*Destaque Listas Top 10 Mercado Preços

Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

carros-mais-desvalorizam-brasil Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Além dos carros que menos desvalorizam no mercado brasileiro, a agência Autoinforme realizou um estudo para mostrar os automóveis que apresentam o maior índice de desvalorização no País. Há diversos fatores que determinam o bom valor de revenda de um veículo no mercado, como o atendimento, preço de peças, serviços de oficina, custo de seguro, entre outros, formando uma boa imagem do carro junto ao consumidor.



A desvalorização dos carros não está ligada à qualidade do produto, mas sim à estratégia de pós-venda dos fabricantes e importadores.

De acordo com o Estudo de Depreciação Autoinforme, feito com base na cotação da Molicar, o campeão de desvalorização é o Citroën C3 Picasso, que inclusive foi descontinuado no mercado brasileiro em novembro do ano passado com a chegada da linha renovada do Aircross (o oitavo carro que mais desvaloriza). A minivan em sua versão “civil” perde 22,2% do seu valor a cada ano.

A maior parte da tabela de depreciação é composta por modelos de nicho, de luxo ou com pequena participação nas vendas. Confira abaixo os vinte carros que mais perdem valor após um ano de uso:

1) Citroën C3 Picasso – 22,2%

citroen-c3-picasso-2015-5 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O “rei” da desvalorização é o Citroën C3 Picasso, com uma depreciação de 22,2% com um ano de uso. Esse percentual deverá se agravar ainda mais com o fim de linha da minivan. Atualmente, seguindo a tabela Fipe, um exemplar 2015 do modelo na versão topo de linha Exclusive com motor 1.6 litro e câmbio automático tem preço de R$ 47 mil no mercado de usados. Para efeito de comparação, o veículo era vendido por algo em torno de R$ 63 mil.

2) Chery Tiggo – 21,9%

novo-tiggo-fotos-oficiais-18 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O segundo carro que mais desvaloriza é um chinês. Trata-se do Chery Tiggo, atual automóvel mais caro da linha da montadora no País, que apresenta uma depreciação de 21,9% ao ano. Portanto, adquirindo hoje um exemplar do modelo com câmbio automático, que custa R$ 53,7 mil, é provável que você consiga revende-lo daqui um ano por aproximadamente R$ 41 mil.

3) JAC J3 Turin – 21,1%

novo-jac-j3-2014-22 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Em terceiro lugar está outro carro de origem chinesa, mas desta vez da JAC Motors. O sedã compacto JAC J3 Turin, que pode ser encontrado atualmente na versão “S” com motor 1.5 litro e transmissão manual por a partir de R$ 40.990, poderá ser revendido daqui um ano por pouco mais de R$ 30 mil, devido ao seu percentual de desvalorização de 21,1.

4) Hyundai Elantra – 20,3%

elantra-santa-fe-i30-2 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Os carros de origem asiática continuam à tona. Em quarto lugar se posiciona o sedã médio Elantra, da Hyundai, com uma desvalorização de 20,3% com apenas um ano de uso. A geração anterior do carro era oferecida no mercado nacional por R$ 95 mil na versão sem teto solar. Portanto, este mesmo modelo poderá ser revendido no mercado por aproximadamente R$ 75 mil.

5) Citroën C4 Lounge – 20,1%

citroen-c4-lounge-s-2017-2 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Fechando o top 5 dos carros que desvalorizam acima de 20%, o sedã médio Citroën C4 Lounge aparece com uma depreciação de 20,1 por cento com apenas um ano de uso. O modelo da montadora francesa tem preço de R$ 85 mil na versão intermediária Tendance com motor 1.6 litro turbo e câmbio automático. Este mesmo modelo poderá ser vendido daqui um ano por algo em torno de R$ 67 mil.

6) Chevrolet Cobalt – 19,1%

novo-chevrolet-cobalt-2016-externas-NA-27 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Apesar de registrar boas vendas no mercado nacional (pelo menos entre os modelos de sua categoria), o Chevrolet Cobalt também apresenta um percentual elevado de desvalorização após um ano de uso. Segundo o estudo, o sedã desvaloriza 19,1%. Ou seja, a versão LTZ com motor 1.8 e câmbio automático, que tem preço de R$ 66.990, pode ser revendido daqui um ano por algo em torno de R$ 54 mil.

7) Chery Celer Sedan – 18,9%

celer-nacional-4 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Outro modelo da Chery a ocupar este ranking é o Celer Sedan, que inclusive é produzido em solo nacional. O sedã compacto consegue desvalorizar 19,1% com apenas um ano. Portanto, o modelo de entrada, que tem preço sugerido de R$ 39.490, poderá ser revendido daqui um ano por um valor próximo a R$ 32 mil.

8) Citroën Aircross – 18,6%

citroen-aircross-2016-NA-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Como citamos anteriormente, a minivan aventureira Aircross é o oitavo carro que mais desvaloriza no mercado brasileiro, de acordo com dados do estudo. O modelo da Citroën apresenta uma desvalorização de 18,6 por cento após um ano de uso. Com isso, é provável que a versão “Feel” com motor 1.6 litro e câmbio manual, que hoje custa R$ 64.390, seja revendida daqui um ano por aproximadamente R$ 52 mil.

9) BMW Série 5 – 18,1%

bmw-serie-5-2014-29 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O Série 5 é o primeiro carro a aparecer nesta lista, com desvalorização de 18,1% após um ano de uso. Atualmente, o sedã da BMW é oferecido no mercado nacional apenas na configuração M535i M Sport, com motor 3.0 de seis cilindros, que custa R$ 357.950 e poderá ser revendida daqui um ano por cerca de R$ 293 mil.

10) Hyundai Grand Santa Fe – 17,6%

hyundai-grand-santa-fe-2015-2 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O Grand Santa Fe, versão topo de linha do utilitário-esportivo de sete lugares da Hyundai, é o décimo carro que mais desvaloriza no Brasil. O crossover médio tem uma desvalorização de 17,6% após um ano de uso. Logo, um exemplar atual, que é oferecido no mercado nacional por R$ 199.990, poderá ser revendido daqui meados de um ano por aproximadamente R$ 164 mil.

11) BMW Série 6 – 17,4%

bmw-serie-6-2015-4 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Outro carro da BMW a compor este ranking é o Série 6, que inclusive já não faz mais parte da linha atual da montadora alemã no País. O modelo apresenta uma desvalorização de 17,4% após um ano de uso. É possível encontrar no mercado de usados o 640i Gran Coupe com motor 3.0 litros de 320 cv, de ano 2015, por menos de R$ 290 mil – um zero km era oferecido por R$ 360 mil.

