Governamental/Legal Matérias NA

Carro antigo: tabela de isenção de IPVA por estado

Carro antigo: tabela de isenção de IPVA por estado
Chevrolet Kadett já consegue a isenção de IPVA em vários estados

Ao contrário de muitos consumidores, alguns outros acabam se sentindo mais satisfeitos em adquirir um carro usado de concepção mais antiga do que um modelo 0 km ou seminovo. Claro que, nesses casos, os veículos costumam ser usados mais para passeios aos finais de semana, já que diversos modelos acabam não sendo uma boa opção para serem colocados “no batente” do dia a dia.

Afinal, imagina utilizar um Chevrolet Opala ano 1976 com seu motor seis cilindros de 171 cv que não é lá essas coisas quando o assunto é consumo de combustível? E além de todo o apelo emocional envolvido, os donos de carros antigos se beneficiam da isenção de IPVA.


Caso você não saiba, quando um automóvel atinge um determinado tempo de uso, contado a partir da sua data de fabricação, ele deixa de pagar IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). Esse imposto, a propósito, nunca teve sua real finalidade esclarecida pelo governo. A arrecadação do tributo é feita pelo governo estadual e depositada em um único caixa que reúne o dinheiro arrecadado por todos os estados.

Após isso, o governo realiza uma divisão do total arrecadado, sendo que 40% vai para os cofres do governo estadual; 40% vai para os municípios com distribuição de forma proporcional e os 20% restantes são destinados ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

Então, como você pode notar, o seu automóvel em circulação consegue beneficiar até mesmo a educação básica do nosso País (pelo menos conforme determinado por lei). Sendo assim, isso vai na contramão de quem imaginava que o IPVA era destinado apenas para a manutenção da infraestrutura viária, por exemplo – se bem que dá para imaginar que isso não era feito devido à qualidade precária das nossas estradas.


Na prática, o governo pode muito bem utilizar 100% da arrecadação do IPVA para investir em saúde e/ou educação, bem como usar parte dele para construir novas rodovias ou reformar as já existentes.

Todavia, voltando ao assunto principal desta matéria, dependendo do estado em que você reside e que o seu automóvel está emplacado, o bem não precisará mais pagar IPVA. Essa medida não visa beneficiar os amantes de carros antigos, mas sim as pessoas com menores condições financeiras que geralmente não dispõem de condições de arcar com a elevada carga tributária brasileira. Isso iremos falar um pouco mais adiante.

Carro antigo: tabela de isenção de IPVA por estado

Quais carros antigos estão isentos de IPVA?

Como você pode conferir a seguir, a isenção de IPVA para carros antigos é determinada por cada estado. Atualmente, os estados do Acre, Goiás, Rio Grande do Norte e Roraima são os que mais beneficiam os automóveis mais antigos.

Neles, carros com a partir de 10 anos de uso contados da data de fabricação já não precisam mais pagar o imposto. Sendo assim, caso você possua um Volkswagen Gol ano 2007 na garagem, já não precisa mais fazer o pagamento do tributo.

Porém, há alguns outros estados que são mais “rígidos” neste quesito. Isso inclui os estados de Alagoas, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Neles, somente os veículos com 20 anos da data de fabricação não precisam pagar IPVA.

Por esses e outros motivos que diversos proprietários e também empresas com frota de veículos (como locadoras) costumam emplacar seus veículos em outros estados. Há pessoas que moram em São Paulo e emplacam seus carros no Espírito Santo, que tem o menor IPVA do País, de apenas 1-2% do valor venal. Esta prática é ilegal e o proprietário pode ser processado por crime contra a ordem tributária, com pena entre dois e cinco anos de prisão e multa.

Tabela de isenção de IPVA por estado

Confira abaixo a tabela completa de isenção de IPVA de acordo com o estado em que o automóvel está emplacado:

Estado Automóveis isentos de IPVA
Acre 10 anos da data de fabricação
Alagoas 20 anos da data de fabricação
Amapá 15 anos da data de fabricação
Amazonas 15 anos da data de fabricação
Bahia 15 anos da data de fabricação
Ceará 15 anos da data de fabricação
Distrito Federal 15 anos da data de fabricação
Espírito Santo 15 anos da data de fabricação
Goiás 10 anos da data de fabricação
Maranhão 15 anos da data de fabricação
Mato Grosso 15 anos da data de fabricação
Mato Grosso do Sul 15 anos da data de fabricação
Minas Gerais a redução é progressiva conforme o ano do carro
Pará 15 anos da data de fabricação
Paraíba 15 anos da data de fabricação
Paraná 20 anos da data de fabricação
Pernambuco a redução é progressiva conforme o ano do carro
Piauí 15 anos da data de fabricação
Rio de Janeiro 15 anos da data de fabricação
Rio Grande do Norte 10 anos da data de fabricação
Rio Grande do Sul 20 anos da data de fabricação
Rondônia 15 anos da data de fabricação
Roraima 10 anos da data de fabricação
Santa Catarina veículos produzidos até 1985
São Paulo 20 anos da data de fabricação
Sergipe 15 anos da data de fabricação
Tocantis 15 anos da data de fabricação

Carro antigo: tabela de isenção de IPVA por estado

Como usufruir do benefício de isenção do imposto?

