Manutenção Matérias NA

Quais carros precisam de cambagem?

Quais carros precisam de cambagem?

O pneu começa a se desgastar mais de um dos lados da banda de rodagem, sem motivo aparente. Você já tinha feito alinhamento e balanceamento, mas agora notou que isso está acontecendo. Ao levar novamente no mecânico, ele deve dizer que a suspensão precisa de cambagem. Mas, por que isso aconteceu? Quais carros precisam de cambagem? O que é cambagem?

Quais carros precisam de cambagem?

No caso da última pergunta, em relação ao processo de alinhamento do curso vertical da roda, a resposta é todos os que porventura vierem a ter danos no conjunto de suspensão.

Mas, como acontece? Antes de responder a essa pergunta, é preciso saber o que é cambagem. Todo automóvel possui um ângulo de inclinação vertical das rodas em relação ao solo, que se chama câmber. Ele pode ser de três formas: neutro ou nulo, positivo e negativo. No primeiro caso, a roda está em um ângulo zerado e totalmente vertical em relação ao solo, descrevendo 90 graus perfeitamente em comparação ao piso.

No positivo, as rodas fecham para dentro da carroceria na parte superior, como se o carro estivesse com muito peso sobre si. No caso do negativo, as rodas dos lados direito e esquerdo estão mais próximas, mas na parte inferior, fazendo que a parte de cima esteja mais afastada da carroceria.

E o que acontece em cada caso? No caso da roda com câmber nulo, haverá um esforço maior do sistema de direção, deixando-a mais pesada nesse caso. Em relação ao positivo, um menor esforço desse sistema será verificado, tornando a condução mais leve e reduzindo os esforços sobre os componentes do dispositivo. Por fim, o câmber negativo pode acarretar desgaste interno nos pneus, já que o ângulo das rodas tende a forçar mais o material rodante e os componentes da suspensão nesse caso.

Em relação ao motivo da cambagem no exemplo inicial é um só, impacto. Os carros modernos geralmente são robustos o bastante para suportar bem os pisos irregulares do Brasil, mas acontece que ainda existem situações cotidianas que acabam por avariar a suspensão desses veículos. Assim, a cambagem só está relacionada com esse tipo de avaria, gerado por um impacto frontal, vertical ou mesmo esforços laterais.

Por exemplo, uma batida contra um buraco, guia ou depressão na via, onde a velocidade e peso do carro deverão contribuir negativamente nesse caso. Aquela encostada no meio fio da rua durante manobras pode acarretar em problemas com cambagem. O motivo é que tais impactos acabam por amassar um dos componentes da suspensão, alterando o ângulo do câmber e assim gerando problemas de desgaste acentuado nos pneus.

Quais carros precisam de cambagem?

Cambagem

Para desentortar as peças avariadas e corrigir o ângulo de câmber das rodas, os mecânicos fazem o processo que é chamado de cambagem. O assunto gera controvérsia nos dias de hoje, pois especialistas e fabricantes dizem que não é indicado fazer isso, mas descobrir quais componentes estão avariados e troca-los por novos. O impacto gerado sobre a roda pode amassar um amortecedor, afetar molas, pivôs, terminais de direção e outros componentes.

Para evitar tal pesquisa e simplificar o negócio, muitos mecânicos oferecem a cambagem como solução. A questão é que isso não é recomendado por nenhuma norma. Na norma ABNT, nem mesmo a cambagem é citada. Já a NBR 14780, norma que trata do conjunto de suspensão, diz que “segundo as especificações da fabricante do veículo”, a geometria das rodas deve ser corrigida. Ou seja, nada mais de informação sobre o assunto. Mas, então, quais carros precisam de cambagem?

Os prós dizem que a cambagem é necessária para que o ângulo correto volte ao normal. Existem até tabelas com os ângulos máximos e mínimos para o câmber dos carros, mas entre mecânicos que atuam nesse tipo de reparo, fala-se que seguir esses “manuais” trará o cliente de volta para a oficina após alinhamento, balanceamento e a tal cambagem. Por isso, o ideal seria numa convergência dianteira entre +0,40° e -1,00°, mais que isso faria o pneu “cantar na curva” e “comer pneu”. O traseiro seria de +0,00° e -4,50°, também com ainda mais negativo comendo pneu.

Por causa disso, mesmo os programas de computador não são garantidos na cambagem. O motivo é que, de acordo com os fabricantes, mesmo que uma peça volte a sua forma original, a mesma sofreu alterações físicas que reduzem sua rigidez e mais tarde a mesma peça voltará a dar problemas. Dessa forma, fazer a cambagem não é recomendável em hipótese alguma.

