Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

O Jeep Compass 2022 é um dos SUVs mais vendidos no mercado brasileiro.


Disponível por aqui há alguns anos, o utilitário-esportivo em sua segunda geração cativa pelo visual moderno, interior com bom acabamento, motores eficientes, boa lista de equipamentos e ampla gama de versões.

A atual linha do novo Compass 2022 conta com as versões de acabamento Sport, Longitude, Limited, Trailhawk e a top de linha Série S, disponíveis com motores 1.3 turboflex, câmbio automático de seis marchas e tração 4×2 ou 2.0 litros turbodiesel, transmissão automática de nove velocidades e tração nas quatro rodas.

Por a partir de R$ 135.990, é possível levar para a casa a versão mais em conta do Jeep Compass, que já oferece uma boa dose de equipamentos de segurança, conforto e conectividade.

Apesar do preço não tão atrativo assim (ainda mais frente aos valores cobrados na época de lançamento), o Compass 2022 é uma boa alternativa aos SUVs compactos, como o Honda HR-V e o Jeep Renegade.

Jeep Compass 2022 – detalhes

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

O visual do Jeep Compass 2022 é do tipo capaz de agradar boa parcela dos consumidores. As linhas do SUV médio da Jeep são bem resolvidas e seguem o DNA da marca, sobretudo pela grade dianteira com sete fendas verticais.

Há ainda faróis afilados com assinatura em LED, para-choques robustos, vincos marcantes na carroceria, linha de cintura elevada, caixas de roda quadradas e lanternas traseiras horizontais que invadem a tampa do porta-malas.

Fora isso, o carro dispõe de uma boa altura em relação ao solo, sendo capaz de enfrentar valetas e trechos mais esburacados sem muitas dificuldades.

Partindo para o interior, como manda o padrão da categoria, o Jeep Compass 2022 dispõe de um bom acabamento. Há plásticos emborrachados por todos os lados, o que evita ruídos excessivos de acabamento após um bom tempo de uso.

Dependendo da versão, o carro conta com volante, bancos, painéis de porta, apoios de braço e alavanca de câmbio revestidos em couro e detalhes de acabamento que misturam cromados e preto brilhante.

Os vários componentes já usados em outros carros da FCA (Fiat Chrysler Automobiles), como o volante e o painel de instrumentos compartilhados com o Renegade e a Fiat Toro, ficaram para trás na linha 2022, já que o interior do Compass foi alterado de forma mais profunda que a parte externa.

Desde a versão de entrada, o Compass 2022 oferece itens como controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, ar-condicionado automático digital de duas zonas, central multimídia com Android Auto e Apple CarPlay, faróis e lanternas com assinatura em LED, freio de estacionamento elétrico, luzes de condução diurna, piloto automático, painel de instrumentos com tela TFT, sensor de estacionamento traseiro, sistema start/stop, monitoramento da pressão dos pneus, entre outros.

Nas demais versões, seja como equipamento de série ou opcional, o Jeep Compass 2022 pode dispor de rodas de 19 polegadas, sete airbags, bancos em couro, chave presencial, partida por botão, detector de pontos cegos, retrovisores externos rebatíveis eletricamente e retrovisor interno eletrocrômico.

Há ainda tampa do porta-malas com abertura e fechamento elétricos, sistema de som Bose, piloto automático adaptativo, alerta de colisão frontal, farol alto automático, aviso de mudança de faixa, banco do motorista com ajustes elétricos, partida remota do motor pela chave, sistema de estacionamento semiautônomo (Park Assist), entre outros.

Todavia, com todos os equipamentos disponíveis, inclusive carroceria com pintura perolizada, a conta pode chegar a R$ 231.990.

Jeep Compass 2022 – novidades

As mudanças do Compass 2022 foram as mais profundas desde que o modelo chegou por aqui, em 2016. Elas incluem uma frente renovada, a nova versão especial para marcar sua chegada, novo motor e um interior que se distancia de outros modelos da FCA.

Todas essas mudanças aparecem inicialmente no Compass 80 Anos, série especial que iniciou sua pré-venda em 5 de abril de 2021 com preço sugerido de R$ 162.990, com apenas 1.000 unidades disponíveis.

A marca pede um sinal de R$ 3 mil e os compradores terão algumas vantagens, como faturamento em até 30 dias após o lançamento (que ocorre em maio de 2021) e welcome kit com Echo Dot (4ª Geração) Smart Speaker com Alexa, nécessaire da coleção Jeep Compass e chaveiro da coleção 80 Anos.

Confira em detalhes as mudanças do Compass 2022:

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Mudanças visuais e novo interior

A renovação no visual externo trouxe uma grade redesenhada, com novo desenho interno e formato mais inclinado. Os faróis também mudaram bastante e ficaram mais finos, além de ganhar iluminação full LED e a luz de condução diurna na parte superior.

A entrada de ar do Compass 2022 recebeu um acabamento preto e fica numa posição que interliga os faróis de neblina, deixando a dianteira ainda mais harmoniosa. Além disso, as rodas de liga leve também foram redesenhadas. Por outro lado, a traseira permaneceu quase que inalterada.

O que mais mudou no Compass 2022, porém, foi seu interior. Esqueça aquela sensação de estar no mesmo carro ao entrar em vários modelos da FCA, pois agora o SUV se destaca do restante da gama.

O destaque fica por conta da nova central multimídia de 10,1 polegadas com estilo flutuante. Ela chega carregada de tecnologia ao apresentar o sistema Adventure Intelligence (leia mais sobre ele logo abaixo), que tem conexões 4G e Wi-Fi, além do sistema Amazon Alexa e inteligência artificial.

O painel e o volante do Compass 2022 também mudaram, trazendo um acabamento superior. Já a lista de equipamentos recebeu melhorias no piloto automático adaptativo e na frenagem automática de emergência, além de adicionar o carregamento sem fio para smartphones.

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Sistema Adventure Intelligence

Falando um pouco mais sobre o sistema Adventure Intelligence, que fez sua estreia no Renegade 2022, ele traz um significativo avanço em conveniência, assistência e entretenimento. Por exemplo, é possível se conectar ao veículo à distância, seja pelo aplicativo no celular ou pelo navegador no computador.

