Pedágio: pagamento em cheque/boleto, há casos que geram multa

Chegar à praça de pedágio e constatar que está sem dinheiro ou com valor inferior ao da tarifa não é algo impossível de acontecer. Mas nesse casos, é possível efetuar a passagem mediante o pagamento por cheque ou boleto bancário, cujo prazo é de três dias para o vencimento.


No entanto, as regras podem mudar de acordo com a concessionária de rodovias. No caso da CCR, que administra as mais importantes estradas de São Paulo, por exemplo, é possível realizar essa operação, mas apenas uma vez. Ou seja, se o condutor precisar passar por uma segunda praça de cobrança, levará multa por evasão de pedágio, que é de R$ 127,69.

No caso do complexo Anchieta-Imigrantes, a Ecovias não impõe um limite por veículo para pagamento em cheque ou boleto bancário. É emitido um “reconhecimento de dívida” em nome do usuário da estrada e com possibilidade do CPF ser enviado aos órgãos de proteção ao crédito, caso o valor não seja recolhido na data limite.

A regra sobre a imposição de multa por evasão de pedágio no caso de falta de dinheiro em espécie foi criada em janeiro de 2013 e com a autorização da Artesp, que controla os contratos das concessionárias em São Paulo, mas não houve ampla divulgação sobre o assunto, pegando assim muita gente de surpresa.

Além do dinheiro em espécie – que inclusive atrai a atenção de ladrões devido ao alto valor arrecadado nas praças – o pedágio por ser pago através de tags para cobrança eletrônica, tais como Sem Parar, ConectCar, entre outros. No entanto, algumas vezes o dispositivo pode não funcionar, deixando assim de abrir a cancela. Nesse caso, a placa e o CPF são consultados para verificação da tag e em caso positivo, o condutor simplesmente segue viagem.

Caso contrário, é emitido o boleto bancário ou paga-se com cheque. A operação não é rápida e o agente da praça – dependendo do local – ainda tem de lidar com outros veículos que estejam com o mesmo problema. As novas operadoras oferecem não só o pagamento mensal, mas também pré-pago. Nesta última modalidade, a operadora do sistema envia alertas de saldo via SMS gratuitamente, mas a consulta é geralmente cobrada.

Um projeto de lei do agora prefeito de Santo André/SP Carlos Grana (PT), prevê o pagamento por cartão de crédito ou débito, facilitando assim a vida dos usuários, especialmente em estradas com poucos pontos dotados de Banco 24Horas. Então, antes de pegar a estrada é bom ficar atento ao bolso e ao saldo de sua tag para não ter problemas.

[Com informações do Estadão]

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.