América Latina Argentina Governamental/Legal Longform Matérias NA Segurança Trânsito

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

O segundo maior país da America do Sul está há pouca distância dos principais centros urbanos do Brasil.


Culturalmente bem distante de nossa realidade, a Argentina é um país de fácil acesso aos brasileiros.

O país dos hermanos reserva boas surpresas para quem vai de carro, como paisagens de tirar o fôlego, literalmente.

Com dimensões generosas, a Argentina tem uma rede de estradas que ligam quase todo o território e uma parte delas está nas mãos da iniciativa privada, que cobra pedágio.


Do trânsito congestionado de sempre da capital portenha até as belas estradas que cortam os Andes, a Argentina tem variedade de condições de rodagem e muitos pontos de apoio em boa parte dos trajetos.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Fizemos duas viagens à Argentina, uma recentemente com o Volvo XC60 D5, utilizando estradas das mais variadas condições, desde boas pistas de asfalto na província de Salta até o pavimento “lunar” de Santiago del Estero.

Na capital do tango, ruas e avenidas largas (a 9 de Julho é a mais larga do mundo), o trânsito é tocado até pelos apressados motoristas de ônibus.

No interior, as barreiras policiais são tão constantes quanto os carros que rodam bem acima dos limites locais.

Buenos Aires

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Em Buenos Aires, assim como em grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, o trânsito é intenso o dia inteiro.

A avenida 9 de Julho é a mais larga do mundo e tem 10 pistas, divididas por calçadas e com 2 delas servindo aos ônibus.

No centro da cidade, Buenos Aires tem ruas estreitas e há dificuldade em estacionar na rua.

A região de compras de Maipú e Florida tem algumas ruas convertidas em calçadões, mas os carros passam por lá também.

Existem diversos estacionamentos com preços variados, partindo geralmente de 50 pesos na primeira hora.

Para maior conforto, também pode-se contar com os estacionamentos públicos (pagos) subterrâneos, especialmente próximos das principais vias, como a 9 de Julho.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Nos bairros mais distantes, o trânsito é menos caótico e flui bem, tendo poucos semáforos nas adjacências e avenidas bem largas cortando boa parte da cidade, numa região longe dos pontos turísticos.

Bairros como El Caminito e San Telmo tem ruas com grande movimentação de veículos e o estacionamento é sempre pago, num sistema de monitoramento por câmeras e com parquímetros em determinados pontos.

Na zona portuária, as avenidas são bem largas e possuem um sistema de monitoramento de trânsito com radares que identificam placas.

Recentemente, Buenos Aires passou a ser a primeira cidade da América do Sul com pedágio urbano entre o início da rua Florida e a avenida Belgrano, com limites da zona portuária e da avenida 9 de Julho.

Nessa região, que inclui a zona de compras e de turismo, a Casa Rosada e a Praça de Maio, os carros têm de pagar 1.560 pesos anuais e ainda precisa comprovar estacionamento próprio ou alugado na região. A restrição de circulação vai de 11h a 16h.

No famoso e belíssimo Porto Madero, existem grandes avenidas e ruas largas entre os edifícios espelhados e o antigo cais. É possível estacionar de graça nessa região, que fica à leste da capital.

Como chegar?

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Buenos Aires fica a 2.238 km de São Paulo, aproximadamente.

Para quem quer ir à Buenos Aires de carro, a rota mais indicada é por Uruguaiana-RS.

A viagem pode ser feita também por São Borja-RS ou por cidades fronteiriças brasileiras desde Foz do Iguaçu-PR, passando por Dionísio Cerqueira-SC/Barracão-PR, por exemplo.

Também pode ser acessada via Uruguai, mas isso implica em mais burocracia se com carro alienado ou de terceiros, assim como pedágios extras e o caríssimo ferry boat da Buquebus.

No entanto, corre-se o risco de ficar mais tempo no Uruguai do que o esperado, devido a beleza e a tranquilidade do nosso vizinho, onde o “norte é o sul”, como dizem por lá.