Essa plataforma tem parceria com a TIM, já que os veículos com esse sistema saem de fábrica com um chip virtual da empresa. Além disso, o Adventure Intelligence oferece os seguintes serviços:

  • Informações do veículo – permite conferir, em tempo real, o nível de combustível, quilometragem total e autonomia.
  • Mapa Inteligente – sistema de navegação da TomTom que pode ser acessado em 2D ou 3D e que calcula, com base na autonomia, em qual posto ao longo do caminho será necessário abastecer, além de não perder o sinal em lugares remotos.
  • Assistentes Digitais – usando dispositivos como a Alexa, é possível obter informações do veículo com comandos de voz em outros lugares, como dentro de casa.
  • Localização do Veículo e Operações Remotas – informa a localização exata, útil para encontrar o veículo em grandes estacionamentos ou acompanhar a viagem de alguém da família, e ainda permite acionar buzina, faróis ou travar/destravar as portas mesmo a quilômetros de distância.
  • Assistência – permite realizar chamadas de emergência (incluindo chamadas automáticas em caso de acidentes), assistência mecânica, recuperação para roubo ou furto, entre outros.
  • Internet 4G e Wi-Fi – os modelos da Jeep terão três planos da Tim (Basic de 5GB com audio book por R$ 30, Standard de 10GB, Audiobook e Olá (podcast light) por R$ 50 e Premium de 40GB com os mesmos apps do anterior e Cartoon Network por R$ 100), com 30 dias de teste grátis e pagamentos mensais após esse período.

Novo motor 1.3 turbo

Outra enorme mudança do Compass 2022, talvez a mais pedida pelos clientes da marca, foi a substituição do motor 2.0 flex pelo 1.3 turbo. Chamado pela marca de T270, em referência ao seu torque em Nm, o novo propulsor tem até 185 cv e 27,5 kgfm. O câmbio ainda não foi divulgado pela marca, mas poderá ser o mesmo usado pela versão turbodiesel.

Série Especial 80 Anos

Para divulgar todas essas novidades, o Compass 2022 estreará no mercado nacional com a Série Especial 80 Anos. Ela virá com o visual renovado, novo interior e o propulsor 1.3 turbo, além de acabamento em grafite na parte externa e black piano no interior.

O revestimento interno do teto será na cor preta e as costuras serão diferenciadas. Além disso, o novo SUV terá vários badges “80th” espalhados por todo o carro.

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Jeep Compass 2022 – versões

Confira abaixo a gama de versões do Jeep Compass 2022:

  • Jeep Compass Sport 2.0 Flex AT 4×2 2021
  • Jeep Compass Longitude 2.0 Flex AT 4×2 2021
  • Jeep Compass Série 80 Anos 1.3 Turbo Flex AT 4×2 2022
  • Jeep Compass Limited 2.0 Flex AT 4×2 2021
  • Jeep Compass Longitude 2.0 Diesel AT 4×4 2021
  • Jeep Compass Limited 2.0 Diesel AT 4×4 2021
  • Jeep Compass Trailhawk 2.0 Diesel AT 4×4 2021
  • Jeep Compass Série S 2.0 Diesel AT 4×4 2021

Jeep Compass 2022 – preços

Confira abaixo os preços de toda a linha Jeep Compass 2022:

  • Jeep Compass Sport 2.0 Flex AT 4×2 2021 – R$ 135.990
  • Jeep Compass Longitude 2.0 Flex AT 4×2 2021 – R$ 150.990
  • Jeep Compass Série 80 Anos 1.3 Turbo Flex AT 4×2 2022 – R$ 162.990
  • Jeep Compass Limited 2.0 Flex AT 4×2 2021 – R$ 172.990
  • Jeep Compass Longitude 2.0 Diesel AT 4×4 2021 – R$ 191.990
  • Jeep Compass Limited 2.0 Diesel AT 4×4 2021 – R$ 211.990
  • Jeep Compass Trailhawk 2.0 Diesel AT 4×4 2021 – R$ 211.990
  • Jeep Compass Série S 2.0 Diesel AT 4×4 2021 – R$ 231.990

Obs.: com exceção da Série Especial 80 Anos, os preços da linha 2022 só serão divulgados em maio de 2021.

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Leia tudo sobre o Compass Diesel.

Jeep Compass 2022 – equipamentos

Jeep Compass Sport 2.0 Flex – Motor 2.0 Tigershark com câmbio automático de seis marchas, airbag duplo, freios ABS com EBD, alarme, ar-condicionado automático dual zone, sistema de entrada e partida sem chave (Keyless Entry’N’Go), acendimento automático dos faróis, sensor de chuva, volante regulável em altura e profundidade, freio de estacionamento eletrônico, trio elétrico, chave canivete com telecomando, faróis e lanternas com filetes em LED, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, controle de reboque, direção elétrica, controle de cruzeiro, câmera de ré, faróis e lanterna de neblina, limitador de velocidade, rodas de liga leve aro 17 polegadas com pneus 225/60 R17, sensor de estacionamento, multimídia com tela de 7 polegadas, Android Auto (com Waze) e Car Play, sistema de som com 6 alto-falantes, computador de bordo, banco traseiro bipartido, Isofix e Start&Stop.

Opcionais:

  • Pack Exclusive (R$ 2.550, com bancos em couro e rodas de 18 polegadas)
  • Pack Safety (R$ 3.800, com com airbags de joelho, cortinas e laterais)
  • Pack Protection (R$ 950, com protetor de cárter, protetor para barro dianteiro e traseiro e logotipo exclusivo)

Jeep Compass Longitude Flex/Diesel – Motores Tigershark e Multijet II com câmbios automáticos de seis ou nove marchas, respectivamente, tração 4×4 com reduzida e modos de terreno (diesel). Itens acima, mais retrovisor interno eletrocrômico, acendimento automático dos faróis, sensor de chuva, bancos revestidos parcialmente em couro, entrada e partida sem uso da chave e por botão, rodas de liga leve aro 18 polegadas com pneus 225/55 R18, multimídia Uconnect com tela de 8,4 polegadas com navegador nativo, Android Auto e Car Play e Selec-Terrain (diesel) com modos Auto, Mud, Sand e Snow.