12) Nissan Frontier – 16,9%

nissan-frontier-2015-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Em 12º lugar está a picape média Nissan Frontier, que está prestes a ganhar uma nova geração. O utilitário da fabricante japonesa tem uma desvalorização de 16,9% com um ano de uso. Logo, a versão intermediária SV Attack, com motor 2.5 litros turbodiesel, câmbio automático e tração nas quatro rodas, que tem preço sugerido de R$ 141.990, poderá ser revendida daqui um ano por algo em torno de R$ 117 mil.

13) Fiat Freemont – 16,7%

fiat-freemont-2015-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O Freemont já deixou de ser importado ao mercado nacional, mas ainda assim continua figurando no site da Fiat ainda como modelo 2015. O crossover de sete lugares consegue desvalorizar 16,7% com apenas um ano de uso. Sendo assim, a versão de entrada do carro, que hoje tem preço tabelado de R$ 109.950, poderá ser revendida no mercado por aproximadamente R$ 91 mil.

14) Jeep Cherokee – 16,7%

jeep-cherokee-2015-5 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Enquanto o Renegade é o segundo carro que menos desvaloriza no mercado nacional, o Cherokee é o 14º modelo com maior desvalorização em nosso País. O modelo apresenta uma depreciação de 16,7 por cento após um ano de uso. Como exemplo, a versão intermediária Limited, que hoje pode ser encontrada nas concessionárias por R$ 184,9 mil, poderá ser revendida um ano depois por cerca de R$ 154 mil.

15) Mitsubishi Pajero TR4 – 16,7%

mitsubishi-pajero-tr4-oneill-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O Mitsubishi Pajero TR4 é outro carro que foi descontinuado e aparece nesta lista, na 15º posição com desvalorização de 16,7 por cento após um ano de uso. O crossover compacto da montadora japonesa era oferecido em nosso mercado por a partir de R$ 78.990. Portanto, é provável que você consiga encontra-lo no mercado de usados por R$ 65 mil nas unidades de ano/modelo 2015.

16) Chevrolet Tracker – 16,7%

tracker-lt-2016-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

O Chevrolet Tracker é mais um crossover que está entre um dos carros que mais desvalorizam no mercado nacional. O modelo apresenta um percentual de desvalorização de 16,7 depois de um ano de uso. Para se ter uma noção, a versão de entrada LT da linha anterior do carro, equipada com um motor 1.8 litro flex e transmissão automática, que tinha preço de R$ 77.790 nas concessionárias, poderá ser revendida daqui meados de um ano por algo em torno de R$ 64 mil.

17) Dodge Journey – 16,5%

dodge-journey Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

“Primo” do Fiat Freemont, o Dodge Journey aparece nesta lista como o 17º carro que mais desvaloriza no Brasil. O crossover tem preço de R$ 129,9 mil na versão intermediária R/T (a mais vendida da linha do modelo em nosso mercado), que poderá ser revendida daqui um ano por cerca de R$ 108 mil, devido ao seu percentual de desvalorização de 16,5.

18) Suzuki Grand Vitara – 16,4%

suzuki-grand-vitara-2015-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Atual carro topo de linha da Suzuki no mercado brasileiro, o crossover Grand Vitara tem uma desvalorização de 16,4% após um ano. Como exemplo, a versão Premium com motor 2.0 litros, transmissão automática e tração nas quatro rodas, que tem preço tabelado de R$ 104,4 mil, é provável que possa ser vendida daqui um ano por cerca de R$ 87 mil.

19) Ford EcoSport – 16,4%

EcoSport-2017-1 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

Se por um lado os concorrentes Honda HR-V e Jeep Renegade se posicionam como os dois carros que menos desvalorizam no mercado brasileiro, noutro o EcoSport aparece em 19º no ranking de maior desvalorização no País. O crossover compacto da Ford custa R$ 79.150 na versão FreeStyle com motor 1.6 e câmbio manual, que poderá ser revendida daqui um ano por cerca de R$ 66 mil.

20) Volkswagen Amarok – 16,4%

volkswagen-amarok-dark-label-NA-21 Top 20: os carros que mais desvalorizam em um ano no Brasil

A Amarok é a segunda picape média a aparecer na lista, sendo o 20º carro que mais desvaloriza no mercado nacional. O utilitário da Volkswagen registra uma depreciação de 16,4% com um ano de uso. Como exemplo, a versão Highline com carroceria cabine dupla, motor 2.0 litros biturbo a diesel e transmissão automática de oito velocidades é vendida atualmente por R$ 162.990. Portanto, é provável que um proprietário de um exemplar nesta configuração de ano/modelo 2016 consiga revende-la daqui um ano por aproximadamente R$ 136 mil.

3.0

  • Mário Dourado

    Engraçado, me falaram que a Peugeot era a mais se desvalorizava, que a manutenção é cara e tal…

    • ViniciusVS

      Peugeot está no lucro de ainda existir no nosso mercado, o preconceito é gigante.

    • Edinaldo_Tapica

      Peugeot e Citroen, todo mundo sabe… Também não entendi porque não está na lista…

    • CARnivoro

      Depende. Os antigos sim mas os atuais não desvalorizam tanto não. Ano passado eu estava procurando um 208 usado e o preço dele estava similar à desvalorização de um New fiesta ou punto.

      Obs: Moro em BH

      • T1000

        O 208 e o C3 modelo novo nem chegam a cair numa loja de usados para vender.
        O dono pensa em vender, o celular toca.

        • Raul Pereira

          Eu estava énsando em pergntar isso. Meu pai quer pegar um C3 novo, no test drive e consumo se mostrou um carro muito legal e tudo, mas o modelo antigo (importado, se não me engano) desvalorizava muito e não dava pra revender. Esse modelo novo está com um bom preço de revenda?

    • Redrum

      Acho que para aparecer na lista o carro precisa conseguir ser vendido…

      • Adriano Cavalari

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk boa

      • Ric53

        kkkkkk

    • Victor Barrera

      A pesquisa pelo que entendi fala da desvalorização no primeiro ano, a Peugeot tem desvalorização alta mas é mais progressiva com o passar dos anos, acho que é isso.

      • CARnivoro

        A desvalorização da peug ainda é alta.. mas dependendo do modelo melhorou bastante!

        Aqui em BH mesmo o 208 desvaloriza tanto qto um New fiesta ou punto.

