Direção hidráulica dura, o que pode ser?

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

O sistema de direção é um dos itens mais importantes de um automóvel. É com ele que é possível de fato guiar um carro, mas este dispositivo possui algumas particularidades.

Basicamente, ele pode ser mecânico, hidráulico ou elétrico, sendo que o segundo tipo ainda é o mais utilizado nos veículos no mercado brasileiro. Porém, se a direção hidráulica estiver dura, o que pode ser?

Em qualquer sistema de direção, é importante que o dispositivo esteja em pleno funcionamento para que haja segurança ao conduzir. Um defeito na direção pode causar um acidente muito grave, inclusive com a possibilidade de fatalidade envolvendo motorista, passageiros e terceiros.

Por isso, é necessário prestar muita atenção no que a direção possa estar transmitindo às mãos do condutor.

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

No caso de direção hidráulica, o sistema é acionado por pressão de um fluido hidráulico (como o nome diz) que funciona como assistência ao esforço de virar o volante, reduzindo assim a carga de trabalho para o motorista.

Esse auxílio permite que a direção fique bem leve, ajudando em manobras e independente do tamanho ou peso do veículo.

Mas o que acontece com a direção hidráulica dura? Esse endurecimento do sistema pode ter diversas causas. Por isso, é bom observar as possíveis causas para a falha do sistema. Confira abaixo:

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

Fluido hidráulico

A direção hidráulica tem um tipo de fluido químico (DOT) que é utilizado dentro de um circuito fechado e pressurizado, onde ele circula para reduzir os esforços ao volante.

Como todo fluido, este também tem características que precisam ser atendidas, mas o que mais acontece é o complemento errado do nível do mesmo.

Assim, com uma quantidade maior do que o necessário, o fluido acaba acumulando resíduos no circuito hidráulico e perdendo a eficiência. Por isso, o recomendável é manter o nível ideal do fluido.

Tais resíduos podem entupir os dutos do sistema e até mesmo danificar a bomba da direção.

Estes dois problemas são graves, pois imediatamente a direção hidráulica perde eficiência e passa a ficar dura, reduzindo a assistência ao volante e tornando o sistema mecânico novamente.

Além de exigir um esforço muito maior para fazer manobras e durante a condução, o motorista pode ser surpreendido em uma curva comum, onde antes ele exercia uma força muito menor e agora ele precisará de um esforço extra.

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

Falta de fluido

Outra possível causa para a direção hidráulica dura é a falta do fluido dentro do sistema. Assim como o excesso também deixa o dispositivo mais duro, a falta do óleo que circula no sistema também pode gerar um problema.

É importante, nesse caso, observar o nível do fluido, que não deve estar abaixo do mínimo indicado.

A falta do fluido imediatamente aumenta o esforço ao esterçar a direção. A causa para isso provavelmente é um vazamento no circuito hidráulico, que reduz o nível interno e exige dos componentes maior esforço.

Esse vazamento pode ocorrer em diversas partes do conjunto, sendo necessária uma inspeção para se verificar o local exato do vazamento e consequentemente seu reparo.

A contaminação do fluido também aumenta a rigidez da direção hidráulica, fazendo com que os resíduos entupam o filtro e tais impurezas atinjam o compressor do sistema, que é acionado mecanicamente (ou eletricamente no sistema eletro-hidráulico).

Para verificar o nível, é preciso que o motor esteja frio e o carro em um lugar plano. Caso esteja abaixo do mínimo, adicione uma quantidade do mesmo tipo de fluido (DOT) para completar até o mínimo exigido, jamais passando dessa marca para evitar os problemas citados acima.

A fata de fluido no sistema também gera ruídos ao esterçar o volante, indicando um esforço extra do sistema para virar as rodas. Isso é prejudicial ao sistema se permanecer por muito tempo dessa forma.

O reservatório de fluido fica no cofre do motor e é facilmente identificável. Este pode ter medidores de nível por vareta ou marcações no corpo do próprio reservatório.

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

 

Correia

Mais uma causa para a direção hidráulica dura é a tensão da correia. Normalmente, os carros modernos possuem uma correia universal, chamada “Poly-V”, que aciona diversos sistemas do veículo ao mesmo tempo.

Porém, esta possui um tensor de pressão, que deixa a correia na tensão certa para mover de forma correta as polias acionadas.

Se a tensão for baixa, a correia irá patinar ou escorregar sobre as polias, especialmente a da direção hidráulica. Nesse caso, por não girar na velocidade normal de trabalho, o compressor reduz a pressão no circuito hidráulico e isso afeta diretamente o esforço ao volante.

Por isso, é necessário manter a tensão correta dessa correia (ou da correia exclusiva, se for o caso), ajustando o tensor.

O desgaste da correia ou sua quebra também acarretam no endurecimento imediato da direção, assim como do tensor. O mesmo vale para o motor, se o mesmo desligar com o carro parado ou em movimento, pois o acionamento mecânico da bomba foi interrompido.

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

Outras causas

Outras causas podem gerar uma direção hidráulica dura. As mangueiras do circuito hidráulico, por exemplo, podem estar com vazamento ou obstruídas.

Além disso, a própria bomba de compressão do fluido pode estar com baixa pressão devido a diversos fatores mecânicos.

Mas não para por aí. A coluna de direção pode estar desalinhada, assim como o mecanismo do sistema de direção pode estar avariado em alguma parte. O sistema de direção também pode apresentar problemas em terminais de direção com pivôs danificados.

Direção hidráulica dura, o que pode ser?

Substituindo o fluido

A troca do fluido da direção hidráulica é necessária quando há uma problema no sistema ou quando se faz um reparo, onde é preciso mexer no conjunto da direção.

Porém, como todo óleo, há um prazo de validade para este fluido. Assim, dependendo do modelo, o período de troca varia bastante, mas normalmente se dá acima de 50.000 km.

A recomendação é realizar a troca em uma oficina especializada, que vai oferecer um serviço com garantia. Mas, se for fazer em casa, é necessário levantar o carro, deixar as rodas livres, esterçar para um dos lados, completar o óleo, esterçar para o outro, e fazer o mesmo.

Com o motor em rotação baixa, esterçar diversas vezes. Por fim, com o carro no chão, verificar o nível e observar se não há bolhas de ar no reservatório.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.