História Honda Motos

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)
Honda Bros 2019

A Honda Bros é, atualmente, a trail mais barata que o seu dinheiro pode comprar entre as motocicletas vendidas pela marca japonesa no Brasil.

Ela está disponível na configuração NXR 160 Bros ESDD pelo preço de R$ 13.458 e se destaca pela versatilidade, sobretudo por encarar as ruas esburacadas com certa facilidade.


Além disso, a Bros é a trail mais vendida no Brasil. De janeiro a maio de 2019, conseguiu emplacar 39,1 mil unidades, o que dá uma média de 7,8 mil exemplares por mês.

Sua principal rival, a Yamaha XTZ 150 Crosser, registrou 8.115 no período – ou seja, quase a média mensal da Honda Bros.

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)


Dá para dizer que a Honda NXR 160 Bros é uma das trails de entrada mais velhas à venda no mercado nacional. Começou a ser vendida no início de 2003 e, desde então, já passou por uma série de mudanças.

Já foi vendida com motores 125 cc e 150 cc e atualmente é dotada do mesmo motor da linha CG 160, com tecnologia bicombustível.

Adiantando uma curiosidade, o nome “Bros” é uma abreviação de brother, irmão em inglês. Esse nome foi utilizado no Japão na estradeira NT de 400 cc e 650 cc.

Honda Bros – história

Primeira geração da Honda Bros em 2003

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Em janeiro de 2003, como uma resposta à Yamaha com sua XTZ 125, a Honda lançou a NXR 125 Bros e NXR 150 Bros.

Ela chegou com preço de R$ 5.157 na versão NXR 125 Bros KS (com partida a pedal), R$ 5.522 na NXR 125 Bros ES (com partida elétrica) e R$ 6.620 para a NXR 150 Bros ESD (com motor maior, partida elétrica e freio dianteiro a disco).

Logo quando foi lançada, a Honda Bros de primeira geração agradou pelo visual harmonioso.

A dianteira era marcada pelo farol pequeno e com carenagem pintada, para-lama elevado e cobrindo quase toda a extensão da roda e bengalas aparentes.

Já as laterais tinham tanque de combustível com pintura na cor preta e abas laterais pintadas, assento em dois níveis para o piloto e garupa e rabeta também com pintura formando conjunto com a tampa lateral.

Havia ainda escapamento em posição elevada.

Todo o conjunto foi inspirado na irmã maior Honda XR 250 Tornado, que foi substituída há cerca de uma década pela atual Honda XRE 300.

As diferenças entre os modelos 125 e 150 se resumiam em detalhes, como logotipos diferenciados, freio a disco na roda dianteira e proteção cromada do escapamento.

Por outro lado, denunciava logo de cara sua origem “barata”. O painel de instrumentos não possuía conta-giros, tampouco marcador do nível de combustível.

Trazia apenas o básico, como luzes espia, velocímetro e hodômetro total e parcial.

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

A NXR 125 Bros e NXR 150 Bros de primeira geração usa um quadro de berço semi-duplo, assim como a Tornado e também a Falcon.

Tem suspensão com curso de 180 mm na dianteira e 150 mm na traseira, esta última com mola de duplo estágio.

Porém, o freio a disco dianteiro somente na versão mais cara era uma falha grave – as mais baratas usavam freio a tambor nas duas rodas.

Na motorização, a NXR 125 Bros usava o mesmo motor da CG Titan e da antiga XLR, um OHV (Over Head Valves), monocilíndrico, quatro tempos, arrefecido a ar, de 12,5 cv, a 8.250 rpm, e 1,04 kgfm, a 7.000 rpm.

Já a NXR 150 Bros oferece um OHC (Over Head Camshaft), monocilíndrico, quatro tempos e arrefecido ar. Neste caso, são 13,5 cv, a 7.500 rpm, e 1,26 kgfm, a 6.000 rpm.

Ambos os modelos usam câmbio de cinco marchas, transmissão final por corrente e bateria selada.

Em setembro de 2005, a Honda NXR 125 Bros foi descontinuada e a Honda NXR 150 Bros ganhou o novo motor OHC (Over Head Camshaft) da CG 150 Titan.

Tal unidade traz comando de válvulas no cabeçote e rende 14 cv, a 8.000 rpm, e 1,36 kgfm, a 6.000 rpm.