        • radioactive

          falou tudo. ao contrário do resto da linha peugeot, o 208 é um carrinho decente, moderninho, tem um visual bacana dentro e fora, então, mesmo tendo uma construção medíocre, acaba atraindo consumidores, o que faz segurar o preço

        • Hugo Borges

          Aqui em Goiás o New Fiesta desvaloriza menos mas é pouca coisa. Punto, 208 e C3 estavam no mesmo patamar de Preço/Ano, acabei ficando com o Peugeot e não me arrependi. Insano são os preços de HB20 e Onix, carros inferiores mas com preço de compacto premium no mercado de usados.

          • CARnivoro

            Pois é.. aqui a mesma coisa.. O new fiesta usado estava um pouco mais caro do que um 208 com equipamentos semelhantes mas em termo de desvalorização acaba dando na mesmo pois eu levei em consideração que o preço real de compra na cs de um new fiesta zero estava tb um pouco mais caro que um 208 pois neste ultimo consegui um bom desconto se fosse fechar a compra zero km.

            O HB20 realmente desvaloriza muito pouco. Só que tb pra comprar um zero km só pagando preço de tabela.. se ganha só empacamento ou um ou outro acessório.. nada de desconto aqui em BH.

      • Thiago K. Galiza

        O 208 por mais que não venda muito, deu uma melhorada na visão da Peugeot. Os motores PureTech também veio pra dar uma melhorada. Assim como o C3 também melhorou para a Citroen, e o Puretech lá também vai refletir melhor no mercado. No caso do C3 Picasso, estamos no primeiro ano da renovação só para o “Aircross” ainda falta motor pra esse carro, mas talvez após essa renovação, o modelo também de uma melhorada nesse aspecto de desvalorização

        • Miro Saraiva

          Eu nunca vi um aircross na rua depois de remodelado em Fortaleza nem a versão urbana tbm diga se de Passagem

    • radioactive

      compra um e depois conta pra gente… gladiadores na internet a peugeot tem muitos, mas compradores mesmo, são uns 2 milzinho por mês, rsrs

      • Mário Dourado

        Eu já tenho parceiro

      • Hugo Borges

        Também tenho, só fala mau de Peugeot quem nunca teve.

        • Piloto

          Eu já tive Peugeot, e não quero nunca mais.
          A Peugeot, pra mim, é a montadora mais incompetente do Brasil. Deviam trocar todo o alto escalão por gente nova, pra tentar renovar a marca no Brasil.
          Lembro bem que nos anos 2000, o único carro “popular” bacaninha e bonitinho era o 206, o resto era palio, gol, uno, corsa, celta…. só bagaço de feio. A Peugeot tinha a faca e o queijo na mão, também com o belo 307. Dormiram no ponto e depois empurraram a bizarrice do 207. A Peugeot está colhendo o que plantou!
          Eu mesmo não compro mais Peugeot, acho um risco muito grande dela sair do Brasil em breve, assim como Citroen e Kia que estão capengando.
          Só o Renegade vendeu em 2016 mais que Peugeot e Citroen JUNTAS!!! E olha que as duas marcas deveriam vender muito mais, já que tem carros “populares” p/ gerar volume.

          • Hater x Haters

            Quando vc teve Peugeot?

            • Piloto

              Deve ter sido em 2008, era um 206.

          • Fernando Oliveira

            Citroen e Peugeot ainda pagam o preço do que fizeram no passado, principalmente no tocante ao pós-venda. Tenho um Citroen Aircross e não tenho o que reclamar do carro. No entanto, a internet está cheia de gente reclamando do atendimento, preço e principalmente da disponibilidade de peças nas concessionárias. Juntando-se ao preconceito do mercado, temos uma brutal desvalorização dos produtos da PSA. Esta vai ter que trabalhar muito ainda para mudar esta imagem. Há ainda um agravante que a PSA ainda não emplacou um modelo que caísse no gosto do brasileiro. Talvez tenha chegado perto disso, com o 206, entretanto não foi suficiente. Vejam o exemplo da Hyundai, com o HB20: Carrinho honesto, popular e supervalorizado no mercado. Até então, a Hyundai estava no mesmo patamar em termos de vendas da PSA…

        • Ribeiro

          Peugeot também não quero mais, em 2007, comprei um 206 0 Km, bonito e cheio de coisas que os outros na faixa de preço não tinham, em um ano, parou o marcador de combustível, vazou óleo num raio de um retentor do cambio, esses defeitos foram resolvidos na garantia, acabou a garantia o mesmo retentor vazou aí tive que pagar a borrachinha custava R$20,00 e a MO ficou em R$120,00 isso em 2008, os dois amortecedores traseiros vazaram com 17000KM e desisti dele de vez, quando peguei uma chuva numa viagem e a lanterna traseira esquerda ficou com uns três dedos de água, não sei se melhoraram, acho os carros muito bonitos, mas minha experiência me faz passar longe da PSA até hoje.

        • radioactive

          só fala mal de peugeot quem teve peugeot com al4 que faz 4 km/l na cidade, ou 206 com suspensão de vidro, ou 207 cujos vidros caíam na porta, ou quem gastou 4, 5 mil pra arrumar al4 travado, ou quem bateu um deles fora de SP/RJ/Curitiba e ficou 3 meses esperando peças, ou quem tem peugeot thp vazando óleo na tampa de válvulas e não acha a junta na concessionária, ou quem não consegue vender o carro, nem colocando preço 15% abaixo da Fipe… só esses falam mal da pug, rs

          • duhehe

            minha nossa senhora !e se eu te contar que tive todos esses problemas ? e mais, meu 307 alem de todos os problemas no AL4, tive que trocar o sistema de ar condicionado 2x, alternador gerava 14v, queimava tudo de lampada a carregador de celular; no 206, bancou descosturava, ar tbm parava de funcionar do nada, no frio só ligava na gasolina, ventoinha parou de funcionar com 2500km ( 1 mes de uso), tinha que ficar desligando o carro para não ferver no meio do transito, no 207 único problema que tive foram os vidros, os 2 quebraram nos piores momentos possíveis.
            E sim, eu sou um doido que gosta de pug, no 206 e 207 até que vendi bem, já o 307 foi quase uma doação ( entreguei para a primeira pessoa que deu uma oferta)
            Só não compro um 208 pq o motor é antigo, cambio aut é jurassico e ele deveria ser mais silencioso, parece uma carroça andando.

