Antigos Brasil Clássicos Ford Pickups

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Lembra do enorme sucesso que a Ford F1000 fez no Brasil? Vamos contar esta história desde o começo…

Foi em 1957 que a Ford do Brasil deu início ao seu enorme legado de picapes, que perdura até os dias de hoje.


Predominantemente as picapes Ford eram mais voltadas para o uso rural, mas isso mudou em 1979 com a chegada da F1000 – o zero a mais no nome, em relação à anterior Ford F100 fazia menção a duas coisas: primeiro que era uma picape movida a diesel e segundo que ela podia carregar até 1.000kg.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

F1000: da roça para a rua

Para poder provar que ela sabia fazer picapes para o uso urbano, a Ford instalou nas primeiras F1000 um motor MWM a diesel 3.9 litros de 83 cavalos e 25,3 kgfm de torque – que garantia que a F1000 tivesse força e torque o suficiente para aguentar os trancos da cidade grande.

Um dos motes de venda da picape era a economia de combustível – cerca de 40% menor que a versão movida a gasolina – e sua maior rival, a Chevrolet da Série 10 utilizava um motor a gasolina no início.

A velocidade máxima que a Ford F1000 alcançava era de 125 km/h, o que para o início dos anos 80 era o suficiente – ainda mais para uma picape grande.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

No início de sua jornada, a F1000 – que usava a mesma carroceria da F100 – era vendida com ágio por conta do seu enorme sucesso.

A F100 por sua vez acabava por ficar de canto e ser vendida como opção de entrada da linha de picapes da Ford. Um dos seus destaques era ser oferecida com freio a disco na dianteira e direção hidráulica como item opcional.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Para se tornar legal para usar o motor a diesel, a F1000, mesmo usando a carroceria idêntica da F100, recebeu algumas melhorias para poder carregar 1.005 kg.

Isso porque segundo a legislação brasileira, um veículo para ter motor a diesel precisava carregar mais de 1 tonelada para ser aprovado.

Outras pequenas melhorias foram feitas para agradar também o consumidor.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Em 1985 a picape já era um tremendo sucesso de vendas e a Ford decide lançar uma nova versão batizada de F1000 SS – Super Série – e uma outra com motor a álcool, chamada de F1000A, que trazia um motor 3.6 litros a álcool com 115 cavalos.

No mesmo ano sua maior concorrente, a Chevrolet D10, troca de nome e passa a se chamar D20 e traz novos itens de série e pequenas melhorias cosméticas.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Reestilização da F1000 em 86

Já para o ano de 1986, a Ford apresenta uma nova identidade visual para sua picape mais famosa, a irmã maior e mais velha da Pampa.

Novos faróis quadrados duplos alinhados com uma nova e bem destacada grade mais retangular, com luzes de indicação posicionadas próximas aos faróis principais.

As luzes de indicação de seta da nova F1000 ficavam mais abaixo dos faróis duplos, em formato mais retangular.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Como a onda de customização começava a ganhar vários adeptos, a Ford tratou de trazer esse conceito para a F1000 reestilizada.

Era possível comprar a picape com pintura em dois tons, pneus radiais e calotas de alumínio.

Já no interior, a marca capricha para atrair mais jovens consumidores com seus bancos revestidos de tecido, seu novo sistema de ventilação e até a opção de oferecer teto solar, sendo uma das poucas picapes com esse tipo de item opcional.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

F1000 nos anos 90

Para o começo dos anos 90, a F1000 foi a primeira picape nacional a ganhar um sistema turbo compressor para seu motor a diesel.

A nova potência passa a ser 119 cavalos e com isso sua aceleração melhorava nitidamente – a aceleração de 0a100 km/h passava a ser feito em apenas 18 segundos – algo interessante para uma picape que poderia transportar até uma tonelada de carga.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Nova geração em 1992

A Ford F1000 ganhava uma segunda geração em 1992, o que garantiu ao modelo um novo sopro de vida.

Mesmo sendo bastante competitiva – com relação a tecnologias e itens de série – ela ainda perdia para a Chevrolet D20 em termos de estilo na opinião de muitos, um item cada vez mais solicitado pelos consumidores.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Para compensar os erros do passado, a nova F1000 ganhava um interior todo revisto, com atenção extra para a posição de dirigir – um dos itens mais criticados da primeira geração do modelo – um novo apoio central de braço e agora um novo teto solar de vidro.

