Usado da semana

Carro da semana, opinião de dono: JAC J3 2012

jac-j3-opiniao-de-dono-3-620x385 Carro da semana, opinião de dono: JAC J3 2012

Bom pessoal, conforme um colega aqui do fórum me pediu resolvi postar minha experiência com um Jac J3 que tenho desde setembro de 2012. Meu nome é Gustavo Fritz, tenho 52 anos, moro no Rio de Janeiro e em Unaí-MG e dirijo a mais de 30 anos e hoje tenho para uso particular um Monza, um Lancer CVT e o J3.



Começando lá de trás, o início da minha história com o Jac foi a seguinte: Eu fui por curiosidade conhecer o J5 que era um carro que achava muito bonito e resolvi fazer um test-drive. Fui muito bem recebido na autorizada Jac da Tijuca e no mesmo momento consegui fazer o teste e sentir o carro. Gostei, mas havia achado o motor muito xoxo frente ao tamanho do carro. Mas ai conversa vai, conversa vem, a vendedora me mostrou o J3 e falou para eu o testar.

Falei ok, pois estava procurando um carro novo afim de substituir meu velho Honda Civic de uso na cidade e não queria mais pegar usados devido a um problema que tive em um mecânico particular com um Accord V6 que tive antes do Lancer. Ai falei para ela: Já que você quer tanto que eu o conheça eu posso levar o carro para a subida do cosme velho? Ela me disse que sim e ai comecei a testar o carro a começar indo em direção a lagoa pelo túnel Rebouças, dando a volta na fonte da saudade afim de pegar o sentido contrário do túnel Rebouças e descer no cosme velho para pegar aquela subida bem íngreme que liga o cosme velho a Santa Tereza.

Subi e desci quatro vezes essa rua, parei duas vezes no meio da parte mais íngreme afim de testar a saída da imobilidade do carro em subidas, resultado: O bichinho me surpreendeu mostrando folego para dar e vender em subidas desde que se mantenha um devido patamar de rotações. Um verdadeiro comportamento de um 16v. Ai na hora da volta resolvi descer de Santa Tereza pelo rio comprido, porém errei a descida e tive de subir de ré com o carrinho para voltar a descida correta, até mesmo para eu sentir o funcionamento do freio-motor nele. E novamente o carro me surpreendeu puxando de ré muito bem.

jac-j3-opiniao-de-dono-2-620x578 Carro da semana, opinião de dono: JAC J3 2012

Então ele me conquistou naquele momento, mesmo sendo manual, fato que eu desde 1999 quando comprei meu 1º automático, não quis mais voltar a ter. A avaliação que fizeram no Civic que usava na cidade foi ótima e influenciou na hora de eu pegar o pequeno chinês. Afinal ainda me pagaram 8 mil reais num modelo LX-at com cerca de 380 mil quilômetros originais.

Na 2ª semana já tive de fazer a revisão de 2500 quilômetros, mas tudo bem. Agora isso melhorou graças ao maior espaçamento de revisões que passaram a ser feitas de 10 em 10 mil quilômetros. Nesses primeiros 40 mil quilômetros não tive problemas sérios com o carro, só um desalinhamento graças a um buraco, isso nos 8 mil quilômetros e a faixa que compreende os 5000 aos 10000 km o carro se tornou mais gastão, saindo dos 10-11km-l na cidade, para apenas 8,4km-l na cidade sempre. Mas após os 10 mil km o carro voltou a ser bem econômico em uso urbano, com médias em transito totalmente parado de 10km-l e com o transito bom cerca de 12,5 a 13km-l.

Um detalhe que me chama a atenção é quanto ao uso da gasolina podium. Porque é como se ela aumentasse o torque nas rotações mais baixas, ele fica mais forte em baixas rotações quando do uso dessa gasolina, inclusive com o ar condicionado ligado. Já nas rotações superiores aos 3000 giros não há grande diferença entre o uso de gasolina comum e podium.

Depois do amaciamento por volta dos 12 mil quilômetros, o carro ficou bem mais solto. Consegue no transito urbano com o ar ligado após os 40 km-h trabalhar em 5ª marcha, acelerando linearmente, sem dar a impressão de falta de força. Em subidas, após sair ele consegue segurar bem em 3ª e 4ª marchas, em rotações por volta dos 2000 giros.

jac-j3-opiniao-de-dono-1-620x481 Carro da semana, opinião de dono: JAC J3 2012

O curso dos pedais é longo, então além de acelerar mais por conta do escalonamento longo das primeiras marchas, você normalmente deverá pisar mais fundo no acelerador graças a isso. A estabilidade é impecável. Faz curvas muito bem, sem inclinar em demasia, apesar da altura exagerada da suspensão. É um carrinho divertido de dirigir numa boa serra com muitas curvas, pois é muito estável e sempre na mão. E o motor também fica gostoso nessas situações, ele tem um ronco gostosinho e puxa muito bem em subidas. Não podes ter medo de trocar marchas, pois além das 16v ele tem um escalonamento de cambio bem longo.

Já no interior acho ele bem acabado frente aos concorrentes. Mesmo não dispondo de tecido na região onde colocamos o braço, o plástico tem ótimo toque. Interior silencioso comparado a categoria, não há rebarbas no acabamento ou vãos nos plásticos (Coisa comum na categoria) som bom, e até mesmo espaçoso, pois tenho 1,83m de altura. E com o banco regulado para mim, outra pessoa da mesma estatura consegue sentar atrás sem problemas, inclusive sem tocar a cabeça no teto, fato louvável nessa categoria. Não tenho nada de mal a falar dessa parte no J3.

Quanto ao atendimento nas autorizadas, sempre achei muito bom. Usei mais a autorizada de onde tirei ele na Tijuca – RJ, porém passei por 2 vezes em uma de Belo Horizonte e uma vez numa de São Paulo e o tratamento foi o mesmo. Muito bom e sem empurroterapia, fato comum em revisões de autorizadas.

O pecado que vejo no J3, além do fato da estrutura (Vide latin Ncap), é o câmbio muito longo nas primeiras marchas e curto exatamente na última, acredito que a 5ª marcha deveria levar o carro a 2900 giros a 100km-h e não a 3200 como ocorre. Outro pecado é ele não dispor de regulagem de altura no banco do motorista, eu particularmente não gosto de dirigir alto, aliás muito pelo contrário gosto de dirigir na posição mais baixa possível do assento.

E o pecado final é ele não dispor de uma boa caixa automática ou uma automatizada a nível de uma Dualogic Plus ou superior, que já utilizei e achei bastante agradável. No mais é um bom carro. Econômico na cidade, que gosta de ser acelerado, demonstra ser confiável, que é estável e gostoso de se dirigir. Para quem gosta de dirigir mesmo e na categoria de preços onde ele se encontra, um J3 é uma grande diversão, para mim vale muito mais a pena do que os peladaços 1.0 que se encontram na sua categoria.

3.0

  • fortal1990

    Parece ser um carro legal, talvez seja um dos melhores da sua categoria.

    • danieldourado_2

      E o motor é excelente, um dos melhores já desmontado pela 4 patas.

  • eninho

    tem certeza que é o melhor da sua categoria?

    • caco

      EXCETO POR ISSO:"O pecado que vejo no J3, além do fato da estrutura (Vide latin Ncap), "

      • Jessé Silva

        Como se Gol, Celta e afins fosse 5 estrela. Tenho o J3 Turin e não tenho o que reclamar, o que aquela ABS já me salvaram, nenhum carro "nacional" dessa faixa faria o mesmo.

  • pauloreis

    alem do teste de 60 mil que a 4rodas fez e, relatos como estes, mostram que os chineses vão fazer bem em pouco tempo aqui no brasil. Se preparem que em 5 anos vcs podem ter um chinês e gostar muito!

