Brasil Chevrolet Europa Minivans Opel

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Uma das minivans mais amadas da Chevrolet, a Meriva ainda tem seu público cativo, mesmo depois do encerramento de sua produção em 2012, quando foi substituída pela Spin.

Um projeto feito totalmente pela General Motors do Brasil, o modelo cativou até mesmo os europeus depois de sua estreia em 2001 no Salão do Automóvel de Detroit, quando foi apresentada como conceito de picape chamado Sabiá.


Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Onde canta o Sabiá

No longínquo ano de 2001, o Centro de Design da GM no Brasil teve a importante missão de levar para o Salão do Automóvel de Detroit um conceito que chamasse a atenção dos gringos e da mídia especializada.


Desenhada pelos 64 designers do centro de design o conceito era um misto de picape cupê de quatro portas que estava antecipando o estilo visual da Meriva, que seria construída na base do Corsa C, e vendida também na Europa.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

O conceito tinha 4,4 metros de comprimento, 1,5 metro de altura, e 2,65 de entre eixos, o que fazia dela bem compacta. Suas enormes rodas eram de 20 polegadas – algo totalmente inviável para um modelo de produção.

A GM diz que o modelo poderia vir equipado com um motor 2.2 litros de quatro cilindros com supercharger, sem potência revelada. Mas também não descartava um motor 1.8 ou 2.0 aliados a uma transmissão automática.

Sua tração seria apenas dianteira.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

O nome veio derivado da ave Sabiá, que para os norte-americanos é extremamente exótica.

O conceito tinha quatro portas, com abertura do tipo suicida, onde a coluna B era eliminada, e facilita o acesso ao interior do veículo. Já a coluna C, era bem alta e larga, o que proporcionava uma acomodação melhor dos passageiros mais altos no interior do carro.

Os bancos traseiros ainda podiam ser reclinados, aumentando o espaço para as pernas e melhorando o conforto dos passageiros. Infelizmente não foi dessa vez que a GM teria sua picape de quatro portas derivada de um modelo compacto.

Mas todo o charme e visual foi transportado para a Meriva.

Meriva em um caminho inverso

Lançado em 2002, já como modelo 2003, a Chevrolet Meriva tinha a importante missão de substituir a Corsa Wagon, que já estava defasada em relação ao Corsa C.

Como era um projeto em conjunto com a Opel – ex braço direito da GM na Europa, a Meriva fez seu debut no país primeiro, mas as versões mais legais, motores e nova geração ficaram, claro, a cargo da filial Alemã.

Ao contrário do que ocorria, a Meriva atravessou o oceano na direção oposta, uma vez que projetos como Astra, Corsa, Vectra e Zafira vieram do continente europeu, onde atendiam pelo prefixo de Opel.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Mas antes de nos atermos a outras versões e motores da Meriva na Europa, vamos falar sobre sua curta passagem em nosso mercado.

Meriva no Brasil de 2002 a 2012

A Meriva debutava no país com design sofisticado e elegante e dotado de um sistema de bancos inteligente, chamado de Flexspace, que permitia que o banco traseiro pudesse ser movido e até dobrado para aumentar o volume de carga.

Isso a colocou no topo de vendas do seu nicho por muito tempo, fora o seu design carismático e amigável. Conquistava fãs de Honda Fit, Fiat Idea e da Volkswagen SpaceFox. O modelo chegou com dois tipos de motores no início de sua jornada.

Duas variantes de motor 1.8, sendo a primeira com 8 válvulas e a outra com 16. A potência para o motor com 8 válvulas era de 102 cavalos e 16,8 kgfm de torque, sempre associado ao câmbio manual de 5 velocidades.

Na versão com 16 válvulas, o motor rendia 122 cavalos – bem que a GM poderia ter usado esse motor no Cobalt/Spin né? – Com 17,3 kgfm de torque. Ambos eram apenas movidos a gasolina.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Já no ano seguinte, a Chevrolet deixa de oferecer o motor com 16 válvulas e aposta no motor 1.8 Flexpower que tinha 109 cavalos quando abastecido com álcool, e 105 cavalos com gasolina, já o torque era de 18,2 kgfm com álcool e 17,3 com gasolina.