      • Jurandir Filho

        Também tenho ;) Nunca deu problema sério, só manutenção de rotina, preços na média e lá se vão 4 anos

      • Tenho um Citroen e um Peugeot em casa. Na família, são 2 Citroens e 2 Peugeots. Nada a reclamar dos carros.

        • radioactive

          se você mora em um dos raros locais onde psa é forte, você é exceção, tenha isso em mente

          • Goiânia. Não se pode dizer que são fortes aqui. A Citroen mesmo, acho que tem uma única concessionária na cidade atualmente. Mas não tenho do que reclamar em quase 3 anos de convivência com um C4 THP. Minha irmã tem um C3, mas que ainda não chegou à primeira revisão.
            Já a Peugeot, acho que conta com duas concessionárias. Meu irmão tem um 307 ano 2007 com 110 mil km rodados. Minha esposa está com um 208 que já alcançou seus 32000 km. O do meu irmão é um carro usado como qualquer outro, que dá a manutenção normal que um carro com mais de 100 mil km exige, mas mantém ótima rigidez de carroceria e condição de uso impecável. Já o da minha esposa teve um único defeito a ser relatado em revisões (a última, de 30 mil km) até hoje: o trilho do banco do passageiro afrouxou um dos parafusos, o que gerava algum ruído interno. Sinceramente, em termos de ocorrências em garantia, foram os carros zero km (o C4 e o 208) que possui que menos geraram problemas a serem resolvidos em garantia até os 30 mil km. E as revisões custam o que eu sempre tive na VW e Fiat, que foram os outros carros que tive na família. Já os GM que eu possuí tinham revisões a preços estratosféricos, muito superiores ao que eu tenho por referência em carros de outras marcas.

            • radioactive

              gm tem revisões absurdas mesmo, especialmente os ecotec.
              fico feliz que esteja sem problemas com seus psa. óbvio que a maioria dos donos está, pois nenhuma empresa se manteria aberta com 50% ou mais de defeitos.
              o problema é que os defeitos que os psa têm, acontecem muito e são os mesmos desde sempre. a marca nunca teve vontade de resolvê-los e as concessionárias em geral também não. a marca erra no pós-venda deficiente, posicionamento equivocado dos carros, insistência em trens de força ultrapassados… o resultado dessas pixotadas todas está aí, o consumidor quer distância da psa, com razão. daí os usados valem pouco. é um ciclo vicioso.

              • Não concordo que os trens de força do grupo PSA são ultrapassados. A insistência no câmbio automático de 4 marchas, sim, é uma bola fora, mas os motores utilizados pelo grupo são relativamente modernos, em especial se comparados aos concorrentes com vendas mais significativas no mercado nacional, como VW, Fiat, GM, Renault, etc.
                Convenhamos que o 1.2 Pure Tech, o THP ou mesmo o 1.6 16V são motores com rendimento e eficiência bastante satisfatórios. O 2.0 16V que acabou de ser retirado das linhas de 408 e C4 não chegava a ser um motor antiquado, estando no patamar do que se utiliza atualmente em Sentra e Fluence. Talvez o 1.5 que foi substituído pelos Pure Tech fosse passível de críticas, mas não ficava devendo muito em termos de modernidade para os 1.4 de GM e Fiat ou para os 1.6 8V da VW.
                PSA tem um problema que atrapalha muito, que é o índice ainda relativamente baixo de nacionalização de suas peças e a falta de cuidados com a qualidade dos serviços prestados por seus concessionários durante a década passada. Há um processo de otimização da rede em curso que pela minha experiência parece estar surtindo efeito. De qualquer forma, o caminho para mudanças de percepção no mundo do comércio de automóveis é longo. A sorte da PSA é que ela é forte em outros mercados sul-americanos, em especial na Argentina, o que segura bem suas operações em solo Tupiniquim.

                • radioactive

                  o problema do 1.2 puretech é que pelo preço dele, dá pra comprar quase todos os concorrentes já com motores 1.6, como fiesta e hb20. o que entra naquela questão de posicionamento errado dos carros no mercado. esses PSA 1.2 deveriam custar pouco acima dos 1.0 3 cilindros da concorrência, jamais poderiam vir com o preço dos antigos 1.5i, ao mesmo tempo que o fiesta passa a vir sempre com 1.6 custando o mesmo.

                  eu vejo problemas na psa em todos os aspectos, não é só o problema das peças importadas e concessionárias ruins. há problemas mercadológicos – a decisão de querer “enganar” o mercado com o “207”, a demora em atualizar carros como 307, a reciclagem de carros que ninguém quer mais, como 308 I e 408, o lançamento totalmente equivocado de carros como a hoggar; problemas de durabilidade – especialmente em relação às suspensões e câmbio AL4; problemas de qualidade – a linha 207 especialmente, com sua montagem ruim e peças de acabamento frágeis; problemas de atendimento pós-venda; problemas de capilaridade no território – o que piorou com o fechamento de várias concessionárias; problemas com valor de revenda e aceitação dos usados – o que é mais consequência do que causa, e por aí vai…

                  • Ah, mas a demora em atualizar produtos, requentar modelos… isso é um mal do mercado brasileiro, não da PSA. Acho sim é que a operação dela no Brasil é muito conservadora, com uma gama de produtos muito restrita, atuando sempre em segmentos de nicho. A Peugeot, por exemplo, perdeu terreno aqui porque lançou o 208, um produto visivelmente mais sofisticado e caro que os antigos 206/207, que vendiam bem, pois atuavam em um patamar mais baixo de mercado.
                    Hatch Premium, sedã médio, hatch médio, mini-van e perua (por mais que se force a barra, Air Cross é uma mini-van e 2008 é uma perua, não são crossovers)… esse tipo de produto não tem volume de venda em nosso mercado. Não sei se concordo com a tática da PSA de querer repassar uma imagem de “sofisticação” em um mercado que não dá tanto valor a isso. Aí é que eu acho que mora o problema. Sem volume de vendas, fica difícil uma rede de concessionárias com maior capilaridade no território nacional, maior nacionalização de peças e qualidade de serviços homogênea.
                    Produtos como o C-Elysee e o 301 (um tipo de Logan da PSA em versões Citroen e Peugeot, respectivamente) caberiam como uma luva em nosso mercado. A Renault só adquiriu maior visibilidade em sua marca no Brasil quando resolveu jogar aqui os Dácia, menos sofisticados, mais robustos e com mecânica simplificada. É isso que nosso mercado pede.

