*Destaque *Featured Chevrolet Crossovers Preços

Chevrolet Tracker 2017 chega com preços entre R$ 79.990 e R$ 92.990

Chevrolet Tracker 2017 chega com preços entre R$ 79.990 e R$ 92.990

Apresentado durante o Salão do Automóvel de São Paulo, que estará aberto ao público até o dia 20 de novembro, o novo Chevrolet Tracker 2017 já está sendo oferecido em pré-venda na rede de concessionárias da fabricante no Brasil. A nova linha do crossover compacto chega com visual renovado, interior com acabamento mais esmerado, lista de equipamentos de série mais recheada e, principalmente, motorização turbo.


Assim como o Cruze, o novo Tracker 2017 está disponível nas versões de acabamento LT, LTZ 1 e LTZ 2, com preços de R$ 79.990, R$ 89.990 e R$ 92.990. Ou seja, praticamente os mesmos preços do modelo antigo, que custa R$ 79.740 na configuração de entrada LT e R$ 89.990 na topo de linha, podendo alcançar os R$ 93.750 com todos os equipamentos disponíveis.

“O segmento dos utilitários esportivos compactos é o que mais cresce no país, e o Novo Tracker conta com diferenciais competitivos relevantes para continuar conquistando ainda mais consumidores e ajudar a reforçar a liderança da marca Chevrolet”, destaca Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil.

Chevrolet Tracker 2017 – visual e interior

Na parte estética, pode-se dizer que a Chevrolet acertou a mão no novo Tracker. O crossover ganhou uma “cara” semelhante ao do novo Cruze, marcada pelos faróis espichados, que na versão topo de linha dispõe de projetores e filete de luz diurna em LED, formando conjunto com a nova grade, esta com um filete cromado horizontal e a gravatinha dourada da montadora ao centro.

Há ainda para-choque dianteiro com formato mais agressivo, com tomada de ar hexagonal, moldura cromada e cinco filetes horizontais, além de faróis de neblina com moldura plástica na cor preta e envolto cromado e detalhe inferior que imita alumínio. Já nas laterais, há novas rodas de liga-leve de 16 ou 18 polegadas, enquanto a traseira exibe lanternas com novo layout interno e iluminação em LED e para-choque redesenhado.

O interior, por sua vez, também exibe certa inspiração no Cruze. O painel foi totalmente redesenhado, agora com direito a porção central revestida em couro com costura aparente, além de novas saídas de ar verticais, novo console central e novos comandos. Outro destaque é o painel de instrumentos, que agora mistura elementos analógicos e digitais. O volante multifuncional é o mesmo da linha anterior.

Nas medidas, são 4.258 mm de comprimento, 1.776 mm de largura (2.035 mm com os espelhos retrovisores) e 1.678 mm de altura, com distância entre-eixos de 2.555 mm. O porta-malas tem capacidade para levar até 306 litros na posição normal e 735 litros com o banco traseiro rebatido.

Chevrolet Tracker 2017 chega com preços entre R$ 79.990 e R$ 92.990

Chevrolet Tracker 2017 – equipamentos de série

A lista de itens de série do Chevrolet Tracker 2017 ficou mais recheada, mas ainda fica devendo alguns itens, como ar-condicionado digital e controle eletrônico de estabilidade (ESP).

O modelo de entrada, o LT, tem entre os principais itens de série airbag duplo, freios ABS com EBD, alarme antifurto, sistema OnStar, faróis e lanternas de neblina, Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, luz de condução diurna, regulagem de altura dos faróis, rodas de alumínio de 16 polegadas, ar-condicionado, direção elétrica progressiva, chave canivete dobrável, volante com ajuste de altura e profundidade, computador de bordo (com consumo médio e instantâneo, velocidade média, autonomia, hodômetro parcial e vida útil do óleo), controle de cruzeiro, retrovisores externos elétricos, sistema start/stop, travas elétricas das portas com acionamento pela chave, vidros elétricos com sistema “um toque”, anti esmagamento e fechamento/abertura automática pela chave, banco traseiro bipartido e rebatível, banco do motorista com ajuste de altura, sistema multimídia MyLink com tela sensível ao toque de sete polegadas, Apple CarPlay e Android Auto, sistema de som com seis alto-falantes e volante multifuncional