O câmbio ainda era o mesmo de 5 velocidades manual.

Em 2004, a GM apresenta novas versões de acabamento para a Meriva, sendo elas a Joy, Maxx, Premium e SS – essa última com apelo esportivo, mas que continuava usando o mesmo motor das outras versões.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Em meados de 2008, a GM apresenta a Meriva com câmbio automatizado Easytronic – mesmo que seja um projeto europeu, o câmbio trouxe muita dor de cabeça para ambos os lados, tanto para nós quanto para os europeus.

A opção de câmbio automatizado estava disponível apenas para a versão Premium.

Meses após o lançamento do novo câmbio, a GM apresenta a Meriva com opção de motor 1.4 8 válvulas, que desenvolve 105 cavalos quando abastecido com álcool, e 99 cavalos na gasolina. O torque com álcool fica em 13,4 kgfm, e com gasolina vai para 13,2 kgfm.

A caixa de câmbio para o motor 1.4 Flexpower era a manual de 5 velocidades.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

O câmbio Easytronic passou a ser oferecido nas versões Expression de entrada, Premium e SS.

No mesmo ano, a Meriva ganhava um discretíssimo facelift, onde o desenho da grade era mais limpo e o símbolo da Chevrolet era trocado pela gravata dourada, ela não ficava mais vazada e dentro de um círculo como se fazia a tempos.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

O fim dos tempos

Já em 2012, quando o modelo estava com 10 anos de mercado, e na Europa o modelo vendido sob as bandeiras Opel e Vauxhall, ganhava sua segunda geração.

No mesmo ano, a Meriva perde as versões Expression e SS, devido também a muitos problemas com o câmbio Easytronic.

Em julho de 2012, a Meriva encerrava sua carreira junto da Zafira, com a versão de despedida chamada Collection, que eram limitadas a 500 unidades de cada modelo, usando um tom esverdeado e um bom pacote de equipamentos.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Meriva A: 2003 – 2010

Agora de volta ao tópico da sua longa jornada pela Europa, a nossa Meriva foi lançada no mercado europeu em maio de 2003.

Sua maior diferença nessa primeira geração, chamada de Meriva A, além da troca de logotipos eram as opções de motores a diesel, turbo e opção de câmbio automático, e não automatizado como no Brasil.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

De início a Opel Meriva vinha com o mesmo sistema Flexspace da versão nacional, que permitia que a segunda fileira de assentos pudesse ser movida para aumentar ou o espaço para os passageiros, ou o espaço para as bagagens.

Para o mercado europeu, a Opel Meriva (Vauxhall para o mercado do Reino Unido) dispunha de três motores movidos a gasolina, e um motor a diesel. Em meados de 2005, o motor de 1.6 litros a gasolina foi substituído por um motor 1.4 que era mais potente e muito mais eficiente.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa  Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa  Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Meriva OPC – Opel Performance Center

A primeira geração da Opel Meriva foi agraciada com a versão da OPC – versão de alta performance da Opel, da qual nunca vimos nem a cor – que vinha com um belíssimo tom de azul e um motor de fazer inveja a qualquer GM nacional.

Um motor 1.6 litros, com turbo compressor, que rendia nada menos que 180 cavalos de potência e 23,45 kgfm de torque.

Fazia de 0a100 em 8,2 segundos, o que era muito rápido, se levarmos em conta que a Meriva mais potente aqui, com motor 1.8 litro flexpower com 109/102 cavalos fazia o 0a100 em 11,2 segundos e atingia a máxima de 178 km/h, enquanto a versão OPC chegava em 222 km/h.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

A suspensão apresenta alterações em relação aos demais modelos da gama: era mais baixa em relação ao solo, mais firme e possuía diferentes ajustes no eixo traseiro, de modo que altera a trajetória com maior facilidade.

A Meriva OPC era um carro sensível à desaceleração em curva, que pode ocorrer tanto na frenagem quanto quando o acelerador é levantado repentinamente. Isto dá-lhe um ponto de agilidade que não tem o resto da gama Meriva, reações mais abruptas e maior dificuldade de condução.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

O modelo ainda contava com controle de tração e de estabilidade, coisa que nunca vimos no modelo nacional.