                    • radioactive

                      mas tem uma diferença entre requentar modelos que vendem bem, como a fiat tem feito com o palio nos últimos 20 anos e a vw fez por mais de 30 com o gol, e requentar modelos que ninguém quer, caso de 308 e 408, que juntos não vendem nem 150 unidades por mês, mesmo depois de reestilizados. as novas gerações desses carros tem que vir logo.

    • Piloto

      Só o Renegade vendeu mais em 2016 que Citroen e Peugeot juntas. Dá pra ver o fiasco que se tornaram essas duas marcas.

    • Jurandir Filho

      308/408 desvaloriza bem, mas a dupla 208/2008 ficam na média da concorrência, digo isso pq tô querendo pegar um 208 pra patroa e os preços são bem similares ao do hb20, pelo menos aqui no DF

      • Aliás, o 408 estar fora dessa lista… demonstra alguma falha grande neste ranking.

  • Mr. Car

    Estão vendo? Quem manda vocês comprarem estes carrinhos bávaros, he, he?

  • Algumas observações. A desvalorização é baseada em cima da tabela FIPE? Pois se for a desvalorização vai ser maior do que a indicada, pelo motivo que numa eventual troca por um carro novo a concessionária dificilmente vai pagar 100% do valor da tabela FIPE. E caso você queira somente vender seu carro, sem adquirir um novo, vai ser pago menos ainda. Outro ponto a ser observado é a dificuldade de vender determinado modelo de veículo, em especial se tiver 3 ou mais anos de uso. A situações que nem a própria concessionária aceita o próprio modelo da marca.

    • ViniciusVS

      Acho que carro é satisfação, seja racional ou emocional no fim o importante é fazer aquilo que tem vontade. O legal da liberdade é esse, cada um sabe ou deveria saber o que fazer com seu dinheiro ( na maioria dos casos o crédito aprovado).

      Se a pessoa quer comprar um caminhão Scania para levar os filhos na escola e usar como veículo de passeio por mais absurdo que seja é direito dela, da mesma forma a escolha de marca/modelo.

      Aqui não é novidade que o povo compra marca e não produto, mas é uma característica do mercado não tem o que fazer se a maioria pensa assim…

      Ai é aquilo, quem pode se dar o luxo de comprar um “casamento” que é desvalorizado pela própria marca na hora que você vai trocar, então perfeito. Existem modelos aceitos e outros não aceitos pelo mercado e nesse caso existem dois caminhos, esperar meses até vender pelo valor justo ou jogar em alguma loja de bairro pois nem css pega determinados modelos, tem gente que não quer esperar 3 meses para vender um carro pelo valor justo que só um consumidor específico pagaria.

      Ou a pessoa segue o mercado ou sofre as consequências, o buraco é bem mais embaixo. ai vai de cada um se pode ou não se dar esse luxo.

      • ViniciusVS

        Comentei com uma visão do que o consumidor em geral faz e não o que eu faço, eu pelo contrário sou bem desapegado com novidades e uso como meio de transporte mesmo, além disso eu fico anos com um carro. Atualmente tenho dois carros sendo um com 6 anos já com 80mil km e outro com 16 anos e 180mil km ( O primeiro para uso no dia a dia e o segundo puramente emocional).

        De fato pouca gente faz conta mesmo e se preocupa com o médio ou longo prazo. Enquanto o banco liberar crédito e as financeiras/montadoras financiarem com entrada baixa em 5 ~6 anos mantendo valor da parcela baixo e mesmo programas de ciclo será isso ai.

        O consumidor não quer ser dono de um carro, ele quer usar por um curto período até chegar a próxima novidade, quem ganha com isso são as financeiras e as montadoras. mas é aquilo, todo mundo tem liberdade para fazer o que quiser com seu dinheiro e assumir o risco depois.

        Quem sou eu para impedir alguém de rasgar dinheiro?

    • Paulo

      Concordo. Mas a mudança de mentalidade é um processo lento. Grande parte dos consumidores, como bem pontuado por você, não compra produto carro- mas sim o status por ele propiciado. Outro ponto importante pontuado por você é o pouco uso do veiculo. Velho não consigo conceber veículos tão novos e pouco usados sendo trocados por simples capricho e em grande parte por consumidores não poderiam o fazer.

  • Rodrigo

    DESCULPE MAS ESSA LISTA NÃO ESTÁ CORRETA.

    Por mais que a Citroen tenha alguma rejeição, não sê compara com os chinesas.

    Celer, Tiggo, QQ, JAC T8. JAC T6, JAC T5, J6. J5, J3 TURIN S. J3S, J2

    Ninguém compra essas porcarias a tabela FIPE não retrata a realidade de mercado desses carros, são vendidos MUITO ABAIXO da tabela da FIPE, a maioria das revendas nem mesmo aceitam essas carros.

    • Triton

      O choro é livre!! Ha ha

      • Rodrigo

        Gostaria de saber DE QUEM É ESSE CHORO? Pois eu tenho um VW JETTA e uma PATHFINDER na garagem. Estou muito bem de carro e graças a Deus e a meu trabalho, pouco ligo sê algum carro meu desvaloriza. Pra ficar mordido com a citação as marcas chinesas, acho que o único que CHORA aqui é você.

        • Artur
        • ViniciusVS

          Um ponto que precisa levar em consideração é que Chineses você compra barato e vende barato, é meio natural…

          Citroen não está entre os mais baratos porém usado não é tão aceito pelo mercado ai a desvalorização é maior.

        • radioactive

          sei… na internet todo mundo é rico, tem cobertura na barra e carro caro. blablabla… apenas aceite os dados OFICIAIS e pare de dar xilique

          • Rodrigo

            Ter um Jetta e uma Pathfinder está longe de tornar alguém rico. Já se vê que você não é apenas pobre de espírito.

            • radioactive

              ah tá, deve ser por isso que você tá aqui anunciando isso ao mundo… porque jetta e pathfinder são carros do povo kkkkkk. se fossem carros de pobre, você não tava aqui dando xilique, querendo tirar ondinha, pagar de trouxão

              pelo seu nível baixo de conversa, suponho serem dois paus-de-arara com 10 anos+ de estrada, e você é só um daqueles trouxas que compra resto de rico querendo tirar onda na vila kkkkk

              • Rodrigo

                Rs…. Que xilique é esse meu caro, fala de educação sendo extremamente mal educado? É uma pena que lhe incomode tanto o fato de eu ter um Jetta e uma Pathfinder. (Vai ter que viver com isso)

                • radioactive

                  mimimimi… quando falei do seu nível baixo, não é de educação não, é nível intelectual mesmo. tu podes ter o resto de rico que quiser, isso não me incomoda, pelo contrário, acho hilário. me incomoda é querer tirar vantagem na internet, por ter dois restos de rico na garagem, e ainda querer usar isso como argumento em discussão, depois de falar um monte de chorume. incomoda pelo lado patético da coisa.
                  tenho um carro melhor que essa pathfinder velha que ninguém quer, nem por isso saio por aí contando vantagem, porque isso é comportamento de ex-vileiro emergente feito tu. e se bobear nem carro tu tens, pra começar… parabéns viu, bonzão da pathfinder 2002 kkkkkk

                  • Rodrigo

                    Deixa te passar o ano do carro pra que você formule melhor seu discurso de ódio. Pathfinder turbo diesel 2009. (É um SUV excelente).