Além disso, ela ganhou um painel de instrumentos redesenhado, com formas arredondadas. Porém, seguiu sem conta-giros e marcador do nível de combustível.

Os preços da Bros 150 2005 variavam de R$ 6.860 na versão KS a R$ 7.880 no modelo ESD.

Segunda geração da Honda Bros em 2009

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

A segunda versão da NXR 150 Bros surgiu em março de 2009. Uma das principais novidades do modelo foi a adoção de um motor monocilíndrico 150 cc com injeção eletrônica, herdado da CG 150 Titan.

A moto ficou menos poluente e passou a oferecer respostas mais rápidas ao acelerador.

A Bros 2009 passou a usar um motor OHC, monocilíndrico, quatro tempos, arrefecido a ar, de 149,2 cm³. São 13,8 cv, a 8.000 rpm, e 1,39 kgfm, a 6.000 rpm.

Esta unidade usa injeção eletrônica PGM-FI (Programmed Fuel Injection).

Fora isso, a nova Honda Bros 2009 adotou um visual inédito. Todos os componentes foram redesenhados. A dianteira estreou linhas mais angulosas e carenagem do farol projetada para formar conjunto com o para-lama.

Nas laterais, aletas do tanque de combustível mais volumosa, dando uma sensação de maior porte à motocicleta.

Já a traseira ficou mais encorpada com a adoção de um bagageiro em alumínio e nylon de alta resistência, que integra as alças do garupa.

A Honda diz que o design do bagageiro foi inspirado no da bigtrail Honda Varadero 1.000.

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Por fim, mas não menos importante, o painel de instrumentos ficou mais moderno e passou a exibir o marcador do nível de combustível e luz de advertência da injeção eletrônica.

Recebeu ainda um guidão com novo formato para melhorar a ergonomia.

Os preços da Bros 2009 eram os seguintes: R$ 7.590 (KS), R$ 8.190 (ES) e R$ 8.690 (ESD).

Em setembro de 2009, a Honda Bros acompanhou a CG 150 Mix (a primeira moto flex do mundo) e passou a contar com um motor flex.

O propulsor passou a gerar 14 cv com etanol e 13,8 cv com gasolina, a 8.000 rpm, e 1,53 e 1,39 kgfm, respectivamente, a 6.000 rpm.

A Bros Mix trouxe ainda painel de instrumentos com fundo na cor verde e borda branca, além das luzes “MIX” (que indica que o condutor deve abastecer a moto com pelo menos 2 litros de gasolina) e “ALC” (que indica que é preciso adicionar pelo menos 3 litros de gasolina).

Como ela não tem tanquinho de gasolina para partida a frio, em casos de temperatura ambiente inferior a 15 ºC, a marca recomenda que 20% do tanque seja ocupado por gasolina.

Com essas inovações, ela ficou mais cara. Passou a ser vendida com preços entre R$ 8.550 e R$ 9.558.

Retorno da Honda NXR 125 Bros em 2012

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Para a linha 2013, a Honda voltou a comercializar a NXR 125 Bros, como uma opção de entrada para quem buscava uma moto on/off road.

Ela contava com o mesmo motor da CG 125 Fan, um OHC, monocilíndrico, carburado e a gasolina, de 124,7 cm³, com 11,6 cv e 1,06 kgfm.

A Bros 125 voltou nas versões KS com partida a pedal e ES com partida elétrica, pelos preços de R$ 7.190 e R$ 7.690, respectivamente.

Ela podia ser adquirida nas cores laranja, vermelho e preto.

Mudanças visuais para a Honda Bros em 2013

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Em julho de 2013, a Honda anunciou novas mudanças para a linha Bros 150 no mercado brasileiro.

A trail recebeu uma nova carenagem dianteira, com farol com formato mais esguio. As carenagens laterais também receberam mudanças sutis.

Na traseira, adotou uma nova lâmpada no sistema de iluminação. Além disso, a motocicleta ganhou novos pneus de uso misto.

O motor seguiu sendo o mesmo do modelo antigo, um OHC de 149,2 cm³, que rende até 14,2 cv e 1,45 kgfm.

A NXR 150 Bros 2013 foi anunciada nas versões ES e ESD, com preços de R$ 8.640 e R$ 8.990, respectivamente.

Nova geração da Honda Bros e motor 160 cc em 2014

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Um ano após a chegada da Bros com retoques visuais, a Honda anunciou a chegada da NXR 160 Bros.

A motocicleta chegou para substituir a NXR 150 Bros – mas não “matou” de imediato a NXR 125 Bros. Pela primeira vez desde seu lançamento em 2003, a trail recebeu um motor diferente ao da CG Titan.

A moto recebeu uma série de mudanças. O visual ficou bem mais robusto e encorpado, com inspiração em motos de cross.

Adotou também um assento mais alto e fino, guidão mais próximo do corpo do piloto, entre-eixos ampliado em 3 mm (1.356 mm no total), suspensão dianteira com maior ângulo, chassi totalmente novo e centro de gravidade mais baixo.

Outra novidade foi o painel de instrumentos, agora totalmente digital, mas ainda sem conta-giros. Além disso, a NXR 160 Bros estreou a nova versão topo de linha ESDD, com freio a disco de 220 mm na traseira.

O motor passou a ser um OHC, monocilíndrico, de 162,7 cm³ e flex, que rende 14,7 cv com etanol e 14,5 cv com gasolina, a 8.500 rpm, e torque de 1,46 e 1,6 kgfm, respectivamente, a 5.500 rpm. Na prática, a moto ficou mais esperta.

A Honda Bros 160 chegou com os seguintes preços: R$ 9.350 para a versão ESD e R$ 9.650 para a ESDD.

Em novembro de 2015, a trail ganhou uma versão mais simples, com freio a tambor nas duas rodas e partida elétrica. Além disso, a variante perdeu o motor flex e roda apenas com gasolina.

A NXR 160 Bros de entrada custava R$ 9.950, contra os R$ 10.720 da ESDD na época.

Bros com sistema de freios CBS em 2017

Já em setembro de 2017, a Honda lançou a NXR 160 Bros 2018 com sistema de freios combinados CBS (Combined Braking System) para a versão ESDD com freio a disco nas duas rodas.

Com tal item, quando o piloto pressiona o pedal traseiro, o freio dianteiro é acionado simultaneamente – o que reduz a distância de frenagem.

Com essa novidade, a Bros 160 ESDD passou a custar R$ 11.990.

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Honda Bros – detalhes

Dá para dizer que a Honda Bros 160 é uma alternativa à Honda Titan 160. Ela pode ser encarada com uma opção para quem busca por uma motocicleta mais confortável.

Acredite, o conforto entregue pela Bros é bastante superior a de uma street, muito por conta das suspensões com curso longo, o que torna o rodar muito mais agradável.

Porém, apesar do preço elevado, a Bros 160 não traz soluções inovadoras. Trata-se de uma trail de concepção simples, sem muitos detalhes e recursos.

Para se ter uma ideia, ela não traz nem painel de instrumentos com conta-giros, algo já ofertado pela Titan – o cluster tem só velocímetro, hodômetro total e parcial, marcador do nível de combustível, relógio e luzes espia.

A versão ESDD oferecida atualmente tem freio a disco nas duas rodas com o sistema CBS (Combined Brake System). Com ele, ao pisar no freio traseiro, o dianteiro é acionado simultaneamente.

A Honda diz que tal recurso diminui a distância de frenagem e proporciona maior estabilidade.

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Honda Bros – preços

Veja abaixo o preço público sugerido da atual linha da Bros 2019:

  • Honda NXR 160 Bros ESDD 2019: R$ 13.458

Honda Bros – motor

A Bros é equipada com o mesmo motor da CG 160. Trata-se de um OHC, monocilíndrico, quatro tempos, arrefecido a ar, de 162,7 cm³.

Há sistema de alimentação por injeção eletrônica PGM FI (Programmed Fuel Injection) e sistema flex, que permite abastecer o propulsor com gasolina e/ou etanol.

Ele consegue entregar potência de 14,5 cavalos quando abastecido com gasolina e 14,7 cv com etanol, a 8.500 rpm. Já o torque é de 1,46 kgfm e 1,60 kgfm, respectivamente, a 5.500 rpm.

Tal motor está acoplado a um câmbio manual de cinco marchas e transmissão final por corrente.

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)

Honda Bros – consumo

Assim como praticamente todas as outras fabricantes de motocicletas, ao contrário das marcas de carros, a Honda não divulga os números de consumo da NXR 160 Bros.

Todavia, em testes realizados pela imprensa, a motocicleta conseguiu entregar média de consumo de 35 km/l com gasolina.

