Manutenção SUVs Toyota

Toyota SW4 – Defeitos e problemas

Toyota SW4 - Defeitos e problemas

A Toyota SW4 é um SUV derivado de picape (Hilux) que faz bastante sucesso no mercado nacional e é um dos modelos de maior prestígio entre os proprietários, sendo considerado um veículo robusto e com confiabilidade mecânica, bem como de depreciação muito baixa. Mas, será que tem defeitos e problemas diante de tudo isso?


Conhecida como Fortuner no mercado mundial, a SW4 surgiu globalmente em 2004 e já está em sua segunda geração, embora o modelo anterior fosse derivado da Hilux também, mas relacionado com o 4Runner, que ainda existe no mercado americano.

A SW4 da primeira geração tinha motor diesel 3.0 com 163 cavalos e recebeu duas transmissões automáticas, sendo a primeira com quatro marchas (criticada por limitar o desempenho) e cinco velocidades, em modelos mais recentes. Também tinha motor V6 4.0 de 238 cavalos e câmbio automático de cinco marchas.

O 2.7 Flex (com até 163 cavalos) também é criticado nas duas gerações. A segunda, lançada em 2016, ganhou o novo motor GD 2.8 de 177 cavalos, mas reteve o 2.7 Flex, excluindo no começo o V6 4.0, que foi inicialmente oferecido. Mas o que os donos reclamam?


As queixas são maiores em relação ao acabamento, considerado fraco, bem como a falta de alguns itens de segurança (geração anterior) e rusticidade, sendo por alguns, considerada um veículo de trabalho disfarçado para lazer. Manutenção e peças caras, instabilidade, preço alto, infiltração de poeira, seguro elevado, desgaste excessivo de freios, etc.

Toyota SW4 – Defeitos e problemas da geração atual

Toyota SW4 - Defeitos e problemas

No modelo atual, por ter pouco tempo de mercado, poucos donos relatam problemas, mas alguns deles passam verdadeiros apuros não só com o produto, mas também com a rede autorizada da Toyota. Entre os defeitos e problemas relatados, a SW4 é considerada fraca com motor 2.7 Flex, que também tem consumo elevado.

Alguns dizem também que a multimídia é ruim, mesmo sendo a Toyota Play, que chega a ter hot spot Wi-Fi e TV digital. Um proprietário reclamou da boia do combustível, que foi trocada duas vezes na SW4 Flex 2.7 AT 2014 com 124.000 km.

Outra SW4 2.8 SRX 2017 com para-choques em tom de prata diferente da carroceria, gerou queixa do dono, antes mesmo de tirar o carro da concessionária. Em outro caso, a folga na direção hidráulica sem solução na rede Toyota e um ruído no sistema de som da SW4 2.8 2016 com 162.000 km, deixou seu proprietário bem irritado.

O mesmo ainda relatou na internet que havia barulho no painel e que a troca de amortecedores da tampa traseira foi feita na garantia. O cliente pediu laudo técnico que apontou falha grave na caixa de direção. Após muito reclamar, a Toyota decidiu resolver o problema.

Defeitos de pintura na SW4 2019 zero km, fizeram com que o cliente não tirasse o carro da revenda até ter o problema resolvido. Outro apontou má vedação com entrada de poeira e a concessionária não resolveu o problema, deixando ainda resíduos dentro do veículo.

Eixo atravessado

Toyota SW4 - Defeitos e problemas

Em pleno século 21, casos como este abaixo, mostram que as revendas e seus funcionários continuam despreparados para certas ocasiões, onde um cliente pode levar defeitos e problemas de produtos e serviços para muita gente, especialmente com a ajuda da internet.

Numa SW4 SRX 2019, o proprietário relata que o veículo “perdia estabilidade em curvas e não andava em linha reta”. Na revenda, a oficina verificou o alinhamento da suspensão dianteira e o cliente pediu para verificar o eixo traseiro, que estava totalmente desalinhado, com folga de “4 dedos” de um dos lados e “3” no outro.

O proprietário ainda comparou seu veículo com outras três SW4 que estavam no local e os funcionários responderam de forma irônica, alegando que jamais a Toyota entregaria um carro com “eixo atravessado”. Foi recomendado que seguisse assim com o veículo. Indignado pela atitude do revendedor, ele procurou outro.

