do câmbio manual, tanto em performance quanto em consumo, mas garante conforto e praticidade no dia a dia. A tecnologia permite que não exista uma embreagem comum e assim tudo é feito pelo dispositivo. Atualmente, algumas caixas desse tipo alcançam 10 marchas.

audi cvt - Diferença entre câmbio automático e automatizado

Câmbio CVT

Outra opção de câmbio automático é o CVT. Trata-se de uma caixa que não utiliza engrenagens para mudanças de marcha, mas uma relação infinita provida por duas polias e uma cinta de aço. Nas polias, estas se abrem para que a relação entre as duas, conectadas pela cinta, possa variar infinitamente, fazendo com que o motor transfira seu movimento ao carro de forma linear e com aumento gradual da rotação. Esse sistema pode utilizar a chamada embreagem de partida (multidisco banhado em óleo) ou conversor de torque, tal como nos automáticos com engrenagens.

O CVT é um câmbio ainda mais confortável que o automático comum, pois favorece um funcionamento suave e ideal do motor, o que acaba por render um nível de consumo superior, especialmente na caixa com embreagem de partida, onde a perda de energia é menor que no conversor de torque.

Mas, esse tipo de câmbio possui um deslizamento no funcionamento que o torna mais lento em resposta numa comparação com o automático. Mesmo assim é utilizado até em carros esportivos, como o Subaru Impreza STI, por exemplo. No Japão, é o câmbio “obrigatório” em quase todo kei car. Mesmo assim, carros grandes ou com boa performance o utilizam também, como o Honda Civic Touring, por exemplo. A Audi chegou a usar o sistema, batizado de Multitronic (foto acima) e feito pela alemã Luk.

COMPARTILHAR:
  • Baetatrip

    Bela explicação entre eles!
    Facil de entender!

  • Best Comment

    Informação é sempre essencial.

    A tecnologia até é boa, visto que é muito popular na Europa. O grande erro foi a Fiat e a VW, desde o início, tentarem empurrar como se fosse “automático” convencional. Depois isso foi repetido pela Ford.

    Omitiram a informação completa sobre o produto, e o consumidor se zangou e queimou a imagem do sistema – com razão.

    • Luciano RC

      Hoje, somente a Fiat entrega um Automatizado com um ajuste bom. O restante, é tudo com aquelas chatisses.

      • Kaian Reis

        minha irmã tem um up! i-motion e o câmbio chega a ser irritante as vezes, sempre procuro andar no modo manual

        • Luciano RC

          O do up! é triste. Ele tem o sistema eletrônico igual era da Meriva… só da problemas.

    • leandro

      Não dá pra colocar no mesmo saco o automatizado da Fiat/VW com o dupla embreagem da Ford.
      Um dupla embreagem é, sem dúvida, o mais prazeroso de dirigir, por outro lado o de mono embreagem é o que dá mais tranco

      • Best Comment

        Em funcionamento é superior. Mas em confiabilidade…

        • leandro

          É confiável sim, tanto quanto dualogic ou imotion…
          Brasileiro que tem mania de falar mal do que é dos outros

          • Best Comment

            Ah sim, as linhas Powershift, Dualogic e I-Motion são um exemplo de robustez e confiabilidade.

            A culpa deve ser mesmo d’O Brasileiro (você deve ser paraguaio, africano, ou guatemalteco pelo jeito)

            • leandro

              Conta aí sua experiência negativa então.. quantos câmbios desse vc já teve? Rodou quantos km com cada? O que precisou reparar? Quanto foi que custou o conserto?

              • Best Comment

                Os fatos são públicos e notórios

                • leandro

                  Sim.. públicos e notórios.. baseado em evidências científicas e já publicado em diversos artigos científicos das mais renomadas revistas de engenharia mundial

        • Cristiano_RJ

          Mas o que você sabe a respeito? Até onde eu sei o câmbio Power Shift foi o único a ter problemas crônicos em larga escala. Mas daí a querer dizer que a TECNOLOGIA de câmbios de dupla embreagem não tem confiabilidade? Fico imaginando marcas como Mercedes-Benz, Audi, BMW ou até mesmo Volkswagen e Hyundai investindo em uma tecnologia que não dá o mínimo esperado para o cliente, que é um funcionamento a contento.

          • Best Comment

            Que curioso. Surgiram pessoas das sombras que nunca ouviram falar dos defeitos crônicos dos câmbios Powershift e Dualogic/Imotion
            Vcs estavam congelados, viajando para o espaço ou o quê?

