Quais carros tem cinto de 3 pontos no meio?

Quais carros tem cinto de 3 pontos no meio?

O quinto passageiro em um automóvel tem uma posição ingrata se considerarmos a atenção dispensada por fabricantes e projetos de veículos, especialmente quando falamos de carros mais antigos.

Com exceção de algumas minivans, o restante coloca túnel elevado no centro, encosto menor, apoio de braço nessa parte e outros incômodos. Além disso, em termos de segurança, até pouco tempo atrás existiam alguns carros que não apresentavam apoio de cabeça e muito menos o imprescindível cinto de três pontos.

Até que a lei mudasse nesse assunto, o que ocorreu em 2020, a lista de carros sem tais itens não tinha apenas modelos baratos, mas também alguns grandes e caros. Um exemplo era o Kia Sportage, um SUV de R$ 112.990 que vinha apenas com cinto subabdominal.

Mas o assunto aqui é quais carros tem cinto de 3 pontos no meio. Obviamente, o interesse na questão está relacionado com os carros mais baratos, pois são eles os mais suscetíveis ao corte de custos no projeto e na produção por conta de sua baixa rentabilidade, diferente de outros segmentos superiores, onde as margens são maiores.

Também existe a questão da exigência dos clientes. Infelizmente, muita gente ainda abria mão disso e comprava carros sem cinto de 3 pontos no meio, talvez achando que ele nunca seria usado ou que não era tão necessário.

Infelizmente, a obrigatoriedade teve que ser imposta para que os fabricantes colocassem esse equipamento ainda na fábrica, algo que demorou muito para ocorrer em nosso mercado. Com isso, atualmente todos os carros novos oferecem o cinto de três pontos para o quinto passageiro.

Pensando em quanto tempo isso demorou para acontecer, confira na lista abaixo quais carros tinham esse equipamento até pouco antes da nova lei, levando em conta os modelos 2019. Com isso, você vai saber o que procurar no mercado de usados para garantir a segurança de sua família.

Chery – O Tiggo 2 era o único modelo da marca chinesa que tinha cinto de 3 pontos no meio do banco traseiro antes da lei, tendo ainda apoio de cabeça ajustável. O crossover da marca chinesa tem motor 1.5 de até 115 cavalos e transmissão manual de cinco marchas.

Chevrolet – Na gama da marca americana, somente os modelos mais caros possuíam o equipamento, incluindo Cruze, Cruze Sport6 e Tracker. Os demais só subabdominal. O trio ficava perto de R$ 100 mil e isso mostra o quanto os demais produtos da marca abaixo deles eram inseguros por falta deste e de outros equipamentos.

Citroën – A marca parisiense contava com cinto de 3 pontos no meio em toda a gama de produtos, sendo esta composta pelos modelos C3, Aircross e C4 Lounge até R$ 100 mil. Acima disso, existiam ainda os modelos C4 Picasso e Grand C4 Picasso.

Fiat – O Uno tinha cinto de 3 pontos no meio, item de segurança que foi adicionado na última reestilização do modelo. Os novos compactos Argo e Cronos também já apresentavam o equipamento, bem como a picape Toro e a multivan Doblò.

Ford – Não muito tempo antes da mudança na lei, a marca decidiu introduzir o cinto de 3 pontos no meio para seus modelos de entrada. Isso significa que a dupla Ka e Ka Sedan agora traziam o equipamento, assim como New Fiesta e Focus. O EcoSport também já vinha com esse mesmo tipo de cinto de segurança.

Honda – A marca japonesa faz uso do cinto de 3 pontos no meio em toda a sua gama de produtos nacionais e importados. O quarteto Fit, City, WR-V e HR-V vem devidamente equipado com o item de segurança, bem como Civic e CR-V. Parte deles utiliza o sistema de retração do cinto articulado, preso no teto.

Hyundai – Ao contrário de HB20 e HB20S, o Creta vinha com cinto de 3 pontos no meio do banco traseiro em 2019. O SUV compacto fica isolado nesse quesito, pois apenas o sedã executivo Azera e o Santa Fé de nova geração é que possuíam o dispositivo, revelando que a marca sul-coreana dava pouca atenção para o item.

