Aparelho para economia de combustível funciona?

Aparelho para economia de combustível funciona?

Como gastar menos combustível? Isso já respondemos nesta matéria como como economizar. Porém, muita gente procura outras formas de reduzir o consumo e acabam por apostas em dispositivos e sistemas, fabricados ou artesanais, para reduzir ainda mais o gasto com gasolina ou etanol ao final do mês.


No caso desses aparelhos, muitos prometem reduções incríveis para um carro comum, o que sem dúvida atrai a atenção dos consumidores. Mas, aparelho para economia de combustível funciona? Separamos alguns dispositivos que foram testados por revistas ou foram divulgados em outros sites e jornais. Tem de tudo, desde aplicativo com aparelho wireless até vapor de gasolina.

Aparelho para economia de combustível funciona?

Direto no motor

Por conta disso, separamos alguns dispositivos que prometem e não cumprem no tocante à redução de consumo de combustível. Eles foram testados pela revista Quatro Rodas e outros acabaram virando notícia após não cumprirem com o prometido aos clientes. Um deles é chamado Eco Chip, um dispositivo de apenas 4 cm que fica preso no duto de entrada de ar do motor, tendo que cola-lo para que fique preso.

O fabricante alega que é necessário rodar muitos quilômetros para sua calibração (cerca de 30 a 50 km no caso de um Renault Logan 1.0, por exemplo), mas na prática, ele não cumpre com o prometido, que é nada menos que economia de até 50%. Feito para motores até 1.4, a brincadeira não sai barata: R$ 499. Sem manual físico (apenas virtual) e sem instruções na embalagem, o produto é bem suspeito.

Outro dispositivo milagroso para redução de consumo que é plugado diretamente no motor é o Powermag (foto acima). Como o nome sugere, este dispositivo promete entre 10% e 22% de economia com o poder do magnetismo… Preso à linha de combustível próxima do motor, um envólucro magnético provoca um novo arranjo para as moléculas do combustível em fluxo pela mangueira.

Com um combustível molecularmente reorganizado, a queima é melhor, produzindo melhor performance, mais economia e menor poluição. Tudo perfeito, até ser testado de fato num Nissan Sentra e as médias de consumo com e sem o Powermag não se alterarem. Custando entre R$ 45 e R$ 60, ele é barato, mas não faz nada próximo dos 10% mínimos prometidos.

Aparelho para economia de combustível funciona?

Acendedor de cigarros e OBD2

Passando para dentro do carro, alguns dispositivos prometem cortes exorbitantes em consumo e nem precisam do trabalho de se conectar dispositivos suspeitos dentro do cofre do motor. Se a entrada OBD2 parece coisa mais séria, imagina então o acendedor de cigarros. Pois é, ali onde se pode recarregar celulares, por exemplo, alguns dispositivos “high tech” como Fuelshark e Carcony, prometem, mas não cumprem.

O Fuelshark tem um visual bonito e até iluminação azul, porém, isso disfarça sua ineficiência. Como um passe de mágica, ele promete de 10% a 30% de economia apenas plugando esse dispositivo no acendedor de cigarros. Custando cerca de R$ 80, o tubarão azul da fonte 12V não alterou em nada os números de um Mitsubishi Lancer testado. A empresa que o vende não explica como ele promete a fazer essa proeza e o que é dito, está em inglês. Ah..não use em elétricos e híbridos. Ou seja, melhor não arriscar.

Não tão atraente quanto o Fuelshark, o Carcony também aposta naquela pouca usada tomada de 12V. Com formato cilíndrico, sua luz de LED é verde (para operação normal) e vermelho (para algo irregular no alternador). Com promessa de 20% de economia, o dispositivo recomenda girar a ignição sem dar partida e esperar 30 segundos para que ele comece a atuar, aumentando potência e torque, reduzindo consumo e emissão, além de proteger bateria e sistema elétrico. Tudo isso por R$ 70 com manual em inglês e chinês.

