Honda Matérias NA Motos

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo
Honda XRE 300

Sobretudo nos segmentos de motos mais baratas, a Honda domina no mercado brasileiro. E entre as trails a situação não é diferente. A Honda XRE 300 chegou ao Brasil em junho de 2009 e, desde então, se posiciona como a mais vendida em sua categoria.

Mesmo com a fama do motor problemático, a trail japonesa conquistou os olhares dos consumidores locais.


Passados longos 10 anos, a Honda XRE 300 segue praticamente a mesma moto. Todo o projeto é o mesmo. Todavia, neste período, a trail recebeu três reestilizações, sendo a última delas anunciada no fim de 2018 e a mais expressiva de toda a história da motocicleta.

Vale lembrar que a XRE 300 é praticamente irmã da CB 300R, que já foi extinta para dar lugar à CB Twister. E como a XRE 300 liderava com folga, a Honda preferiu por não investir bilhões numa moto completamente nova e optou por mudanças significativas no visual, equipamentos e em alguns pontos na mecânica.

Mas você já deve estar pensando que a Honda XRE 300 não é lá essas coisas pela fama de trincar o cabeçote do motor, certo? Pois bem. A Honda garante que sanou os problemas e a nova XRE 300 2019 não proporciona mais tal dor de cabeça para os novos proprietários.


Conheça abaixo todos os detalhes e os principais pontos da história da Honda XRE 300:

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – história

Foi em junho de 2009 que a Honda apresentou aos brasileiros sua nova dupla de motocicletas para substituir outras duas motos já consolidadas no mercado.

A CB 300R foi anunciada para ocupar o lugar da CBX 250 Twister, enquanto a XRE 300 chegou para substituir a XR 250 Tornado e também a NX4 Falcon 400. Ou seja, uma responsabilidade e tanta.

Enquanto a CB 300R parecia ser uma evolução da antiga Twister, usufruindo do mesmo conceito, a XRE 300 era uma motocicleta totalmente nova em relação à sua antecessora.

O visual, por exemplo, nada tinha a ver com a antiga. O destaque era o farol e o para-lama superior fixados diretamente no chassi, ficando isolados do guidão – algo semelhante aos modelos da BMW e Suzuki.

Para substituir tanto a Tornado como a Falcon, a nova XRE 300 estreou com características para uso na cidade, na estrada e também no fora de estrada. Abandonou o banco liso da Tornado e adotou um assento em dois níveis.

Entre os demais destaques, ela trouxe painel de instrumentos digital com conta-giros, chave de ignição com sistema de proteção shutter-key, farol mais potente e tanque num formato para acomodar melhor as pernas do condutor.

O motor da primeira XRE 300 é o mesmo do modelo atual, um monocilíndrico, refrigerado a ar, com injeção eletrônica. Ele rende 26,1 cv, a 7.500 rpm, e 2,81 kgfm, a 6.000 rpm, atrelado a um câmbio de cinco marchas.

Vale lembrar que a antiga Tornado usava um câmbio de seis marchas. Entretanto, a marca precisou substitui-lo por um de apenas cinco devido ao aumento de torque.

O modelo tinha preço inicial de R$ 12.890 e podia ser encontrado nas cores metálicas amarelo, preto e vermelho.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Em março de 2013, a Honda XRE 300 passou por suas primeiras mudanças. A motocicleta recebeu um visual atualizado, com abas laterais do tanque redesenhadas para acomodar o novo tanque de combustível, que passou a acomodar 13,4 litros.

Ela podia ser encontrada nas cores branca, vermelha metálica e preta.

A principal novidade, porém, foi a introdução do motor 300 flex. Com gasolina, manteve os mesmos 26,1 cv e 2,81 kgfm. Já com etanol, passou a gerar 26,3 cv e 2,85 kgfm. O preço inicial era de R$ 13.290 para o modelo Standard e R$ 14.990 para a variante com freios C-ABS.

A nova XRE 300 2019 está disponível em três versões, sendo que as diferenças ficam por conta das opções de cores e também pelos grafismos.

Em outubro do mesmo ano, a XRE 300 passou a oferecer a versão especial limitada XRE Rally, inspirada no modelo de Team HRC (Honda Racing Corporation).

