Usado da semana

Carro da semana, opinião de dono: Honda Civic LX 1993

honda-civic-1993-2-620x406 Carro da semana, opinião de dono: Honda Civic LX 1993

Resolvi fazer um relato sobre o Honda Civic LX-at 1.5 16v 1993 que tive. Em 1999 eu tinha um Omega GLS 2.0 que troquei por um Omega CD 3.8 automático novo. Simplesmente me apaixonei por esse tipo de transmissão, porém queria um carro econômico para rodar na cidade e sozinho, pois sempre precisei muito do carro e o Omega com suas medias de 5,5 km-l na cidade não era o carro mais apto para se rodar em cidade.



Aí conversando com meu primo que tinha um Honda Civic Vti preto, no qual havia me divertido bastante uma vez quando o trouxe de Barbacena para o Rio de Janeiro fui descobrindo fatos, além da economia daquele potente 1.6 de 160cv aspirado, e ele me dizendo que o carro era muito resistente e tal, principalmente de suspensão, as estradas naquela época eram ainda piores do que são hoje, inclusive as de Minas Gerais melhoraram um pouco durante esses 14 anos que separam essa história dos dias atuais.

Aí aquele carrinho começou a me chamar a atenção. Fui pesquisando e achei um Civic DX hatch 1.5 16v, 92 cv, automático, branco, 1992 com na época 36.500km na Rio Japan, uma autorizada Honda que havia lá. Comprei ele e simplesmente me apaixonei pelo carro. Foram 420 mil quilômetros sem nenhuma quebra até 2004, em 2004 troquei esse DX que só tinha ar, direção e o câmbio automático por um LSi hatch, 1.5 16v – 102 cv, 13,9 kgfm a 5000 rpm, 73000km, vermelho, automático que adicionava ao DX, vidros, travas, espelhos e teto solar elétricos.

Ficou comigo até os 415 mil quilômetros rodados, sem nenhuma quebra. 2008 chegou e eu queria um pouco mais de espaço na mala e ai veio o LX 1993 sedan, 1.5 16v – 102cv, 13,9 kgfm a 5000 rpm, automático, 82000 km, perdendo teto solar e adicionando ao LSi o piloto automático.

honda-civic-1993-1-620x416 Carro da semana, opinião de dono: Honda Civic LX 1993

Eu rodo demais com os carros. Quando fico na cidade, normalmente no Rio de Janeiro, por conta dos meus negócios e de minha família necessito muitas vezes 5, 6 vezes ao dia ir do centro do Rio até Santa Cruz, que é cerca de 70 quilômetros de distância do centro, porém quando precisava ir sozinho para Unaí-MG, muitas vezes ia com esse carro que usava na cidade, ou quando o meu outro carro estava fazendo revisão, ai se iam mais de 1000 quilômetros entre Rio e Unaí.

Bom agora vamos direto ao ponto. O Civic me conquistou por conta de sua dirigibilidade impecável e de sua resistência louvável. Hoje vejo que esse padrão (pelo menos por enquanto) de durabilidade já é achado em outros carros, a prova para mim é o meu Lancer que já bate nos 175 mil km, sem nenhum defeito aparente.

Porém na época que tive o meu primeiro Civic, acabava de sair de um traumático Omega GLS que tinha tirado novo lá no longínquo fim de 1994, que toda semana dava defeitos. Antes que alguém me pergunte do Omega CD, esse só veio a apresentar defeitos maiores nos seus 220 mil km. Voltando ao Civic, ele sempre se mostrou confiável, econômico e pronto para o ataque. Eu tinha muita confiança naquele carro, mesmo já tendo muitos anos de uso.

Após a compra de todos eles, mandei fazer uma revisão geral, trocar tudo que havia de ser trocado, calçava eles com os pneus Michelin que eu gosto e depois até os 200 mil quilômetros seguia a risca aquele manual de manutenções e trocas de peças conforme a quilometragem. Fazia revisões no meu mecânico particular de 10 em 10 mil quilômetros até os 200 mil.

honda-civic-1993-3-620x291 Carro da semana, opinião de dono: Honda Civic LX 1993

A partir dos 200 mil para me precaver de qualquer problema extra, a cada 5000 quilômetros trocava o óleo e o filtro de óleo dele, fora as revisões de peças a cada 10 mil quilômetros. A cada 100 mil quilômetros trocava o óleo e o filtro da transmissão. A cada 20 mil quilômetros fazia a lavagem do sistema de arrefecimento e enchia ele com o liquido de arrefecimento próprio da Honda que vem em embalagens de 5l.

As peças em geral eu me programava 2000 quilômetros antes da revisão as comprava no ebay, pois eram originais e bem mais baratas. Fora que na época obtive muita ajuda num fórum tailandês sobre civics, até mesmo o catalogo de peças com todos os códigos e desenhos das peças eles tinham para download. No ar condicionado nunca tive problemas, sempre funcionou muito bem, bastando uma revisão a cada 100 mil quilômetros no sistema.

No LX na parte de pneus os trocava a cada 60 mil quilômetros, sempre pelos Michelin Energy de medidas 185-65-r14, contrariando a medida 175 original, porém sem problemas quanto ao consumo. A cada seis meses mandava fazer o polimento da lataria, fora duas lavagens por mês. As calotas que não eram as originais, retirei e pus sobre-aros que deram uma estética muito boa ao carro. De resto nunca tive grandes problemas. Era só seguir esse plano, desde o meu primeiro DX que tudo dava certo. Nunca fiquei quebrado na estrada com esses carros.

A suspensão do LX só precisou mesmo de manutenção logo que chegou a mim, pois estava com todas as buchas estragadas, fora que o volante estava bem desalinhado. Porém depois disso ficou perfeita até os 380 mil quilômetros. O acabamento interno é digno de elogios, pois sempre manteve o mesmo silencio do princípio ao fim da jornada do carro comigo. A parte inusitada do acabamento interno, fora ele ser todo emborrachado, inclusive nas portas, entre os tecidos, era o teto ser emborrachado.

honda-civic-1993-4-620x387 Carro da semana, opinião de dono: Honda Civic LX 1993

O motor em nenhum dos 3 carros precisou ser aberto, manteve-se como um relógio novamente do princípio ao fim, sem queima de óleo, sem instabilidade na marcha lenta, enfim se manteve perfeito. O câmbio automático de 4 marchas, apesar do uso severo, com essas manutenções que foram feitas de tempos em tempos se mostrou bastante durável e não apresentou nenhum tipo de falha durante todo o tempo de uso, dando kick-down no tempo certo, creeping quando o freio não estava acionado, ré com força.

Usei muito o LX, inclusive o usava bastante em estradas quando não queria usar o meu outro carro, mais gastão. Porque o Civic conseguia médias a 110 km-h com piloto automático ligado com gasolina podium no tanque de cerca de 21 km/l.

Achava isso excelente e acho que isso se deve a boa aerodinâmica do carro e o fato do motor ser pequeno. E esses 21 km/l em muitas subidas e descidas, em estradas planas de São Paulo por exemplo consegui com ar ligado a 110 km-h cerca de 23,5 km/l de gasolina podium no tanque. Com gasolina comum além de uma perda no pouco torque inicial do motor (Esse motor não tinha comando variável), o consumo em estrada caia a cerca de 18,5, 19 km-l.

Ainda assim uma media muito boa. Quando na cidade ele conseguia com transito bom cerca de 13,5 km-l com podium e 12,5 com comum e em transito pesadíssimo, coisa comum hoje nas capitais ele batia a média de 11km-l com podium e 9 km-l de comum.

Um fato que o ajudava muito na estrada, é que apesar de ter apenas 4 marchas o câmbio era extremamente longo, tão longo que mais valia eu rodar com ele a 110 km-h do que a 100 km-h, pois em leves subidas ele fazia o carro perder força e reduzir as vezes até a segunda marcha, fazendo o giro subir muito, porém a 110 km-h o problema já não acontecia, apesar de ele estar a tenras 2400 rotações por minuto.

E mesmo rodando aos 110 km-h, a estabilidade era impecável, então mantinha o piloto automático e as curvas eram sempre muito bem contornadas sem sustos. Porém na hora de ultrapassar eu muitas vezes não optava pelo kick-down, pois ele trocava a marcha a “apenas” 5200 giros no kick-down. Eu botava a alavanca na posição 2 do cambio, a 80 km-h por exemplo ele deveria estar batendo nos 5000 nessa posição abaixava o pé, o corte desse motor era a cerca de 7500 rpm e puxava com ele até os 100, 110 km-h em 2ª a cerca de 7300 rpm e botava a alavanca em d3 para concluir a ultrapassagem com segurança. Sempre funcionou bem e melhor que o kick-down.

