Honda Manutenção Sedãs

Honda Civic – defeitos e problemas

Honda Civic - defeitos e problemas

Defeitos e problemas – O Honda Civic é um sedã médio muito desejado pelos consumidores que procuram um carro nessa categoria, especialmente por conta de seu design bem expressivo, especialmente na chamada geração 10, que deu um ar mais esportivo ao produto, algo bem diferente da anterior, a geração 9, que tinha um ar mais elegante e sóbrio, fruto de uma atualização após o famoso New Civic.


Sempre com bom espaço interno e porta-malas condizente com a proposta, o Honda Civic é um carro conservador de modo geral. Na geração 9, por exemplo, tinha câmbio automático de cinco marchas, enquanto o motor basicamente era 1.8 ou 2.0.

Na geração 10, o Honda Civic ousou em acrescentar um 1.5 Turbo de 173 cavalos e ainda trocou o câmbio automático padrão por uma caixa CVT, trazendo mais eficiência no consumo. Mas, nem tudo são flores.

Como qualquer produto, o Honda Civic sofre com defeitos e problemas. Em nossa pesquisa por sites de opinião, de reclamação e clube de proprietários, descobrimos alguns motivos que levaram seus donos a reclamar do carro. Neste artigo, pesquisamos duas gerações mais recentes do sedã médio japonês. A geração 9 – a anterior – e a 10, a atual. Então, confira abaixo:


Honda Civic - defeitos e problemas

Honda Civic – Defeitos e problemas

Civic G9

Essa geração anterior do Honda Civic, ainda muito influenciada esteticamente e estruturalmente pelo New Civic (G8), apresenta várias reclamações de seus proprietários sobre defeitos e problemas, sendo que as mais crônicas estão relacionadas com o tensor de correia Poly-V, aquela externa que aciona diversos sistemas periféricos do motor, lembrando que o motor 1.8 ou 2.0 i-VTEC não possui correia dentada, mas corrente.

Em um dos relatos, o proprietário de um Honda Civic fala sobre a necessidade de trocar a correia Poly-V aos 34 mil km, uma quilometragem muito baixa para a troca de um item tão importante e durável no motor 1.8 i-VTEC, usado no carro mencionado. Outro caso apontou a troca da correia também na mesma época, após 35 mil km rodados.

Um dono de Honda Civic G9 comentou que o serviço de substituição lhe custou R$ 600, sendo que o carro já não estava na garantia. Ele menciona que muitos outros dizem que só trocaram a correia após 100 mil km.

Diferente do G10, o Civic G9 utiliza um câmbio automático de cinco marchas, mas este apresentou leves trancos em alguns carros, sendo que num deles, o serviço de assistência disse não ter solução. Ainda na mecânica, há reclamação quanto à quebra de bucha da bandeja de suspensão, o que requer sua substituição.

Honda Civic - defeitos e problemas

Barulhos e ruídos

Uma citação quase geral no caso do Civic G9 é a dureza da suspensão, que incomoda muitos donos do modelo. Não se sabe o motivo, mas essa rigidez poderia estar afetando outras partes do carro. Num relato, o dono fala que o carro faz muito barulho em pisos irregulares. Ele não é o único, pois outro proprietário fala que o painel vibra demais nessa situação.

Há outras reclamações de barulhos no painel, sendo que um deles, o dono disse que uma fita acústica foi utilizada pela rede autorizada e resolvido a questão. Alguns casos também foram resolvidos na garantia, outros não. Mas, não é somente o painel que gera reclamação. Um item em particular chega a ter número grande de relatos.

O apoio de braço central (móvel) também faz barulho na opinião de muitos donos, sendo que um deles disse que a peça simplesmente solta ao ser manuseada. Os vidros das portas dianteiras igualmente são outra fonte de ruídos a bordo do Civic G9. Isso acontece com eles totalmente abaixados ou meio abertos, segundo os donos. Alguns foram resolvidos na garantia.

Outro item que gerou reclamação é a tampa do reservatório de água do limpador, que rachou mais de uma vez com um dono. No caso dos pneus, donos do G9 dizem que os pneus originais de fábrica não duravam, sendo que um deles foi preciso ser trocado aos 23 mil km! O proprietário teve que trocar de marca (não informou qual) para ter mais durabilidade.

Nas rodas aro 17 polegadas, especialmente versão LXR, os donos dizem que o pneu é muito baixo para a realidade brasileira, o que significa bater a roda em buracos com certa frequência.

Existem reclamações gerais sobre o custo elevado dos serviços de pós-venda, dentro e fora da rede Honda, assim como os preços das peças, exageradamente elevados. Também reclamam do consumo alto na cidade, tanto com álcool quanto com gasolina.

Honda Civic - defeitos e problemas

Civic G10

A geração 10 é a atual do Honda Civic, mas isso não quer dizer que o modelo não tenha defeitos e problemas. Por ser um carro muito recente, mas não deixando de lado o fato de ser um bom projeto, o sedã médio tem uma quantidade muito menor de reclamações, mas elas existem.

O que chama atenção no caso do Civic G10, é que muitos casos são de defeitos e problemas ocorridos pouco depois da aquisição do carro, ou seja, em quilometragem muito baixa. Num deles, as pastilhas de freio tiveram que ser substituídas com apenas 3 mil km rodados, sendo que nesse caso, o dono teve que arcar com o serviço e as peças, visto que não é coberto pela garantia.

Noutro caso, o Civic G10 (EXL) teve as velas trocadas com apenas 5.300 km após uma pane que imobilizou o carro. Segundo o dono, os itens são trocados aos 60.000 km. Além de cobrarem o serviço, que no caso era de R$ 647, ainda forneceram ao cliente um carro reserva (modelo VW Fox) com câmbio manual, sendo que o motorista tem problemas numa das pernas.

Um Civic G10 estava com problemas ao ligar. Quando o dono foi até a revenda, foi necessário a troca dos injetores de combustível. O carro estava com 7 mil km rodados. Defeito em amortecedores, por exemplo, foi citado por um dono, que teve duas trocas aos 4.000 km.

Numa viagem, um Civic EXL teve o filtro de combustível danificado com apenas 200 km rodados. A revenda queria cobrar o item e o serviço, mas o cliente exigiu a inclusão na garantia, afinal, tinha mal tinha começado a rodar. Um relato fala de quebra em coxim do motor rompido, o que teria levado ao vazamento de óleo, assim como coxim do câmbio quebrado.

Noutro, o dono teve diversos problemas, entre eles suspensão sem o aperto necessário, assim como alerta de 5 erros: verificar sistema de freios, verificar sistema HSA, Verificar sistema de direção, verificar sistema VSA, verificar sistema brake hold. Isso tudo com apenas 13 mil km.

Honda Civic - defeitos e problemas

Ar não gela

Com apenas 6 mil km rodados, outro Civic G10 teve o compressor do ar-condicionado trocado, pois simplesmente pifou. Num carro comprado zero km, o item foi trocado pouco tempo depois da retirada da revenda.

Outro fala em troca com 10,5 mil km, enquanto mais um caso cita 10 mil km (revisão), aonde o compressor teve que ser trocado, pois o ar não gelava o suficiente. Todos foram trocados na garantia. Também existem reclamações de barulhos no ar-condicionado quando em marcha-lenta.

Barulhos e ruídos

No Civic G10, reclamam de barulhos no painel, assim como suspensão dianteira, onde num caso, o dono teve o carro parado por 7 dias, mas o problema não foi resolvido.

Desgaste prematuro apoio de braço é relato em alguns casos, assim como a multimídia com defeito, onde não funciona o rádio FM e o dispositivo desliga sozinho. Nenhum caso foi resolvido pela rede autorizada.

Barulhos estruturais nas soldas e vidros traseiros com ruídos foram relatados por um dono da versão EXL, que relatou que seu carro ficou 30 dias carro parado). Outro também reclamou de defeitos e problemas nos vidros traseiros.

[Fonte: Civic Club/Reclame Aqui]

Honda Civic – defeitos e problemas
Nota média 4.7 de 7 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Phantasma

    Tivemos alguns na família, do G9 para o G10 é perceptível o empobrecimento, principalmente no interior, chega a ser ridícula a diferença de qualidade entre o couro do G9 e o plasticouro do g10. Já disse uma vez e repito: Honda não vive seus melhores dias no Brasil, exceto o HRV que vende muito por estar no segmento do momento, o resto da linha está esquecida.

    • Eu já achava o interior do G9 bem pobre em termos de materiais utilizados. O painel em plástico rígido destoa da média da categoria. Quanto ao couro, há outros concorrentes que usam igual artifício, como o Jetta. O aspecto visual é realmente bem mais pobre que o do couro natural. Mas até que é uma solução funcional, por assim dizer.