    • MecanicoDigital

      Tenho um amigo que trabalhou na JAC na época do teste de longa duração da revista, e ele me disse q eles descobriram qual era o carro da 4R, e quando este carro aparecia nas revisões, tinha tratamento diferenciado. Até componentes foram trocados e as peças remarcadas, para que a revista não percebesse.

      Fiquei muito decepcionado quando soube disso, pois sou assinante da revista e confiava no resultado da 4R.

      • emanwen

        valeu. papai noel tambem existe!
        A QR marca as peças minimamente.. impossivel trocarem tudo e remarcarem do mesmo jeito..!

        • MecanicoDigital

          Eu também pensava assim. Mas infelizmente, a realidade é outra. Não precisa acreditar em mim, eu só dividi aqui neste espaço o que eu descobri, e sinceramente, eu também fiquei muito decepcionado. Vai de você acreditar ou não.

          • granrs78

            Se for desse jeito, quem não garante que os outros carros testados pela revista, as concessionarias tbm não sabiam de que se tratava de um carro da 4 rodas.

            • silvio_Brito

              E quem garante que não?!!!!

              • granrs78

                Confio mais em uma revista que tem mais de 60 anos no mercado, e testou inumeros carros, inclusive os de longa duração do que "pessoas"que trabalham em concessionarias que falam que fulado já sabe quais são os modelos da 4 rodas, lembrando que eles fazem revisões em várias concessionarias de Sp e de outros estados e os nomes dos carros são de pessoas fisicas.

      • CharlesAle

        Se fosse antigamente,a QR anularia o teste e compraria outro,mas a QR de hoje em bem diferente,para pior….

        • Ibrahim

          4rodas é a revista mais "vendida" que existe. Pior que ela so aquela que elege "carro do ano" as piores carroças que já passaram pela terra. Nao duvido nada que a jeca tenha feito isso… Precisam desesperadamente construir uma reputação de longo prazo.

      • Leandro1978

        Mas aí foi maracutaia da concessionária que descobriu e não da revista.

        • MecanicoDigital

          Sim sim, a revista não teve culpa. Mas de qualquer forma, fiquei decepcionado pelo teste ter sido adulterado pela JAC, e muitos (assim como eu antes de descobrir) confiaram no resultado da revista.

          Isso pra mim foi uma decepção enorme com a JAC. E de quebra, ainda colocou uma dúvida sobre os testes que podem ser burlados…

      • PONCIO PILATOS

        caro MacanicoDigital, perdia a confiança na quatro patas ha muito, mas depois dos elogios ao JAC que fizeram no longa duração, aí foi que desanimei mesmo.
        disseram eles, jamais testaram outro carro tao duravel…fala sério.
        nota. não tou dizendo que o JAC é ruim… mass…

        • MecanicoDigital

          Pois é amigo Poncio Pilatos … eu ainda recebo a assinatura da revista, mas depois dessa história não penso mais em renovar a assinatura … já faz tempo desconfiava de certos testes .. agora então, pra mim acabou.
          Ainda que eles sejam honestos, o sistema adotado por eles demonstra ser passível de fraude.

          • PONCIO PILATOS

            Amigo Mecanico, ainda continuo recebendo.
            mas hoje não boto tanta farinha no assunto deles, gosto mesmo da seção correio tecnico, carros brasileiros e aquele outro de carros antigos que nem me lembro, de resto, nao dou assunto mesmo.
            vc ta corretissimo, alias, no brasil, pouca coisa ou nada, anda tendo credibilidade, tá brabo véio…

            • MecanicoDigital

              Verdade amigo, vc tem toda a razão.

              • reuelrp

                Eu também assinei QR por muitos anos… Hoje em dia espero 3 meses para ver a revista digital… rsrsrs

      • danieldourado_2

        Ah claro, um amigo de um amigo me contou! Muita credibilidade sua história!

        • MecanicoDigital

          O cara é MEU amigo, que trabalha aqui comigo atualmente, e ele veio da JAC, seu local de trabalho anterior.

      • Diego

        Cara to vendo seu comentário aqui e , leio muito essa sessão da revista… será mesmo que isso é verdade?

        mas será que a 4rodas sabe disso, pois pelo o que eu saiba é que eles marcam as peças que deverão ser trocadas para ver se a concessionária trocou mesmo.

        • MecanicoDigital

          Então Brother, eu não tenho certeza se a 4R sabe ou não, mas eu acredito que ela não saiba… ou quando soube, já era tarde….

      • Thorngeen

        Descobriram o carro que a 4R comprou e trocaram bielas, pistão, virabrequim, bomba injetora, cabeçote etc ? desmontavam o carro a cada revisão para encobrir os desgastes irregulares também? eu não sou fã nem assinante da 4R , mas o trabalho da JAC foi excelente haja visto, que não temos outros carros capengando , com falhas inexplicáveis por ai

        • janduir

          Correto amigo, sem contar que para o fabricante mesmo não sabendo a placa do carro, pela cor, dá uma ordem geral em todas as concessionárias aqui da regiao, que quando aparecer um carro desses para revisão, não podem ter falhas nessa revisão, mas não acredito que mesmo o fabricante tendo certeza que o carro é da 4r, eles arriscariam trocar peças sem avisar, sem contar a marcação das peças… E no caso do Nissan Versa, vão dizer que pagaram para a 4R estragar o motor e cambio do carro?

    • caco

      AH, mas teem que melhorar muito!mudar da agua pro vinho!!!!!

    • Gaf1991

      Olha vou ser sincero o tratamento das autorizadas comigo sempre foram bons , e olha que passei por 3 estados diferentes . Se foi adulterado ou não eu não sei , mas comigo em geral sempre me atenderam muito bem e fizeram o serviço de maneira correta .

  • CleSilva

    falando do latin cap em 3,2,1…

    • Rafael_rec

      Pra falar dos nacionais o latin cap vale, mas para falar de um china in box não? Vai entender…

    • caco

      "O pecado que vejo no J3, além do fato da estrutura (Vide latin Ncap),'…palavras do dono!!!!

  • bedotRJ

    Pô, mas a Rua Alice é molezinha pro J3. Teste bom mesmo seria metê-lo na Rua das Acácias, a primeira à direita depois do shopping da Gávea. O último quarteirão, entra a Rua dos Oitis e a Major Rubens Vaz só macho mesmo consegue subir! kkkk

    Zoação à parte, para o que se propõe o J3 não está tão ruim. Ainda mais depois o mercado tratou de forçar seu preço prá baixo, fazendo com que ele bata de frente apenas com populares 1.0 e até mesmo o irmão de marca J2. Eu não compraria porque ainda tenho uma questão de cunho ideológico com os carros chineses (e também desconfio da qualidade deles a médio prazo). Mas é bom ver relatos de pessoas que "se arriscaram" e estão satisfeitas.

    • Ubaldir

      Se a JAC se dispuser a entrar de "sola" no mercado brasileiro, implantando fábrica aqui, os seus produtos podem perder a cara de "mico" que têm hoje. O J3 é um bom exemplo. Produto que tem suas qualidades, mas que nada vale em uma revenda. E ainda fica aquela pontinha de dúvida de saber se a JAC tem um futuro de longo prazo no país, o que põe em xeque a viabilidade de manutenção dos seus modelos ao longo dos anos. Esperemos os próximos lances dos chineses. Que venham pra ficar, ora bolas. Eles já puxaram pra baixo o preço da grande maioria dos modelos nacionais.