            • leandro

              Não estava congelado, estava aproveitando um excelente câmbio dupla embreagem que você por preconceito nunca vai poder aproveitar

            • Cristiano_RJ

              Cristiano_RJ comentou:

              “Até onde eu sei o câmbio Power Shift foi o único a ter problemas crônicos em larga escala”

              Best Comment respondeu:

              “Surgiram pessoas das sombras que nunca ouviram falar dos defeitos crônicos dos câmbios Powershift e Dualogic/Imotion”

              Oi? Helloo! Any body home? Será mesmo que você leu o que eu escrevi?!

        • Thales Sobral

          A Ford andou derrapando na época do lançamento dos carros aí queimou o câmbio. Mas o DSG da VW continua aí firme e forte, principalmente os usados nos 2.0.

        • João Ricardo da Silva

          Possuo um Ford Focus Fastback Titanium Plus 2016 e acabei de fazer a revisão dos 30.000Km e o câmbio está perfeito, funcionando como relógio. Não troco o powershift por qualquer outro nunca. As trocas são rápidas e sem trancos. Um espetáculo.
          Meu primo tem um Hatch 2015 que está próximo dos 70.000 e até agora o câmbio está perfeito.

    • Cristiano_RJ

      Amigo, nunca refira-se a um câmbio de dupla embreagem como se fosse um automatizado monoembreagem como esses utilizados em carros de entrada da Renault, Fiat e Volkswagen.

    • José Barbosa

      Mas não foi só isto, acho que o que queimou o filme mesmo foi algumas caixas apresentarem problema e o custo de substituição ser proibitivo. O Dualogic, por exemplo, tinha fama de custar R$ 12.000,00 para trocar, o que é incompatível com o preço do carro.

  • Pablo Cesar

    Veja que visão mais absurda:

    “O aumento da renda, observado no começo da década de 2010, motivado em grande parte pelos incentivos absurdos comandados pelo governo, fez com que o consumidor passasse a exigir mais na hora da compra. Antes os carros eram bem desprovidos de equipamentos, mas depois passaram a oferecer mais itens de série, porém, o principal item que fez mudar o panorama do mercado foi a oferta de câmbio automático.”

    O que o texto está dizendo? Que os incentivos ABSURDOS (???) do governo elevaram o nosso padrão de consumo a um patamar antes impossível. E mesmo depois de qualquer crise, nós continuamos consumindo itens como câmbios automáticos e assessórios que antes seriam impossíveis.

    E MESMO ASSIM, CONCLUI QUE O GOVERNO FEZ ALGO ABSURDO. MAS QUE MELHOROU A NOSSA VIDA E PODER DE COMPRA. MAS NÃO IMPORTA, ISSO É ABSURDO E PORTANTO RUIM.

    TIPO… OI????

    • leomix leo

      Hoje os bancos tem uma dívida de 23bi, por causa dessa linha de crédito farta fornecida pelo governo, muita gente endividada, sempiterno pagar as prestações. Não culpo o governo e sim a pessoa que se enforcou no financiamento para poder ter o que não poderia manter.

      • Mauro Schramm

        E por acaso o governo entrava em cada banco com uma arma e obrigava os caras a aceitar cada pedido de financiamento?

        • leomix leo

          Claro que não. Estou citando o lado do povo que mal tinha dinheiro para comer, e se arriscou em um financiamento a perder de vista, hoje está si o resultado.

        • Cesar

          Não. Contudo forçou uma guerra de crédito entre os bancos utilizando-se da Caixa e BB.

      • Geraldo Xavier

        O pior foi a elevação dos preços graças ao crédito farto. A conta tá chegando com as prefeituras fazendo a revisão do iptu. Quem tinha imóvel antes do boom imobiliário pagava iptu com o valor venal baixo. Hoje seu imóvel valorizou e o iptu disparou e o cara mesmo que queira não consegue vender seu imóvel. Hj em dia o que mais se vê é prédio com obra parada ou em ritmo lento esperando comprador. Viva o minha casa minha dívida de 25 anos

        • leomix leo

          É o tempo que o país levará para começar a se recuperar dessa desordem.

      • Natán Barreto

        Amigo, não caia nessa história de dívida de 23bi que não afeta em nada os bancos, pois eles devem mais de 124bi pra União.
        Só que tudo se coloca a culpa na classe média e no pobre nesse país.