O motor turbo diesel da F1000 ganhava também mudanças significativas para essa segunda geração – passava a render 122 cavalos e tinha 37 kgfm de torque.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

O visual dianteiro da F1000 de segunda geraçào era composto por novos faróis maiores e mais retangulares – agora simples em relação ao modelo anterior que contava com lentes duplas.

Os repetidores de seta agora ficavam nas extremidades dos faróis e eram mais quadrados também, a grade ficava ligeiramente menor e contava com filetes para dar a sensação de que o modelo tinha ficado mais largo.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Na carroceria foram feitas outras alterações, como a adoção de uma cabine estendida – chamada de F1000 SuperCab – que trazia um banco traseiro com espaço para levar até três pessoas com certo conforto.

Uma nova versão F1000 4×4 também foi apresentada em 1994, junto com a opção de cabine estendida.

Para 1996, a F1000 ganhava um novo e potente motor a gasolina de 4.9 litros com seis cilindros e 148 cavalos – dotado de injeção eletrônica.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Última geração da F1000

A última atualização do modelo veio em meados de 1996, quando a F1000 ganhou linhas mais arredondadas com seus novos faróis levemente menores que da linha 1992, em formato mais amendoado e com as lanternas de indicação de seta em formato mais retangular e posicionadas logo abaixo dos faróis principais.

Já a grade ficava novamente mais larga e além dos filetes horizontais, ela ganhava mais dois verticais para ficar como um aspecto mais agressivo que o modelo anterior.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Em 1998 a F1000 ganha uma nova versão chamada Lightning – que era o mesmo nome utilizado pela versão preparada pela SVT na terra do Tio Sam.

Por baixo do capô, um motor 4.9 litros V6 a gasolina, para-choques pintados da cor da carroceria, vidros verdes e novas rodas de alumínio compunham o visual mais acentuado da picape grande da Ford.

Já para seu último ano – 1999 – a marca prepara o terreno para a chegada da nova F250 que veio para manter o legado da picape grande da Ford.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Versões especiais da F1000

Assim com a Chevrolet D10 e D20, a Ford F1000 sempre caiu no gosto das pessoas que queriam algo a mais da picape e recorriam a transformadoras para modificar profundamente a picape nos mais diversos estilos de carroceria que fugiam do senso comum.

Vamos dar uma olhada nas versões especiais mais marcantes da picape icônica da Ford no Brasil.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

F1000 Furglaine

Uma das variantes mais comuns montadas e encontradas da F1000 era versão Furglaine produzida pela Furglass, uma empresa de Guarulhos na Grande São Paulo, que era uma espécie de van montada na base da F1000, que foi montada incialmente na década de 80 e seguiu por muitos anos a fio.

A van – que era basicamente um micro-ônibus – usava em grande maioria os chassis da F1000 ou do caminhão leve F4000 – caso precisasse de mais espaço interno.

A carroceria tinha uma porta lateral corrediça, três fileiras de bancos (2+2+3 lugares respectivamente) e itens de conforto para os ocupantes, como ar-condicionado e revestimento em couro para melhor acomodação dos passageiros.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Em alguns casos, era possível encontrar a versão modificada para ser ambulância ou ser usada como trailer – para viagens mais longas.

F1000 Cabine Dupla

Se você acha que a Fiat Strada e a Volkswagen Saveiro foram os modelos que inventaram essa moda de carregar até quatro passageiros e carga, você está redondamente enganado.

A empresa SR Veículos Especiais – empresa do Grupo Souza Ramos – foi uma das grandes precursoras no quesito de apresentar uma picape com 4 portas ou cabine dupla e espaço para mais que quatro ocupantes.

Para que os modelos ganhassem vida, a empresa adaptava uma nova carroceria na picape e aproveitava um pouco o espaço que seria da carga para acomodar passageiros.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Para deixar o visual um pouco mais equilibrado e levemente distante da F1000, eram usados faróis e lanternas do Ford Del Rey que de alguma forma, casavam bem com as linhas gerais da picape que agora poderia ter até opção de 4 portas – coisa que até a Chevrolet passou a oferecer, mas a Ford se recusou a oferecer tal opção de carroceria.

F1000 Ibiza

Ainda na mesma vibe de furgão, a SR Veículos Especiais apresenta em 1987 uma nova versão de furgão baseado na mecânica e no chassi da F1000.