Ela oferece um tanque de combustível com capacidade para 12 litros. Sendo assim, a autonomia da moto pode ser de mais de 420 km.

Honda Bros –  ficha técnica

Motor
TipoOHC (Over Head Camshaft), monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar
Cilindrada162,7 cc
Potência máxima14,5 cv (gasolina) e 14,7 cv (etanol) a 8.500 rpm
Torque máximo1,46 kgfm (gasolina) e 1,60 kgfm (etanol) a 5.500 rpm
TransmissãoManual de 5 marchas
Sistema de partidaElétrico
Diâmetro x curso57,3 mm x 63 mm
Relação de compressão9,5:1
Sistema de alimentaçãoInjeção eletrônica PGM-FI
CombustívelGasolina e/ou etanol
Sistema elétrico
IgniçãoEletrônica
Bateria12V – 4 Ah
Farol35/35W
Capacidades
Tanque de combustível/reserva12 litros
Óleo do motor1,2 litro
Dimensões
Comprimento x largura x altura2.067 x 810 x 1.158 mm
Distância entre-eixos1.356 mm
Distância mínima do solo247 mm
Altura do assento836 mm
Peso seco121 kg
Chassi
TipoBerço semi-duplo
Suspensão dianteira/cursoGarfo telescópico/180 mm
Suspensão traseira/cursoMono Shock/150 mm
Freio dianteiro/diâmetroDisco simples ventilado com pinça de 2 pistões/240 mm, com CBS
Freio traseiro/diâmetroDisco simples ventilado com pinça de 1 pistão/220 mm, com CBS
Pneu dianteiro90/90 – R19 sem câmara
Pneu traseiro110/90 – R17 sem câmara

Honda Bros – fotos

Honda Bros: detalhes, preços, motor, consumo (e ficha técnica)
Nota média 5 de 1 votos

Leonardo Andrade

Leonardo Andrade

Leonardo atua no segmento automotivo há quase nove anos. Tem experiência/formação em administração de empresas, marketing digital e inbound marketing. Já foi colaborador em mais de sete portais do Brasil. Fissurado por carros, em especial pelo mercado e por essa transformação que o mundo automotivo está vivendo.

  • Baetatrip

    Bela história dessa moto!
    Tenho a minha XLR 125 99/00 desde 01!
    Minha xodó que uso ela vez quando, nunca recebeu a placa e tem menos de 9.000 km!
    Só bebe gasolina podium, para nao entupir o caburador…
    É moto extremo robusto com mecanica simples e nunca deu problema….!
    Até pensei emplacar, pois ela é visada a roubo… Desisti!
    Levo na revisao e conta baratinha…. 250 reais completo!
    Se ligar ela por bom tempo parada…. Ela liga de primeira feliz da vida, deixo esquentar e dou vontinha…!

  • Renato Pereira de Oliveira

    Meu pai teve e eu usei a bros 125 2003, 150 2006, 150 2009 IE gasolina, 2011 flex, e 160 2018 vamos ao relato
    125 2003, partida no pedal, motor bem fraco para a moto, cai vários tombos, inclusive um grave;
    150 2006, também partida no pedal, porem o motor 150 deixa a bros bem mais amigável no dia a dia;
    150 2009, essa já contava com injeção eletrônica e partida elétrica, a mais econômica de todas, chegava a fazer 45km/lt, na potencia não senti diferença a carburada;
    150 2011, injeção eletrônica flex e partida elétrica, bem mais gastadeira do que a só gasolina, consumo máximo de 35km/lt gasolina;
    160 2018, injeção eletrônica, flex e freios a disco nas duas roda CBS(todas as anteriores foram freio tambor), o motor 160 vai muito bem na bros, dando uma velocidade máxima/cruzeiro um pouco melhor, o freio CBS é excelente para quem não sabe freiar, aumentando muito a segurança, porem o motor 160 a cada 6mil km tem que trocar a junta da tampa de válvula preventivamente para se manter os 3 anos de garantia, ponto negativo ao meu ver parar a moto em oficina para um serviço desse.
    Todas essas motos foram tirada 0km, foram usadas em cidade do interior, no sítio, em rodovias, todas as condições possíveis e impossíveis para uma moto kkkk.
    Hoje eu penso seriamente em comprar uma crosser, o banco é mais confortável e não tem essa de 6-6mil km estar encostando em oficina por erro de projeto, pois oficina é pra revisão de desgaste e eventual substituição.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email