A isenção de IPVA para carros antigos é realizada de maneira automática. Um automóvel de ano 1998, por exemplo, pagou o imposto no estado de São Paulo até o ano de 2017 (último lançamento). Após isso, no licenciamento anual, o veículo passa a exibir em seu documento uma observação de que está isento do imposto.

Se o benefício não for cedido automaticamente, o proprietário pode ajuizar ação declaratória tributária para conseguir a isenção.

Isenção de IPVA é uma medida justa?

Isso vai de acordo com o seu ponto de vista. Levando em consideração que boa parte das pessoas que possuem na garagem um carro mais velho não contam com boas condições financeiras para pagar o imposto ao governo, trata-se de uma medida justa. Além disso, veículos mais antigos costumam apresentar problemas frequentes dependendo do seu estado de conservação, o que pode acarretar em gastos ainda maiores ao proprietário para mantê-lo.

Por outro lado, sobretudo na visão de especialistas, esta medida acaba sendo deplorável se considerarmos que ela não incentiva a modernização da frota de veículos no território brasileiro. Os carros mais antigos, de acordo com estudos, costumam poluir de 20% a 30% mais do que automóveis mais novos. Na realidade, uma medida correta seria de o governo promover programas de incentivo para que pessoas de baixo poder aquisitivo possam adquirir e manter carros mais novos com maior facilidade.

Contudo, precisamos considerar ainda que a nossa realidade é diferente de países desenvolvidos, onde há esses programas que facilitam a aquisição de veículos mais novos. Há uma série de fatores que influenciam nesse caso. E você, o que pensa a respeito?

Carro antigo: tabela de isenção de IPVA por estado
Nota média 4.4 de 9 votos

  • MARCELO THAFFARI

    No papel essa arrecadaçao seria por uma causa muito justa, mas……

    • Pedro Cunha

      …mas…
      Deixa o povão numa calça-justa, á moda dupla sertanoja, isso sim.

  • Fabio Marquez

    Medida populista na minha visão, isso mais gera problemas do que realmente algum tipo de ajuda para a economia. Carro velho polui mais, gera mais feridos e mortos em acidentes, pois não oferecem proteção para os ocupantes, quebram com maior frequência e de forma não planejada, inclusive nas vias públicas.

    • Rafael Oliveira

      Eu diria que o governo arrecadaria mais impostos com a comercialização de mais carros novos do do que com o IPVA caso ele fosse extinto.

      • Zergling

        Eu gostaria de ver suas contas

        • Rafael Oliveira

          Isenção de IPVA para carros novos, voce iria pagar um ipva de 4% em um carro de 2 anos de uso ou iria usar esses 4% com um troco a mais pegar um carro novo e ficar livre do IPVA?

          Zergling é uma cascata, mais carros vendidos com isso chutando baixo um aumento de 1 a 2% no numero de funcionarios com isso mais dinheiro circulando, e com isso aumenta o consumo em outras areas e mais imposto.

          • Zergling

            Seu raciocínio, apesar de parecer fazer sentido, é ingênuo. Você está assumindo que pessoas teriam dinheiro e vontade para comprar um carro novo… Quando boa parte da população está endividada.

            • Rafael Oliveira

              Endividado mas mais de 10% do TOP 50 são carros de mais de 100.000, de 80 a 100 beira os 15%! Apenas uma parte dos brasileiros estão na M, Tem muita gente honesta com grana que preferiria tirar um pouco do bolso e trocar de carro todo ano para não pagar IPVA do que pagar esse imposto.

              • Zergling

                Isso na prática iria beneficiar quem tem dinheiro pra comprar carro novo, e penalizar quem não tem dinheiro, já que o custo de ter um carro usado vai ser cada vez maior…
                Será que seria uma decisão inteligente? Beneficiar quem tem dinheiro, e penalizar quem não tem?

                • Rafael Oliveira

                  Não iria beneficiar os novos empregados?
                  Se o custo vai ser cada vez maior não compensa trocar?