Novas rodas com 5 furos, com pneus 205/40 de aro 17 deixavam o visual mais agressivo. Um novo para choque também acompanhava o modelo, que ganhava novo desenho para a grade inferior, superior e os faróis de neblina.

Os faróis ganhavam novos projetores, agora com opções de xenônio, ou até mesmo faróis com iluminação adaptativa – que seguem a posição do volante para iluminar melhor o caminho. No seu interior, novos bancos, com forração parcial em couro e um novo tom de azul completava o pacote visual.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa  Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Meriva A – Facelift europeu

A Meriva recebeu um discreto facelift antes de trocar de geração em 2010. O modelo ganhava os mesmos para-choques da versão OPC e lanternas com lentes translúcidas.

O modelo seguiria assim sem alterações nos motores e na carroceria até meados de 2010, quando a Opel apresentaria sua segunda geração.

No caso dos modelos com direção do lado direito, eram aplicados os mesmos tipos de alterações. No caso da OPC, a Vauxhall, tinha sua versão local, que era chamada de VXR.

Motor, suspensão e acabamentos eram idênticos da versão OPC, as diferenças mais visíveis eram a direção do lado direito, e a troca de logotipo, sai o Raio, e entra o Griffo.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa  Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Meriva B 2010 – 2017

A segunda geração da Opel Meriva foi apresentada durante o Salão do Automóvel de Genebra na Suíça em março de 2010.

O novo modelo era ainda baseado na plataforma do Corsa, que estava na sua quarta geração – D – da qual obtivemos apenas a plataforma para a família Onix/Prisma e Spin/Cobalt. Mas o novo modelo era significativamente maior que sua geração anterior, com 4,28 metros de comprimento, 1,81 metros de largura, e 1,62 de altura.

No que diz respeito a design, a Opel Meriva lançava um novo conceito ao apresentar uma minivan com sistema de portas suicidas. Chamadas de “FlexDoors” o conceito permitia um acesso mais fácil para os bancos de trás, mas ainda preservava a coluna B para dar mais sustentação ao veículo.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

No interior, o modelo adota um estilo mais parecido com o que era visto no Opel Astra e Insígnia.

O modelo ganhava também opções de teto solar, nas versões topo de linha. Já a gama de motores, eram três movidos a gasolina e dois a diesel. Havia uma versão 1.7 litro a diesel, que entregava 101 cavalos e 24,5 kgfm de torque, e atingia a máxima de 172 km/h.

Sua aceleração de 0a100 era de 13,9 segundos. Para esse motor, era disponibilizado uma caixa de câmbio automática de 6 velocidades – não mais a automatizada Easytronic de 5 velocidades.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Para as versões a gasolina, existiam as opções de motores 1.4 litro turbo com 140 cavalos, e 1.7 aspirado com 130 cavalos, ambos os motores vinham acompanhados da caixa de câmbio de 6 velocidades manual.

Apenas uma outra variação do motor 1.4 turbo, com 120 cavalos, recebia a caixa de 6 velocidades automática. Em setembro de 2010, dois novos motores a diesel foram acrescidos na gama, sendo eles um 1.3 litro com 95 cavalos e 1.7 litro com 130 cavalos.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Já a partir de 2011, foi introduzido a alguns motores o sistema Start/Stop, que visava a melhor economia de combustível.

Para 2014, a Opel apresenta um novo motor 1.6 CDTI chamado de ecoFLEX, que tinha potências diversas, tais como 95/94 cavalos, 110/108 cavalos e 136/134 cavalos. No mesmo ano, a Opel Meriva B, ganha um discreto facelift, que apresenta um novo desenho da grade, faróis, para choques e lanternas.

O modelo foi descontinuado na Europa em junho de 2017, dando espaço para o novo Crossover da Opel/Vauxhall – o Crossland X.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa  Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Crossland X na Europa / Chevrolet Spin no Brasil

Como é sabido, nossa Chevrolet Meriva foi descontinuada em julho de 2012, juntamente com sua irmã Zafira.

Para não deixar os admiradores do modelo sem opções, a GM apresentou no mesmo ano a Spin, um modelo baseado na mesma plataforma do Onix/Prisma e Cobalt.