Como no primeiro, o Carcony não explica como faz para obter tudo isso apenas usam a energia da fonte 12V. No final com um Citroën C3 1.5, ele não fez nada além de ocupar espaço e produzir iluminação extra no ambiente. É outro dispositivo comprado na internet que em o intuito de enganar. O produto até ganhou uma nova geração, com um formato que lembra as alavancas de carros de luxo, como da BMW, por exemplo.

Outro plugado no interior, mas agora na porta OBD2, é o Eco OBD2… Esse dispositivo até parece ser sério e como usar a porta de comunicação da ECU do motor, poderia mesmo convencer qualquer um, já que em tese alteraria o mapeamento do motor e assim produziria mais economia de combustível, algo em torno de 15%. Com um ritual de inicialização do dispositivo, o condutor precisa de até quase um minuto de espera para que a caixa plugada na OBD2 entre em operação. Num Hyundai HB20 1.6, não fez mais do que ficar piscando. Enfim, o Eco OBD2 apenas se apoia na boa fama dessa porta de comunicação do carro.

Aparelho para economia de combustível funciona?

Vapor de gasolina e comprimidos potencializadores

Outra novidade para reduzir consumo de combustível, mas que na verdade é pura enganação, o chamado “vapor de gasolina”. O dispositivo emprega um reservatório com gasolina, mas este possui um dispositivo que agita o combustível, produzindo um gás ou vapor do líquido. Ele é conectado ao TBI ou coletor de admissão para injetar esse vapor de gasolina dentro da câmara de combustão, mas ao se fazer isso, a sonda Lambda entende que a quantidade extra de gás na mistura original tornou-a muito rica.

Diante disso, o gerenciamento eletrônico da injeção passa a reduzir a injeção de combustível e isso provoca um consumo menor, mas com o passar do tempo, o módulo começa a atuar conforme a mistura pobre, embora analise que está rica e por isso continuará reduzindo o envio de combustível.

Na realidade, o vapor de gasolina apenas engana o gerenciamento do motor, que sempre “pensa” que a mistura é rica e por isso reduz o envio de combustível. Esse conflito dentro do motor vai acarretar em performance fraca, aumento da emissão e até potenciais problemas futuros. O consumo é realmente menor, mas o desempenho também cai. Como o condutor está focado na alterações dos números, ele estará condicionado obter melhor média, por isso muitos dizem que funciona de 20% a 50% de economia. Não chega nem perto disso. O valor do kit varia de R$ 600 a R$ 1.500.

Outra promessa não cumprida é a dos potencializadores de combustível, que são misturados no tanque com o intuito de aumentar a potência com gasolina ou etanol ainda mais aditivados, garantindo também mais economia. O problema é que esses aditivos que prometem também limpar resíduos do motor, podem entrar em conflito com os aditivos originais da formulação do combustível e isso pode acabar gerando mais depósitos de sujeira. A composição desses comprimidos geralmente é o trioxano e custam menos de R$ 10, sem trazer qualquer benefício.

Aparelho para economia de combustível funciona?

Hidrogênio

Um dos dispositivos mais populares é o kit de hidrogênio, os chamados HH2 ou HHO, referências aos elementos químicos oxigênio e hidrogênio. Tudo se baseia na eletrólise da água (que é guardada num reservatório em solução com sal), onde se obtém o hidrogênio para ser injetado na câmara de combustão para ser queimado. Dos kits, pode-se comprar desde o manual, por uns R$ 4 até um kit propriamente dito que custa de R$ 2.000 a R$ 4.000 instalado.

A promessa é de 60% de economia, mas essa solução é instável e reverte o objetivo, aumentando o consumo ao invés de reduzi-lo. Isso sem contar explosões eventuais por causa do hidrogênio altamente explosivo, bem como curto-circuito e descarregamento da bateria, visto que o processo de eletrólise exige energia demais da bateria e do sistema elétrico, que assim são forçados além do projeto original. Muitos alegam economia, mas não há nenhuma base científica independente que comprove sua eficácia.

