Peugeot 408 – defeitos e problemas

O Peugeot 408 – Defeitos e problemas – foi um sedã médio que a marca francesa vendeu no Brasil em anos recentes e que era fabricado na Argentina, tendo aqui versões com motores 2.0 16V e 1.6 THP.

Vendido entre 2011 e 2019, o 408 foi um sedã apreciado por seu estilo e porte, que garantia um bom espaço interno, especialmente no banco de trás.


Também com porta-malas generoso, o sedã médio da Peugeot tinha um bom acabamento e detalhes que o tornavam bem atrativo aos consumidores que desejavam um carro bem completo e com preço competitivo.

Quando chegou, tinha motor 2.0 16V de 143 cavalos com gasolina e 151 cavalos com etanol, bem como transmissão manual ou automática de 4 marchas.

Outra opção que chegou ao mercado foi o motor 1.6 THP com 166 cavalos na gasolina e 173 cavalos no etanol, tendo igualmente transmissão automática, mas de seis velocidades.

E o que os donos de Peugeot 408 falam sobre defeitos e problemas de seus carros? Entre os itens mais mencionados, estão os crônicos da PSA, como corrente de comando do motor THP e as eletroválvulas do câmbio AL8 de 4 marchas.

Peugeot 408 – defeitos e problemas

Peugeot 408 - defeitos e problemas

Elegante, espaço e potente. O Peugeot 408 foi um sedã bem vistoso visualmente e em termos de conteúdo. Contudo, o sedã médio da marca francesa sofreu muito com pós-venda fraco e defeitos e problemas crônicos.

Embora muitos donos elogiem o carro na internet, outros tantos reclamam de vários problemas que tiveram com seus veículos, apontando não só os defeitos mais conhecidos, mas outros próprios do modelo.

Nos oito anos em que esteve no mercado nacional, o Peugeot 408 teve alguns recall´s e um deles foi referente à manta de isolamento térmico, que ficava embaixo do capô.

Com chamada para modelos acima de 2014, donos de unidades anteriores ao alvo do chamamento alegaram ter o mesmo problema, que resulta na manta encostar na turbina do motor 1.6 THP.

Eles relatam que a manta superaquece em contato com o turbocompressor, fazendo com que se queime, aumento o risco de um incêndio. Teve cliente que foi buscar reparação na concessionária e ouviu que o carro não estava no recall.

Da mesma forma, o problema não foi resolvido. A própria chamada da Peugeot alerta que a deformação da manta e seu contato com a turbina, podem resultar em incêndio. Em realidade, a marca fez duas chamadas para o mesmo defeito.

Outro recall foi do tubo de vácuo do freio, sendo que teve cliente se queixando do mesmo problema, com freio baixo e difícil de parar na distância certa.

Teve ainda chamada para o módulo de controle do motor, que deixava o pedal de freio sem assistência e o servo-freio, sendo este o penúltimo recall, tendo ainda outro da tubulação de combustível no motor.

Peugeot 408 – Crônicos

Peugeot 408 - defeitos e problemas

Sendo um produto PSA, o Peugeot 408 não teve como escapar dos problemas crônicos que se abatem sobre os carros das duas marcas francesas no Brasil.

Muitos donos de 408 relataram ruídos estranhos no motor THP, especialmente na “fase fria” do propulsor, logo na primeira partida, demorando algum tempo e depois cessando.

Os que acharam estranho, buscaram a rede autorizada, mas encontraram como resposta que o barulho era normal, característico do 1.6 THP. Já os mais desconfiados foram investigar e acabaram se deparando com inúmeros relatos.

O problema é bem conhecido e afetou vários donos de Peugeot 408, que tiveram de substituir o tensor de corrente de comando do propulsor da família Prince, que já deu muita dor de cabeça também em donos de MINI.

Alguns conseguiram a troca do tensor ainda na garantia, o que indica que o defeito não ocorre apenas em quilometragens elevadas. Teve relato com troca abaixo de 30 mil km.

Nos carros mais antigos, os donos de 408 arcaram com a troca, já que o kit é bastante conhecido no mercado de autopeças e nas oficinais de serviço. O problema é que, caso não seja trocado, colocará o motor fora de ponto, podendo parar.

Mas no THP, outro problema conhecido se abate sobre o 408, que é o vazamento de óleo na tampa de válvulas. Outros donos relataram o problema no topo do motor, cuja cobertura tem que ser trocada e com custo médio de R$ 850.

Alguns chegaram a trocar na garantia, inclusive um cliente disse que seu 408 vazava já com 10.000 km. Ou seja, praticamente na primeira revisão.

Também a “bomba de alta” é outro item do THP que outros donos de Peugeot 408 tiveram que resolver. Um deles chegou  a trocar a bomba de combustível de alta pressão, que fica junto ao motor, por duas vezes.

Esse é um defeito recorrente em carros da Peugeot, Citroën e DS com o motor THP. Por fim, ainda em relação ao propulsor, alguns proprietários do 408 apontaram a ruptura do duto de ar da turbina.

Isso fez com que o motor ficasse imediatamente fraco, já que o rotor não estava injetando a grande carga de ar-combustível sob pressão dentro das câmaras. Os problemas foram resolvidos com a troca do componente.

Câmbio automático

Peugeot 408 - defeitos e problemas

Os carros da PSA e Renault sofrem muito com o câmbio automático conhecido como AL4, que chegou a ser atualizado para AT8 que, a princípio, deveria dar menos problemas, como em seu emprego no Peugeot 408.

Acontece que alguns donos relataram defeitos no câmbio automático de seus carros, sendo que um deles teve seu 408 imobilizado simplesmente quando estava em território argentino.

Problemas com trancos, travamento de marchas e imobilização afetaram outros proprietários do Peugeot 408. O defeito nas eletroválvulas é o principal problema dessa transmissão.

Ela foi substituída pela caixa EAT6 de seis marchas, que deu ao sedã francês um desempenho melhor. Ainda assim, o número de relatos é menor, por exemplo que do Peugeot 308.

Peugeot 408 – Outros defeitos

Peugeot 408 - defeitos e problemas

O Peugeot 408 teve mais defeitos e problemas relatados pelos donos, sendo que um deles é a infiltração de água nas lanternas traseiras, sendo que a questão estaria relacionada com a vedação ruim do conjunto ótico traseiro.

Falando em vedação, as borrachas das portas é outra fonte de reclamação para alguns proprietários do sedã franco-argentino, que permite ainda o ingresso de água e poeira no habitáculo.

Alguns dizem que a qualidade das borrachas é muito ruim, ressecando em pouco tempo de uso do carro. Da mesma forma, falam que a inspeção de qualidade era bem ruim, não só na fábrica, como também na revenda.

Clientes indignados com portas desalinhadas já na entrega do produto e outros tendo que retornar ao revendedor meses depois para correção do alinhamento das mesmas.

Se o desalinhamento gera dor de cabeça, a direção do Peugeot 408 também. Outros donos falaram de problemas com o sistema assistido e tiveram que fazer reparos na rede, ainda na garantia, embora um deles tenha trocado duas vezes.

Ruídos ao esterçar e vibração foram relatadas, mas a maioria optou pela troca da caixa de direção. Também foram relatados barulhos internos (atrás do banco traseiro) e na suspensão, especialmente a dianteira, mas também na traseira.

O teto solar de alguns donos apresentou ruídos durante a operação, mas nenhum resolveu a questão. Outros questionam ainda a queima de faróis e até a abertura do capô em movimento.

Nesse caso, um cliente teve a pior experiência ao ver seu capô aberto numa ultrapassagem. Por pouco não foi um acidente fatal e o prejuízo ficou em R$ 4 mil, não cobertos pela Peugeot.

O mesmo ainda descobriu que outro 408 estava na mesma oficina da revenda, igualmente pelo mesmo motivo. Nunca houve um recall ou chamada internada da rede para o problema.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.