O modelo agora vinha com linhas mais arredondadas e ainda utilizava elementos estéticos do Del Rey. Ele era chamado de Ibiza, e poderia receber pintura em dois tons com tinha visual mais agradável que sua “concorrente” da Furglass.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Ele era um furgão de respeito, com 5.5 metros de comprimento, 2.5 metros de altura e pesando um pouco mais que 2.5 toneladas, o Ibiza tinha tudo para ser considerado um irmão mais velho da primeira versão do furgão.

Assim como a outra versão, o Ibiza recebia um interior mais luxuoso e confortável para receber melhor seus passageiros.

Mas tudo isso tinha um preço, pois o motor a diesel – sem turbo – tinha que dar conta de todo o peso extra, se for levar em conta o peso original da picape.

F1000 4 portas

Se você acha que já tinha visto de tudo, espere que tem muito mais ainda, como por exemplo uma versão fechada com quatro portas e estepe pendurado na traseira – quase uma avó em tamanho família da Ford EcoSport.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

A versão “fechada” da picape F1000 com quatro portas, ficou a cargo da Brasilvan, que, segundo relatos da própria transformadora, ali as picapes recebiam um novo corpo totalmente montado em fibra de vidro e assim criavam o que chamavam de “station wagon”.

A nova “perua” podia vir na configuração ambulância, furgão para até 1300 kg, furgão isotérmico para até 1100 kg, veículo policial, automóvel de passeio executivo com acomodação para até nove passageiros – sim nove! – ou até micro-ônibus escolar com capacidade para até 15 crianças.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Existiam também opções de carroceria que poderiam ter duas, três ou quatro portas laterais além de opção de portas traseiras mais largas, que davam acesso a terceira fileira de bancos dentro do veículo.

Dentre os opcionais oferecidos pela marca, estavam itens como ar-condicionado, direção hidráulica, aparelhos de som e até frigobar.

De início a Brasilvan usava o mesmo conjunto frontal das F1000 – antes da primeira reestilização – anos mais tarde eles passaram a desenvolver sua própria identidade visual.

Nave espacial

Já a transformadora Sulamericana, que fica sediada em Poá – na Grande São Paulo, decidiu rever o conceito da F1000, ao transformar ela numa espécie de nave espacial.

O modelo chamado de F1000 GB Special Fly Sulamericana (nome de outro planeta, concordam?) tinha uma carroceria totalmente nova se comparada a picape que lhe deu origem.

As portas dianteiras tinham um novo recorte e eram significativamente menores que as convencionais.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Duas janelas verticais com bordas arredondadas eram inseridas nas laterais do modelo e destoavam completamente do desenho final do veículo.

Mas ele tinha a premissa de ser único e ter visual chamativo e levar com conforto 4 ou mais passageiros – coisa que ele fez muito bem no período que foi construído e vendido.

F1000 Fuji

Da mesma transformadora – Sulamericana – nasce outra versão da F1000.

Chamada de F1000 GB Special Fuji Sulamericana, ela tinha por maior destaque o fato de ser basicamente uma versão de cabine dupla com desenho mais inusitado.

Até metade da picape, ela ainda adotava o mesmo estilo e visual da F1000 tradicional. Da coluna B em diante uma enorme janela vertical que parecia estar em “itálico” era acompanhada por uma janela menor e mais fina também mais inclinada.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

O objetivo era dar mais visão para os passageiros do banco traseiro e ainda adicionar um estilo extra para a F1000.

Mesmo com o prolongamento da cabine, ainda era possível levar alguma carga no que havia restado da caçamba. Não temos dados específicos, mas como se pode ver pela foto, ainda era possível levar feno para alimentar seu cavalo de estimação.

Zé do Caixão

Apesar do nome acima, ele nada tem a ver com o modelo feito pela Volkswagen e muito menos com o personagem brasileiro.

A analogia fica por conta do formato que a picape ganhou, ainda mais com suas duas janelas verticais com formato mais peculiar e seu interior que lembram e muito um veículo funerário – daqueles que se veem em filmes norte-americanos.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Nesse caso, a ideia era levar mais que quatro pessoas, e graças ao seu teto levemente mais alto na parte de trás, o modelo poderia comportar adultos com mais de 1.80 m de altura.

Um dos destaques mais interessantes nesta transformação era a porta traseira em duas folhas, de abertura horizontal, que facilitava o acesso ao interior do veículo.

Uma capa de proteção de fibra para o estepe era montada externamente e um bagageiro no teto com escada montada na traseira para acessar o bagageiro externo.