    • Depende do ponto de vista. Não diria que é populista porque a maioria das pessoas possui carro não tão velho, logo o benefício é dado a uma minoria. Carro velho provoca mais acidentes e mortes? Novamente depende, até onde sei a maioria dos acidentes com mortes e ferimentos graves é causada por motoristas com menos de 28 anos (por isso o seguro é mais caro ) . Quanto a poluir mais é fato, só que a maioria dos carros velhos roda pouco, pois financeiramente é inviável rodar diariamente muitos km com um carro velho.

      • Luis Burro

        Na maior parte ñ depende nem do carro,é mais o dono msmo.
        Até pq o veículo é só uma ferramenta e q ñ se mantém sozinho.

      • Luis Burro

        Mas nos tempos de hj é mais econômico um pau velho q um novo.
        Pela fiscalização deficiente ñ tem como garantir q o novo polua menos,pode ser só mais uma ideia no papel.
        Fraudam na Europa q é mais rígido,aqui devem achar o Proconve uma piada.

        • Zergling

          Carros mais novos são mais econoômicos. Isso significa que poluem menos

          • Luis Burro

            Digo economia no gasto total,a diferença nos valores é muito grande.E pode se encontrar um em bom estado,é difícil mas ñ impossível.

    • José Barbosa

      Exato, gera uma série de premissas equivocadas que, sem um estudo que ampare e justifique, trata-se de mera suposição. Um carro mais antigo tende a rodar pouco. Salvo raríssimos casos, é utilizado como segunda opção de transporte de uma família ou é para aqueles que percorrem bem menos que os 12 a 15 mil km médios que um veículo novo costuma andar. Além disto, o IPVA tem como premissa a capacidade contributiva por possuir um automóvel (item supérfluo), e não tem natureza vinculativa. Um dos pontos que os indivíduos esquecem é que numa economia informal como a nossa, é este tipo de tributo que dá alguma justiça em relação à capacidade contributiva.

    • Luis Burro

      Depende do dono,mas como penso q a maioria ñ tem um zelo maior por seus veículos,realmente pode acontecer isto.

    • Thiago

      Pelas razões que você alegou, poderia se pensar em aumentar o seguro obrigatório de carros antigos. Não o IPVA – este está relacionado à capacidade contributiva, não a ser um potencial causador de acidentes. Fosse isso o IPVA de motos teria que ser mais alto. Pelo contrário, o que é mais elevado em regra é justamente o seguro obrigatório.

    • Gabriel Molina Pinheiro

      Depende muito do estado de conservação. Eu tenho um Kadett GLS 2.0 1998 e nunca trocaria ele por um popular nem 0km. Ainda continua sendo superior que muito carro fabricado hoje.

    • Jerry Wendel

      Medida comunista é cobrar valor exorbitante no IPVA. Imposto no Brasil é roubo.

      • Pedro Cunha

        Comunismo é cobrar IPVA para entregar para a iniciativa privada a malha viária.
        E só pra lembrar: COMUNISMO NÃO FUNCIONA.
        Se funcionasse, os maiores IDH(índices de desenvolvimento humano) estariam encabeçados por cuba, china e coreia-do-norte.

        • Sr. Carro

          Comunismo exagerado não…
          Mas o Estado de Bem Estar Social com a devida liberdade econômica, como nos Países Nórdicos, funciona muito bem

        • Zergling

          China não é comunista.

        • Rafael Oliveira

          Você não leu a reportagem!!! Volte para o 3 paragráfo.

          Imposto é diferente de Taxa.

    • Pedro Cunha

      Cara,
      Seu comentário é tão estreito, tão estreito, mas tão estreito que é inacreditável que tenha preenchido o número mínimo de caracteres para publicação.

    • Victor Hugo

      Se o país não possuísse tanto imposto na compra do carro novo, e no licenciamento e IPVA de tais carros, nem precisaria falar sobre essa questão de isentar ou não os carros velhos. Sinceramente, ninguém anda de carro velho porque quer, simplesmente é porque não consegue comprar um novo.

  • Bruno Leite

    IPVA deveria ser inversamente proporcional ao grau de poluição. Mas também tinha que ver a questão do peso, e da segurança.

    • Charlis

      Normalmente no primeiro mundo é assim que funciona.
      Mas como dizem, Na Terra da Banana, a gente não vive, sobrevive.

      []s

    • ViniciusVSG

      Concordo com a questão do IPVA ser proporcional ao grau de poluição, porém acredito que se fosse pela questão do peso ( como em outros países ), seria um tanto quanto injusto o dono de uma McLaren/Ferrari/Lamborghini pagar menos que o dono de um popular, acredito que ser proporcional ao valor do carro trás mais equilíbrio, quem pode pagar muito, paga muito, quem pode pagar pouco, paga pouco.