O kick-down só usava mais dentro da cidade, ou em ultrapassagens leves em pista boa, não em pista simples como costumeiramente necessito. Era um carrinho que tinha um ronco muito gostoso, silencioso até os 3000 e bem grave até os 7300. Como já disse fazia curvas como ninguém, pois era muito baixo e tinha uma suspensão independente muito boa, dura, mas muito eficiente e resistente. Porém em buracos mais fortes ela dava batente.

Em quebra-molas como os mineiros falam, nos quais muitas vezes só um jipe não arrasta a carroceria, o Hondinha sofria, tinha de passar muito devagar afim de não estragar nada debaixo nele, as vezes parte do para-choque arrastava antes no quebra-molas, porém como era de plástico bastante flexível nunca aparentou defeitos, sempre voltou a forma original. E como ele não tinha peito de aço, havia uma espécie de capa plástica que vinha do fim do para-choque dianteiro até a região das rodas dianteiras que em tese protegeria o motor, nunca tive problemas no motor frente a isso, então ele era bem protegido.

Fui 3 vezes num caminho que liga Mambucaca em Angra Dos Reis-RJ a Serra da Bocaina-SP, numa pousada de amigos e o bichinho não negou fogo nas estradas de terra, não houve nenhum tipo de infiltração de poeira pelas vedações e subiu forte no meio dos lamaçais, mesmo com sua pouca altura, e nenhum tipo de dano as suspensões.

Esse LX passou por duas situações adversas que os outros não pegaram, o mais emblemático foi o dia 5 de abril de 2010 no Rio de Janeiro, aquele mega-temporal que arrasou com a cidade, dando até ponto facultativo pelo estrago no dia seguinte. Estava voltando para casa pela praça da bandeira por volta das 21 horas. Tudo totalmente alagado, na hora que entrei na agua pensei: vou me dar mal. Engrenei a marcha 1 no câmbio e fui acelerando até os 30 km/h e agua começava a bater nos faróis, fiquei muito tenso, começou a passar por cima do capô, bateu um desespero, mas ele foi e passou. Daquele momento em diante o hondinha ganhou todo o meu respeito.

Apesar de ele não ter ABS nem ter freios a disco traseiros, sempre freou muito bem, nunca travou. Os momentos que me recordo de maior prazer que tive nele eram quando eu tinha de resolver uns problemas na Barra e voltar pro centro ou vice-e-versa subia por Santa Tereza, pegava a estrada das paineiras ou a estrada do Sumaré e seguia até a estrada do redentor e descia no alto da boa vista, só sentindo o gostoso ronco daquele motor, a estabilidade e a forma gostosa com que ele subia giros acima dos 3000 rpm, muitas vezes com o câmbio em 2 ou d3.

Eu acredito que se manterem a manutenção que eu mantia com ele, ele ultrapassaria facilmente os 800 mil quilômetros, pois nem o câmbio, nem o motor apresentavam sinais de cansaço. Agora vocês vão me perguntar: Se eu gostava tanto do carro e se ele era tão bom, porque eu me desfiz do carro?

Foi o seguinte em 2008 também troquei o Omega CD que tinha por um Accord V6 2006 usado, cinza, 25 mil quilômetros rodados, que também gostava muito, pois além de forte conseguia ser econômico. Tudo ia muito bem até que em agosto de 2011 numa dessas revisões, tais quais falei aqui que fazia no Civic, meu mecânico conseguiu fazer algo que até hoje não entendi e fundiu o motor do meu ex-Accord.

Tive de gastar 13 mil reais para fazer o motor todo, havia ficado até razoável, mas já não era mais a mesma coisa, e no finzinho do ano troquei o Accord num Lancer CVT novo, pois fiquei com medo de ele fazer isso novamente com outro carro meu, sendo que eu preciso muito dos carros e o Civic saiu de cena em 2012 quando me ofereceram ainda 8500 reais nele na troca pelo J3 novo. E mal ou bem pelo menos tenho a garantia da fábrica para me salvaguardar, pois toda a confiança que tinha naquele mecânico particular se foi naquela vez.

Fiquei triste pois gostava muito do carro, vivi muitas coisas com esses carrinhos, porém não tinha mais ninguém de confiança que pudesse mexer nele. Enfim, pelo menos uma coisa fiquei satisfeito: Em março fui numa autorizada da Honda junto de um amigo meu, pois ele foi comprar um Civic novo para ele, e como estava junto não perdi a oportunidade e aproveitei para testa-lo.

Resultado: Fiquei feliz por terem preservado aquela vontade do carro em ser acelerado e melhorado o que era possível de ser melhorado como a suspensão que absorve melhor as irregularidades. Porém a Honda devia tomar vergonha na cara e trazer as opções de Civics que ela tinha nos anos 1990 como os belos hatches e cupês, pois estão fazendo muita falta por aqui.

E se eu teria novamente um Civic automático da série EG conforme os que tive? Definitivamente sim! Se eu tivesse um bom mecânico para cuidar dele. E como perguntaram aqui no NA: O Civic aguentou os 380 mil quilômetros? Com muito louvor! Se mantiver a manutenção conforme a que eu fazia é um carro que chegará facilmente e com muita saúde aos seus 800 mil quilômetros sem abrir o motor numa boa.

Se alguém tiver interesse em comprar um Civic EG automático além das recomendações básicas normais deve observar bem as canaletas de chuva, em cima do para-brisas, por trás das borrachas dos vidros, na tampa do porta-malas, pois são locais comuns de se ver ferrugem. O câmbio: Leve numa leve ladeira e veja se ele “rasteja” devagarzinho. As trocas devem ser feitas em ruas planas a cerca de 2200 a 2300 giros após isso tenha atenção.

Cuidado com rádios e alarmes que não são de fábrica, pois podem literalmente travar o câmbio. Se possível leve o carro num elevador para ver o estado geral por baixo dele, pois são carros muito baixos. Confira o manual e veja por quanto tempo as manutenções foram feitas na autorizada. E se possível sempre leve um mecânico de confiança e que conheça bem os hondas.

Espero ter ajudado a todos que tinham curiosidades sobre o Civic da série EG e a todos que tinham preconceitos com carros acima dos 50 mil quilômetros rodados.

4.0

  • diegoandrade1

    parabéns pela conservação e experiências com os carros. realmente fiquei impressionado.

    • dudupruvinelli

      Esse aí gosta MESMO de dirigir.

  • fredcdb

    Parabéns À Honda pela confiabilidade. Só não precisava meter a mão no nosso bolso por isso. Em todo caso, insuportáveis são esses carros que exigem revisões a cada 6 meses, mesmo que voce tenha andado só 2 mil km, que quebram todo mês e vc nunca acha peças…

  • flavio

    Fantástico!!!
    Parabéns.
    Já sonhei mto com esses Civic.

  • marcio233

    Grande série de carros que a Honda fez. Conheci um de um amigo há um bom tempo atrás e os elogios são os mesmos. A fama da Honda aqui no Brasil começou a ser feita com base nesta série de Civics. A Quatro Rodas elogiou bastante o Civic do teste Longa Duração.

    Essa falta de mão-de-obra confiável afasta muitos que querem manter um carro em uma quilometragem mais elevada fora de uma garantia de fábrica. Problemas existem até nas autorizadas, mas a garantia, bem ou mal, é uma cobertura que um mecânico particular não vai dar.

    • Marciomaster

      A fama da honda no Brasil veio pega GC 125

      • marcio233

        Das motos, sim.
        Mas a dos automóveis se deu na maior parte quando os Civic´s desta geração citada no texto desembarcou no país. As motos Honda dariam um outro post como esse sobre as impressões e peculiaridades, em especial da CG 125.

        • Marciomaster

          Me referi aos carros mesmo,veja bem, quando esses carros honda chegaram ninguem sabia se eram bons ou não, mas por associação a confiavel CG125 eles ja eram carros automaticamente considerados bons e confiaveis. Não foram os carros que criaram a fama, isso confirmou-se depois, mas na decada de 90 comprar um honda seria como comprar um cherry caso não houvessem as CGS. venda desses carros eram inexpressivas nos anos 90, afinal eram carros e uma bos de importação direta.