A principal rota para chegar a Buenos Aires é pela Ruta Nacional 14 (RN-14), tanto pelo Rio Grande do Sul quanto por Santa Catarina e Paraná.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Trata-se de uma boa estrada a partir de Uruguaiana, tendo pista duplicada com asfalto “meia vida” em alguns trechos.

A RN-14 é bem plana e tem alguns postos Axion e YPF ao longo da rota.

Também existem poucos restaurantes (comedores), sendo que a melhor aposta é ir no fast food da YPF ou Axion.

Os pedágios ficam na faixa dos 70 pesos e existem pelo menos uns cinco até a CABA (Ciudad Autonoma de Buenos Aires).

Ao chegar à capital, existe um pedágio quase urbano após o Aeroparque Jorge Newberry (o Congonhas de Buenos Aires), mas dá para acessar o centro da cidade e os principais bairros antes dele.

Até Zárate, onde fica a fábrica da Toyota e o principal porto de veículos do país, às margens do Rio Paraná, a já RN-12 (a RN-14 termina alguns quilômetros antes) tem trânsito tranquilo.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

A partir de Zárate, o tráfego aumenta conforme vai entrando na província de Buenos Aires e na região metropolitana.

Quase não existe radar móvel ou de qualquer outro tipo antes de Zárate e os argentinos aproveitam para andar bem mais rápido que os 130 km/h de limite da rodovia.

A temível Policia Caminera tem sempre um bloqueio próximo de trevos de acesso. O termo do chamado “regalito” (dinheiro pedido pelos guardas para não aplicar multas, muitas inexistentes) é grande, mas nós não passamos por essa situação em nenhum momento.

No entanto, é sempre bom ficar esperto.

Interior do país

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Andes

Outro destino que pode ser alcançado facilmente por motoristas brasileiros é a cidade de Salta e região norte da Argentina.

Cravada nos pés da Cordilheira dos Andes, a cidade argentina tem duas estradas que levam aos destinos mais bonitos da região.

Com 462 mil habitantes, Salta tem trânsito considerado até bom para seu porte. Assim como outras cidades do interior da Argentina, ela tem poucos semáforos, valendo a lei da preferência nos bairros e mesmo em algumas ruas do centro.

Tal como em Buenos Aires e no restante do país, existem muitos carros velhos circulando pelas ruas e estradas próximas.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Também é possível ver clássicos como o Ford Falcon com frequência, exceto em grandes centros, como a capital do país.

No interior da Argentina, a maioria das cidades tem ruas de concreto e os cruzamentos não têm semáforos.

Quando estes existem, vale a dica: o amarelo surge antes do verde e não o contrário, como aqui.

Existem boas estradas na região de Salta, especialmente no anel externo da cidade (próximo dos Andes) e na região de Jujuy, cidade mais ao norte.

A RN-9 termina na fronteira com a Bolívia, mas muito antes, temos o primeiro acesso para o Chile.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

De pista simples e asfalto bom em alguns trechos, a estrada tem pontos de passagem de água do degelo e placas indicadoras devem ser obedecidas, pois, as depressões são grandes no asfalto.

Entrando na RN-52, uma estradinha de asfalto bom e encravada num vale, chega-se a Purmamarca, uma cidadezinha de ruas de terra bem estreitas, muito poeirenta, mas com grande comércio.

Subindo a “primeira” cordilheira, após traçado sinuoso que serpenteia a montanha, alcança-se 4.170 m.

Nesse ponto, alguns veículos rodam com a tampa do motor aberta para poder ver a grande elevação.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

O ar é rarefeito e qualquer esforço extra é acompanhado rapidamente da fadiga.

Descendo mais suavemente, chega-se às Salinas Grandes, um verdadeiro mar de sal.

Novamente, rumo ao Chile, passa-se por Susques (onde retornamos) e a subida continua até Paso de Jama, na fronteira, onde a altitude é de 4.230 m.