A SW4 2019 deste caso teve o problema identificado em outra revenda, onde 7 cm de diferença geral foram detectados, mas nada foi feito. O cliente pediu um laudo pericial que apontou o conjunto desalinhado, mas a Toyota não reconhece o problema e nem o laudo de “terceiros”, mas disse que repararia os defeitos apontados, que incluem também desgaste 50% maior dos pneus. Não sabemos se o eixo foi corrigido.

Toyota SW4 Antiga – defeitos e problemas

Toyota SW4 - Defeitos e problemas

Tida como um carro que pouco quebra, a Toyota SW4 da geração anterior também acumula reclamações de defeitos e problemas, naturalmente em maior quantidade. Um relatado fala de turbina condenada aos 70.000 km na SW4 SRV 3.0 AT 4×4 2012.

Outro proprietário diz que o modelo tem sistema de som e navegador ruins, bem como é instável em cascalhos. Aliás, muitos falam que a suspensão é macia demais, chegando a prejudicar a estabilidade e a segurança.

Nesse ponto, também comentam sobre ausências, tais como controle de tração e estabilidade, mesmo num carro que para alguns custou quase R$ 200.000. Um deles diz que o conjunto é “mole e instável”.

Também relata que o acabamento é ruim na SW4 SRV 3.0 2013, onde os apliques imitando madeira saem com facilidade e os materiais são mal encaixados e desalinhados. O veículo em questão só tinha 29.800 km rodados.

Outro fala em bancos em couro sintético que desgastam rápido na SW4 SRV 3.0 2010, que ainda teve cruzeta da suspensão trocada aos 12.000 km e a bateria aos 80.000 km.

Também um fala de cinto de segurança que faz barulho e banco do passageiro rangendo, bem como troca de retentor da tração dianteira na garantia da SW4 SRV 3.0 AT 4×4 2013, que estava com 90.000 km.

Variador do turbo falhou e substituição das ponteiras do terminal de direção aos 85.000 km, ocorreu na SW4 SRV 3.0 AT 4×4 2008, segundo seu proprietário.

Ainda na parte mecânica, um diz que sua SW4 SRV 3.0 estava com folga leve na direção, amortecedores dianteiros trocados aos 90.000 km, embreagem aos 125.000 km, pivôs da suspensão dianteira aos 150.000 km. O dono ainda considera que os mesmos foram normais para um veículo desse porte.

Outro que apontou defeitos e problemas, mas se conformou foi o dono de uma SW4 SRV 3.0 2013, cujos freios dianteiros estavam com ruído. Ocorreu também a troca de buchas das barras de sustentação para eliminar tendência de instabilidade da traseira em frenagens. O custo mencionado foi de somente R$ 8,00 por peça. Ele disse ainda que o painel fazia barulho.

Turbina fazendo “bico”

Toyota SW4 - Defeitos e problemas

Além do caso já mencionado de turbina quebrada, outros donos mencionaram defeitos semelhantes e também acompanhados de avarias nos bicos injetores, que alguns consideram como um problema crônico da SW4 da geração anterior, pois os mesmos não suportariam a má qualidade do diesel nacional.

Um dos relatados falam de uma turbina que estourou e um bico danificado aos 50.000 km e faltando 3 meses para acabar a garantia. Após o conserto na garantia, a mesma venceu e agora outro bico deu problema. Proprietário está indignado.

Numa SW4 3.0 2013, os bicos injetores foram trocados duas vezes no primeiro ano de uso. Outro fala de bicos injetores trocados duas vezes em 45.000 km em sua SW4 3.0 2014.

O proprietário de uma SW4 SRV 3.0 2006, diz que houve perda de potência e limitação a 140 km/h com luz de advertência acesa, mas que foi só desligar, e o motor voltou ao normal. Troca dos anéis de vedação dos injetores devido presença de fumaça branca no escape, foi um problema solucionado. O veículo estava com 240.000 km.

Mas, noutra SW4 3.0, a turbina deu problema e o SUV esperou seis meses por uma nova. Após vencer a garantia, os bicos deram defeito novamente. Depois de dois meses do serviço feito, voltaram a apresentar o mesmo problema. O cliente já pagou R$ 14.000 em custos e despesas com carro alugado.