      Em minha opinião, o sistema ideal era: x% do valor do carro + desconto de até 50% de acordo com as emissões e segurança, isso incentivaria o uso de carros com motores mais modernos e mais seguros, situação ideal.

      • Sr. Carro

        Mas o dono de Ferrari paga, proporcionalmente, o mesmo imposto que o dono de Celta 1.0.

        Para ser justo, a alíquota do IPVA do Celtinha tinha de ser 2% e a da Ferrari 10%, dado ser um bem supérfluo.

        Eu acho que além da questão da poluição ambiental, deve ter uma escala de utilidade do veículo, favorecendo o empreendedorismo (com menos cobrança para veículos comerciais) e desfavorecendo esse mercado da ostentação, que concentra gigantesca renda na mão de poucos.

        Explico: A venda de uma Ferrari leva 1 milhão de reais embora para a Itália e enriquece 2 ou 3 investidores da Via Itália aqui no Brasil. Já a venda de 100 Onix favorece centenas de famílias de trabalhadores brasileiros… A coisa tem que ser pensada pela responsabilidade social. Chega de ditadura do consumismo e da ostentação!

        • CrazyEarl

          Ditadora do consumismo e da ostentação, ai meu deus.

  • T1000

    “Na realidade, uma medida correta seria de o governo promover programas de incentivo para que pessoas de baixo poder aquisitivo possam adquirir e manter carros mais novos com maior facilidade.”
    Essa frase demonstra o socialismo ainda encrustrado na mentalidade do brasileiro.
    Na realidade, o governo deveria parar de atrapalhar as pessoas e fomentar o desenvolvimento econômico, atração de investimentos e capital.
    Com a economia se desenvolvendo, automaticamente os carros velhos são trocados.
    O melhor programa social é o desenvolvimento.

    • José Barbosa

      Exato. Basta não tributar horrores, que o próprio crescimento econômico acontecerá. Quer ver um programa de rejuvenescimento de frota bom é o do Paraguai: simplesmente o Estado não atrapalha, e com o desenvolvimento naturalmente ela ocorre.

      • hinotory O

        Aliás, o Paraguai está se tornando um país bem melhor que o Brasil.

        • Pedro Cunha

          “Bem melhor que o Brasil” – Tarefa que, convenhamos, não é nada difícil.

    • Pedro Cunha

      “O melhor programa social é o desenvolvimento.”
      Em nações sérias, com povos imbuídos em legar um futuro melhor, não num país sacana povoado por oportunistas, saqueadores e falso-moralistas.

    • Sr. Carro

      Um pouco programa social é necessário.
      A mão invisível do mercado é tirânica.

    • Marcelo Alves

      O governo onde mete a mão na economia, faz c*****… Subsidiaram por anos (desde 2009) o financiamento de caminhões com juros baixo e o resultado nós vemos hoje durante a crise: excesso de caminhões na praça e o frete (obviamente) caiu de preço… Com os carros também, criaram um boom de vendas com o IPI e depois as vendas despencaram, pois muita gente já tinha comprado carro e então veio a crise logo em seguida, fomentaram um boom no mercado imobiliário com juros subsidiados, os preços subiram demais e agora ninguém consegue vender nada a não ser que dê muito desconto, pois os preços subiram além da realidade da renda média do brasileiro (isso é bolha de crédito causada pelo governo).

      E pra piorar o brasileiro ainda pede para o governo fazer tabelamento de preços na economia (é, pedir para o governo criar mais leis, mais controle sobre a economia, para resolver um problema que ele mesmo causou por ficar interferindo na economia e distorcendo o mercado, e tabelamento de preços ainda, pootz, povo não aprende com os erros do passado mesmo)

    • Marcos Drawer

      Simples e excelente.

  • Luccas Villela

    Partiu comprar um Clio 2007 no Acre!

    • Pedro Henrique

      enquanto isso no estado mais ladrão do brasil dito cujo santa catarina o cidadão lá com seu fusquinha 1986 “não porque o seu não é o 1985 tem que pagar ipva!”

      • Thiago

        Em compensação tem uma das menores alíquotas , 2%; há Estados que o percentual é o dobro. Será que é o “mais ladrão”?

        • Sr. Carro

          Santa Catarina é um dos únicos estados onde há as Secretarias Estaduais de governo e também Secretarias Regionais Descentralizadas nos Municípios, (além das próprias Secretarias Municipais dos Prefeitos).

          É como se o governo federal criasse mais uns 200 Ministérios e colocasse nas capitais, não só em Brasília.

          Em suma, puro cabide empregos.

          A justiça de SC recentemente abriu concurso para contratar 27 servidores (carteiros de Justiça) e nomear outros 400 mil em cargos comissionados que pagam R$ 6 mil ao mês, para servir aos juízes.