Ela tinha como diferencial itens na cor vermelha, como a carenagem do farol, para-lama dianteiro, banco e carenagens do tanque, além de grafismos inspirados na CRF 450 Rally e detalhes na cor branca. Sem ABS, custava R$ 13.700.

A XRE 300 Rally voltou a ser vendida em março de 2015, mas agora com grafismos em vermelho, branco e preto, rabeta na cor preta e carenagem do farol também em preto fosco. Ela passou a contar também com freios C-ABS, por R$ 16.576.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Já em fevereiro de 2016, a Honda XRE 300 2016 chegou com novos retoques no visual, com carenagens laterais redesenhadas, novos grafismos e novas cores.

Além disso, ganhou um novo painel de instrumentos, novos comandos no guidão (agora com lampejador de farol) e aumento na capacidade do tanque de combustível, indo de 13,6 para 13,8 litros. A tampa do tanque passou a ser do estilo “aviação”.

Além disso, o motor 300 flex passou a gerar até 25,6 cv e 2,8 kgfm, uma redução frente aos 26,3 cv e 2,85 kgfm da linha anterior. Isso por conta de alterações para atender às novas regras de emissões de poluentes. O preço era de R$ 15.560 para a Standard e R$ 17.750 para a C-ABS.

No ano de 2017, a Honda XRE 300 2018 estreou apenas a nova versão especial Adventure. Por R$ 17.990, o modelo especial contava com um visual de gosto duvidoso, com pintura em preto e prata e grafismos amarelos até nos aros das rodas.

A última e mais relevante das alterações da Honda XRE 300 foram anunciadas em novembro de 2018. Confira a seguir mais sobre a linha atual da trail.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – detalhes

Lançada em setembro do ano passado, a atual XRE 300 2019 traz as primeiras mudanças visuais significativas para a sua linha. Tudo isso para não ficar para trás da nova Yamaha Lander 250, que também foi renovada (embora tenha mantido o mesmo chassi, motor, câmbio e diversos outros componentes da geração antiga).

Praticamente todos os componentes estéticos foram redesenhado. O farol agora tem um desenho diferenciado, aos moldes da CB Twister, e numa nova carenagem.

Junto a ele está o para-lama com um “bico” mais curto e estilizado (como na irmã menor XRE 190), além das abas do tanque mais envolventes. Todas as carenagens laterais e traseiras são novas. Os retrovisores também são novos

Na traseira, o destaque fica por conta da nova lanterna, que aparentemente é a mesma da naked CB Twister. Há também alças laterais maiores. Fora isso, farol, lanterna e piscas são totalmente em LED, que segundo a marca proporcionam menor consumo de energia e maior durabilidade.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

O painel de instrumentos da XRE 300 segue sendo totalmente digital e com visual “black-out”, mas agora tem dados de consumo médio e instantâneo.

Na mecânica, a XRE 300 2019 sai de fábrica equipada com sistema de freios ABS antitravamento de dois canais independentes. Há discos de 256 mm na dianteira e 220 mm na traseira. Por conta dessa e das demais alterações, a trail está mais leve em 5,4 kg, passando a pesar 148 kg a seco.

O motor de 291,6 cc segue sem alterações, podendo entregar até 25,6 cavalos de potência. O câmbio poderia ter sido substituído pelo de seis marchas da CB Twister, mas se manteve com só cinco velocidades.

A XRE 300 2019 é vendida com garantia de três anos, sem limite de quilometragem. A marca oferece também sete trocas de óleos gratuitas.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – defeitos

O motor da Honda XRE 300 tem a fama de ser frágil demais. Logo nos primeiros exemplares, muitos proprietários da motocicleta e também da CB 300R (que usa o mesmo propulsor) reclamaram de problema de trincas e vazamento de óleo no cabeçote.

A própria Honda admite que esse motor da CB 300R e também da XRE é praticamente o mesmo das antigas Tornado e Twister 250. Porém, foram subdimensionados de 249 cc para 291 cc.

Como parte disso e também para atender às exigências de emissões de poluentes, esse propulsor recebeu injeção eletrônica com foco na eficiência, alterações no sistema de mistura ar/combustível (com mais entrada de ar do que de combustível, deixando a mistura pobre para atender ao Promot), óleo inadequado e um sistema de escape que retém os gases mais quentes, dificultando o escoamento sobre pressão.