      • Phantasma

        Nós tivemos um G7 e um G8, nunca deram um problema e eram muito bem acabados. O G10 fomos ver mas não gostamos. Infelizmente o plástico sem-vergonha hoje está em todos os médios, no máximo uma faixa emborrachada, a exceção do Jetta, apesar que por experiência própria, soft-touch não resolve em termos de barulhos, ao menos os plásticos tdeveriam ter um aspecto melhor.

        • TchauQueridos

          Na minha opinião o G8 foi o mais bem elaborado e mais bem acabado até hoje.
          O G9 teve um empobrecimento muito nítido nos materiais do painel e nos bancos.
          O G10 ainda carece de refinamento para ocupar a faixa de 100K.
          Os pneus realmente não duram nada, principalmente os GoodYear Excelence que vinham no G8.

        • Para os sedãs médios, os “esquecidos” C4 Lounge e Peugeot 408 são referência em materiais de revestimento interno. Os painéis são muito bem emborrachados, assim como o topo das portas.
          O Jetta tem o painel emborrachado, mas que visualmente é bem pouco inspirado (é bem “curtinho”). Mas o problema dele mesmo está nos forros de porta, muito ruins em material e aparência.
          Eu, que tive Jetta e C4 em sequência, posso dizer que em termos de solidez dos materiais de acabamento após 60-70 mil km rodados, o Citroen se saiu bem melhor. Sem ruídos de acabamento perceptíveis ao fim de 4 anos de uso. O Jetta sempre teve uns “grilinhos” que iam e vinham com o passar dos quilômetros. Isso sem falar em um “tec-tec” irritante da suspensão em curvas feitas sobre pisos irregulares.

          • Marcelo Martins

            Eu tenho um 408 que está com quase 10 mil Km e está tudo perfeito sem nada a reclamar, o carro é excelente … grande, macio, confortável, potente, ágil e rápido, muito prazeroso de dirigir !! pena que ninguém comprava e agora a PSA tirou do mercado, com certeza trocaria por outro sem pensar 2 vezes !!!

            • Danny GC

              psa nao tirou do mercado, ainda tem 408 reestilizado pra comprar e mais barato ate: griffe thp

              • Deadlock

                O fato é que um Honda dura muito mais que um Peugeot. E vc se incomoda muito menos, além de ser muito mais fácil de revender. Mas, cada um faz suas escolhas e isso deve ser respeitado, mesmo porque é o adquirente que vai utilizar e ninguém tem nada a ver com isso. Eu já tive um fusca e para mim era o melhor carro.

            • Belo carro, mesmo. O interior dele é ainda mais bem cuidado que o do Lounge, em minha opinião. E há a vantagem do porta-malas maior.
              Em 2014 só escolhi mesmo o C4 por conta da preferência pelo design. Achei a traseira do 408 um pouco desconectada do resto do desenho do carro.

              • Marcelo Martins

                Qdo comprei no final de 2017 tb fiquei com muita dúvida entre o C4 que acho mais bonito por fora e o 408 que acho mais legal por dentro e maior tanto o porta malas qdo a cabine que é mais larga e tb vem de fábrica sensor de estacionamento, e depois de pensar muito e pesar prós e contras de cada um, acabei optando pelo 408, mas o C4 tb é um baita carro !!

                • O C4 em 2014 também contava com os sensores dianteiro, traseiro e de presença lateral de série. Foi tudo “capado” na virada para a versão flex em 2015/16.
                  Fiquei com o carro por 4 anos e 70 mil km. Algumas coisas para arrumar em garantia, mas tudo feito nos conformes. Não tenho do que reclamar.
                  Da Peugeot, temos em casa um 208 Griffe automático (ainda 4 marchas). 70 mil km até agora e nada a relatar com exceção de uma troca da corneta da buzina, que queimou por volta dos 60 mil km (R$ 85,00).
                  Hoje estou com um Aircross Shine (6 marchas) com seus 4000 km rodados. Carrinho familiar muito agradável e funcional, a despeito de não se aproximar do Lounge em requinte e desempenho. Até agora, tudo 100% com ele.

    • Charlis

      E as soldas das portas do G10? É simplesmente nojento.

      []s

    • fsjal

      A primeira coisa que eu notei no G10 foi a porquice que é o couro.
      Pior ainda é no banco de trás, onde os encostos são fixos. A costura fica toda enrugada. Parece aquelas capas de couro que vendem no mercado livre.
      Sem falar a solda na lata da porta, aparente por dentro.
      É inconcebível alguém pagar 125 mil num carro desse.

      • REDDINGTON

        Nunca entendi aquela peça única, encosto de cabeça fixo…odiei aquilo.

      • Edu

        couro de porco.kkk

  • Lucas086

    Honda!? O melhor pós venda do mundo? Acho que trocaram os nomes kkkk

  • Fanjos

    Problema de barulho aqui em SP todos os carros tem, se não tem, já teve ou terá, porque não temos mais ruas, somente buracos, desde que o Malddad pilhou e destruiu a cidade e o esquerdoso fabiano do Doria que nada fez para tentar arrumar a cidade, esta um caos com as ruas aos pedaços quase que totalmente destruídas.
    Nenhum carro foi feito para andar em ruas assim tirando os Land Rover Defender e Trollers da vida, mas mesmo esses farão barulhos tb

    • DevXav

      É generalizado.. lá em minas é a mesma história, até em vias onde é cobrado pedágio.

      Eu fiz reclamação (tanto aqui em SP quanto em MG) mas sozinho não adianta.

      Brasileiro é acomodado e aceita tudo.. é só comprar um SUV que resolve! #sqn (desculpinha pra torrar dinheiro com algo que não precisa e entrar na modinha, simples assim)

      • Fanjos

        SUV de shopping center não resolve, o que mais tem é reclamação de “escola de samba” dentro dos Compass e Regenades da vida que são os que deveriam ser em tese “mais SUV” que os outros, não tem para onde correr.
        HuEzil é abaixo do lixo

        • Louis

          Só ajuda a não bater o fundo do carro. O Yaris já bati o fundo 2 vezes, em lombadas porcamente construídas.

        • DevXav

          Então.. nós sabemos disso, vai explicar pro resto pra ver.

          Vão jurar de pés juntos que resolve.. 🤦🏻‍♂️

          • Fanjos

            Uma amiga que tinha o Renegade , voltou para o Civic faz duas semanas exatamente porque o carro estava sofrendo como qualquer sedan ou hatch só que gastando mais.

        • RPM

          A vantagem do SUV é não raspar pára-choque em desníveis, quebra-molas e em dia de enchentes, serem um pouquinho mais altos…ah….no trânsito do dia a dia, leva-se menos fechadas também…

        • Luis Burro

          “Abaixo do lixo” kkkk…

    • leandro

      isso eh verdade… não há carro que aguente nosso asfalto…
      vc pega o carro 0km todo durinho, sem fazer um barulho sequer… mas com 2 anos de uso aproximadamente vc ja começa a escutar alguns sons de trepidação e ruídos quando anda em asfalto ruim.

    • Louis

      Tem carro que sofre mais com a buraqueira. Acho que este é um dos motivos de o Corolla ser tão querido, sua suspensão é bem voltada ao conforto, sem comprometer tanto a estabilidade.

      • Fanjos

        “sem comprometer tanto a estabilidade”
        Isso é verdade se a pessoa anda devagar, se a pessoa tem pé pesado vai correr risco de vida se tentar fazer curva rápido como faria com um Jetta ou Civic

        • João

          Quem anda em circuito em um carro familiar? Eu ando na rua e na estrada. Há limites e prudência. Portanto, qualquer um atende bem na curva.

          • Fanjos

            Como falei, o Toyota só serve para ser carro familiar mesmo, conforto e sem pressa, mas se quer algo com uma “pegada” melhor, pule fora.
            Ate um Porsche pode ser familiar na hora de andar devagar, mas na hora de contornar uma curva com firmeza, ou uma acelerada vigorosa, um carro apto a isso faz toda diferença, e tem pessoas que não se importam com essas coisas e só querem um meio de transporte que seja macio sem se importar com mais nada e isso o Corolla é bom, mas para mim não, não passo nem perto.

            • João

              Você ir a Campos do Jordão com um carro multilink e com direção mais direta é um passeio mais agradável do quê com um Corolla… Mas isto é perceptível acima de 60km/h…

              Obs. Corolla=carro sem sal, direção anestesiada e com suspensão molenga (na minha opinião).

      • Dario Lemos

        Pior é o acerto da suspensão da VW, ótima para pisos em bom estado, uma “tortura” nos pisos lunares tupiniquins. Recentemente troquei os pneus de um Passat 09, Bridgestone Potenza (aro 17) e arrisquei, após exaustiva pesquisa, em uma marca chinesa e, até o momento, estou satisfeito e, principalmente, surpreso com a maciez (certamente com treadwear menor) e o conforto em relação ao original.