Há também aviso sonoro do cinto de segurança, barras de proteção nas portas, brake light, cintos de segurança dianteiros com pré-tensionadores e ajuste de altura, cintos de segurança traseiros laterais e central de três pontos, protetor de cárter, sistema de imobilização do motor e de proteção contra descarga da bateria, trava de segurança nas portas traseiras, alavanca do freio de mão com detalhe cromado, retrovisores externos pintados na cor da carroceria, grade dianteira com detalhes cromados, maçanetas externas na cor do veículo, maçanetas internas cromadas, rack de teto, rodas de alumínio de 16 polegadas, abertura da tampa do combustível com acionamento conjunto com as travas elétricas, alças de segurança no teto, alerta dos faróis ligados, desembaçador traseiro, bancos de tecido, encosto de cabeça no banco traseiro para os três passageiros e interior na cor preta.

O intermediário Tracker LTZ 1 agrega alerta de movimentação traseira (em marcha ré), alerta de ponto cego, faróis dianteiros tipo projetor, luz de condução diurna em LED, friso cromado na parte superior das portas e na tampa traseira, lanternas em LED, maçanetas externas com detalhe cromado, rodas de alumínio de 18 polegadas, câmera de ré, chave eletrônica, computador de bordo (acrescenta velocidade instantânea e hodômetro parcial para duas viagens), descansa-braço para motorista, descansa-braço traseiro com 2 porta-copos, retrovisores externos com aquecimento, destravamento das portas e partida do motor sem chave, porta-objetos embaixo do banco do passageiro, sensor de estacionamento traseiro, para-sóis com iluminação, tapetes em carpete, teto solar elétrico, volante e bancos revestidos em couro e banco do passageiro dianteiro rebatível.

Por fim, o topo de linha Tracker LTZ 2 agrega apenas airbags laterais e de cortina.

Chevrolet Tracker 2017 chega com preços entre R$ 79.990 e R$ 92.990

Chevrolet Tracker 2017 – motorização

Sob o capô, sai de cena o motor 1.8 litro Ecotec flex aspirado de quatro cilindros, que rende 140 cavalos de potência com gasolina e 144 cv com etanol, a 6.300 rpm, e torque de 17,8 kgfm e 18,9 kgfm, respectivamente, a 3.800 rpm, e entra o novo 1.4 litro Ecotec flex de quatro cilindros, com turbocompressor e injeção direta de gasolina, capaz de desenvolver 150 cv na gasolina e 153 cv no etanol, a 5.200 rpm, e torque de 24 kgfm e 24,5 kgfm, a 2.100 rpm e 2.000 rpm, associado a uma transmissão automática de seis velocidades.

Com este aparato, o Chevrolet Tracker passa a se posicionar como o primeiro crossover equipado com motor flex e câmbio automático. Além disso, de acordo com a montadora norte-americana, o carro agora tem selo A de consumo pelo Inmetro.

O conjunto passa a dispor ainda de direção elétrica progressiva e sistema start/stop, que desliga o propulsor em semáforos e congestionamentos.

De resto, o modelo segue a mesma linha do anterior, com tração dianteiro, freio dianteiro a disco ventilado e traseiro a tambor com sistema ABS e EBD, suspensão dianteira do tipo Mc Pherson e traseira semi-independente com eixo de torção e rodas de liga-leve de 16 polegadas com pneus 205/70 R16 96H (na versão LT) ou 215/55 R18 (na LTZ).

Chevrolet Tracker 2017 – preços

Confira abaixo os preços do Chevrolet Tracker 2017:

Chevrolet Tracker LT 1.4 Turbo AT6 2017: R$ 79.980
Chevrolet Tracker LTZ 1 1.4 Turbo AT6 2017: R$ 89.990
Chevrolet Tracker LTZ 2 1.4 Turbo AT6 2017: R$ 92.990

O carro será ofertado nas cores branco, cinza, preto, vermelho e prata.