As alterações incluíam ainda o aumento das válvulas de admissão e escape, implicando numa menor espessura das paredes do cabeçote onde as velas ficam alojadas.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Tudo isso acaba gerando apagões no conjunto, superaquecimento, entre outros problemas. As trincas são frequentes no cabeçote e podem gerar a saída indevida dos gases no momento da explosão interna, com vazamentos de óleo.

Por conta disso, muitas oficinas especializadas passaram a disponibilizar um mapeamento um módulo de injeção, para enriquecer a mistura de ar/combustível.

A Honda atendia às motocicletas defeituosas quando em garantia, mas com uma enorme burocracia para sanar o problema.

Ela considera que são defeitos pontuais, principalmente em motocicletas que são usadas de forma extrema, e recomenda que sejam feitas inspeções a cada 4.000 km para verificação e possível ajuste da folga da válvula.

Contudo, a Honda garante que a XRE 300 não trinca mais o cabeçote desde os exemplares de 2016.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – versões

A nova XRE 300 2019 está disponível em três versões, sendo que as diferenças ficam por conta das opções de cores e também pelos grafismos.

O modelo mais em conta, chamado apenas de XRE 300, tem visual mais pacato e pode ser encontrado na cor Azul Escuro Perolizado e Prata Metálico.

Já a variante intermediária é a XRE 300 Adventure, que tem uma aparência um pouco mais ousada para remeter ao fora de estrada. Ela tem adesivos nas cores laranja, cinza e preto e a inscrição “Adventure” na rabeta. Pode ser encontrada apenas na tonalidade Verde Fosco.

Por último, a XRE 300 Rally tem visual inspirado na CRF 1000L Africa Twin, a trail topo de linha da Honda. Os grafismos são diferentes e ela é pintada exclusivamente na cor vermelha com detalhes em preto e branco.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – preços

Confira abaixo a tabela de preços praticada pela Honda na atual linha XRE 300 2019:

  • Honda XRE 300 2019: R$ 18.200
  • Honda XRE 300 Adventure 2019: R$ 18.690
  • Honda XRE 300 Rally 2019: R$ 18.690

Vale lembrar que esse preço público é sugerido para São Paulo e não inclui frete. Então, você dificilmente irá conseguir encontrar a trail pelo preço de tabela.

Algumas concessionárias chegam a cobrar mais de R$ 20 mil por um exemplar da XRE.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – motor

O motor flex de 291,6 cc quase não mudou desde que a XRE 300 chegou ao Brasil. Em 10 anos, ele recebeu a tecnologia flex e, depois, algumas alterações para atender aos novos padrões de emissões de poluentes.

A atual linha da Honda XRE 300 é equipada com um motor OHC (Over Head Camshaft), monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar.

Ele consegue desenvolver 25,4 cavalos de potência quando abastecido com gasolina e 25,6 cv com etanol, a 7.500 rpm. Já o torque é de 2,76 e 2,80 kgfm, respectivamente, a 6.000 rpm.

Junto a este propulsor está um câmbio manual de cinco marchas e transmissão final por corrente.

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo

Honda XRE 300 – consumo e desempenho

Ao contrário do que acontece no segmento de carros, as marcas de motocicletas não divulgam dados de desempenho de suas motocicletas (como o tempo necessário para acelerar de 0 a 100 km/h).

Porém, segundo testes externos, a trail pode acelerar de 0 a 100 km/h em cerca de 11 segundos. Sua velocidade máxima beira os 130 km/h.

Já quanto ao consumo, a Honda XRE 300 entrega médias que variam de 25 km/l a 28 km/l quando abastecida com gasolina. Essa média de consumo pode proporcionar uma autonomia de mais de 350 km com um tanque de combustível.

