Manutenção Matérias NA Renault Sedãs

Renault Megane – defeitos e problemas

Renault Megane - defeitos e problemas

O Renault Megane chegou ao Brasil em 1998 para substituir o antigo Renault 19. Importado inicialmente da Argentina, o modelo foi fabricado posteriormente na segunda geração.


Quando chegou, o médio da marca francesa chegou em versão hatch e sedã, tendo motor 1.6 8V de 90 cavalos na versão RN e RT e 2.0 8V de 115 cavalos na RT e RXE.

Posteriormente, o Megane ganhou motor 1.6 16V de 110 cavalos e até um 2.0 16V com 138 cavalos, entregando assim uma boa performance.

Na segunda geração, já de fabricação nacional (Curitiba), o Renault Megane veio apenas como sedã e também perua, no caso a Grand Tour, bem como conversível importado. Os motores anteriores se mantiveram com manual e automático.

Com linhas modernas, porta-malas generoso (520 litros) e algum toque tecnológico, como a chave-cartão com acesso ao carro e partida por botão, o Megane foi bem apreciado inicialmente, mas revelou muitos problemas depois.

De acordo com os proprietários, cujos comentários estão em sites de opinião e fóruns de internet, o médio da Renault apresenta mais defeitos e problemas relacionados com luz do airbag, ar condicionado e quadro do motor (subchassi).

Renault Megane – defeitos e problemas

Renault Megane - defeitos e problemas

O Renault Megane era um carro que deu algumas dores de cabeça para uma parte dos donos, segundo eles mesmos. Entre defeitos e problemas, muita reclamação do sedã médio da marca francesa.

Um dos defeitos mais recorrentes nos depoimentos de proprietários do modelo é sobre o subchassi ou subframe. A estrutura que sustenta motor e câmbio, sendo presa ao monobloco, tem amortecimento hidráulico.

Contudo, o coxim hidráulico usado no subchassi gerou várias reclamações no Megane. A maioria dos relatos fala de excesso de vibração quando o motor está frio ou mesmo em baixa rotação, como em marcha lenta, por exemplo.

Mesmo em unidades novas, alguns proprietários de Megane disseram que a sensação é ruim nesse caso. O problema nos coxins hidráulicos são mencionados por outros donos.

Um deles disse que a Renault não vende cada batente individualmente, mas somente o conjunto completo, com o próprio quadro, que seria importado da França e com preço salgado. Na internet, só a estrutura custa atualmente R$ 2.128,00.

Mais barulho

Renault Megane - defeitos e problemas

Falando em barulho, o Renault Megane também é relatado como tendo suspensão dianteira barulhenta. Mesmo com quilometragem e tempo de uso dentro da garantia, relatos falam de troca completa de buchas, batentes, pivôs e coxins.

Além disso, falam que o conjunto é muito seco, o que eleva ainda mais o ruído dentro do carro. Aliás, juntando com esse, falam ainda de defeitos e problemas na coluna de direção.

Um dos proprietários viu todo o sistema de direção ser trocado ainda na garantia. Outro também relatou que o problema foi resolvido com substituição na concessionária.

Outros reclamam que a direção faz muito ruído e incomoda durante a condução. Fora esse, mais um barulho associado com a direção, não está realmente ligado ao sistema, mas com a suspensão.

O rolamento dos amortecedores dianteiros com defeito provocam enorme ruído ao esterçar o volante, sendo a solução sua substituição.

Também existem relatos sobre ruídos torcionais da carroceria quando em lombadas ou entrada de garagem, com alguns falando que os estalos chegam a assustar. Um cliente disse que parece que o carro vai torcer de fato…

O Renault Megane tem mais ruídos no para-brisa durante chuva, por conta dos limpadores, muito criticados pelos proprietários do sedã, devido ao atrito entre as palhetas e a superfície do vidro.

O painel também é outra fonte de ruído, assim como os vidros elétricos, especialmente o do motorista, que chega a ter folga de alguns centímetros, segundo donos. É como se estivesse solto, sendo obrigada intervenção na porta.

Defeitos elétricos e eletrônicos

Renault Megane - defeitos e problemas

O Renault Megane também apresenta alguns defeitos e problemas elétricos e eletrônicos, de acordo com os donos. Um deles é relativo aos vidros elétricos, sendo que os traseiros tendem a parar de funcionar, simplesmente.

O mesmo em relação ao vidro da porta do passageiro dianteiro, que alguns dizem que teima a atuar de forma correta. Existem relatos de trepidação e substituição de componentes internos das janelas ainda na garantia.

Dentro do sedã, outro item mencionado é o computador de bordo, que marca errado e não funciona direito. Um dos proprietários disse que o defeito está num conector sob o painel.

As mensagens de erro sem que algum item apresente defeito é relatado também. O ar condicionado teve depoimentos que falaram de problemas com o compressor, sendo até trocado na garantia, assim como no ventilador.

Neste último, um dos defeitos mais relatados é o circulador de ar, que não funciona, assim como o próprio ventilador. O defeito estaria em um conector igualmente sob o painel, que basta desconectar e conectar novamente para resolver.

A bomba de combustível é outra relatada com problemas, provocando dores de cabeça na alimentação com falhas no funcionamento do motor. Um dos donos chegou a ter o dispositivo trocado com apenas 10.000 km.

Relatam ainda defeito na chave-cartão, cujo sensor danificado, não permite ligar o carro e não dá acesso pela porta. Esse defeito é bem complicado, visto que o dispositivo é importado e demora muito tempo, custando em média R$ 400.

Luz do airbag

Renault Megane - defeitos e problemas

O segundo defeito mais recorrente do Renault Megane é a luz de alerta do airbag do passageiro. O alerta desabilita a bolsa inflável de proteção do ocupante.

Muita gente se queixou do alerta sempre ativado no painel, com alguns achando que o problema estaria em algum conector sob o painel, contudo, a maioria diz outra coisa.

Trata-se mesmo de um conector, mas o plugue fica abaixo do banco do passageiro e dá o erro que aparece no painel. A solução encontrada é reconecta-lo, eliminando o alerta. Mas, mesmo assim, o defeito voltou em alguns casos.

Um dos proprietários disse que quando acende, ele já sabe do que se trata e abaixa até o local para reconectar, o que aconteceria com alguma frequência.

Mas, como ocorre o defeito? Alguns dizem que sempre que se ajusta a distância do banco do passageiro, o plugue desconecta, dando o alerta de airbag. Nunca houve recall desse item.

Nos modelos mais antigos, o defeito principal é o bobina de ignição, que prejudica o funcionamento do motor e até a partida, precisando de substituição.

Recall

Renault Megane - defeitos e problemas

O Renault Megane teve três chamadas no Brasil. A primeira delas foi relativa ao tubo da rampa de injeção que, em casos extremos, pode provocar um acidente. Foi convocado em abril de 2013 para modelos produzidos em agosto de 2012.

Um recall feito ao mesmo tempo, envolve um acessório do Megane, sendo o automatizador dos vidros. Por fim, os cintos de segurança dianteiros também foram envolvidos num recall para o mesmo ano/modelo e data de início dos demais.

 

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Lucas

    Ja tive um 1.6 Sedan Dynamique 10/11. O que posso relatar é que a suspensão é frágil mas bem acertada pra ser confortavel nas nossas estradas… O maior problema no meu caso eram os Gremlins elétricos, luzes de seta queimando uma atras da outra, falhas no computador, mensagens de erro ou da injeção eram comuns. Porém era um auto de 20k e na minha opinião uma delicia. Não é voltado em nada para performance ou tesão de dirigir… porém pegar transito da cidade ou estrada era top demais. Bancos sem comparação, de veludo muito confortáveis… Direção elétrica leve porém bem desconexa, freios muito bons e motor adequeado mesmo sendo 1.6 dava pra andar bem a 120 sem consumos exorbitantes… Volto pra Renault quando ela voltar a vender carros franceses de verdade… Passo carro da Dacia

    • É que um Dacia não dá problema em terra tupiniquim.

      • Legacy_EJ20

        Não da problema mas não tem nenhum dos diferenciais dos franceses reais. Estilo, conforto e segurança… É tipo comprar um carro genérico que atende as demandas pelas metades. Nao digo que os carros franceses são melhores, porque não são, mas pelo menos se destacam na beleza e no conforto

        • Legacy_EJ20

          E outra, ainda ganha fama de carro com manutenção difícil, mesmo sendo muito mais resistente que Renault Frances msm

        • É que não adianta oferecer o que o público achará incerto comprar, ou que gerará problemas que comprometam a reputação da marca. Com os modelos romenos, a Renault se consolidou no Brasil, ganhando fama de robusta, manutenção simples, fácil e barata, sendo bem quista pelo público, locadoras e etc, tendo facilidade na revenda. Basta ver que o Renault Sandero é o carro mais presente no aplicativo Uber, tendo o Kwid como sexto, e o Logan como o décimo, ou seja, os modelos sempre terão público para revender, e confiança em sua robustez, tanto que virou opção para o trabalho diário.
          Eu também gostaria de ver os Renault europeu, ainda que fossem só a casca, tal qual o Captur, mas sei que remover os romenos e indianos da linha, não será bom para a presença da marca.

  • RKK

    Veiculo maravilhoso.

  • Lázaro Rosa

    Tive um Megane Grand Tour Dynamique 1.6 16v 2012, um dos melhores carros que ja tive, confortável, bancos excelentes, boa dirigibilidade, bem equipado e com ótimo preço na época (Paguei 47 mil). Só alegria…

  • Bruno

    Ainda terei uma Grand Tour, uma das peruas mais lindas já vendidas no BR!

  • ussantos

    Sou o único proprietário de um megane grand tour 12/13. Nestes 8 anos não tive problemas, agora em 2020 precisei trocar a cinta/fita do airbag e coxim do motor, o que é comum pela idade do carro.

    O restante foi pneus, baterias, pastilhas, velas e itens de desgaste geral. Das lâmpadas, troquei apenas as de farol baixo e luzes de placa, as demais são originais.

    Sempre fiz a manutenção em dia e nunca tive dores de cabeça. Ou seja: quem cuida, não precisa esquentar. Se você não gosta de cuidar dos seus carros, sugiro comprar um fusca, ele sim aguenta ser mal tratado.

  • Carlos Calvo Canabal

    Tenho uma Megane Grand Tour 1.6 que comprei zero em 2012. Era a última unidade da concessionária antes de sair de linha. Nada tenho a reclamar sobre desempenho, torque, economia, conforto, acabamento, capacidade de carga, prazer de dirigir. Mas 3 detalhes acabam com a minha paciência: 1) A maneta da alavanca do câmbio foi trocada 3 vezes ainda na garantia. Depois ficou frouxa como antes, mas nunca mais troquei. Ja me acostumei com essa porcaria. 2) A suspensão dianteira é confortável e segura, mas depois dos 40 mil km já troquei coxins e rolamentos 3 vezes. E não adianta colocar outras peças que não sejam originais “made in france” pois nenhum kit suporta mais do que 5 ml km. 3) E o pior dos defeitos: o carro estrala, as portas rangem de forma absurda. Ja na 1ª revisão me falaram que era um defeito comum e não havia solução. Na própria concessionária passaram uma esponjinha com silicone para atenuar o calvário. Um mês de uso e o carro parecia com 20 anos de uso. O meu carro está com 98 mil km rodados e não consigo nenhum comprador para ele (pelo valor da tabela FIPE).

    • Vender por Fipe, só em carro com até 50.000 km ou japonês até 100.000 km. Ou fica com o carro, ou vende pelo valor que der, ainda mais com todos esses relatos.

      • Danilo Peluso

        E o que decidi com meu Marea 2.4 2002: usar até acabar!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por 15 anos. Saiba mais.

Notícias por email