Chevrolet Tracker 2017 – ficha técnica

MOTORIZAÇÃO E FREIOSLTLTZ
MOTORIZAÇÃO
TipoTransversal – FrontalTransversal – Frontal
Numero de cilindros4 em linha4 em linha
Válvulas, totalDOHC, 16 válvulas (4 válvulas por cilindro)DOHC, 16 válvulas (4 válvulas por cilindro)
Taxa de compressão10.0:110.0:1
Injeção eletrônica de combustívelDI (Injeção Direta)DI (Injeção Direta)
Potência Máxima Líquida (ABNT NBR 5484/ISO 1585)Gasolina: 150 cv (110,3 kW / 148 hp) @ 5600 rpm / Etanol: 153 cv (112,5 kW / 151 hp) @ 5200 rpmGasolina: 150 cv (110,3 kW / 148 hp) @ 5600 rpm / Etanol: 153 cv (112,5 kW / 151 hp) @ 5200 rpm
Torque Máximo Líquido (ABNT NBR 5484/ISSO 1585)Gasolina: 24,0 kgfm (235 Nm) @2100 rpm / Etanol: 24,5 kgfm (240 Nm) @2000 rpmGasolina: 24,0 kgfm (235 Nm) @2100 rpm / Etanol: 24,5 kgfm (240 Nm) @2000 rpm
TRANSMISSÃO
Tipo TransmissãoAutomática de 6 velocidadesAutomática de 6 velocidades
Tipo TraçãoTração dianteira.Tração dianteira.
FREIOS
FREIOS
SistemaSistema de freios anti-blocantes (ABS)Sistema de freios anti-blocantes (ABS)
DianteirosA disco ventiladoA disco ventilado
TraseirosA tamborA tambor
SUSPENSÕESLTLTZ
SUSPENSÕES
DianteiraTipo Mc Pherson, com barra estabilizadora, amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados a gásTipo Mc Pherson, com barra estabilizadora, amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados a gás
TraseiraSemi independente com eixo de torsão, amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados a gásSemi independente com eixo de torsão, amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados a gás
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARESLTLTZ
DIMENSÕES
Comprimento Total (mm)4,2584,258
Largura – carroceria (mm)1,7761,776
Largura Total – espelho a espelho (mm)2,0352,035
Altura em ordem de marcha (mm)1,6781,678
Distância entre eixos (mm)2,5552,555
CAPACIDADES
Tanque de combustível (litros)5353
Porta-malas (litros)306 (normal) ; 735 (com banco traseiro rebatido)306 (normal) ; 735 (com banco traseiro rebatido)
DIREÇÃO
TipoElétrica Progressiva (EPS)Elétrica Progressiva (EPS)
RODAS E PNEUS
Rodas16 x 6,5 – Alumínio18 x 7 – Alumínio
PneusP205/70 R16 96HP215/55 R18 94H
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Peso em ordem de marcha (Kg)1,3721,413
Carga útil, com 5 passageiros mais bagagem (Kg)416416

Galeria de fotos do Chevrolet Tracker 2017

 

Chevrolet Tracker 2017 chega com preços entre R$ 79.990 e R$ 92.990
Nota média 5 de 1 votos

191 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • Caramba, li os preços e fiquei empolgado, daí vi que não tem ESP. Como um carro nesse preço não tem um item básico de segurança? Ainda mais pra um carro altinho desse..

  • Tamborzão na traseira
    Sem ESP
    Sem mais AB na básica nem como opcional

    Coisas pequenas que poderiam deixa-lo disparado na frente como melhor opção no segmento.Eu sei que devo ser o único no planeta que liga para isso, mas para ter ESP e mais AB na versão básica eu abriria mão do motor turbo, aceitaria de boa o 1.8 em troca dos equipamentos de segurança, quem já sofreu acidente grave como eu, sabe do valor da segurança

        • Sensacional !!!!!
          Finalmente seres neste planeta que me entende, PORR* !!!
          Claro que o ESP é importante.
          Agora a galera acha mais seguro um Mobi com ESP do que um Toyota Corolla.
          O ESP salva vidas, mas não faz milagres!
          Não da imunidade!
          Não transforma seu popular num XC90.

          • Mas o problema é que com o dinheiro do Corolla dá para comprar um monte de modelos tão ou mais seguros estruturalmente e COM controle de estabilidade. Eu mesmo fiz isso.

