Chevrolet Hatches Matérias NA Populares

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

O Celta, famoso popular da Chevrolet, teve o início da sua vida no final dos anos 90. Em 1999 apareceram rumores de um suposto projeto “Arara-Azul” (Blue Macaw), desenvolvido pela GM do Brasil (Chevrolet).

Até então, pouco se sabia sobre o novo modelo além de que a plataforma seria a mesma do Corsa (que tinha sido lançado em 1994).


O Arara-Azul ganhou um desenho exclusivo, assinado pelo designer Paulo Konno, com duas portas, lateral parecida com o Corsa, faróis horizontais inspiradas no sedã Vectra de 1996 e traseira com lanternas elípticas um pouco semelhantes às do Palio do mesmo ano.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

O motor do Celta era o 1.0 herdado do Corsa, que desenvolvia 60 cv (o mais potente do segmento na época). Não havia ar-condicionado disponível, muito menos direção hidráulica, travas ou vidros elétricos, e a qualidade dos plásticos era baixíssima.


O acabamento frágil era bastante criticado, pois o plano da GM era fazer do Celta o carro mais barato no Brasil, para isso economizando bem nos materiais utilizados em seu interior.

A ideia do nome Celta tem sonoridade fácil para um carro popular, respeitando a tradição da Chevrolet do Brasil, inspirada na Opel, quase sempre terminando o nome de seus modelos com a letra A (Astra, Monza, Opala, Omega, Vectra, Corsa…), sendo exceções a isso Chevette e Kadett.

O modelo foi lançado em 2000 na fábrica de Gravataí, no estado do Rio Grande do Sul. Marcou a inauguração da fábrica e contou com a presença do então presidente Fernando Henrique Cardoso. Prometendo economia, baixo custo de manutenção e linhas atraentes, o Celta se tornou um sucesso de vendas desde seu lançamento.

Simples em todos os quesitos e com baixo custo de manutenção, o Celta logo ganhou fama de robusto. Entre seus concorrentes estavam Fiat Uno, Ford Ka e VW Gol.

Em 2002, a GM deu um pequeno “upgrade” no hatch. Ganhando mais força com seu novo motor VHC, que depois foi melhorado para VHC E (Very High Compression, ou em português, Alta Taxa de Compressão) de 70 cv, 10 à mais que antes.

Vieram também as aguardadas 4 portas e itens como vidros e travas elétricos, instalados como acessórios nas concessionárias. Foi comemorado no mesmo ano as primeiras 200 mil unidades vendidas.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Celta 1.4

Em 2003, chegou uma nova mudança mecânica. Um motor 1.4, 85 cv a 5.800 rpm (rotações por minuto) e 11,8 kgfm (torque), também na versão Energy, que segundo a GM, havia ficado “ainda mais potente e sem perder a economia”. Tinha um melhor desempenho e um interior mais bem acabado.

Ainda em 2003, houve uma parceria da GM com uma famosa fabricante de lãs de aço, onde foi desenvolvido o modelo Celta Nelson Piquet, uma série limitada a 30 unidades que eram sorteadas na campanha promocional.

O Celta Piquet era equipado com 4 portas, motor 1.0 à gasolina, kit aerodinâmico com saias laterais e aerofólio, além das rodas liga leve, aro 13, e carroceria na cor amarela.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Com o motor 1.4, o Celta atingia 161 km/h e acelerava de 0 à 100 km/h em 12,3 segundos. O consumo anunciado era de 11,7 km/l na cidade, 15, 9 km/l na estrada, com média de 13,6 km/l.

Para não perder a concorrência, a GM logo criou uma opção biocombustível em 2005, batizado como Flexpower, e assim, deixou o motor 1.0 movido somente à gasolina. As versões Life, Spirit, Super e Off-Road surgiram entre 2004/2005.

Celta Life

Equipado com motor dianteiro 1.0, potência máxima de 70 CV à 6.400 rpm e torque máximo de 8,8 kgfm à 3000 rpm. Tração dianteira, câmbio manual de 5 marchas e embreagem monodisco a seco. Aceleração de 0 à 100 km/h em 13,1 segundos e velocidade máxima de 155 km/h.

Consumo urbano de 8,8 km/l e na estrada 14,4 km/l, somente gasolina. Diversos itens de série, entre eles, ajuste de altura dos cintos dianteiros, vidros verdes, calotas integrais e barras de proteção contra impactos laterais nas portas.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Celta Spirit

Equipado com motor dianteiro 1.4, quatro cilindros em linha e 8 válvulas. Potência de 85 CV à 5.800 rpm e torque máximo de 11,8 kgfm à 3.000 rpm. Câmbio manual de cinco marchas, suspensão dianteira, traseira semi-independente e embreagem monodisco à seco.