Dotado da mesma plataforma GSM para mercados emergentes – uma variação da plataforma do Opel Corsa D, a Chevrolet Spin se valia como uma minivan com opção de 5 ou 7 lugares, motor 1.8 flexpower e opção de câmbio automático de 6 velocidades.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

O visual da minivan, ou MPV, como a GM gosta de chamar, nunca foi seu forte, o modelo parecia muito desengonçado e até meio desproporcional, com seus enormes faróis e grade, o que lhe rendeu o carinhoso apelido de “Capivara” ou “Spinvara”.

Com seu motor já de concepção antiga, chamado de “Família I” o 1.8 litro rende 111 cavalos quando abastecido com etanol, e 106 cavalos com gasolina, e 11,7kgfm de torque, ele consegue cumprir bem seu papel de ser econômico e silencioso e poder carregar até 7 pessoas com suas bagagens.

Para 2014, o modelo ganha uma versão aventureira chamada Activ, que trazia molduras nas caixas das rodas, novas rodas, novo para-choque dianteiro e traseiro e o estepe vinha acoplado na traseira, seguindo a escola do Ford EcoSport, Volkswagen CrossFox, Fiat Idea Adventure e qualquer outro pseudo aventureiro.

O modelo acaba de receber seu primeiro facelift e traz um novo conjunto ótico, que lhe garante um visual mais acertado com o restante da carroceria, uma nova grade e para choques mais harmoniosos.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa  Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

E novas lanternas traseiras, tampa do porta malas – amém GM! – E novo para choque traseiro.

Uma nova versão da Spin Activ, também foi apresentada, agora sem o estepe pendurado na traseira – Amém de novo GM!! – No interior, um novo quadro de instrumentos, agora vindo o Chevrolet Tracker, novo volante e um novo revestimento e tampa do porta luvas completam o pacote de design.

Para o pacote de tecnologia, a GM introduziu um sistema que se assemelha ao “FlexSpace” da Meriva, que deixa mais fácil o acesso a terceira fileira de bancos. A versão 2019, ganha também o sistema multimídia MyLink2 com espelhamento de celular, compatível com Android Auto e Apple CarPlay.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Enquanto nós recebíamos a Spin em 2012, os europeus se orgulhavam da segunda geração da Meriva, agora completamente concebida em solo europeu. O modelo ficou no mercado até meados de 2017, quando fora substituído pelo Crossover CrossLand X.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Depois que a Opel/Vauxhall fora adquirida em 2017 pelo grupo PSA – Peugeot Citroën, o CrossLand X, é o primeiro fruto dessa nova companhia. Ao invés de usar alguma base ou tecnologia de origem GM, o novo crossover agora usa a base do Peugeot 2008.

Ele ganhou também uma versão para a terra da Rainha com o logo da Vauxhall. Ele possui versões com motores a diesel e gasolina e opções de câmbio manual ou automático.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa

Ele também tem um irmão mais velho chamado GrandLand X, que compartilha base com o Peugeot 3008. É possível que o modelo ainda ganhe um novo companheiro, que será menor, e virá para substituir o Mokka X – Chevrolet Tracker no Brasil e Trax no Estados Unidos.

Por hora temos que nos contentar com a atualização de visual da Spin 2019, até meados de 2020, quando a GM apresentará a nova linha Onix/Prisma Cobalt/Spin e um uma nova picape e um novo SUV. Fica aqui nossa sugestão, caprichem neles – que eles façam jus aos modelos antigos.

Meriva: a história da minivan brasileira alinhada com a Europa
Nota média 4.3 de 14 votos

  • Phantasma

    Tirando a versão easytranco era um carrinho bem legal na época dele.

  • 💀GHOC💀

    Brasileiro gosta mesmo de refugo

    • Maycon Farias

      A famosa xepa de feira. Rsrs

  • Ricardo

    Os interiores dos GM dessa época eram muito feios.

    • Whering Filho

      Tinham cara de protótipo mesmo.

    • Tommy

      Eu gostava, eram bem europeus, o problema é que eram muito simples, o Classic tinha um acabamento melhor que do Corsa C, além disso tinha câmbio AT de verdade, enquanto o Corsa mais novo não teve nem automatizado

      Se tivesse vindo como o modelo europeu(ar digital, som no volante, couro)o Corsa poderia ter concorrido melhor com o Polo na época

      • ViniciusVS

        Menos, bem menos…

        Classic com acabamento melhor que do Corsa C? Em que mundo isso?