            O mesmo vai acontecer com esse novo Tracker.

            • Amigao, meu carro no valor do Corolla eh o mesmo seu, rs.
              Semi novo, lindo!
              Coloca o Corolla no bolso em TODOS os aspectos.
              Vou resumir, e colocar meu argumento em outro angulo, ja comentei isso em outro topico.
              Resumindo, eu prefiro me acidentar no Corolla, do que no Uno, rs.

          • Concordo com vc, mas pagar 80k num carro sem o item, e de cair o C* da bunda. É inadmissível sim!
            Quando vc usa ABS, usa Controle de estabilidade num dia de chuva, percebe o valor que isso tem. Não precisar estar correndo, as vezes acidentes acontecem.

            • Rapaz, comprei meu primeiro carro com ESP em 2011, felizmente não compro carro sem. Foram tantas as situações que o ESP me evitou colisões que com certeza o valor destas colisões me fariam comprar um carro novo. Agora comprar o corolla pensando na revenda, infelizmente é priorizar 5 mil reais a segurança de sua família a todos os ocupantes de seu veiculo. Como fico também com um carro por mais de 6 anos, realmente este valores não se justificam.

            • A questão é que não existe carro perfeito, sempre um será melhor ou pior que o outro.
              Logo, você deve escolher, entre uma Renegade com desempenho ruim, uma HR-V com faróis de bicicleta custando 100 mil reais, ou uma Tracker 1.4 turbo, sem ESP, entre as outras, cada um com seus defeitos e qualidades.
              E ai, vai do gosto de cada um.

                • A questão de gosto é para julgar, o que é melhor/mais seguro para você.

                  Eu particularmente, prefiro ficar com o desempenho da Tracker e me ausentar do ESP, do que ter ESP, mas ter o desempenho sofrível da Renegade.

                  Acho mais provável eu ter problema pela falta de motor, algum tipo de ultrapassagem, pressão dos caminhoneiros que andam super devagar hoje em dia além de nos respeitar bastante (rs), fugir de um eventual perigo, roubo, ou qualquer cena não desejada, do que apenas o ESP, que, eu posso agir ativamente reduzindo bem a velocidade durante uma chuva, ou em alguma pista perigosa, mitigando o risco de um acidente.

                  Para meu cenário, eu dou mais valor pensando na segurança em um motor dimensionado adequadamente para o carro, do que apenas do ESP (digo apenas do ESP, por que o resto ela tem, ABS, EBD, Airbags, e afins).
                  Isso é a minha visão, opinião, e pensamento.
                  Respeito os seus 100%.

                  MAS, fica aqui que isso é apenas uma opinião entre esses dois carros.
                  No caso, eu não escolheria nenhuma das duas!!!!
                  Continuo com meus 2 sedans na garagem, que custam menos (agora usados), e são muito, muito mais seguro (ABS, EBD, ASR, ESP, N airbags), confortavel, prazeroso, e N outras características que as SUVs pequenas.

                  []s

                  • Ninguém convence ninguém na internet.
                    Até entendo o que vc diz, mas um carro que faz de 0-100 em 11.9 (Renegade novo), é mais do que suficiente para dar conta do recado. Meu Fiesta 1.6 faz em 11.5. E estamos falando de SUV ,lembre-se disso, não é um esportivo coupe 2 portas.
                    E dizer que força no motor é mais importante que ESP, é o fim da picada pra mim. ahahahah
                    TODOS os carros deveriam sair de fábrica com controles ativos de segurança. TODOS!
                    Seu argumento é o mesmo de quem dizia: – ABS não precisa, eu nunca travei roda na vida! – Mas no dia que fizer falta, ele pode não voltar pra contar.

                    • Que inocência rapaz, 12s segundos segundo a FIAT né ?
                      Mas enfim, realmente, eu não te convencerei, nem você me convencerá!
                      Alias, nem irei perder mais tempo nisso, pois eu não teria nenhum carro desta categoria.
                      []s

        • Não é Deus assim como os airbags tb não são a esa velocidade amigo…..mas que evitam algo pior sim, posso dizer porque o mesmo já me auxiliou no controle do carro….