      • caco

        pra perder a cara de mico, teem que mudar da agua pro vinho e melhorar em muito a seguranca PASSIVA/" O pecado que vejo no J3, além do fato da estrutura (Vide latin Ncap), "

      • Megan

        Gostei do seu comentário, amigo. Realmente são excelentes carros, mas na hora da revenda viram mico. Pena que brasileiro gosta é de FIAT que são o oposto de Jac. Não acredito nessa história de adulterar a revista pois um amigo meu já teve 3 J3 e tem 1 J6 assim como eu. Não tenho do que reclamar. Sucesso a quem quiser vir para o Brasil para melhorar nossa vida. Abraço.

  • Davy

    Bom, se for pra falar de crash test e deformação na estrutura, vamos colocar o Renault Sandero na discussão. O Sandero teve desempenho ridículo no crash teste, mas todo mundo continua comprando. Bacana também é falar do Toyta Corolla que custa R$60.000,00 reais na versão de entrada e não vem com ABS sequer como opcional. Bacana, né? Acho que os JAC são bons veículos, e assim como qualquer produto, só precisa de alguns retoques para ter uma boa aceitação. A propósito, o motor do J3 foi desenvolvido em parceria uma empresa Austríaca, chamada AVL. Conforme o leitor disse, aqui no fórum, a 4Rodas testou e o carro passou com louvor. Sejamos justos. E esqueçamos um pouco o tradicionalismo.

    • bedotRJ

      Putz, lá vem mais um hater da Renault e lá vamos nós ter que contextualizar novamente, rsrs.

      O Sandero foi tão ridículo quanto qualquer outro carro testado sem airbags. Ou seja, ele não pode visto como referência negativa nesse aspecto. Está exatamente no mesmo patamar de qualquer um dos concorrentes. Como seria o resultado do Sandero com airbags? Saberíamos se o Latin Ncap tivesse sido isonômico e testado o Renault também com essa configuração, como fez com alguns concorrentes. Aí talvez não se criasse essa concentração injusta de imagem negativa prá cima do Sandero.

      Agora, me admira muito alguém querem meter o resultado do Sandero sem airbags em um contexto de defesa do J3. O carro chinês conseguiu a façanha de ficar com a mesma parca UMA estrela do Sandero, mas tendo sido testado com airbags, já que são de série. Portanto, prá quem argumenta com dados do Latin Ncap, absolutamente NADA foi pior do que o carro da JAC. Se a intenção é fazer sua defesa, este é um péssimo caminho de argumentação.

    • bedotRJ

      Putz, lá vem mais um hater da Renault e lá vamos nós ter que contextualizar novamente, rsrs.

      O Sandero foi tão ridículo quanto qualquer outro carro testado sem airbags. Ou seja, ele não pode visto como referência negativa nesse aspecto. Está exatamente no mesmo patamar de qualquer um dos concorrentes. Como seria o resultado do Sandero com airbags? Saberíamos se o Latin Ncap tivesse sido isonômico e testado o Renault também com essa configuração, como fez com alguns concorrentes. Aí talvez não se criasse essa concentração injusta de imagem negativa prá cima do Sandero.

      Agora, me admira muito alguém querem meter o resultado do Sandero sem airbags em um contexto de defesa do J3. O carro chinês conseguiu a façanha de ficar com a mesma parca UMA estrela do Sandero, mas tendo sido testado com airbags, já que são de série. Portanto, prá quem argumenta com dados do Latin Ncap, absolutamente NADA foi pior do que o carro da JAC. Se a intenção é fazer sua defesa, este é um péssimo expediente retórico.

  • fkas

    0… É um bom carro… Basta rezar para não bater.

    • granrs78

      Como qualquer outro carro compacto, com excessão do Etios, que de tão feio parece que já sofreu um acidente. Pelo menos foi o único que consegui 4 estrelas no Latin.

    • Davy

      A Kombi também, o Mille também, o Sandero também… E olha que já tem gente sentindo saudade da Kombi, hein…

      • danieldourado_2

        E o gol também, e o Pálio também, e o March também, e o 207 também, e o Onix também, e o…

        • RafaelMeyrelles

          já fizeram o teste do onix? e todos os carros que você falou ganharam 1 estrela SEM AB o J3 ganhou 1 estrela com AB2

          • danieldourado_2

            Não fizeram o teste do Onix, e eu sei já sei o desempenho dos carros que eu citei. Só complementei o comentário do amigo.

    • fep

      kkkkkkkkkkkkkkkkk com certeza

    • Matias

      Assim como qualquer carro da mesma faixa de preço e segmento…

  • anderson_sp

    Eu tenho o meu preconceito contra os chinesinhos, mas se está feliz com o carro é o que importa, só acho que deveria custar uns R$ 5 mil a menos justamente para ter um custo-benefício que tinha antes.

    • filipecesar92

      Ninguém deve saber sobre a desvalorização desses carros pelo jeito…

      • anderson_sp

        Lógico que sabe, mas se for comprar carro pensando em desvalorização o cara leva um Celta ou Gol GIV, entra lá no tópico da promoção de 408 e veja que tem usados custando quase R$ 10 mil a menos com pouco tempo de uso, veículo é assim mesmo, uns desvalorizam mais outros menos, carro não é um investimento.

      • thales_sr

        Desvalorização? Se você for trocar por outro JAC, pagam o valor da FIPE no seu carro. Tá ruim? Tenta fazer isso com Gol, Fiesta, Sandero, Peugeot, Citroen…

        • bedotRJ

          kkkkk….. calma!! É só prá trocar por outro JAC ainda mais caro. E se vc for fazer as contas daquele anúncio, notará que a promoção é uma senhora pegadinha, rs.

          • thales_sr

            Bom, você não esperaria entregar o J3, levar o J2 e um troco pra casa né?

            • bedotRJ

              Não, de jeito nenhum. Eu só tô alertando para o fato de que a chamada daquele anúncio não é lá muito confiável. Se fizer as contas, vc notará: ou a JAC não está exatamente pagando preço Fipe no J3 usado, ou até está, mas o 0km vinculado à "promoção" acaba saindo a um preço bem mais alto do que vc pagaria se levasse nota por nota até a loja prá comprar à vista sem dar carro na troca. A única "vantagem" seria, ao menos, estar aceitando o usado chinês, coisa que outras marcas sequer fazem. Mas também se a própria marca não o aceitasse, aí seria o caso de jogar o carro pelo barranco, rsrs.

          • granrs78

            Não, a promoção valia para a troca do J3 pelo J3 1.5 tbm.

            • bedotRJ

              Era "também" ou era "apenas"?

              Creio que era exclusivamente J3 hatch pelo novo J3 S 1.5 ou J3 Turin pelo J5. Acho que vc não podia usar a "Fipe" prá trocar por equivalentes ou prá intercambiar modelos. Tenho quase certeza disso.

              • granrs78

                Os modelos J3 e J3 1.5 são o mesmo carro, somente com uma motorização mais forte, e segundo os anuncios as concessionarias Jac pagariam o valor da Fipe por esses modelos na troca. A promoção que vc está falando tbm existiu, que era a troca do J3 Turim pelo J5, ai sim vc está certo que era a troca por um modelo mais caro da marca.

                • bedotRJ

                  Tudo bem, é o mesmo carro, mas vc fica condicionado a levar a nova versão 1.5, que é razoavelmente mais cara do que a convencional 1.4 (sendo que, se vc for fazer as contas, verá que está pagando um valor bem alto no 0km). Vc não pode, por exemplo, trocar o seu J3 "comum" por um J2 ou por outro J3 "comum" 0km com a avaliação da "promoção".

                  É como se eu levasse um 207 XR 1.4 para trocar na Peugeot por outro 0km e só conseguisse uma avaliação "boa" se a troca fosse por um XS 1.6 ou um Quicksilver (e ainda assim com algum superfaturamento). Se trata de uma promoção bem, digamos, brasileira, rs.