Bronco e Potro

Já para a transformadora Demec – de Diadema na Grande São Paulo – o objetivo era deixar o modelo mais natural possível.

A ideia era fazer uma picape com cabine dupla que tive a aparência do modelo de fábrica. Por isso pouquíssimas alterações físicas eram adicionadas na picape.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

Para a transformadora, eles poderiam receber os nomes de Bronco e Potro – uma vez que alguns dos veículos da Ford já recebiam nomes de cavalos e inclusive o Bronco era utilizado nos Estados Unidos.

Estes modelos recebiam um novo para choque com estribo, estepe montado na tampa traseira da picape e seis assentos individuais com encosto para cabeça, reclináveis.

F1000 Big Foot

Se você acha que é só na terra de Donald Trump que existem os pés-grandes, você está errado.

Para o Salão do Automóvel de São Paulo de 1988, a SR Veículos Especiais fez questão de mostrar que era possível ir ainda mais longe.

Eles apresentaram o Big Foot – um enorme veículo – que usava o mesmo chassi do Ford Cargo 1418 – basicamente um caminhão – com enormes pneus de trator e uma carroceria de F1000 transformada para ser uma perua.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)

O modelo era extremamente exagerado, tinha cerca de quatro metros de altura, passava facilmente das 7 toneladas (sim, 7 toneladas) e ainda usava pneus de trator com mais de 1.70 metro de diâmetro, que pesavam cada um cerca de 400 kg.

Pintado num chamativo tom de amarelo, laranja e vermelho, ele conseguiria ser reconhecido a uma distância de quilômetros.

Infelizmente o modelo não conseguia fazer qualquer tipo de manobra, uma vez que esterçar os enormes pneus de trator seriam um tremendo problema.

E para chamar ainda mais atenção ele tinha 5 amortecedores pintados em um belíssimo tom (só que não) de verde limão em cada roda, mas na verdade apenas um deles funcionava de verdade, assim como a maioria dos carros conceitos que estamos acostumados a encontrar nos salões afora.

Certamente a história da F1000 no Brasil foi sensacional, e as versões especiais dela que foram criadas por aí não ficam muito atrás.

Ford F1000: história, equipamentos, anos, versões, motores (e detalhes)
Nota média 3.7 de 6 votos

Avatar

Kleber Silva

  • Navaman

    A XK da Souza Ramos era a mais bem resolvida das transformadas. O acabamento era muito bom.

    • Robinho

      meu sogro ate hoje se lamenta de ter vendido a dele…

    • 1 Raul

      Famosa deserter…

  • Louis

    Na década de 80, quem tinha uma dessas cabine dupla era riquíssimo. Meu sonho de infância era sua concorrente Chevrolet D20 e seus derivados, como Veraneio e Bonanza.

    • Vitor

      Mesmo as originais eram caras, não era qualquer um que comprava D20 ou F1000 OKM.
      E olha que essas caminhonetes tinham foco mais no trabalho que no lazer.

    • Lucas

      Era sim, mas que pra época elas eram um sonho de quase todo mundo que gosta de carros.

    • th!nk.t4nk

      Descobri que minha família e vários amigos eram riquíssimos então haha. Que nada, classe média bem normais (assalariados, inclusive). Eu diria que o contraste social da época era elevado demais, por isso quem ganhava um pouco melhor já pagava de ricaço, mesmo que passasse bem longe disso. No fim ainda é assim em grande parte, só deu uma diminuída na desigualdade.

      • nbj

        Meu pai era assalariado mas conseguiu comprar uma. Mas teve que vender dois carros seminovos e ainda dar outra parte em dinheiro.

    • pedro rt

      sempre quis ter uma D20 el camino. elas sao rarissimas.

  • Tosca16

    Sempre gostei mais da F1000 que das D-20, mas aqui só tem D-20 ao menos em certo grau de conservação e rodando ainda no dia dia para o trabalho.

    • leandro

      Quem tem uma f1000 4×4 em bom estado tem uma relíquia em casa

      • Tosca16

        Mais relíquia que isso, na Ford só Pampa e Belina 4×4 hehe.

        • Victor Freire

          não que elas fossem grande coisa também. são difíceis de achar porque aquele diferencial quebrava pra caramba. aliás, de fábrica, nem ford nem chevrolet conseguiram fazer um sistema 4×4 decente nos anos 80, e eu me pergunto se não seria interessante pegar uma consultoria externa da engesa, por exemplo.