Honda XRE 300 – ficha técnica

Motor
TipoOHC (Over Head Camshaft), monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar
Cilindrada291,6 cc
Potência máxima25,4 cv (gasolina) e 25,6 cv (etanol) a 7.500 rpm
Torque máximo2,76 kgfm (gasolina) e 2,80 kgfm (etanol) a 6.000 rpm
TransmissãoManual de 5 marchas
Sistema de partidaElétrico
Diâmetro x curso79 mm x 59,5 mm
Relação de compressão9,0:1
Sistema de alimentaçãoInjeção eletrônica PGM-FI
CombustívelGasolina e/ou etanol
Sistema elétrico
IgniçãoEletrônica
Bateria12V – 6 Ah
FarolLED
Capacidades
Tanque de combustível/reserva13,8 litros
Óleo do motor2,0 litro
Dimensões
Comprimento x largura x altura2.195 x 838 x 1.215 mm
Distância entre-eixos1.417 mm
Distância mínima do solo259 mm
Altura do assento860 mm
Peso seco148 kg
Chassi
TipoBerço semi duplo
Suspensão dianteira/cursoGarfo telescópico/245 mm
Suspensão traseira/cursoPro-Link/225 mm
Freio dianteiro/diâmetroDisco simples ventilado com pinça de 2 pistões/256 mm
Freio traseiro/diâmetroA disco ventilado com pinça de 1 pistão/220 mm
Pneu dianteiro90/90 – R21 sem câmara
Pneu traseiro120/80 – R18 sem câmara

Honda XRE 300 – galeria de fotos

Honda XRE 300: história, detalhes, preço, motor, consumo
Nota média 4.2 de 5 votos

  • Licergico

    bizarro este consumo .
    minha nc 750 faz fácil 28km/l na cidade e na estrada andando a 110/120 é comum chegar aos 33km/l ( na bomba pois no cb marca aprox.
    31km/l) .

    • Vinicius

      Fica difícil comparar, a sua NC tem a concepção de motor de um automóvel, rendendo pouco mais de 50 cv para 750cc.É pouco girador justamente para ter essa economia em detrimento do desempenho (quando comparada aos demais bicilíndricos de média cilindrada).

      • Licergico

        sim ,sei que são motos bem diferentes mais esse motor é ruizinho mesmo …
        só comparar com a 250 da yamaha ( fazer 2018/19) em torno de 38km/l e andando de mão leve na cidade aprox. 42 …
        então entre 25 e 28 pra essa 300 ta alem do que deveria ser ( mais eu gosto dela mesmo assim !!! )

        • Alex Oliveira

          Me diz onde tem essa 250 milagrosa da yamaha aí. Tive uma Lander 2016 e uma fazer 2014 que faziam no máximo 25km/l. 38, 42km/l é média de biz, titan…

          • Licergico

            a 2018/2019 faz fácil .
            antes da NC eu tinha a crosser 150 ( 16/16) na estrada ” esguelando ” ela no máximo fazia em torno de 39km/l na cidade 47/km/l era o normal ( gasolina Ipiranga gt clen )
            As novas 250 da yamaha estão muito econômicas , fiz RJ/Angra/RJ com uma azul 2018 andando junto com minha nc ( com o dono da Fazer pilotando a minha NC) ida e volta ( aprox 210km) a nc fez 32,6km/l e a fazer 39,4km/l ( media feita na bomba )

    • rgrigio

      Também acho. EU não entendo nada de moto, mas com up! TSI fazendo mais de 20 com tranquilidade (carro de basicamente 1000kg) acho que uma moto dessas deveria fazer muito mais. Eu sei, comentário bobo o meu, não se compara alho com bugalho, mas… para mim é muito alto esse consumo.

      A sua moto já entrega o que eu esperaria… de uma moto! (não considerando as esportivas/super esportivas, onde desempenho é o único fim, não importando os meios).

      • Licergico

        pois é ela tem 6,94 kgf.m e 54,8cv ( que é bem baixo pra uma 750 ) nesse equilíbrio ela consome pouco e anda bem !
        da pra manter 130 /140 km/h de cruzeiro fácil ( consumo aprox 28/30 km/l ) e se precisar acelerar ela chega aos 180 km/h muito rápido .Depois disso ela sobe lentamente e não vai alem de 195km/h – o que já é muito , muito alem do que preciso !

    • Zaskia Gotik

      veja “Captain Marvel” neste site! todos os filmes disponíveis !! copie o blog aqui: FAMILYSERIESHD.BLOGSPOT.COM

    • Hadson Teixeira

      Tua moto é 1 cilindro? Compara não derrota!!!