JAC Motors – Diferente de algumas marcas importantes no mercado nacional, a JAC tem cinto de 3 pontos no meio para seus principais modelos, entre eles o T40 e o T5, os utilitários esportivos mais proeminentes do fabricante chinês. Além disso, o sedã médio J5 e o SUV de mesmo porte, o T6, também possuem esse equipamento.

Jeep – Renegade e Compass também estão devidamente equipado com cinto central de três pontos para o quinto passageiro nos modelos 2019 ou anteriores, sendo um dos muitos itens de segurança de fábrica da dupla de utilitários esportivos nacionais da antiga FCA. Os demais modelos da marca também possuem tal recurso.

Kia – O Picanto GT chegava ao mercado com cinto de segurança central de três pontos, assim como acontecia com o Soul, o crossover compacto da marca por aqui. Fora estes, não havia mais opções da sul-coreana no Brasil com este tipo de cinto, nem mesmo a Grand Carnival e o Sorento. O sedã Quoris não estava mais disponível, assim como o Optima.

Lifan – O sedã compacto 530 também contava com cinto centralizado de três pontos, embora sem o apoio de cabeça. De qualquer forma, o chinês cumpre pelo menos esse requisito de segurança, tema dessa matéria. O SUV compacto X60 também não ficava atrás ao oferecer o mesmo equipamento que o irmão mais barato.

Mitsubishi – Os modelos ASX e Outlander possuem cintos de 3 pontos para o quinto passageiro (confira aqui Mitsubishi ASX 2015: motor, consumo, etc), assim como alguns modelos da marca japonesa no Brasil. A dupla cumpre bem os requisitos nesse aspecto, especialmente o irmão maior, que também tem versão para sete lugares. A L200 Triton e o Pajero Full são outros com o mesmo recurso.

Nissan – Na gama da marca japonesa, a dupla de acesso pecava nesse quesito, mas o Kicks já vinha com o terceiro cinto traseiro com 3 pontos. O mesmo em relação ao sedã médio Sentra, onde tal item é obrigatório. Infelizmente, apenas essa dupla possuía tal recurso no portfólio de produto da marca no Brasil.

Peugeot – O 208 possuía cinto de 3 pontos no meio do banco traseiro e, tal como ele, o 2008 também cumpre seu papel nesse aspecto. A dupla de compactos é ainda acompanhada do 408 Business THP, que era um sedã médio para frotistas e PCD, que também vem com o recurso. Como se sabe, o 308 foi retirado do mercado antes dessa nova lei.

Renault – O cinto de segurança de três pontos na Renault só aparecia a partir da picape Oroch, que estranhamente (não deveria ser assim) oferece o item, enquanto o Duster não o tem. Já o Captur apresenta o dispositivo com ancoragem no teto. O Fluence naturalmente também dispõe do mesmo item.

Suzuki – O SUV compacto New Vitara vem com este cinto para o quinto passageiro, assim como seu irmão, o crossover S-Cross. A dupla da marca japonesa é importada, enquanto o Jimny é feito em Catalão-GO. No caso do jipinho, ele só tem quatro lugares, por isso não vem com esse recurso.

Toyota – Etios e Etios Sedan possuem um pacote bem completo de segurança na linha 2019 e isso inclui o cinto de 3 pontos para o quinto passageiro. Além da dupla de acesso da marca, seu best-seller obrigatoriamente também oferece o recurso, tal como RAV4 e outros produtos da marca.

Veja também: Etios Sedan 2019: versões, consumo, etc

Volkswagen – Na marca alemã, o cinto de segurança de três pontos para o quinto passageiro surgia apenas a partir dos compactos Polo e Virtus, que vêm de fábrica com o recurso. Além deles, a VW oferecia obrigatoriamente o item nos modelos Golf e Jetta, que são do segmento médio e precisam estar num nível idêntico ao da concorrência. Todo o resto da gama, exceto Gol, Voyage, up!, Fox e SpaceFox, oferecem este cinto, quando sua configuração interna permite.

Sentiu a falta de alguns modelos? Pois é, por incrível que pareça, o que mais pecaram nesse aspecto são exatamente os mais vendidos, infelizmente.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.