          • Thiago

            Absurdo total todos os exemplos que você deu. Não estou falando que não há falcatruas. Certamente está lotado delas Só acho difícil de ser o Estado mais ladrão do Brasil, como foi dito, e questionei mais a justificativa dessa afirmação do que a afirmação em si. Mas essa medida carece de mecanismos precisos de aferição. A percepção do nível de corrupção é permeada de subjetividade.

            • Sr. Carro

              O título de mais corrupto realmente é complicado. A disputa é grande entre os estados brasileiros

              • Thiago

                Verdade infelizmente!!

      • hinotory O

        Mas ladrão é o meu! O Paraná!

  • Ricardo

    Se fosse 10 anos para todos os estados seria uma maravilha.

    • Pedro Cunha

      Se fosse 15 seria justo e a alíquota também igual pra todos.
      Como tudo que não tem “normatização” federal, vira farra, vide DETRAN-RS com suas taxas extorsivas, fomentando irregularidades como carros “NP” e “rodar até perder”, haja visto custas de transferências em alguns casos superarem os R$1mil.

  • Thiago

    “A arrecadação do tributo é feita pelo governo estadual e depositada em um único caixa que reúne o dinheiro arrecadado por todos os estados”. A frase está errada. O caixa reúne o dinheiro de todos os Municípios de determinado Estado, não de todos os Estados.

  • Luis Burro

    Problema no Brasil é não seguir na prática o q determina a idéia,pq ela é até boa neste caso.

  • André Ricardo

    Eu acharia mais justo o imposto ser cobrado por faixa de quilometragem rodada, por exemplo até 5000 km/ano seria uma taxa menor, de 5001 a 10000 km/ano seria uma taxa nível 2 e assim por diante, no caso dos caminhões e ônibus o calculo seria diferente para não afetar tanto as empresas.

    • Thiago

      Você está relacionando o valor do tributo ao uso da malha viária. Se a destinação dele fosse específica, faria sentido. Como o IPVA serve para custear qualquer gasto público (não há versação específica), não é muito lógico. Impressionante o tanto que essa visão está arraigada. IPVA tem sua relação com capacidade contributiva pura e simples. Por isso considero um absurdo a não-cobrança de aeronaves e embarcações. Puro favorecimento aos mais ricos, já que a capacidade contributiva, nesses casos, é maior. Seria justo, aí sim, cobrar desses e diminuir a alíquota dos automóveis; ou estabelecer uma alíquota crescente, de acordo com o valor do bem (da mesma forma que o imposto de renda).

      • Yuri Lima

        Bem pontuado!

      • Marcelo Nascimento

        Eu acho que a visão está arraigada porque o IPVA veio para substituir a TRU, que tinha destino vinculado. Como não dava pra usar pra outras coisas, trocaram por um imposto…

        • Thiago

          Não foi bem isso Marcelo. A TRU foi declarada inconstitucional. Não trocaram para poder usar em qualquer coisa por mera opção. E isso foi há uns trinta anos atrás.

          • Marcelo Nascimento

            Pesquisei bastante e não vi nenhum documento ou artigo falando ter sido declarada inconstitucional (se tiver, manda o link).
            Vi que sim, o IPVA foi criado em SP para substituir a TRU (que depois de vários projetos de lei para reduzir valores) e foi adotado por outros Estados. Só apareceu na constituição em 1995, através de emenda constitucional.
            Assim, continuo com a idéia de que o IPVA substituiu simplesmente a TRU porque não precisava ter a receita vinculada (até que eu leia o contrário).

            • Thiago

              Tens razão, Marcelo, não sei que confusão o tico e o teco aqui fez sobre a questão da constitucionalidade da TRU. Sendo assim, seu ponto de vista é válido, realmente não posso dizer o que motivou sua criação – pode ser inclusive o que você falou.
              Só um detalhe, ele foi criado em 1985 (não em 1995) e entrou em vigor já em 1986. Como eu havia dito, tem mais de trinta anos que está em vigor.

              • Marcelo Nascimento

                Correto. Mas foi criado em SP. Só foi pra constituição para ter regulamentação nacional em 95. Pelo menos foi o que entendi.

  • Luis Burro

    No Brasil tem muitos órgãos q parece q só existem pra arrecadar mais dinheiro.
    A VS é um deles:Vai confiar como num q na vistoria problemas ambientais totalmente fora do regulamento ñ são nem levados em consideração?
    Fiscalização= + Dinheiro pra caixinha!