    • Mauro Schramm

      Fortes indícios de bebida na redação. Kkk

    • Natán Barreto

      Acho que o NA não deveria fazer matéria com traços de tendência política, ainda mais sabendo o nível dos comentaristas da internet que aparecem aqui.

      Isso tira a credibilidade do site, até pq eles mesmo se contradisseram na hora de reclamar do governo com os incentivos ditos absurdos, mas que foram benéficos pra expansão do mercado automotivo.

      • Igor Guimasi

        Esse é o famoso “nariz de cera” no jornalismo. Em vez de ir direto ao ponto, naquilo que o título da reportagem propõe, fica contextualizando demais antes de qualquer informação. Dá nisso aí.

        Edit. É bom lembrar que o conteúdo ficou bem bacana mesmo. Bem explicadinho.

    • CanalhaRS

      Pablo, acho que a palavra “absurdos” foi usada no contexto de volume de dinheiro e não de ser algo errado, ilógico. Mas concordo que o sentido ficou dúbio.

      • Pablo Cesar

        O fato, pessoal, é que reclamam tanto, mas hoje estamos muito melhor do que estávamos antes de tudo isso. Temos um padrão de consumo melhor, temos carros melhores, o PIB do Brasil triplicou. E os próprios bancos lucraram todos estes anos e continuam lucrando dezenas de bilhões por ano. Nada é tão ruim como parece. Ruim mesmo é o vampiro querendo que a gente morra trabalhando.

    • Pablo Cesar

      O fato, pessoal, é que reclamam tanto, mas hoje estamos muito melhor do que estávamos antes de tudo isso. Temos um padrão de consumo melhor, temos carros melhores, o PIB do Brasil quadriplicou, mesmo com a crise atual. E os próprios bancos lucraram todos estes anos e continuam lucrando dezenas de bilhões por ano. Nada é tão ruim como parece. Ruim mesmo é o vampiro querendo que a gente morra trabalhando….

    • klaus

      também achei estranho esse trecho

  • Leandro

    Faltou destacar os benefícios de cada tipo de transmissão de modo mais claro.

  • Alexandro Henrico von Mann

    Parabéns pela reportagem. Eu tenho um Linea dualogic e é como eu sempre disse, o fato de trocar automaticamente, faz com que possa ser vendido como automático, mesmo sendo um sistema diferente. Afinal, os atuadores trocam automaticamente a marcha para nós. É mais perceptível, dá trancos e as vezes exita, sim, mas tira do motorista, ao menos aqueles que pegam longos engarrafamentos, o pisa na embreagem, muda a marcha e tudo mais. Enfim, cumpre seu papel. Ah, e o meu levou 8 anos (carro 09/10 que tenho desde 0km) e 133 mil km para trocar embreagem e atuador….

    • Luciano RC

      O Dualogic do Linea ainda faltava alguns recursos. Os modelos atuais melhoraram muito. Acredito que até mesmo os Dupla Embreagem nacionalizados, poderia começar a ser adaptados e melhorados sofrendo menos problemas.

      • Alexandro Henrico von Mann

        Faltava tudo, primeiras versões, mas dentro das limitações, cumpre o “conforto” de não ficar pisando na embreagem e trocando a alavanca de lugar toda hora em horário de trânsito pesado…

        • Luciano RC

          Sim… pelo menos ele cumpria seu papel.

  • Schlatter70

    Nada contra os automatizados de uma embreagem. Ele assim como os demais tem o seu lugar no mercado. O problema é o preço cobrado por ele. Deveria custar no máximo uns 2K a mais para o carro manual e as empresas que trabalham com ele querem cobrar preço de câmbio automático, o que é um absurdo. E acho enganoso se vender automatizado como se fosse automático convencional. Pessoas pouco informadas são enganadas tanto pelas concessionárias quanto pela propaganda das fábricas. E a manutenção é muito mais cara que um câmbio manual e até mesmo um automático convencional com conversor de torque ou um CVT. Se for de dupla embreagem então, prepare o bolso, embora esta dure mais tempo pelo simples fato de ter duas embreagens a serem usadas o que em teoria faz com que dure o dobro do tempo da mono-embreagem.

    • Luciano RC

      Uma vez me falaram que o jogo de embreagens da VW/Audi custa uns 6 mil reais pra trocar. Isso é um absurdo.