Diferencial externo com para-choques na cor do veículo, ar-quente, para-brisa e temporizador do limpador traseiro.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Celta Super (1.0/1.4)

Nessa versão Super, o Celta foi lançado com duas opções de motor: 1.0 e 1.4.

Celta Super 1.0

Motor dianteiro, quatro cilindros em linha, oito válvulas. Potência de 70 CV, e torque máximo de 8,8. Câmbio manual de 5 marchas e tração dianteira. Freios à disco, suspensão dianteira independente tipo McPherson e mola heliocal. Consumo na cidade 13,3 km/l e na estrada 17,7 km/l.

Celta Super 1.4

Motor 1.4, potência de 85 CV e torque máximo de 11.83 kgfm. Velocidade máxima de 161 km/h em 12,3 segundos. Cambio de 5 marchas, suspensão dianteira independente e traseira semi-independente. Na cidade, seu consumo é de 11,7 km/l e na estrada, 15,9 km/l.

Oferecendo acabamento interno diferenciado com tecidos exclusivos nos painéis das portas, detalhes no painel e maçanetas internas das portas na cor prata e conta-giros.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Celta Off-Road

Logo após a Fiat, Ford e a VW lançarem modelos off-road, a GM apostou no Celta.

O carro passou a contar com uma lista de acessórios de personalização, entre diversas novidades. Começou a comercializar um kit para transformar, sem o elevado custo das transformações mecânicas necessárias para ser efetivamente um off-road.

Podia ser instalado em qualquer Celta, desde o modelo 2000, 2 ou 4 portas. Tinha duas opções de motorização, 1.0 e 1.4, composto de quebra-mato dianteiro e traseiro, estribos laterais, rack no teto e adesivos laterais, entre outros itens.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Com a instalação do kit, os proprietários do Celta Off-Road tinham a garantia original da GM, e ao mesmo tempo podiam contar com a confiabilidade da marca. Não era necessário fazer qualquer alteração mecânica, garantindo assim a facilidade na sua instalação.

Mesmo as vendas indo bem, o Celta apresentava um cansaço visual e para não perder o mercado, a GM fez a primeira reestilização em 2005, com mudanças na dianteira, e tampa traseira com vinco mais acentuado e suporte para a placa, painel redesenhado, faróis inspirados no Vectra passando a ser vendido como modelo 2007.

No interior, o painel ganhou um novo desenho, mas ainda com peça única e em plástico rustico e revestimento nas portas.

Em 2006 o modelo ganhou a versão sedã, batizada de Prisma. A configuração de três volumes tinha como objetivo ser o sedã mais acessível do país. Mas foi em 2007 que chegou ao fim a produção do motor 1.4, mantendo o Flexpower 1.0.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

A crise de 2008 ocasionou que a gigante norte-americana vendesse completamente a participação da fabricante japonesa, que ocasionou na criação de algumas particularidades, como o Suzuki Vitara, oferecido no Brasil como Chevrolet Tracker, e o Celta, que foi vendido entre 2006 e 2011 na Argentina como Suzuki Fun.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

O motor trocou a sigla MPFI (de sistema de injeção multiponto, em inglês) para o novo VHCE (Very High Compression Economy) que surgiu em 2009, com até 78 CV de potência, acelerador eletrônico e o tanque de combustível passa a ter 54 litros, melhorando a autonomia e proporcionando mais potência e torque ao modelo.

Quando abastecido com gasolina, desempenhava 13,3 km/l na cidade e 17,8 km/l na estrada. Com álcool, desempenhava 9,5 km/l e na estrada 128 km/l.

No mesmo ano a GM decretou o fim da versão Super e apresentou a versão de personalização Energy, com saias laterais, spoiler dianteiro e traseiro, aerofólio e adesivos. O propulsor foi rebatizado em 2009 para Econoflex.

Foi em 2010 que o Celta teve o ápice de vendas, atingindo aproximadamente 155.094 unidades comercializadas. A GM apresentou aos consumidores a linha 2010, que ficou ainda mais competitivo no segmento dos carros de entrada no mercado brasileiro.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Em 2011 é lançada a linha 2012, com poucas mudanças, como nova grade frontal dividida e o emblema de gravata dourada da Chevrolet, faróis escurecidos, iluminação no painel na cor azul, novo volante com detalhe na cor prata e novas calotas.