  • george

    20 anos para todo o brasil e alíquota de acordo com a etiquetagem do inmetro seria melhor
    1,0% a
    1,5% b
    2,0% c
    2,5% d
    3,0% e

    • Bruno Leite

      Dai um SUV 2.0 gasolina de 110-160 mil(Jeep Compass) com inmetro A que faz 8km/l paga a mesma aliquota de um ultra compacto inmetro A, ‘pelado’ que custa 30.000 e faz 15km/l? sounds unfair to me.
      ps: as referencias foram retiradas do site do inmetro.

      • george

        é vero

      • leitor

        1% de 110 mil é diferente de 1% de 30mil.

        • Bruno Leite

          Sim. 1% de 1 milhão também é diferente de 1% de 10 milhões.
          O que você quer dizer com isso?

          • leitor

            Os valores são bem diferentes então não há porque parecer unfair. O que há de unfair nisso? O Compass pagando 5 a 8 vezes mais que um compacto pelado.

            • Bruno Leite

              É injusto o cara ter um carro que polui mais que o outro, gasta duas vezes mais gasolina (recurso finito) e é muito mais caro (5 vezes) porém paga mesmo percentual de outro.
              Fora que existem muitos mais carros com a característica do popular de 30 mil circulando (que pagam IPVA) . Ou seja, no final, a camada mais básica da população que paga a grande maior parte do imposto. Você acha justo?

              • leitor

                O carro custa 5 vezes mais e o imposto é 10 vezes mais, é isso que você quer? Isso que você chama de justo? Porque polui mais? Quando tiver um carro da mesma categoria do Compass e mesmo nível de emissão do Up aí dá pra entender.

                • george

                  poderia-se acabar com o ipva e essa arrecadação ser feita em cima do combustível, assim quem roda mais paga mais

                  • leitor

                    Já se tem muito imposto sobre os combustíveis. Poderia tirar o IPVA e pronto. Seria melhor.

            • Sr. Carro

              O percentual é o mesmo.
              Para haver a devida compensação, deveria ter alíquotas diferentes.

              Por ex.: imposto de renda.

              Vc ganha míseros 2 mil por mês e paga 10%.
              Eu ganho 200 mil e pago 10%.
              Acha justo? Embora eu pague “mais” que vc, a alíquota é a mesma.
              Para ser justo, vc deve pagar apenas 5% e eu 25%.

  • Ricardo Prado

    “[…] no Espírito Santo, que tem o menor IPVA do País, de apenas 1% do valor venal.”

    Alíquota de 1% só pra moto, ônibus e caminhão. Pra imensa maioria de carros, 2%

    • MauroRF

      Tá barato, aqui no estado de SP é 4%.

  • leitor

    Educação e saúde são os maiores apelos mas são os primeiros que perdem nos cortes. Governo LADRÃO!!!

  • Igor Pricandi

    Deveria ser o contrário. Impostos maiores para carros mais velhos como em boa parte da europa. Da mesma forma como ser obrigatório ter seguro. Da mesma forma como avião não pode decolar sem seguro, carros não poderia circular sem seguro. Se o governo falha nas vistorias, duvido que as seguradoras falhem. Certamente teríamos carros velhos mais seguros. O que se vê de sucata por ai não é mole. E estranhamente são as que mais correm. Quando vejo uma no espelho logo dou passagem.

  • leitor

    Carro antigo pra andar por aí ainda é Fusca, Uno, Gol, Civic, Corolla, Fiesta, Pálio, Ka, desses antes de 2002 que ainda se pode dar uma manutenção e não bebem muito. Esses são sim carros pra quem tem menos dindin. Com um financiamento o carro fica filezão. Os outros é ostentação mesmo. Opala? Passat? Ou estão destruídos ou bem conservados porque reparados, financeiramente é pra quem tem mais um pouco.

  • Rodrigo

    Eu acho que carro com mais de 20 anos tinha que pagar o dobro de IPVA e licenciamento, a menos que fosse veículo de coleção (placa preta).

    • Daniel BD

      Com um popular valendo 50 mil? A tá!

      • Rodrigo

        Mas quem disse que precisa comprar carro zero?

    • Sr. Carro

      E placa preta vc supõe que não pague IPVA?
      Justamente os carros dos milionários colecionadores

      • Rodrigo

        Justamente os carros antigos mais conservados, até pq devem cumprir com um percentual mínimo de originalidade para poder receber a placa preta.
        Nada contra quem tem carro velho, desde que o mantenha em condições mínimas de rodagem.

        • Sr. Carro

          Esses “carros antigos de placa preta” são como aqueles quadros de milhões de dólares que só servem para lavar dinheiro.