      • Best Comment

        Não duvido nada… Todas as peças devem ser importadas (peça nacional já foi sinonimo de qualidade no passado, hoje é sinonimo de porcaria), a mão de obra é qualificada, o que gera uma reserva de mercado e fixa um certo patamar de preços….

      • Wellington Myph13

        Isso em mecânico fora da css e sem contar com mão de obra… Na css não sai menos de 20mil na Audi e não sai menos de 15mil na VW.

        • Luciano RC

          Quem consegue sustentar isso? Um carro não pode dar uma manutenção de 15 mil reais e achar normal.

          • Wellington Myph13

            Apesar de ser fã de câmbio de dupla embreagem e seu funcionamento, eu não tenho coragem de ter um… Prefiro migrar pra um AT8 da ZF que já foi mais do que avaliado como o matador de dupla embreagem de tanto que seu funcionamento é superior aos automáticos comuns.
            Obviamente estamos falando de carros específicos de 150mil pra cima nesse caso, carros que fogem da minha alçada, kkkk. Tenho que me contentar até com os AT4 da Toyota que funcionam muito bem, se mantém econômicos e manutenção simples e de longa duração. Podem crucificar o que for, só andando em um pra entender que casou muito bem com os 1.3 e 1.5 da Toyota. Assim como a GM acertou na veia o AT6 nos 1.4 arcaicos dela.

            • Luciano RC

              Concordo.

      • Cristiano_RJ

        Não são só os de dupla embreagem que são caros. Meu pai teve um Fit de 1ª geração com câmbio CVT há alguns anos atrás. O câmbio deu um problema e parou de funcionar. A CSS não conseguia resolver e teve que trocar o câmbio. Na época (tem bastante tempo, mas não me lembro exatamente quando) o custo foi de R$ 13 mil. Ele escreveu para a Honda reclamando, que pediu o câmbio para análise da engenharia no Japão. Para sorte dele a marca o ressarciu dos custos. Mas na época foi um sufoco.

        • Luciano RC

          Um cambio automático completo é nessa faixa de preço mesmo. Dependendo do carro, até mais.
          Sempre me falaram que a embreagem do Fit CVT de primeira geração também é cara.

      • Thales Sobral

        Mas essas peças de câmbio automático/automatizado no geral são caras mesmo, vem tudo de fora e/ou tem pouco volume de vendas. As embreagens do New Fiesta custam 3.500, o câmbio automático (ohhhhh supra-sumo dos câmbios hahaha) da Captiva quando trava é um prejuízo sem tamanho também.

        • Luciano RC

          O cambio automático da Captiva V6 é o mesmo do Fusion V6. Da o mesmo problema e o reparo fica por volta de uns 10 mil reais.
          A Captiva 2.4 tanto no AT4 quanto no AT6 usa um cambio diferente que é bem robusto e não da problema. Eu tive uma por 80 mil km e não deu uma real de manutenção. Vendi com o cambio redondinho.

  • Raimundo A.

    Quando leio um título desses…. Diferença entre tipos de caixas de marchas: CVT, conversor de torque, dupla embreagem e robotizado mono embreagem.
    É aquele negócio, matéria bem detalhada, mas usa mania errada do mercado. Depois reclamam de dono ou vendedor dizendo que Dualogic é um tipo de automático.

    • Guedes

      Eu entendo como tipo de automático sim ao passo que o condutor nao troca marcha. Nao é difícil de entender isso. Detalhes técnicos se é automatizado ou automático de fato não interessam muito à grande maioria da população..

  • Razzo

    Quero ver explicar o câmbio conjugado AT4 + CVT do Lexus LS 500h.

    • Pablo Henrique

      Procura algum release da Lexus que com certeza eles já explicaram

  • Luccas Villela

    A GM também apostou nessa tecnologia com o sistema Easytronic, que não teve sucesso comercial por conta de uma característica bem ruim do dispositivo, que falaremos mais abaixo.

    Tô esperando até agora, rsss… Esqueceram de falar?