        • Perder o controle e voltar não existe. O ESP não deixa perder o controle, mas torna mais difícil perder o controle.
          E, além disso, ele não altera as leis da física.

          • Já usou alguma vez? Já comecei a perder a traseira do meu carro numa virada brusca em pista molhada. Se não tivesse ESP o carro iria perder o controle, senti a traseira do carro perder contato. A luz do ESP acendeu, senti trepidação do ESP trabalhando e depois o carro retornou ao controle. Tem perda sim, por alguns instantes você percebe que o carro iria se desgovernar e aí o ESP entra. Quem fala outra coisa é por que nunca usou.

              • Comigo iria acontecer o que vemos no carro vermelho. Eu percebi o carro começando a perder contato, mas logo em seguida o ESP atuou e manteve o carro na trajetória. Eu estava a uns 70 km/h.

                • Sempre tem esses preconceitos bobos. É que nem ar condicionado e câmbio automático. Todo mundo fala que são besteiras desnecessárias, mas depois que tem nunca mais quer voltar atrás. E estamos falando de um carro que pode chegar a mais de 90 mil temers com uma motorização bem possante. É por aceitar esses absurdo que o nosso mercado tá do jeito que tá.

                  • Sim Matthew, ótimos exemplos. Eu me lembro quando eu tive meu primeiro carro, um Gol sem ar nem direção hidráulica. Na época ninguém ligava pra isso. Hoje em dia é difícil ver um carro sem esses dois itens. Só se vê carro sem direção hidráulica em frotas.. Ainda bem que as coisa evoluem, se não ainda estaríamos andando Kombi, Classic e Mille etc.

                • Como você mesmo disse:”Eu percebi o carro começando a perder contato”. Ou seja, é o que eu disse. Você não perdeu o controle, foi ajudado pelo ESP a não perder. E foi isso que eu disse.
                  Perder controle e voltar não existe. Perdeu o controle, já era. Entendeu??

                  • Sim, talvez eu não tenha me expressado bem, não perdi Totalmente o controle. Perdi o controle na medida que a manobra que eu fiz resultou numa situação fora do meu controle, que se não fosse o ESP eu não teria recobrado. Você não respondeu se já usou o ESP… Quem nunca usou, logicamente terá uma opinião muito diferente de quem precisou usar. Depois desse episódio comigo nunca mais compro um carro sem ESP, mas te garanto que quem nunca usou dispensa por conta de um motor melhor, como comentaram aqui.

                    • Esqueci de dizer, mas já usei sim. Eu forcei para saber como é. E olha que tive que forçar muito mesmo.
                      Mas eu não trocaria o ESP por mais potência, não é sobre isso que estava falando.

                    • Sim, não foi você que disse isso, foi um outro comentarias aqui, que falou que abre mão do ESP por conta do motor turbo..

              • Normalmente é o que acontece, perder o controle em uma curva é porque entrou rápido demais, ou seja cometeu uma barbeiragem. Mas, em imprevistos, como um animal ou qualquer outra coisa surgindo na sua frente de repente, aí não depende da habilidade do motorista.

                • Ou pode ter entrado numa velocidade que faria a curva com pista seca, mas na pista molhada não faz. Enfim, ESP ajuda e muito. Podem falar o que quiser, mas é um item fundamental..

            • Sim, porém há um certo limite. Você “perde” momentaneamente o controle, mas é o tipo da coisa…começou a rodar/rodopiar o ESC já não vai fazer milagres.
              Eu já usei numa situação de subesterço, não foi muito porém chegou a ativar e aliviei suavemente o acelerador.

              • Eu vi um teste do novo Uno 1.3 com controle de tração e ESP num piso molhado e tendo que desviar de obstáculos, fazendo uma volta de 360 graus com/sem controle de estabilidade. É outro carro!
                Num vc tem controle total, no outro vc perde o controle facilmente. É muito louco.