  • Zé Mundico

    Dessas gambiarras, a Souza Ramos foi a que melhor acertou a mão e fazia modelos realmente equilibrados.
    Lembro que na época (lá pelos anos 80/ 90) a SR tentou uma parceria com a Ford para que essa desse algum tipo de garantia, mas a Ford não entrou na onda.
    Assim, quem comprava uma Souza Ramos já comprava sabendo que o carro não teria nenhuma garantia da montadora.

    • nbj

      Aqui na minha cidade, a concessionária Ford dava garantia de um ano para as SR.

  • Marcus Vinicius

    A souza ramos trocou os ford pelos mitsubishi e um suzuki !

    • leandro

      Passei boa parte da minha infância junto com meu pai na boléia de uma F1000. O peito dói de saudade.

  • Wilibaldo

    Momento nostalgia.

  • Robinho

    na minha opnião picape de verdade são; F1000, D20 e F250…o resto, bom, o resto é resto.

    • Lucas

      Não sei por que a ford tirou a F250, era a picape mais bonita que achava. E era bem mais em conta do que a dodge ram

  • CanalhaRS

    Falando em Brasil, a Ford sempre foi forte em picapes, estava em seu DNA. Daí a abandonou a F1000, a F250, a Courier e, hoje, vive de Ranger apenas. Já nos SUVs ela tem Kuga (Escape no EUA), Explorer e Everest no exterior, mas nos ofererece somente Ecosport e o inacessível Edge (que seria mais para crossover). Enfim, fácil entender porque a marca patina a décadas por aqui e não dá lucro.

    • pedro rt

      segundo oq eu vi a ford pretende lançar algumas picapes e suv por aki nos proximos anos e tirar de linha carros q nao vendem nada

  • Victor Freire

    essa era uma camioneta de verdade. robusta, durável…

  • 1 Raul

    Essas modificações da Tropical são horríveis!

  • Racer

    “No mesmo ano sua maior concorrente, a Chevrolet D10, troca de nome e passa a se chamar D20 e traz novos itens de série e pequenas melhorias cosméticas.”

    Negativo. A D20 não era só uma D10 com “melhorias cosméticas”. Tivemos uma C10, uma C20 e até hoje uma D20, comprada 0km em 1996. Apesar da mecânica quase igual, tiveram mudanças pontuais que melhoraram o carro de uma versão para outra.

    A única coisa que não gostamos e acredito ser superior na F1000, é a suspensão dianteira, bem mais robusta no modelo Ford.

  • Rael Core

    Esses carros transformados preenchiam a lacuna dos importados, já que a importação de veículos era proibida na época – salvo raríssimas exceções, como diplomatas…

  • Heleno

    Lindas, marcaram a infância e sonho de muitos. Interessante essas calotas do modelo 86, vi apenas em revistas. Lembro de quando era criança, sempre ficar olhando esse detalhe. Meu avô tem até hoje uma dessas, comprada no inicio dos anos 90, exatamente essa dois tons de 1986 bege e marrom. toda acabada, uma pena.

  • João Senff

    Lembrei da infância no Furgoline viagem em família era uma maquina. Ate hoje penso em restaurar uma .

  • IPZ.4

    Essas camionetes dupladas… Que parada horrorosa, muita tosqueira. Além de serem bizarras, só serviam pra atrapalhar o mundo: poluiam uma Amazônia pra conseguirem arrancar/retomar, lerdas pra saírem do lugar, lerdas para freiar e mal cabiam nas vagas. Fora a belezura de ver farois e lanternas de del rey e astra bizonhamente instalados, ainda tinha que conviver com os motoristas desleixados que curtiam esse tipo de veículo.

  • Salim Mahmood

    Obrigado Toyota que apareceu no mercado e acabou com essa palhacada acima
    Obrigado Hilux , Obrigado SW4 ,Obrigado RAV4

  • Freaky Boss

    ” naqueles tempos queridos que não voltam nunca mais..”

    Já fui bom nisso

  • Cleidson

    Foi produzida até 1998. Dividiu o mercado com a Strada. E a Strada segue até hoje. Ainda acho q a F1000 podia durar mais uns 10 anos

  • pedro rt

    f1000 4p da brasilvan parece um isuzu trooper…

  • Ricardo

    Todas bonitas, menos da geração 1992.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email