Opcionais:

  • Pack Night Eagle (R$ 5.500 e apenas modelo flex, com faróis em xenon, visual All Black, sistema de estacionamento semiautônomo Park Assist, partida remota, sistema de som Premium Beats de 506 W, teto pintado em preto e rodas liga leve aro 18″ pintadas em preto)
  • Pack Premium (R$ 5.200 flex ou R$ 5.400 diesel, com Park Assist, partida remota, sistema de som Beats com 506 watts e faróis de xênon)
  • Pack Protection (R$ 950 flex ou R$ 1.350 diesel, com protetor de cárter, protetor para barro dianteiro e traseiro e logotipo exclusivo)
  • Pack Safety (R$ 3.800 flex ou R$ 4.200 diesel, com com airbags de joelho, cortinas e laterais)
  • Teto solar panorâmico (R$ 8.300 flex ou R$ 8.900 diesel)

Jeep Compass Limited Flex/Diesel  – Itens acima, mais banco do motorista com regulagem elétrica em oito posições, faróis de xênon, frisos cromados, painel com tela TFT de 7 polegadas, teto preto, rodas de liga leve aro 18 polegadas exclusivas.

Opcionais:

  • Pack High Tech (R$ 8.800 flex ou R$ 9.900 diesel, com banco elétrico do passageiro, abertura elétrica do porta-malas, alerta de colisão frontal, aviso de mudança de faixas, controle de cruzeiro adaptativo, farol alto automático, sistema de som Beats com 506 watts)
  • Teto solar panorâmico (R$ 8.300 flex ou R$ 8.900 diesel)
  • Pack Protection (R$ 950 flex ou R$ 1.350 diesel, com protetor de cárter, protetor para barro dianteiro e traseiro e logotipo exclusivo).

Jeep Compass Trailhawk Diesel – Itens acima, mais rodas de liga leve aro 17 polegadas com pneus todo-terreno 225/60 R17, Selec-Terrain (diesel) com modos Auto, Mud, Sand, Snow e Rock, suspensão off road e tração 4×4 Jeep Active Drive Low.

Opcionais:

  • Pack High Tech (R$ 9.900, com banco elétrico do passageiro, abertura elétrica do porta-malas, alerta de colisão frontal, aviso de mudança de faixas, controle de cruzeiro adaptativo, farol alto automático, sistema de som Beats com 506 watts)
  • Teto solar panorâmico (R$ 8.900)

Jeep Compass Série S Diesel – Itens acima, mais sistema de estacionamento semiautomático (Park Assist), controle adaptativo de velocidade, frenagem automática de emergência, aviso de colisão frontal com frenagem automática, assistente de permanência em faixa, monitoramento de ponto cego, faróis alto automáticos, rodas de 19 polegadas, entre outros.

Opcionais: nenhum.

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Jeep Compass 2022 – consumo

O Jeep Compass 2022 tem um consumo de 5,5 km/l na cidade e 7,2 km/l na estrada com álcool. Já com gasolina o consumo passa a 8,1 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada.

Com diesel, ele faz 9,8 km/l na cidade e 11,4 km/l na estrada, se mostrando uma opção mais interessante em relação ao modelo flex.

Jeep Compass 2022 – motor

O Jeep Compass 2022 estreia o novo motor 1.3 turbo, que a marca chama comercialmente de motor turbo Flex T270. Esse número faz referência a seu torque em Nm, assim como a Volkswagen classifica seus veículos.

Uma mudança muito bem-vinda para o SUV, o novo propulsor entrega 180 cv com gasolina ou 185 cv com etanol, além de ter um torque de 27,5 kgfm. A transmissão ainda não foi confirmada.

Esse motor é bem superior ao anterior 2.0 Tigershark Flex, que tinha 159 cv com gasolina e 166 cv com etanol, ambos a 6.200 rpm.

Este motor ainda tinha torques de 19,9 kgfm a 4.000 rpm com gasolina e 20,5 kgfm a 4.000 rpm com etanol, levando o utilitário esportivo de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos e com velocidade máxima de 192 km/h.

Este propulsor era um quatro cilindros que possuía duplo comando de válvulas variável com cabeçote, bloco e cárter em alumínio, além de injeção eletrônica de combustível com tecnologia flex.

A origem do motor remonta à Mitsubishi, sendo uma parceira técnica feita entre a Chrysler e a marca japonesa, resultando inclusive numa variante de 2.4, que seria introduzida em uma versão Limited do Jeep Compass 2021.

A Jeep fez uma série de melhorias no Tigershark, visando seu uso no Brasil, entre elas o uso de óleo lubrificante menos viscoso para reduzir atrito, mudanças em anéis, pistões e bielas, bem como ajustes nos comandos de válvulas e no eixo balanceiro, que garante redução nas vibrações provocadas durante o funcionamento.

Coletores de escape e admissão também receberam tratamento especial para sua introdução no Jeep Compass. Assim, ele agora trabalha mais suave e com menor esforço, garantindo mais performance e economia de combustível.

Já o motor turbodiesel 2.0 Multijet II faz parte de uma família de propulsores movidos por óleo combustível na Europa e que chegou ao Brasil a bordo do Jeep Renegade.

Trata-se de um quatro cilindros em linha de ciclo diesel com cabeçote de 16 válvulas com duplo comando de válvulas variável e composição de alumínio.

Já o bloco é feiro em ferro fundido por conta da melhor manutenção de energia térmica, necessário em climas frios. O propulsor usa sistema de injeção direta de combustível, cuja ignição é por compressão.

Além disso, o 2.0 Multijet II turbina de geometria variável para obtenção de melhor rendimento a baixas rotações, característica desse tipo de motor.

Há também intercooler do tipo ar-água para manutenção das temperaturas no coletor de admissão, tornando a queima mais coesa e eficiente.

Esse engenho possui ainda de um sistema de controle de emissão de poluentes, centrado no EGR (recirculação dos gases de escape), que reduz a emissão de CO2 e NOx na atmosfera.