        • Concordo, é um item que ninguém quer ver funcionar, mas quando funciona, ajuda a salvar…
          Só quis mesmo reforçar que não é o ESP que vai fazer milagres para aqueles que acham que podem entrar a 200km/h em uma curva porque estão salvos com ESP…

        • ESP nao faz com que o carro execute trajetoria que ele nao tem condicao fisica de realizar.
          Na verdade, ele impede que o veiculo seja forcado alem do limite e o motorista perca o controle.
          A amolacao e que, geralmente, o controle e muito conservador, e impede que voce possa ir mais proximo do limite de conducao do veiculo.
          Em ultima analise, o ESP vai impedir que voce, se for um motorista capaz, realize manobra que faca o carro ir muito perto ou alem da capacidade fisica do veiculo; talvez ate levando a perda de controle na conclusao da manobra; mas que pode muito bem tirar voce da trajetoria de uma carreta de 18 rodas invadindo a sua faixa de trafego.
          Ja tive carro com ESP, e, em muitas oportunidades em que eu tinha consciencia da minha manobra e confianca na capacidade do veiculo fazer a trajetoria; ainda que com uma roda fora do chao, ou derrapando ligeiramente para fora da trajetoria ideal; o ESP entrou em acao muito antes do desejado e FREIOU as rodas, diminuindo a velocidade para prevenir uma “derrapagem” ou uma situacao de “perda de controle” que NAO IA ACONTECER. Como resultado, eu nao fiz a mesma manobra que teria feito sem o ESP. Executei a trajetoria, mas nao tao rapidamente. Se estivesse desviando de um obstaculo imovel, ou em movimento, talvez nao tivesse conseguido fazer a manobra necessaria.
          ESP de carro de producao convencional nao e o santo milagreiro que muita gente acha que e. Na verdade, eu andava, sempre que desejava andar mais rapido, com o ESP desligado, justamente pra evitar a amolacao de ter o controle eletronico servindo de baba e impedindo meu excesso em uma curva mais rapida.
          E um auxilio eletronico, mas entendo que serve justamente para o motorista que anda devagar, sem preocupacao, e que quer evitar um erro que possa lhe fazer perder o controle.
          Pra andar rapido com um carro de serie; e nao um super-carro, que exige um piloto altamente capacitado, e que, geralmente sao equipados com controles muito mais capazes; ainda acho que os sistemas de controle de tracao e estabilidade nao substituem o reflexo de um motorista experiente. Pelo contrario, servem como obstaculos para que sejam explorados os limites do veiculo.
          ESP, pra se prestar ao papel que muitos imaginam que ele faca, de permitir a qualquer braco duro pilotar como o Juan Manuel Fangio, precisa processar muito mais variaveis, e de sensores muito mais precisos, do que os sistemas cabecas duras que equipam os carros de producao convencional.
          Tendo dito tudo isso, tambem acho que o Tracker deveria ter o ESP na faixa de preco em que esta inserido.

        • A 200 km/h o ESP salva sim. Nao sei onde está o absurdo em dizer isso. O povo só pensa em colisão, mas o ESP ajuda justamente a EVITAR a perda do controle, particularmente em manobras rápidas em altas velocidade.

    • Mas convenhamos que nessa velocidade o ESP não ajudaria em nada, tanto que o teste do alce é feito a 60 kmh. Em tempo, não precisa ser um alce, pode ser cachorro ou outro animal. No mais em respeito a vida dos outros considero que 200 kmh não é uma velocidade que se ande.

      • Mas, com teto solar, aviso de movimentação na traseira (ajuda a não bater também), aviso de ponto cego (ajuda a não bater também), e 6 air bags na versão top (ajuda se bater). Ar digital não faz falta em nenhum carro, é apenas um mimo, e nem nos EUA tem, aqui que não teria mesmo, mas o importante é ter ar.

    • Tenho uma preguiça enorme de carros da GMB, o Cruze é o único que está salvando (apesar de achar o Civic mais bonito que ele). Quanto ao Tracker, colocaria ele em ultimo na lista, atrás até do Renegade 1.8 (não sei se ainda está em linha), que abriu mão de itens de conforto e estéticos em sua versão de entrada, mas estão lá o ESP, freios a disco traseiro, suspensão independente e a carroceria de ótima construção. Se deixasse a GM arrancaria até os cintos de segurança e os encostos de cabeça de seus carros…

  • Rapaz, até que gostei, mesmo sem esp e tsc, mas com motor turbo, start stop, essa de 80 mil pode vender bem, e eu já gostava da dianteira anterior e gostei mais ainda dessa, pro segmento, até que o preço ficou razoável.