                  • granrs78

                    Só que a diferença de preço do J3 1.4 para o 1.5 é de menos de 2 mil reais, e vc leva para casa um motor muito mais forte e alguns itens de personalização e tbm mudanças ( poucas) no interior. Acho que a diferença acaba compensando para o motor mais potente.

          • Tejolo

            Melhor que a honda que não pega seus civics na troca dos novos aqui no PR (não todas, mas as 3 que visitei…) e a que pegava parecia que estava fazendo um gigantesco favor em pagar FIPE – 40% !!!!!. A PUG estes tempos atrás pagava fipe em qualquer sedan medio na troca por um 408, isso mostra respeito, ja que a maioria pagaa FIPE – 25%, -30%……

            • raphael

              Rapaz comprei um Punto Tjet 2013, com 11meses de uso tentei trocá-lo na fiat por um Bravo Tjet,. O carro tinha 13mil rodados, impecável. Na FIPE na época era 53mil, queriam pagar 35mil no carro..

  • jnasser

    nas concessionárias eles fornecem gratuitamente aquele adesivo "nas mãos de deus" com a mãozinha embaixo…..

    • granrs78

      E nos carros" nacionais" vem com o nariz de palhaço de brinde.

  • Rafael_rec

    1 estrela e nada mais…

  • Supramagnus

    Quando o J3 foi lançado era uma boa opção, mas agora a concorrência é outra, novo Palio, HB20, Onix, Etios, March… a JAC vai ter que mexer no J3 logo.

    • Gaf1991

      No conjunto mecanico e de suspensão esses modelos tem de comer ainda muito feijão com arroz para dar a diversão que o j3 oferece nesse sentido . E com o preço do j3 a maioria desses modelos será 1.0 .

      • granrs78

        Realmente, pois o pessoal se esquece que o J3 é o único modelo compacto com suspensão independente até nas rodas traseiras, coisa que eles adoram louvar falando do Civic e Focus que são outros modelos que oferecem esse tipo de suspensão, mas são de outra categoria e bem mais caro que o J3.. Falta de imparcialidade de alguns.

        • Gaf1991

          Como eu tive 3 civics eg que usei demais na cidade , eu sabia o que era um carro estavel de verdade . Por isso vanglorio muito o j3 nessa caracteristica , apesar de sua altura de jipe , ele consegue se manter estavel , mesmo em altas velocidades .

      • luizcrjr

        já fiz teste drive no J3 e não me empolguei com o carro não, nada demais. Inclusive achei o câmbio muito estranho e molenga, meio folgado, não passa confiança de jeito nenhum.

  • Viníciusk

    É um ótimo carro, já tive a oportunidade de conferir. O único porém é a segurança. Mas se pensarmos nas 3 estrelas do Latin Ncap que o Gol levou, não muda muito. Como que não muda?

    Esse teste do Latin Ncap equivale a dois carros batendo de frente a 55 km/h. Nessa situação o Gol é melhor, sem dúvida. Mas e a 80 ou 100 km/h? E a 110 km/h? Nesses casos tanto o ocupante de um carro 3 estrelas como o ocupante de um carro 1 estrela estarão mortos, sem dúvida.

    Lembrando que um Gol e Cia Ltda custam o mesmo que um J3 se forem equipados igualmente.

    • fkas

      A 100 ou 110Km/h mesmo num 5 estrelas você estaria morto ou severamente ferido. A avaliação de dois carros batendo a 55Km/h representa uma colisão típica urbana, onde a maioria das pessoas passa a maior parte do tempo. A ideia do NCAP é criar consições para que um choque desses não apenas não seja fatal, mas que os ocupantes tenham lesões mínimas ou mesmo não as tenham.
      Num carro com 4 ou 5 estrelas, a possibilidade de ferimentos em um acidente como este é mínima (e lembre que são os acidentes mais graves dentro da utilização padrão urbana), mas o esmo não pode ser dito de notas inferiores. Vamos para os piores: O Sandero (e por tabela o Logan e o Duster, que usam a mesma plataforma) não consegue oferecer o mínimo de proteção a seus ocupantes, e a probabilidade de ferimentos na cabeça e no peito, até mesmo fatais, é muito alta (o air bag não adianta, porque o carro deforma tanto que eles saem do lugar e não protegem os ocupantes); já o J3 (e o Turim) pode destruir as pernas do motorista, até mesmo de forma irreparável.
      A diferença entre um carro com 4 ou 5 estrelas, um com 3 e um com apenas uma, no mesmo acidente, é assim: No primeiro você pode nem se ferir (ou no máximo escoriações e hematomas), no segundo você pode sofrer ferimentos sérios porém "consertáveis" (com pouca ou nenhuma possibilidade de sequelas), e no terceiro você pode morrer… Pura e simplesmente! Ou no mínimo ter uma lesão permanente.
      Mas o brasileiro prefere ignorar isso e se arriscar, achando que "aquele" acidente só vai acontecer com os outros…

  • Everton

    Acho legal. Pena que a JAC é uma empresa estatal do Partido Comunista Chinês e por conseqüência são automóveis feitos com mão de obra escrava.

    • fkas

      Se eu fosse chinês iria com certeza ficar preocupado com isso…

      • suguii

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • danieldourado_2

      Vish, aposto que o PC que você ta escrevendo também foi! E você ta usando?! Ops…

    • Pedro_Rocha

      Concordo. Produtos de estatais chinesas são diamantes de sangue.

  • Viníciusk

    1, 2 ou 3 estrelas de segurança é um lixo na minha opinião. Como fica no caso de uma batida a 100 km/h? Nesses casos talvez 4 estrelas ajudem um pouco, mas o ideal seria 5 estrelas. De 3 pra baixo é tudo presunto!

    • Archimedes

      Até concrdo que de 3 pra baixo é fraco, mas se vc bater a 100, alguma teve: Estava correndo, dormiu, não tem capacidade pra dirigir… Pra bater a 100, quando a maxima no brasil é 120, é porque vc não freou o carro. É muito raro bater a 100 de verdade em condições normais. Até quando acontece uma merda muito grande de vez na sua frente, dá tempo de tomar um susto e enterrar o pé.

      • Andre Dias

        Na verdade é bastante simples. Considerando que nos testes o obstáculo está parado, uma "batida a 100km/h" na verdade requer somente que seja dois veículos a 50km/h em direções opostas. No Brasil a quantidade de estradas com mão dupla pista simples é enorme, muitas vezes sem acostamento e colisões frontais ainda são frequentes. Nem sempre é possível desviar. Se o fulano de um lado calcular mal uma ultrapassagem e não perceber que no sentido oposto vem um motorista, a desgraça está feita. A culpa na maioria das vezes é de um dos motoristas, mas nem sempre dos dois.

        • reuelrp

          Colega, um acidente de 2 veículos a 50/h não resulta em um acidente a 100/h. São dois acidentes a 50/h. Existem crash tests comprovando o que estou dizendo.

          • Andre Dias

            Física básica…

      • Viníciusk

        Archimedes, não é raro bater em uma velocidade como 80 ou 100 km/h. Olhe as estatísticas de acidentes em rodovias e veja quantas fatalidades ocorrem em nosso país. Em muitas situações, os três quartos de segundo de tempo de resposta de um adulto saudável não são suficientes para evitar o desastre. Isso quando o(a) desgraçado(a) do outro carro não está a 150 km/h ou mais.

        • Archimedes

          Neese aspecto, do outro carro ser um fdp, vc tem toda razao. Fiz pouco em não destacar que estava falando de acidentes de um carro só. Mas ainda assim… uma grade parte das batidas ocorre em velocidades mais baixas, mas nossos carros são horriveis, aí acho que pra quem ve depois, ainda parece pior.