Ricardo de Oliveira
Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

68 comentários em “Aparelho para economia de combustível funciona?”

    • Concordo com você, muitas dessas gambiarras é para pegar trouxas mas..

      Fiquei encucado com o funcionamento do vapor de gasolina e acabei instalando em uma Meriva. Se você observar na matéria verá que é o único que realmente reduz o consumo, mesmo que a matéria fale sobre danos futuros. Pois bem, instalei no carro e fui para a rodovia testar, no álcool o carro fez 24km/l e na gasolina fez 26,6. Com o tempo o consumo piora um pouco, mas mesmo assim um carro que fazia 12 km/l está fazendo 16km/l nas mesmas condições de uso. Quanto ao que foi dito na matéria:
      “… mas com o passar do tempo, o módulo começa a atuar conforme a mistura pobre, embora analise que está rica e por isso continuará reduzindo o envio de combustível.”
      Acredito que não faz sentido, a ECU trabalha com cálculos estequiometricos e não com achometro para achar que está trabalhando com mistura rica e não pobre. E como a gasolina do reservatório de vapor some não há que se falar em mistura pobre, mas sim em queima eficiente.
      Que gera economia não há dúvida, se vai prejudicar o motor só o tempo dirá. Então a questão não é ser trouxa ou otário e sim se vc está disposto a pagar pra ver ou não.

      • Interessante. Realmente esse consumo pra Meriva é mágico. Se eu fosse do site iria te visitar e fazer testes com seu carro e acompanha-lo ao longo do tempo para avaliar a durabilidade do motor. Parabéns pela iniciativa.

      • O problema é que com menos gasolina entrando, menos potencia. Então se tu tivesse dirigindo com o pé mais leve teria o mesmo resultado. Além disso o combustível é usado também para resfriar a câmara de combustão, então aumenta muito a chance de superaquecer o motor, e com certeza ele vai ter a durabilidade prejudicada. A verdade é que um remapeamento da injeção teria o mesmo efeito, mas talvez com menos riscos.

        • “O problema é que com menos gasolina entrando, menos potencia” Não necessariamente, aí vc esta excluindo o fator eficiência. A queima do vapor é muito mais eficiente que a queima do líquido. Apesar da indústria ter conseguido bicos que praticamente pulverizam o combustível eles nunca serão páreo para o vapor, prova disso são os incontáveis vídeos no YouTube mostrando carros ligados na lenta usando apenas vapor e carros na lenta com um bico desmontado. O bico pulveriza mas se vc colocar o dedo na frente seu dedo começam a pingar combustível já no vapor é apenas vapor mesmo. “…Menos gasolina entrando” aí vc anulou o vapor que tbm está entrando, o que apenas aliviando o pé num carro comum não acontece!

      • Sou Engenheiro Químico, logo não entendo de motores, mas entendo muito de combustíveis. Então peço que faça a média do tanque inteiro de combustível e não só pelo computador de bordo. O computador pode estar sendo enganado uma vez que só consegue medir a quantidade de combustível líquido que vai para o motor.

        • Sua argumentação faz sentido, até certo ponto. O computador mede apenas o combustível líquido que vai para o motor, justamente por isso que eu jogo o consumo do reservatório de vapor na conta. Por exemplo, se o carro gastou 3l para rodar 60 km eu não calculo 20 km/l, eu vejo o consumo do vapor ex 0,2l e calculo que o carro fez 18,75 km/l. Aproveitando que você é engenheiro, você sabe melhor do que nós que uma reação química de queima melhora de acordo com a volatilidade do combustível né, ou seja é muito mais eficiente queimar vapor do que líquido. Agora uma questão que me encuca é; Para mover o veículo 1l de gasolina líquida possui a mesma energia (kj) que 1l de gasolina em vapor, então porque melhora tanto o consumo? Na cidade a melhora é ínfima mas na estrada é absurda, acredito que tem alguma coisa relacionada ao sistema de cut-off do motor, uma vez que este roda mais solto depois de instalado o vapor.