Cardones

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Ao sul de Salta fica o Parque Nacional dos Cardones, que deve ser acessado pela RP-33 (Ruta Provincial).

Há apenas 1h30m do centro de Salta, o parque surpreende pela mescla de paisagens ao longo do caminho.

No início, a RP-33 corta um vale arborizado com asfalto novo e curvas sinuosas.

Após uma ponte, o vale fica seco e com pouca vida, seguindo então para o vale dos cactus, alguns com mais de 5 m de altura.

A estrada é a principal para acesso às cidades que ficam no meio dos Andes, como Cachi, onde fica o famoso Nevado de Cachi.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

O asfalto é de qualidade razoável até um trecho de terra, com muita poeira e cascalho. Antes, porém, existem as passagens de água na via.

O trecho sem pavimento é longo e necessita-se paciência e atenção por causa da visibilidade com o trânsito de carros locais, caminhões, ônibus e as vans de turistas.

Após um serpenteado quase sem fim, pode-se avistar do alto o Vale Encantado na direção de Salta.

No portal do parque, mais alguns poucos quilômetros e a paisagem vira uma enorme planície, cheia de Guanacos.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Eles cruzam a estrada com frequência e por isso é preciso atenção, pois, são animais protegidos.

Nessa região, a altitude fica em torno dos 4.000 m ou pouco menos, sendo que o marco de 3.120 m está bem mais abaixo, no deserto de Cachi.

Dali é possível ver os picos eternamente nevados da “cordilheira principal”, na fronteira com o Chile, onde o tempo não passa nem para os que adormecem ali

Como chegar?

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Para se alcançar Salta e região, a distância de São Paulo é de aproximadamente 2.500 km.

As rotas podem ser feitas através de Dionísio Cerqueira-SC e sua irmã Barracão-PR pela divisa entre os dois estados.

Outro caminho é ir direto por Foz do Iguaçu, mas preferimos o citado acima.

Não se deve evitar os pedágios caríssimos da Caminhos do Paraná, na BR-277, porque a BR-280 ao sul está em péssimo estado e cheia de carretas.

As demais entradas mais sul também são recomendadas para acesso à província de Missiones.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Para a província do Chaco é necessário dar a volta no Paraguai pela província de Corrientes.

As RN-14 e RN-12 estão em condições boas, exceto um trecho próximo de Bernardo de Irigoyen (irmã das brasileiras acima) e próximo da “fronteira” com Corrientes, respectivamente.

A estrada é simples e conta com dois pedágios até Corrientes, tendo trechos com longas retas.

Na Argentina, geralmente as estradas não possuem acostamento de asfalto, mesmo as duplicadas e em bom estado.

Também é preciso paciência se houver trânsito, pois, tanto a Caminera quanto a Gendarmaria (polícia de fronteira) param os carros na própria pista e não no acostamento, como acontece no Brasil.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

As barreiras policiais são constantes ao longo da viagem e, normalmente, os carros argentinos ligam o pisca-alerta em movimento quando estão passando por esses postos.

Corrientes e sua história íntima com o Brasil tem muitos radares e se liga à Resistência (capital do Chaco) por uma bela ponte sobre o Rio Paraná.

A estrada (RN-16) fica muito boa até Sáenz Peña, depois segue simples e com asfalto aceitável até o pior de todos os trechos.

Quando entra na província de Santiago del Estero, a RN-16 passa a sofrer muito, chegando ao trecho de 40 km antes da província de Salta, quando o abandono é total e explícito, com crateras que nem mesmo as picapes 4×4 (existem muitas na Argentina) precisam desviar sob risco de ficar.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

O acostamento de terra vira uma estrada de péssimas condições até onde não suporta mais o tráfego, exigindo dos motoristas malabarismo sobre o asfalto destruído, como se tivesse sido bombardeado.

Em região baixa da província de Salta, a RN-16 segue boa até a RN-9, aquela mesma de Buenos Aires, igualmente duplicada e subindo suavemente até a cidade.

Os pedágios variam de 45 pesos a 80 pesos, sendo o mais barato perto de Salta.

É bom ter atenção nas rodovias argentinas, pois o tráfego local com animais no acostamento e mesma na pista não são raros.

O mesmo em relação aos motociclistas, que andam sem capacete e levam de três a quatro pessoas numa moto.

Permissões e regras

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Para ingresso ao território argentino é preciso ter cédula de identidade com menos de 10 anos ou passaporte válido.

No caso do carro, se o mesmo for próprio, não há exigência de documento adicional.

Se o mesmo for alienado ou de terceiro, então é necessária uma autorização do proprietário ou banco para fazer a viagem.

Este documento precisa também de um adicional, o Apostilamento de Haia, uma convenção internacional onde o Brasil é signatário desde 2015.

A maioria dos cartórios fazem a Apostila de Haia, mas o preço varia de acordo com o estado. Em São Paulo está custando R$ 113, o mesmo que em Minas Gerais, que até pouco tempo atrás era o mais barato do Brasil.

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos

Por fim, o obrigatório para todo Mercosul: o seguro Carta Verde.

Este é adquirido em qualquer seguradora ou alguns poucos bancos.

O valor varia de acordo com o tipo de veículo, valor da indenização ao terceiro e tempo de permanência no país.

Em termos de segurança, as leis argentinas exigem somente extintor e um segundo triangulo.

Picapes e veículos comerciais devem portar um indicativo de limite de 80 ou 110 km/h.

Para quem vai enfrentar a neve, é recomendável o uso de correntes nas rodas.

Argentina – Galeria de fotos

Argentina: Saiba como é rodar no país dos hermanos
Nota média 4.3 de 6 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Julio

    Curioso o transito Argentino.

    Mas e nos caso de nós brasileiros que não temos a obrigatoriedade do extintor de incêndio e nem o segundo triangulo como devemos proceder, comprar este itens antes de ir para lá ?

    • Flight_Falcon

      Com certeza.
      Ir para lá com tudo o que a lei local pede, sob risco de não voltar com seu carro se não levar o que pedem.

      • Julio

        Não me animei a dirigir na Argentina, fui até o Uruguai de carro e atravessei de Bukebuss que é bemm mais tranquilo.

        Quando fui o táxi lá era bem barato, mas tem que ficar esperto pois eles geralmente querem te enrolar.

        • EDU

          Uber amigo , Fui em junho e usei direto o uber la , bem mais em conta embora nao seja legalizado ainda la.

    • Wendel Cerutti

      Tem que comprar e levar .

  • Dod

    Uma curiosidade sobre o tema: criou-se uma lenda na Argentina de que era exigido que todos os carros em circulação deveriam ter um lençol branco, chamado por eles de Sabana, ou então um saco preto igual aqueles do IML (bolsa mortuoria) para casos de acidentes com vítimas fatais e isso até hoje é uma coisa seguida por muitos locais. Só que essa lei não existe a nível nacional, parece que em algumas províncias existiu sim no passado mas foi revogada. Só que isso é tão presente no imaginário popular que muitas vezes os policiais corruptos da Caminera se fazem valer dessa suposta exigência para pedir propina. E é assim que muitos argentinos até hoje andam com um ou até estes dois itens um tanto macabros dentro do porta-malas dos seus carros, segundo me contou um amigo local com quem viajei entre Tigre e Bahía Blanca uns anos atrás.

    • mjprio

      Que doideira

    • Robson Mauricio

      Isso ouvia falar nos anos 90…e no Paraguai principalmente…mas hj recentemente acho difícil…mas gente desonesta querendo ganhar uma vantagem em cima dos outros, como vc citou a polícia caminera, infelizmente existe…Mas no Paraguai a corrupção ainda é maior

    • 1 Raul

      Lembrando que em algumas rodovias da Argentina existe velocidade mínima…

  • RicardoVW

    Bem que poderiam existir rodovias sem limites de velocidade da Argentina ou Chile, iria virar local turístico.