          Bati meu carro a uns 15km/h uma vez, meus amigos acharam que eu tava correndo, tamanho o bagaço que ficou, aparentemente, a frente do carro. quase não amassou estrutura, mas tinha tanto plastico quebrado… farol, parachoque….

  • TacodegolfGTI

    Não concordo que a caixa dualogic plus é boa .

  • Leandro1978

    Corajoso de trocar um Civic por um J3…rs… Brincadeira, pelo seu relato, você está plenamente satisfeito com o carro e é isso que importa. Quanto ao J3, pessoalmente, não gostei do acabamento. Não sei se era problema da unidade que vi, mas quando fui ajustar o encosto de cabeça, o tecido saiu na minha mão. O vendedor até ofereceu o banco de couro de graça, e olha que custava quase R$ 2.000 na época. Além disso, ao bater a porta do motorista, o barulho me lembrou aqueles carros dos anos 1980, dando a impressão de que, talvez, a vedação não fosse tão boa. Enfim, ainda não estou convencido a optar por um chines neste momento, talvez quando as futuras gerações chegarem. Hoje não.

  • fkas

    Falando em JAC: Hoje eu andei um bom tempo no trânsito atrás de um (uma?) J6, e quanto mais eu olho para ela menos eu entendo quem prefere uma Spin ou um Livina (a não ser pelo câmbio automático). Por menos de R$ 50.000 ele é incomparável com as duas "jabiracas disformes"…
    A gama deles na verdade não é ruim, apenas peca em certas escolhas e no problema estrutural do J3 (não é implicância! O que o J3 mostrou no Latin NCAP foi muito sério, pois num impacto que poderia ser tolerável pode destruir uma perna ao ponto de ser irreparável). O J2 parece ser um belo carro urbano, mas falta uma avaliação de segurança e, principalmente, a opção de um câmbio automático/automatizado (cada dia mais essencial para uso urbano). O J5 é um excelente carro a procura de uma mecânica que faça jús a ele. E o J6 merece um acabamento mais cuidadoso e um motor melhor que aquele anêmico 2.0 (ou uma modernizada nele) e um câmbio automático.
    Quanto à desconfiança de ser "chinês", pergunte à FIAT quanto tempo levou até que ela fosse "aceita" pelo consumidor nacional… Não tem jeito, tem que perseverar para conquistar. Mas hoje eu compraria um (exceto o J3, pelo problema acima) se estivesse procurando um carro com características "compatíveis".

  • caco

    REALMENTE!Trocar um CIVIC , memso usado por um JAC J3 zero ?O LOCO , MEU diria o Faustao….

  • Jota Bridon

    Meu filho tem um J3, já dirigi varias vezes, uma delas foi uma estirada de mais de 150 kms. Carro economico, confiavel, e sem preconceitos, melhor que muitos estrangeiros disfarçados de nacionais (gol, uno, mille, celta, etc.) Pelo menos os chineses tem fábrica próprias, coisa que não possuimos. AH! Já estão produzindo carros elétricos.

    • luizcrjr

      hehe belo tapa na nossa cara…

    • RafaelMeyrelles

      temos a TAC u.u

      • Pedro_Rocha

        Agrale também.

    • RafaelMeyrelles

      E apesar de não ser todo brasileiro temos o Vorax

  • sabbathbh

    "e hoje tenho para uso particular um Monza, um Lancer CVT e o J3". Que frota hein…

  • Viníciusk

    Sim, concordo com você. E realmente o resultado do J3 neste sentido foi ridículo, e não podemos nivelar por baixo. Mas tampouco podemos condenar o carro visto que concorrentes dele como Peugeot 207 com Air bags teve um desempenho péssimo, e outros veículos como um Fiesta Rocam, Fox e suas variantes, Ônix e afins ainda não foram testados e quando forem, sabe-se lá qual será o resultado.

    Desses novos, eu sinceramente gostaria que Ônix e principalmente o novo Fiesta mantenham no mínimo uma segurança de 4 estrelas, pois 5 até agora nenhum testado conseguiu. Infelizmente.

    A tempo: Mesmo gostando do J3 não o compraria pela segurança. Aliás, estava para comprar um e quando saiu o resultado do Latin Ncap, desisti.

    • danieldourado_2

      Já conseguiu sim: Etios.

      • Viníciusk

        O Etios conseguiu 4 estrelas. Nenhum carro testado pelo Latin Ncap conseguiu 5 estrelas por enquanto.

      • lachard

        Pra criança foi igual ao J3

  • granrs78

    Minha sogra comprou um J3 Turim 2013, e está adorando o carro. Detalhe, ela tinha um Corolla 2001 mecanico com somente 40 mil Km. A única crítica é a respeito da diferença de potência do carro em relação ao Corolla, mas tbm um é 1.4 o outro era 1.8.

  • cepereira2006

    A curiosidade é grande: fale um pouquinho sobre este Civic AT que você vendeu com 380.000 km. Em que estado estava? Como se comportou o câmbio com esta quilometragem toda? Estava bem ou mais para ferro velho? Teve que recondicionar o motor? Incomodou depois de velho?

    • Gaf1991

      Você gostaria que eu fizesse mais um carro da semana que nem o do meu atual Jac ?

      • jnasser

        Ou pelo menos um resuminho! 380.000 km é algo fantástico!

      • cepereira2006

        Acharia 100% válido. Até onde eu lembre, nunca vi ninguém ter feito um "teste de tão longa duração" assim. Peça ao NA, tenho certeza que eles iriam adorar.. Eu mesmo adoraria ler uma matéria assim, até porque nunca vi ninguém rodar tanto com um só carro. Caso eles ou você não queira, poste um resuminho aqui.

        • Gaf1991

          E não foi um só , eu ando bastante com o carro , tive 3 civics , um dx , um lsi e um lx todos automaticos comprados usados , o Dx foi embora em 2004 com cerca de 420 mil km , o lsi com cerca de 415 mil em 2008 e o lx , o ultimo com cerca de 380 mil km . Eu vou fazer sim do lx que foi o ultimo , pois tenho fotos digitalizadas dele e tal . Deixa eu ter tempo que eu separo as fotos e bato o texto para o pessoal do NA . Se eu esquecer de algo no proximo texto vc me questiona ok .

      • André Leite

        Seria fantástico !!

      • Absinthe666

        acredito que todos aqui gostariam, ainda ajudaria a acabar com o mito que carro com 50mil km já é velho hehe

      • Pedro_Rocha

        Esse Civic merece um texto também, colega. Com certeza!

  • canino_preto

    Câmbio ruim é um pecado mortal pra qualquer veículo…e 1 estrela solitária LatinNcap em um carro com air bag duplo, testado apenas em impacto frontal, é absolutamente inadmissível.

    • RafaelMeyrelles

      e ainda tem gente que fica apoiando os chineses, se querem vender carros no Brasil vendam carros bons, porque lixo já tem aos montes

  • Rafael_rec

    Perfeito.

  • Tosca16

    O único porém foi na segurança , mas olhando o pacotão e preço num seria hipócrita eu de não dizer que o chinesinho concorre na medida do possível em nível de igualdade e alguns até superior …

  • _Adriano__

    Pera o cara troco um lancer num accord, bom tudo bem, ai trocou o accord em um civic hummmmm blz vai, do civic foi pra um J3? ahhhhh nao, nem vou continuar lendo isso aqui!

    • emanwen

      eh, lê de novo porque vc leu errado!

      • Gaf1991

        Concordo . Eu troquei um Accord pelo Lancer e tinha um Civic lx que troquei pelo Jac .

        • CyborgPilot

          Teu Monza é manual ou automático?