        No máximo você pode falar que o Corsa B GLS do lançamento tinha um acabamento melhor que o Corsa Joy do fim da vida.

        Se pegar um corsa B básico ele terá um acabamento tão sem vergonha quanto um Joy.

        Alem do mais o Corsa nunca foi concorrente do Polo, era concorrente do Gol.

  • Danilo

    so a cultura distorcida no Brasil que fazia somente a Meriva Premium ter airbag duplo e abs.
    Enquanto as Merivas Europeias, contavam com abs, 6 airbags e disco na traseira (mesmo as versoes com ABS no Brasil nao tinham, exceto da rarissima Meriva 1.8 16V que devem ter sido fabricada apenas umas 10 unidades, mesmo trabalhando em css chevrolet na epoca, nunca vendemos nenhuma. So vi como semi nova e apenas modelo 2002.)
    TIPICO da GM de soltar um modelo e depois logo em seguida tirar de linha. Foi assim com o teto-solar do corsa em 2002, que foram pouquissimas unidades, cruze LTZ Sport6 manual, entre outros modelos.

    • Whering Filho

      Sem contar a expertise dessa marca em substituir aqui produtos bons (normais para os países ricos) por produtos piores (que não se vendem em países ricos). Ela deve ter aprendido com uma certa francesa…

      • Luis Fernando Pozas

        Não esqueça da VW tb… Adora tropicalizar os carros

        • Whering Filho

          Com certeza. Mas no caso da Volksnazi, até podemos aliviar (quase nada) a crítica, porque a tropicalização que você citou (que consiste em adaptar o projeto original às condições do país aonde ele será reproduzido) parece menos ultrajante do que a prática da GMB de fazer projetos totalmente voltados para os emergentes. Numa análise global, vamos constatar que (infelizmente), todas as generalistas que aqui chegaram (e fizeram fortunas para seus impérios) adotam essa prática (umas em maior grau que outras), e isso para aumentar ainda mais a lucratividade. O consumidor final que se lasque com essas traquitanas ou tenha mais de R$ 100 mil pra adquirir um carro de verdade.

          • Unknown

            Vocês reclamam, reclamam, mas já parara para analisar como qualquer carro popular zero (exceto chineses) de hoje em dia é muito melhor do que os populares de 15/20 anos atrás…

            • Whering Filho

              Sim, mas isso é o normal. A evolução. Claro que um Onix de hoje é bem melhor do que o Corsa de ontem, mas a questão é: será quebo Onix de hoje é tão bom quanto poderia ser?

              • Unknown

                Lógico que poderia ser melhor, mas aí seria mais caro. Sendo assim, migra-se para uma categoria acima. Não estou defendendo, com isso, que os preços dos carros no Brasil são justos. Mas apenas estou dizendo que os carros atuais são muito melhores do que o que se tinha à disposição a algum tempo…

                • Whering Filho

                  É verdade isso também. Mas quando eu digo “melhor”, me refiro à montagem do carro, não a ter mais itens ou acabamento refinado. Veja o Gol: simples demais, mas bem montado. O HB20, por sua vez, é além de bem montado, mais ajeitadinho. E ambos concorrem com o Onix, cheio de desníveis e vãos irregulares.

                  • Unknown

                    Olha, faz tempo que não entro em um Ônix, mas quando entrei não vi esta discrepância em relação aos concorrentes. Pelo contrário, acho que os veículos da FORD estão entre os piores em qualidade de montagem (eu tenho um Ka sedan). Porém isso não desabona o carro como um todo, que tem uma boa dinâmica de condução, nível de ruído interno e um bom motor.

                    • Whering Filho

                      Isso também é verdade. Já andei no Ka e gostei, mas de fato é mal-acabado. Ele também precisa melhorar. E não é uma melhora que o tornará mais caro. É só questão de dignidade.

                    • Unknown

                      Sim, ao menos não deveria encarecer. Qualificação de mão-de-obra e melhorias nos processos de montagem, apenas…
                      P.S.: Mão de obra não se separa por hífen mais após a reforma gramatical, certo?