As versões passaram a ser chamadas de LS e LT, seguindo o padrão mundial da Chevrolet.

No mesmo ano, o Latin NCAP, uma instituição independente responsável por provas de colisão nos modelos vendidos na América Latina e no Caribe, realizou alguns testes de segurança no Celta, na época, sem airbags dianteiros. O resultado? Como divulgado pelo órgão, o modelo recebeu apenas 1 estrela (de 5).

Por meio disso, a GM antecipou a legislação de 2014 (que causou a “morte” de alguns veteranos que eram oferecidos no Brasil, como o Fiat Mille e a VW Kombi) e passou a oferecer airbags frontais e freios ABS de série em 2013.

Celta LS

Duas versões: 2 ou 4 portas, motor 1.0 VHCE Econoflex, para-choque na cor do veículo e painel com novo grafismo e iluminação “Ice Blue”.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Celta LT

Versão mais completa com quatro portas, itens principais de série: ar quente, protetor de cárter, direção hidráulica, acabamento especial na cor matte chrome (prata), entre outros.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

A última atualização feita no Celta ocorreu em 2012, quando a GM deixou a ideia de fazer uma nova geração ao modelo. Após um ano, a versão duas portas deixou de ser produzida na fábrica de Gravataí, Rio Grande do Sul.

Uma série especial foi lançada como Advantage em 2014, com ar condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricas de serie, interior com cores mais claras, exclusivo revestimento nos bancos, rodas de aro 14 com pneus 175/60, faróis com máscara negra e rádio AM/FM com MP3, disponível somente na cor cinza metálica (cinza sand).

A série Advantage teve como principal diferencial um maior valor agregado, incorporando um número maior de equipamentos no veículo, além de itens exclusivos de design.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Teve mais 5 opções de cores, como: Branco Summit, Preto Global, Vermelho Pepper, Azul Sky e Prata Switchblade.

Maior parte dos equipamentos foi aproveitado na versão LT 2015, passando a ter somente 4 portas e tornou-se a única e última versão do Celta.

Em abril de 2015 chegou ao fim a produção do Celta, onde foi retirado do site da Chevrolet do Brasil, sendo substituído pelo Onix nas concessionárias, modelo esse que tinha sido lançado em 2012 e já andava vendendo muito bem.

O Celta se foi após aproximadamente 1,5 milhões de unidades vendidas.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento

Outros detalhes da vida do Celta

Como foi desenvolvido com a intenção de ser o carro mais barato do Brasil, a GM adotou algumas soluções para reduzir os custos de produção, sendo deixados de lado itens como conta-giros, direção hidráulica e ar-condicionado (itens que futuramente foram introduzidos no modelo).

As inovações foram a adoção dos mesmos bancos dianteiros nas versões com duas e quatro portas e também o acionamento da buzina na chave de seta, ao invés do volante.

Além do Prisma, que na segunda geração passou a ser baseado no Onix, o Celta serviu também como base para o hatch Agile (lançado em 2009), além da versão atual da Montana.

O IMV (Índice de Manutenção Veicular) passa a ser um forte indicador dos melhores custos de manutenção para o consumidor. Mesmo após sair de linha, o modelo continua bem procurado no mercado.

Os principais quesitos são preço justo e manutenção, sendo considerado uns dos modelos com a manutenção mais barata do Brasil, atingindo 20 pontos no IMV.

As principais virtudes do Celta em relação aos concorrentes continuam sendo o bom motor, o valor razoável do seguro e dos preços para manutenção.

Eficiente, robusto, econômico, compacto e com bom custo benefício são alguns dos fatores que garantem ao Celta uma vida longa. Boa pegada ao dirigir e motorização com desempenho acima da média são as duas características que destacam o Celta e que caiu no gosto do consumidor.

Quando se trata de economia, o Celta é destaque. Quando abastecido com gasolina, sua autonomia pode chegar a mais de 800 quilômetros, quesito fundamental para os consumidores que querem um veículo econômico e com mais comodidade para o dia-a-dia.

O Celta no mercado de usados é bem procurado e tem baixo índice de desvalorização. Na média, os automóveis no Brasil sofrem uma desvalorização de aproximadamente 15,3%, mas o Celta apresentou apenas 9,7% após o período de um ano, garantindo o primeiro lugar dos carros mais fáceis para revenda.