  • Pedro Henrique

    CVT pra carro de passeio é vida, logo depois a escolha seria um automático bom.
    automatizado eu passo
    DCT só pra carro di currida, mas dai tem que ser com os dentes retos ( ͡° ͜ʖ ͡°)

    • Cristiano_RJ

      Certamente não conhece o funcionamento de um câmbio CVT. dirigi um por quase 4 anos, trajeto casa-trabalho, viagens, inclusive engarrafamentos de mais de hora… o câmbio é muito bom. Alia conforto (trocas imperceptíveis) com velocidade de trocas (quando se precisa) como nenhum outro. Atualmente tenho um carro equipado com um ZF-8 e confesso que sinto falta do DSG-6., embora também seja um ótimo câmbio. Câmbio CVT só tinha o seu propagado “conforto” como vantagem quando os câmbios automáticos falhavam miseravelmente na missão de passar marchas sem trancos. Os modernos câmbio atuais não deixam nada a desejar e não comprometem em nada o conforto.

      • Pedro Henrique

        ??
        certamente não entendeu meu comentário, não falei mal do cambio automático, disse que logo após um CVT escolheria um automático dos bons, como se sabe tem automáticos ruins e bons.
        sim já andei em CVT, Automático….
        inclusive um dos carrinhos que mais tenho apego pra ter possivelmente é um hondinha fit daqueles até 2008, ou um corolinha daqueles antes do brad pit mas dai preferiria manual kkkk

        • Cristiano_RJ

          PS. Já editei o post acima. O que eu dirigi por 4 anos foi um DCT, não CVT, embora conheça o câmbio, pois já dirigi no FLuence, Lancer, Altima e Kicks.

          • Pedro Henrique

            nah, DCT em carro de passeio é desperdício e um gasto desnecessário, pois você não vai pilotar na rua como na pista e o DCT brilha é na pista…
            ainda mais em baixa velocidade que é comum relatos de trancos e vibrações, fora que quando quebra é um cambio bem mais caro pra se arrumar que um automático convencional e cvt…
            mas se for um carro esportivo, um carro com mais de 300 cv sla dai ok é um carro com uma proposta de entregar a sensação da pista na rua, mas o comprador vai ta ciente que aquele cambio não foi feito pra paulera do dia dia…

            • Cristiano_RJ

              Velho, desculpe-me, mas seu post está carregado de clichês que sinto-me na obrigação de desfazer:

              “baixa velocidade que é comum relatos de trancos e vibrações”

              FALSO. Isso é mentira de quem não tem o que fazer. O DCT não possui tranco nenhum e muito menos vibrações. Se tiver fazendo, o câmbio está com algum problema. Não se trata do funcionamento normal. Fico imaginando os donos de um Mercedes Classe C ou de um Audi A4 tendo que conviver com isso como e fosse o normal. NÃO É. Se fosse, não seriam utilizados.

              “fora que quando quebra é um cambio bem mais caro pra se arrumar que um automático convencional e cvt…”

              FALSO. Quando quebra é tão caro de consertar quanto qualquer câmbio automático. Você conhece alguém com esse tipo de experiência? Já fez cotações comparativas? Pois é quando alguém se encarrega de passar uma mentira adiante com certa eficácia, ela parece se tornar verdade…

              “aquele cambio não foi feito pra paulera do dia dia…”

              FALTO. Foi como eu disse, dirigi um DSG-6 por quase 4 anos na “paulera do dia a dia”. Na época, pré copa do mundo e olimpíada”, o Rio de Janeiro em obras o trânsito estava mais infernal que o normal. Eu levava 1:30 h para chegar ao trabalho e 2:30 h para voltar DIARIAMENTE. Teve um dia que peguei 4 h para chegar em casa, com velocidade média de 11 km/h!!!! E NUNCA tive problema com meu câmbio. Não é porque o câmbio Power Shift apresentou problemas crônicos em larga escala que TODOS os câmbios DCT também apresentarão.

              • Galeroso

                Cristiano_RJ só por curiosidade, esse DSG-6 que você se refere é o do Golf GTI? o banhado a óleo? Grato.

                • Cristiano_RJ

                  É o mesmo câmbio, mas o carro era um Jetta Highline.

              • Guedes

                Sabidamente os relatos de tranco e superaquecimento são dos a seco, em especial dsg 7 e powershift. Dsg 6 é diferente, com embreagem banhada.

                • Cristiano_RJ

                  O relato de reclamação do DSG 7 que se tem notícia é de barulhos em baixa velocidade e em pisos irregulares, não de tranco e superaquecimento.

                  • Guedes

                    Whatever. Mas todos relatos são relacionados ao DSG7.

                    DSG 6 é outra tecnologia, que entendo ser um câmbio mais caro. Não tem como vc defender o DSG 7 com base no DSG6.

                    A propósito, eu tenho um GOLF 1.4 DSG.