          Deveriam ser esmagados, prensados e reciclados, isso sim

    • Antonio_Brust

      Moramos em um país majoritariamente desigual, de maneira que muitas pessoas de baixa renda utilizam veículos velhos/antigos como instrumento de trabalho justamente por conta dessas isenções. Tributar veículos mais antigos simplesmente, sem dar uma contrapartida, beneficiaria muito mais uma classe que tem algum poder de compra em desfavor de outra. O resultado disso todos nós já conhecemos: Jeitinhos para burlar a lei, cafezinho pro guarda na blitz de IPVA, “empréstimo” de documentação, aumento no número de despachantes, etc.

      • Rodrigo

        Então tá certo onerar com impostos mais altos quem tem carro mais novo, só porque tem condições (na maioria das vezes a compra é parcelada). Até porque os serviços públicos financiados pelo IPVA só utiliza quem tem carro, né? Tá serto…
        Na boa, sem coitadismo nem síndrome de vira-latas. Conheço um monte de gente que compra carro velho como segundo, terceiro ou até quarto veículo da casa, pra transportar pets para o banho, para comprar tralha para o sítio, para ir pescar, etc. Da mesma forma que tem gente que tem um Fiat Uno 1990 como único carro da família.
        O Brasil tem inúmeros erros e injustiças tributárias, essa da isenção de IPVA pra carro velho é só mais uma delas.

  • 🅰🅽🅳🅴🆁🆂🅾🅽 – 🆂🅿® ✅

    IPVA é algo que nem deveria existir, só o Licenciamento seria o suficiente.

  • hinotory O

    Só nesse país que quanto mais velho e poluidor, se paga menos imposto.

  • MauroRF

    É medida populista, como tudo aqui no BR. Tem que gerar condições para que a população tenha poder aquisitivo e os preços não sejam proibitivos, simples assim. Ficar facilitando para veículo mais velho, mais poluidor e inseguro não considero certo.

  • Renato Duarte

    Eu gostaria muito que a nossa realidade fosse igual a de países desenvolvidos onde se incentiva a compra de carros 0km. Mas infelizmente não é a realidade brasileira onde o Salário mínimo de 954 reais é a renda de grande parte dos brasileiros, e com isso é praticamente impossível comprar um carro novo assim. Então acho justo partindo desse pressuposto da dificuldade financeira da população,, não fosse isso, pensava como os “especialistas”.

  • Sr. Carro

    O governo precisa fomentar a compra de carros novos… Pois, sem isso, as montadoras vão à falência

  • Sr. Carro

    IPVA tem que ser assim:

    1- carro comercial de ME ou EIRELI é isento;
    1.1- carro de EPP paga 2%;
    1.2- acima paga 4%;

    2- carro com motor até 100cv de potência paga 1%
    2.1- carro com motor até 180cv de potência paga 2%;
    2.1- se for híbrido/elétrico/GNV paga 0,5%;

    3- carro acima de 180cv de potência paga 6%;

    4- carro acima de 300cv de potência paga 12%.

    E se não pagar em dia é igual pensão alimentícia, 3 meses de cadeia

  • Paulo Oliveira

    Para que serve o IPVA mesmo? Pergunto no sentido ideal, relevando a ineficiência a a corrupção inerentes.

    Se é algo relativo à propriedade, talvez a melhor ideia fosse uma cópia do IR, com isenção para certos valores e alíquotas crescentes de acordo com o valor do bem.

    Se isso for razoável, automaticamente, carros mais velhos com menores valores devido à simples desvalorização, eventualmente seriam isentos. Nesse sentido, isentar carros mais velhos não parece absurdo, então! É uma questão de ajuste ou de aceitar a simplificação atual.

    Como o IPVA não tem destino vinculado e como acredito que haja excesso de arrecadação, eu diria que qualquer desconto ou isenção é aceitável.

    • Sr. Carro

      O IPVA incide sobre a demonstração de riqueza. Não tem nada a ver com consertar estrada… o dinheiro do IPVA é reunido no “bolo total” do dinheiro do governo

    • CrazyEarl

      Para roubar ainda mais o coitado do brasileiro que trabalha igual um condenado pra comprar um carro cheio de imposto e como recompensa paga outro carro para o governo com licenciamento e IPVA.

      • Sr. Carro

        Vocês só toleram esses impostos no consumo porque são tontos.
        Se fossem inteligentes já teriam exigido a tributação da renda, das heranças imobiliárias e dos dividendos.

        Eu vejo brasileiro pé rapado que ganha 5k por mês pagando 40% de imposto em detergente de lavar a louça e 27,5% de IR….

        Ao mesmo tempo, o Faustão que ganha 5 mi por mês paga os mesmos 40% no detergente e os mesmos 27,5% de IR… Não sei como vcs não se revoltam!

        Isso sem falar dos investidores do Itaú, que pagam 0% de IR….

        Sem falar ainda que a herança imobiliária nos EUA come 29% (49% para estrangeiros) e no Brasil é somente 4%, fomentando a especulação e a concentração de riqueza em famílias tradicionais.