        • cepereira2006

          Você teve sorte, então. A experiência que eu tive com pneus chineses foi péssima. Quando troquei eles por Michelin, parecia que eu tinha trocado de carro, de tão confortável que ficou. Inacreditável a diferença que dá. Eu não compro pneu chinês nunca mais.

          • Dario Lemos

            Pois é, cepereira2006, como havia dito, eu arrisquei na compra mais porque eu ando pouco com o carro, praticamente em circuito urbano e o jogo de pneus custou cerca da metade do que custaria um equivalente da Continental (os Bridgestone, além de serem difíceis de encontrar, custavam uns 150% a mais por unidade). Se estes chineses durarem 30 mil km eu ficarei satisfeito. A título de informação troquei o conjunto com pouco mais de 35 mil km rodados, um pneu teve desgaste irregular devido a um amortecedor defeituoso e os outros 3 tinham cerca de 3 mm de banda de rodagem. Por curiosidade, qual a marca dos pneus? É que no início do ano pretendo trocar o conjunto de uma Tucson e gostaria de ir eliminando determinadas marcas. Desde já agradeço.

            • cepereira2006

              Então, Dario, isso foi a dois carros atrás, mas lembro que o nome tinha 5 ou 6 letras e começava com “Da…”.
              Ele era um pneu bonito, olhando parecia até de primeira linha, mas era extremamente duro e desgastava desigualmente, passando a fazer um barulho ao rodar em baixas velocidades. Não era problema do carro pois os pneus que vieram depois desgastaram parelho e, como disse, parecia que eu tinha trocado de carro. Os barulhos passaram e a maciez ao rodar era de outro carro. Tive que trocar os chineses com 20.000 km só por causa do defeito que eu falei, pois ainda tinha muita borracha, rodaria no mínimo mais o dobro se não fosse tal defeito.

      • leomix leo

        Tem.grilos tb, estava com um 1516 pra vender, com.apenas 40 mil rodados e cheio de grilos na parte de tras e no painel tb. Ele não é imbatível como desenham.

        • Guilherme

          exatamente o que eu acho atualmente com o meu.. ja coloquei a venda nao estou nem a 4 meses com o carro

          • leomix leo

            Motor, suspensão robustos, caixa de direção nem tanto. Acabamento não está acima da média. Tem uma coisa chamada boca boca, caiu no gosto do povo e em conversas de boteco já era. O povo vive muito baseado em que os outros dizem e postam em redes sociais, vide nosso cenário político. Gosto da marca, mais não desenho ela como perfeita.

    • Andre Pestana

      Não é somente em São Paulo, mas em 80% do Brasil estão desse jeito ou pior. Hoje muita gente estão saindo de carros mais baixo e optando por carros do tipo SUV de shopping, mas do jeito que está nem estes SUV de Shopping estão dando conta das péssimas ruas e estradas Brasileiras, o problema é que o povo aceita e se acostuma o descaso destes péssimos gestores públicos do Brasil e o povo acaba procurando soluções como deixa de andar em carro na qual gosta e acaba migrando para outros modelos por terem a altura entre solo um pouco maiores ao invés de cobrarem dos gestores públicos e protestarem por este descaso, pois do jeito que está as estradas no futuro próximo terá andar somente de camionete para cima.

      • Fanjos

        Muita gente ainda não percebeu mas o HuEzil esta falido, Estado gigantesco absorvendo todos os recursos e não entregando nem mais migalhas de volta a população.
        Acho que é por isso que não liberam as armas para a população, porque se fosse liberado já teriam invadido brasília e passado geral

        • Dario Lemos

          Só discordo no que se refere à “invasão”, não acredito que o povo tenha “culhões” para isso mas confesso que posso estar enganado.

      • João

        Odeio SUV, mas ter um Civic que raspa em qualquer local é dose.

    • RPM

      Exato….é por isso que gosto de pickups,apesar de duras acho que aguentam mais o desaforo das nossas ruas….para o meu uso(dia a dia),acho sem propósito um civic ou golf por ex….aqui onde moro, asfaltaram tudo, tudo novo, mas com aqueles bueiros baixos, dá até pena de um civic desses da matéria passando nesses bueiros todo dia….não é à toa que o que mais vemos hj em dia, é um show de amortecedores com vazamento de óleo antes dos 20 mil km.
      Estive em Sampa mês passado de carro,na Barra Funda….as ruas estavam bem ruins…passei num cruzamento que todo mundo passava quase parando, tinha uma espécie de “canal”(desnível),deve ser pra quando chove….alguns carros raspavam o parachoque dianteiro até…ando mais despreocupado com pickup……até ter que achar uma vaga….rsrsrsr

    • leitor

      Há muitos anos que algumas celebridades são homenageadas quando uma rua troca um nome pelo da celebridade. Mas rua nova, novo calçamento ou asfalto nas ruas? Depois de alguns anos se faz o reparo do que se quebrou há vários meses.

    • Nicolas

      Tenho um G9, quase 6 anos, está como tirei da concessionária os matérias simplesmente não envelhecem, nunca apresentou qualquer problema, estou até com dó de vender. Tenho também um Golf Tsi, já levei umas 10 vezes para pequenos defeitos, ótimo carro mas apresentou diversos problemas de tropicalização.

    • Luis Burro

      Ñ se for um volks antigo com motor a ar ainda,o barulho do motor encobre quase tudo

    • EDSON DOS SANTOS JUNIOR

      Quem estragou e continua estragando São Paulo foi o PSDB e todo mundo sabe que paulista não sabe votar.

      • Fanjos

        Haddad destruiu SP mais que qualquer um, foi o pior prefeito de toda a história da humanidade, mas os imundos do PSDB tb sempre foram lixo.
        Bom nas últimas eleições eu votei no partido Novo, então pelo menos eu tentei tirar o lixo esquerdista daqui, o Doria mesmo é outro que se veste de bom moço mas é lobo em pele de cordeiro.

  • Louis

    Me parecem defeitos variados e pontuais, nenhum defeito crônico que se repete em vários carros distintos.
    Chegaram ao cúmulo de colocar como defeito rodas 17…

    • rscdhc

      isso que ia falar…tenho um G9 13/14 com 135mil km….soh manuntenção seguindo o manual….nunca deu NENHUM dos problemas mencionados acima!

      • Mauricio

        Exatamente, deram uma forçada, fiquei três anos com um G8, vendi com 150 mil km, e agora estou a dois anos com um G9 (EXR 14) 90 mil km e é só alegria

    • TchauQueridos

      Tiveram que encher um pouco de linguiça.
      Quantos aos pneus, a marca GoodYear deixou a desejar, não só com Civic.
      Aquela linha “Excelence” são de pessima qualidade.
      Duram muito pouco e escamam com facilidade. Cheguei a trocar com 30 mil km.

    • REDDINGTON

      O carro é tão bom que tiveram que falar em duas gerações pra achar defeito kkkkk. Tive um G8 e G9. Compraria um 10??? COM CERTEZA!!!

  • octavio cesar godoy

    Está dificil encontrar carro que não tenha problemas. Um absurdo os preços, e defeitos que não são admissiveis em carros de 100 mil, como o Jeep Compass, com cheiro no ar condicionado

    • José Luiz Júnior

      E panes elétricas (o que mais tem de reclamação do Compass é pane elétrica e no Start Stop! Chega a ser impressionante!)

    • João

      Sempre foi assim.

  • Murilo Ramos

    Suspensão dura não é um problema e sim uma característica do carro, eu sempre gostei de carros com essa calibração principalmente na estrada (sempre viajo muito tanto a trabalho quanto lazer).

    Tive dois ( G8 e G9)e gostei muito mesmo dos carros, sem dor de cabeça, boa dirigibilidade e estabilidade. Tenho muita curiosidade em comprar o G10 Touring assim que o seminovo estiver num preço mais condizente com meu bolso.

    • Louis

      Conheço pessoas que venderam BMW por causa da suspensão ser muito dura para nosso péssimo asfalto.

      • Mambo Ted

        Suspensão dura , acabamento de seguimento inferior e revisões ridículas. Bmw sempre foi uma marca que eu gostava quando tinha uns 15 anos. Após conseguir adquirir 1 ,0 km , dificilmente volto a comprar Bm.

        • th!nk.t4nk

          Na verdade depende. Que modelo era? O Série 3 tá bem defasado, e o interior é mesmo pobre pra categoria (comparando com A4 e Classe C). Mas o Série 5 é muito bem-acabado, principalmente com o pack Luxury. Me sinto tão bem nele quanto num Classe E. E o Série 7 é fenomenal, chega a usar materiais mais nobres que o Classe S, por incrível que pareça. Dos novos, o Série 2 está bem legal também (com o pack Sport). Sobre a suspensao, o seu nao tinha o pacote de suspensao adaptativa? Ajuda um pouco (embora nao faça milagres, já que a proposta de todo BMW é colocar esportividade antes de conforto). Pelo que você diz, parece que prefere carros que valorizam um rodar suave e bancos mais confortáveis. Nesse caso é Audi na cabeça (recomendo demais a dupla A4/A6, e com o pack S ficam perfeitos).