O mesmo problema de falta de potência com solução ao religar o motor, ocorreu com a SW4 SRV 3.0 AT 4×4 2013 com 83.000 km, que não teve nenhum sinal de defeitos e problemas em análise da concessionária. Na volta para casa, o veículo parou e foi rebocado.

A revenda disse que existia presença de água no óleo e o serviço ficou em R$ 12.300. O cliente questiona que na análise da concessionária, não foi informado que havia água no óleo. O mesmo ainda relatou que o volante estava com vibração, discos de freio com empenamento e bicos injetores problemáticos no carro em questão.

Outro disco empenado apareceu também numa SW4 SRV 3.0 2009. Já um dono falou que troca de cilindro mestre de freio, substituição de embreagem e ar condicionado sem gás foram os únicos defeitos até 165.000 km em sua SW4 3.0.

Falando em custo, um dono deu uma dica: Sua SW4 SRV 3.0 AT 2007 teve que substituir o alternador aos 78.000 km e amortecedores da tampa do bagageiro também tiveram que ser trocados aos 84.000 km, mas com cada um custando R$ 110 na internet contra R$ 450 na rede Toyota.

Sobre consumo alto no motor 2.7 com gasolina, um proprietário de SW4 Flex anterior disse estar fazendo 9,5 km/l na estrada. No diesel, consumo urbano de 7,5 km/l e rodoviário em 11,5 km/l, foi relatado por outro. Há também quem reclamasse da multimídia com CD player travado e com 2 discos dentro na SW4 SRV 3.0 2011.

Como se vê, muitos dos defeitos e problemas já são conhecidos pelos donos de Toyota SW4, que mesmo assim, em sua grande maioria, preferem enfrenta-los do que apostar em outro veículo do segmento. Mesmo com preços de compra irreais, muitos consumidores buscam a fama do produto para evitar mais dor de cabeça.

Toyota SW4 – Defeitos e problemas
Nota média 3.9 de 11 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Vinicius Tavares

    Eu tenho uma do modelo atual e estou acostumado a dirigir o modelo antigo (tenho familiar que tem uma 2014). A do modelo antigo é muito ruim em curvas, tem que fazer bem devagar porque o carro ladeia muito. A nova veio com suspensão mais firme e está bem mais segura nas curvas. Outra coisa que melhorou um pouco foi o consumo, com a reprogramação do motor e com câmbio de 6 marchas. O acabamento usa plástico, porém de alta qualidade. A de 2014 tem 120mil km e não faz um barulho de acabamento, parece nova. As críticas que eu tenho da nova é a falta de sensor de chuva e a ausência de regulagem de altura dos faróis (que faz falta quando ando na estrada a noite). O sistema de multimídia poderia ser mais rápido também.

    • Good Doctor

      Nutella!
      A minha SW4 1995 tem super motor 2.8 maçarico diesel de 88cv e está com 400 mil km rodados e não reclamo. Está impecável!

      • Hodney Fortuna

        A SW4 de 1995 é uma das melhores. Não usa turbo e é muito mais resistente. As da versão anterior a 2002 sofria com problemas de arrefecimento, digo as SW4 turbo de 1996 a 1999 e a partir de 2000 quando começaram a usar o EFI no lugar da injeção direita mecânica sofriam com entupimentos o que faziam com que os donos trocassem pelo sistema de injeção antigo!

        • Good Doctor

          A 95 tem outra vantagem que é o reforço da estrutura com barras de proteção lateral que não havia até as 93/94 que só foram colocadas depois de ter tirado nota 0 em impacto lateral nos EUA

      • Alexandre Herculano

        Saporra é uma tartaruga manca!!!!!

        • Good Doctor

          You can go faster, but I can go anyway

    • Savigny

      A do modelo antigo tinha diferencial central e tração permanente.
      Então pode pisar na curva que “ela balança mas não vira”
      (Rsrs, não faça isso!)