        Vcs são muito, muito passivos… Certamente herança da “pátria educadora”

  • Ricardo Blume

    Sou contra a gratuidade do IPVA pois no final, todos pagam um pouquinho a mais pela tal isenção de alguns. É como a passagem de ônibus gratuita aos idosos, a meia entrada no cinema… Usou, pagou. Se está difícil para você, bem vindo abordo pois estamos todos na mesma canoa.

    • Antonio_Brust

      Idosos trabalharam a vida inteira contribuindo, nada mais justo a isenção de passagem. Meia entrada em espetáculos, cinema e shows é cultura, que deve ser estimulada para a classe estudantil. Creio eu que um dos motivos de morarmos em um país com essa situação é esse egoísmo do brasileiro, de não querer contribuir um pouco de sua renda em prol da coletividade.

      • Washington Silva

        Não é egoísmo, eu simplesmente não quero ser compelido a contribuir com nada que eu não queira. Quando sou compulsoriamente obrigado a pagar significa que eu não tenho mais liberdade de escolha. Não vejo, por exemplo, motivo algum para pagar para que estudante tenha meia entrada em espetáculo. Veja, um espetáculo de música como esses festivais onde se abusa do consumo de bebidas e drogas, por que eu deveria pagar para que possam ir? Eu não vou, quem quer ir pague por isso. Ademais, é justo um pai que ganha salário mínimo, que nunca terá dinheiro sequer para que o filho dele vá ao cinema, pague para que o filho de uma família rica vá ai cinema com desconto? De igual modo nos transportes públicos, meus pais nunca tiveram dinheiro para pagar passagens pra mim, só dava pra pagar pra minha irmã, então ela ia de ônibus e eu ia de bicicleta ou a pé, mas os impostos pagos por ele subsidiavam o transporte de colegas meus de sala, alguns deles filhos de donos de lojas na cidade. Minha infância foi muito pobre, e eu aprendi na prática que esses subsídios transferem renda do mais pobres, não os beneficia. Ralei muito, estudei, consegui uma situação financeira melhor graças a Deus, e é exatamente por isso que nunca serei a favor de subsídios.

  • Fábio A.

    Um país onde um popular não custa menos que 30 salários mínimos não dá pra falar em renovação de frota. O estado só atrapalha a aquisição de um veículo novo. Acho justa a isenção. É uma forma de se dar acessibilidade. Também acho justo para veículos de coleção. Lembrando que a isenção de imposto nunca é total, pois se paga licenciamento, que é um tributo estadual. No caso do meu estado, a frota com mais de 15 anos é uma minoria.

  • Vattt

    Brasileiro ganha por ano a partir de R$12.400,00. O carro zero km mai barato custa R$32.000,00. Cerca de 45% do salário apenas para comprar, sem falar em gasolina e manutenção que estrapola os 100% do valor de um carro. Ou seja não existe a possibilidade (saudável) de 70% da população comprar carro zero, compra de besta ao financiar em um banco a perder de vista com juros absurdos e ficar mendigando dinheiro para abastecer.

  • Marcos Drawer

    • Ponto 1:
    “…Na prática, o governo pode muito bem utilizar 100% da arrecadação do IPVA para investir em saúde e/ou educação, bem como usar parte dele para construir novas rodovias ou reformar as já existentes.”

    A arrecadação de impostos por parte do governo é exatamente a mesma coisa que vir um cara na sua casa, e que te fala: “olha, me dê 20 mil reais que vou utilizar este dinheiro para construir uma quadra de esportes em uma escola no Azerbaijão.” Ai, este cara pega o seu dinheiro, não te deixa nenhum contrato, documento ou nem mesmo um powerpoint de que REALMENTE ele fará isso. É isso que o governo faz.

    • Ponto 2:
    “…Na realidade, uma medida correta seria de o governo promover programas de incentivo para que pessoas de baixo poder aquisitivo possam adquirir e manter carros mais novos com maior facilidade.”

    Errado. O melhor incentivo estatal seria a queda de impostos sobre o consumo seja de carros ou de qualquer outra coisa, que onera a cadeia produtiva e apenas faz com que as empresas repassem o valor para o próximo integrante do ciclo. Como o cliente final é a última ponta deste ciclo, é ele (nós) que paga pelo montante.

    Impostos extorsivos que espantam novos investimentos, protecionismo idiota que bloqueia novas empresas de entrar num mercado engessado onde o governo tira sempre uma fatia sem fazer nada. Já que o dinheiro roub.. ops, arrecadado não “retorna” para a população que pagou, então que fiquemos com o dinheiro e que cada um busque os produtos e serviços que lhe convém. Isso seria o certo.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email