          • Mambo Ted

            Foi em 2015 , 320 ,motor e câmbio ótimos, porém acabamento fraco e conforto negativo. Troquei por 1 A4 , outro nível , alia conforto e ótima dirigibilidade. Em 2017 peguei uma c180 zero , vejo mais requinte e conforto na mb que no Audi. Porém a dirigibilidade do Audi é superior à da bmw e mb.

            • th!nk.t4nk

              É, esse 3er continua ruim de interior até hoje. Tá pra sair o novo, a esperança é que seja inspirado no 8er, aí voltaria a ter condiçoes de concorrer com A4 e Classe C (aliás, o novo A4 tá um espetáculo).

      • Luccas Stringger

        …e conheço pessoas que venderam Mercedes por causa da péssima suspensão e por ser muito duro e barulhento quando se pega estradas ruins….e como é de praxe….adios Mercedes e digo mais,esses carros ditados premium não são e nunca serão feitos para terras tupiniquins…….

    • TchauQueridos

      Mesma coisa comprar um Mini e reclamar da suspensão.
      Então vai comprar Vovorolla que você anda dançando.

  • Hamilton Maia

    Como proprietário de um LXR 2.0, 2014, com quase 70 mil km, posso dizer que o acabamento, para um carro que custava em torno de R$90.000,00 zero KM, deixa muito a desejar. Painel das portas em plástico duro, apenas a parte superior contém plástico macio, e uma pequena faixa de couro no descansa braço; descansa braço central realmente faz muito barulho; painel em plástico totalmente duro, mas bem montado; ponto positivo para os bancos que são de bom tamanho e confortáveis.

    No mais, um carro absolutamente comum como o Corolla contemporâneo dele, que também já tive. É pesado em saídas, mas desenvolve bem em alta, e um tanto quanto beberrão na cidade.

    Outra crítica é com relação à pintura branca do meu, que segundo um mecânico especialista em Honda é comum aos da safra 2014: está bem desbotada e perdeu o brilho, o que é muito precoce para um carro 2014.
    Único defeito do meu foi a necessidade de troca da junta da homocinética aos 60 mil km, o que dizem não ser muito comum, também.

    • Obrigado pelas informações Hamilton…

    • Ernesto

      Em 2014 você pagou R$90.000,00 no seu Civic LXR? Está certo esse valor?

      • Era mais ou menos isso, mesmo. Eu paguei 80 mil no C4 Lounge Exclusive, o Jetta Comfortline aspirado completo ou o Cruze saiam na casa dos 86 mil, o Civic LXR na faixa próxima dos 90 e o Corolla Altis 93,5 mil. Pesquisei muito antes de fechar a compra. Até o preço do Lancer GT eu peguei: 86 mil.
        Mais na faixa do C4 só mesmo o 408 Griffe (também na faixa dos 80) e o Fluence, que ficava ali pelos 85 mil na versão completa aspirada (o GT ficava na faixa dos 90 mil com câmbio manual).

        • Licergico

          na epoca :
          comprei o meu em ago/14 por 73k ! ( lxr azul denin ) (RJ)
          o corola xei saia a 82k, Focus SE sedan a 75 , fluence dinamic 69
          esses foi o que fui a ccs e fiz td .

          • Confundi a versão: eu estava falando da top de linha, EXR. Essa sim, saía por praticamente 90 mil em julho de 2014. Até por isso todos os modelos que descrevi se tratavam das versões topo de linha. A exceção era o Jetta, que só se tratava da Comfortline completona. A Highline turbinada já ia para a casa acima dos 95 mil ainda devendo muitos equipamentos que estavam em pacotes de opcionais. Completamente equipado ia para aproximados 105 mil reais.

        • Ernesto

          Ubaldir, dei uma pesquisada e o Civic LXR 14/15 foi lançado em meados de Julho/2014 com o preço de R$74.900,00, bem longe dos 90K que ele mencionou. Talvez a versão EXR estivesse próximo dos 85K, já que a versão 14 estava por volta de 83K.
          E veja os comentários de outros que responderam à minha questão: na casa dos 72K ~ 75K.

          • Foi mal! Confundi a LXR com a top de linha. Eu me referia mesmo à EXR. Essa sim, estava na casa próxima dos 90 mil em julho de 2014. Não me recordo com precisão, mas pela data já deveria se tratar do modelo 2015.

          • REDDINGTON

            Tirei um EXS 2012 em abril. 85.900 preço de site. Como tinha fila pro branco não tiraram 1 real.

            • Ernesto

              Pelo que vi, a versão EXS MY 2014, quando foi lançado em 2013 estava menos que isso. Ela custava R$83.900,00, por isso acho que mesmo que ele tivesse comprado em 2014, o preço não estaria em 90K e sim próximo de 85K. Até porque a versão 2015 do LXS aumentou, se não me engano, R$600,00 da 2014 para a 2015.

        • REDDINGTON

          O TOP EXR custava esse preço, o amigo tá confundindo.

          • Isso mesmo, Companheiro. Confundi a nomenclatura de versões e troquei a LXR pela EXR. Essa sopa de letrinhas é dose… kkkk
            Os preços que pesquisei eram mesmo para as versões de topo, como o Lounge Exclusive que comprei.

      • Hamilton Maia

        Perdoe-me: esqueci de mencionar que o adquiri usado em 2016, com 30.000 km. Mas na época fui assuntar o preço de um Zero e com desconto pediram R$88.000,00, salvo engano, devido à proximidade da chegada da nova geração.

        • Ernesto

          Hamilton, o Civic LXR 2014 estava na faixa de 74K. E em 2016 lembro-me do MauroRF que é um leitor assíduo do NA ter comentado que comprou nessa época um LXR por menos de 80K, justamente por causa do lançamento do Civic G10.
          Em relação ao defeito da homocinética, é difícil dizer qual foi o problema, já que você adquiriu o carro com 30.000 Km e provavelmente não sabe como o antigo dono cuidava do carro. Acho que esse é um dos maiores problemas de se comprar usados.

          • Hamilton Maia

            Concordo absolutamente, apesar de saber a procedência do veículo, de um conhecido, e ter levado a um mecânico de confiança antes de fechar negócio, impossível saber a causa do problema. No mais, o carro me serve perfeitamente e não apresentou nenhum outro defeito inesperado.

            Com relação ao preço, lembro-me que fiquei bem assustado com o valor do carro 0 km, em 2016, tendo em vista que logo viria a nova geração. Pelo menos este foi o valor que me passaram na época aqui em Curitiba.

          • leaozin

            Peguei um LXR 2015/2016 zero por 75k em março/2016, rodei 25 mil kms sem problemas, dei PT nele mes retrasado e a seguradora me pagou 70k de fipe.
            Apesar de parecer pequena a diferença, com 70K não se encontra nada no mesmo nível devido a inflação.
            Acabei tendo de desembolsar bem mais para pegar outro Civic 0Km, os valores que encontrei em 08/18 foram 97k EX, 102 EXL e 118 Touring.

      • Racelogic

        Eu comprei um Civic LXR 2014 zero km em maio de 2014 por 72mil.

        • Ernesto

          Eu achei muito estranho esse valor que ele falou, de 90K.
          E aí ele respondeu para mim que não comprou 0Km, comprou usado em 2016, com 30.000 Km. Aí fica meio complicado falar de defeitos se você não foi o único dono. Vai saber como o antigo dono cuidava ou mesmo andava com o carro, né?

      • Lucas

        Não pagou não. No fim de 2013 eu paguei 75 mil num LXR 2.0 ano 2013 e modelo 2014.

        • Ernesto

          Pois é Lucas, por isso que questionei. E agora ele respondeu para mim que na verdade comprou usado, em 2016, com 30.000 Km.

        • REDDINGTON

          Quando foi lançado o 2.0 fim de 2013!

      • João

        Quando fui comprar um em julho de 2014, o preço do LXR era 72 mil reais – optei pelo Focus 2.0 SE no mesmo valor, já que ambos modelos 2015. O Focus vinha com 4AB e ESP.

        • Ernesto

          Me surpreendeu o Civic LXR ter somente os airbags duplos já que seu maior concorrente, o Corolla XEi, já vinha com 4AB desde 2010 (modelo 2011). Quanto ao ESP, se não me engano a versão EXR o tinha, mas a LXR só recebeu no modelo 2016.

          • João

            Exato: LXR com ESP no 15/16 apenas.

      • REDDINGTON

        Também achei estranho…valor EXR…

    • Licergico

      comprei o meu em ago/14 por 73k ! ( lxr azul denin ) (RJ)

  • Razzo

    O pior problema do Civic G10 é o CVT. Cadê o AT10 do Accord no Civic ?