          • Gaf1991

            Infelizmente é manual . Quando tirei ele no fim de 92 , havia um preconceito infundado contra os automaticos e também na época não havia o transito de hoje né .

            • CyborgPilot

              Uma pena, porque o cãmbio automático utilizado no Monza, no Kadett e na Ipanema (ou seja, o TH125C) é um dos câmbios automáticos mais duráveis dos que já foram utilizados em carros nacionais.

              • Gaf1991

                Se tem uma coisa que eu me arrependo foi disso . Até o retrovisor eletrocromico ele tem , junto da regulagem eletrica dos farois e o computador de bordo com os freios a disco nas 4 rodas . Como era tudo opcional na época , você podia ter um carro todo montado só para você , digamos assim . Mas tb se não me engano era um recurso caro , de cerca de seus 4500 dolares a mais no valor do carro . Porque na época estavamos no pré-real ainda então tinham muitas crises atrás de outras e a moeda instavel , fazia com que a maioria dos negocios de grande valor fosse feita em dolares e não pela moeda nacional da época .

                • CyborgPilot

                  O meu Kadett 1992 SLE 1.8 Automatic tinha sensor pra tudo que é lado. Sensores na vareta de óleo, nas pastilhas de freio, no reservatório do para brisas, do líquido de arrefecimento mostrando que estava na hora de trocar ou completar os fluidos e outras peças. Mostrava até quando havia alguma lâmpada queimada. Bancos e teto aveludados, luzes individuais de leitura, lâmpada interna com timer, vidros travas e retrovisores elétricos, direção hidráulica, computador de bordo e um monte de outros detalhes que vários modelos de hoje não possuem e isso em um carro de 1992! Sem falar na qualidade dos materiais que era ótima.

                  • Gaf1991

                    O meu Monza tem quase tudo que era disponivel na época , só faltou o abs e o cambio automatico . Uma coisa que sempre que procuro em carros novos eram as opções de interior que nem tinhamos naquela época , o meu Monza é cinza azulado por dentro e o tabelier tb é cinza com preto para combinar com o azul da carroceria , outra cor que sumiu dos catalogos , quando fui adquirir esse Jac queria um azul e haviam tirado de linha . Fora o veludo que eu gosto muito mais do que essas porcarias de couro e esses tecidos sinteticos , o veludo tem melhor toque né . E tinha tb a função siga-me nos farois , vc da uma piscada com o carro desligado , ai após vc trancar ele fica 15 segundos com o farol alto ligado para te ajudar , olha era um carrão na época e em termos de acabamento da um banho nos de hoje . E junto do Kadett eram carros de uma qualidade construtiva altissima , muito duraveis , suspensão muito resistente . Eu nunca tive coragem de usar esse Monza , tanto que até hoje ele esta com uma quilometragem baixissima , afinal foi meu 1o zero km . E no fim de 1994 adquiri um Omega gls 2.0 , uma porcaria , o carro dava problemas toda semana , era incrivel . Olha teve uma vez que tive de parar no acostamento para dar uma "aliviada" e desliguei o carro e tirei a chave , só que havia me esquecido do alerta , ai liguei o alerta e o carro deu partida sem a chave ! Troquei esse omega por um outro , só que cd 3.8 novo em 1999 e esse durou bem mais sem grandes problemas .

  • Leandro-ES

    Legal, gostei de tudo que o "PROPRIETÁRIO" relatou no texto! Digo "PROPRIETÁRIO" porque é só um desses como eu é que pode e tem a propriedade de dizer os defeitos e as coisas boas… e pelo que vi não foi só o "latin cap" que ele disse não ter gostado… mas como aqui 99% são abelhudos e não devem nem ter carro, é a unica coisa que podem falar e falar e repetir indefinidamente! Aff… cansado do mesmo papo!

    Mas voltando ao relato, parabéns ao NA pela iniciativa! Realmente somente com aberturas como essas que podemos conhecer melhor como um modelo vem agradando ou não seus compradores.

    Tenho um a exatos 1 ano (atualmente está com 21mil km e fá dentro da cidade 14km/L fácil) e no inicio tive problemas, sim! Mas nada de absurdo e que foram prontamente resolvidos pela ótima e única css do ES. Aliás, um dos melhores pós vendas que tive oportunidade de utilizar. Muito bom mesmo. E como disse o caro colega em seu relato, nada de empurroterapia!

    Final do ano irei trocá-lo pelo belo e espaçoso J5 com a garantia de avaliação acima do mercado… confesso que em viagens que faço a falta de um espaçoso bagageiro me faz uma falta danada… mas dá pra aguentar até o final do ano. =)

  • Everton

    O cara da Livina dificilmente vai se preocupar com o risco do volante cair no colo dele ao fazer uma curva

    Já o do J6…

  • Barneyatomico

    Pelo o que eu sei a culpa de não testar o Sandero com airbags não é do Latin-NCAP. A política do órgão é testar os carros em seus modelos mais simples. Os testes dos outros carros com airbags foram patrocinados pelas respectivas montadoras. Agora, bem que a Renault poderia patrocinar um teste do Sandero com airbags. Mas, imagino que o resultado seria parecido com o dos concorrentes, 3 estrelas.

    • bedotRJ

      Vejamos o que diz o site do instituto:

      "Como foram selecionados os carros?

      Foi feita uma lista com os carros mais vendidos e seu volume de vendas. Os atores do Latin NCAP selecionaram sete dos dez modelos mais vendidos na região nas duas primeiras etapas do Programa.

      Seleção de carros:

      Esta nova etapa do Latin NCAP se baseia nos volumes de venda do mercado de nove países da América do Sul e Central, além do México: a Argentina, o Brasil, o Chile, a Colômbia, a República Dominicana, o México, o Peru e o Uruguai.

      O Latin NCAP realizou uma lista com todas as cifras obtidas do total das vendas de carros nos países avaliados, bem como um índice de vendas proporcional (per capita) por país. Com estas estatísticas consideradas em conjunto, foi elaborada uma lista geral de vendas. Dessa lista, o Latin NCAP selecionou os carros mais vendidos em tantos países quanto possível."

      —————————————–

      "Como são escolhidos os carros e como funciona o processo para os carros patrocinados por fabricantes?

      Os modelos escolhidos pelo Latin NCAP devem ser as versões com o equipamento mais básico disponível em qualquer país do mercado latino-americano. O objetivo é avaliar os carros mais populares disponíveis e comumente adquiridos no mercado.

      Qualquer fabricante pode patrocinar qualquer carro a qualquer momento. Contudo, em um carro patrocinado pelo fabricante, o Latin NCAP também avaliará a versão com o equipamento mais básico, caso o fabricante apresente um carro com maior equipamento que a versão básica."

      ————————————————

      Considerações:

      Há algumas incongruências entre selecionar os "carros mais vendidos e seu volume de vendas" e escolher "as versões com o equipamento mais básico disponível em qualquer país do mercado latino-americano." Primeiramente, não existe UM mercado latino-americano, mas vários mercados totalmente distintos em características e volume dentro da América Latina. Por sinal, isso já representou um prejuízo à Renault, já que o Fluence testado seguiu a configuração mais básica da Argentina, não a do Brasil – sendo que o volume de vendas do Brasil é significativamente maior do que o da Argentina. Se o teste seguisse os padrões do EuroNcap e o modelo testado fosse o básico vendido no Brasil, teria um carro que, com seus 6 airbags, obteria um merecido destaque ao invés de entrar na vala comum das 4 estrelas.