          • ppop176

            Não foi bem assim. Eu presenciei a abertura das importações na época. Tinha uns 20 anos. Quando a Honda desembarcou por aqui, a marca já gozava de uma excelente reputação, mesmo sem nunca ter vendido automóveis por aqui. Essa fama veio dos EUA. Comparar com Chery é forçar muito a barra. Honda já era uma marca muito respeitada a nível mundial, sinônimo de tecnologia e de boa qualidade. Não estou dizendo que é o seu caso, mas acho engraçado é que muitos que aqui escrevem, nasceram nos anos 90, ou seja, não viveram aqueles período do Collor e a época. E ficam falando que Honda ou Toyota eram marcas vistas com desconfiança e Lada é uma marca que produz carros muito bons, o que na verdade, foi totalmente ao contrário.

            • Eugenio C.

              Honda era idolatrada na Fórmula 1 da época justamente com Ayrton Senna e seus McLaren-Honda. Aliás, aprendi a ler em 1988, e a primeira coisa que li foi o título de uma notícia sobre Senna no jornal, quase matando meu pai de susto, rsrsrs. Então, na época da abertura às importações, o nome Honda já tinha fama entre os brasileiros como sinônimo de tecnologia, qualidade, prestígio (Subaru não tinha essa fama toda, por exemplo), devido em grande parte à popularidade de Senna. Pelo menos é minha teoria, rsrs.

  • Louis

    Excelete relato! Bom saber que carros bem cuidados passaram dos 400 mil km (!!!!) sem precisar abrir motor / cambio!
    O Civic é um dos carros que mais gosto, de qualquer geração, sempre que vejo um chama minha atenção.

    • Gaf1991

      Valeu !

      • Filipe Augustus

        Cara, eu tenho um Vectra CD Automático, mais por pouco não comprei um Civic lsi hatch automático com 45 mil Km rodados, era preto e estava até com as calotas originais, tinha banco de couro e estava impecável, era de uma senhora, eu o vi na loja e uns 2 dias depois quando voltei pra fechar negócio o dono da loja tinha o vendido pra um cara que pagou 2 mil a mais que o valor pra ficar com ele, eu fiquei puto da vida, era 12 mil reais e o cara pagou 14 mil e o dono vendeu pra ele, fiquei chateado pacas, mais não me arrependi de ter comprado o Vectra, apesar dele apresentar algumas coisinhas irritantes de vez em quando…..

      • Filipe Augustus

        Meu pai tem um Civic 2000, e está com 140 mil Km rodados, não me lembro de meu pai ter tido nenhum problema com ele, é um ótimo carro realmente =D

  • Herumor_

    sou louco pra ter um desses ai (93~95) (principalmente na versão vtec, alguem tem ai pra dizer sobre a durabilidade dele quanto ao motor "normal"?????)
    parabens pelo relato!

    • msouza91

      são muito bons e duráveis, se vc encontrar algum desses que não tenha sido judiado por um mano, e esteja com a manutenção em dia, compre que vale a pena, esse é um tipo de carro que não dá manutenção, mas quando dá, prepare o bolso…

    • Edson Roberto

      Esses carros tem manutenção cara. Mas as peças tem uma durabilidade maior até que os proprios Hondas de hoje em dia. Entretanto, um mal comum dos Hondas é a suspensão que sendo cuidadoso dura. Mas se for uma pessoa que acha que passar com um Celta fazer o mesmo com o Honda normal, então terá grandes gastos.

      Sobre a durabilidade do motor: Ela é alta. Esse motor da Honda foi feito para durar. Além disso, no caso dos Vtec sem aumento de potencia (no caso sem ser os modelos de 160cv), é um motor feito para ser duravel. Não eram motores como hoje que são adaptados ´para ganhar potencia e nem sempre sem reforços, o que garante uma boa qualidade.

      Para vc ter ideia: Em um encontro de Xsaras, temos um amigo que vem do Guaruja com um Civic hatch desses de 160cv e esse está com 160000km inteiro! Digo que até mais inteiro que meu Xsara de 2001! A unica pena que eu considero é que ele trocou a grafia do painel, mas de resto é tudo original e tudo funciona!

      Na ultima vez, foi um encontro de dinanometro e ele pois o dele para testar….. 130cv nas rodas! Para se ter ideia de eficiencia, o Astra de outro colega e seus 140cv de motor, deu 110cv nas rodas. Ou seja um carro de 20 anos atrás saudavel como se fosse hoje! E o ronco ? Instigante! Fez sucesso nesse dia.

    • Gaf1991

      Acredito que seja equivalente , a diferença é que os modelos Eg com vtec aqui para o Brasil só vieram com motores 1.6 16v , nos modelos Si , Ex com 125 cv e o Vti com 160 cv .

  • GuilhermeTUF98

    como eu posso dar minha opinião sobre meu carro?

    • msouza91

      escreve o texto num documento do word e manda no link lá em cima "seja um autor", o Ebér vai ler e se ficar bom, publicar

      • bedotRJ

        Talvez dê prá mandar também pelo link "Contato". Notei que há uma ferramenta bem legal para envio de arquivos com fotos. Se não entendi errado, o NA publica um "Opinião do dono" a cada semana.

        • Louis

          Toda quinta-feira.

        • dudupruvinelli

          Ele posta quinta porque são muito poucas pessoas que mandam.

    • Gaf1991

      Pô acho que todo mundo devia postar as impressões dos carros que tem para ajudar aos outros , acho muito valido . Manda ai , digita no word o texto , copia o texto todo e manda para o NA no link aqui no site , contato .

  • gvpower

    Alguém fez as contas de quanto essa pessoa andou?

    • Gaf1991

      Desde de o meu primeiro carro , olha lá no longiquo 1981 , meu opala comodoro 75' , numa boa já devo estar caminhando para os 2 milhões e meio de quilometros !

  • Guilherme

    Essa geração foi espetacular, o Hatch era lindo. Esses Civic's e os "New" de 2006 foram brilhantes, arrojados, vanguardistas e esportivos.
    Todas as outras gerações cairam na maldita tentação japonesa do Toyotismo, digo, caretismo demasiado.
    Uma curiosidade, o primo trouxe o carro de Barcelona para dar um rolé aqui no Rio?

    • Gaf1991

      Não , não foi Barcelona , foi Barbacena em Minas Gerais .

      • cavevolution

        Os nomes das cidades são parecidas mesmo…rs

  • Cara, que história bacana! Nada melhor para avaliar BEM um carro do que deixar na mão de quem roda bastante, mas que faz manutenção cuidadosa. Eu sou fã desses Civic EG e dos fabricados em 2006 e 2007 quando ainda eram só a gasolina.

    Obrigado por compartilhar sua história!

  • vitimsl

    Bom relato. O Civic realmente é um bom carro. Não da para negar também que o seu plano de manutenção (corretíssimo por sinal) foi o principal para que os carros chegassem a essa quilometragem. Com uma manutenção rigorosa como essa, não só os veículos Honda chegam a essa kilometragem. O preconceito que ocorre com veículos muito rodados vem justamente por muitos não sofrerem uma manutenção como essa que vc faz. Eu mesmo só tenho coragem de comprar um carro muito rodado se eu conhecer o proprietário, se não, não tenho coragem mesmo. Ex.: É raridade alguem trocar o liquido do sistema de arrefecimento com a frequencia que vc citou. Parabens pelo relato e pelos carros.

    • Gaf1991

      Olha depende muito do carro , eu não diria que todos aguentariam mesmo com essa manutenção rigorosa que eu fazia nele . Um exemplo foi um Omega nacional que tive , que tirei ele zero e fazia a manutenção religiosamente e foi só dor de cabeça .

      • fschulz84

        Eu conheço pessoas que possuem Subarus (Legacys e Imprezas entre 93 e 96) e elogiam também…

        Tem um Legacy de um conhecido, ano 1994, que está com 414000km e rodando alegremente por ai!

        • Gaf1991

          Subaru também sempre me falaram muito bem e acredito que peças consigam-se com certa facilidade pelo rockauto e pelo ebay , o problema mesmo é mecanico para arrumar esses motores , o dos hondas já é quase um desafio , alias de qualquer carro mais moderno já é um desafio né .

          • fschulz84

            Sim, tem que achar oficinas especializadas… Que mexam com Subaru, conheço duas, mas não faço idéia de preços de peças e MO…

            Agora o que eu conheço e recomendo são duas oficinas próximas a minha casa, a primeira só mexe com Alfa Romeo (inclusive muitas vezes ele compra Alfas de clientes, arruma o carro inteiro e vende), pelo que fiquei sabendo se necessário, a oficina até importa as peças diretamente da Itália.