    • Licergico

      pois é … por isso continuo com meu g9 … enquanto não rolar no minimo o honda sense não troco ( ou o 1.5t para todos ) mais sem no minimo um cc adaptativo , continuo com o meu que é a mesma coisa . A tal economia que o cvt traria, não trouxe (é exatamente o mesmo consumo combinado pelo inmetro ) que já é exelente ( faço normalmente 10,5km/l na cidade e aprox. 16.5km/l na estrada ) .
      no mais os pneus do meu que ta com 37kkm ( lxr 14/15) estão bem longe do fim , nenhuma luz queimada, zero barulhinhos ( no painel apareceu a ccs resolveu em garantia ) . nada a reclamar

    • João

      Pensei que fosse maior… Já me acostumei com o câmbio. Mas a saudade do DCT é enorme………

  • Murilo Soares de O. Filho

    Nada passa ileso neste país…se algum cidadão falar que seu carro, não faz nenhum barulho, seja ele qual marca for, ou o carro é zero (tipo 1.000 KM) ou então está parado na garagem!

    • Olha, uma coisa que me chamou a atenção no meu C4 Lounge (já vendido aos 70 mil km) foi a ausência total de barulhos internos ou externos. Só mesmo a placa do trilho do câmbio automático começou a ranger um pouquinho, dando uns estalinhos em pisos irregulares, mas logo eu resolvi o problema com um pedido de aperto na revisão dos 60 mil km.

      • O teu caso me chamou a atenção pois o C4 Lounge é conhecido por seua ruídos, inclusive frisado nos 60.000 km de Longa Duração da Quatro Rodas.

        • Hummm. Vou escrever um texto meio longo, mas que acho que cabe bem nessa questão, uma vez que já vi um monte de posts bem rasos a respeito do “teste de 60 mil km do C4 na 4Rodas”, os quais não raspam nem a superfície do que realmente foi o resultado do carro ao ser submetido ao crivo da publicação.
          No caso do modelo da 4Rodas, os ruídos internos levantados se limitaram a um relato por volta dos 50 mil km a respeito do couro do banco raspando no couro do nicho do console central. Eu acompanhei de perto, e ruídos internos não foram um problema significativo no teste.
          Os problemas efetivos relatados foram alguns que tive também no meu carro, podendo confirmar que se trata de algo que foi recorrente na leva de 2013/2014 do carro, como a troca de amortecedores aos 20 mil km, o reparo do ruído de rebatimento do retrovisor externo e o gasto elevado de pastilhas de freio (um jogo dianteiro a cada 20 a 25 mil km).
          Os problemas que eles tiveram e eu não tive foi uma pane no sensor de chuva, uma infiltração de água esporádica que a 4Rodas não conseguiu explicar como aconteceu (foi um fato isolado e não voltou a ocorrer) e um problema de rolamento de roda desgastado encontrado no desmonte (não foi identificado pela rede). Apesar de muitos relatarem este teste de 60 mil km do C4 Lounge com tom de negatividade, o carro foi bem, não houve nada de tão significativo ao longo dos 60 mil km que desabonasse o produto. Tanto que o veredicto foi o mesmo da grande maioria dos carros submetidos ao teste: “aprovado com ressalvas”, em especial por conta de um ou outro deslize da rede na manutenção rotineira prevista em manual.
          Eu achei até interessante na publicação de um relato de um dos repórteres ali por volta dos 50 mil km, o que demonstra que mesmo na mídia há um certo pré-conceito instituído com algumas marcas, como é o caso da Citroen: ele relatou exatamente o ruído que você mencionou (duas partes em couro raspando) e um hipotético “fio solto” em baixo do banco do passageiro dianteiro, citando estes pontos para chegar a uma conclusão obtusa (“poucas vezes vi um carro envelhecer tão rápido”). Ora, pra quem conhece bem o Lounge sabe que as partes em couro do banco e da tampa do nicho central raspam entre si desde ele novo (poderia ser resolvido como no Jetta, onde a parte interna do encosto dos bancos é em tecido – é feio, mas evita o atrito), sendo que para isto basta que o motorista ou o passageiro possuam as “costas largas” e/ou sejam mais pesados que o usual, o que gera aquele barulhinho característico de duas peças aderentes se encostando. E o “fio solto” na verdade não tem nada de solto: está ali desde o veículo novo, fazendo as conexões com o módulo que fica ali em baixo com o chicote que fica no assoalho, mais ou menos como ocorre com o Jetta. Portanto, pode-se até não gostar do arranjo como projeto, mas eram características do projeto do carro novo, e não fruto de desgaste como o texto fez crer de forma muito despropositada.
          Outra ocorrência que achei interessante em termos de tratamento redacional dado foi a infiltração de água em uma chuva: muito provavelmente foi provocada por um lapso de quem utilizava o carro, deixando alguma fresta de vidro aberta ou uma porta mal fechada, o que o desmonte deixou claro, não encontrando nenhum mínimo caminho de percolação. Mas a publicação tratou na época de uma forma que induzia ao leitor menos atento de que “o carro deixa entra água”. Aí ocorre o mesmo com o Corolla que estava no teste de 60 mil km: tratamento completamente diferente, deixando claro que deveria se tratar de um descuido de algum dos usuários do carro em uma ocasião isolada.
          Portanto, há sim, mesmo na mídia especializada, aquela tendência de “escrever o que o público quer ler”. Eu acompanhei de perto e bem atentamente o teste de 60 mil km do Lounge (o deles era o 2.0 – prateado), pois estava estudando a compra de um. Lendo os relatos ao longo dos 60 mil km com olhar clínico, eles me deixaram foi ainda mais tranquilo para fazer a compra. Mas foi sim bem necessário o discernimento para analisar o teste da 4Rodas sem entrar muito no “oba-oba” de redação, que precisa gerar conteúdo para cumprir a meta de páginas a serem publicadas. No geral, o C4 Lounge foi muito bem no teste.
          Abraço, Companheiro.

          • Não fui raso com o apontamento, pois o C4 Lounge da Quatro Rodas enfrentou problemas de barulho de rolamento e freios (este devido a desgaste prematuro), conforme transcrito neste trecho: “Por causa da baixa durabilidade, o freio é destaque entre os sistemas reprovados. Faz companhia para ele o par de rolamentos dos cubos de roda traseiros. “Como havia uma anotação no diário de bordo informando sobre ruído de rodagem, aproveitei a viagem-teste que faço antes de cada desmonte para confirmar a reclamação. De fato, o barulho vinha dos rolamentos”, diz Fukuda.”.

            Houveram apontamentos de travamento de bicos dos cilindros aos 20.00 km, solavancos na transmissão, a partir dos 30.000 km, troca de bucha das bandejas de suspensão aos 30.000 km, troca das bandejas e buchas da suspensão aos 50.000 km e etc… aliás, vou detalhar todos os principais apontamentos feitos pela revista, que incluem o ruído de painel que lhe elenquei:

            – 5.508 km: Parafuso solto abaixo do assento do banco traseiro
            – 7.289 km: Fixador central da capa do para-choque traseiro solto
            – 9.019 km: Freio sem assistência logo após a partida do motor
            – 9.378 km: Banco do motorista com folga longitudinal e ruído
            – 9.504 km: Retrovisor direito rangendo ao ser rebatido
            – 11.034 km: Alavanca de regulagem de altura do banco do motorista travada
            – 11.079 km: Disparo involuntário do alarme do cinto do motorista
            – 12.220 km: Cânister solto ao passar em poça d’água
            – 15.289 km: Painel ruidoso e retrovisor esquerdo rangendo ao ser rebatido
            – 15.318 km: Sidebag direito e vidro do motorista ruidosos
            – 16.629 km: Banco do motorista com rangido entre couro e plástico
            – 20.008 km: Troca de bicos e velas de ignição
            – 26.722 km: Vibração durante as frenagens
            – 30.017 km: Troca de discos, pastilhas e buchas de bandeja
            – 53.923 km: Sensor de chuva falhando
            – 59.888 km: Ruído de rolamento

            Por essa “generosa” lista de problemas pequenos, mas incomuns em tão baixa quilometragem e tão baixa frequência de rodagem, aliados a displicência das concessionárias PSA, que eu, assim, como muitos, evitaram a compra de um Citröen C4 Lounge.

            • Bom, não fiz um relato “por tabela”, fui “São Tomé”: tive o carro. Realmente, com relação aos outros 10 carros zero km que já tive, ele foi muito diferenciado no quesito ruído interno ou externo.
              Acho que expliquei bem do que se trata o ruído de atrito entre couros de duas peças. É algo muito complexo de ser chamado de “problema”.
              Bom, tive o carro, não o tenho mais. Compartilhei minha experiência com muitos e ricos detalhes em textos para o site. A quantidade de “pequenos problemas” numerosa deve ser levada em conta, mas foram relativamente de pouca significância, bem resolvidos em garantia, sem desgaste com a marca, não diferente do que tive com o Jetta, que apresentou até mais problemas de maior significância, mas também resolvidos em garantia sem desgastes. A solidez estrutural foi destaque no Citroen, nem tanto no Jetta (pra ficar entre produtos da mesma categoria). Esse é o resumo da ópera.
              Abraço.