O que acontece nesse processo? Para arrumar o conjunto de suspensão, no caso da cambagem, o mecânico irá colocar um suporte para fazer pressão sobre a torre do amortecedor e a parte inferior da suspensão. Esse sistema, geralmente hidráulico, exercer pressão sobre o conjunto para este voltar à posição normal. Isso se faz porque 98% dos carros não possuem um sistema de cambagem de rodas, que utilizaria parafusos, porcas ou outros recursos para corrigir a posição vertical do movimento dos pneus.

Sem isso, fica arriscado aplicar força sobre uma peça ou conjunto avariados para se obter o mesmo resultado do original. Com a perda da elasticidade da peça, a resistência e a durabilidade da peça serão comprometidas e isso pode até acarretar um problema de segurança mais adiante. A execução da cambagem, entretanto, se tornou tão difundida que algumas lojas simplesmente só dão garantia de terminais de direção, buchas, pivôs e outros componentes da suspensão e direção se a cambagem for realizada.

Quais carros precisam de cambagem?

O que fazer?

Nessa situação, onde o carro esteja com a suspensão avariada, antes de pensar ou aceitar fazer uma cambagem ou mesmo querer saber quais carros precisam de cambagem, procure um profissional especializado em suspensão ou mesmo uma rede focada apenas em rodas, pneus e suspensão. Tais profissionais inspecionarão e identificarão quais peças e componentes da suspensão precisam ser trocados. É importante saber que de fato a substituição do que está ruim, traz de volta a posição original das rodas no veículo.

Alguns motoristas dizem que seus carros não precisam ou nunca precisaram de cambagem, mas o certo é que muitos deles não sofreram impactos consideráveis o suficiente para avariar o conjunto de suspensão, mesmo que a pancada aparentemente pareça ter destruído o sistema inteiro. Além disso, a aceitação da troca de buchas, pivôs e outros componentes permite evitar a cambagem e daí a certeza de que seus carros não precisam disso. Mas, mesmo que ocorra um incidente, o ideal é buscar ajuda especializada. Então, somente após isso, pode-se providenciar a compra de pneus novos.

Quais carros precisam de cambagem?

Alinhamento e balanceamento

Antes de mais nada, é preciso estar com o carro em dia, a fim de evitar surpresas e custos desnecessários. Por isso, recomenda-se fazer alinhamento e balanceamento regularmente. Em carros muito usados, o recomendável é fazer a cada 5.000 km, assim como o rodízio de pneus. Os fabricantes possuem cronogramas diferentes para a execução desses serviços.

Além disso, mantenha sempre a calibração dos pneus com as libras corretas e de preferência a cada semana, ajudando assim a evitar desgaste prematuro dos pneus e consumo maior de combustível. A própria segurança pode ser comprometida com pneus apresentando baixa pressão, assim como choques de maior carga poderão atingir, amassar e trincar das rodas diante de um buraco ou pedra. Assim, sem cambagem, mas com alinhamento e balanceamento, os pneus deverão durar muito. E, quais carros precisam de cambagem? A resposta é, nenhum!

Quais carros precisam de cambagem?
Nota média 4 de 4 votos

  • Ricardo

    Um pouco positiva é o ideal para o carro não ficar bobo.

    • Thales Sobral

      Cambagem positiva? Com o topo do pneu mais pra fora do que a parte de baixo?

      • Ricardo

        Não tenho certeza, o texto me deixou confuso, basta notar nos carros de corrida, a parte de baixo dos pneus ficam para fora.

        • Thales Sobral

          Positiva: /

          Negativa: /

          • Ricardo

            Achava q era assim, mas o texto está ao contrário.

            • Thales Sobral

              Isso, o texto está errado.

        • O texto ficou confuso, mesmo. A positiva é aquela em que a parte inferior das rodas fica mais próxima uma da outra. Na negativa o conjunto fica “aberto”, com as faces dos pneus que tocam o solo ficando mais afastadas uma em relação à outra.
          Uma cambagem um pouco positiva a neutra é a indicada para a maioria dos carros. Cambagem negativa quase sempre implica em desgaste acelerado da borda interna da banda de rodagem dos pneus, em especial se ocorrer no eixo dianteiro.

  • Comentarista

    Picaretas que querem levar vantagem em cima das pessoas.. é o que mais tem nesse mundo…

    • leandro

      Justo!
      Por esse motivo não faço mais alinhamento periódico do meu carro. Se a direção tá certa, a suspensão não sofreu nenhum trauma, pneu não tá gastando desigual e nem cantando fora do normal em curvas eu não deixo mecânico “ranca e fuça” (isso inclui os das css) botar a mão.