Ainda assim, a família Multijet II esteve envolvida no escândalo de emissão de NOx na Itália, onde o governo teria protegido dados importantes da Fiat Chrysler diante da União Europeia e teria sido acusado pelo governo da Alemanha de encobrir o uso de um software de manipulação do EGR e do SCR (conversão catalítica seletiva).

Aqui no Brasil, nada foi detectado. O motor entrega 170 cv a 3.750 rpm e 35,7 kgfm a 1.750 rpm.

O Jeep Compass 2021 conta ainda com dois tipos de transmissão automática, ambas com conversor de torque. A primeira é uma caixa Aisin de seis velocidades com modo Sport e paddle shifts no volante.

Ela é a mesma usada no Jeep Renegade Flex e nos Fiat Toro Flex e Argo 1.8.

Já a segunda opção só está disponível para o motor diesel, sendo esta a ZF 9HP de origem alemã com nove marchas, incluindo modo Sport e paddle shifts.

Esse câmbio inicialmente não se deu bem com o Jeep Cherokee 2.4 nos EUA, mas após diversos ajustes, agora se integra perfeitamente ao Tigershark 2.4 na Fiat Toro e também ao Multijet 2.0 nos Jeep Compass e Renegade.

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Jeep Compass 2022 – desempenho

A marca ainda não divulgou os dados oficiais de desempenho do novo motor 1.3 turbo, mas ele certamente terá números bem superiores ao atual 2.0 flex.

Enquanto as novidades não são divulgadas, vemos que o Jeep Compass 2021 tem uma boa performance em qualquer dos combustíveis, sendo mais destacada sem dúvida a versão diesel, que tem mais potência e torque em baixa, além de contar com nove marchas.

O SUV da marca americana, quando com motor Flex, vai de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos e com velocidade máxima de 192 km/h. O Compass 2.0 Flex tem um funcionamento suave e silencioso, sendo um SUV para um rodar confortável tanto na cidade quanto na estrada ou fora dela.

O propulsor tem boa disposição nas saídas, embora exija uma rotação mais alta para poder embalar, mas nada muto além de 3.000 rpm. Nas retomadas, o 2.0 sente o peso do veículo, que é de 1.527 kg. Para um motor aspirado, regimes de trabalho mais altos são necessários. Por isso, as retomadas podem alcançar até 5.000 rpm, dependendo da situação.

Numa ultrapassagem, por exemplo, nada além de 4.000 rpm resolve o problema. Mas rodando em cruzeiro de 110 km/h, ele mantém bem uns 2.000 rpm, garantindo conforto e economia. Nesse ponto ele faz 5,5 km/l na cidade e 7,2 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, o Jeep Compass 2.0 Flex faz 8,1 km/l na estrada e 10,5 km/l na estrada.

No modo Sport, o utilitário esportivo mantém motor cheio e disposição extra, mas com prejuízo do consumo. O câmbio automático de seis marchas tem mudanças suaves e no momento certo, garantindo também boas reduções.

O Jeep Compass 2.0 Flex tem uma direção elétrica leve e progressiva, bem como freios mais do que suficientes para sua proposta, além de um ajuste de suspensão que privilegia o conforto, sendo muito macia ao rodar e absorvendo muito bem os buracos e defeitos do asfalto, bem como as oscilações características de estradas de terra.

Em curvas rápidas e fechada, o SUV se mantém bem estável com pouca inclinação da carroceria, embora haja pequena saída de traseira, facilmente corrigível. Deve-se lembrar que ele tem de série controles de tração e estabilidade.

No caso do Jeep Compass 2.0 Diesel, a pegada é um pouco diferente. A começar pelo uso do motor diesel, que de sua parte não exige esforço para a maioria das tarefas. O ronco grave e a batida característica são atenuadas pelo bom isolamento acústico.

Para quem curte motores diesel, o pequeno 2.0 não decepciona, entregando muito força em baixas rotações e garantindo saídas bem confortáveis. O motor sobe rapidamente de giro, por ser um propulsor de alta rotação de ciclo diesel.

Na maior parte do tempo em ciclo urbano, ele gira em torno de 1.500 rpm, mas muitas vezes se aproxima de 1.000 rpm. É um motor que dá gosto de acelerar de forma moderada, visto que já tem disposição quase de imediato.

Mesmo em velocidade, consegue boas retomadas, exigindo muito pouco, inclusive do câmbio, que tem nove marchas bem escalonadas. Por conta do diesel, o ZF 9HP só consegue engatar a nona marcha pouco acima de 100 km/h, enquanto no Renegade Diesel isso nem ocorre a 110 km/h.

Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)

Rodando a 110 km/h, o Jeep Compass 2.0 Diesel está navegando em 1.600 rpm, o que é ótimo para conforto e economia. O nível de ruído é baixo e as respostas em aclives são suaves, com pouca ou nenhuma troca de marcha.

Pode-se explorar bem o motor com os paddle shifts ou com a alavanca em modo manual, mas só no automático já é o suficiente para uma excelente performance. Se o Renegade Diesel é bruto, o Compass Diesel é suavidade ao dirigir.

Com esse propulsor, o Jeep Compass 2.0 Diesel vai de 0 a 100 km/h em 10 segundos e tem máxima de 194 km/h. Os números são mais do que suficientes para uma condução sem pormenores. No consumo, ele faz bons 9,8 km/litro no ciclo urbano e 11,4 km/litro no rodoviário.

O SUV na versão diesel também vem com tração integral nas quatro rodas, que garante melhor condução em pista molhada ou pisos de baixa aderência, tais como areia, neve e lama. Pedras são incluídas na versão Trailhawk. Esta, por sinal, tem suspensão mais elevada, pneus diferenciados e estética exclusiva.

Em qualquer desses modos, o Jeep Compass 2.0 Diesel 2021 tem uma boa capacidade off road, modulando bem a força em cada roda e evitando ficar atolando em condições que muitos veículos 4×4 ficariam.

O gerenciamento eletrônico da tração transfere a força individualmente e entre os eixos, dando ao SUV capacidade de entrar e sair de condições bem ruins. Há também o controle de descida, que garante declives acentuados sem o uso de freio, sempre feito com segurança.