Em uma pesquisa rápida no Google, podemos encontrar o Celta LS 1.0 Flex no mínimo por R$ 13.500,00 e máximo de R$ 22.900,00. Já o modelo Celta LT 1.0 Flex 2014, o mínimo é de R$ 19.500,00 e máximo de R$ 31.900,00.

O modelo possui características importantes que vão ao encontro de necessidades fundamentais do consumidor brasileiro, que busca um carro compacto, ágil e de confiança.

Celta: tudo sobre o popular que foi sucesso desde seu nascimento
Nota média 4.5 de 12 votos

  • Ricardo

    Um dos piores carros que já dirigi, junto com Uno, Pálio e Corsa.

    • Herbet Moreira

      Idem.

    • Eng Turbo

      O Uno tem uma ergonomia superior ao Celta. Qualquer pessoa com mais de 1,70 sofre no Celta

      • vicegag

        Fora que falavam que devido a um problema de projeto ( projeto do Corsa empobrecido), o volante ficava deslocado para a esquerda.

      • Marco

        O Palio também. Acho que não tem como comparar a ergonomia do Palio com o do Celta. Quem tem mais de 1,80 dirige todo encolhido no Celta, o que não acontece no Palio.

        • Matuska

          Realmente, No Corsa1/Classic/Celta me sinto apertado, os pés recuados para a direita devido a caixa de roda invadir o assoalho além do volante deslocado. No Palio fico um pouco mais confortável.

    • dallebu

      Eu ia falar a mesma coisa, pior carro que já dirigi, só acho que o Uno e Palio pelo menos tem uma ergonomia muito superior.

    • Guilherme

      Tava lendo reportagm e pensando nisso, carro péssimo.

    • th!nk.t4nk

      Eu diria que até o Mille original é melhor que o Celta. Foi um dos piores carros que o Brasil já teve, sem dúvidas.

      • IagoPimentel

        eu já tive os dois na garagem, e posso afirmar, você não está mentindo.

      • T1000

        o mille original era um latifundio; o celta fazia me sentir dentro de um caixãozinho, 30 minutos dirigindo e já me dava dor nas costas. Pior quando tinha que viajar, 200, 300km, eu queria morrer.
        E não sei de onde veio essa autonomia de 800km; ok era econômico, mas apenas na média do mercado, 600 a no máximo 650km um tanque de gasolina.

      • Unknown

        Em alguns aspectos sim, sem dúvidas!

    • SK15

      Sim carro bem ruim +1 0/

    • Fuscao

      Concordo, posso dizer que é o pior carro que já dirigi. Se dirige todo torto e apertado, um Uno quadrado já é bem melhor.

    • Pedro Cunha

      Concordo.
      Mas discordo do Uno e do Palio e com ressalvas ás versões GL 1,6 dos Corsa, que eram gostosas de guiar e de excelente acabamento.
      Mas o celta é uma espécie de carro-chinês brasileiro, é uma mera alternativa á não ficar no ponto esperando o ônibus.

    • Wilson Junior

      Realmente!

    • riano rodriguez

      Tirou as palavras da minha boca…

    • Unknown

      Corsa de primeira geração não era um carro ruim…

    • andre

      Rebanho de gente cheia de frescura. o celta é um excelente Carro popular. Vai falar mal pra quem andava de ônibus todo santo dia e, com muito esforço, comprou seu celtinha e deu graças a Deus.

  • Donald Acap Acap

    Tive um 2010, o melhor dos 1.0 de entrada naquele momento pelo menos. Nada tunha 80 cv ainda só ele.

  • Thiago prado

    Celta não é nem carro vote carro horrível seco

    • th!nk.t4nk

      No sinal com os vidros abertos eu ouvia o barulho dos tuchos batendo e pensava “ok, tem um Celta por aqui”. Virava o pescoço e batata, um Celta na faixa do lado haha. Que desgraça foi esse carrinho. E o acelerador on-off? Nao tinha meio-termo naquilo. Ou nao saía do lugar, ou já tava cortando giro. Os bancos e a posiçao de dirigir entao, meu deus. Vontade de dirigir de frente com um poste pra acabar com o sofrimento!

      • Samuel Justus

        Cara eu tenho um e a pior coisa é a posição de dirigir…a cabeça quase raspa no teto. Tbm tenho um up tsi que minha esposa usa no dia a dia e a diferença na ergonomia é gritante. Mas é um carro que cumpre o que promete, óbvio que tem carros melhores, mas paguei um bom preço e o meu tem ar condicionado. Só não entendo como o ex dono teve a manha de comprar ele “completo” sem direção hidráulica.