                    • Whering Filho

                      Isso. Sem hífen. kkkkkk

                  • adelino silvano

                    Gol bem montado? Bota ele em uma rua de paralelepípedos que tu vai ver as portas bem “alinhadas “. Kkk

    • Davidsandro18

      Corsa C com teto solar? Nunca ouvi falar, sério! Deve ser raríssimo mesmo.

      • Andrew B.

        Sem pedal de embreagem, mas com câmbio manual! Corsa Autoclutch, Pesquisa aí.

      • Whering Filho

        É tipo Classic automático. Raríssimo.

  • Maycon Farias

    Uma boa história de vida dela. Pena que o medelo Novo não veio.

  • Lucas Durães

    Grande parte do pessoal metia o pé nas minivans da GM nos anos 2000, Zafira e Meriva eram alvos contantes de ataque… Grand Livina e Picasso (Scénic tmb) eram exaltadas as alturas. Agr com a Spin o pessoal esqueceu de todo passado de crítica e rasgam elogios a dupla “carrega familia”, VAI ENTENDER

    • ViniciusVS

      Galera reclama por reclamar…

      Os mesmos que ficam reclamando de SUV hoje, vão rasgar elogios amanhã…

      É só lembrar como era 15 anos atras, galera criticando Civic, Corolla, Zafira, Vectra falando que eram carros de “plastico” e outros mimimis, falavam que bom era Monza, Santana, Opala…

      Infelizmente a mentalidade é essa.
      Quando SUV começar a cair no mercado de usados em frande quantidade vão arrumar outros modelos futuros para criticarem

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    Modelo novo é linda, pena que ficamos com a Spin, fazer o que.

  • Whering Filho

    A Chevrolet é imbatível no quesito “substituir o que é bom por algo pior”. Não que o Cruze seja ruim, mas o substituto do Vectra foi o Opel Insignia, não foi um Daewoo Lacetti.

    • Tommy

      A GM matou o Vectra em 2005 e só trouxe o Malibu importado em 2010, até lá quis que a gente engolisse um Astrão sedan como concorrente de Fusion e Accord.

      E, não satisfeita, trocou o Astra sedan pela versão mais simples da Daewoo/Chevrolet

      • ViniciusVS

        Vectra C concorrente de Fusion?

        Você está confundindo com o ômega/Malibu né? O Vectra C era concorrente dos outros medios do mercado, enquanto o Astra era um “médio de entrada” brigando com Santana, Bora e alguns sedans “compacto premium” modernos para a época…

      • Whering Filho

        Aquele Vectra (digo, Astra sedã) Elite 2.4 era um sem-lugar no mundo: nem tinha porte/conteúdo/mecânica para enfrentar estes sedãs médio-grandes que você citou, nem se encaixava no perfil do comprador de Civic/Corolla. Tanto é que já no fim da vida a GM tirou o 2.4 e jogou aquele 2.morto “melhorado”, com menos R$ 5 mil no preço.

        Concordo que se em lugar daquele Astra sedã a GM tivesse trazido o Opel Vectra C, o Fusion teria um rival à altura.

  • Marcelo Alves

    Meu pai teve uma Meriva Maxx 1.8 8v 2004/2005, é um bom carro, confortável, espaçoso e o motor 1.8 era suficiente.

  • Henrique12

    PSA já estragando a Opel com seu design duvidoso…

  • Vitor C

    Não sei nem o que dizer ao olhar o crossland e depois olhar a spin, ainda mais quando vejo o interior de ambos.

  • Paulino Lino

    Meriva continua sendo um carro muito justo pra quem quer gastar na faixa de 20 a 25k e pegar um excelente carro com muito espaço e conforto. Vale muito a pena (pra quem não liga com o carro fora de linha) e que goste do design dela como eu sempre gostei.

    • Unknown

      Muito melhor um Nissan Livina.

  • Victor Hugo

    Eu tive uma e adorava o carro. Posição de dirigir, altura do vidro do motorista, conforto para passageiros, porta mala, mesinha nos bancos, e tudo mais. Tenho saudades dos carros bons da Chevrolet no Brasil. Atualmente, único que salva é o Cruze mesmo! Agora me tirem uma dúvida, a SS era 2.0 né?!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email