    • Felipe Gomes

      Que carro ruim, este do modelo anterior! Parece um caminhão , dirigibilidade ruim, potência ridícula , 163 cavalos .Não anda !!! Parece 1.0 . Acabamento todo em plástico duro. Como pode um carro que em 2013 cutava R$180.000,00 com um acabamento podre desses! Ódio deste carro. deveria custar metade do preço pelo que entrega!!! Pelo preço , pode comprar qualquer Mercedes ou BMW que é muito melhor.

  • Ricardo

    O atendimento ao cliente no Brasil, em qualquer área, é uma piada, tratam-o como lixo, aquela frase: “o cliente sempre tem a razão”, não funciona nem um pouco aqui, até porque muitas vezes o cliente é safado mesmo. “Brasileiragens!”

  • Leo

    Vou fazer uma pipoca, esse tópico vai render.

  • Zé Mundico

    Ainda não entendo a Toyota ter levado o Land Cruiser Prado embora do Brasil. Tá certo que era caro, mas dava um banho de qualidade na SW4.
    Quem tem um Prado não larga por nada nesse mundo.

    • RicLuthor

      É verdade, quem tem uma Land Cruiser Prado dificilmente vende .

      • Good Doctor

        Quando vende cobra caro, mas eu não compraria. Está ficando cada vez mais difícil achar peças

    • Savigny

      Se fossem vender hoje a Prado 2.8 diesel custaria em torno de R$ 340 mil.

      Na época, o rival era basicamente a Land Rover Discovery. Hoje tem muito carro no mercado, desde Jaguar etc, sem contar que a rede das marcas importadas (BMW, Volvo) cresceu bastante.

      Provavemlente já calcularam tudo isso e viram que não seria lucrativo.

    • Marcelo Amorim

      Só peca pelo desempenho pífio do 1KZT-E com 131cv,o carro se arrasta.Mas de resto,é um senhor carro.dirigi umas 3 ou 4,ruído interno de peças folgadas ou plásticos era ZERO.

  • Hendrewf Bezutti

    Ué pensei que fosse o tanque de guerra da Toyota, o carro mais seguro do mundo, que menos dava dores de cabeça Kakakakakakkakakas aos poucos aparece. Achei um absurdo o eixo deslocado 7cm 😲. Cara 7cm!!!!!!

  • RicLuthor

    É o veículo mais supervalorizado do mercado brasileiro, chegando aos R$ 271 mil na versão de topo e não é possível entender.

    Eu sempre pensei que as versões V6 à gasolina tivessem um bom desempenho, mas não tem.

    • Good Doctor

      E seria ainda mais valorizada não fosse o jeep Compass diesel que tirou boa fatia de clientela da SW4

      • Savigny

        A Outlander diesel 2.2 pegou um pouco quando saiu, principalmente porque tinha uma versão mais pelada por R$ 180.000.
        Agora só vendem a FTP (virou HPE-S), por mais de R$ 210 mil.
        Sem contar que é um carro que desvaloriza muito também, por conta da manutenção mais cara na rede Mit (embora o atendimento geralmente seja muito bom).
        Em tempo: eu ainda quero uma Full 3.2 4p 2016-2017-2018 pouco rodada e bem cuidada.

        • Good Doctor

          Mitsubishi não colou por um motivo simples, o carro é muito ruim. Cheio de defeitos de projeto na adaptação para o Br. Ventilação ruim, radiador subdmensionado, dutos de água do cabeçote e bloco estreitos. Isso tudo faz sobreaquecimento e baixa durabilidade.
          Difícil achar uma L200 que chegou aos 250 mil km sem fazer o motor, nas Hilux a regra é passar dos 400 mil km

      • Marcelo Amorim

        Tirou boa fatia como,se a SW4 sempre vendeu bem e após essa geracao 2016>,o carro aumentou o volume de vendas?

        • Good Doctor

          A jeep tirou sim vendas da Toyota, tanto da SW4 quanto do Corolla.

    • Savigny

      Eu acho que a V6 4.0 anda muito bem sim, mais que a diesel 2.8.
      O que ocorre é que a diesel tem muita força em baixa rotação, dá a impressão de que tem um motor V8 gigante ali.
      Só que quando o giro sobe, a V6 engole fácil, com aquele ronco característico de motor old school.