              • Eu fico feliz que tenhas tido uma boa experiência com seu antigo C4 Lounge. É bom ver que a Citröen está evoluindo e nem todo proprietário coleciona insatisfações. Felizmente seu carro veio bom, lhe proporcionando uma agradável experiência. Pelos relatos que encontro em vários lugares algumas das virtudes que o seu teve, infelizmente se configuram excessões, como o ruído interno que é rotineiramente reclamado pelos proprietários do model, mas no seu caso, resumiu-se a um atrito de couro com couro.
                Sua experiência me faz acreditar que a Citröen está melhorando, assim como a sua irmã Peugeot evoluiu bastante em qualidade.

  • catucadão

    todo carro faz barulho… meu tio tava com um voyage 1.0 seleção com 33mil km e acredita quase não fazia barulho e olha que ele evita tudo que é buraco, mais em impossível não ter… mesmo que fosse rua normal.

    • Cláudio Modesto

      Meu Fluence 2012 com 70 mil Km não faz barulho. É todo certinho, um espetáculo.

      • catucadão

        é um belo carro fluence é muito bom

      • Outro caso atípico. Meu Fluence 2015 tinha barulho no painel, não resolvido pela concessionária, e o Fluence é um carro com histórico de ruído de freios na ré, coluna e painel.

        • Cláudio Modesto

          Dei sorte então :)
          Mas uma coisa é certa, com nosso asfalto não tem carro que resista.

  • Ric_Minas

    Não existe carro perfeito.
    Nem mesmo o “inquebrável” Corolla escapa de seus defeitos e problemas.
    Pastilhas de freios que se desgastam prematuramente; “grilos” no painel e portas; também sofreu um recall branco por conta do CVT; barulhos no conjunto suspensão; falha na partida, ou desligamento repentino; e assim por diante.
    Assim como não existe carro perfeito também não existe pós-venda perfeito.
    Disponibilizar um carro muito inferior enquanto não resolve o problema não é uma particularidade da Honda.
    Quando meu velho precisou fazer uma simples correção no banco do motorista do Fusion sequer foi disponibilizado um veículo. Dado a previsão de 20 dias se transformarem em 110 dias questiono se realmente há alguma montadora que possa se vangloriar da qualidade de seu concessionários.
    O antigo Jetta do velho também foi outra novela. Diversas ocasiões de sobreaquecimento do DSG. Vários dias na concessionária para diagnosticarem a necessidade de substituição da transmissão ao custo do cliente.
    Bastou levar em quem realmente entende da transmissão para sair com o diagnóstico preciso em menos de 15 min. Era apenas substituir a bomba de óleo que resolvia o problema do sobreaquecimento.
    No atual contexto dos sedãs médios, a Honda e Toyota gozam de patamares mais confortáveis, razão pelos quais cobram caro em produtos vulgares, simplesmente porque outras montadoras oferecem produtos com qualidade e confiabilidade inferiores, ou uma rede de concessionários que mais parece nosso congresso e senado brasileiro.

    • Cláudio Modesto

      Na minha humilde visão, as pessoas não entendem absolutamente nada de carro e não querem entender. Compram por indicação ou ou principalmente por que acham o carro bonito. Na minha família todos os carros são comprados assim, principalmente pela mulherada que não quer ter problema, então vão de Honda pq é “indestrutível”. Não adianta argumentar que o carro não tem airbags ou isso ou aquilo, não querem nem saber.
      Nós que frequentamos os sites de carros é que ficamos paranoicos e certos de que estamos sendo tapeados pelas montadoras, mas somos muito poucos, logo não muda nada, certo?

  • CanalhaRS

    Não aceito reclamações do Civic, o G10 é meu sonho de consumo…quem falar mal dele eu pego na saída…

    • Fanjos

      Coloque no seu sonho o 1.5T, porque eu achei o 2.0 aspirado um pesadelo

      • João

        Por que? Você é piloto de F1?

        Para o dia-dia, ele é excelente. Faltam algumas coisas (respostas e conversa com o CVT – ambas situações em baixa rotação), mas me atende bem.

        • Fanjos

          Precisa ser piloto para gostar de acelerar rápido ou ter um feeling/dirigibilidade melhor?
          Depois que acostumei com carro turbo, qualquer coisa aspirada que não seja pelo menos um V6 eu passo longe

          • João

            Isto faz o 2.0 ser um “pesadelo”? Não: É apenas um carro que atende muito bem para quem anda nos limites da via. Sem extremos: Vamos falar com credibilidade e clareza.

            Falta o quê disse acima. Não obstante, atende muito bem e faz tudo direitinho – sem sufoco, aperto ou deficiência.

            • Marcelo Eugenio

              Moço, já ouviu falar em ironia, trocadilho?

              • Gorpo de Etérnia

                Boaa! kkkkk

            • Charlis

              Se você aceita pagar 100 mil reais para andar de 2.0 SOHC de 150cv otemo pra você!
              Eu não sou evoluído espiritualmente a esse ponto.

              []s

              • João

                Eu tenho um Civic EXL 2017 e estou muito satisfeito. Não aposto corrida, faço 16km/l na estrada com gasolina (11km/l no etanol – sempre a 110km/h), tem uma excelente posição de guiar e anda muito bem quando preciso fazer ultrapassagens.

                Já tive BMW 320i turbo, Jetta Highline 2.0 Turbo e Audi A4 1.8T e 2.0T… Acho que realmente evoluí para saber que carro bom é aquele que te leva do ponto “A” ao ponto “B” com conforto, segurança e não te dá dor de cabeça…

                • Charlis

                  Mas a vida é muito curta para ir do ponto A ao B apenas com conforto e segurança, rs …

                  []s

                  • João

                    Por isto coleciono carros antigos… Adoro um V8tão… Tudo dentro dos limites da via… O gostoso é aproveitar cada segundo dentro de um automóvel clássico… O passeio em um Ford 1929 pode ser demorado, mas vale cada tocada de marcha no ouvindo, observando o tempo certo do motor, sentido o carro…

                    Se quer andar a 200km/h ou fazer 0 a 100km/h em semáforos, o problema é teu – mas não vá fazer disso algo perigoso para famílias que pensam diferente. Dirija nos limites das vias.

                    • Charlis

                      Primeiramente, parabéns pelo Ford, admiro muito.

                      Consegue ver na minha foto, que é um autódromo?
                      Se sim, pois bem, é lá que eu corro, com o meu carro de dia a dia.
                      Essa no caso, foi em Interlagos no começo deste ano.

                      Segundo que, não precisa colocar 200km/h num carro, para sentir prazer.
                      Uma simples saidinha de pedágio até os 120 km/h, se você estiver num carro bacana, já será divertido.

                      Enfim, voltando ao assunto do Civic, eu particularmente sou FAN do Honda Civic, e conforme comentei para outro amigo, já tive 3.
                      E só não comprei o atual, por conta do preço.
                      Eu não admito pagar 100 mil reais, para comprar um Civic Sport ou EX, para ter um motor com tecnologias de 2 décadas passadas, e EXATAMENTE o mesmo na geração passada, sem alterar se quer 1 único parafuso.
                      E pior, orquestrado por um câmbio absurdamente broxante.
                      Então mesmo pra ir do ponto A e B, com segurança, e mantendo a velocidade da pista, eu ainda vejo opções melhores, no mercado dos novos, e muito mais ainda, no mercado dos seminovos (só compro carro neste segundo).

                      Eu viajo TODOS os finais de semana 400 km de ida e volta para ver minha família.
                      Já não basta a chatisse das estradas, educação dos motoristas e afins, um carro chato também NO WAY.
                      E considerando que eu amo dirigi, eu me dou do direito de poder ter carros mais legais para isso!
                      E sempre quando posso, coloco-o num belo Track Day!

                      []s

                    • João

                      Eu não compro carro seminovo. Não gosto. Estou absolutamente feliz com meu carro. Não via nenhum outro com a mesma posição de guiar e que me agradasse aos olhos. Não gosto de SUV.

                      Meus carros mais legais são para o FDS. Arrancar e sentir um V8tão não tem preço!

                • Fernando

                  esqueceu de escrever “ironic mode on”

                  • João

                    Automóvel familiar é para o quê? Quando quero sentir força e resposta do motor, nada melhor que um V8tão… Studebaker Commander, Mercedes-Benz SL… Deixa o Civic para ir ao trabalho e passear com a família…

                • Retrato do Papai

                  isso me lembra aquela cômica história do golf 1.6 feito para andar calmamente e que evita multas

                  • João

                    Nada a ver.