      No meu NF rodei de 0km até os 110 mil km e fiz só 2 alinhamentos (por peso na consciência, tava tudo ok e continuou ok, os parâmetros de alinhamento dava pra ver que estavam bons, mecânico dava aquela mexidinha pra justificar o $$$ deles)

      • Eduardo Sad

        Essa questão de ficar levando pra fazer alinhamento de 5 em 5mil km, vc gasta mais com mão de obra do que com pneu. Eu por exemplo estou sempre na estrada: isso facilita conhecer melhor a reação do carro. No meu último veículo rodei 100mil km e assim como vc, fiz apenas 2 alinhamentos, onde a correção foi mínima. Se não houve trauma considerável, a direção não puxa, não ocorre mudança de direção em linha reta, ao frear não ocorre mudança de direção, não há trepidação ou ressonância no volante, volante apresenta-se em acordo ao sentido direcional, não há porque procurar pêlo em ovo.

        • leandro

          Penso que aqueles aparelhos de alinhamento “carinhosamente” tratados por um bando de antas devem estar mais descalibrados que o meu feeling no carro pode me dizer

          • Eduardo Sad

            Cara, no meu penúltimo carro, já utilizado em viagens, ainda não tinha tanta experiências com essas manutenções. Fui trocar o jogo de pneus próximo aos 50mil, e o carro estava com a dinâmica perfeita. Só trocar os pneus, me foi empurrado tudo: alinhamento, cambagem correção de caster, enfim … Gastei uma grana e o carro não foi mais o mesmo. Tive que retornar mais duas vezes ao local pra eles me entregarem o carro a contento. A prestação de serviço é tão falha que, muitas vezes ao buscar excelência, aquele ajuste fino, temos como resultado algo pior do que o inicial, infelizmente!

          • Guedes

            Eu fico besta com o nível dos mecânicos no Brasil.

            É uma profissão com muito “analfabeto funcional”. Os caras não sabem quase nada.

            Eu tenho um Golf TSI fui trocar o óleo o cara me perguntou se o carro era 2.0.

            Os caras lidam com carro mas não sabem quase nada do “mercado”…

        • afonso200

          isso depende, no caso do meu azera, a cada 5 mil km, ta tudo fora do lugar, carro pesado

  • Razzo

    “Para arrumar o conjunto de suspensão, no caso da cambagem, o mecânico irá colocar um suporte para fazer pressão sobre a torre do amortecedor e a parte inferior da suspensão. Esse sistema, geralmente hidráulico, exercer pressão sobre o conjunto para este voltar à posição normal. Isso se faz porque 98% dos carros não possuem um sistema de cambagem de rodas, que utilizaria parafusos, porcas ou outros recursos para corrigir a posição vertical do movimento dos pneus.”

    -> Esta segunda foto mostrando um pistão hidráulico entortando a torre do amortecedor para “ajustar” a cambagem é de assustar.

    • Marcelo Alves

      Você tem outras opções caso não queira corrigir o alimento usando ferramenta hidráulica que é:

      Trocar todas as peças (amortecedor e se necessário a mola, manga de eixo, cubo de roda, braço oscilante, buchas), coloca o carro no alinhamento, se der alinhamento, ok, se não der alimento, parte pro próximo nível que é desempeno de monobloco, verificar o alinhamento do monobloco e colocar o carro no ciborgue e sair puxando pontos do monobloco até “entortar” a estrutura pro lugar, depois montar as peças de suspensão e rezar para dar alinhamento no carro.

      Se for eixo traseiro, você pode comprar um eixo novo na concessionária (coisa de 2 – 3 mil reais pra mais).

      Ou então você faz a cambagem com o equipamento hidráulico e entorta a suspensão 1 milimetro em sentido contrário para ela voltar para o lugar (afina, ela já entortou sozinha quando a roda bateu em algum lugar e você continua rodando com uma suspensão torta de qualquer forma).

      Isso eu estou falando de empenos mínimos, coisa de 1 grau de diferença apenas, quando o empeno é muito grande é arriscado usar essas ferramentas para voltar a suspensão para o lugar.

  • JOSE DO EGITO

    A maioria absoluta dos carros de 15 anos pra frente nao precisa de cambagem, isso é pra malandro 171 ganhar dinheiro facil nas custas do povo que nao sabe disso

    • Marcelo Alves

      Não precisa se a suspensão estiver alinhada dentro dos parâmetros de fábrica, se o carro sofrer algum tipo de pancada na suspensão e entortar alguma peça, o carro vai ficar fora de alinhamento e aí sim, você pode fazer a cambagem forçando a suspensão para a posição original usando a ferramenta hidráulica ou então você faz a coisa de forma correta: troca a suspensão inteira e, se necessário, leva em um lugar para desempenar o monobloco do carro para a suspensão voltar para a posição original.