  • Fernando Gabriel

    Na minha cidade, essa moto é conhecida como “amor de verão” pois o índice de roubo dela é tão alto, que não se aproveita muito dela.

  • kirig

    quem tem a do cabeçote de vidro, que se fu, né?

    • Hadson Teixeira

      E eles dizem que corrigiram, igual nas anteriores, soltam no mercado as alterações pro consumidor testar, se funcionar blz, senão o cliente que se fu!!!!

  • Le

    Tenho uma XRE 300 Rally 2015, só alegria, pra mim o melhor custo benefício nesse tipo de moto, a minha uso só gasolina, faz tranquilo 28 por litro, já teve mês de fazer 29, se ele começar a baixar muito a relação custo benefício, verifica o filtro de ar, a sujeira deixa a queima pobre.
    O que manda é manutenção correta e sempre.
    Vem pra mim 2019, tá top demais!

    • Hadson Teixeira

      A minha também era só alegria no começo, viajem, show, namoradas, agora depois de 60mil km, posta a satisfação aqui… ah tô sendo generoso 60mil km!!!! Anda com um cabeçote reserva no bolso :)

      • Le

        Hadson que ano era a sua XRE?

        • Hadson Teixeira

          2012, trincou com 34mil km, eu sei que a do colega eh com vela fina, por isso falo com um desconto de até 60mil km!!! Não me entenda mal, não estou jogando praga na sua moto não! Se não acredita em mim, da uma sacada no youtube, e no Reclame aqui, tem centenas (sim centenas) de casos!!! Saca o meu comentário mais recente ai, conta um pouco da minha novela mexicana

  • Megaman X2✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

    Essa moto foi uma piada sem graça da Honda. O motor foi uma verdadeira gambiarra tosca… Um colega meu teve uma CB 2012, e o coitado teve o cabeçote trincado com 8k rodados… Nem as Dafras eram tão toscas assim,… E pior que a Honda só veio corrigir isso a partir de 2017. quem comprou antes, se ferrou ou vai se ferrar com esse motor medonho… E uma pena que a Yamaha é outra tranqueira, tinha na mão um produto com o nome fortíssimo que era a Tenere, e conseguir tirar a moto de linha sem fazer uma mudança que prestasse, no máximo trocou grafismos e cores…

  • Ric53

    Tive uma dessas em 2012, era uma boa moto e dei sorte de não ter tido problemas no cabeçote mas comprar uma moto tão defasada de apenas 300cc e pagar 18.500 é uma loucura!

  • Hadson Teixeira

    Posso dizer com propriedade, o que não desejo a ninguém, é um sonho que vira pesadelo, estou a 3 Anos na justiça contra a Honda, pelo cabeçote “QUE NÃO TEM SOLUÇÃO”, a Honda manda 6 Advogados para uma Audiência para dizer que não tem acordo (esse é o respeito da Honda pelos consumidores), ai vem dizer que tem problemas e a nova foi resolvido, conversa!!! Eles jogam a moto no mercado com alterações torcendo para que ela não trinque mais, e se trincar QUE SE FU, o comprador… Motociclista de verdade não defende porcaria e ainda coloca na justiça… Não defendo aqui nenhuma marca, e torço para que nenhum dos amigos passe pelo que estou passando com a HONDA MOTOS. HOJE NÃO COMPRO MAIS HONDA!!! Ah quem quiser meu contato pra alguma duvida e tal, hadteixeira@gmail.com. HONDA tô pedindo ESMOLAS não, SÓ QUE RESPEITEM OS MEUS DIREITOS COMO CLIENTE

    • Licergico

      tive um problema parecido com um gol 1.6 da vw ( bebia 5km/l de gasolina quando zero depois melhorou … pra 6km/l na GASOLINA ) no álcool era 3,3km/l no máximo e vw garantia que esse consumo era normal !!!! numa mais comprei vw também !

  • Ronaldo Prado

    Todo piloto de 300 que vejo na rua é meio cachorro loko sem noção do perigo.

    Tive uma Tornado 250 e Hoje tenho uma Falcon 400. Também já andei na XRE 300 e na minha opinião a melhor é a Tornado 250. A moto andava muito. Saudade dela.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email