Além da redução eletrônica, essa versão tem ainda bloqueio do diferencial, que evita que as rodas girem em velocidades diferentes. Graças ao uso de aços de alta resistência, a estrutura do Jeep Compass 2021 é rígida o suficiente para que ele faça um pêndulo e ainda permita abrir as portas em pleno ar, sem qualquer interferência no abrir e no fechar das entradas.

Os bons ângulos de entrada e saída também favorecem o fora de estrada na versão diesel. Apesar de todo o esforço e valentia no 4×4, o SUV mantém a bordo conforto e comodidade, sem que os passageiros precisem estar preocupados com a situação externa do veículo.

No rodar, de forma geral, o Jeep Compass 2.0 Diesel tem os mesmos atributos da versão Flex, mas com maior robustez e força. O espaço a bordo também é bom e garante muito conforto na frente e atrás, bem como um generoso porta-malas de até 410 litros.

Os bancos são envolventes e seguram bem o corpo, tendo ainda múltiplos ajustes de coluna de direção e assento, inclusive elétricos no segundo caso.

Jeep Compass 2022 – manutenção e revisão

Enquanto aguardamos as informações sobre manutenção e revisão do novo motor 1.3 turbo, vemos que o Jeep Compass 2021 tem dois planos de manutenção com bons intervalos entre as paradas programadas.

A versão com motor 2.0 Tigershark Flex tem intervalos de 12.000 km, com custo de revisões de R$ 3.973 até 60.000 km, compreendendo cinco serviços.

Já a versão com motor turbo diesel 2.0 Multijet II, tem revisões a cada 20.000 km e até 100.000 km, o custo dos serviços programados chega a R$ 6.506.

A Jeep substituiu geralmente óleo do motor, filtro de óleo, filtro de combustível, filtro de ar, correia em “V”, fluído de freio e correia de comando no motor turbo diesel 2.0 Multijet II.

Já no motor 2.0 Tigershark Flex do Jeep Compass 2021, a marca americana acrescenta ao serviço a troca de vela de ignição, que só ocorre a 60.000 km.

Revisão Jeep Compass Flex

Revisão

Custo

Quilometragem

Preços Flex

12.000 km

R$ 441

24.000 km

R$ 672

36.000 km

R$ 767

48.000 km

R$ 693

60.000 km

R$ 1.400

Revisão Jeep Compass Diesel

Revisão

Custo

Quilometragem

Preços Diesel

20.000 km

R$ 721

40.000 km

R$ 1.085

60.000 km

R$ 1.524

80.000 km

R$ 2.117

100.000 km

R$ 1.059

Jeep Compass 2021 – ficha técnica

Motor

Motor 2.0 Tigershark Flex

Motor 2.0 Multijet Diesel

Tipo

Dianteiro transversal, Gasolina e Etanol

Dianteiro transversal, Turbo Diesel

Número de cilindros

4 em linha

4 em linha

Cilindrada em cm3

1995

1956

Válvulas

16

16

Taxa de compressão

10,6:1

16,5:1

Injeção eletrônica de combustível

Multiponto

Direta

Potência Máxima Líquida (ABNT NBR 5484)

Gasolina: 159 cv @ 6200 rpm / Etanol: 166 cv @ 6200 rpm

Diesel: 170 cv @ 3750 rpm

Torque Máximo Líquido (ABNT NBR 5484) 

Gasolina: 19,9 kgfm @ 4000 rpm / Etanol: 20,5 kgfm @ 4000 rpm

Diesel: 35,7 kgfm @ 1.750 rpm

Transmissão

Tipo

Automática 6 marchas

Automática 9 marchas

Tração

Tipo

Dianteira

Integral com reduzida eletrônica

Freios

Tipo

Disco ventilado / disco

Disco ventilado / disco

Direção

Tipo

Elétrica

Elétrica

Suspensão

Dianteira

McPherson, independente com barra estabilizadora

McPherson, independente com barra estabilizadora

Traseira

McPherson, independente com barra estabilizadora

McPherson, independente com barra estabilizadora

Rodas e Pneus

Rodas

Liga Leve aro 17 polegadas / Liga Leve aro 18 polegadas

Liga Leve aro 17 polegadas / Liga Leve aro 18 polegadas

Pneus

225/60 R17 / 225/55 R18

225/60 R17 / 225/55 R18

Dimensões

Comprimento total (mm)

4416

4416

Largura sem retrovisores (mm)

1819

1819

Altura (mm)

1635

1635 / 1654 (Trailhawk)

Distância entre os eixos (mm)

2636

2636

Capacidades

Porta-malas (litros)

410

410 / 388 (Trailhawk)

Tanque (litros)

60

60

Carga útil, com 5 passageiros mais bagagem (kg)

400

400

Peso em ordem de marcha (kg)

1527

1751

Coeficiente de penetração aerodinâmica (Cx)

ND

ND

Leonardo Andrade
Leonardo Andrade

Leonardo atua no segmento automotivo há quase nove anos. Tem experiência/formação em administração de empresas, marketing digital e inbound marketing. Já foi colaborador em mais de sete portais do Brasil. Fissurado por carros, em especial pelo mercado e por essa transformação que o mundo automotivo está vivendo.

114 comentários em “Jeep Compass 2022: preço, motor, consumo, versões (e detalhes)”

      • Se for o Compass com apenas 2 airbags será um pesadelo em uma colisão lateral e/ou em capotamento posto que o risco de morte é maior. Automóveis com menos de 6 airbags e/ou estrutura decente são carros da morte.

        • Recomendo que você procure o teste do NCap do Renegade com apenas 2 airbags. Como os dois carros usam a mesma estrutura os resultados serão se não iguais serão próximos. Podem criticar isso ou aquilo nos jeeps feitos em pernambuco, mas segurança eu creio que não.
          É evidente que quanto mais airbags melhor, mas sem uma estrutura adequada são apenas saquinhos de ar.

          • Carros da morte são automóveis que têm menos de 6 airbags e/ou sem estrutura decente posto que em acidentes como capotamentos e colisões laterais as chances de morte dos passageiros são maiores. Carros com 6 airbags e sem estrutura decente (como o Peugeot 208) também são veículos da morte. Os Jeep podem ter estrutura decente, o que é bom, mas se forem equipados com menos de 6 airbags eles serão carros da morte e oferecerão + chances de óbito aos ocupantes do que em carros com 6 airbags ou +.

          • Na boa dependendo do tipo de acidente, não existe air bag que de jeito, ( me desculpe lembrar mas o acidente do Cristiano Araújo é um exemplo) onde um carro cheio de air bags e muita segurança embarcada não salvou a vida de dois dos ocupantes. A maior segurança é sem sombra de dúvidas é você, ele e eu dirigirmos com prudência, pois se vc fizer a sua parte no trânsito, nunca vc precisará de 20 air bags num carro.

            • No acidente citado os ocupantes do banco traseiro estavam sem cinto. Erro grave e infelizmente comum.
              O carro pode ter a segurança que for, pouco adianta se os ocupantes são arremessados na colisão por estarem sem cinto de segurança.

      • É aí onde vc é muitos outros se enganam. Jeep não é nem nunca foi uma marca Premium. Ela nada mais é do que os SUVs de uma Fiat renovada.
        Compass não passa de um SUV médio normal. Não vejo problema na versão de entrada ter apenas os 2ab obrigatórios pra aumentar vendas (afinal se não tivesse airbag venderia tb) mas na intermediária devia ter os itens extra de segurança e na top todo os restos dos itens de conforto e tecnologia…

          • Olha, em um Brasil perfeito poderia até ser, mas estava pensando mais com o que temos hoje…
            Até porque o foco de um SUV é de ser familiar e precisava ter segurança pra todos…

            • Hoje temos carros que custam menos e tem um pacote de segurança melhor. Em um Brasil ideal seria de série em qualquer produto. No final mostra que segurança está bem longe de ser um fator determinado nas vendas.

              • É uma pena, porque alguns estão tentando conquistar clientes com mais equipamentos de segurança, mas se isso não resulta em nada, o que eles fazem? Capam tudo, criam a versão de entrada barata, sem nada é daí sim a venda sobe…
                Se ao menos as vendas começassem a se dividir, tipo o Argo realmente tirar vendas do Onix pq oferece Isofix, cinto de 3 pontos traseiros e uma plataforma mais segura, já faria a GM se mexer, colocar Isofix, talvez até reforçar a estrutura e patrocinar um outro teste e assim o consumidor ia ganhando aos poucos…
                2018 terá uma grande mudança, vamos ver o que vem por aí…

                  • A S10 não tem Isofix?!
                    A GM é muito atrasada nisso, pqp… Só colocaram agora no Cobalt, o sedã mais familiar que eles tem, e ainda assim não colocaram o cinto de 3 pontos pra quem vai no meio…

                    Onix vende a rodo do jeito que é, sem isofix nem cinto 3 pontos no meio, nem apoio de cabeça no meio, nem reforço lateral nem nada… S10 vende razoavelmente bem também, é outra que ninguém nunca falou que não tem isofix e vende normalmente… (honestamente nesse mundo de picape média, nem sei quais tem…)

                  • Ja eu, estou candando e agando para ISOFIX, nao faço a menor questao e nem nunca desejei ter filhos. Se isso aumentar o preco do carro em 10 reais, eu prefiro que nao tenha mesmo!… :-)

                    Idem bobagens como cinto de 3 pontos e encosto de cabeça para quem viaja “no meio” do banco de tras… Nada disso me interessa. Prefiro 1 zilhao de vezes sensores de chuva e crespuscular, e a central de multimidia com tela de 8 polegadas ou maior. E o banco de couro.

              • Estava pensando nos “fatores determinantes de venda”. Aqui, falamos sempre no Onix, que é zerado de estrela e vende muito. Tem também a recente pesquisa que mostrou que os brasileiros querem carros econômicos (mas aí compram Onix tbm..). Pelo visto o negócio é o seguinte: o brasileiro “quer” economia e segurança, mas não entende NADA de economia e segurança.
                Por exemplo: o consumidor A quer economia, logo, pensa em comprar um “carro 1.0”, pois está na cabeça dele que estes veículos são econômicos, qlq um! Mesmo um Uno com motor fire (9/l na cidade com gasolina) ou um Onix (11/l). Ele não sabe que tem uma onda de motores 3 cilindros que fazem 14, 15/l na cidade.
                O mesmo acontece com a “segurança”. Eles olham para o airbag e o abs e imaginam que estão salvos. Não sabem que a Peugeot tirou as barras laterais do 208, que o Onix é feito de latas de Nescau usadas, que o QQ sai voando se alguém assoprar contra…

          • Exato, opcional, de airbags… Nem preciso dizer a quantidade de usados Compass Sport terão por ai só com 2ab pq o investimento do pacote opcional safety é perdido no valor do usado… Fora que as css estão cgando e andando em encomendar com pacote safety, 90% do pátio é de versões com 2ab, mas com teto solar, couro e CMM maior e etc…

              • This. O que é valorizado na compra é roda de liga e cmm, então aumentou o número de carros que oferecem.

                Em compensação os air-bag e abs só se tornaram regra por força de regulamentação, e não pela maturidade do mercado brasileiro (que convém admitir, influenciada pelos impostos extorsivos do Estado).

        • E a parte do não produz nada também é errônea. Brasília tem trabalhadores como outra cidade qualquer. E, se querem saber. quem estraga a cidade e ganha dinheiro pelo ralo é o bando de políticos, eleito nos outros estados, que vai lá de terça a quinta sangrar os cofres públicos.

            • Não cabe aqui ficar discutindo sobre um comentário totalmente inoportuno e mal informado como o seu, caro amigo. Assim como eu, várias outras pessoas se indignaram com a sua ignorância sobre Brasília. Você vai se dar ao trabalho de discutir com todas elas? Fui professor e músico em Brasília por quase 40 anos e, repito, posso te garantir que o lado podre de Brasília vem de outros estados, inclusive do seu!!
              Agora, o Jeep Compass, por enquanto, é uma grande porcaria que deixa todo mundo na mão. Bem bonito e equipado mas o principal em um veículo é ser confiável, e isso ele ainda não é!

              • Caro,
                Você está mal informado. Nasci e morei em Brasília por toda a vida. Não acredito que a culpa seja do povo de Brasília pelo que acontece neste país. Apenas constatei um fato. Não existem industrias em Brasília por um impedimento constitucional. Brasilia foi criada para ser e é uma cidade administrativa e é por esta razão que grande parte de sua população é constituída por funcionários públicos. Estes também não tem culpa por receberem o que recebem, se recebem de forma legal.

      • Não produz nada???
        Certeza que você nunca veio a Brasília!
        Sou produtor rural aqui do DF. Aqui se tem uma das maiores produtividades por área do Brasil. Aqui se produz soja, milho, trigo, gado, frango, suínos.
        Temos inúmeras indústrias dos mais variados setores que se possa imaginar, metalurgia, farmacêutica, insumos agrícolas, alimentício, etc, etc, etc.

    • Cara, essa linha de raciocínio é da década de 90. Homem do cafezinho e ascensorista ganhando salários absurdos não existe mais. Foram distorções estúpidas de um passado bizarro, uma janela que se fechou há tempos. E pra variar, comuns no legislativo.

      A maioria desses já faleceram ou se aposentaram.
      E a parcela de servidores públicos é minúscula quando comparada à população, ainda mais que faltam servidores em inúmeras áreas (não confunda servidor com cargo comissionado).

      O que define os preços são outras coisas: burocracia e corrupção.

      • Pelo jeito tu não tem acompanhado ultimamente os jornais. Procura aí sobre os supersalários da CAESB. Tem nego ganhando mais de 100.000 e o povão pagando taxa extra de contingenciamento.

        • Sim, mas não são homens do cafezinho, ou cargos de atribuições simples. E são poucos, representam uma % minúscula diante do todo, tanto que (até que enfim) esses casos foram identificados e rastreados.

          Só quero dizer que isso não é a regra ao ponto de influenciar preço de carro por supostamente envolver uma parcela considerável da população. A maioria de Brasília rala como em qualquer lugar no mundo, normal.

          E como qualquer um com bom senso, espero ansiosamente pelo fim dessas bizarrices.

          • E o judiciário? E as mega aposentadorias? E os diplomatas? E o carpeteiro do congresso que ganha 8 mil/mes? E o kra do xerox que ganha 20 mil/mes? Se vc pegar o portal da transparencia vc fica revoltado com tanto salário altíssimo pra quem não faz nada que justifique, nem país de primeiro mundo é assim, e sabemos que se fossem empresas privadas jamais ganhariam isso. O Estado custa caríssimo e não da retorno. Tem cidade minuscula que tem de 9 a 12 vereadores ganhando 15 mil por mês pra não fazer nada. É muita ineficiencia pra um país só. Não é a toa que Brasilia tem o maior PIB per capita do país, sem ter uma industria de grande porte.

          • Tem motorista na Caesb que recebe mais do que muito engenheiro com mestrado e doutorado. E não, não foram rastreados e identificados, simplismente caíram na mídia. Procura na Ceb, no Brb e em outros órgãos ou empresas estatais que você vai se assustar.

            • Você está falando como se isso não existisse no Rio, SP ou Minas. Em todo o Brasil existem essas distorções. Brasília não seria diferente. Esse discurso é uma boa maneira de dizer: eu e meu estado não temos nada a ver com isso!

              • E por acaso você acha isto correto? Não me interessa se existe no Rio, SP, Minas ou em todo o país. Este inchaço da maquina pública não pode existir. Primeiramente existe um teto constitucional, portanto, para começo de conversa, isto já está errado.

                • De maneira nenhuma, caro amigo candango! Você está corretíssimo em tudo que disse, exceto por dizer inicialmente que a culpa do preço do automóvel ser alto seria de Brasília. O Brasil já era esculacho e os supersalários já existiam muito antes de Brasília existir! Concordamos? Grande abraço 🤗

                  • Amigo,
                    Em momento nenhum disse que a culpa é de Brasilia. Agora acredito que tivéssemos um estado mais eficiente, com menos aparelhamento, provavelmente teríamos condições de ter menos impostos e consequentemente os preços tenderiam a ser menores. Agora isto também não é garantia uma vez que a corrupção é endêmica neste país. Um abraço

      • olha acho colega..basta olhar os numeros de manutenção do congresso…. do judiciário/ legislativo/ câmara..beiram a insanidade…aquele coleginha de preto ,que fica em pé atrás do presidente da câmara, quando ele está presidindo uma seção,… ganha seus 15k, mais ajuda… fácil…e oura coisa, servidor e comissionado, faz diferença???..ambos trabalham em pró de um politico, seja onde for…por valores salariais+ ajuda+ viagens…definidos pelo próprio bemfeitor/ colega/ amigo…O ” famigerado eleito”…o povo comissionado deveria ter sido cortado..e substituido por concursados…pergunto se alguém fez isso???? a relutância é forte…pois implica interesses politicos/partidários…

        • Isso existe em qualquer estado e qualquer Câmara Legislativa. Aliás, o assunto aqui é o pobre do Compass, bonitinho e ordinário. Campeão de reclamações e tapeador do consumidor brasileiro. A culpa não é de Brasília nem de nenhum estado, a culpa é de quem compra porcaria por preço de coisa boa.

  1. A Jeep sempre se mechendo, já a Honda se acha a rainha do pedaço, aumenta o Hr-v em até 2 mil e não agrega nada… rodas linda hein, a Jeep acertou nesse carro.

    • HR-V não compete com o Compass… Ele usa plataforma do Fit e motor 1.8… e a top de linha dele bate com a de entrada do Compass, então…
      CR-V vem aí ano que vem ou final desse ano com motor 1.5T na casa de 150k… Se a Honda quiser uma fatia desse mercado ela lança com o 2.0 e 4×2 na casa de 120k, e é capaz de tirar boas vendas do Compass… Mas acho difícil… Eles estão por cima da carne seca…

        • CRV tem 4,53 de comprimento e 2,62 de entre eixos e 1,82 de largura. Compass tem 4,41 x 2,63 x 1,82… É tudo muito próximo…
          O próximo CRV talvez seja maior, mas não achei o tamanho dele.
          Problema da CRV é que além mega caro, só tem o 2.0 com tração 4×4 que deixa o carro obeso e lerdo. Horrívelmente lerdo. Mas a comparação correta do Compass é com ele… Hoje ele é um player comediante dentro da Honda… Só leva mesmo quem é muito fanático…

            • Possivelmente. O 1.5T deles é só Gasolina e isso elimina muitos clientes da lista, e não tem outra opção aqui que seja flex, a não ser que passem o 1.5T pra flex…
              A Honda tinha que pensar melhor e lançar 4×2 com o 2.0 e deixar a 4×4 pro 1.5T, porque a 4×4 é pesada demais pro 2.0…

                • O 2.0 mesmo no carro pesado é só ter a configuração de acelerador sensível e primeira bem curta como fazem no Compass pra abafar essa sensação de carro lento.
                  O Compass mesmo é apenas razoável com o 2.0, pode ler em todas as reviews do carro que todo mundo elogia a saída vigorosa do carro, e isso inibe o uso diário do carro ser lento, mas em contra partida, o consumo desse carro é alto…

                • Tendo alguns players de mercado turbinados com um motor mais economico? Seri de se pensar já que a politica de preços da Honda é sempre mais alto junto da Toyota por aqui.

                  • Edson, não seria somente o novo Tucson que tem motor turbinado? A Sportage, que eu saiba, continua com 2.0, assim como o Compass. Ah, tem o 3008 com o seu THP.
                    Mas em termos de vendas, o CRV se alinharia ao de maior venda que é o Compass.
                    De qualquer maneira, seria melhor o CRV vir somente com o 1.5T, mas com uma versão mais “em conta” em vez do 2.0.

                    • Concordo contigo e é isso mesmo. Mas o que eu quero dizer é o fato de existir versões de outros produtos tbm que possuam possibilidade de motorizações adequadas.

                      Outro modelo turbinado é o Tiguan. Mas o CRV em minha visão por conta do preço que a Honda cobra, ele deveria vir apenas com o 1.5 de fato.

      • Discordo de que o Compass Sport e o HR-V LX são equivalentes.

        Se não me engano, o Sport ainda conta com diversos itens interessantes ausentes no LX, como GPS, espelhamento de smartphone, start-stop, ar condicionado automático de duas zonas, sensor de estacionamento e monitoramento de pressão dos pneus dentre outros pormenores nos quais também é superior.

        Pelo menos, a nível Brasil, acho o Compass razoável e o HR-V um absurdo.

        • Concordo que o Hr-V é um absurdo, ainda mais pelo fato de usar a plataforma do Fit…
          Dai vem o fato de que o Fit é outro absurdo de mercado, que custa 67k na LX CVT… Devia custar no máximo 57k de tão pobre de equipamento que ele vem, se somar os 20k de diferença que é hoje de Fit pra HR-V, o HR-V devia custar no máximo 77k na LX…
          A Honda hoje precifica seus carros 10k acima do mercado… pode tirar 10k de todos os carros dela, e vc vai ver que fica compatível com os concorrentes de mercado…

          O Compass adicionou agora estes itens que você citou, e sim são bons itens considerando o valor do carro, mas ainda assim, são 18mil a menos de um pra outro… Não estou defendendo o Hr-V, apenas dizendo que ele esta em outro setor de comparação…

          • O problema não é a plataforma já que ela é bem desenvolvida e pode receber tudo que igualaria em termos de itens de série, mas sim a falta de itens de conforto.

            Ainda que eu entenda que a comparação seja com o HR-V (compacto), mesmo o CR-V não é tão completo quanto o Compass.

  2. O 3008 é um espetáculo, mas é um carro pra Shopping, e investiram muito em conforto e sofisticação, mas deixaram a segurança para segundo plano. No fim é um carro pra ir para shopping.
    O Compass principalmente na versão diesel é um carro muito mais robusto, que encara tudo, SUV de verdade. Além de ser disparado o mais completo em segurança, que pra mim, é o mais importante. Compass, sem dúvida!

  3. Faltou citar no texto que agora a versão Limited vem de série com pacote high tech, que adiciona piloto automático adaptativo, monitoramento de mudança de faixa, farol alto automático, aviso e prevenção de colisão frontal, partida remota do motor, assistente de estacionamento automático, faróis de xenônio e aviso de ponto-cego de série.

    • O Cruze LTZ2 tem isso (com exceção do xenônio e piloto automático adaptativo) por R$ 112.000 (ou por R$ 102 se conseguir pegar uma unidade 16/17 – ou R$ 106 no 17/17 na negociação). Faz ainda 8 km/l na cidade e 13 km/l na estrada no etanol. Mas no meu entendimento preço, consumo e comportamento dinâmico são suas únicas vantagens. As outras são do Compass, inclusive acabamento.

  4. Pensei que viria com alguma alteração no conjunto câmbio / diferencial que não aguenta o uso off-road. Mas em vez disso vem com pneus 19″ perfil baixo para enfrentar as estradas brasileiras.
    Bom mesmo é o custo de reposição quando sai da garantia: Câmbio ZF9 custa R$ 60.000,00 e o diferencial R$ 38.000,00.
    Conheço 3 donos de Renegade (mesmo conjunto) que já deram quebra do diferencial, mas foram substituídos em garantia…

  5. Com o preço dos combustíveis na estratosfera, eu como consumidor analiso primeiro segurança e depois consumo de combustível.
    Pelo que já li, o compass Flex consome muito. Tem vários depoimentos de proprietários criticando o consumo.
    Uma pena pois o carro é lindo.

  6. A 110 mil nao acho o modelo Sport tao díspare assim. Afinal vem bem equipado em relação aos SUV menores. E digo mais: uma versão Custom, com rodas de aço, ar manual,sistema de som mais simples , entre outras simplicidades ( mas sem exagero FCA) , poderia fazer alguma graça no mercado. Inclusive pra órgãos e frotistas, penso eu.
    Meu sonho e uma Limited Diesel 4×4…

Deixe um comentário