      • Anderson, parabéns pelo comentário. O módulo ajusta continuamente a mistura para manter a estequiometria, em função da leitura da sonda “lambda”, que está localizada no coletor de escape e não no de admissão, como dá a entender a matéria. Portanto realmente não vejo sentido naquele “achismo”. Pergunta: notou diferença significativa no desempenho do carro? Os potenciais problemas mencionados podem ser decorrentes de uma eventual queda de rendimento, caso o condutor “force” o motor para compensar esta deficiência, correto?

        • Há uma alteração no desempenho do carro mas nada significativo, de forma que quem nunca dirigiu o carro jamais notaria. Quanto mais eu abro o registro do vapor mais lerdo o carro fica e tbm mais econômico. Alguns veículos chegam a ficar na lenta usando apenas o vapor, notas-se que os bicos param de injetar totalmente! Quanto mais o reservatório vai esvaziando mais os bicos vão injetando e voltando o funcionamento para o normal, é aí que entra o cálculo estequiometrico sendo efetuado com perfeição.
          Se vc forçar o motor com o vapor aberto o carro anda bem mas a economia vai pro saco. Se vc quiser economia tem que se contentar com esta pequena queda no desempenho, para mim compensa!!

      • De certa forma sim. Porque pra ser bom, precisa ser um sistema muito bem instalado, ter a manutenção periódica correta e ainda ser um conjunto que aceite. Muitos motores não aceitam bem, outros são bons para colocar GNV.

            • Pra ser bom tem que vir de fábrica? Claro que não, a fábrica trabalha com custo benefício e não com o que é bom para você. Para adaptar o vapor de gasolina de forma viável obedecendo às rígidas normas de emissões daria um custo gigantesco às montadoras tanto em pesquisa quanto em linha de montagem. Eu uso o sistema de vapor de combustível no meu carro, gera uma economia de 30% na estrada e 15% na cidade, a própria matéria indica como o único citado que realmente gera economia. Ele funciona muito bem mas tenho certeza que é uma afronta às normas de emissão.
              Amigo a Petrobrás é a menina dos olhos do governo, carros extremamente econômicos não é vantagem alguma para a política do Brasil, vide os elétricos que estão bombando mundo a fora e nossa nação faz de conta que nem existem.
              No que diz respeito à indústria vou abrir um pouco das cortinas para você:
              O sal retirado do oceano possui Maia de 80 nutrientes. A indústria dessalinizadora retira esses nutrientes vende para a indústria farmacêutica e para você sobra apenas NaCl + iodo. Aí quando você fica doente vai na farmácia e compra os nutrientes outrora negados a você. Essa é a mesma indústria que você defende dizendo que faria algo de bom nos carros pra você kkkkkk
              Eu uso o sal marinho não refinado na minha cozinha e vapor de gasolina no meu carro. Vou muito bem, obrigado!!

              • Volto a dizer: Se fosse bom, vinha de fábrica. Acha mesmo que não teria esses sistemas na Europa ou EUA?

                Esse sistema de vapor de gasolina acaba com o carro. A própria matéria fala que o desempenho cai muito, por isso gera economia. E nem se sabe a longo prazo quais os danos no motor.

                Volto a dizer: Se fosse bom, vinha de fábrica.

                • “Acha mesmo que não teria esses sistemas na Europa ou EUA?” Amigo te falei sobre as regras de emissões, acorda!

                  “Esse sistema de vapor de gasolina acaba com o carro”
                  “E nem se sabe a longo prazo quais os danos no motor.”

                  Comuacin!? Acaba com o carro mas não se sabe quais danos pode ocorrer!?

                  Pode ter certeza meu amigo, se o custo benefício fosse bom viria de fábrica, o problema está no custo e você está criticando o benefício, precisa focar melhor sua raiva.

                  • Não estou com raiva amigo. Nem mesmo estudos existem por partes das montadoras.