    • th!nk.t4nk

      Mesmo o Brasil poderia ter uma rodovia ou outra assim (só as realmente muito boas). Mas lembrando que no caso das Autobahnen, mesmo não tendo limite, eles fotografam e multam quem anda colado no carro da frente. É isso que garante que hajam poucos acidentes. Você pode piscar farol pra alguém que tá na pista da esquerda, mas não pode colar em hipótese alguma (sob risco de perder a carteira temporariamente). Parece um detalhe, mas um sistema assim é fundamental pra uma rodovia sem limites.

      • leomix leo

        Aqui na Bahia o cara cola em seu para choque, e quando vc vai para sua mãe ele tira um fino, correndo risco de causar acidente. Principalmente os trambolhão (pickup)

      • RicardoVW

        Eu pagaria até R$ 200 de pedágio para rodar numa rodovia sem limites!

  • RicardoVW

    Rodovias do Uruguai, Chile e Argentina deixam as brasileiras no chinelo!

    • Rodrigo

      Depende da rodovia. Já viajei pra alguns países e rodovias paulistas como Bandeirantes, Castello Branco e Imigrantes não deixam nada a desejar frente as da Europa e EUA. Em alguns casos até melhor. Nesse aspecto fica evidente o bom emprego das taxas de pedágio (ainda que em algumas o valor chega assustar).

    • Antunes

      Cara, rodei pela Argentina e Chile e te garanto, NÃO tem nada igual a rodovia dos bandeirantes e imigrantes nesses 2 países, com serviço de SOS, monitoramento, paradores para comer, muito raro vc encontrar restaurante nas rodovias argentinas/chilenas a não ser a lanchonete do posto

      • RicardoVW

        Mas a qualidade do asfalto das rodovias que vi no Uruguai, Chile e Argentina são visivelmente muito superiores

      • Henrique12

        Na província de Corrientes, se você achar um posto de combustível na estrada, já tá no lucro.

        • Antunes

          Parece que eles são acostumados a distâncias de 200km sem posto, é normal para eles, geralmente postos só nas cidades, não tem em todo canto igual ao Brasil, eu ja ando com um galão que comprei no Chile por precaução, porque além de nãp ter posto sempre, também é comum não ter gasolina

        • Wendel Cerutti

          Partiu abrir postos de combustivel lá então !!!!

    • ChalMust

      Rodei pela Ruta 5 no Chile, de Santiago até San Pedro do Atacama e voltei, quase 3.500km. A rodovia é fantástica, alguns pedágios caros sim, mas a conservação é excelente. O problema é sim pouca infraestrutura para parada e poucos postos. Porem lá a gasolina é melhor que a nossa e com o tanque cheio voce vai mais longe. Aluguei um Suzuki Swift, carro super econômico, fazia de 18 a 20 de boa, sempre bem carregado! Viagem fantástica. De um lado as Cordilheiras, de outro o Pacífico.

  • André

    Na cidade Rio de Janeiro já existe pedágio dentro da cidade há anos na Linha Amarela.

  • afonso200

    canal vivendo mundo afora ….. em novembro 2018 sairam do BR de kombi, agora estao no Equador

  • Robson Mauricio

    Já dirigi algumas vezes na Argentina, e percebi que a grosso modo, as rodovias lá estáo em melhores condições que aqui. É claro que existem rodovias aqui como a Bandeirantes, Imigrantes, que são superiores as rodovias por la..Mas ai tem questão do pedágio, etc. Dirigi na regiáo de Bariloche, simplesmente fantástico dirigir por la.

    • Antunes

      Varia da região, na Argentina ainda existem muitas estradas de ripio que mistura terra com pedra batida, assim como tem rodovias boas, a RN127 que é considerado o corredor do mercosul está terrivel, cimento todo disnivelado, a RN16 no chaco tem um trecho de 40km que vc so trafega no acostamento a 20kmh de terra, então é relativo da região assim como no Brasil

  • Samuel Jesus de Sousa

    “Nesse ponto, alguns veículos rodam com a tampa do motor aberta para poder ver a grande elevação.” Não entendi essa parte

    • Guilherme Ferreira Lucio Lemes

      Também estou aguardando explicação…

      • Antunes

        Na real os ônibus andam com a tampa do motor aberta porque na região do chaco de dia bate 43ºC sem nenhuma sombra e na região dos andes devido a forçar muito na subida

        • MG

          Peguei 48 graus em janeiro lá… Pampa Del Inferno a cidade.

          Depois uma piscina maravilhosa num hotel-casino em Roque Sanz-Pena

          • Antunes

            Peguei 43 em fevereiro, dormi no hotel Gualok em Saenz Peña, a melhor cidadezinha do trecho kkkkk

            • MG

              Esse hotel que fiquei

    • Elizangela Oliveira

      Vencer é o correto. Com a baixa concentração de oxigênio no ar, quanto mais exposto o motor, melhor. Na foto desse trecho tem um ônibus com a tampa do motor levantada. E tem também a questão do superaquecimento, já que nas subidas em baixa velocidade a refrigeração do motor pode ficar comprometida.

  • th!nk.t4nk

    “Quando estes existem, vale a dica: o amarelo surge antes do verde e não o contrário, como aqui”. Na realidade em grande parte do mundo é assim, e nunca entendi por que o Brasil não adotou este sistema. Ajuda os motoristas a se prepararem pra arrancar, evitando perda de tempo. É verdade que em muitas cidades brasileiras há aquele semáforo que vai descendo a luz vermelha até chegar no verde, mas isso é caro e desnecessário (além de ser feio, por ser uma placa enorme).

    • leomix leo

      Aqui em Feira de Santana tem os contadores de tempo, e tem um cruzamento com essa que vai descendo os leds até ficar verde.

    • leitor

      Alguns dão uma piscada 10 segundos antes de abrir.

  • leomix leo

    Qual o custo de uma viagem dessas, para um casal com filho(a) de 2 anos. Sou doído pra fazer, mais as vezes tenho receio de ir.

  • zekinha71

    O pior trânsito que eu já vi no mundo foi em Buenos Aires, lá ninguém respeita ninguém, é o tempo todo um jogando o veículo em cima do outro, é moto, carro, van, onibus, caminhão, todos achando que tem direito do espaço na frente e dos lados.
    É a coisa mais normal ver as laterais dos veículos amassadas e espelhos presos com fita adesiva.

    • Felipe Moreira de Sá

      Já foi no Rio de Janeiro?

  • Henrique12

    Pode levar o dinheiro da propina porque são muitos postos nas rodovias, e todos te mandam parar, coisa de metros, e pedem na lata mesmo sem motivo aparente, de preferência dólares ainda.

  • Alejandro Torre

    Alguns detalhes da nota, bom de aclarar. Caminito eh uma rua do bairro de La Boca. Para seguradoras, em cruzamento sem semáforo a prioridade eh de quem entra pela direita. O pais por ter menos gente em relação ao territorio que Brasil e grande concentração do mesmo em Capital e região metropolitana, nao tem restaurantes na estrada pois eh inviável. E com os postos acontece igual, alem que Argentina tem gasolina pura, maior autonomia e carros diesel de maior autonomia ainda.

  • MG

    Que satisfação ler essa matéria, fiz esse caminho até San Pedro do Atacama, passei por Salto, Purmamarca, Corrientes, Posadas, peguei calor de quase 50 graus e temperaturas negativas na cordilheira e mais uma cidades alucinantes, vinícolas, a própria cordilheira é incrível…. com cenários de outro planeta. Adoro viajar de carro, mês passado voltei do Uruguai, lugar de primeira tbm, estradas ótimas, povo tranquilo…

  • RicardoVW

    Mas isso não quer dizer que é liberado!

    • Wendel Cerutti

      Claro que não

  • RicardoVW

    Poderiam ter ido e comentar sobre aquele autódromo alucinante que tem no interior da Argentina!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email