      Outro ponto: a versão testada do Sandero é sim a mais básica disponível em nosso mercado, mas ao contrário do entendimento do instituto, não é a mais vendida. Tente encontrar Sandero Authentique pela rua (é fácil reconhecer, ele não tem o friso lateral preto localizado na parte inferior das portas) que você quase não verá. Essa versão nunca teve e ainda não tem airbag nem como opcional. A maioria das unidades vistas na rua são do modelo Expression que, hoje, tem airbag e ABS de série. Não teria sido mais correto escolher essa versão?

      Mais um ponto: as fases 1 e 2 dos testes do Latin Ncap foram realizadas nos anos de 2010 e 2011 respectivamente. Entre estes momentos e a entrada em vigor da obrigatoriedade do airbag (jan. 2014), haveria um longo tempo, que permitiria a venda e a circulação de muitos dos carros vendidos sem airbag. Já na fase 3, quando o Sandero foi testado, a obrigatoriedade já estava bem mais próxima (vale lembrar que antes da obrigatoriedade plena, vieram etapas obrigando percentuais crescentes de veículos com os equipamentos). Entre a divulgação dos testes do Sandero e a presença dos equipamentos de segurança em praticamente toda a linha do modelo, passaram-se poucos meses. Logo, o teste do Sandero está virtualmente caduco nesse momento. O instituto precisaria estar atento a essas nuances para ser mais isonômico.

      Critérios são critérios e pronto? Depende! Os critérios precisam ser revistas quando conduzem a resultados injustos. Ou bem o instituto se recusa a efetuar testes patrocinados, que possam trazer percepções distorcidas da realidade, ou então adapte-se os critérios para se chegar à isonomia. O caso do Sandero é muito claro: perto da obrigatoriedade dos airbags, o instituto deveria, por conta própria, ter adquirido o carro com e sem airbags. Feito os dois testes, independentemente da Renault se dispor a patrocinar um deles. Pois se a obtenção da isonomia só pode ser obtida à base de grana, então a natureza e a motivação do teste são altamente questionáveis.

    • bedotRJ

      Vejamos o que diz o site do instituto:

      "Como foram selecionados os carros?

      Foi feita uma lista com os carros mais vendidos e seu volume de vendas. Os atores do Latin NCAP selecionaram sete dos dez modelos mais vendidos na região nas duas primeiras etapas do Programa.

      Seleção de carros:

      Esta nova etapa do Latin NCAP se baseia nos volumes de venda do mercado de nove países da América do Sul e Central, além do México: a Argentina, o Brasil, o Chile, a Colômbia, a República Dominicana, o México, o Peru e o Uruguai.

      O Latin NCAP realizou uma lista com todas as cifras obtidas do total das vendas de carros nos países avaliados, bem como um índice de vendas proporcional (per capita) por país. Com estas estatísticas consideradas em conjunto, foi elaborada uma lista geral de vendas. Dessa lista, o Latin NCAP selecionou os carros mais vendidos em tantos países quanto possível."

      —————————————–

      "Como são escolhidos os carros e como funciona o processo para os carros patrocinados por fabricantes?

      Os modelos escolhidos pelo Latin NCAP devem ser as versões com o equipamento mais básico disponível em qualquer país do mercado latino-americano. O objetivo é avaliar os carros mais populares disponíveis e comumente adquiridos no mercado.

      Qualquer fabricante pode patrocinar qualquer carro a qualquer momento. Contudo, em um carro patrocinado pelo fabricante, o Latin NCAP também avaliará a versão com o equipamento mais básico, caso o fabricante apresente um carro com maior equipamento que a versão básica."

      ————————————————

      Considerações:

      Há algumas incongruências entre selecionar os "carros mais vendidos e seu volume de vendas" e escolher "as versões com o equipamento mais básico disponível em qualquer país do mercado latino-americano." Primeiramente, não existe UM mercado latino-americano, mas vários mercados totalmente distintos em características e volume dentro da América Latina. Por sinal, isso já representou um prejuízo à Renault, já que o Fluence testado seguiu a configuração mais básica da Argentina, não a do Brasil – sendo que o volume de vendas do Brasil é significativamente maior do que o da Argentina. Se o teste seguisse os padrões do EuroNcap e o modelo testado fosse o básico vendido no Brasil, teríamos um carro que, com seus 6 airbags, obteria um merecido destaque ao invés de entrar na vala comum das 4 estrelas.

      Outro ponto: a versão testada do Sandero é sim a mais básica disponível em nosso mercado, mas ao contrário do entendimento do instituto, não é a mais vendida. Tente encontrar Sandero Authentique pela rua (é fácil reconhecer, ele não tem o friso lateral preto localizado na parte inferior das portas) que você quase não verá. Essa versão nunca teve e ainda não tem airbag nem como opcional. A maioria das unidades vistas na rua são do modelo Expression que, hoje, tem airbag e ABS de série. Não teria sido mais correto escolher essa versão?

      Mais um ponto: as fases 1 e 2 dos testes do Latin Ncap foram realizadas nos anos de 2010 e 2011 respectivamente. Entre estes momentos e a entrada em vigor da obrigatoriedade do airbag (jan. 2014), haveria um longo tempo, que permitiria a venda e a circulação de muitos dos carros vendidos sem airbag. Já na fase 3, quando o Sandero foi testado, a obrigatoriedade já estava bem mais próxima (vale lembrar que antes da obrigatoriedade plena, vieram etapas obrigando percentuais crescentes de veículos com os equipamentos). Entre a divulgação dos testes do Sandero e a presença dos equipamentos de segurança em praticamente toda a linha do modelo, passaram-se poucos meses. Logo, o teste do Sandero está virtualmente caduco nesse momento. O instituto precisaria estar atento a essas nuances para ser mais isonômico.

      Critérios são critérios e pronto? Depende! Os critérios precisam ser revistos quando conduzem a resultados injustos. Ou bem o instituto se recusa a efetuar testes patrocinados, que possam trazer percepções distorcidas da realidade, ou então adapte-se os critérios para se chegar à isonomia. O caso do Sandero é muito claro: perto da obrigatoriedade dos airbags, o instituto deveria, por conta própria, ter adquirido o carro com e sem airbags. Feito os dois testes, independentemente da Renault se dispor a patrocinar um deles. Pois se a obtenção da isonomia só pode ser obtida à base de grana, então a natureza e a motivação do teste são altamente questionáveis.

  • PedroRodrigues

    Muito bom Gustavo , também possuo um chinês ( mas precisamente um Chery ) e estou muito satisfeito com ele , ja até participei do carro da semana também . Abraços

    • Gaf1991

      É isso ai Pedro , nós que convivemos com esses carrinhos temos de dar a opinião real de quem está no day-by-day com eles . A maioria critica sem nunca ter encostado num carro desses .

      • PedroRodrigues

        Nem encostou ou também deu uma volta no quarteirão e quer saber mais do que quem no dia a dia a 1 , 2 , 3 anos anda com o carro .

        • Gaf1991

          É verdade .

  • Rafael

    Meu irmão tem um J3 há um ano e meio mais ou menos…uns 40 mil rodados. Até o momento, nenhum problema, nas poucas vezes que dirigi, gostei muito do carro.

    • Tiago_brito

      caraka, 1ano e meio e ja rodou 40mil , o meu carro tem 4 anos e fez 50mil agora e to achando muito ja, isso pq rodo bastante tbm, o se irmão ja deve morar no carro pra rodar tanto assim rsrss

  • Thorngeen

    Dois pesos duas medidas, quando avaliam um carros chines, com toda razão exige-se o máximo de qualidades mas ao valiar-se um nacional do mesmo naipe é aceitável alguns deslizes que já deveriam ter resolvido, vide o tempo que as 4 grandes já estão no país, as imagens de carros batidos que vemos, as vezes não dá nem para saber que modelo ou marca , fora que existem milhões de usados e seminovos sem airbag, abs, disponíveis para venda e certamente serão comprados.