                    • radioactive

                      um bom carro mesmo. pena que tenha um dono mentalmente prejudicado. não é culpa do carro

                    • Tosoobservando

                      Jetta e Pathifinder manolo, tu é das elite hein, pega funkeira na quebrada tambem ou prefere sertanejão????

                    • Rodrigo

                      Outro proprietário de Jaca revoltado. Esse povo é rancoroso.

                  • Tosoobservando

                    Eu ate vi o slogan do kra, ele testemunhando: “Hoje tenho um Jetta e uma Pathfinder importada, Eu sou a Universal”…

        • Breno

          Rodrigo, com o novo cenário político e discussões que podemos ver nas redes sociais com expressões como “o choro é livre” podemos ver que realmente moramos no país do futebol, onde boa parte da população trata tudo, abssolutamente tudo, como uma discussão de futebol. Isso mostra bem porque de nunca deixar-mos de ser país do futuro pois é mais importante estar certo ou que nosso time, partido ou marca de carro ser “melhor” do que acharmos uma solução pra questão em si.

        • Cesar Oliveira

          Cara nem liga, pessoal fica enrabado com carro chinês, a única coisa que resta é defender eles na internet.

    • marcosCAR

      O choro é livre! Nem pesquisa séria alguns aceitam hehe

      • Lucas

        A “pesquisa séria” não condiz com a realidade do mercado, nem serve sequer como parâmetro a ser usado como média. Basta abrir o OLX do seu estado e confirmar.

        • rgrigio

          Também achei estranho, porém eu sou do “interior” do Paraná. Acredito que a realidade mude MUITO com a região. Seu comentário do OLX de cada estado caí como uma luva nessa constatação.

      • mauricio

        quais foram as fontes da pesquisa? procurei mais nao achei, como pode se dizer séria?

        • marcosCAR

          Foi a agência Autoinforme. E também, acredito eu, se não fosse séria o NA não teria publicado.

    • Lucas

      Isso é verdade. Marcas chinesas realmente depreciam muito além da FIPE. Picapes como Triton (uma 2015 comprada por 140 mil, hoje sai por 95 mil reais), Frontier e Ranger costumam desvalorizar mais que a Amarok, e esses BMW são sempre comprados por valores consideravelmente abaixo do sugerido. É preciso analisar o mercado na sua totalidade a fim de conseguir resultados reais e que coincidam com o que vemos no dia a dia. Você tem razão.

  • tiago

    O linea 1.9 é da época do vectra e ambos tinham preços parecidos. Hoje em dia, os usados do mesmo ano continuam tendo preços parecidos.

  • tiago

    Carro não é investimento, mas, visto que a maioria troca depois de uns anos, uma melhor retenção de valor é bem-vinda.

    • João Cagnoni

      Sim, mas precisamos levar em conta os números absolutos ao invés da porcentagem, já que alguns carros desvalorizam metade e custam o dobro, muitas vezes entregando menos.

  • João Cagnoni

    Impressionante a desvalorização do Lounge. Se desvalorizar 20% ao ano, daqui uns 3 anos eu pego o meu rsrs

    • radioactive

      ele desvaloriza o esperado para um carro que ninguém quer comprar. só agrada meia dúzia de comentaristas de internet, que são tarados em ficha técnica e motor turbo e esquecem do resto. não estou dizendo que é uma carroça, muito pelo contrário, mas está longe de ser um dos melhores da classe por n fatores

      • PEDAORM

        Melhores da classe eu não diria, existem produtos superiores, mas tem um dos melhores CxB da categoria.

        • radioactive

          se você tem apenas 80 mil pra gastar num sedan automático, o c4 thp pode até chamar atenção. mas o encanto acaba quando você anda no carro e vê a direção pesada, a suspensão que é dura demais pra absorver impactos e mole demais pra dar um comportamento dinâmico interessante, o excesso de peso do carro, que ferra o consumo… aí o cara olha pra um lado e vê Jetta 1.4T por pouca coisa a mais, olha pro outro e vê carros muito mais interessantes como cruze e civic, mesmo sendo mais caros, e ainda tem o corolla, se o cara não quiser arriscar em nada. sedan médio precisa de mais do que só custo-benefício.

      • Zé Mundico

        O carro é excelente, o que mata é o tradicional desleixo da Citroen e o alto preço de peças de reposição.

        • mauricio

          cesta de peças mais barata da categoria, fonte 4 rodas.

        • Gabriel M. Vieira

          Não é bem assim. Os preços das revisões são fixos e não são mais caros do que eu pagava no meu carro anterior. O CxB é bom, no geral estou bem satisfeito com o meu, mesmo sabendo da desvalorização. Peguei no começo de 2015 e fico pelo menos até o fim de 2018 com ele.

      • João Cagnoni

        Quais fatores?

        • radioactive

          direção pesada, suspensão dura na absorção de impactos e molenga nas curvas – pior dos mundos, pois não é bom nem em conforto de rodagem, nem em comportamento dinâmico – excesso de peso, consumo ruim (melhorou com o thp). fora esses aspectos do carro em si, tem as peças caras, que vivem em falta nas concessionárias, valor de revenda ridículo, e a falta de interesse geral pelo carro, que faz ele ser difícil de vender.

  • João Cagnoni

    O Linea foi um carro injustiçado, pra mim nunca foi um “Puntão” (erro da Fiat ao colocar o 1.8 no Punto).

    • fschulz84

      A Fiat sempre acertou nas estratégias dos carros de entrada, mas já no segmento acima, nunca pareceu saber o que fazer…

  • Ediomar

    Me lembrei do Vectra elite que custava 80mil reais,isso em 2006 no laçamento e hoje mal vale 25mil.