      Uma coisa que pesa contra, e até está no texto, é que geralmente essas picapes têm câmbio lento.
      A Ranger XLT tem um motorzão 3.2 de 5 cilindros, mas o câmbio demora pra reduzir marcha quando vc pisa…

      Mesma coisa a Pajero Dakar com 4 marchas: Motor 3.5 V6 com câmbio de 4 marchas acaba resultando em desempenho fraco (e consumo obsceno).

      • RicLuthor

        Numa rodovia pode ser que o V6 demonstre seu potencial, mas dentro da cidade não dá para sentir essa diferença.

        O antigo 3,0 diesel me fazia pensar também que Hilux e SW4 tinham bom desempenho, mas mesmo em rodovia o desempenho era apenas mediano.

        • Savigny

          Nas diesel mais antigas (motor mecânico) isso era bem mais evidente.
          Vc pisa de leve e parece ser muito forte, mas abre pra ultrapassar um caminhão longo e no meio da manobra começa a dar um desespero.

  • leitor

    Eu tinha entendido que não se vende nos EUA por questão de emissões outro dia. E está no mercado americano como 4Runner.

  • Leonardo Caldas

    Enquanto tiver gente comprando e pagando 3x mais o que vale…

    • Savigny

      Vc compra pagando 3x o que vale, e revende usada (e bem rodada geralmente) por 3x vezes o que vale.

      Fica tudo “elas por elas”

      • Lauro Agrizzi

        Vendas de 2000 por mês somente na sua imaginação.Isso é a propaganda que a Toyota faz. Os desavisados. compram pela imagem não realidade. Até inflam as vendas. Em todo 2018 vendeu só 13.000. Faz a conta aí e vê se dá 2000. A questão é que quem compra não admite que foi iludido.

        • Savigny

          Vc está revoltado pq eu provei por A+B que a SW4 é vantajosa financeiramente, e tentou atacar criticando um comentário meramente lateral, sobre o número de vendas.
          Mil ou 2 mil, não altera em nada o raciocínio desenvolvido.

      • Bruno Alves

        Não sei de onde ele tirou 2.000 unidades por mês da SW4. O recorde de venda dela na história aqui no Brasil foi 1.666 unidades em dezembro de 2016. Fica sempre na média de metade disso, por volta de 1.100…

        • Savigny

          Confundi com a picape aberta, Hilux

  • Samuel Jesus de Sousa

    Está aí um carro que a Toyota deve agradecer sempre! Aqui em Belém vejo esse carro o tempo todo, o pior é que normalmente um carro as versões mais básicas vendem mais… Mas no caso da SW4 só vejo SRX praticamente e se não me engano já vi a caríssima versão Diamond. Aqui em Belém muito raro não ser SRX

    • Savigny

      Vc só encontra a 2.7 flex em locais onde o etanol é muito barato.
      (ex: interior de SP)

  • Benedict Benedito

    Preço também.

  • Percebi que alguns problemas relatados por proprietários, como falta de certos equipamentos, são uma característica do modelo, bastava não ter comprado o carro. Me lembro que muitos donos reclamando do tamanho do porta malas do New civic, era só ver e não comprar o carro.

    • Elizangela Oliveira

      O mesmo que comprar um Jimny e reclamar de espaço. Por isso há vários à venda com km baixíssimo!

      • Good Doctor

        Tem vários, mas o preço não cai nem a pau

    • Savigny

      Exato.
      Tem gente que compra caminhonete pra viajar e reclama que entra pó na caçamba e que o carro é instável nas curvas.
      Não sei se tenho pena ou raiva mesmo de tamanha burrice.

  • Tiago fernandesc

    Como qualquer outra empresa privada que visa o lucro em primeiro lugar. Normal rsrs

  • Fanjos

    Denunciei esse tópico a Policia Federal , Ministério Publico e para a ONU, porque TODO mundo sabe que NENHUM Toyota da “Defeitos e problemas”.

    Passar bem.

    • Stunt

      A sim, por gentileza, caí das pernas e quase tive uma convulsão quando li esse título absurdo. Passado!

    • Sergio c

      Mas bem menos que as outras tranqueiras que vendem por aí, piores pós vendas, acentuada desvalorização, péssimas de vender…………………..

  • MKB

    Aqui de boas assistindo os hates da Toyota se regozijarem com os problemas apresentados na matéria.

  • Racer

    Muitos relatos….Mas e proporcionalmente ao número de unidades vendidas? Quanto mais vende, mas chances de aparecer unidades com problema. E soma-se aí a falta de manutenção adequada…óleo lubrificante errado….diesel não filtrado….

    • Sergio c

      Certo, a Hilux vende quase o dobro das outras juntas hehehe.

  • Unknown

    Achei que os relatos são, em sua maioria, por problemas banais e com kilometragem elevada, quase sempre… nada que desabone o produto.

    • Tem uma galera que leva ao pé da letra, que o carro não quebra.
      Tive um vizinho que pegou um Up e só falava da parada que é seguro e tal….o amigo dele kkk chegou e disse, até o momento que uma carreta ir em sua direção, eu quero ver as estrelas… kkkkk
      Se Vender dizendo que é inquebrável, indestrutível, tem uma galera que leva ao pé…

      • Savigny

        Sim, esses dias saiu o teste do Cruze, e o pessoal dizia que um Up! é mais seguro.

        O Up! tem seus méritos, mas esse pensamento é fruto da decadência do sistema educativo brasileiro. As pesoas não estudam mais as leis da física.

  • RicLuthor

    Na verdade, a maior parte dos “defeitos” citados são desgastes dos componentes pelo tempo ou tipo de uso. Até o problema nos bicos injetores, pode ter como origem o diesel adulterado.

    Lembro que na geração passada, muitos donos de Hilux e SW4 reclamavam do empenhamento dos discos de freio. A conclusão que se chegou à época era que os donos desses modelos não sabiam usar o freio motor em descidas de serra, usavam com frequência o sistema de freios que superaquecia os discos e provocavam o seu empenamento.

    • Savigny

      Não só diesel adulterado, como muita gente insiste em abastecer com o diesel antigo.

    • RPM

      Errado….eu tenho uma Hilux com os discos empenados(ocorre até nas novas),é um problema crônico… até vou trazer de fora,discos DBA pro meu carro e acabar de vez com essa novela….ah,detalhe….dirijo como um vovô…rs

    • Lucas

      Errado… Eu tenho uma SW4 2013 que sempre foi abastecida no mesmo posto Ipiranga que os outros carros a diesel que tive, como Ranger, S10, Trailbazer, Dakar e até Amarok – esta última muito mais sensível a combustível ruim que todas as outras.
      Adivinha a única que deu problema nos bicos e com apenas 43 mil km? Pois é.

  • Eddie

    Parei de ler de tantos problemas, em suma essa japiraca é uma bomba não importando a geração. As pessoas não avaliam, nao pesquisam antes de enfiar uma mala de dinheiro num tribufu desses.

  • O GRANDE PROBLEMA é o pessoal que trabalha no PÓS VENDA. Tem uma galera ai que deveria esta naquelas filas de emprego.
    Coloca todas as empresas no balaio. Se o dono esta achando algo estranho…pega e faz a avaliação. Agora, tem de fazer msm, não passar os ZOIOS e dizer que fez.

  • Matheus Girelli

    O maior problema é essa naba custar o mesmo que muito carro premium

  • Lucas

    A minha SRV 3.0 2013 deu problema em dois bicos injetores, no meio do ano passado, deixando meu pai idoso parado no meio da via mais movimentada da minha cidade e na chuva, com apenas 42 mil km rodados (tem 52 mil km hoje). O prejuízo seria de 12 mil + mão de obra, se fosse solucionado na concessionária. Saiu por 5 mil numa oficina especializada.
    O defeito com bicos injetores é o mais recorrente nas Hilux em geral dos anos 2005 até 2015, inclusive o mecânico falou que era bastante comum realizar esse tipo de serviço nesses carros e é fácil atestar isso pesquisando no Google.
    De resto, é um veículo robusto.

    • RicLuthor

      Foi você quem fez um relato de Usado da Semana com ela aqui no NA?

      • Lucas

        Sim.