  • Freios a tambor, sem controle de tração e estabilidade,sem auxílio de subida em rampas, tá maravilhoso!. Tirando o belo motor, não sobrou muito, sem tirar que o design tá sem graça, o anterior era mais bonito.

    • Vai ter ágio, pois o carro vem do México e em poucas unidades por ano. Vende bem para a Chevrolet que consegue trazer todo o limite de cotas e ainda falta, mas, para o mercado é pouco. Se fosse fabricado aqui ele venderia fácil 3 mil unidades.

      • Deve ser por isso mesmo que não colocaram ESP e freios a disco na traseira, senão o interesse seria ainda muito maior e não teriam como entregar.

        Aí o cara vai numa concessionária Chevrolet e vai ter que escolher entre Cruze sedan, Cruze Hatch e Tracker com mesmo motor e preços próximos. Se quiser ter um “SUV”, vai abrir mão de ESP e freios a disco. É o “custo SUV”.

  • Vou repetir o que falei em outro site: sem controles de estabilidade e de tração em todas as versões e sem sensor de estacionamento na versão de entrada, que é um item básico hoje em dia. Não dá para entender!

  • Acabei de ir ver a Jeep Renegade com um amigo, que está tendendo a ir pras SUVzinhas, e não entende muito de carro.
    Me assustei com os preços, começando (as que estavam na loja) a partir de 85 mil reais a automatica.
    Com o motor que eu não gosto, eTorq 1.8, gastão e manco.

    E ai eu entro aqui e vejo uma Tracker, com motor 1.4 Turbo, com preços similares.
    Já fica complicado pensar na Renegade.

    Única mancada aqui é o disco traseiro a tambor, mas teria que dirigir pra saber a eficiência antes de julgar, ou aguardar o testes.

    • Eu teria de ver o Tracker pessoalmente para falar da posição de dirigir e do aspecto interno, pois achei estranho na primeira vez que o vi na concessionária e perto do Renegade o acabamento é meio simples. Ficaria sem o motor turbo e levaria o Renegade somente por me agradar um pouco mais no visual externo, e me agradar bem mais no interior, mais refinado e enche mais meus olhos. Não faria muita questão de motor, mas, agora com as melhorias feitas ele deve ter ficado um pouquinho inho inho melhor.

    • Eu tive um Sonic, carro bem parecido com a Tracker e se eu não soubesse que o freio traseiro é a tambor, diria que eram disco nas 4 rodas. Mesmo em viagens, pisando forte no acelerador em serra, por mais de 1 hora, não teve nenhuma fadiga do freio, acho que esta bem dimensionado. A proposito tambem não tinha ESP (claro que é utel), mas a estabilidade desse carro é muito boa.

        • Acho que não. SUVs tem mais espaço traseiro e mais porta malas, se adaptam muito melhor para famílias com filhos. Além disso, pelo menos aqui em minha cidade que é interior, o carro mais alto ajuda muito a passsar por valetas e tem uma suspenção mais adequada para enfrentar o sofrível asfalto.

          • Não no caso do Tracker, o entre eixos é menor e o porta malas similar . A não ser que os carros normais raspem no piso da sua cidade é capaz de por ser mais alto ser ainda mais desconfortável, ambos foram feitos para asfalto. Óbvio que a posição mais elevada ao dirigir pode agradar, principalmente as mulheres. Mas eu não compraria nenhum dos dois, apenas citei que pelo conjunto o Hatch é bem mais interessante.

            • Sim, também gosto mais do conjunto dos Hatchs, são mais completos. Os SUV ainda estão se aproveitando do fator novidade, mas a concorrência os fará serem completos tb em breve. Acho q a primeira a vir altamente tecnológica, até pelo atraso, será da VW.

    • Não entendi essa também… Cruze já veio completo de uma só vez, dai em um SUV que tem mais perigo em uma situação sem ESP, eles cortam… Não entendi também…
      Deve ser por conta do Tambor na traseira, mas dava pra trocar por Disco, colocar ESP e cobrar 1000 a mais que não teria problema.

  • Eu queria entender qual o problema da GM Brasil em ofertar repetidores de direção em seus carros. Que economia porca, fora outros itens… Cruze não veio, essa Tracker idem. Onix também…

  • Nada justifica, pra mim, um carro que custa o que custa aqui, produzido no México, vendido lá e em outros mercados da América Latina, vir sem ESP pra cá sendo que nesses mesmos mercados o equipamento é disponibilizado.
    Bola fora imensa da GMB e outro tiro no pé, pois se chegar numa 4a posição em vendas um dia será por pura sorte.

  • Não deixa de ser uma opção nesse mercado de crossovers compactos. Tirando o 2008, é o único a oferecer motor turbinado. E sempre achei esse carro muito em montado, com gap’s de montagem muito reduzidos. Mas a falta de ESP é uma falha grave em um veículo dessa faixa de preços, sem dúvidas.

      • Os mexicanos entendem muito mais de carro que o brasileiro e dão valor ao que pagam por eles (já morei lá, então falo com conhecimento de causa).
        Mas é só pra ilustrar que tecnicamente é viável, a GMB só não trouxe pq não quis mesmo ;)

        • Não iria tão longe pra dizer que entendem mais de carro do que brasileiro, diria que dão sorte de estarem colados no mercado americano. Ainda vendem ou vendiam o tal de Nissan Tsuru, não existe carro nenhum no Brasil que seja tão inseguro.

          • Lamento informar mas entendem bem mais sim. O Tsuru lá era um dos mais vendidos por causa dos taxistas e frotisras. Vendia tanto quanto Uno Mille e Gol G3. Hoje o Nissan Versa já entrou no seu lugar como o mais vendido.

      • Não vou nem dizer o preço dessa versão em conversão direta pra não dar outro duro golpe…
        Mentira, vou sim! Lá custa R$57.782,68 na cotação de hoje…

        Que comece o mimimi da conversão burra.

      • É a que mais se aproxima do nosso Tracker LTZ2, com exceção do motor que lá continua o 1.8 Ecotec.
        As demais versões não possuem ESP e se diferenciam bastante das nossas outras versões, por isso nem comparei.

  • Finalmente a GM não salgou demais os preços do Tracker. Vai vender bem mais. Infelizmente o ESP ficou de fora mais uma vez desse modelo, o pior é que em outros mercados ele tem esse importante item de segurança de série.

    • Os preços não sāo tão diferentes porque Tracker LTZ 1 é pior que Cruze LT, e LTZ 2 pior que LTZ 1 (sendo que o Cruze LTZ 2 atende um público diferenciado). Cruze além de mais equipado é muito mais bem acabado. Mas como a moda é SUV e tem essa versão de entrada mais acessível, deve vender bem.

  • Pessoal reclama de todos os carros, de todas as categorias, nunca estão satisfeitos. Quando não é de desempenho, é de preço, quando não é de preço, é de câmbio, quando não é de câmbio, é de consumo, quando não é de consumo, é de design, quando não é de design, é de falta disso, falta daquilo. Só para ficar no seguimento do Tracker: EcoSport: Cambio Powershift, estepe atrás, acabamento e espaço interno; Kicks: motorzinho 1.6 de March e falta de piloto automático e apoiador de braço e o freio traseiro a tambor; Renegade: porta-malas minúsculo e motor 1.8 fraco e gastão; 2008: Câmbio Automático de 4 marchas na 1.6 e falta de câmbio automático na THP; Duster: Câmbio automático de 4 marchas, motor antiquado e acabamento; Tucson: Antigo e beberrão; HRV: muito caro pelo que oferece. Agora vem com a Tracker: falta de ESP até na versão top.

  • Se tivesse ESP e air bags de janela na versão básica, seria um modelo que eu consideria trocar pelo meu carro. Sem esses equipamentos não vou nem conhecer o carro.

    Eh uma pena, tinha ficado bem animado.

  • Está excelente o custo x benefício,considerando os preços atuais do nosso mercado. Não duvido que daqui a 6 meses o LT estará no preço do LTZ.
    O interior é basicão mesmo (a plataforma é a do Sonic), mas mudou onde importa, no belíssimo motor 1.4 turbo. Se resolveram o problema dos freios é negócio de oportunidade.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email