    • Lucas Duarte Martins

      É.. 10 anos pesam nas costas de qualquer modelo.

      Omega de 140 mil hoje você acha por 50.

      • rgrigio

        Com certeza, aqui no interior do paraná esses vectras estão em franco processo de “manolização”… Muitos depenados e alguns inclusive servindo de carro de trabalho “pesado”…. Aqueles elite 2.4 então, para achar um inteiro, tem que anunciar com recompensa para alguém aparecer hehehe.

  • oscar.fr

    Andei em um C4 Lounge Uber e só posso concluir que o carro desvaloriza por preconceito. Que carro sensacional, confortável, bem acabado, silencioso. Vontade de comprar um.

    • invalid_pilot

      Ja peguei C4 Antigo Manual no Uber e mesmo assim, baita carro, certeza que o cara pagou barato

    • Davi Millan

      Eu comprei um mesmo assim. Sei que a desvalorização é alta, mas e daí? Eu compro carro pra mim e não para revender.
      O carro me convenceu, sensacional. Fiquei entre um Golf 1.0 TSI (acabou perdendo na final por ter um seguro muito caro), o C4 Lounge S THP e outros que foram caindo pelo caminho.
      Além do mais. Se eu quisesse um Toyota ou Honda equiparado a ele eu teria que gastar mais, ou seja a diferença é entre perder dinheiro ao comprar ou ao revender.

      • Gabriel M. Vieira

        Exatamente. Eu tenho um Exclusive THP 2015 com 25.000km rodados e três visitas à CCS: Compra do carro, revisão dos 10.000km e 20.000km. É meu primeiro Citroen e a experiência está sendo muito boa. Comprei pelo CxB à época, não compro marca (já tive Ford, Peugeot, VW, Kia e agora Citroen).

    • oscar.fr

      Sim. Quando falam mal dos franceses e eu me lembro que a mesma pessoa acha VW e Fiat nacionais uma referência de qualidade eu tenho vontade de não pertencer a este planeta. Se tranqueiras como Voyage, Weekend, Etios, Idea tivessem logo francês ninguém compraria nada.

      • EuMeSmObYmYsElF

        deixa que falem mal.. assim compramos ótimos carros e pagamos quase nada

      • radioactive

        se tranqueiras como voyage, weekend, etios e idea tivessem logo PSA, ninguém ia achar peças, e quando achasse ia custar uma fortuna. nada mais justo se ninguém comprasse, oras. preconceito com francês é conto pra boi dormir. a renault é a 5a ou 6a mais vendida do mercado. fiat, vw, gm, toyota, renault (que é francesa) e ford só continuam vendendo bem suas tranqueiras porque elas são mais fáceis de manter e passar pra frente que as tranqueiras de outras marcas. especialmente fora das cidades grandes.

    • CARnivoro

      pois é.. e ainda tem um belo motor thp! Acho que será um carro que vou levar em consideração na hora de trocar o meu atual. Mas o negócio destes carros é comprar e ficar mais tempo com eles ou comprar um semi-novo.

  • marcosCAR

    O Línea não está na lista e o choro é livre…

  • marcosCAR

    Acho que cobalt é a única surpresa…

    • GPE

      Concordo

    • th!nk.t4nk

      Olha que não é surpresa não. Ninguém quer o Cobalt, mas pela feiúra mesmo.

    • Hugo Borges

      Spin e Cobalt sofrem com a desvalorização por isso viram ótimos CxB no mercado de usados. Você acha Cobalt 12/13 1.4 por R$31 mil, para quem tem família, é um ótimo carro, muito espaçoso. A Spin LTZ 12/13 acha por R$42 mil por aí, a melhor escolha para quem precisa de 7 lugares e um carro automático.

  • GPE

    Tem coisa estranha ai. Faltando muito carro. Todos os chinas, faltando outros importados como volvo e MB das versões mais caras…

    • 4lex5andro

      No que tange aos carros europeus, como os citados volvo e mercedes, o motivo não seria rejeição mas dificuldade em manutenção pelo preço alto de componentes importados.

      E o Cobalt surpreende, talvez esteja nesse ranking pela pecha de ser carro de serviço ou frete.

      • PEDAORM

        Existe uma rejeição e alta desvalorização dos modelos volvos sim, justamente pelo já conhecido elevado custo de manutenção desses veículos (e seguro). Recentemente li que a sueca esta entre as marcas que mais desvalorizam no Brasil.

        • 4lex5andro

          Fato, o preço elevado do seguro, mesmo com um bom poder financeiro, tem muito peso ao se preterir um carro dito premium.

          No caso da Volvo, é bem complicado, virou raridade, por outro lado no caso de Bmw e Mercedes a nacionalização de alguns modelos como o série 3 e o classe C, deu fôlego pra essas marcas venderem razoavelmente, dado a recessão do país desde 2014/5.

  • V12 for life

    Realmente esquisita essa pesquisa de desvalorização, seguindo essa linha de pensamento meu Cobalt LTZ 1.8 20014/2015 mecânico deveria valer bem menos que os 42,7 mil que a tabela Fipe sugere pois a desvalorização para 2 anos deveria ser bem superior a 30% e o carro foi negociado por 49 mil, ou seja não chega a 20% pelo dobro do tempo da pesquisa, e isso levando em consideração que houve uma reestilização durante o período.

    • Artur

      Não é 20% por ano. É 20% no primeiro ano.

      • V12 for life

        Raciocínio lógico, se a desvalorização é de 20% no primeiro ano, será no minimo de 10% no segundo pois os dois primeiros anos são os que mais desvalorizam.

        • Artur

          Tem fundamento o que você diz, mas dependendo do carro a desvalorização inicial é mais imediata. Talvez pode ser que no segundo ano não haja tanta desvalorização assim.

  • Freaky Boss

    citroen paga pelo passado péssimo. E bem feito, quem mandou trazer “lixo” para cá quando veio!
    Minha esposa e meu cunhado em carros diferentes sofreram com o câmbio AT4, dando pau e tendo que pagar fortunas para consertar. Pergunta se ambos querem ouvir falar de citroen??? Nem é por não reconhecer que os carros da marca evoluíram, mas sim por terem se sentido muito desrespeitados!

    Antes que venham com ataques: quem ama citroen e quer comprar , vá e compre. Não estou dizendo para ninguém não comprar.