                    O meu comentário se sobrepõe ao seu porque o seu DSG 6 é outro câmbio, talvez vc esteja confundindo.

                    O DSG7 teve sim uma série de poréns. Retenção de marcha, trepidação, troca prematura da mecatrônica, etc. é um câmbio fantástico, não troco ele por outro, mas tem uma série de problemas relatados sim.

                    Ainda,no manual do meu carro tem instruções de como proceder caso o câmbio superaqueça em engarrafamentos. Ou seja, é possível.

                    Na china e india o DSG7 teve recall pra troca de fluído por conta de clima mais quente, procure na Internet

  • Ralex

    So faltou explicar aque a troca de embreagem do fiesta powershift custa quse 8k…

    • Thales Sobral

      Pagou isso tudo? Aqui foi 3.500.

      • Ralex

        Foi o valor do kit completo na Ford Slavieiro em Ctba. Estava beirando os 70k de km. Dps de envolver a ford no meio ja pela caixa ser problematica fizeram um desconto. Ford never more!

  • Alexandre Maciel

    Já que o NA deu a aula, é hora de parar de chamar o Powershift da Ford de automático como aconteceu em algumas matérias.

  • Charlis

    Excelente reportagem!
    De todos os carros que já tive, o DSG6 e o ZF8 estão empatados na vitoria, e muito longe dos demais.
    Ambos são excelentes em seu funcionamento, diria que são duas obras de arte.

  • kravmaga

    “o câmbio de dupla embreagem pode apresentar ruídos, vibrações, aquecimento e outros problemas em virtude das altas temperaturas no Brasil. Por isso, foi substituído em algumas marcas por câmbios automáticos comuns.”

    Mais uma matéria disseminando mitos e informações sem base.

    Para começar, nem todos os câmbios de dupla embreagem são iguais. Há os que têm as embreagens secas e os que têm as embreagens banhadas a óleo. Os primeiros são usados somente em motores de torque mais baixo, como e o caso dos Powershift usados nos Ford Fiesta, Focus e EcoSport, além do DSG de 7 marchas seco usado nos Golf 1.4 TSI. O problema de aquecimento acontece não pela temperatura ambiente tropical do Brasil, mas pelo uso severo nos congestionamentos dos grandes centros urbanos brasileiros, onde se troca marchas e se fica no anda e para centenas de vezes por hora no engarrafamento. A programação usada pela Ford priorizava a suavidade nas trocas, usando mais tempo a embreagem e por tanto aquecendo mais, o que tendia a sobreaquecer mais e antecipar desgastes na embreagem. Os câmbios DSG que usam embreagens banhadas a óleo, como usados no Jetta 2.0 TSI e Golf GTI são bem mais robustos a problemas com uso severo e aguentam bem mais torque.

    Problemas com temperatura ambiente tropical também podem acontecer em câmbios de outros tipos, como aconteceu com os câmbios CVT do Mitsubishi Lancer, onde a Mitsubishi teve que fazer um recall adicionando um radiador de óleo maior para o oleó não esquentar tanto e travar o câmbio.

    • José Santos

      Perfeito o seu comentário!

      Eu apenas adicionaria mais um comentário.
      Muitos proprietários de carros com câmbios de dupla embreagem tiveram problemas de superaquecimento devido ao mal uso.
      Eles seguravam seus carros em ladeiras com o acelerador ou seja, eles queimavam a embreagem.

      Eu tive um Golf 1.4 TSI com DSG, rodei 120 mil quilometros, usava o carro de forma esportiva e o câmbio nunca me deu problemas. Aliás, todo o carro não teve problemas.
      Eu compraria outro Golf 1.4 TSI 0 km, se tivesse câmbio DSG.

  • Rafael

    Só quem tem um dualogic sabe a bomba que é esse câmbio. Procurem os inúmeros relatos que existem na internet. O do meu Punto 2012/2013 deu problema com 3 anos e meio de uso e apenas 63000 km. Orçamento da concessionária para o conserto: R$ 11700,00. Não é um caso isolado! Mas parece que a Fiat utiliza do seu poder para abafar qualquer manifestação contra o câmbio, que sabidamente tem vício de fabricação e cedo ou tarde dará problema.

  • delvane sousa

    Estou bantante satisfeito como AISIN 6 marchas do C4 lounge. Funcionamento suave, sem trancos. CVT ainda não esperimentei, mas parece muito bom pelos relatos aqui.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email