  • José Lima

    JACa… Parece vendedor de CSS que o chefe pediu uma redação na hora de contratar. FAle bem do carro… Diga que teve um Civic… E um Lancer… Aí diz que o J3 é bom bagarai de dirigir… Não se esqueça da segurança… os brasileiros estãoc omeçando a se preocupar… Coloque uma pitada sobre o acabamento… diga que é confortável… Não fale nada sobre potência nem torque, porque a galera sabe que é o motor é bem fraquinho… Câmbio… todos sabem que é molenga e não é preciso… compare apenas com o Mille e o Sandero… Não fale nada sobre o 208, New Fiesta, C3,…
    Fábrica… digaque vem… não fale a data…

    • JvdMiranda

      bem hipócrita. Faça vc o test-drive e comprove sobre o câmbio. A fábrica é realidade na Bahia já. Os modelos que citou custam na média 10 mil a mais

  • Barneyatomico

    Captei a vossa mensagem! Você tem toda razão!

  • Lexus GS300

    Achei honesta a opinião do proprietário do J3 e sua satisfação pelo veículo haja vista que ele é proprietário de um Lancer e de um clássico GM. Mas a pergunta que não quer calar! Como está o fornecimento de peças para esse carro? E o mercado paralelo! Já dispõe de peças para o JAC?

    • Gaf1991

      Olha em 3 estados que precisei fazer a revisão foi tudo ok , peças na hora . Mas mercado paralelo eu acho perigoso , principalmente porque não acredito que tenha alguns mecanicos já apropriados a mexer na mecanica dos jacs , e ainda mais com os 6 anos de garantia , mexer no motor fora da autorizada é perigoso .

  • LuccasVillela

    Gostei do JAC J3 sim, dirigi ele já, em test drive e achei bem bacana.

  • Ghost001

    Tem gente que é abobado demais.. neguim metendo o pau na JAC, falando que tal carro nacional é melhor bla bla bla
    Mas o mais engraçado é que são essas mesmas pessoas que depois criticam o mercado automotivo brasileiro.. O cara só quer saber de falar mau de tudo. Vida longa a JAC e a qualquer outra empresa que vier para o Brasil!

  • Landrutt

    EU não trocaria um Civic, mesmo que velho, pelo J3…e se bobear por nenhum de seus concorrentes, mesmo os "nacionais". Mas o que importa é que o dono está feliz com o carro. Já entrei no JAC e sendo sincero o achei bem acabado, só não gostei dos bancos muito escuros – muito pretos, ao menos deveriam ser um tom mais acinzentado. Minha irmã, que era a interessada no carro, só não trocou o C3 1.6 XTR 09 dela no chinês porque a concessionária da JAC fez doce e disse que não recebia o carro "porque era francês e ruim de mercado". Na ocasião, enquanto mostrava o carro, o vendedor foi atencioso mas inventou muita coisa, como dizendo que o J3 era sucesso de vendas na Europa e que tinha sido todo projetado na Itália, só falou que era chinês quando eu o indaguei, e ainda assim uma resposta apenas acenando com a cabeça. Falou que era o carro mais vendido no Brasil mas foi indagado pelo meu pai sobre o Gol, aí ele complementou com um "dos importados", outra mentira, na época era o Kia Cerato.

  • W_Costa

    Boa avaliação, sempre imaginei que esse motor VVT seria bem econômico, do meu ponto de vista é o maior trunfo do J3, porém não compraria ele e nem outro carro que trabalhe com torque a altos giros (1.0/1.4/1.6 aspirados em geral), acho irritante esse tipo de condução, melhor um turbo de baixa cilindrada, que te oferece o melhor dos três mundos, força em baixa, boa economia (andando na manha) e se quiser desempenho é só pisar fundo.

  • Davy

    Eu defendo a coerência, não os veículos da Renault. Se o brasileiro tem por hábito reclamar da qualidade e da segurança dos veículos chineses, deveria ficar mais alerta em relação ao que é vendido pelas marcas tradicionais. Se você está relativizando as coisas, já está nivelando pelo mais baixo patamar de qualidade. Quão melhor foi o Sandero em relação ao JAC?? E o Sandero vende muito mais que o JAC, mesmo sendo um lixo em segurança. O ponto da minha discussão é: O CONSUMIDOR BRASILEIRO ESTÁ SENDO COERENTE A PONTO DE PODER QUESTIONAR A QUALIDADE DO CARRO CHINÊS?? O Sandero, mesmo sendo péssimo no quesito segurança, vende mais. Isso é reflexo de um consumidor coerente??? Claro que não.

  • leo

    Bah tentei ler todo o texto mas nao consegui.. "tenho um Lancer CVT um j3 e um monza".."troquei pelo Civic" "antes tinha um Accord V6" "meu primeiro automatico em 99"..barbaridade, quantas informações desnecessárias, so para aparecer..

    • CyborgPilot

      Meu caro, se ele quisesse aparecer, faria uma avaliação do seu Lancer e não do JAC J3.

    • Edwin Luisi

      É de alta relevância o autor do texto mencionar outros carros que tem e que teve.
      Se ele simplesmente disser informações do J3, possivelmente o julgariam dizendo que ele precisa dirigir carro X ou Y porque esses sim são carros de verdade e etc.
      Saber de outros carros que ele teve e o período é importante pra confiança do relato.

  • Davy

    Eu não sei se é uma mania ou um expediente comum entre torcedores tricolores cariocas, mas não acho correto, questionar as regras do jogo ou tentar subvertê-las em favor próprio. Penso que a atitude mais construtiva seria questionar se o jogo está sendo jogado de forma correta e seguindo as regras. Isto posto, acredito que o Sandero poderia melhorar assim como o JAC J3. Em relação a disponibilidade de air bags e outros dispositivos de segurança, cada concorrente joga com as "armas" de que dispõem. Se o JAC pode oferecer isso de série, para compensar uma eventual deficiência estrutural, porque então o Renault não oferece também estes dispositivos como itens de série, e suplanta o adversário?? Conseguiria este feito?? Ou será mais interessante manter o status quo de margem de lucro e preços diante da concorrência?? E que implantem o padrão de qualidade do Euro NCAP, então!! Seria ótimo para os consumidores brasileiros. E um pesadelo para os fabricantes. Então, não usemos o tapetão para tratar questões importantes. Joguemos o jogo dentro das regras.

  • Gaf1991

    Concordo com você Leandro . Só nós que temos o carro e usamos no day-by-day é que temos uma opinião bem formada para tal , pois conhecemos mesmo o carro .

  • agenor souza

    Com a grana, compraria outro Civic automático, 2005 usado…

  • Diogenes

    tenho este carro e digo duas coisas.
    1 – O carro é bem concebido, apesar da lataria ser fininha.
    2 – O atendimento mecânico nas concessionária é uma porcaria. Os serviços de péssima qualidade.

    Hoje não compraria pois tenho 5 anos de garantia pela frente e só de pensar que tenho que retornar 5 vezes lá no mínimo me da um desanimo.
    Melhor é comprar um carro usado (nem levo o preço e em consideração) e poder levar no teu mecânico de confiança podendo evitar qualquer dor de cabeça.

  • Francisco

    É sempre bom saber a opinião de um funcionário.

    • Stilrl

      kkkkkkkkkkkkkkk

  • santana

    tenho um j3 turin a 5 meses e nao tenho nada a reclama carro muito economico

  • Alessandro

    tenho um com 15.000 km, tem todos os problemas possíveis e me ignoraram: Problemas: Veio de fábrica com o para brisa solto, freios, amortecedor, indicador de combustível, embreagem, velas. |Esse carro é um lixo!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend