Matérias NA

Andar em baixa rotação prejudica o motor?

Andar em baixa rotação prejudica o motor?
Andar em baixa rotação prejudica o motor?

Na tentativa de diminuir o consumo de combustível do carro para tentar driblar os “problemas” apresentados pelo mercado brasileiro no segmento de combustíveis, que provocam diretamente oscilações nos preços dos produtos, os motoristas costumam utilizar algumas práticas de procedência um tanto quanto duvidosa. Conduzir o veículo com o motor trabalhando em baixa rotação aparece como uma das alternativas usadas por alguns condutores.

Esta prática consiste em, na maioria das vezes, utilizar uma marcha mais alta no câmbio mesmo em velocidades mais baixas. Como resultado, o motor passa a trabalhar num regime de rotação também mais baixo. Porém, será que isso realmente é válido a ponto de economizar o combustível sem causar danos sérios ao motor? Confira abaixo:


Dirigir em baixa rotação prejudica o motor?

Se você já consultou o manual do proprietário do seu veículo; provavelmente deve saber que o fabricante indica as melhores velocidades para cada troca de marcha seguindo os parâmetros do conjunto motriz do modelo. Na maioria das vezes, a segunda marcha deve ser trocada aos 20 km/h; a terceira marcha até 45 km/h e a quarta marcha até cerca de 60 ou 70 km/h; podendo passar para a quinta marcha caso você vá andar por um determinado tempo nesta mesma velocidade.

Normalmente, quando o motor de um veículo entra em funcionamento; ele ostenta uma baixa rotação de cerca de 800 rpm. Ao aplicar uma leve força no pedal do acelerador para ganhar velocidade; o conta-giros no painel do carro logo acusará uma faixa superior a 1.000 rpm. E a partir daí, com o ganho de velocidade e as trocas de marcha; a rotação consequentemente irá subir.

Caso o motor consiga entregar um nível de torque suficiente em baixa rotação para que o motor “empurre” o carro sem muito esforço (sem que o propulsor comece a “reclamar” emitindo alguns barulhos); o conjunto dificilmente enfrentará problemas. Se não, ele irá pedir por uma redução de marchas; já que o motor dificilmente conseguirá seguir operando da maneira adequada, podendo até “morrer” na metade do caminho.


.

Andar em baixa rotação prejudica o motor?

O aparato é dotado de bomba de óleo, responsável pela lubrificação forçada do motor do carro; que por sua vez conta com uma válvula reguladora de pressão. Essa válvula fica acoplada à própria bomba e tem como função aumentar ou reduzir a pressão do óleo de acordo com a rotação do motor; mantendo a pressão constante. Sendo assim, o motor irá operar sempre nas condições normais de trabalho, sem que haja danos significativos ao conjunto.

Fora isso, caso a bomba de óleo não esteja funcionando corretamente devido à baixa rotação do motor ou por algum outro motivo; a luz do óleo se acenderá no painel de instrumentos. É importante ainda que o óleo lubrificante do motor e a bomba de óleo estejam em boas condições; sendo esta última em pleno funcionamento, para que não haja problemas.

Porém, ainda assim é válido seguir sempre o recomendado pelo fabricante no manual do proprietário. Normalmente, as velocidades e rotações recomendadas para as trocas de marchas por cada montadora normalmente proporcionam um equilíbrio entre desempenho e economia de combustível.

Qual a faixa de giro ideal para as trocas de marcha?

Aproveitando, é importante ainda que você promova as trocas de marcha numa faixa de giro ideal para o motor do seu carro. Normalmente, as passagens de marcha devem ser realizadas quando a rotação atingir os 2.500 rpm. Na maioria das vezes, ao ultrapassar essa faixa de giro, o consumo de combustível aumentará; embora você consiga gerar um melhor aproveitamento da potência e do torque do veículo, em especial dos dotados de motor aspirado.

É por este motivo que um carro turbo costuma ser mais eficiente. Para se ter uma ideia, o Volkswagen up! TSI com seu motor 1.0 litro turbo flex de três cilindros entrega o torque máximo já a 1.500 rpm; ou seja, toda a força está disponível praticamente após ligar o conjunto. Logo, o motorista não precisa atingir rotações elevadas para se obter um nível de torque considerável; implicando também numa maior economia de combustível.

Andar em baixa rotação prejudica o motor?

Quando usar o ponto morto (neutro)?

Usar o ponto morto/neutro em alguns momentos de uma condução já virou praticamente uma tradição entre alguns motoristas. Em uma delas, ao avistar um semáforo, o condutor se ajeita para posicionar o câmbio no neutro, controlando a velocidade do veículo com o pedal do freio. Caso o sinal abra ao chegar no cruzamento, ele engata a segunda marcha com o carro ainda em movimento e segue o trajeto.

No entanto, esta é uma prática bastante errada, sobretudo em carros mais novos equipados com injeção eletrônica. Ao contrário do que muitos imaginam, o neutro deve ser engatado somente com o carro parado e o contrário não economiza combustível. Com o veículo em movimento e o câmbio na posição neutro, o conjunto continua injetando combustível para manter o motor em funcionamento. Dá para economizar fazendo justamente o processo inverso: ao tirar o pé do acelerador com o carro engrenado, o módulo da injeção observa que você deixou de acelerar e corta a alimentação de combustível conforme o carro for parando.

Além disso, o carro engrenado conta ainda com o auxílio do freio-motor, que também vai freando o carro de maneira involuntária conforme você deixa de acelerar. Com o câmbio em ponto morto, o veículo está “solto”, sendo que neste caso você deve controlar a velocidade com o pedal de freio, podendo superaquecer o sistema de freios do automóvel.

Andar em baixa rotação prejudica o motor?
Nota média 3 de 26 votos

  • Danillo Barros

    Gostar de carros no Brasil é masoquismo… Absolutamente tudo joga contra você.
    A única que vem facilitando a nossa paixão são sites como o N.A.

    • Luis Burro

      Ñ é qndo usa o conhecimento a favor de si,qlqr um pode fazer isto.O problema é que poucos realmente o fazem.

    • Eduardo Edu

      Completamente correto.

  • Antonio Carlos Costa

    Se em baixa rotação eu não sei se danifica o motor, mas trocar as marchas corretamente e usar o freio do motor economiza bastante. Sabado passado, saí da zona sul até a zona leste, com pé leve, trajeto ida e volta de 63 km, velocidade média de 34 km/h, aproximadamente 35% do trajeto em vias expressas meu 208 1.2 marcou no computador de bordo 15,2 km/l abastecido com etanol. Agora, se dirigisse normalmente num trajeto sem transito faria uns 10 km/l com etanol. Afirmo, este motor 1.2 puretech não faz milagre em transito pesado e trajetos com ruas esburacadas, com excessos de lombadas e valetas.

    • Luis Burro

      Mas aí nenhum faz,pra ter uma boa média qnto mais constância melhor,claro q tbm ñ abusar das acelerações bruscas e velocidade excessiva.

    • invalid_pilot

      Usar freio motor é algo que poucos sabem fazer, economiza combustivel e pastilha de freio…. canso de ver na descida da imigrantes nego com pé no freio pelos 17 km de serra, enquanto eu só troco de 3ª pra 4ª ou 2ª

      • Pedro Henrique

        auto escolas não ensinam a importância do freio motor, eu uso direto fica automático, quando meu irmão(que dirige da forma mais gastadora possível) ou um estranho ta do lado eles olham, perguntam porque to deixando engrenado e reduzindo marcha, porque troco de marcha cedo(eu sigo o carro e já peguei o costume do computador de bordo, troco a 2 mil rpm que é quando ele manda, salvo algumas situações de morro ingrime ou necessidade de ganho rápido de velocidade (entrar numa rodovia) dai estico até uns 2500~2700 rpm…
        resultado, o carro faz medias incríveis na minha mão, um up! tsi(ta que é um carro econômico, mas nas mãos erradas é mais gastador que um 1.4~1.6 aspirado)

        • invalid_pilot

          Sim ! Eu também busco usar freio motor e a tática de manter o carro em baixas rotações – esses motores modernos com variador de fase propiciam elasticidade grande e ajuda nesse tipo de condução econômica.

      • Louis

        Às vezes o carro é automático sem troca sequencial.

        • invalid_pilot

          Joga no low, uai.

      • Allysson Santos

        Já cansei de ouvir que estou estragando o motor quando faço uma reduzida e seguro no freio-motor, isso vindo de pessoas que se dizem bons motoristas!

        • invalid_pilot

          Clássico, é o pessoal do “clube das 2 mil rotações” se passar disso o motor quebra, esses ai são os que se arrastam em subida justamente por não quererem forçar o motor .

          • André

            E ainda deixam o 1.0 perder o embalo… aí até carreta empurra kkkk

            • invalid_pilot

              Medo de espetar a 2ª e sentar o pé até 5mil rpm – tenho um Milzinho mas se pego a Imigrantes livre na subida e sem lerdo – vou de boas a 100 km/h

          • Edson Fernandes

            E para entrar numa estrada os que entram em quinta marcha a 50km/h e pisam nela até atingir a velocidade desejada?

      • André Luis Versiani

        Freio motor é bom demais!

  • T1000

    A pessoa não precisa chegar ao extremo de engatar 4a marcha a 1000 rpm para economizar.
    O motorista precisa identificar a faixa de rotação onde o motor rende mais sem precisar acelerar muito e usar o freio motor.
    Cada carro é um carro.
    Nessa, estou fazendo 16,5km/l no hb20 1.0 em percurso misto cidade/rodovia na gasolina, média tirada após rodar 600km.

    • Andre Maruska

      Quanto mais alta a marcha menos combutivel se gasta, nao é a toa que cambios cvts mantem o carro a 1100/1500 giros com pe leve. Carro manual funciona da mesma forma. O que nao pode é deixar o carro ficar dando solavancos por pedir marcha ou quando quiser ganhar velocidade fincar o pe no acelerador achando que o carro vai em 5 marcha a 20km/h chegar a 100km/h em 2s. Agora velocidade cruzeiro, se o carro aceita nao tem problema algum. Economia é grande fazendo isso.

    • th!nk.t4nk

      Meu carro é automático e literalmente mantém a rotaçao a praticamente 1000 rpm se estou a uns 60 km/h num local plano, sem acelerar (e nao é CVT nao, é um câmbio normal). Ou seja, de fato cada carro é um carro, e o melhor conselho é perceber se parece “ok” pro motor manter aquela rotaçao (sem excesso de vibraçoes ou solavancos, como dito).

  • Bruno Silva

    Sempre ando em baixa rotação, o Celta de você pisar o consumo vai lá nas alturas. Não só isso, como o carro fica bem mais silencioso.

  • Luis Burro

    Já tinha visto sobreo ponto morto,mas como funciona o sistema start stop,pq pra mim ele ñ economiza muito.
    A primeira injetada depois de parado tem sempre um pouco mais de combustível q as seguintes,então qual o tamanho da economia?

    • invalid_pilot

      Start-Stop é um engodo, serve pra diminuir emissões e nada mais .

      Preço da bateria custa 3x mais que uma comum.

      • Luis Burro

        O q acho curioso é q sempre acabo achando q o motorista deixou o carro morrer,pq é esta a impressão q dá.

      • André Luis Versiani

        Do Argo custa R$1500,00 reais!

      • Andre Maruska

        Ate onde sei a bateria nao sofre com isso. O que sofre é o motor de arranque. Que em carros mais simples nao chega a ser tao caro. Problema é que se voce colocar na ponta do lapis a economica com a troca necessaria do motor de arranque ao menos 1x ao ano, a economica de combustivel nao eh tao sensivel assim.

        • th!nk.t4nk

          Carro com start-stop precisa trocar motor de arranque 1x por ano? Hahaha. De onde raios vocês tiram essas histórias? É por isso que aqui nos comentários do NA há tanto preconceito com tecnologias, é muita informaçao errada sendo disseminada e o povo fica morrendo de medo de um simples start-stop.