          • aletp

            O problema do motor turbo é justamente esse, voce ter o primeiro, depois que tem… nunca mais que saber de um aspirado, nada como casar economia com torque de verdade em baixa, isso é sensacional. Gosto muito desse Civic G10, se eu comprasse com certeza seria o 1.5T, não cogitaria de forma alguma comprar o 2.0 aspirado, não pelo fato do 2.0 ser ruim mas pelo fato do 1.5T ser outro nível.

        • Amaral Natilero

          Esse Fanjos é só mais um demente fan da VW, tudo que não for da VW é ruim e não vale nada.

          • João

            Estes fãs de VW são, na maioria, fakes… Este rapaz aqui não conheço. Povo exagera muito nos comentários…

      • CanalhaRS

        Anotado, hehehehe…

    • O 1.5T é um carro bem legal. O problema é a Honda achar que ele vale tanto quanto um Fusion ou BMW série 3 (aqui no Chile, ao menos).

      • CanalhaRS

        Concordo, amigo. Eu iria na versão Touring, o problema é aquele precinho nada camarada.

  • Tudo mentira isso aí, Honda não quebra NUNCA. Pode rodar sem óleo e água no motor que aguenta 200 mil km igual. (ironic mode).

    • th!nk.t4nk

      E trocar a correia a cada 30 mil km é super normal também. Altíssima qualidade japonesa haha.

  • Ricardo

    Barulhos e ruídos é padrão de carros brasileiros. Hahaha
    Acho que nenhum carro suporta nossos buracos, mas os europeus deveriam suportar, pois lá há muitas ruas com paralelepípedos, que eu acho pior do que estradas de chão.

  • jairooo

    Matéria genérica demais… Esperava-se que o site analisasse os defeitos e problemas recorrentes, porque só publicar relatos específicos do Reclama Aqui não traduzem os defeitos crônicos do carro.

    • João

      Claro que é boa a matéria: podemos saber se os problemas um dia nos acometerão.

      • jairooo

        Não falei que a matéria é ruim, mas sim “genérica demais”.
        Se um carro tiver o compressor do ar trocado, não necessariamente o seu terá (exemplo da matéria). Agora, se há vários relatos de problemas no câmbio (exemplo: câmbio DSG seco da VW), aí sim pode ser um problema que te acometerá.
        A reportagem poderia ter analisado numericamente os defeitos e problemas.

    • Christian Balzano

      Exatamente. Problemas relatados no Reclame Aqui são pontuais, não significa ser um problema no processo de produção ou controle de qualidade. Qualquer carro está suscetível a algum problema, nada sabemos das condições de uso dos proprietários e sua regularidade com a manutenção. Agora quando há inúmeros relatos como o Powershift da Ford, porta-malas do Polo ou suspensão do Sentra P17, aí sim temos como apontar os principais defeitos de um carro. Não foi o que fizeram nessa matéria. Qualidade questionável!

    • Zé Mundico

      Isso mesmo. Os casos não devem ser avaliados pontualmente mas dentro de um universo de unidades.
      Sem falar que alguns defeitos são apenas ajustes ou acertos de montagem.

    • Fernando

      pelo contrário. a matéria serve para demonstrar o desrespeito das ccs com o consumidor. se são defeitos pontuais e que ocorreram com baixa km, deveriam ser imediatamente sanados, pois o prejuízo é mínimo para a ccs e/ou montadora. porém ao negar um conserto de um defeito ocorrido com pouca quilometragem, mostra que, ou esse defeito é recorrente e não querem arcar com o prejuízo, ou simplesmente ma fé da ccs/montadora.

  • AcuraLexusInfiniti

    e Acura e Infiniti?

  • Davi Millan

    Eu sempre disse que o pós-venda da Honda não era essas mil maravilhas que dizem. Já a Toyota ainda pode se gabar disso.
    Com tantos relatos de defeito com poucos km e não havendo substituição da peça, fez o pós-venda da VW parecer santa. E olha que eu falo mal do pós-venda da VW.
    Fica aí um exemplo de que falar bem de pós-venda de carro japonês e mal do pós-venda de carro francês (PSA) não passa de repetir o que já foi no passado e achismo do presente além de não querer ver que a marca melhorou muito nos últimos anos. Não quero defender a PSA de seu passado problemático de fato, mas hoje é bem diferente do passado. Hoje em dia em qualquer marca (talvez com exceção da Toyota) devemos conhecer primeiro a concessionária da sua cidade e o histórico dela e depois decidir a compra, pois todas elas não entregam um padrão de qualidade, tendo muitos lugares com excelentes serviços e outro com ruins.

    • João

      O da Toyota é excelente!

    • Fernando

      to contigo.

  • Duh

    Esse Civic novo caiu a qualidade dos materiais empregados, os de antes passavam bem mais requinte.

    • João

      Nada a ver… Sempre foram medianos… Tive o G8 e agora tenho o G10… Mesma “porcaria”……..

      • TchauQueridos

        Eu estou achando nitidamente inferior com o passar dos anos.
        Na inferioridade dos materiais o G9 é o rei.

  • Titanplus

    Tenho o Touring tirado zero ,o carro no geral é bom ,porém longe de ser premium a começar pelo som que dá até vergonha parece radinho de pilha sem graves nenhum ,Cvt é ótimo para trânsito lento cidades , mas tira toda esportividade , que apesar de não ser a proposta esse carro seria ótimo com AT convencional ou de dupla embreagem no geral um bom carro mas se a Dona Ford nos desse o “privelegio” de trazer o novo FOCUS nao pensaria nem duas vezes em voltar a ter um.

    • João

      Mas o Civic 1.5T nunca nasceu para ter esportividade. O motor é para dar segurança em ultrapassagem e economia de combustível.

      • Titanplus

        Sem dúvida mas pensamento de quem gosta de corolla a Honda conquistaria um público bem maior com AT convencional ou Dct como até testaram lá no Japão seria quase perfeito e o brake hold tb é ótimo traz muito conforto para o carro.

  • Charlis

    Tivemos 3 Hondas Civics em casa:
    – G7 2003 LX 1.7 MT5 Gasolina;
    – G8 2006 LX 1.8 MT5 Gasolina;
    – G9 2014 LXS 1.8 MT6 Flex.

    G7:
    Foi o primeiro carro da Honda que tivemos contato, foi comprado na época apenas pela negociação. Visto que, a Honda estava começando a entrar no mercado, e eles eram excelentes em negócio (algo não existente hoje).
    Estávamos entre o Astra e o Golf da época, mas o Civic já oferecia A/C e o rádio integrado no painel, custou mais barato e ganhou.
    Ficamos 3 anos e uns 60 mil km com ele. Único defeito que apresentou foi o famoso problema da embreagem, que assombrava os Civics manuais.
    Era um carro bacana, mas longe de empolgar.

    G8:
    O famoso New Civic.
    Não teve como não comprar ele na época. Seu lançamento ocorreu junto a época de trocar o antigo Civic.
    Já no lançamento, fechamos um preto, LX básico + couro.
    Foi o carro mais “querido” ou “cobiçado” que tivemos… era uma nave espacial aquele interior na época.
    Este sim dava prazer em guiar, em era muito superior que o G7, completamente outro carro.
    Suspensão traseira Double Wishbone e uma direção curtíssima garantia a diversão.
    Só não era perfeito pelo motor, já que esse cargo foi do SI, que juntava tudo isso, mais um motor excepcional.
    Também ficamos 3 anos, 60 mil km, sem defeitos algum EXCETO a maldição da embreagem.

    G9:
    2014, comprado no começo de 2013, quando a Dona Honda fez essa sacanagem com quem comprou o 2013.
    Alguns pontos foram piorados em relação ao G8, como o acabamento, suspensão traseira (ficou mais macia para o gosto do Brasileiro), a direção deixou de ser curta.
    Mas por outro lado, o motor teve poucas alterações que melhorou MUITO.
    Andava muito mais, e era muito mais econômico, aqui fica o mérito do excelente câmbio MT6.
    E vendi ele também 3 anos depois, com 60 mil km.
    Esse deixou bastante saudade!

    G10:
    Nada… Jetta TSI mandou um forte abraço!
    O G10 deixou muitos pontos a desejar considerando seu preço.
    Achei um absurdo manter o mesmo motor 2.0 SOHC sem ao menos uma injeção direta, ou qualquer outra evolução, além do broxante câmbio CVT.
    Enfim, ao menos a geração 10 eu pulei!
    Quem sabe o SI dessa versão num futuro …

    []s

  • Franco da Silva

    Me cobra pastilha ou velas naquela quilometragem para ver. Nunca processei ninguém, mas sempre tem a primeira vez. E a concessionária ainda amanhece com uma plotagem gigante nos vidros: “Não compre aqui!”
    Lembrei do cara que pagou um guindaste e suspendeu o carro na frente da loja, cheio de faixas contando os problemas. E era uma Toyota…!