    • Davi Millan

      Infelizmente isso é verdade. Hoje elas melhoraram muito, mas os erros do passado fazem com que pagem hoje ainda.
      Até hoje eu ainda digo que, deve-se primeiro conhecer a concessionária e depois comprar ou não. Pois o atendimento da PSA não é uniforme, como aqui em Floripa que temos a Le Monde que ganhou diversas vezes como a melhor concessionária Citroen e realmente é excelente, digna de dizer que é melhor que algumas japonesas, mas não posso dizer de outros lugares como em SP, onde uma delas é complicada (que tem nome de cidade).

  • Leonel

    Por estas e outras eu costumo dizer que carro zero 0km vale a pena se você ficar com o mesmo, pelo menos, pelo período da garantia (3 anos, 5 anos não vejo necessidade, como é o caso da Hyunda) para tentar diluir isso. Caso contrário, é perder muito dinheiro por um “status”…(supondo os que trocam anualmente).

  • BTRJ

    Vendem menos porque desvalorizam mais, ou desvalorizam mais porque vendem menos?…

  • Lucas

    Pesquisa de desvalorização sem citar um único Volvo não pode ser levada a sério.

    • Rodrigo

      Não consegui ver coerência nessa lista. BMW perdendo mais valor ds mercado que um Volvo? Um Cobalt carro popular com fácil manutenção, pouco rejeitado desvalorizando mais que um chinês? Difícil concordar com essa lista

  • radioactive

    bom, vectra e civic da mesma época tem preços parecidos no mercado de usados, e não vejo ninguém reclamando…

  • mauricio

    Que pesquisa fajuta em relação a alguns carros, sempre acompanho a tabela FIPE em relação ao c4l e comparo com alguns sedas da mesma categoria, desvaloriza quase no mesmo percentual, meio tendenciosa essa matéria, aposto que alguns volvos, fiats, peugeots, desvalorizam mais que alguns citroens, mesmo no primeiro ano.

  • HugoCT

    Geralmente o povo acaba tendo preconceito com carros bonitos, de alto custo beneficio – Linea, C4 lounge, Peugeot 308 …. – e preferem comprar um golf 1.6 manual por 76 mil kkkkkk. Não entendo.

  • Racer

    Bom….até compraria alguns desta lista, mas depois desta “desvalorização”.

  • Adriano Cavalari

    Relaxa galera a BMW Série 6 tbm desvaloriza muito na europa, uma zero ta 120 mil, com 1 ano de uso ja se acha por 90 mil, mas se nao se importar de andar de bmw 2007 vc pode achar por 13 mil kkkkkkkkkkkkkkk

    http://www.carzone.ie/used-cars/bmw/6-Series

  • CARnivoro

    A maior surpresa na lista ai é o Cobalt!

    • Zé Mundico

      É modelo que ficou associado a taxista, daí a reserva do mercado.

  • Zé Mundico

    Falando sério, a maioria dos carros chineses são solenemente recusados por agências independentes e como entrada de carro zero nas concessionárias. Já fui testemunha em 2 casos de colegas meus que simplesmente não acharam quem quisesse um Jac e um Chery Tigo.
    Simplesmente não tem mercado para carro chinês usado.

    • Luis LC

      Não tem mesmo, comprei um J3 pra rodar na cidade em 2013 por 39K, em fevereiro desse mês vendi por 15K!!! Ainda que achei comprador. A css de outra marca queria me dar 10K, O carro tinha 36 mil rodados, completo e com mais 3 anos de garantia.
      Então…o carrinho é muito bom pra cidade mas se perde muuuuuita grana na troca por outro

      • Rodrigo

        Luis exatamente isso que estava dizendo.

        Acho muito estranho que ninguém seja qual for o estado não consegue vender um carro chinês pela FIPE, o valor é sempre muito abaixo. A FIPE deveria retratar o valor médio de mercado.

        Não consigo ver coerência nessa lista com a realidade do mercado.

        • T1000

          a tabela FIPE serve para o governo calcular o IPVA, por isso ela é inflada.

  • klaus

    fica a dica pra seminovo

    • Luis LC

      isso!!!! Tai uma boa lista de seminovos

  • Deveria fazer essa lista sem colocar os importados nela. Importado desvaloriza monstruosamente, todo mundo sabe disso.

  • Hater x Haters

    Viu o Linea na lista? “Chola” mais ;)

  • Leandro Santos

    eu gosto de ver o c4 lounge desvalorizado. assim dá pra comprar um top bem barato.

  • Hater x Haters

    Tem ótimos carros aí que desvalorizam por injustiça. Sou muito mais um C4 Lounge do que um Corolla CCC (capenga, capado e caro)!

  • Dias

    Aqui na Paraíba na capital,o New fiesta tem uma desvalorização muito alta , tipo comprei um usado por 35 mil modelo 2014, 1.5 SE. e quando fui na concessionária oferecer em uma possível troca, eles davam apenas 27 e 28 mil no Fiesta. coisa de louco pois o carro só tem 2 anos de uso. Já no interior, consigo vender ele por preços de 32 mil. Vários vendedores da região aqui dizem q Tabela FIPE só é usado na Região do Sudeste, pois segundo eles cada estado tem sua tabela de preços própria para o mercado.

  • Austin&Katya

    Ue, pensei que estaria o Hyundai Azera e os carros da Peugeot….

  • Mr. On The Road 77

    Surpreso em ver o Cobalt nesta lista. E nenhum Kia ou Peugeot, por exemplo

  • Henrique

    O Suzuki Grand Vitara é um SUV (Utilitário Esportivo) e não um crossover, como foi escrito.

    • Luis LC

      Ahhhhh. Belíssima observação!!!

  • Renato

    Cobalt e Tracker na lista? Claro que a versão top de qualquer carro tem uma depreciação alta, mas, em média, não se pode dizer que estes dois modelos possuem grande desvalorização. Parece que alguém aí tem algo contra estes carros. Ou contra a marca. Ah, mas mais que informar, tudo aqui parece propositalmente mencionado só para causar discussão mesmo…

  • El Gato Negro

    “O Série 5 é o primeiro carro a aparecer nesta lista…”

    Concordo!!! =D

  • Sassá

    Hehehe, que post maravilhoso, disparou vários mimitrômetros. Mas a verdade é: o mercado não mente, não existe essa de carro injustiçado, se ele tá lá no fundo, algum aspecto ruim ele tem, seja nele mesmo, peças, dificuldade no conserto e por aí vai. O choro é livre. Ofender pessoas que compram carro x ou marca x é de uma soberba lamentável.

    • Luis LC

      O mercado brasileiro mente, e muito!!! To até agora pensando em algum aspecto ruim dos BMW acima citados……..

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend