Peugeot 208 – defeitos e problemas

Peugeot 208 - defeitos e problemas

Peugeot 208 é um hatch compacto que é apreciado pelo acabamento, visual e conteúdo, mas que, assim como outros produtos da marca francesa, sofre com a desvalorização devido à imagem da mesma. Ainda assim, muitos clientes gostam do carro, mas ele não escapa de ter defeitos e problemas recorrentes.


Lançado no Brasil em 2013, o Peugeot 208 sucedeu o desatualizado 207, trazendo um design mais sofisticado, luzes diurnas em feixes de LED, teto panorâmico, iluminação interna em LED (no começo), painel i-Cockpit com cluster acima da direção elétrica, volante ovalizado e acabamento com texturas, cores e tecidos de aparência melhor.

Entretanto, o Peugeot 208 começou com o velho motor 1.5 (1.4 atualizado), tido por alguns donos como gastão, assim como 1.6 e câmbio automático de 4 marchas, do qual muitos criticam por sua limitação. O hatch evoluiu e trouxe o Puretech 1.2 de três cilindros e o 1.6 THP Flex na empolgante versão esportiva GT.

Nestes dois últimos, donos reclamam do câmbio longo demais no primeiro e problemas de direção no segundo. O 208 ainda ganhou câmbio automático de seis marchas. Abaixo, alguns relatos falam ainda que o Peugeot tem ruídos internos, especialmente no teto panorâmico e porta do motorista, acabamento com defeito e câmbio manual barulhento, entre outras queixas.

Peugeot 208 – defeitos e problemas

Peugeot 208 - defeitos e problemas

Entre os defeitos e problemas do Peugeot 208, barulhos e ruídos internos são recorrentes. Num Peugeot 208 GT 2017 de um cliente da marca, apresentou barulhos internos e no painel, que foram trocados em garantia com 25.000 km.

Ainda teve a caixa de direção trocada por motivo de ruído. Os sensores de estacionamento pararam de funcionar e foram substituídos na garantia. Câmbio raspa entre as marchas,. segundo do proprietário.

Outro caso teve ruído na caixa de direção, mas foi resolvido na garantia do 208 GT 2017 com 12.000 km. O esportivo é elogiado pela mecânica e performance, além do visual e conteúdo, mas alguns detalhes incomodam, especialmente no acabamento.

Noutro 208 GT 2017 com pouco mais de 20.000 km, foi preciso reparar a multimídia, que havia parado de funcionar. O cliente elogiou a concessionária nesse caso, mas disse que a marca parecia não ter a mesma reciprocidade. Dono reclama que materiais são bons, mas riscam fácil e que, apesar do encaixe adequado das peças, existe ruído interno.

Nas versões mais simples, os proprietários reclamam de outras coisas. Um câmbio barulhento foi apontado no Peugeot 208 1.5 2015 com 38.000 km. Num 208 2014, o dono reclama que o câmbio não tem engates precisos e as marchas não entram, gerando ruído também.

Outros também reclamam do câmbio manual, especialmente em relação à mudança entre segunda e terceira marcha, assim como da sincronização da segunda. Também falam que os engates não encaixam e que o curso da alavanca é bem longo. Ele é apontado por alguns como muito ruim também no Peugeot 208 1.2.

Pneus e consumo

Peugeot 208 - defeitos e problemas

Entre os defeitos e problemas apontados, estão pneus trocados com 40.000 km num 208 1.2 2017, mas em outro 208 1.5 2014 com 47.500 km, as bandejas dianteiras e mais os pneus tiveram de ser trocados com 45.000 km.

Num Peugeot 208 1.6 2014, as pinças de freio faziam barulho, assim como os rolamentos traseiros. O banco do condutor tinha um defeito na espuma, mas todos os itens foram trocados na garantia antes dos 70.000 km. O cliente elogiou o atendimento da assistência técnica.

Ruídos na bandeja da suspensão dianteira, que foi trocada junto com os dois amortecedores dianteiros aos 72.000 km no 208 1.5 2014. Um proprietário reclamou que o pedal de freio tinha sensor que dava como acionado e então o piloto automático não atuava corretamente, mas que fora trocado na garantia do 208 1.6 2014. O trambulador com engates lentos e barulhentos também foi apontado pelo dono.

No caso do consumo, o velho 1.5 é criticado. Ele bebe muito no etanol, segundo um proprietário, fazendo de 4,7 a 5,8 km/l. Mostrando a discrepância entre os combustíveis, o proprietário disse que, com  gasolina, o 208 faz de 8,5 a 10 km/l. Outro reclama de consumo em 6,5 km/l na cidade com etanol com este propulsor. Mais um diz que o consumo alto no 1.6.

Em um 208 1.6 AT 2014, a espuma lateral do banco do passageiro cedeu com 51.000 km. Noutra versão igual, mas com 36.000 km, um dos alto-falantes veio com 2 parafusos, mas um caiu e o barulho interno era alto ao passar por piso irregular. Na revisão de 30.000 km, todos os 4 parafusos foram colocados, resolvendo o problema.

Um 208 1.5 2015 teve alguns problemas antes de 15.000 km, sendo um deles o motor do vidro elétrico da porta dianteira, não especificado qual delas. Mas, o pior foi o “calculador”, ficando o carro mais de 4 meses na oficina da Peugeot, esperando pela peça.

Bagageiro e porta do motorista

Peugeot 208 - defeitos e problemas

Alguns donos reclamam que a tampa do porta-malas é difícil de fechar. Um relato fala que mesmo batendo a tampa, o alerta do mesmo como aberto, aparece no painel. Outro disse que a revenda informou ser uma característica do produto.

Mas, o relato que mais domina a internet em relação aos defeitos e problemas do Peugeot 208 é a porta do motorista. Vários relatos falam que a entrada do condutor apresenta ruídos durante a condução, sendo que alguns donos apontam para o alto-falantes como causa do barulho.

Outros falam que se trata do sistema de alarme. Um dos donos teve o carro retido por 5 dias na concessionária para resolver a questão da porta.

Teto panorâmico

Peugeot 208 - defeitos e problemas

O teto panorâmico do Peugeot 208 é, sem dúvidas, um dos principais atributos do hatch francês, que realmente não tem equivalente no mercado nacional em sua faixa de preço. Entretanto, não são poucos os relatos de ruído no vidro fixado sobre a cobertura do habitáculo.

Um dos proprietários do 208, fala que o ruído ocorre mais quanto o carro está inclinado. Outro disse que foi necessária a reposição de um item não especificado do conjunto.

Noutro caso, o dono falou especificamente da cobertura interna móvel, lembrando que ela é manual no 208 e elétrica no 2008. A partir do modelo 2015, o item teria roldanas antivibração, resolvendo a questão.

Palheta do limpador

Vários relatos falam sobre um defeito na palheta do limpador do para-brisa, que não sobe em caso de funcionamento. O problema estaria no fato da mesma pegar na parte interna do capô, prendendo ou mesmo avariando a haste. Alguns donos recorreram à rede Peugeot para resolver o problema.

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.