  • Bruno Silva

    Tenho um 2013 LS, com 63mil km rodados. O carro é bem honesto, em desempenho é muito esperto, retomadas e arrancadas são melhores que 90% dos 1.0 que já dirigi. Único ruim é que acima de 80km/h o motor acaba, geralmente uso meio estrada meio cidade e me atende muito bem. Só troco meu Celta quando realmente tiver condições de subir de segmento.
    Obs: pra quem fala de acabamento, o meu tem portas com uma enorme área de tecido e mesmo sendo duas portas, a parte de trás também tem revestimento em tecido (coisa que Polo e Argo por exemplo não tem). Os plásticos são no padrão do segmento, já entrei em populares novos que são inferiores.

    • invalid_pilot

      Acima de 80km/h o motor acaba e ele bebe mais que o Lyla…

    • FPC

      Eu tinha um Celta Life VHCE, tirei zero em 2009 e fiquei com ele até 2012, achava ele uma maravilha, que não existia carro 1.0 melhor, depois dele tive outros carros acima de 1.0, e hoje tenho um up mpi, minha mãe tem um Celta LT, quando dirijo o carro dela sinto que voltei 20 anos no tempo. Mas o Celta tem seus méritos, apesar de poucos, tem, e o principal é o custo de manutenção, muito barato.

      • Bruno Silva

        Curioso, aqui em casa o carro da minha mãe é um Ka SE 1.0 3cil, embora ande mais, nas retomadas o Celta é bem mais esperto. Na época fiz minha auto escola em um Up! o desempenho é bom também, mas é a mesma questões, marchas mais longas e “demora” nas respostas.

        • FPC

          A questão do desempenho em baixa eu concordo com você, pois o up! e Ka são motores de 4 válvulas por cilindro, e em baixa o desempenho é menor que os 2 válvulas por cilindro, apesar de que o comando váriavel de valvulas atenua isso, mas tem a questão que você mesmo disse, as marchas do Celta são muito curtas, o meu up! a 100 km/h está a 3 mil giros, o Celta bem mais que isso, aluguei um Onix 6 marchas meses atrás e ele fica mais abaixo ainda, uns 2800 giros, mas a 6° nele é um carro morto. O que eu me refiro em relação aos 20 anos de diferença é a dirigibilidade, quando você dirige um Celta e depois pega um up! parece que o up! é uma categoria acima, mas não é, fora a questão da segurança e economia, não troco o meu por outro 1.0 por nada.

          • Bruno Silva

            Ah sim, com certeza não tem comparação, até pelo tempo dos projetos e também o fato de serem carros vendidos na Europa (Ka e Up). Mas hoje, não compraria nenhum compacto, estou me preparando para realmente dar um salto, não vejo uma evolução para um carro compacto que justifique investimento, por isso junto para um carro médio ou superior.

        • Unknown

          Põe na estrada e vê qual anda mais…

          • Bruno Silva

            Eu sei que na estrada o Ka anda mais, afinal dirijo os dois com frequencia. Mas o Celta é mais esperto na cidade na maioria das situações, ele tem marchas curtas que puxam toda a potência em rotações menores que o Ka.

            • Unknown

              Isso é mal de quem praticamente só dirige carro na cidade. Pessoal tem mania de achar que carro 16V é fraco de saída e tal… é só saber dirigir, esticar um pouquinho a mais a marcha… Óbvio que um câmbio curto vai fazer o carro ficar “esperto”, mas cobra o preço na estrada. A dinâmica de condução do Ka é infinitamente superior ao do Celta!

              • Bruno Silva

                Tenho os dois e sei disso, mas no trânsito e cidade prefiro o Celta, menos cansativo.

                • Unknown

                  Ah claro, com a sua ergonomia insuperável! Pelo amor viu…

      • T1000

        discordo em tudo até no custo de manutenção. Esse carro quando começa a dar manutenção, sai de baixo. Cada parada na oficina não sai menos de R$1500.

  • 🅰🅽🅳🅴🆁🆂🅾🅽 – 🆂🅿® ✅

    O Celta é o Mobi da GM que deu certo, apesar de apertado e duro, vendeu bem.

    • Phantasma

      perfeito resumo, não tenha que sido um carro lindo, mas perto do Mobi dá pra dizer que é uma obra de arte em termos estéticos.

    • Unknown

      A concorrência na época era bem menor… mas o Mobi até que vende bem tbm.

  • Phantasma

    Um dos precursores da ideia de: vamos pegar um carro decente, depenar, mudar a casca e vender ganhando mais, entregando o minimo possível.

  • Matthew

    Não acho que tenha sido um sucesso desde o lançamento. Não cumpriu a promessa de ser o carro mais barato do país, tal como previa o projeto. Levou uns três anos pro carro emplacar, sobretudo quando investiram na linha de acessórios pro carro não ficar tão pelado.

    • Marcos Souza

      Pelo que eu me lembro, o celta tinha ágio pra comprar quando foi lançado e subiu de preço rapidinho.

  • Nato

    Tive um modelo Energy que era 1.4, andava bem, não consumia muito combustível e só.
    Acabamento e espaço interno ruins, dava pena…

  • Pedrov154

    Uma versão simplificada do então belo Corsinha B.

  • Maycon Farias

    Uma longa história de sucesso, entretanto acho que o Uno continuou ganhando dele por muitos anos. Essa época dos parachoques pretos foi sombria rsrs.

  • Russel Riehle

    Aqui tem um branco 2001 com Ar condicionado de fábrica, limpador e desembaçador traseiro e aerofólio.
    Nem sabia que tinha saído com esses opcionais no ano de 2001.

    • Luano Tanaka

      Saiu, sim! Tínhamos um com mesmos opcionais, mas era prata.

  • Davidsandro18

    Tive dois, um Life duas portas 09/10 somente com o kit visibilidade, e um LT vermelho (quase igual ao da foto) 12/12 com o kit dignidade, ambos tirados zero e sendo meus primeiros carros. Era o que a grana dava, e me atenderam perfeitamente nas minhas necessidades, mas quando sai do celtinha e fui pra um up! tsi o abismo era enorme, o primeiro projetado no final da década de 90 para mercados de terceiro mundo, o segundo um projeto recente para o mercado europeu, não tem comparação rs.
    Pra quem precisa de um carro e não tem tanta grana, é um ótimo carrinho pra começar. Manutenção barata, baixo consumo, e um desempenho razoável para a cidade e viagens curtas.

    • afonso200

      espero que o proximo voce pegue algum automatico, dai nunca mais vai querer manual na vida

      • Davidsandro18

        Top de olho no polo tsi, se tivesse manual eu pegaria, porém como não tem, vamos de automático mesmo. Antes um tsi automático, do que um 1.6 aspirado manual.

  • Alexandre TRE

    Já vai tarde graças a Deus, fica mais cruz credo…

  • Lucas086

    Tive um Life branco 04/05 Só com ar de fábrica, coloquei vidro, trava e alarme… que carrinho honesto, gostava demais ,viajei muuuuito, curtir muito o carro, era muuuuuuuuuito mas minuto econômico e andava bem demais… E digo mais, hoje eu prefiro um LT dos últimos com que air bag e ABS do quê um kwid ou mobi zero, isso pra pessoa que quer um meio de locomoção na cidade, prefiro um cestinha desses dos últimos

  • Natán Barreto

    Quem vai dar 31 mil num Celta 2014?????

    • Filipo

      Pior, 32 mil, pois é R$ 31.900,00! Por 32, levaria um Kwid. É 0 km, e é menos inseguro.

      • Natán Barreto

        Por 30 mil aqui no Rio tá cheio de Onix LT 2014 com 50 mil km rodados. Pelo menos é mais carro né?

  • Henrique12

    A GM espremeu o Corsa até a última gota, levou o termo “baixo custo” a um novo patamar nessa época! Dos bagaços do Corsa, esse foi o pior, tinha o acabamento mais porco que se tem notícia e pior espaço interno da categoria.

  • Pedrooh

    O cara que vai comlcom ocelta de 30 e pouco mil e burro!!! de mais que tem outros modelos na mais bem melhor que celta por favor né?

  • Pedrooh

    O carro é bom só para pessoas que quer economizar outra coisa não prefiro comprar Onix que justamente entrou no lugar dele!!

  • SK15

    Tirei minha CNH em um Celta pé de boi de tudo se não me engano era 2004/2005, sério péssimo carro um dos piores que já andei até hoje, fraco até dizer chega o acabamento aos meus olhos era um plastico derretido mal feito … o espaço interno era pífio, andei de carona e nos brancos de trás e era mega apertado mesmo em 2 pessoas enquanto tirava a CNH comprei um Palio EDX 98 e sério mesmo sendo mais velho dava de 10×0 o Celta não sei como vendeu tantos.

  • zekinha71

    O título da matéria está errado, o Celta demorou uns 2 anos até engrenar, no começo ninguém nem olhava ele.

  • HugoCT

    Na minha lista, o pior que já dirigi, volante torto, naão achava uma posição legal, o cambio não era dos melhores.

  • Allan Marconato Marum

    Quando comecei a namorar minha mulher um Celta era um sonho de consumo dela, pois ela tirou CNH em um Celta e tinha sido o único carro que ela tinha dirigido até então. Hoje temos um Etios 1.5 e ela ainda fala que quer ter um Celta…. só pode ser nostalgia misturada com saudosismo! É um carrinho MUITO fraco. Sério.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      Fraco em que sentido? o motor 1.0 de 78 cv era forte pra época pelo baixo peso do carro. Se for em segurança ai beleza

      • Allan Marconato Marum

        Eu me referi ao sentido geral de um carro, como um carro ele é fraco.

    • afonso200

      compra um Celta pra ela, garanto que em meses ela desiste e volta pro Etios, hehe

      • andre

        cara, compre um celta 2007 1.4 com 85 CV e torque 11.8 kgf/cm² atigidos em apesas 3.000 RPM. suas costas vai grudar no banco. Com AR, direção, AR, vidro, trava. è raro este carro. Quem tem não vende mas, se achar, ela vai desistir do Etios.

  • Rodrigo

    ” Quando abastecido com gasolina, sua autonomia pode chegar a mais de 800 quilômetros.” Só se for em cima de um guincho.

    • Hugo Leonardo Dos Santos

      O maximo que cheguei quando tive um foi de 760 km

      • Rodrigo

        Depende muito do pé. Se for na estrada pode até ser que dê. O meu 2012 nunca passou de 550 na cidade.

    • afonso200

      na epoca gasolina com BEM menos etanol

      • Rodrigo

        Realmente. Mas ainda acho os 800 difícil.

    • T1000

      também não sei de onde tiraram, o vhce da empresa fazia no máximo 650km, o meu vhc monofuel fazia entre 600 e 650 e na cidade bebia muito, sem ar condicionado.

      • Rodrigo

        Pois é. Mas enfim. Se ta na internet é verdade. kkkkkk

  • Tommy

    O Celta foi um daqueles carros que melhorou muito com o tempo, igual ao Fox, ambos eram bem tristes em seus primeiros anos, mas no fim da vida ficaram bem legais(considerando seus respectivos concorrentes e época)

  • celso

    Provavelmente, o pior carro já produzido no país.

    • Vinicius LMS

      Quase concordo, mas aí lembro que existiu o Agile.
      O Celta em 2000 não era tão defasado e tão pelado perto dos concorrentes, já o Agile em 2009 parecia um carro feito no fundo de um quintal, herdava todos os defeitos de carros antigos e economizaram até palito de dente ao projetá-lo, aquele carro foi um verdadeiro retrocesso em vários sentidos.

  • afonso200

    lixo

  • Christian

    Só uma correção. Travas e vidros elétricos, assim como alarme volumétrico, já eram oferecidos como acessórios oficiais nas concessionárias desde o lançamento. Posso afirmar isso pq comprei na época (motor 60 cavalos), e retirei o carro zero km da concessionária com esses itens já instalados, escolhidos em catálogo oficial da marca.

    • afonso200

      pagou 5mil só pelos vidros e travas,,,,naquela epoca tudo era caro

      • Christian

        Provavelmente custou isso aí mesmo. 😅

  • Marcio Souza

    Tinha um azul igual o da primeira foto. Foi o meu primeiro carro. Atendeu minhas necessidades pra época. Mas quando se tratava de viajar, um percurso de 150 km chegava todo dolorido devido aos bancos e um pouco irritado pois o nível de ruído era alto. Para o primeiro carro acho válido: econômico, fácil de estacionar, manutenção barata. Mas no quesito conforto, deixa muito a desejar.

  • Marcos Souza

    É tipo o gato de schrodinger

  • Tygra

    Foi o meu primeiro carro, tenho um carinho especial pelo Celta. O meu era um Super 2003 quatro portas, com ar quente e desembaçador traseiro.

  • Mauro Schramm

    Carniça. Os caras fizeram um estardalhaço danado com a fábrica de Gravataí e tiveram a pachorra de lançar um Corsa piorado.

  • Dod

    O Celta foi o pior carro já feito no Brasil. De todos os tempos. Uma ex-namorada minha de uns 10 anos atrás tinha um “completinho”, 2005/2006, e meu deus do céu, que carro ruim era aquele…conforto zero, péssima ergonomia, acabamento terrível, apertado, barulhento, dirigir aquele chorume era uma tortura.

  • Ariosvaldo Araujo

    eu tenho um celta LT 2014 e é um carrinho que cumpre bem o seu papel de ser um carro urbano. tem vários pontos negativos como a posição de dirigir,teto muito baixo e o motor acima dos 120 km parece que vai explodir.o meu é completo+abs e air-bag e ta com 50.000 km rodados.só troquei até agora um jogo de pneus e a correia dentada com tensor.

  • Bruno Luís

    Não tenjo boas lembranças desse carro , aluguei um pqp só raiva.

  • Marco

    A GM quiz exportar esse carro para México e Colômbia mas não aceitaram. No 1º preferiram uma versão reestilizada do nosso 1º Corsa, com o modelo sedã com a placa deslocada para o para-choque. E na Colômbia permaneceram com nosso Corsa da 2ª Geração.

  • Gutemberg Ferreira

    A reportagem esqueceu de mencionar que, para baratear ainda mais o projeto, o carro tinha o volante torto pra esquerda.

  • SDS SP

    TIve um 2002. Era um carro com péssima ergonomia e acabamento pior ainda. Mas por outro lado, muito fácil de manter, com peças incrivelmente baratas e seguro mais em conta se comparado aos seus concorrentes da época (pelo menos no meu perfil). Desempenho e consumo eram okay, nada de impressionante.

  • G E O

    O up! bem que poderia ter tido o mesmo sucesso do Celta.

  • Rafael Straus

    O Celta (na verdade um Corsa piorado e depenado) representou um verdadeiro retrocesso na indústria automobilística no que diz respeito a acabamento.

    Os acabamentos se dividem em antes e depois do Celta. Como as pessoas toparam pagar pelo acabamento PORCO do carro, outras montadoras passaram a seguir no mesmo caminho: Fiesta de 2002; Ecosport de 2003; Fox de 2003 e Gol G4 de 2004 e por aí vai.

    Uma tendência ruim que virou padrão de mercado. “Ah, mas o celtinha era valente, econômico e as peças eram baratas”. Se você entende carro como mero meio que liga dois pontos, tudo bem. Se você quer mais que isso, o Celta era uma bela porcaria mesmo – e que deu cria.

    • G E O

      Concordo totalmente. O Brasileiro não liga para carro empobrecido.
      Vide os primeiros Polos que saíram em 2002/3 e os últimos. A depenagem é real. Assim como o Golf da geração anterior. As outras montadoras foram vendo que vendia bem e o que fazia sucesso. E o Celta era um belo exemplo disso.

      PS: quando você diz que deu cria, eu até penso no novo Polo com esse acabamento mais empobrecido em relação ao europeu.

  • David Diniz

    A única vez que eu tentei dirigir um celta foi uma missão fracassada… Eu tinha que escolher entre andar com a porta aberta e “acomodar” no assento ou ficar com meia banda para fora do assento e fechar a porta… E sem contar o volante desalinhado com os pedais e pedais próximos demais.

  • Danilo

    tivemos um super 1.4 2005 em casa….. trem era bom de andar heim…. tirava o filtro dele, roncava bunito kkkkkkk so nos relaxo.

    pena a GM ter dado devida atenção so no fim de vida, com airbag e abs. E claro poderiam ter melhorado conjunto suspensão, caixa de direção que muito fragil pras ruas brasileiras. Da barulho muito facil.
    Mais celtão, prata 2p sem calota miliquatrocentos sem filtro pavorô de domingo em SJRPardo.
    Hoje com condições bem melhores que na epoca, dou muita risada das lembranças.
    Carrinho foi guerreiro.

  • Thiago Porto

    O pior carro que tive.

  • Um razoável carro ruim

  • andre

    Rebanho de gente cheia de frescura. o celta é um excelente Carro popular. Vai falar mal pra quem andava de ônibus todo santo dia e, com muito esforço, comprou seu celtinha e deu graças a Deus.

  • andre

    Quem já dirigiu um Celta 2007 1.4 com 85 CV? parece pouco mas, o torque é 11.8 kgf/cm² e é atigidos em apesas 3.000 RPM.
    Suas costas gruda no banco.
    Com AR, direção, AR, vidro, trava. è raro este carro. Quem tem não vende
    Pege seus manuais de seus carros 1.0 ou 1.3 ou 1.5 e olhem o valor do torque e com quantos RPM ele é atigidos e comparem.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email