        • RicLuthor

          Ao ler seu comentário, recordei dos trechos relatados na sua avaliação à época. Inclusive foi sua avaliação que fez cair por terra a ideia que eu tinha sobre o desempenho da Hilux top de linha, pois eu acreditava que a mesma tivesse uma performance acima das expectativas.

  • CanalhaRS

    Veículos com problemas e defeitos como os de qualquer outra marca. A diferença é que tem uma legião de adoradores que acham que Toyota não quebra e paga caro imaginando isso.

    • Savigny

      Penso diferente.
      Na minha visão, a legião de fãs que diz que Toyota não quebra são os que compram carros usados da Toyota.
      Claro, eles ajudam a fortalecer a imagem e o preço dos novos, ainda que indiretamente.
      Mas a experiência dessas pessoas me parece real, pois continuam comprando um Corolla usado atrás do outro.

      Já os fãs dos modelos zero km vão mais na onda de que a Toyota e a Honda seriam um “ponto intermediário” entre as marcas comuns e as premium. A Hyundai também se aproveita desse imaginário.

      Outros, por sua vez, pensam mais no dinheiro do que no carro, e se pautam na baixa desvalorização.

      Enfim, acho que esses são algumas das causas do sucesso tão grande da marca

  • Paulo

    Tópico Toyota/honda é garantia de centenas de comentários 😂😂😂

    • Savigny

      Polêmica é uma grande arma de marketing.
      “Bem ou mal, mas falem de mim”

      Acredite se quiser, mas até o alto preço da SW4 é um argumento pra ATRAIR compradores.

    • CanalhaRS

      Eu diria que VW é mais ainda.

  • Savigny

    Em termos financeiros…

    O último modelo da SW4 veio em 2016 custando por volta de R$ 225 mil (SRX diesel).

    Uma 2016 bem cuidada vale R$ 210/215 mil (7 lugares).

    Na pior hipótese, as 5 lugares mais rodadas valem R$ 200 mil.

    Então é um carro que custa caríssimo, mas a desvalorização é quase nula (embora tenha subido bastante de preço, assim como todos os carros)

  • Milton Quadros

    Tenho uma 2008 há seis anos e o maior problema é o IPVA, é praticamente o mesmo valor desde que comprei e em 2014 cheguei a pagar mais que em 2013 com a mesma alíquota :-)

    • Lucas

      A FIPE da minha 2013 pulou de 132 em 2016, pra 136 em 2017, e agora está na casa dos 131. Eu tenho o carro, gosto dele com algumas ressalvas, mas acho um absurdo completo tal comportamento. Meu IPVA também e o mesmo há anos a fio e toda economia e valorização na hora de revender o carro vai ralo abaixo na hora de pagar seguro e impostos.

  • Paulo Andre Zardo

    só pau veio, sw4 2012/2013, não tem como nao estarem se desmontando, são carros com 6/7 anos de uso, queriam que cheirassem como novos. o problema é que a Fipe desses carros é muito perto do valor de um novo, mas se der Qq problema, são 15k para consertar.

  • Hodney Fortuna

    Ou seja, os proprietários preferem sacrificar o seu dinheiro a manter a aposta no modelo que se tornou uma espécie de religião. Gosto da SW4 mas eu iria de outros modelos para variar e nunca ficar refém de um modelo só! Segundo a noticia acima a SW4 é uma SUV com defeitos comuns que surgem em qualquer modelo! Eu não iria de SW4, partiria para outros modelos. Digo que em termos de manutenção a Trailblazer é mais em conta, ainda que a resistência dessa não não seja totalmente comparada a Toyota. Mas amo meu dinheiro pois é conseguido com muito sacrifício e nunca fico refém de uma marca apenas. Sempre vario para não tornar um usuário “crente” de uma marca.

    Também não iria de SW4 ou Hilux SR por ser instável já que mesmo com o emprego do controle de estabilidade já ouvi alguns relatos que o carro não é muito estável em curvas mesmo com esse dispositivo. Na minha opinião no quesito pick-ups eu iria de Ranger Limited por possuir melhor tecnologia e mais segurança hoje.

  • Coffinator

    MATÉRIA MENTIROSA! TODOS SABEM QUE O CARRO NUNCA QUEBRA E NÃO DESVALORIZA, ALÉM DE SER BARATO PELO QUE OFERECE!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email