    • Gorpo de Etérnia

      Nofaaa… que violento!!

      • Franco da Silva

        huahua

  • Leandro Gomes

    Uma matéria assim é um desserviço, são somente casos pontuais e problemas que podem acometer uma ou outra unidade de qualquer modelo. Nada representativo.

    Talvez a matéria sirva apenas para mostrar que esse carro realmente não tem defeitos ou problemas crônicos e generalizados, que afetam uma parcela significativa das unidades – como os problemáticos Powershift, DSG e Dualogic, pra ficar só no exemplo de transmissões.

    • FREDRED

      Concordo, Toyota e Honda são os melhores carros no mundo, não existe melhor, nunca vi um em uma oficina, nunca vi quebrado na rua ou rodovias, esses dias fui em uma ccs e tinha somente um mecânico, perguntei o porque, a resposta foi:
      – O carro não quebra e não dá manutenção, não é mais necessário fazer revisão, não precisa mais trocar o óleo do carro, já viu aquele esquema do imã no Facebook de ter um ventilador infinito, pois é a Honda fez isso no carro. 😮

      Matéria tendenciosa, não vou mais seguir o N.A.

    • Fernando

      não. pelo contrário. mostra o desrespeito das ccs com o consumidor. se são defeitos pontuais deveriam ser imediatamente sanados, pois o prejuízo é mínimo para a ccs e/ou montadora. porém ao negar um conserto de um defeito ocorrido com pouca quilometragem, mostra ou que esse defeito é recorrente e não querem arcar com o prejuízo, ou simplesmente ma fé da ccs/montadora.

  • fsjal

    Se a Honda foi referência em pós-venda, deve ter sido há muito tempo, pq uma das piores experiências dentro de uma concessionária que eu tive na vida, foi Honda.
    Nunca mais gasto 1 real em carro dessa marca.

  • Thyago Moraes

    Se chegar no grupo dos hondeiros vao dizer que meu carro nao faz um barulho se quer e so troco o oleo a cada 50 mil km 🤣🤣🤣🤣🤣🤣

  • Baetatrip

    Pois é!
    Com a evoluçao dos carros e a qualidade cada vez pior sendo menos durabilidade e + “descartavel”…..!
    Já andei num Civic ano 10 e … Nada de impressionante, porem o acabamento e uma miseria !
    Baixo mesmo…. Vivia raspando nas quebra molas irregulares…
    Sorte que tenho SUV-Jipe 4×4 (Nao essas coisa de HRV….CRV…. Besteira qq nao)

  • REDDINGTON

    Falar que o G 9 tem a suspensão dura??? Nunca andou no G 8, aquele sim parecia um kart, mas curvava demais!!!

  • Guilherme

    infelizmnete meu civic G9 traz a maioria dos problemas/defeitos apresentados nesta matéria.
    Sai de um Bravo que todos conhecimento falavam mal e faziam cara feia para um famoso e amado civic.. MAIOR ARREPENDIMENTO.
    HONDA VAI SER DIFICIL EU TER CORAGEM DE COMPRAR OUTRO.. duros e batedeiras ambulantes

  • Jefferson

    Outro que tem vários problemas com carros recém saídos da concessionária é o HR-V, inclusive muitos com pontos de ferrugem, isso é patético.

  • Hudson Borges

    Tive a oportunidade de ter um Civic G8, depois um Corolla Altis, e logo voltei para o Civic G9!

    Um dos principais motivos para o retorno ao Civic, e só quem já teve sabe, é a posição de dirigir, a qual eu nunca encontrei em outro veiculo, e a segurança que o carro te passa ao guiar, a suspensão é mais rígida sim, porem você não tem medo de entrar em uma curva fechada acelerado, pois ela trabalha da forma correta te mantendo no trajeto.

    Outra coisa que me mantem no Civic, é o cambio manual curto e preciso, que me da a esportividade quando preciso, e o conforto e ótimo consumo quando necessário.

    Quanto a barulho, hoje o meu esta beirando os 100k e só tenho barulho no vidros quando estão abertos pela metade, ao passar em um piso ruim, no mais 0 barulhos, oq me impressiona, pois até o corolla com menos de 60k já apresentava ruído.

    • wili

      Excelente descrição

  • Fabio Oliveira

    Todos fabricantes tem problemas. Diferença é que uns tem mais… Estamos no terceiro Honda em casa. Um G9 LXS furtado aos 20k km, G9 EXR com 110k km e um Fit EXL com 110km. Civic está com pastilhas e suspensão originais, pneus trocados aos 70k km e agora pedindo por novas buchas inferiores. Fit ainda com suspensão original e em ótimo estado. Apenas foi colocada fita anti ruído na cobertura da tampa do porta-malas. Acabamento é simples, mas peças bem encaixadas, vão uniformes e não desgastam. Certamente trocaria por outro Honda.

  • Francisco Wide

    Civic vem perdendo muito em qualidade e isso não é de hoje, na minha opinião o.ultimo civic de qualidade, foi a 6 geração era um carro macio não batia nada sem problemas.cronicos.7 geração já veio com alguma problemas folga a caixa de direção que apresenta barulho, buchas do banco do motorista apresenta folga e o Banco do motorista fica com pouco de folga, 8 geração new tem problema na caixa de direção tb alto consumo de combustível nas versões Flex, problemas nos bicos injetores, suspensão dura se comparado ao g7 e g6.

  • Marcio Souza

    Por isso não compro carro recém lançado. Cheio de problemas a serem resolvidos. Vai ficar bom daqui uns 2 anos.

  • Rodrigo

    Essa dos vidros dianteiros e do apoio de braço central me deixavam de cabelo em pé no meu ex-Civic 9. A dos vidros desisti de solucionar (na vdd o próprio consultor disse que era característica do carro). O curioso é que as canaletas não possuem aqueles pelinhos na face interna que entra em contato com o vidro e acho que isso é o que causa o barulho.
    Já o apoio coloquei vários feltros no contato entre a caixa e o apoio e resolveu.

    Outra coisa que me deixava intrigado é que uma vez por semana eu tinha que ajustar a altura do banco, pois era comum o banco ir baixando sozinho (e olha que peso só 75 kg).

  • Ítalo Figueirôa

    Tive um LXR 14/15 e vendi com pouco mais de 40.000km, nenhum problema dos citados… atualmente tenho um EX CVT 18/18 que está com 4.200km, também não deu nada, até agora…

  • Hugo Alves

    faltou o maior de todos os problemas: 115 mil num desses.

  • Juninho Double

    Muitas reclamaçoes sao frescuras ou de pessoas que nem tem o carro

  • Anderson Neves

    Ia comprar um G9 14, mas acho que vou comprar um BMW 11 (para não sair da faixa de preço), afinal o problema dela é só o motor fumar com 40mil km e ter que gastar uns 6mil na troca dos retentores e que não dão garantia. Ou um Audi A3 2.0 12 que só tem o problema crônico na bomba de óleo e vazamento pra todo lado. Afinal são marcas premium!
    Ficar ouvindo grilo de vidro e descansa braço não dá!

  • antonio

    Estou para trocar de carro, quase que compro esta bomba…. a revenda deve ser terrivel. Vejo muita gente com esse carro com muito pouca km rodados ja tentando vender, agora sei o porque!

  • Jorge Luiz

    Tenho um Ronda LXS e o sistema de multimidia nao responde aos comandos. O que devo fazer

  • Odair Pinheiro

    Bom dia tenho um Honda Civic 2002 geração 7 se não estou enganado e fico surpreso quando ao acabamento interno o painel não faz qualquer barulho e agora que subistutui os amortecedores de Cofap para Kayaba o carro ficou ainda mais silencioso. uma maravilha de rodar, ja que faço em media 6.000 Km mes com meu carro.

  • Odair Pinheiro

    Não me vejo comprando outro carro ate mesmo porque não sei se outro vai aguentar o que meu Honda Civic aguenta, manutenção e cara mas vale a pena. Fiz agora em fevereiro a troca de varios componentes como toda suspensão traseira e dianteira, todos os coxins do motor, correias geral, ajuste de valvulas do motor o carro ta uma maravilha preparado para rodar mais um ano sem problemas.

  • Adriano Braga

    O que eu achei péssimo no Civc !0: 1 – O sensor FRONTAL de movimento que toda hora fica tocando dentro do carro enchendo o saco, quanto ao traseiro tudo bem 2 – Câmera de ré que apresenta uma péssima visibilidade pois a mesma é curvada e diminui o tamanho real prejudicando qualquer manobra, 3 – Ar-condicionado gela muito pouco,

  • Adriano Montich

    Affff, matéria nada a ver, Estou no meu 3º Civic (2 G9 e agora 1 G10) e nada disso acontece nem de perto. Tem outros Civics na família e de amigos, todos ótimos!!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email