          • Charlis

            Kkkkkk cara, é cada uma aqui, que chega a ser inacreditável!
            Ainda bem que meu Golfera com 150 mil km rodados, não seque essas regras.
            Senão já teria trocado 10x motor de arranque, 20x a bateria… fora que é turbo né? Já teria fundido umas 40x …

            []s

    • th!nk.t4nk

      Start-stop economiza pra caramba, principalmente pra quem pega trânsito pesado (dependendo da cidade, a economia chega a quase 10%!). Pra você ter ideia, ele é de série até mesmo nos modelos populares mais baratos nos países desenvolvidos. Por incrível que pareça nao há gasto adicional da bateria, ela já é dimensionada pra suportar a quantidade adicional de partidas. Curiosidade: o motor de arranque e componentes relacionados também sao redimensionados, e duram até mais do que de carros sem start-stop. Fonte: fazemos testes em ambos, e os modelos com start-stop apresentam sempre maior durabilidade do conjunto. Pode ficar tranquilo.

  • Luis Burro

    O modo de condução é um dos fatores q mais influencia no consumo,existem outros,porém é um dos poucos a ter mais importância.

  • Joildo Dias

    Um bom exemplo é o Jetta 2.0 tsi, andando no drive o cambio faz o serviço com maestria, consigo bons 16 km/l no c/b e claro sem pegar transito pesado e sempre andando no máximo à 80 km e claro em sexta marcha com o giro baixinho…

  • Mesquita13

    Quem dirige a trabalho e pega muita rodovia sabe que quanto menor for a relacao rpm/velocidade menor sera o consumo, a temperatura de trabalho e o desgaste do motor. Quanto ao uso do ponto morto em carros com cambio manual, isso e a maior idiotice, primeiro que no ponto morto o motor nao corta a ingecao, e o sugeito ainda gasta pastinha de freio para reduzir a velocidade! O ideal nesses casos e engatar uma marcha que permita o carro fazer o efeito freio motor sem perder muita velocidade, tirar o pe do acelerador e assim cortar a ingecao, e so usar o freio se realmente necessario, se precisar retomar velocidade, acelera ou reduz se precisar de mais torque.
    Pouca gente sabe que nos carros modernos, quando se tira o pe do acelerador com o cambio engatado a ingecao para de funcionar. E sonfazer

  • Luis Carlos K.

    Troco de marcha geralmente entre 1.800 rpm e 2.400 rpm, dependendo das condições da topografia

    • Andre Maruska

      eu chego a pular de segunda para quinta dependendo da topografia. O versa na cidade tem feito otimos 11km/l. Na estrada nem falo nada por que ninguem acredita hahahaha

      Contanto que o carro nao fique trepidando e pedindo marcha quanto mais alta as marchas que voce usa, menos combustivel. Claro que voce nao vai tentar subir uma ladeira em 5 a 20km/h. Mas velocidade cruzeiro meu carro passa mais tempo em 5 do que qualquer outra coisa.

  • Pedro Henrique

    meu carro indica troca de marcha aos 1900 rpm kkkk e se eu estiver no plano em 4 marcha a 1700 rpm sem carga no acelerador ele já diz pra jogar a quinta kkkkkkkk

  • Brenno

    Ótima matéria! Lembrando que o Cut-off da injeção só ocorre acima dos 1500 RPM! Então, colocar 5ª marcha a 40 km/h, mesmo em um declive, caso estiver abaixo das 1500 RPM, não funciona o Cut-off. (Se eu estiver errado, favor me corrigir).

    [OFF] Dúvida: Quando uso freio motor do Focus de pai (sem pisar no pedal de freio) , o carro “trepida”. Imagine algo como quando você pisa no freio e ele está empenado, por exemplo (só que muito pior). Entre 1000 e 2000 RPM é pouco. Mas de 2000 RPM até 3000 RPM, é extremamente desagradável! Só com giro alto, 4000 RPM, 5000 RPM que ele não faz isso. Será que o semi-eixo está empenado? Ou seria algum problema de câmbio? Porque acelerando não faz isso, só quando tira o pé do acelerador e engatado. ( em ponto morto isso não acontece)

    • Dp Som

      Focus aontece de dar problema nas tulipas das trizetas, pode ser isso.

      • Brenno

        Já suspeitava de algo assim. Irei checar! Obrigado!

    • Samluzbh

      Se você usar o freio motor em uma marcha incompatível com a velocidade vai trepidar com certeza, é só descer marcha, agora se tiver com marcha compatível ou já mais baixa, ai tem problema mais serio.

      • Brenno

        Velocidade correta para a rotação. Exemplo: 3ª a 60 km/h. Como o colega comentou, já suspeitava das Tulipas. Vou checar.

    • Guilherme Batista

      Os carros mais novos não precisam ser acima de 1500RPM não, basta estar em uma rotação que maior a qual a central consiga fazer retomar a injeção de combustível sem perder eficiência, mas de qualquer forma, geralmente fica próximo a isso mesmo.

      • Edson Fernandes

        Depende de cada carro. Se vc trocar de marcha um up tsi em 1500rpm, ele vai se tremer todo. As trocas comuns nele em plano ocorrem as 2000-2100rpm por exemplo, pois a relação de marchas é bem longa.

  • FearWRX

    Eu nunca economizei nessas coisas, trocar de marcha sempre foi acima de uns 2 mil rpm e até 3k, menos que isso não dá pra tirar quase nada de qualquer carro menos dos Turbo.
    Me dá nervoso quando dirijo com gente que não dá 1200 rpm e já tá passando marcha e o carro lá vibrando todo é triste.

    E somos apaixonado por carro, imagina se não fossemos.

  • Louis

    Eu costumo trocar de marcha em baixa rotação mesmo, parece até que estou dirigindo carro a diesel KKKK
    O consumo melhora significativamente.
    Sobre o ponto morto, economiza combustível sim, exceto nas ladeiras em que você é obrigado a frear, aí sim melhor utilizar o freio-motor. Mas tem algumas descidas em que coloco ponto-morto, em que seu eu não colocasse seria obrigado a acelerar pois o carro perde velocidade rapidamente, e no ponto-morto o carro mantêm numa boa.
    Li em algum lugar que têm cambio AT mais moderno que coloca em “ponto morto” em determinadas situações para economia de combustível.

    • Verdades sobre o mercado

      Dirigir com o carro desengrenado é proibido pelo CNT. Se na ladeira o carro perde velocidade engrenado, use a marcha mais alta disponível e compatível com a velocidade, vai dar a mesma economia do ponto-morto e é mais seguro e menor chance de gastar freios.

      • Gabriel Medeiros

        Estamos falando da marcha mais alta disponível, se mesmo assim o carro perde velocidade, o ponto morto é a melhor opção. Tanto que, como o Louis disse, os câmbios modernos já fazem isso por padrão.

    • Pedrob

      Cara, utilizando marcha-lenta (Câmbio na posição Neutro) você tem injeção de combustível sempre. Já se você utilizar o Cut-off (Câmbio engrenado e pé fora do acelerador), o consumo é literalmente ZERO, uma vez que a injeção é cortada. O Carro vai sim desacelerar um pouco mais rápido, mas utilizando a marcha mais alta e mantendo a rotação acima de cerca de 1500 a 1200 rpm compensa. Quando a rotação for sair dessa faixa, você pode reduzir marcha (se não se importar com uma maior desaceleração) ou desengatar o câmbio, como você já faz. O ideal é quando, em descidas de serra muito longas, você consegue utilizar o freio motor para manter o carro a velocidade aproximadamente constante e rotação acima de 1500 rpm. Dessa forma, acredite se quiser, já consegui fazer 24km/L num Uno Drive 1.0L alugado de Gramado a Porto Alegre no Álcool (A diferença de altitude é de cerca de 830m num trecho de 120km).

      • Louis

        Sim, quando é necessário frear na descida, é burrice deixar em ponto morto, visto que o cut-off zera o consumo e ainda economiza freio. Eu uso o ponto-morto quando não é necessário frear, e se estivesse engrenado em 5a. precisaria acelerar para não perder velocidade.

      • Cmenusi

        Você diz que no cut-off o consumo é zero. Neste momento, o motor está queimando o que então ? “Vapor de gasolina”? Acredito que tenha uma redução, mas consumo zero, creio eu que não …

        • Guilherme Batista

          O consumo de combustível é 0 o carro não queima nada, a própria rotação das rodas que movimenta os pistões do motor

          • Pedrob

            Exato! A inércia do caro mantém movimento sem queima nenhuma de combustível. A central apenas determina a injeção de combustível quando a rotação cai abaixo de 1500 a 1200 rpm, para evitar que o motor “morra”.

    • Guilherme Batista

      Uma forma fácil de você perceber o quão errado é colocar no ponto morto, é você colocar o computador de bordo pra exibir o consumo instantâneo do veículo.
      A quinta marcha do carro possui relação muito próxima a 1:1 (geralmente por volta de 0.8) então não é suficiente pra frear o carro o tanto que você ta falando ai não.

  • Verdades sobre o mercado

    Os motores mais modernos permitem facilmente baixas rotações. O Polo MSI anda na boa a 40km/h em 4a marcha e 50km/h em 5a marcha, inclusive estas velocidades são indicadas no manual do veículo.

    • Dp Som

      Concordo, inclusive não soh motores modernos… pegue um rocam 1.6 gasolina, motor de 20 anos qse… como o pico de torque eh logo nos 2000 e poucos rpm… ele anda suave com rpm bem baixa.

    • Eduardo Andrade

      Ai depende muito da situação, eu tenho um fiesta rocam como o amigo abaixo citou, da pra usar ele tranquilamente em 5 quinta em velocidades de no minimo 50 km/h desde que seja um local plano, se pegar qualquer subidinha ja se faz necessaria a redução pra quarta, no meu percurso diario ja sei exatamente onde cada marcha é aceitavel, tem subidas aqui por exemplo, que é impossivel manter velocidade de 60 km/h constante então ja sabendo disso antes de chegar no ponto de perda de velocidade, faço a antecipação e reduzo a marcha, mas isso só pega a manha no convivio diario com o carro, tem muitos trechos de semaforo sequencial aqui que consigo tranquilamente usar quinta marcha por uns 2 km, preciso reduzir apenas por causa de uma lombada, mas de qualquer eu teria de espetar uma quarta marcha pra encarar a subida que tem após ela, geralmente nem consigo engatar a quarta marcha nesse trecho por causa do fluxo de carros.

  • Antonio Sergio

    Meu carro possui transmissão CVT, que tende a manter em 1.500 giros e em velocidades compatíveis com o local e ainda rodar com certa economia de combustível.
    Mas entendo que, ao se manter o giro no momento de torque mínimo e em determinada marcha, consegue-se bastante economia no consumo.

  • Gabriel Medeiros

    Me desculpem mas essa ideia de que usar o ponto morto é ruim é papo de quem tem câmbio automático ou simplesmente não sabe dirigir manual. Não pode generalizar como na notícia. Existe o momento certo para usar o cut-off e para usar o neutro.

    Nas paradas de semáforo canso de ver gente que deixa o carro engatado “pra economizar”, aí o carro desacelera mais rápido se aproximando da parada antes de chegar ao sinal e o motorista acaba acelerando para se aproximar do carro da frente. Gastou mais combustível que se tivesse posto em neutro antes e parado na hora certa.

    O mesmo vale para declives. Vai engatar uma quinta mas e se o carro continuar a perder velocidade, tem que por em neutro. De nada adianta manter a marcha alta engatada e acelerar para compensar a perda de velocidade.

    • Sonfav

      O objetivo de economizar combustível é economizar dinheiro. Dirigindo assim desgastará os componentes mais cedo, e perderá todo o dinheiro da “economia” de combustível.
      Por partes.. na cidade, geralmente você faz o mesmo trajeto. O motorista observador sabe onde deve tirar o pé, e usando o freio motor, poupa os freios, os pneus e a embreagem. Nas estradas, a resistência do ar faz o carro perder velocidade nas descidas menos íngremes. Manter o carro levemente acelerado nesses casos consome pouquíssimo combustível, e qualquer computador de bordo com consumo instantâneo é capaz de mostrar que o consumo é maior no neutro que na quinta ou sexta marcha. E ainda tem a questão de voltar a marcha.. uma errada e você dá um tranco no motor, por engatar a marcha fora do giro correto pra velocidade.
      Eu só faria isso se tivesse numa situação de emergência, prestes a ter uma pane seca, porque a longo prazo, o estrago nos componentes sairá mais caro.
      Isso não compensa.

    • Guilherme Batista

      Cara, não sei que carro que você anda dirigindo que desacelera em quinta marcha na descida, nem sei em qual velocidade você ta dirigindo pra isso acontecer.
      Isso tá muito errado, tem que deixar em quinta que a velocidade do carro vai aumentar normalmente, alguns carros ainda possuem mais marchas que funcionam como overdrive.

      Outro ponto muito importante que você não ta levando em consideração é na hora de uma frenagem de emergência, caso precise disso, o carro não vai ter auxílio do motor pra aumentar a eficiência da frenagem

      • Edson Fernandes

        Mas ele frisou que é uma descida não muito ingrime onde o freio-motor do carro não deixa desenvolver velocidade.

        Há situações onde vc apenas mantém a velocidade ou até perde pouco dela se soltar totalmente o acelerador.

      • Gabriel Medeiros

        Eu não falo de um decida íngreme, basta um leve ângulo de descida na pista que, em velocidades elevadas como 100km/h, a própria resistência do vento já se encarrega de desacelerar o carro o suficiente para que o mesmo não ganhe velocidade em neutro, e desacelere rápido em 5a. Tanto é que câmbios recentes já incorporam essa inteligência, e colocam em neutro automaticamente.

        Mantendo o pé na embreagem, em uma situação de emergência basta liberar o pé, movimento rápido. E mantendo o pedal precionado até o fundo não implica em desgaste do conjunto embreagem (como antigamente).

        • Guilherme Batista

          Já foram feitos diversos testes com esse tipo de situação e até hoje não vi nenhuma que foi realmente conclusiva. Os câmbios que você se refere são os DSG em alguns VW e Audi, porém nem estão utilizando mais.

          Algumas pessoas alegam ter melhorado o consumo com essa prática, mas a real é que só funciona com o carro no modo ECO, que altera outras funções do carro, então é difícil de atribuir a economia a somente roda livre. Ja vi até reportagem dizendo que a diferença de consumo era de 1%.

          No mais, eu jamais andaria com um carro a 100 por hora desengatado, é muita soberba achar que você conseguiria engatar a marcha rapidamente a ponto de evitar um acidente, prefiro continuar a gastar 1% a mais.

          • Gabriel Medeiros

            Tem carro manual com modo ECO?

  • Samluzbh

    Alguns carros mais novos tem o indicador de troca de marcha no painel, basta andar num desses pra ter a noção de quando subir ou descer marchas, as vezes fica ate chato seguir as indicações.

  • Edson Fernandes

    Nesses casos, não valeria a pena então puxar o freio de mão para sair da imobilidade com o carro? É o que eu mais faço qdo estou com carro manual (eu atualmnente tenho um automatico que em subidas puxo o freio de mão).

    • Eduardo Andrade

      Eu usava o freio de mão pra arrancar nas rampas, pra subir em estacionamento nos predios, na rua nunca usei, mas não sei é la muito pratico ficar puxando e soltando o freio de mão a cada subida que eu tiver de tirar o carro da inercia.

      • Edson Fernandes

        Não… eu estou citando situações onde vc está em subida ingrime em semaforo ou local que vc precise imobilizar o carro completamente para depois puxar o freio de mão.

        Em situações cotidianas em que o carro está parando e vc vai controlar na embreagem ou frear talvez seja o caso de não usa-lo. Mas em subidas ingremes com a imobilidade eu uso sim.

        Tanto que um recurso bacana que tem nos Honda HRV e Civic, além de alguns VW é o “brake hold ” (no VW “autohold”) que automaticamente ele segura o carro ao imobilizar.

  • Luis Mello

    Usar o neutro com certeza em algumas condições economiza combustível, pois permite andar longos trechos que estaria pressionando acelerador pra manter velocidade com motor em marcha lenta. Tal é tão verdade que praticamente todos caminhões pesados com cambio automatizado possuem a “banguela eletrônica” pra economia de combustível.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email