                    Eu não acredito que uma montadora investe bilhões em desenvolver um carro e motor e não pensaria nessa solução criada no fundo do quintal de casa.

                    Como falei, se fosse bom, viria de fábrica.
                    A reportagem mesmo mostra que danos são inevitáveis e a longo prazo pode ser desastroso para o motor.
                    Volto a dizer, o interesse das montadoras é ter modelos mais eficientes e lucrar com isso… acha que esse investimento não teria sido feito mesmo que para análise de resultados?

        • Exato, o ponto está em ser barato de resolver… Ou até a melhoria ser perceptível.

          30% ou até 50% de redução pelo valor destes produtos é ilusão… Mas já existem motores muito mais economicos e estão em carros de luxo pq o preço é alto!
          Não é de hoje que existe downsizing, que só se popularizou agora ou até carros hibridos que ainda está longe de popularizar… No Brasil só teremos um cenário melhor se o governo incentivar… Ou seja, melhor esperar sentado. rs

  1. “Otário só tem dois direitos: Tomar tapa e não dizer nada”

    DA SILVA, Bezerra. Direitos do Otário. Álbum: Alô Malandragem, Maloca o Flagrante, faixa 11, BMG Brasil. 1986.

  2. Uma coisa que já notei é que rodar com o tanque vazio deixa o carro muito mais beberrão, meu Polo em rodovias roda cerca de 150 km para cada quarto, no último quarto roda só uns 70 km.

    • na verdade é o mostrador que não é tão preciso mesmo… não há nada que faça o carro consumir mais com o tanque com pouco combustível (até deveria ficar um pouco mais econômico, uma vez que está carregando menos peso)…

    • Isto é um truque psicológico que as montadoras utilizam. Elas já fizeram pesquisa e sabem que a maioria das pessoas que compram carros 0 km completam o tanque antes do ponteiro do mostrador chegar em sua metade. Quando o ponteiro do mostrador de combustível está na metade, na verdade o tanque está com apenas 1/4 de combustível. Desta forma o motorista pensa que o carro é econômico. Para saber se o carro é beberrão você precisa encher o tanque e zerar o odômetro parcial. No próximo abastecimento você completa o tanque de novo. Desta forma você sabe quantos litros foram consumidos e a quilometragem percorrida você a tem no odômetro parcial. Aí você faz a conta de km/L.

  3. Não precisaria fazer essa economia c nossos combustíveis fosse mais barato na verdade não éo o carro que bebé eo nosso combustível que é caro

  4. Nem perco tempo venda esses produtos, não existe milagres, mas como o mundo mesta cheio de loucos, sempre vai ter alguém que compra e jura de pé junto que o consumo melhora.

  5. Por enquanto, boa manutenção do carro, cuidado, GNV, dirigir sem muita aceleração e desaceleração são os mais indicados. Usar o veículo quando necessário, se puder uma boa caminhada ou pedalada.

  6. Na revisão do Fox na concessionária ofereceram uma cápsula de aditivo wynns que ajudaria a retirar a umidade da gasolina. Além de um aditivo anti desgaste para o óleo. Fiquei na dúvida principalmente em relação a essa cápsula para a gasolina.

  7. Galera quando trata de montadora o negocio e outro , eles tem um monte de metas pra cumprir , como a de emicao , tem q ter um equilibrio entre consumo e desempenho , garantia . Coisa q nao e olhado pela maioria q quer istalar kits de reduçao de consumo essa e a diferença

  8. Enganações, não funcionam, a unica coisa que reduz o consumo e não é muito, é, manutenção em dia, e pe de anjo no acelerador, fora isso o que economiza combustivel é carro hibrido q no caso aqui no Brasil sil sil ainda é muito caro.

  9. Que absurdo. É óbvio que esse site trabalha em prol do cartel de petróleo, o vapor de gasolina funciona, meu opala faz 50km/l agora. E ainda aumentou meu bimbo em 10cm.

Deixe um comentário