      As peças desses carros mais novos não possuem regulagem de cambagem, então, depois que elas entortam e saem da posição, ou você sai trocando tudo por peças novas até corrigir o problema, ou usa a cambagem com o equipamento hidráulico e entorta a suspensão de volta para a posição original.

  • Zé Mundico

    Sei não, mas só vejo sentido nisso para corrigir grandes deformações que danifiquem os componentes da suspensão, tipo uma forte pancada que empene ponteiras, sapatas, cubo da roda, terminais, enfim, uma porrada muito grande, daquelas de quebrar a homocinética e empenar o aro .
    No mais, é trocar as peças apenas conforme a necessidade. Pessoal adora inventar problemas para vender $oluções…..

  • Racer

    “Corrigir” um alinhamento na base de entortar uma peça….nunca. Outra coisa que poucos verificam é o caster. E poucos carros tem ajustes para estes dois parâmetros.

  • Samluzbh

    Aqui em BH, fazem alinhamento por 30 reais, e condenam a cambagem, cobrando 150, se vc recusa não fazem nada e cobram os 30 pelo “trabalho” só procon pra ajudar.

  • jose ailton

    Matéria sem pé nem cabeça, CAMBAGEM existe sim e se preciso for deve ser corrigido agora se seu profissional e malandro e tenta de cobrar sem ser preciso fazer e outros quinhentos. Quanto aos métodos utilizados no processo vai depender de cada veiculo, há os que tem como abrir regulagem na base da coluna do amortecedor e há os que deve ser tirar o conjunto e levar à uma prensa para devida correçao, e há tambem os que já vem com regulagem de fabrica, ao que isso nao quer dizer que seu profissional deva proceder a regulagem de graça…. não…. requer conhecimento e deve ser cobrado sim…..e há casos que deve substituir o conjunto como mencionado na matéria, qualquer profissional que realmente seja um verdadeiro profissional, sabe quando o conjunto tá torto a ponto de não ter como proceder com nenhum processo de cambagem e mesmo assim tem casos que mesmo com peças novas e preciso proceder com pequenas regulagens.

    • Gabriel Araujo

      Exatamente. Inclusive tem vídeos na internet onde o mecânico trocou TODO o conjunto de suspensão, incluindo torre, amortecedores, buchas, pivôs, braços, coxins, bieletas, etc., e ao colocar na máquina, a mesma acusou erro de cambagem. E aí? Vai condenar todas as peças novas? Errado. Existe cambagem sim, mas como vc disse, o problema é que muitas vezes ela não é necessária e os picaretas “empurram”.

  • afonso200

    o certo é fazer uma solda no parafuso da manga de eixo e fazer ele subir 1mm

  • PH Sacchi

    Por esse motivo não permito a realização desse serviço ( eles empurram ou tentam na troca dos pneus, alegando que não podem dar garantia se não o fizerem ) ; Na próxima vez que ouvir essa conversa vou argumentar que o fabricante não recomenda essa prática e perguntar se eles fazem um laudo por escrito atestando tal necessidade uma vez que você troca pneus que apresentam desgaste normal e uniforme não tem motivo de realizar outro serviço que não seja alinhamento e balanceamento …

    • Lucas

      O problema é que os fabricantes não recomenda a cambagem de fato, porém fala que é pra trocar a peça por peça até achar o defeito, então você pode se recusar a fazer a cambagem mas vai ter que trocar peças do carro ate ele acerta o angulo, pra você ter a garantia do pneu.

  • Helder

    Alinhamento só quando troca o pneu , cambagem desnecessária , eh bem simples

  • Louis

    Tem umas redes de centro automotivo aí, que em 100% dos casos que você levar lá, vão falar que precisa fazer cambagem, cobrando o olho da cara. Eu não caio mais nessa, só faria se percebesse algo muito fora do padrão na estabilidade do carro.

    • Retrato do Papai

      certa vez em uma oficina colocaram meu carro na máquina de alinhamento e disseram que precisava fazer alinhamento + uma cambagem do lado do motorista, de imediato recusei, até porque estava lá para fazer outra coisa… poucos minutos depois chegou um carro do mesmo modelo do meu e teve o mesmo diagnóstico: alinhamento + cambagem do lado do motorista… qual probabilidade é maior: ambos os carros estarem com o mesmo problema, ou a máquina alinhadora estar desalinhada?

  • Retrato do Papai

    e quando a oficina já tem uma propaganda pronta do tipo “ALINHAMENTO + 2 CAMBAGENS = R$ XX” ? perto da minha casa tem uma oficina exatamente assim, nem viram o seu carro ainda mas já sabem que tem que fazer 2 cambagens huehuehue

  • julio

    É tecnicamente possível fabricar carro que não precise mais de alinhamento, balanceamento, etc?!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email