            E a segunda é uma oficina especializada em Mazda, que todos que conheço que tiveram MX-3, só confiavam em fazer as manutenções por lá…

            Eu tenho meu mecânico de confiança, mas quando levei meu Mégane pra trocar a trizeta, o coitado ficou mais de 4 horas pra conseguir! Mas pelo menos ele não sossega enquanto não ter certeza que tudo está bem feito!

        • cavevolution

          Ouvi uma história sobre um Impreza antigo que rodou mais de 800mil km! Uma bela marca também!

      • vitimsl

        Concordo. Mas pode ser um exemplar "bixado", não? Pelo que eu saiba, Ômega, mesmo o nacional, é muito resistente tambem. Tive um professor que rodou muito com um CD 3.0 94 AUT. e com kit gas ainda, sem dor de cabeça. Já peguei em SP vários Astras com altíssimas kilometragens também e, de acordo com o proprietário, sem problemas. Acredito que, com manutenção preventiva em dia, os nossos carros rodam muito mesmo.

        • Gaf1991

          Pode ter sido , porque após esse omega eu tive um omega australiano que só após os 200 mil quilometros é que começou a dar problemas mais sérios . Quanto a família 2 , eu tive antes desse omega gls , um Monza Classic 87 2.0 alcool entre 1989 e 1992 e rodou 200 mil quilometros comigo sem grandes problemas , o problema desse Classic era ele esquentar de manhã … rs Depois comprei um Monza sl-e em 1992 modelo 93 , o qual eu tenho até hoje , e também não me apresentou grandes problemas , apesar de quase não o ter usado , foi meu primeiro zero km , então nunca tive coragem de o usar como uso os outros . Mas minha também tinha um Monza Gls desde 94 até 2011 , e o carro tb não deu grandes problemas , porém agora ela tem um Cruze e odeia o carro , está louca para trocar .

  • bedotRJ

    Engraçado ele ter citado o temporal de 2010. Minha ex morava num prédio na Praça da Bandeira que fica em frente a um posto BR, local que enche mesmo. Naquele mesmo dia, eu encarei o mesmo temporal com água até o capô em algumas ruas internas da Tijuca e consegui levar meu Ka até esse posto BR, mas fiquei lá preso por umas duas horas até a água escoar e conseguirmos atravessar a rua. Meu Ka mostrou ser um carro muito valente, mas o Civic dele, com quase duas décadas nas costas, é claro que merece uma menção super-honrosa. Praça da Bandeira, em todos os sentidos, não é para os fracos, rsrsrs.

    Obs.: pelo que entendi, o colega forista é o mesmo que mandou um "opinião do dono" sobre um JAC J3 hatch cinza há algumas semanas. Olha, com esse tipo de utilização pesada, se o J3 aguentar o mesmo tranco, é porque é bom, rs. De qualquer forma, ficou claro que o colega manda bem em termos de manutenção preventiva. Mas ele enfrentou um problema que a maioria das pessoas também tem: falta de mecânico de confiança. Mesmo aquele que ele tinha em boa conta acabou pisando na bola com o Accord. Ou seja, para a esmagadora maioria dos usuários, é simplesmente inviável manter um carro mais antigo na "lida" pesada por absoluta falta de mão-de-obra confiável prá mantê-lo.

    • Gaf1991

      Praça da bandeira é o pinico do Rio ! Rs , Aquilo naquele dia me surpreendeu , de o carrinho conseguir enfrentar tudo muito bem , foi muita agua naquele dia , eu não comentei a história até o fim mas estava indo para o grajaú e foi enchente até o fim praticamente e ele se manteve bem , não apresentou nenhum defeito após isso . Agora em termos de J3 acho que ele vai conseguir seguir bem sim , o unico pecado sério dele para mim é o cambio ser manual , comprei o carro na empolgação e me esqueci do transito ruim que enfrento diariamente . Então talvez ele saia de cena para vir outro automatico , mas quando ele sair de cena , eu vou fazer mais um relato dele aqui . Mas realmente achar algúm mecanico particular bom está bem dificil , por isso que me dá medo em pegar novamente algúm usado , apesar de eu ficar muitas vezes tentado a pegar um usado .

  • AmmmmmP

    Tô passado.

  • Passados 20 anos e esse Civic permanece bonito, atraente e bem mais elegante que muito carro recém lançado… lembro que a geração "com olhos arregalados" de 1996 parecia ser mais antiga que ele.

    • Leandro1978

      Acho bonitos aqueles. Um amigo teve um, EX prata 1999, comprou com 160 mil km e rodou mais uns 100 mil, sem problemas. Depois trocou por uma Scenic 2004, pensa num cara arrependido (tava com 80 mil km, mas está dando muitos problemas, amortecedor, direção, vazamento de óleo)…

      • Ah, meu pai também teve exatamente um desse 1999, também deixou saudades, o carrinho era econômico e super confortável. A Renault é praticamente antagônica à Honda, hehehe

    • dudupruvinelli

      E talvez até melhor que o atual. Como ele citou ali, o honda civic tinha acabmento emborrachado até no teto do carro. Hoje não tem mais nem no painel! Sem falar no consumo que era muito maior antes dos "flex".

      • Pois é, esse Civic 1992 era alucinante, quem estava acostumado com Monza, Passat e Del Rey ficou encantado, lembro que ele acabou com o frisson que o Monza tubarão, o Santana com frente de Audi 100 e o Versailles causaram entre 1991 e 1992, hehehehehe Aqui em Curitiba esse Civic infestava as ruas!

  • emerson_ss

    Ótima matéria, excelente texto. Se todos cuidassem dos carros dessa forma, que bom seria.

    Quanto ao acabamento interno desses carros, infelizmente são bons tempos que não voltam mais.

  • msouza91

    Eu tive um Accord EX 2.7 95/95 por dois anos, e o carro era muito bom, eu comprei ele com uns 105mil km, passei pra frente com quase 200.000, hoje ele já beira os 300 mil (é de um amigo meu) e nem pensa em abrir o motor ainda, carro muito bom, confortável e até econômico, tinha bancos em couro, teto solar e bancos elétricos, tudo de fábrica, hoje em dia ainda penso em comprar um e dar aquela reformada de novo, complicado é que os 2.7 são rarissimos e quando encontra, estão só o resto…

    Mas sobre a qualidade Honda, eu aprovo a dos carros da decada de 90, hoje em dia eu já não gosto mais tanto dos Hondas…

    • Gaf1991

      Na época do meu primeiro omega problematico , quase tinha pego um Accord Lx 2.2 .

  • cepereira2006

    Acho este carro bonito até hoje. E que qualidade construtiva!
    Impressionante o consumo dele na estrada.
    Isto é uma lição, inclusive para mim, pois achava que o câmbio automático e o motor "dariam pau" muito antes.
    E juntas homocinéticas, você trocou? Com quantos km?

    • Gaf1991

      Homocineticas foram trocadas quando eu comprei ele , isso com 82 mil km mais ou menos , como prevenção . O consumo eu acredito que se deva muito a excelente aerodinamica do carro , junto de um motor bem compacto que aguentava bem o peso do carrinho . Mas realmente seguindo uma manutenção correta é um carro praticamente indestrutivel .

  • Tosca16

    Esses modelos cada vez ficam mais raros nas ruas e nesse estado de conservação é raríssimo, muitas peças não se acham e muitos proprietários adaptaram peças e equipamentos nos carros; aqui eu vejo bem mais corollas antigos que civic's ambos carros que evoluíram com o passar dos tempo . Nos anos 90 ter um Honda, Kia, Toyota, Mitsubishi e outras tantas eram segundo muitos "compra de risco" , hoje são excelentes marcas do agrado acho que de todos …Me lembro quando meu pais em meados dos anos 95/96 comprou um carro da Kia, o rapaz da revenda falou a ele que da Kia só prestavam as Bestas kkkkkkkkkkkkkkkkk.

    • Acarajé nice

      Nada a ver. Nos anos 90, Honda e Toyota já tinham excelente boa fama no mundo inteiro, inclusive aqui no Brasil. E Honda e Toyota não são fábricas que nasceram ontem. Aliás, a Honda já tinha boa fama por conta de suas motos que vieram ao Brasil já na década de 50 e sem falar nos Toyotas Bandeirantes que foi fabricado por aqui desde os anos 50 também.. Já a Kia, essa sim, praticamente nasceu ontem e foi visto com muita desconfiança aqui no Brasil nos anos 90. Lembro muito bem disso.

      • Tosca16

        Rapaz o Bandeirantes era outro seguimento, além disso os veículos das marcas japonesas tinha preconceito por serem importados, manutenção cara e peças ; sabe num era todo mundo que comprava um Corolla sem medo como hoje , até mesmo as L200, Frontier(colocando a Nissan no bolo também) ,Hilux antigas era tão bem faladas como as de hoje…

    • Gaf1991

      Exato !

  • Vitão

    Nuossa!!! Uma das melhores avaliações q jah li aqui no NA… Parabéns!! Merece nota 1000!!!

    Eu invejo mto os donos q utilizam seus carros até mais de 150 Mil Km… Hj geralmente vimos as pessoas se desfazerem de seus automóveis após 40 a 60 mil Km…. Por um lado é positivo, pois sem essas pessoas não poderíamos comprar a preços acessíveis rs rs rs….

    Sou louco pelos Hondas, Civic e o Accord…. Um dia vou pegar um Accord 3.5 V6 usado he he he….

    P.S: Compartilha pra nós o site tailandês sobre os Civics…. E se possível qual os eskemas para comprar as peças do Civic pelo Ebay?? Poderia fazer um post referente a isso??

    Valeu e um grande abraço!!

    • Gaf1991

      Esquema de peças hoje é mais facil que a 13 anos quando eu comecei com isso , você pega o catalogo de peças com o codigo e procura ou no ebay ou na rock auto , sempre originais , podes usar o google tradutor para ajudar , você acha tudo nesses sites para esses modelos importados antigos tipo o civic , o accord , o taurus , o mustang . Tem muita coisa mesmo . Agora o site deixa eu chegar em minas que pego nos favoritos do computador para te passar .

    • Gaf1991

      Achei estava te procurando ! Olha eu usei muito esse site no incio da década de 2000 nos primeiros Civics , não sei se continua com o bom conteudo de outrora , eles mudaram o servidor e tal . O endereço é http://www.aphonda.co.th . Os esquemas de manutenção com codigos de peças , hoje você encontra para download no 4shared .

      • Vitão

        O duro foi tentar enteder o site tailandês, mas vou no adivinhometro e com mto Google Translator rs….

        Brigadão pelas dicas!!! Flws!!

        • Gaf1991

          Disponha !

  • Geanmatheus

    Um tapa na cara de quem troca de carro a cada 60 mil km no max.

    • Eugenio C.

      E lembre-se de um colega que mencionou aqui nos comentários (em outro post) sobre um conhecido dele que trocava o carro zero quando chegava aos 20 mil km porque dizia que dava problema depois dos 20 mil…

  • jcesarcbr

    Centenas de milhares de km sem trocar nem amortecedor,molas, buchas, escapamento, coxins, rolamentos, buchas de alterador e motor de partida etc. Incrível. O carro realmente é imortal. Parabéns. Uma pena que nunca tive essa sorte.

    • Marciomaster

      Obvio que ele trocou tudo isso que voçe citou, só que isso não demereçe o carro e nem vem ao caso, afinal são peças de desgaste natural. Detalhe: carro imortal??? what is this???

      • Eugenio C.

        "O que é imortal não morre no final" (Sandy)

        De imortal mesmo só conheci o Plymouth Fury 1958 chamado Christine… rsrsrs

        • Marciomaster

          Bem lembrado Eugenio, vou até ver se resgato o filme para assisti-lo novamente, bom filme

      • jcesarcbr

        Se trocou deveria ter citado. Caso contrário fica parecendo que só colocou gasolina e trocou óleo, filtros e velas – que são os itens previstos no plano de manutenção.

  • dudupruvinelli

    Uma tapa na cara da sociedade que acha que os carros só "vivem" até os 100 mil km! Carro é feito para andar! Boa avaliação!

  • Hermes Missau

    Tive um Civic 1999, fiquei com ele durante 4anos, como tenho saudades do carro, nunca tive problemas serios, somente manutenções preventivas, hoje tenho um FIT bom demais tambem , mas nem perto da maciez de rodar do civic eo acabamento interno me deixa tambem com saudades.
    Amigos acreditem!!! os japoneses são os melhores carros do mundo.

    • cavevolution

      Concordo!

  • Andrex2501

    Achei esse um belíssimo texto, bem descritivo!

    Agora vo te falar que essa confiabilidade japonesa, depois do que acabei de ler, pode ser levada a sério ao extremo, pq chegar aos 380.000 km se sinais de cansaço é mto valido!

    Agora esse texto tb foi uma lição e provou que manutenções preventivas são tudo para os veículos. Com elas feitas em dia, ele pode ser extremamente duradouro.

    • Gaf1991

      Hoje tenho um outro japonês , um Lancer cvt que hoje está com 175 mil km e tem mantido a fama . Mas a minha curiosidade maior é ver se o J3 que tenho vai aguentar o tranco do civic , os 50 mil quilometros já estão chegando sem problemas , se esse Jac ficar comigo até os 200 mil sem grandes problemas vai estar de parabéns tb .

  • Pedro_Rocha

    Bons texto e carro. Parabéns!

  • AventadorMan

    Edson sei q nao tem mt haver com a matéria, mas seu C3 tem qts km? Estou te perguntando pq tenho um glx 1.4 08/09 frex heeh está com 85 mil km, e queria saber se o seu tiver mais rodado, se está td ok?? estava pensando em trocá-lo, até pelo C3 mod novo, mas usado com um preço mais justo, pois vi q vem vidro manual atrás, já brochei qd vi isso ehehe, uso o C3 para o dia a dia, sou corretor de imoveis, me supre perfeitamente, e não tenho vontade de trocá-lo ehheh, tive um glx 1.4 2004 painel bicolor e a tela central era aquela que avisava as portas abertas e tal, bancos mais bem acabados, volante melhor tb, nesse meu 2009 no centro é um reloginho sem vergonha, tecido do banco bem mais simples, volante feinho e descasca até mandei forrar de couro pra ficar mais apresentável hehe, só troquei pq tive um acidente com ele em 2008 ai acabei pegando um zero, mas e aí qq vc acha, devo ficar com o bichinho??

    • StarcraftHOTS

      Tenho um 206 1.4, se o seu for o C3 1.4, é o mesmo motor. O meu ta com 98.000 KM rodados. Sigo a manutenção à risca do manual. O motor está impecável. Eu acho que qualquer carro, se você fizer a manutenção correta, roda fácil mais de 200.000 kms.

      • cavevolution

        Até um Fiat Marea 20v aguenta com uma manutenção correta…rs

    • Cassino

      Também tenho um C3 2010 Exclusive. Comprei para minha mulher mas seguidamente estou andando com o carrinho. É o segundo C3 que compro. O carrinho é excelente. E olha que para acomodar 1,90m de altura tem que ter uma boa ergonometria no projeto. Porém Uma coisa eu notei: a cada ano que passa o fabricante está depenando mais os acessórios do modelo e baixando sua qualidade (e muito!). Digo isso porque o primeiro C3 que comprei era usado (aproximandamente 15mil km) modelo básico, mas tinha comando no volante para o rádio/CD (lamentavelmente não lia mp3), regulagem de altura dos faróis, banco de couro, e acabamento impecável. Nunca deu problema! Só gasolina e revisões. Acho que era um modelo 2004 ou 2005 ainda importado.

      Os caras qdo nacionalizam o caro, simplesmente depenam o carro, baixam a qualidade e AUMENTAM o preço!! É fato! Naturalmente que a segurança embarcada vai junto.

      Digo isso com convicção porque o mesmo aconteceu com o modelo Picasso da Citroen. Quando comprei o primeiro modelo em 2002 vinha até com carrinho de feira no portamalas, e porta ticket no para-brisas para colocar o recibo do parquimêtro, 4 air basg, motor 2.0, etc e isso que era o modelo GLX. Lamentavelmente me bateram o carro e comprei outra Picasso pq o carro era fantástico agora uma ano 2005 modelo Exclusive fabricada no Brasil. Para minha surpresa sumiu o carrinho de feira do porta-malas, sumiu o porta ticket a vareta do medidor de óleo agora era um plástico miserável (antes metálico) e outras detalhes que já não me lembro mais.

      Parece que agora nem o motor 2.0 vem nesse modelo…..

      O meu carro principal já não eh mais um frances. Estou com os Coreanos. Do primeiro Azera (2009) para o segundo (2011)já notei que essa turma tbem está usando as mesmas técnicas de "downsize" na qualidade. Sumiu o espelho retrovisor fotocrômico do modelo completo que equipava o modelo básico em 2009. Aposto que o mesmo deve ter ocorrido com a Tucson. Aliás, a Tucson no exterior é a nossa ix35. E por ai vai….

      Bueno, era isso….

      Abs

    • Edson Roberto

      Aventador, o meu tem exatos 92000km. No meu caso, é um Exclusive justamente tem tudo que vc gostaria…rs (exceto o painel bicolor)

      Olha eu não pensaria em pegar agora o modelo novo. No C3 Clube, muita gente tem tido problemas com funcionamento do motor e barulhos de suspensão.

      Quanto ao novo C3, além dos vidros manuais, tem a questão do parabrisa sem espelho. Pode parecer besta, mas eu sinto falta. Uso bem pouco é verdade, mas quando necessário gostaria que tivesse. Sobre o meu, ele tem bancos em couro mas o meu volante está descascado na parte de cima. (que é onde coloco a mão na maioria das vezes), ou seja, desgaste que considero natural para um modelo de 92000km.

      Olha, eu costumo dizer que caso o carro não esteja lhe dando dor de cabeça, o melhor negocio é manter o carro atual até realmente der algum problema. Eu só o trocaria se fosse para ter um que houvesse itens que me fariam realizar a troca pelo mesmo. Por exemplo, no meu caso, eu trocaria por um Fiesta SE ou Titanium com cambio powershift. Além de ambos os modelos terem itens que espero, haverá o cambio que evitará usar o pé esquerdo. Como moro em SP, isso me ajudaria muito.

      Não a toa, tenho usado meu Xsara que é justamente automatico…rs (mas obviamente bebe mais que o C3)

      Acho que vc deveria observar o que procura no carro e se realmente os itens que procura valem a pena "dar" seu carro para a troca. Sabemos que o valor de revenda do C3 é abaixo do normal e, comprar carro 0km representa um valor consideravel colocado para comprar. Mas acho que vc deve avaliar. (confesso que eu compraria o 208 no lugar do C3 por exemplo, se ele tivesse a opção de um cambio automatico mais moderno e opção de 6 air bags pelo menos).

  • marcfreitaz

    Melhor avaliação que li até agora!

    • Gaf1991

      Obrigado !

      • reithlerp

        Gaf1991, se tiver como me passar teu e-mail para manter contato. Me interessei muito pelos Civics EG e gostaria de algumas instruções.

        • Gaf1991

          Pergunta aqui , que assim eu ajudo a todos com as suas perguntas .

      • KzR

        Eu também devo dizer o mesmo. Mesmo que o texto seja extenso e nesse caso foi muito bom. Um relato bom de ler do início ao fim. Não sei se é porque o narrador narrou bem ou porque os personagens eram bem tipo heroicos ou ambos hehehe.

  • Felipe

    Consumo muito bom esse, de outro mundo, no caso do Brasil.

    Realmente o Honda Civic é um carro muito bom, são aqueles veículos do tipo que não te dão canseira como outros. Causou uma "revolução" entre os sedãs médios quando chegou o modelo nacional no fim da década de 90.

    Parabéns pela sua aquisição!

    • Gaf1991

      Isso é verdade . Mas acredito que o consumo esteja muito aliado , principalmente em estrada a 3 fatores : A excelente aerodinamica , nem grade dianteira para aprimorar a aerodinamica essa série do Civic tinha , o motor pequeno , ele era 1.5 16v e o cambio automatico extremamente longo , que a 110 km-h girava a 2400 giros , algo baixissimo .

  • Ivan_Correia

    21km/l na estrada?? Sei não hein…

    • cavevolution

      Não duvido disso amigo. É econômico mesmo. Só quem tem um Honda sabe disso. As vezes é tão economico que você nem se lembra qual foi a última vez que abasteceu o carro…rs

    • Marciomaster

      Só na mão dos outros, comigo nenhum carro faz isso, se fizesse não contava ….. Sei não too

    • Meu tio já fez 19km/l num Mille. Depende de muitas variaveis.

      • KzR

        E olha que o civic é bem mais aerodinâmico que o mille, embora também seja mais pesado. Talvez um fator compense o outro e a gestão do piloto automático permita tal consumo.

  • RicLuthor

    Parabéns pelo zelo ao carro e pela mentalidade. Conheço muita gente que iria dizer: "carro velho, já gastei com manutenção (mesmo sendo só preventiva) mais que o valor dele…". Aí iria comprar um 0 km (na maioria da vezes 1.0), com o mínimo de equipamentos e que já perde 20% do valor ao sair da concessionária e ainda ter que ficar refém dos altos valores das peças e da mão-de-obra cobrados pela revenda autorizada por conta de não perder a garantia.

    Se os mecânicos das concessionárias ganhassem 30% do valor cobrado pela hora da mão-de-obra, todos eles teriam uma vida bem confortável e seriam altamente capacitados para realizar qualquer tipo de serviço nos veículos.

  • fabioalisson

    Excelente texto! Parabéns pelo carros e pelo cuidado dedicado a eles. Mas realmente, rodar 400 mil km com o motor lacrado, só com as manutenções básicas praticamente é de se admirar, e não é para qualquer carro e como o próprio autor falou, os próprios Omegas não chegaram nem perto dos Civics em durabilidade.

    Há um caso de um americano que rodou 1.200.000 (um milhão e duzentos mil) km em um New Civic 2006, em 5 anos. Substituiu o motor original aos 550 mil km, mas este ainda não havia quebrado.

    São casos como este que me fazem gostar mais do meu Civic, que atualmente está com 30 mil km, e não devo trocá-lo antes dos 100 mil km.

    • Gaf1991

      E seu Civic se cuidar bem dele , ele ainda nem chegou a um décimo do que ele pode rodar !

  • Fellipe

    O Civic até 2006 era bom, àquele 1.7L era bom, infelizmente somente quem tem contato com oficina sabe que os i-Vtecs 1.8 e 2.0 dão muito trabalho e muitos problemas, coisa que era quase inexistente nos 1.7 na primeira geração D17Z2.

    Os "New Civcs" tem melhores acabamentos e melhores desempenhos, mas infelizmente gostam de uma oficina, um pecado capital para essa marca no Japão, mas sucesso no mundo… estranho não?

    Belo relato! Meus Parabéns

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • RicLuthor

    A alta durabilidade e qualidade construtiva dos Civics e Corollas (e demais carros da Honda e Toyota) se deveu/deve nada mais nada menos há disciplina e alto nível de exigência das suas fábricas, funcionários, fornecedores… e a vontade/necessidade de ingressar em especial no mercado americano. O americano médio é um cidadão bastante conservador e nacionalista, imaginem isso há décadas atrás… Para os carros japoneses vingarem por lá, eles tinham que ser muito bons, muito bons mesmo.

    A prova disso é que estão lá até hoje e fazem enorme sucesso, já outras marcas que não tinham o mesmo padrão de qualidade, a exemplo de FIAT, Peugeot e outras… deixaram o mercado e hoje sofrem duras penas ao tentar retomar qualquer tipo de comércio por lá.

    Alguém aí já viu o episódio do programa Top Gear no qual Jeremy Clarkson põe a prova uma antiga Toyota Hilux ?
    http://www.youtube.com/watch?v=xnWKz7Cthkk‎

    Ou um onde o trio do programa usa uma Toyota Hilux mais moderna, preparada para circular na neve ?
    http://www.youtube.com/watch?v=t2MbZfRh4CA

    Carros duráveis e de "baixo custo" são Honda e Toyota, já no leque dos carros mais caros são Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche.

  • CharlesAle

    Essa foi uma das melhores avaliações de"opinião do dono"que já li,não foi de fanboy como o do punto,e nem de quem vê pelo em ovo como o do Ka,sobre o Omega GLS,aquilo realmente foi uma das maiores bombas já lançadas pela GM,já o ômega CD 3.0 e 4.1 são excelentes,Civic é excelente em durabilidade,mas esses muito antigos,como já estão muito rodados e muito tempo fabricados,hoje eu não encarava-os devido ao altíssimo preço das peças,mas que são excelentes,isso são….

  • sheldonmendes

    O conteúdo o texto está ótimo……

    Mas achei muito confuso, uma hora fala de civic, outra de omega, volta pro civic 2, e depois pro 3, e volta pro 1. euaheuahue

    • cavevolution

      Reparei nisso também, porém um belo testemunho sobre carros da Honda.

  • Eugenio C.

    Agora pensa… Imagine a situação de quem mora em uma das 5 mil cidadezinhas de interior desse país afora. Há lugares em que nem mexer em carro com injeção o mecânico sabe…

    • Gaf1991

      Por exemplo em Unaí que eu vou demais , não há um mecanico atualizado para mexer nesses carros , alias qualquer carro atual , com injeção , não conseguem mexer . Só mecanica diesel é que eu tenho mecanico fixo só para cuidar dos caminhões e maquinas da fazenda .

  • Fer P

    parabens! os hondas são carros excelentes mesmo conheço pessoas que andam de city no barro e terra diariamente sem maiores problemas, só lavar e encerar ta novo!
    mas pô sair de um omega australiano pra um accord, devia ter pego outro omega

    • Gaf1991

      Olha sendo sincero , um Accord V6 é muito mais carro que o Omega australiano , começando pela economia .

  • anderson_sp

    Estes Civics antigos tem fama de serem guerreiros, mas hoje em dia é bem difícil achar qualquer exemplar 92 a 94 inteiro sem ter que fazer algo, um VTi 160cv 96 então…é mais fácil achar uma nota de R$ 100 dando sopa na rua do que um sem ter sido xunado ou depreciado de algum jeito.

    • Gaf1991

      Exatamente ! Depois daquela moda do velozes e furiosos , 90% desses carrinhos foram demolidos em xunnings , modificações que ferraram o motor , batidas e afins . Eu que tive o prazer de dirigir um Vti na década de 1990 , posso dizer : Que delicia de carro !

    • cavevolution

      É verdade meu amigo. É difícil achar um modelo desses anos impecáveis a venda. Na internet está cheio de Civic VTI e CRX VTI tunados. Dá impressão que um elefante defecou sobre eles, uma pena.

  • agnaldodlanga

    Esse carro está impecável, maldita mania das pessoas acharem que um carro é só andar e pronto, se esquecem de fazer qualquer tipo de manutenção, judiam do carro e revendem a um preço muito chamativo. Coitado de quem compra!

  • StarcraftHOTS

    Eu não entendi como você se desfez do Civic. Disse que o motor do Accord fundiu, mas q q o Civic tem com isso?

    • Gaf1991

      Perdi a confiança no mecanico , que era o mesmo do Civic . E como preciso do carro funcionando perfeitamente , não posso ficar no meio da rua com o carro . E não tinha outro mecanico para tratar do carrinho , ai preferi trocar por um novo , que mal ou bem tem a garantia e se der besteira a fabrica é obrigada a cobrir .

      • gmdacosta

        Boa avaliação, mas fiquei curioso para saber quanto voce gastou de manutenção. Voce comprou o carro com 82 mil kM e utilizou até 380 mil Km. Fez quantas trocas de pneus? A que custo total? Pastilhas de freio, amortecedores, etc? Substituição de alguma peça? Ar condiconado por exemplo. Ou seja, quanto te custou para rodar estes 300.000 km? Por quanto comprou o carro e por quanto vendeu?

        • Gaf1991

          Você pode botar que nesses 300 mil km , isso eu tenho exato o gasto de 8500 reais em peças e manutenções , fora a revisão pós compra dele que foi de cerca de 3000 reais na época . Trocas de pneus a cada 60000 km , ou seja foram 4 , pois quando o vendi ele já estava na época de trocar os pneus novamente . Sistema de ar condicionado só foram 3 cargas de gás , cada uma a cada 100000 km , suspensão após a revisão geral de quando eu comprei nunca deu grandes problemas , nunca tive por exemplo amortecedores estourados nesses 300 mil km , fato muito louvavel , principalmente num carro importado . Eu tenho que ver as planilhas dele que não estão aqui comigo , pois tinha tudo descrito nelas , mas o que eu posso afirmar com certeza é que nenhuma peça foi trocada fora do cronograma das revisões originais , porque todas elas era eu quem comprava pelo rock auto e pelo ebay e só dava ao meu mecanico para que ele fizesse o serviço indicado . Eu o comprei na época por 9500 reais , foi vendido por 8500 na troca pelo j3 . Para mim carro não é investimento , é um mero bem de consumo , então pela confiabilidade eu acredito que valeu muito a pena eu ter tido esses carrinhos . A mesma coisa já prevejo para esse lancer que tenho hoje , esse j3 , o lancer com 175 mil ainda falta muito para eu troca-lo , mas no momento em que eu for troca-lo já sei que pela quilometragem vai perder valor assutadoramente . Então não tenho como escapar dessa sina , visto que preciso muito do carro .

    • RicLuthor

      Ele perdeu a confiança no mecânico que mexia nos seus carros (que foi o responsável pelo motor do Accord ter fundido), e como até então não encontrou um bom mecânico para cuidar dos carros mais antigos…

      • cavevolution

        Como os motores da Honda geralmente não dão problema, a marca não precisou treinar pessoal. Com certeza esse mecânico não seria exceção…rs

  • pedro henrique

    cara, Honda, Toyota é garantido as únicas coisas(quase únicas) que tu tem que fazer é as revisões e trocas de oléo/filtro porque já são quase lendas no quesito mecânica, carros japoneses sempre tiveram essa qualidade…

  • msEdiomar

    olha,o meu relato de motorista é de um uno mille eletronic 94,não era meu mais usava no meu trabalho,rodei com esse carro 360.000km até fazerem o motor a primeira vez,estava fumando um pouco na época,rodei mais 40.000km e depois o chefe vendeu,trocou num mille economy,hoje ainda vejo rodando esse carro aqui na praça,e pasmem,está com cerca de 500.000km,durabilidade não depende só de marca,depende mais do motorista e manutenção em dia.

    • Gaf1991

      Mas depende do carro também , olha eu tive isso entre 1994 e 1999 um Omega gls que havia tirado zero km , respeitava todo o cronograma de revisões e o carro era uma bomba ! Toda semana quebrava .

  • diogo_rs6

    Cara, que relato fantástico!

    Sei desta experiência com os carros japoneses. O meu carro atual é justamente o concorrente do teu Civic na época: um Nissan Sentra GSX 1.6 16V também automático. E curiosamente muito do que você relatou no teu Civic o Sentra também tem, desde o acabamento impecável, o excelente motor, durável e econômico (embora o meu faz 8,5km/l) e principalmente o prazer de dirigir estes carros. Segue foto dele

    <img src="https://fbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-snc7/426658_434200973286053_846740184_n.jpg"&gt;

    • Gaf1991

      Legal ! Eu não pude continuar com ele , por não ter mais confiança nos mecanicos de rua comuns sabe , por enquanto ainda estou sentido pelo que aconteceu com o Accord que tive , pois gostava tb muito daquele carro . Mas puxa se tu tens um mecanico de confiança para mante-lo , isso é um carro para sempre , porque esses carrinhos simplesmente não quebram ! E parabéns pelo seu que ainda está com as rodas originais !

      • diogo_rs6

        Não apenas as rodas são originais, até o toca-fitas é original…. =)

        • Gaf1991

          Os meus tb tinham , o lsi que eu tive antes desse lx tinha até disqueteira original na mala !

    • cavevolution

      Os carros japoneses são D+!

    • flamm

      Que legal…

  • Gaf1991

    Isso é verdade .

  • Bamlws

    Uma dúvida, nunca pensaste em utilizar gnv aqui no Rj? Digo isto pois trabalho com isso, tenho um Opala e um i30, os dois rodando com gnv…

    Abs e parabéns pelo belíssimo relato.

    • Gaf1991

      Nunca tive carros com gnv e não é preconceito não , meu filho comprou um Monza com isso e o carro parece uma tartaruga . E como precisava da confiabilidade do motor e para respeitar as trocas peças certas pelo cronograma do manual de manutenção , tb evitei instalar isso , e como esses motores são muito economicos , não achei necessidade nisso .

  • cavevolution

    Parabéns pelo belo cuidado com os seus carros, em especial este LX 1993, que está impecável nas fotos. Tenho atualmente um LX 1.6 16v 106cv MT 2000 e estou muito satisfeito com ele. O consumo dele é fantástico, faço média 13km/l na cidade com ele. Os únicos pontos negativos na minha opinião desse modelo é a fragilidade da bucha do facão da suspensão traseira e o tamanho do porta-malas. Tinha trocado ele por um Chevrolet Classic 1.0 2011 pelado com meu pai. Não aguentei muito tempo com o Classic e destroquei pelo Civic, pois tinha me acostumado com os luxos do Civic e principalmente com o consumo. O Classic, apesar de ser 1.0, bebia mais gasolina que o Civic. Dando uma nota para o meu Civic, dou 8.

  • Lexus GS300

    Interessante é o mesmo leitor que fez um relato sobre a compra de seu J3 no link abaixo. Bom saber a experiência desse nobre leitor sobre o carro. E com o J3 agora já da para saber como se comportará o chinês.
    https://www.noticiasautomotivas.com.br/carro-da-se

    • Gaf1991

      Quando o j3 pedir as contas vou postar aqui os relatos dele , mas acho que eu vou ficar com ele mais um bom tempo apesar do cambio manual .

  • cavevolution

    Alguém se lembra do Honda Civic VTI 1993 hatch e Civic Sedan LX 1.6 16V AT 2000 que passaram pelo teste de 60mil KM da Revista Quatro Rodas? Foram muito bem elogiados no final de percurso.

  • Vinicius

    Engraçado ele ter citado instabilidade em marcha lenta e queima de óleo. Tenho um Focus Automático 2004 e ele está com essas duas coisas. O pior é ter deixado em vários mecânicos e nenhum descobrir. Alguem ai sabe ou imagina o que pode ser?

  • Wow02

    Muito bom o relato! eu era apaixonado nesses civics… lembro que implorei para o meu pai comprar um… maravilhoso!!
    Senti falta apenas de uma foto do interior do carro…
    Abs

  • Gaf1991

    Engraçado vc falou em mazda , essa semana vi 2 miatas , um azul e um preto coisa que já não via há muito tempo !

  • BrunoMulsane

    Bom, não sei de onde sai tantos relatos de motor forte e blá blá blá. Eu tive um honda ex 96 tirado zero pelo meu pai e depois ficou pra mim, não como carro principal, mas para adar de vez em quando. O carro era tratado a pão de ló. Só peças originais honda, por sinal caríssimas em comparação com outros concorrentes. A suspensão do carro é boa e confortável, até mais que nos modelos novos, mas não é robusta, o carro arria com o tempo. O motor do meu civic fundiu com 130.000km. Gastei quase R$4.000 para refaze-lo todo. Isso pq fazia a manutenção corretíssima, como no manual e na css honda. Alguns meses depois o cambio começou a patinar e para meu azar, tive de faze-lo também. Mais R$4.200. Total de R$8.000 em apenas 4 meses. um amigo também possui o modelo, só que brasileiro 1998 e lx. O motor fundiu também com 140.000km. Coincidências a parte, mas o carro não é isso tudo. Dá problemas sim e as peças são caríssimas, ainda mais para quem ganha pouco, não serve. Não indico o carro. Se quer um carro velho e automático, busque um santana, monza ou versailles. São tão confortáveis quanto, mas são baratissimos de manter. E para quem escolhe um carro velho como esse para andar, não deve se muito abastado.

  • kikofar

    Esses carrinhos japas dessa primeira fase dos anos 90 são ótimos. Sem falar que esse desenho do Civic é muito futurista, um desenho limpo, esportivo… Sem falar no centro de gravidade baixo, coeficiente aerodinâmico idem, motor e estrutura do carro feitos pra durar (visando conquistar o mercado americano!)… Enfim, show de bola mesmo!!!

    Um colega meu, ex-chefe de mecânica de concessionária Honda, tem um Civic hatch, automático, com teto e piloto automático. O carro dele é conservadíssimo, é segundo dono. Recebe propostas pelo carro toda semana. No clube do Civic daqui do DF ele até parou de ir, porque era caboclo querendo trocar/comprar direto, insistentemente. Chegava a ficar de mau humor! rsrsrs

  • André Versiani

    Tive um Corolla 2000 que me deu muitas alegrias, excelentes carros mesmo, os japoneses são muito bons nestes sedãs médios.Parabéns pelos seus Hondas e pela sua dedicação na conservação deles, eles merecem.

  • Adriano_Silva

    Matéria muito legal, serve alem de tudo para reafirmar uma das principais características dos carros japoneses, RESISTÊNCIA.

  • Fabio D.

    Tô chocado com a durabilidade desse carro… Eu sempre soube que o carro é resistente, mas não a esse ponto!

  • Ilan

    Toyota e Honda (em especial Corolla e Civic) são imbatíveis em durabilidade. Se fizer a manutenção correta, o carro não enche o saco. Meu pai tem um Corolla há anos e sempre aconselho a não trocar. O tio da minha esposa tem um Civic e é o mesmo caso. Eu gosto do Corolla, teria um da primeira leva nacional (sem aquela frente com grade de colmeia), porém 1.8 16V automático, são carros confortáveis, o câmbio é excelente e o desempenho me agrada.

  • KzR

    Parabéns pelo relato. Ainda não conclui mas estou gostando bastante.

    E aproveito para dar os parabéns pelo tão grande zelo que você teve com seus carros, principalmente com manutenções programadas e medidas preventivas. Algumas que eu mesmo sei que são necessárias mas as vezes nem ligo muito, já que prefiro dar enfoque aos cuidados principais. Simplesmente fiquei com muita inveja rsrs e muito admirado de sua impecável organização no tratamento dos civics. Perfeito. Os carros já são duráveis e resistentes. Com esse tratamento vip eles podem durar mais 400 mil quilômetros tranquilamente. O fato de os civics serem automáticos e bastante econômicos também me surpreendeu muito, ainda mais para um consumo em estrada de excelentes 21 km/l mesmo com a ajuda de piloto automático.

    Vou tomar sua experiência como exemplo. E me ficou bastante sólido a durabilidade de certos modelos japoneses, em especial os civics dos anos 90, em detalhe a série EG.

  • KzR

    Concordo contigo, ainda mais no final: Mercedes-Benz, BMW, Land Rover e Porsche. Disse tudo.

  • Gaf1991

    Obrigado ! Eu não consigo entender com tanto avanço da tecnologia , os civics terem se tornado muito gastões frente ao que eles eram . Como esse motores 1.7 , 1.8 e o atual 2.0 são motores que teoricamente trabalham mais soltos com cambios automaticos de 5 marchas , deveriam ser mais economicos em velocidades de cruzeiro né . O 1.5 16v junto da caixa automatica de 4 marchas muito longa conseguia um consumo excelente , fora a aerodinamica excepcional dessa série com um arrasto minimo , nem grade eles tinham para facilitar a penetração no ar , a suspensão bem baixa , isso tudo são fatores que trabalham muito em cima do consumo tão bom desses carros , e tinha um Civic americano dessa geração que tinha um consumo ainda melhor , senão me engano era o Civic VX , que tinha o comando vtec-e para economizar combustivel , aliado ao mesmo cambio automatico de 4 marchas , mas o vx nunca veio ao Brasil . São grandes carros ,s e você tiver um bom mecanico e seguir o manual de manutenções é um carro para sempre .

  • KzR

    Também não consigo entender tamanho gasto de combustível. E o pior, muita gente que compra o New Civic acha razoável. Nem se compara aos antigos.
    Suponho que o peso maior e a altura maior sejam os grandes vilões, mas não descarto o câmbio. Este mais novo pode ter 5 marchas, mas deve se conferir a relação de marchas, que pode ser bem mais curta que a antiga de 4 marchas. O gosto do brasileiro médio de resposta mais rápida acaba influenciando num consumo maior de combustível.

    Os Civics antigos eram bem baixos. O EK é ainda bem baixo. A geração seguinte já ficou um pouco mais alta. E imagino como o V-tec fazia bem ao Civic VX.
    E como você diz, bem cuidados, são carros para sempre.

    Abs.

  • levi sarubo

    tenho um ex 99 aut. gosto muito dele ja com 182mil rodados o motor esta filé ainda, parabens pelos comentarios dos civics

  • Gabriel Prado

    Cara, qual a magica? o meu civic mesmo modelo faz 7 na cidade e 10 na estrada

  • Dionathan Dias

    Boa tarde. Estou interessado em comprar um no momento. Civic Sedan EX 1.6 Automático ano 95. Será que não me dá dor de cabeça? Sempre quis ter um. E acho lindos.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend