Usado da semana

Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Salve leitores do NA! Este será meu 4º relato postado aqui no site. Confesso que estava meio relutante em escrever, porém aqui estou. Acredito que este seja o mais extenso de todos. Tentei ser detalhista para retratar a convivência e o uso do carro.



Lá no início de 2013 escrevi meu primeiro “carro da semana”. Um Renault Sandero Expression comprado 0km em 2010. Passados alguns meses no mesmo ano, escrevi a respeito do carro, que naquele momento, era de uso exclusivo de minha mãe. Um Ford Focus Sedan GLX, também comprado 0km em 2010. Já em 2015, achei conveniente escrever sobre o carro que ocupou a vaga deixada pelos dois anteriores, um Ford New Fiesta Sedan Powershift, também comprado 0km em 2014.

Partindo do princípio, a decisão da venda do Fiesta em um período tão curto de relacionamento se deu devido a inúmeros (não tão) pequenos problemas ocorridos durante os 3 anos e 2 meses de convivência e os 65 mil km rodados.

A ideia da compra do Fiesta seria substituir dois carros por um intermediário, como eu relatei anteriormente em outro post. Fato é que, infelizmente, não tivemos ‘sorte’ com nossa unidade e, depois de várias idas e vindas e muito stress com a montadora, decidimos que era hora de vende-lo.



Apenas uma ressalva. Apesar de todos os entreveros apresentados, todo e qualquer problema do carro foi consertado antes de vende-lo, conforme notas apresentadas ao novo proprietário, que comprou sabendo de tudo que se passou com o carro. Da mesma forma que eu não gostei de ter um carro problemático, não acho justo que eu simplesmente maquiasse o carro e passasse para a frente.

Sobre a venda. Em dezembro de 2016 foi quando a paciência chegou ao limite e propus a venda dele em casa, contrariando o planejamento inicial, que era permanecer por cerca de 5 anos, pelo menos.

Na mesma semana resolvi fazer o anúncio on-line. Num primeiro momento a procura foi excelente, mas as propostas não. Àquela época, a tabela FIPE indicava um valor de 42 mil reais como referência.

Meu primeiro anúncio foi com exatos 41 mil reais. Foram diversas propostas e compromissos não assumidos por parte dos compradores. Somente em maio/17, quase seis meses depois do primeiro anúncio é que o carro foi efetivamente entregue ao novo proprietário, pela bagatela de 36 mil reais (nesta época, a tabela já havia caído para próximo dos 40 mil reais).

Acredito que o fato do câmbio ser o Powershift da “primeira fornada” tenha contribuído para a dificuldade em vende-lo, mesmo o câmbio tendo sido plenamente consertado e com funcionamento melhor do que quando era 0km.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

O novo carro

Os únicos dois requisitos para o novo carro era que também fosse automático e que fosse um desses SUV compactos. Não era requisito que fosse 0km e, para ser sincero, nem cogitei essa hipótese.

Desde a decisão da venda do carro anterior, passei a procurar quase diariamente, um que se encaixasse no orçamento. Cogitei desde Nissan Kicks (por ser lançamento naquela época era bem difícil achar um seminovo), até Chevrolet Tracker LTZ 1.8 2016 (haviam algumas unidades bem interessantes no mercado).

Em fevereiro/17 achei o anúncio do nosso carro atual. Um Jeep Renegade Longitude 1.8 Flex 2016/2016, na época com 5.700 km. O anúncio pedia exatos 80 mil reais, igual ao valor de tabela.

Após alguma negociação on-line, cheguei ao valor de 78 mil reais, com o vendedor (particular). Viajei 250 km para ver o carro pessoalmente e atestar tudo que era dito no anúncio. Carro visto, teste drive feito e negócio fechado. O carro havia sido adquirido em maio/16 pela primeira dona e dado como parte de pagamento em um imóvel ao anunciante. Ou seja, era um carro com 9 meses de uso com 5.700 km.

A nota fiscal de compra da fábrica anunciava um valor consideravelmente alto. Foi comprado pela primeira proprietária por exatos 93,5 mil reais. Esta unidade é bastante completa, com alguns pacotes opcionais que justificava o alto valor.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Jeep Renegade Longitude – Acabamento

O Renegade possui um acabamento correto e muito bem montado. O painel possui superfície suave ao toque e não há rebarbas ou desalinhamento. Os bancos vieram de fábrica com acabamento em couro com costuras vermelhas.

São bastante confortáveis, com densidade correta de espuma, que acomoda bem o corpo. As portas também possuem acabamento em couro e, apesar de também serem bem montadas, tenho a sensação de plásticos de qualidade inferior em sua montagem, uma vez que em alguns momentos apresentam um ‘nhec-nhec’.

Jeep Renegade Longitude – Ergonomia / interatividade / tecnologia

Todos os comandos do carro estão sempre a mão do motorista. Só no volante são, ao todo, 22 botões. É questão de costume. A operação deles é bem fácil e intuitiva. O computador de bordo é o mais completo que já tive até então.

É dividido em 8 ‘telas’, algumas delas com várias opções de monitoramento. Há velocímetro digital, controle de temperatura do motor, do câmbio, carga da bateria, visualização gráfica dos comandos do GPS e a mais utilizada por mim, o econômetro. Com indicação gráfica, ele te mostra ‘ao vivo’ o quanto está sendo gasto naquele instante, te auxiliando a dirigir de maneira mais econômica.

Os comandos do som ficam atrás do volante, divididos em 3 botões de cada lado. Num primeiro momento, precisa-se acostumar, pois estão fora do alcance dos olhos. Porém, uma vez familiarizado, são fácil operação.

Controlador e limitador de velocidade também possuem comandos ao alcance dos dedos e são bem intuitivos. O mesmo ocorre com os paddle shifts para trocas de marchas manuais.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Esta unidade ainda conta com sensores de chuva, crepuscular e retrovisor eletrocrômico. Três equipamentos que nunca havia pensado em ter, porém, uma vez com eles, pode ser difícil acostumar a não os ter novamente.

Para o meu uso, uma vez que o Renegade possui luzes de condução diurna, já tem alguns meses que sequer toco no acionador dos faróis. O rebatimento elétrico dos espelhos retrovisores também é bastante útil em vagas apertadas, como as do meu prédio. Porém, faria mais sentido que fossem vinculados ao acionamento do alarme, por exemplo.

Outra comodidade é a chave presencial. Outra facilidade interessante. Antes de sair de casa já guardo a chave no bolso da calça e lá fica até eu retornar. Não é preciso usa-la para nada.

Estes três últimos, são equipamentos que pelos quais, eu, provavelmente, não pagaria para tê-los como opcionais se tivesse comprado o carro 0km, porém, é muito bom poder contar com toda essas babás eletrônicas de comodidade.

A central multimídia Uconnect tem tela de 5” e atende ao que é esperado dela. Poderia sim ter uma tela maior e, principalmente, contar com AndroidAuto ou Apple Carplay, porem, ainda assim, é rápida e possui comandos intuitivos.

O GPS Tomtom atende as expectativas, com os comandos de navegação sendo mostrados tanto na própria tela, como no computador de bordo e por instruções de voz. Conta também com duas entradas USB (no console e dentro do apoio de braço) e Bluetooth.

O ar condicionado é do tipo automático e com duas zonas de temperaturas. É eficiente e resfria o interior bem rápido. E a iluminação em LED dos porta copos/objetos e da alavanca de câmbio são um diferencial a mais.

Outra comodidade que é bastante interessante e que não está presente na maioria dos carros atualmente, é a tomada 110v (150w), no padrão brasileiro, presente atrás do apoio de braço. Nela é possível, por exemplo, usar o carregador rápido de “parede” do celular para completar a bateria do celular de forma bem mais rápida do que seria via 12v ou USB.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Sensor de estacionamento traseiro com alertas sonoros e gráficos, somados a câmera de ré, ajudam demais em manobras e espaços apertados.

Jeep Renegade Longitude – Espaço interno

Externamente o Jeep aparenta ser menor do que realmente é. Devido a posição mais elevada de dirigir, a acomodação no banco traseiro é bastante amigável. O espaço para as pernas dos ocupantes do banco de trás é adequado e não há aperto.

Entretanto, o porta malas paga o preço do maior espaço interno. São apenas 260l. Poderia ser maior se não houvesse um estepe de 18” guardado lá dentro, porém, não é um problema. Se porta-malas grande fosse um requisito indispensável, a escolha do carro seria outro. Mesmo com essa capacidade, atende perfeitamente o que se espera dele.

Jeep Renegade Longitude – Segurança

Além dos obrigatórios airbags duplos e freios ABS, estão presentes os controles de estabilidade e tração que, somados à suspensão independente nas 4 rodas transmitem muita segurança e confiança ao motorista.

O monitor e ponto cedo é outra ‘comodidade’ que ajuda bastante. Os radares contidos dentro do para-choque traseiro, na quina do carro, detectam outros carros/motos/bicicletas que podem estar em sua lateral, num ponto cego do retrovisor.

Tudo é detectado e, com isso, um led laranja acende no retrovisor do lado correspondente. Caso eu sinalize na seta, a intenção de ir para o mesmo lado em que há o objeto detectado, soa um alarme agudo e alto dentro do carro, de forma a alertar o motorista que há algo ali e que pode não estar sendo visto. O mesmo sensor traseiro faz o alerta de tráfego cruzado em marcha a ré.

Uma vez engatada a marcha reversa, quando um carro se aproxima lateralmente, um alerta visual (no respectivo retrovisor) e sonoro também é feito dentro do carro, de forma a alertar o motorista que há um carro passando. É realmente muito bom.

Infelizmente, apesar dos diversos opcionais do carro, não há airbags laterais e de cortina.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Convivência diária – Custos – Manutenções – Problemas

O Renegade certamente está entre os carros mais confortáveis que já tivemos em casa. Tem rodar macio, absorve bem as irregularidades do asfalto, mas, ao mesmo tempo, tem um forte compromisso com a estabilidade e segurança. A direção elétrica tem o peso ideal em todas as situações e achar uma boa posição para dirigir é fácil, com os ajustes de altura e de profundidade do volante. Entretanto, o controle de inclinação do encosto do banco seria mais fácil de operar se fosse do tipo roldana, e não com alavanca como é atualmente.

O motor 1.8 está no limite para o peso/porte do carro, mas dá conta do recado. Apresenta alguma morosidade em baixas rotações, porém responde melhor com o giro mais alto. Característica que já foi mudada para os modelos mais novos, com alguns aprimoramentos no motor.

O cambio de 6 marchas tem engates suaves, porém a relação de marchas é demasiadamente longa, o que acentua a sensação de falta de força do carro em algumas situações. Em 6ª marcha, a 110km/h o motor trabalha a cerca de 2100rpm.

Em estradas com grande variação de relevo, é comum necessitar de reduções sucessivas para manter a velocidade. Com o cruise control ativado, por vezes em subidas não tão íngremes, até a 4ª marcha faz-se necessária. E, infelizmente, quem paga o preço é o consumo.

Particularmente falando, não vejo isso como um problema, ainda mais sendo o câmbio automático, que faz todo trabalho por você. Deixe que ele trabalhe. Uma configuração do câmbio que me incomodava muito, era a troca de marchas ocorrer apenas acima de determinadas rotações do motor.

A terceira marcha só entrava acima dos 3000rpm, a quarta, depois de 2500rpm e assim por diante. Para o transito urbano, é um incomodo que me fazia usar constantemente do paddle shift para adiantar uma marcha, porém, uma atualização eletrônica do carro trouxe um novo comportamento para o câmbio. As marchas agora entram sob demanda, em qualquer rotação, obedecendo ao pé direito do motorista.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Em fevereiro/18 completei 1 ano com o Jeep. Neste período foram exatos 24283km rodados, sendo a grande maioria deles em percurso urbano. Ao todo, foram 63 tanques de combustível, sendo 15 de etanol e 48 de gasolina, ao custo total de R$8668,47.

Para minha rotina, tenho uma média geral de 7,05km/l com etanol e 9,51km/l com gasolina, com custo de R$0,37/km para o derivado da cana e R$0,35/km para o derivado do petróleo, comprovando que, para a minha utilização, a gasolina mostra-se mais vantajosa, mesmo o etanol custando R$2,78 (e a gasolina a R$3,77). Dividindo o consumo em percursos, tenho médias de 6,5km/l e 9,5km/l com etanol na cidade e estrada, respectivamente. Com gasolina, consigo médias de cerca de 8,5km/l e 12,5km/l.

De uma forma geral, o custo/km está cerca de R$0,10 mais caro do que eu tinha no carro anterior, porém, ainda assim, dentro do que já era esperado antes de assumir o Jeep, afinal, um carro maior e mais pesado, certamente teria custos maiores de manutenção.

Falando nela, as revisões do modelo flex são realizadas a cada 12 mil km ou 1 ano e, até o momento, foram feitas 2 revisões. Sendo a primeira ao custo de R$356 e a segunda, de 24 mil km, por R$752. Somado aos impostos, seguro pago no período e todo serviço de lavagem, alinhamento, rodízio e outros serviços e pequenos acessórios comprados para o carro, tenho um custo de manutenção de R$0,16/km.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

Até o presente momento, apenas dois problemas se manifestaram. Houve um recall para correção de um possível problema no freio de estacionamento elétrico, que nunca havia se manifestado. Porém, como constava a necessidade do recall, foi feito junto com a segunda revisão.

Entretanto, alguns dias após o serviço, o freio de estacionamento travou. Estava abastecendo e, na hora de ir embora, não soltava de forma alguma. Desliguei o carro e após cerca de 10 minutos, voltou a funcionar normalmente.

Isso aconteceu por outras vezes. Após a reclamação pelo 0800, foi feita a reprogramação eletrônica do carro e, até então, não tive mais problemas. Reprogramação esta que trouxe um novo comportamento para o câmbio, mudando da água para o vinho. Não há mais a restrição para a mudança de marchas, elas entram em qualquer situação, sob demanda e pressão do acelerador. Foi uma mudança bastante sutil, mas que fez muita diferença no conforto do dia a dia.

Houve também, a soltura do acabamento plástico por baixo do carro, no lado do motorista, perto da roda traseira. Uma presilha plástica se soltou e deixou um pedaço do plástico pendurado, o que foi plenamente corrigido em garantia pela concessionária.

Jeep-Renegade-Longitude-2016-FOTO-1-1024x768 Carro da semana, opinião do dono: Jeep Renegade Longitude Flex 2016

De uma forma geral, nos quase 25 mil km rodados por mim e nos 30 mil km completados no carro, posso concluir que tem atendido plenamente ao que é esperado dele. Porém, algumas melhorias seriam muito bem-vindas.

Um motor flex menor com turbo, que alie mais potência/torque com maior eficiência de combustível e uma central multimídia mais atualizada, por exemplo. Se tudo transcorrer como o esperado, a convivência com o Renegade será longa, por mais alguns bons anos.

Por Silas Rana

COMPARTILHAR:
  • Maycon Farias

    Excelente relato. Surpresa vocês terão ao ver o Renegade na 8 posição nessa quinzena, desbancando todos SUV do mercado. A Jeep fez um dos melhores carros nacionais.

    • El Gato Negro

      Não ficarei surpreso. Nosso mercado adora esses pseudo SUVs.

      • Maycon Farias

        Surpresa porque houve comentários nos meses passados que ele se tornou um mico e coisas do tipo, mesmo quando sempre manteve a mesma média de vendas.

        • Cristiano_RJ

          Mico ele nunca foi. Sempre teve boas médias de vendas. Mas discordo fortemente de você de que o Renegade tenha mantido sempre a mesma média de vendas. Em 2016, seu primeiro ano completo de mercado, foram vendidas 51.601 unidades do Renegade; uma média mensal de 4.300. Já no ano passado, suas vendas caíram para 38.348 ou 3.196 unidades por mês. Não são vendas de “mico’, mas houve sim uma redução significativa de mais de 25%.

          • Maycon Farias

            Entendo, porem você só esqueceu de incluir a porcentagem da crise no setor automotivo que fez o mercado todo cair . Se incluir a perda do setor ele se mantem estável dentro da crise sim.

            • Cristiano_RJ

              Desculpe-me Maycon, mas terei que discordar novamente. Na realidade o que ocorreu foi uma perda de mercado do HR-V e do Renegade que cederam espaço para novos concorrentes como Creta e Kicks, dentre outros. O segmento como um todo cresceu entre 2016 e 2017 38%. Uma alta expressiva. Veja os números abaixo e observe os ganhos de mercado apresentados pelos novos concorrentes enquanto os antigo líderes perderam espaço. Ah, observe também que o Ecosport vendeu mais em 2017 do que em 2016, embora tenha perdido participação.

              Modelo ———– 2016 —————— 2017
              HR-V ———- 55.758 (29%) —- 47.775 (18%)
              Creta —————— 0 (N/A) —– 41.625 (16%)
              Renegade — 51.563 (27%) —- 38.330 (14%)
              Kicks ——— 10.709 (06%) —- 33.464 (12%)
              Ecosport —- 28.105 (14%) —- 31.195 (12%)
              Duster ——– 25.373 (13%) —- 17.638 (07%)
              WR-V —————– 0 (N/A) —- 15.353 (06%)
              Captur —————- 0 (N/A) —- 13.742 (05%)
              Tracker ——– 8.558 (04%) —- 12.136 (05%)
              2008 ———- 10.692 (06%) —- 10.571 (04%)
              X60 ————- 2.037 (01%) —— 2.268 (01%)
              T5 —————— 923 (00%) —– 2.152 (01%)
              Vitara ————- 159 (00%) —– 1.827 (01%)

              TOTAL ——— 193.877 ———— 268.076

              • Maycon Farias

                blz colega, vlw

              • José Barbosa

                Não dá para falar em mico ou sucesso. Os SUV’s, no total, tiveram expressivo aumento. Entretanto, é o nicho que tem chamado a atenção, e é preciso ter cautela. Com novos concorrentes, todos os tradicionais caíram, à exceção do Ecosport. No caso do Jeep, ainda houve um certo canibalismo com o Compass, o que acho que demonstra o reconhecimento de qualidade da marca. Quem comprou um Renegade tende mais a trocar por um veículo maior do que por uma outra marca.

      • EDU

        Desculpe mas o Renegade nao e pseudo SUV . Ele e SUV mesmo a Jeep nao faz carro sem ser SUV De qual hatch o Renegade deriva? Nenhum e suv mesmo desde a concepçao. ao contrario de Ecosport /Fiesta Tracker/Sonic HRV/Fit Kicks/March entre outros

        • Mr. Pennybags

          SUV = SPORT UTILITY VEHICLE, entendeu? |Não é sport, não tem capacidade de carga de utilitário, mas ganha pontos por ser, de fato, um veículo.

        • El Gato Negro

          Em poucas palavras, é exatamente o que o Mr. Pennybags lhe respondeu.

          • Bettowen

            Na versão a Diesel (4×4) é o único SUV desses ai. Pra ser SUV 1)- Precisa ter tração 4×4. De preferência, com reduzida (ele tem), 2)- Ser bastante robusto (Renegade é o carro mais forte desse grupo de nanicos – por isso pesa 1600kg), 3)- Bons ângulos de ataque e geralmente ter suspensões independentes (ele tem multlink).

            Em resumo. Se comprar a versão a Diesel terá um verdadeiro fora de estrada. O único que chega perto é o Duster na versão 4×4, mas o Renault é mais fraco estruturamente e não tem suspenões independentes. Falou…

            • leandro

              Pelos seus critérios então a EcoSport 4×4 também se encaixa

              • Bettowen

                O principal é ser robusto e ter a capacidade off-road, Se o EcoSport tem então ele é. Se não tem essa capacidade é um crossover.

                • Bettowen

                  Trecho de uma matéria do site.

                  “Em comum estas duas origens traziam consigo sua capacidade de tração, reboque e transposição de obstáculos com uma das principais características: construído sobre um chassi reforçado. Antigamente eram comuns invenções serem criadas simultaneamente por todo o mundo, e com esta invenção não foi diferente, assim como nos Estados Unidos, também existem exemplos da criação de veículos com esta característica na Rússia, Inglaterra e Japão.

                  O SUV possuía a imagem de um veículo robusto, seguro, capaz de levar e trazer seus entes queridos com segurança e com muito espaço de um final de semana nas montanhas. “Estar pronto para qualquer aventura”, este parecia ser seu lema, pelo menos no mercado norte americano. etc….”

                  https://www.noticiasautomotivas.com.br/suv-ou-crossover/
                  Fonte do próprio site NA.

            • Rodrigo

              OI.
              Quais parâmetros que você usa para julga-lo como carro forte? Torque? Torção ou rigidez de chassis? Capacidade de Carga? Capacidade de Reboque? Ele tem justamente o oposto da robustez, vamos por partes:
              SUV precisa ter tração ? Sim e não, mas se tiver, geralmente com caixa de redução.
              Multilink e semi-eixos, suspensão independente? isso é coisa de automóvel, não SUV. SUVs possuem eixos rígidos com diferencial, mais desconfortáveis e muito mais fortes para carga.
              Qual é a capacidade de reboque do Renegade? Seu irmáo maior Wrangler tem todas as características de um SUV.

              Hilux, Wrangler, Grand Cherokee, Trailblazer, Tahoe, Suburban, Ford Expedition, estes são SUV.

              Fiat 500x, Volvo XC60, Renegade (tanto faz o combustível) compass, HRV, Eco, são todos crossovers, minivans e afins. Comercialmente buscam usar o termo SUV para se sobressair. Passa longe.

              Abraços

              • Bettowen

                Forte = capacidade off-road.

                Obs: Falei do combustível no caso do Jeep porque a versão Diesel dele (pra mim) é a única fora de estrada.

            • El Gato Negro

              Não me convenceu. Nem você, nem a matéria do “Jornal do Carro”, do Estadão, de onde você tirou todos esses argumentos – quase ipsis litteris, inclusive. Mas enfim, é questão de opinião. E respeito a sua, numa boa. Abraço.

            • visanpai

              SUV, originalmente, é chassi sobre longarinas, o restante é Crossover.

              • nightwishjp

                Então os land rover q deixaram de usar passaram a n serem considerados SUV?

            • Cristiano_RJ

              1. Quando fala-se genericamente em Renegade, não se está restringindo à versão diesel; e a versão flex é a maior responsável por suas vendas. Muito provavelmente esse aumento súbito nas vendas deva ter sido o resultado de alguma entrega de encomenda para frotista, como por exemplo, uma empresa de locação de automóveis. Logo, o termo “pseudo SUV” continua apropriado sim.

              2. Embora acredite sim nessa “robustez” do Renegade, não concordo com a sua correlação de robustez com peso. O que se vê na indústria automotiva é que à medida em que os carros se modernizam geração após geração, eles crescem em dimensões, ficam mais seguros e… mais LEVES! E o segredo dessa “mágica” é a aplicação de materiais mais resistentes que dispensam o uso de chapas muito espessas.

              3. Ângulos de ataque do Renegade: flex = 21,1º / diesel = 29,7º. A título de comparação; seguem os dos concorrentes diretos: Ecosport = 23,6º; Creta = 21º; Kicks = 20º; 2008 = 22º; Captur = 23º; Duster = 30º. Como podemos ver, o Renegade flex não difere da concorrência, o que só reforça que ele é sim um pseudo SUV.

              4. “O único que chega perto é o Duster na versão 4×4, mas o Renault (…) não tem suspenões independentes”. Não, você está enganado. Na versão 4×4 o Duster tem suspensão traseira multilink, assim como o Ecosport na versão Storm 4×4.

              • Bettowen

                1)- Como afirmei. Só considero a versão Diesel um SUV. Na flex ele visa o uso urbano mas ainda pode-se pegar leves trilhas. Nem kicks, HR-V, Creta, Etc tem alguma versão realmente fora de estrada.

                2)- Em relação ao peso,fica evidente que o aço usado na construção do Renegade é de alta resistência (mas caro, informado pelo fabricante) e como foi muito utilizado no projeto o veiculo ficou muito resistente. A matemática aqui é fácil. No flex ele pesa 1.440 Kg enquanto outros como creta 1.399 (2.0 automático) utilizando o aço carbono tradicional. Com o uso de aços de alta resistência no caso do Jeep o deixou muito mais forte que os outros que não utilizam. Se fosse pra baixar o peso teria que usar ligas de alumínio, titânio e fibra de carbono que são muito caras, mas muito utilizadas na aviação civil e militar.

                3)- De acordo com o INMETRO (rsrs) ele é.

                4)- Não sabia que o Duster tinha suspensão independente. Então para fora de estrada seria a opção mas em conta.

                • Cristiano_RJ

                  1. Ainda assim o termo pseudo SUV continua aplicável. Não só porque a versão flex é a mais vendida, mas também porque é a que o colega avaliou nesta matéria em que comentamos.

                  2. Aços de alta e ultra alta resistência são muito superiores aos aços convencionais. Carros mais caros os utilizam em grande proporção obtendo ganhos em estrutura sem penalizar o peso. Um caso exemplar no caso de carros populares é o do novo Polo. Procure saber a respeito… Portanto, repito, embora eu não esteja duvidando da ótima estrutura do Renegade, rejeito essa correlação direta e simplista de peso e robustez.

                  3. Os ângulos de ataque não são divulgados pelo INMETRO, mas sim pelos fabricantes.

                  4. Duster e Ecosport também, assim como o Vitara e o S-Cross. No caso dos dois primeiros, apenas nas versões 4×4.

                  • Bettowen

                    2)- O INMETRO tem uma classificação própria sobre SUV. Requisitos: vão livre do solo mínimo de 20 cm, ângulo de entrada a partir de 23° e de saída a partir de 20° e ângulo de transposição de rampa mínimo de 10°

                • GPE

                  Vc precisa se informar mais sobre o aço. Hj em dia, Qnt maior a resistência, mais leve ele é.

                  Dê um google ai sobre aço de ultra alta resistência q vc vai ver. O Renegade é pesado sem motivacao aparente

            • GPE

              Duster 4×4 tem suspensão independente

        • Wellinton Portugal

          concordo contigo, um dos poucos realmente SUV

        • Saulo Gomes

          Deriva do Fiat 500X

        • Rodrigo

          Olá.
          Renegade é um crossover. Poderia talvez ser classificado como uma minivan no mercado.
          Sim, está bem longe de um Utilitário. Atualmente temos no mercado nacional como SUV a TrailBlazer, Hilux, Kia Mohave, Jeep Grand Cherokee, Toyota Land Cruiser.

          Renegade, assim como seus concorrentes: HRV, Eco, Tracker, Kicks possuem plataforma em monobloco, motor transversal e trabalha com semi-eixos. Isso limita bastante quaisquer aventuras e investimentos como um Utilitário.

          Lembre-se SUV são veículos que estão em extinção. O que está em ascensão são os famosos Crossovers, muito mais confortáveis, dinâmicos, econômicos, e baratos, mas sempre buscando o formato e aparência de um SUV.

          O Fiat 500 também tem as mesmas características do Renegade.
          O seu irmão maior, Compass, é o mesmo. Crossover compacto.

          Sou um entusiastas de veículos militares e robutos.

          Abraços!

        • Luconces

          Renegade usar a plataforma do Punto europeu.

          Assim como o Compass também faz uso de plataforma de carros “tradicionais”.

          Jeep carrega a imagem que teve com o Willys e o Wrangler.

      • daneloi

        Nao é pseudo SUV mas a plataforma deriva de carros compactos sim. A plataforma dele é uma derivação da plataforma SCCS, chamada de Small Wide 4×4. Vários carros da Fiat/GM/Opel/Alfa Romeo. Equipa o Punto europeu desde 2005 e Corsa D/E desde 2006. Até o pequeno Opel Adam, que tem o tamanho de um vw up usa essa plataforma.
        Nao digo isso como desabono, até por que tenho um Renegade Diesel.

        • Rodrigo

          Parabéns. Isso.

    • Silas Rana

      Agora a concorrência apertou. Quando era lançamento lá em 2015 era basicamente ele o HRV. Agora a Jeep precisa melhorar o RNGD ou brigar no preço. Mas continua sendo um ótimo carro! Obrigado pela leitura!

      • Maycon Farias

        Tomara que melhor sim os pontos negativos, porem desde de que não subam mais o preço.

    • thi

      FeZ , com tanto defeito assim ?? Kkkkk ate peça cai kkkkkk

      • MauroRF

        Que peças? Quem eu conheço que tem Renegade/Compass (e são muitas pessoas no meu círculo de amizades) só elogiam seus veículos e ninguém reclama de peça caindo. Pelo contrário, TODOS elogiam o acabamento e sua qualidade. Todos aqui sabemos da sua tara por VW, mas isso não significa desmerecer carros da concorrência que sejam bons.

        • Pedro Mello

          Fan boy da VW, hater da Fiat. Nem dê muita atenção. Deve ser clone do Carlota do Car Blog.

      • Maycon Farias

        Um dos melhores não quer dizer perfeito. Todos tem um ponto fraco .

        • daneloi

          Verdade Maycon. O pós venda da Jeep é do nível da PSA de alguns anos atrás. O meu com uma semana travou o cambio. Atualizaram o software e resolveu. Quase dois anos depois e nenhuma má surpresa.

      • daneloi

        Tenho um há quase dois anos e nenhuma peça caiu. Meu sogro e cunhada também possuem o carro desde o lançamento e não reclamaram de nada…

      • Silas Rana

        Fiquei na dúvida também, de que peças que caíram. Se for por conta do relato que escrevi, recomendo que leia de novo. Em nenhum momento foi dito que peça nenhuma caiu. Cair é diferente de soltar.

      • Tibúrcio

        Lá vem o baba ovo da VW… rsrsrs
        Compre um carro, rapazinho..

      • leomix leo

        Man, no relato do amigo uma presilha se soltou, vc vem aqui dizer que o carro é cheio de defeito. Não sou fã de marca alguma, mais esse carro tem suas qualidades.

    • Ernesto

      A Jeep estava fazendo bastante propaganda com taxa 0, se não me engano. Creio que tenha surtido efeito.

  • Lyn

    Desculpem pelo OFF topic mas pqp, obrigatoriedade de curso teorico para RENOVAR CNH: http://portaldotransito.com.br/noticias/instrutor-e-cfc/curso-teorico-sera-obrigatorio-para-quem-vai-renovar-cnh/#disqus_thread

  • Joaquim Grillo

    Não curto esse carro

  • Lucas086

    Tenho um Sport 16 aut em casa e ratifico a análise, até as medias de consumo são quase iguais. E até as melhorias era o que eu também queria, vamos ver no facelift se a Jeep prepara alguma coisa para gente.

    • Silas Rana

      Obrigado pela leitura, Lucas! Realmente me surpreendeu o Jeep. Espero que também esteja gostando do seu…! Abraço

      • EDU

        Sila em casa temos um Longitude 16 igual esta e estamos tao contente com o carro como com o atendimento da marca Jeep Stefaninni Osasco. Carro robusto , gostoso de dirigir e bem montado . Acho meio lento ele mas como ninguem aqui e piloto de formula um pessoa ta bem satisfeito. Parabens pelo carro e pelo relato.

        • Silas Rana

          De fato, Edu, precisei do pós vendas uma vez só (fora as revisões), e foi um atendimento muito bom também. Gostei bastante da Jeep Colorado de taubaté. Quando ao carro, é bem o que está escrito ai. Realmente me surpreendeu positivamente. Espero que esteja gostando do seu também! Valeu pela leitura! Obrigado, abraço!

          • Ernesto

            Curiosidade Silas: você falou que viajou 250Km para ver o carro. Em qual cidade você comprou? Nesse comentário você diz que é de Taubaté, então não comprou o carro em São Paulo (Capital), certo?

            • Silas Rana

              Comprei em Sorocaba. Achei o anúncio e fui lá ver.

      • Lucas086

        Ótimo relato, gostamos muito do de casa, ele é de minha mãe e eu faço viagens com ele… muito bom o carro, sólido demais, acabamento de primeira, nenhun defeito ou ruído estranho. Carro já tem 30 mil km e é só alegria. Podia melhorar? Claro, mas de longe digo que é um dos melhores do segmento .

        • Silas Rana

          Exatamente. Tem muito o que melhorar. Porém, não deixa de ser um ótimo carro. Atende plenamente o que esperamos dele. Novamente, valeu pelo comentário. Abraço

      • MauroRF

        Grande Silas! Sempre nos presenteando com seus excelentes relatos. Sou o Frmauro76 lá do club do New Fiesta. Eu lembro de você contando como lidar com as trepidações do câmbio PS, que sabia como fazer com que ele não trepidasse. Quer dizer que, mesmo o Fiesta sendo das primeiras fornadas, eles resolveram o problema do câmbio? Foi muito difícil solucionar de uma vez o problema das trepidações. Enfim, fico contente pelo Renegade e por estar gostando bastante dele. Comprei uma Eco Titanium no finalzinho do ano passado, e ela tem vários desses “mimos” que você citou com os quais me acostumei rapidinho, rsrsrs, e agora não dá mais para ficar sem. O sensor de ponto cego achei extremamente útil, mas muito mesmo, tem vez que não dá para ver uma moto vindo, mas a luz laranja no retrovisor acende, e se der seta, ela pisca bem rápido.

        • Silas Rana

          Grande Mauro! Tudo certo? Pô, que massa cara. Eu, infelizmente nem considerei o eco como opção. Não pelo carro, que acho ter um bom custo benefício. Porém, infelizmente, aqui na minha região o pós vendas não funciona. Tentei 5 concessionárias diferentes. Não quis arriscar de novo. Rapaz, eu troquei o jogo de embreagens e ainda rodei 16 mil km com o jogo novo. Foram os melhores km com o Fiesta. Era outro carro.
          É rapaz, essas coisas eletrônicas só fazem a gente ficar mal acostumado. Quero ver na HR de pensar em outro carro…
          O RNGD realmente me surpreendeu positivamente no conforto e vivência a bordo. Mas não tem a mesma disposição dos motores da Ford. Mas tb não é essa lerdeza que dizem pela internet aí. Dá pra andar MT bem tb. Valeu pelo comentário e por ter lido, Mauro. Abração

        • leandro

          Mauro blz? Vc lembra de eu reclamando do consumo do da Eco 1.5 AT?
          Pois bem, agora com o motor devidamente amaciado e eu aprendi os trejeitos do câmbio o consumo melhorou drasticamente! (Já estou com 3500 km rodados em 2 meses)
          Andando com pista livre e na média de 90 km/h (menos velocidade que isso a sexta marcha nem entra) não está difícil conseguir um consumo de 14,5 km/l.. sem pressa já consegui até 16,3 km/l num trajeto de 240 km.
          Se apertar o acelerador e andar no modo motoboy o consumo fica em torno de 11,5 km/l.
          Já na cidade continua muito mais alto que o do Fiesta Sedan powerShift, média de 7km/l
          (Tudo na gasolina)

  • rodrigosr

    Rapaz, vendi meu New Fiesta Sedan 2014 Powershift no final do ano pelos mesmos 36k, O meu nunca deu nenhum problema, felizmente, mas conseguir vendê-lo foi um alívio, confesso.

    • Silas Rana

      haha era um ótimo carro. Pena eu não ter dado sorte e a Ford não gostar muito de pós vendas…

    • Uislei

      Estou com minha Ecosport 1.6 PS 2016 com 30k e até agora nenhum problema com o câmbio. Porém não pretendo comprar outra Ecosport, pois preciso de um carro com porta-malas maior. Provavelmente, após a Ecosport, deverei retornar aos sedãs.

  • Diego Crenitte

    Resumo: Caro, manco, dirigibilidade pessima!

    • Silas Rana

      Como todos os outros da mesma categoria! Valeu pela leitura!

      • Diego Crenitte

        Com certeza! O que se salva hoje é o tracker 1.4 turbo premier, porém também é caro. Mas o relato foi bom!. Valeu.

        • Silas Rana

          Pena não ter os controles de tração e estabilidade nas versões anteriores. Era uma das opções e, apesar dos 6airbags e teto solar, não ter esses dois itens pesou contra. Apesar também não ter achado um bom negócio na época.
          Valeu pela leitura! Obrigado!

        • carlos4carros

          A Tracker é feia, é tão apertada quanto a Ecosport e tem porta-malas pequeno, só salva o motor.

          • Silas Rana

            De fato a Tracker parece apertada por dentro. Porém, é questão de utilização. E o visual é questão de gosto. Eu teria uma. Hoje, espaço interno não é o ponto crucial que buscaria num carro. Mas o motor, realmente, é um belo diferencial na categoria…

            • carlos4carros

              De fato, eu exagerei em chamá-la de feia. É que eu nunca curto a identidade visual da Chevrolet atualmente. Mas também não me impediria de ter o carro. Eu só acho que a única vantagem que a tracker tem em relação aos principais concorrentes é o motor.

        • daneloi

          Nao se esqueça das versoes diesel amigo. Nao são um foguete mas são extremamente competentes. Torque monstro. Estou satisfeito com o meu. Com o lançamento da versão custom diesel o carro ficou bem mais acessível.

      • Leonel

        Todos? Eu discordo. O HR-V com o seu 1.8 + CVT tem desempenho mais interessante e principalmente, é econômico. O Kicks, apesar do motor 1.6 estar longe de ser digno do carro, manteve ele também muito econômico na cidade (principalmente por seu peso reduzido).

        O Creta 2.0 e a Ecosport 2.0, apesar de serem “beberrões”, ao menos oferecem um bom desempenho, principalmente a Ecosport com o 2.0 de injeção direta. A Ecosport 1.5, por sinal, deve ter desempenho similar, quiçá melhor que este 1.8 E.Torq + AT6, fora que é super econômico. Por fim o melhor de todos é a Tracker com o seu 1.4T + AT6.

        Cada um que eu citei pode dever em alguma coisa (como a Tracker ter ESP somente nas versões topo de linha), mas em termos mecânicos, todos estão a frente do Renegade! Renegade com bom conjunto mecânico só na versão Diesel, mas aí a faixa de preço é outra.

        • Silas Rana

          Tirando o Kicks que realmente é econômico, nenhum outro se destaca neste quesito.
          Desempenho? Bom, o 1.8 do RNGD me atende perfeitamente. Poderia ser mais ágil nas arrancadas? Claro. Assim como vários outros. Acredito que cada um busca aquilo que te atende. Na cidade, todos andam juntos até o próximo semáforo. Na estrada, todos andam perto nos 90-120km/h que temos. Talvez o Tracker ou o 2008 THP ainda tenham uma pegada mais esportiva mais efetiva. Mas, de resto, todos os outros estão bem próximos sim. A diferença entre eles é subjetiva ao que cada um espera e busca.
          Valeu pelo comentário!

          • Leonel

            @silasrana:disqus não fiz uma crítica à você, inclusive, o seu relato foi ótimo. A minha crítica é ao produto em si não a sua escolha. Por exemplo, eu critico o Kicks por oferecer um carro que pode ficar acima dos R$100 mil com o 1.6 aspirado. O Creta 2.0 por beber demais, o Tracker por oferecer ESP somente nas versões topo de linha, o 2008 THP não oferece AT6…

            Sem dúvidas tudo é uma questão de escolha e necessidade. O meu próximo carro precisa, obrigatoriamente, ter um ótimo porta-malas e ser econômico e eu quero passar bem longe destes tais SUVs. Mas isso é bem particular. Queria muito que a FCA trouxesse para ontem o 1.3 Firefly turbo para este Renegade, ele ficaria excelente! Foi só este o ponto.

            Um abraço.

            • Silas Rana

              Leonel, perdeu se pareceu que fui grosso. Realmente não era essa a intenção. Eu entendi bem o que quis dizer. Só quis tentar passar outro ponto de vista (talvez não tenha sido feliz haha)
              A questão é que, com comprei semi-novo, por 78k, penso que foi o melhor custoxbenefício, entende. Não havia Creta, Kicks e nem Tracker turbo semi-novos. Os poucos HRVs que tinham nessa faixa, eram o LX que são ABSURDAMENTE pelados pelo que custam. Logo, pelo custoxbenefício, talvez a diferença de um pra outro seja insignificante!
              Novamente, não foi a intenção ser cavalo não! hahah
              Abraço e valeu o comentário!

              • Leonel

                Rss…nao! Foi tranquilo @silasrana:disqus ! Eu só quis também deixar claro para evitar qualquer equívoco! hehe..

                É que eu parti da ideia que se referia aos carros atualmente, o que incluem os zero.
                Fica tranquilo! rs…

                Abraço!!

            • daneloi

              Com 100 mil já dá pra negociar um Renegade 4×4 Diesel custom 0km. É a FCA tentando levar o renegade de volta ao topo de vendas depois que ficou para trás. Na minha opinião essa versão é a melhor pedida entre os suvs nessa faixa de preço

              • Silas Rana

                Um RNGD a diesel continua sendo um dos objetivos futuros. Na verdade, sonho de criança é ter um carro a diesel haha

                • daneloi

                  O meu também! Hehehe
                  Atendeu minhas expectativas. Só não me acostumei ainda com o tectectec do motor! 🤣🤣🤣
                  Mas estou satisfeito. Em junho vou vender o meu para pegar outro e faço um review aqui. Vou tentar fazer um tão bom e detalhado como você fez! Parabéns!

                  • Silas Rana

                    Rapaz, o tectec do diesel é o melhor de tudo! ahahah gosto demais daquele som!
                    Po, que massa. Faz sim. Outro ponto de vista e praticamente outro carro, sendo o diesel.
                    Valeu por ter lido e pelo comentário! Abração

            • Ernesto

              Com esses requisitos, acredito que o Virtus TSi o atenda. Vou começar a pesquisar preço, Comfortline com pacote tech2.

          • afonso200

            problema é que o pessoal quer fazer arrancada de semaforo, kkkk, parabens pelo carro, eu achei manco, desculpe, mas na garagem aqui é azera, altima e crv

          • GPE

            Silas, falar q o desempenho do Renegade é ok é forçar. Segundo testes de revistas, o carro acelera quase igual a um 1.0 compacto e ainda bebe mt. Meus amigos q tem, reclamam do consumo, desempenho e do porta malas. No resto, praticamente sem queixas

            • Silas Rana

              Valeu pelo comentário e por ter lido.
              O que posso te dizer é que minha opinião é o que está escrito é em base de 1 ano de uso diário e 25 mil km de convivência. Revista, sempre leva o que paga mais. E eu prefiro ter minha própria opinião. E afirmo que não é como pintam. Quanto ao consumo, bom, é bem o que tá escrito. 8,5 a 12,5 na cidade estrada, com gasolina. 6,5 a 10 com etanol. Condizente com o porte e motor do carro. Semana passada teve um relato aqui de um 1.0 que fazia 7 na cidade. Isso é exagero.
              Sugiro que faca um.bom teste drive ou alugar um por um período e tire sua própria conclusão, baseado na sua experiência, e não sobre a opinião de alheia ou de revistas.
              Qnt ao porta malas, vai da necessidade. Isso se vê antes de comprar, pra ver se atende ou não as necessidades. Realmente é bem pequeno. Mas o suficiente pra mim.
              Mais uma vez, obrigado por ter lido e pelo comentário.

        • daneloi

          Creta 1.6 gasta tanto como o renegade 1.8 e anda parecido. Lembrando que o Creta é o segundo mais pesado depois do Renegade. Esse 1.5 novo do ecosport parece ser bem eficiente mesmo.

  • Ricardo

    Gostei da Placa: GIP (Jeep) hehehehehe

    • Silas Rana

      haha casou com o carro… hahaha

  • Charlis

    Poxa que relato legal… bastante coisa pertinente ai!
    Vocês escrevem tão bem, com tantos detalhes, que até me deixa com medo de um dia preparar um, e esquecer várias coisas, rs…
    Parabéns pelo carro e relato!!

    Eu gosto bastante desse carrinho, sinceramente gosto mais da Renegade, que do Compass!
    Acho que pra ele ficar perfeito, um motorizinho mais legal seria bem vindo… talvez o da 2.0 flex da Compass, ou os downsized seria perfeito.

    Mas em nível de acabamento, a Renegade é de longe a melhor.
    E o desenho dela, também considero a mais legal, por ser diferente, ter personalidade… parece que foge do Hatchizinho Compacto levantado, igual as demais concorrentes.

    []s

    • Silas Rana

      Valeu Charlis! Eu tava meio em dúvida se escrevia ou não. Mas resolvi arriscar de novo haha
      Escreve sim, cara, é legal (o que não é tão legal são alguns comentários de pilotos de teclado), mas ta valendo. Faz parte!

      No ano que vem chega o 1.3 16V turbo para o RNGD. Coisa coisa de 22-23kgf.m de torque e 160 cv mais ou menos. Vai fazer muito bem pro carro.
      Valeu pela leitura! Obrigado!

      • Charlis

        Caramba, boa noticia, vai ficar muito bom!

        Nem perca tempo com esses seres, pois não agregam a nada.
        Pelo português já da pra perceber, rs…

        Curta sua caranga ai! Abcs!

    • Caio Reis

      Charlis, faça um relato sobre o Jetta, seria muito interessante. Abraço

      • Charlis

        Tenho vontade, Caio!
        Assim que tiver uma coragem/tempo quero fazer sim!

        []s

        • Silas Rana

          Charlis, escreve sim.
          Uma dica boa que serve pra mim e, talvez, possa servir pra você, é escrever aos poucos. Começa hoje poe tudo que vem na cabeça. E deixa lá. Do nada, depois, vc vai lembrar de detalhes que seria legais serem contados. Ai vai lá e completa. E assim vai, até o dia que achar que está bom. Este meu tem uns 2 meses que comecei… hahaha O do sandero, que ta linkado no começo da materia, fiz numa batelada só. Teria muito mais pra dizer se tivesse pensado antes.

  • Jok Jok

    Mais uma vítima do câmbio PS…..

    • Silas Rana

      Rapaz, o PS foi só um dos meus problemas. Foram diversos outros. Ar condicionado, amortecedores, airbag e o pior e mais grave: pós vendas! Não deu. Desisti!

  • Jonas

    Que avaliação. Parabéns meu querido. Avaliar até quantos tanques de gasolina pqp. Muito detalhado..kkkk parabéns

    • Silas Rana

      haha Valeu Jonas!
      Eu tenho o hábito de anotar todas as despesas do carro. Pra controle mesmo. Uma planilha no excel já me ajuda muito!
      Valeu pela leitura! Obrigado!

      • Lionheart

        Boa tarde Silas.
        Ótimo relato. Parabéns mesmo.
        Será que poderia compartilhar essa planilha de Excel, gostei bastante “paulofelipe12@gmail.com”

        • Silas Rana

          Lionheart, estou chegndo em casa agora.
          Já que te envio. A planilha foi eu mesmo quem fez. É fácil de mexer. Coloco algumas instruções no email.
          Valeu pelo comentário! Abraço

          • Rodrigo Santos

            Tenho interesse na planilha TB! rrs.bh@hotmail.com

            • Silas Rana

              Rodrigo. Acabei de enviar para o Paulo. Vou encaminhar pra você! Logo ta ai já.

  • Henrique

    Avaliação muito detalhada.
    Meus parabéns!

    • Silas Rana

      Valeu pela leitura, obrigado!

  • Diego G. de Lima

    Uma bela aquisição e um carro top. Parabéns!

    • Silas Rana

      Valeu pela leitura e comentário, Diego! Abraço

  • Ander33x

    Já pensou em investir em uma central multimídia rodando android puro?
    Acho que se o carro compensa nos demais quesitos, pra que se limitar a ficar usando a central original “capada”.
    Eu acho que vale o investimento, principalmente se você importar por conta própria.
    Depois pode vende-la para recuperar a grana e abater possíveis prejuízos com impostos de importação e frete.

    Parabéns pelo relato.

    • Silas Rana

      Valeu Ander.
      Realmente ainda não me passou isso pela cabeça. Vou dar uma amadurecida na ideia e pensar a respeito!
      Valeu mesmo pela leitura e comentário! Abração

  • Rodrigo

    Excelente! Eu enviei a avaliação do meu Renegade Longitude aqui pro NA em setembro de 2015!
    Estou com ele até hoje! São mais de 40mil km e zero problemas! Só alegria!
    Confortável e confiável! Bela aquisição e belo relato!
    Farei uma nova avaliação do meu em setembro de 2018 mostrando o que aconteceu nesses três anos!

    • Silas Rana

      Salve Rodrigo!
      Eu li o seu quando foi publicado. Li depois quando estava pesquisando para comprar. E li de novo quando comprei.
      Inclusive, quando comecei a escrever, pensei em não enviar porque já havia um relato maneiro do mesmo carro e talvez eu não teria muito o que acrescentar. Mas arrisquei mesmo assim!
      Faz a ‘continuação’ sim. É massa saber como o carro está se comportando.
      Valeu pelo comentário! Abração

  • Louis

    Por quê será que a maioria dos Renegade que vejo andando de dia não usa só o DRL? Acendem também o farol e o neblina, neste caso creio que o DRL diminui de intensidade, perdendo a função. Será que acham o DRL muito pequeno?

    • Silas Rana

      Tenho exatamente esta mesma dúvida. Eu uso somente o DRL 100% do tempo. Porém, diria que outros 99% usam o farol ligado o tempo todo. Por vezes acho que é desconhecimento que o carro tem DRL, talvez acham que não possa… sei lá. Ou até a falta de ler o manual! haha
      Valeu pelo comentário, Louis! Abraço

      • Mr. On The Road 77

        Acredito que as pessoas tenham medo se serem multadas mesmo o carro tendo DRL, pois no Renagade fica num local fora do usual, parecendo uma luz de posição, assim como no Compass. Sem contar que muita gente acha que DRL obrigatoriamente é em LED.

    • anonbr666

      Deve ser hábito, todo mundo ficou noiado de andar com os farois acesos nas estradas… E muita gente também não sabe que usando o DRL está isento de multa por farol apagado.
      Como exemplo, minha sogra tem um carro com DRL, mas ela entra nele e a primeira coisa que faz é ligar os faróis.

  • ObservadorCWB

    Parabéns pelo relato. Detalhista. Embora o carro não seja uma unanimidade, não há por que desconfiar de tudo que você falou. Citou prós e contras. Seja feliz com a aquisição. Seria interessante uma análise comparativa dele com o Compass. Briga familiar !!!

    • Silas Rana

      Valeu Observador! Obrigado pelo comentário!
      E olha, acho que a questão para o Compass vai ser questão de custo/necessidade. Eu acho que o RNGD seria inferior em quase todos aspectos. Porém, tenho pra mim, por exemplo, que o Compass seria MUITO mais do que eu preciso. Seria gastar mais por um carro daquele tamanho, que eu não preciso, entende? Porém, acho que em todos os quesitos ele leva o RNGD.
      Valeu pelo comentário! Abraço

  • Caio Reis

    Silas, parabéns pelo relato. Ficou excelente. Muitos detalhes descritos deixa o leitor interessado e esclarece muitas dúvidas também.
    Particularmente é um carro que me agrada muito desde quando vi o lançamento, a Jeep faz carros excelentes.
    Uma pena esta versão ter apenas 2 air bags de fábrica. Mas é um belo carro, parabéns. Saudações.

    • Silas Rana

      Valeu Caio!
      Desde o lançamento eu também fiquei curioso com esse carro. Nunca tinha tido a oportunidade de entrar em um, porém era um carro que sempre me agradou. E, de fato, uma pena não ter mais airbags de série. São vendidos como caros opcionais. O meu, por exemplo, a 1ª proprietária gastou quase 10 mil em opcionais porém não escolheu as bolsas extras. Deveriam ser de série mesmo!
      Valeu pela leitura e pelo comentário!
      Abraços

      • Caio Reis

        Realmente, mas fora a questão dos Air Bags, o carro é show! Abraço

  • Zé Mundico

    Muito bom o relato e melhor ainda o cálculo com despesas, revisões e abastecimento. É isso que realmente mexe no bolso e sempre é bom estar a par do que está se pagando.
    Pude ver que você está gastando 35 centavos por km rodado (gasolina), o que não deixa de ser uma ótima média. Para mim esse é o principal índice a ser observado (por remeter diretamente ao “bolso”) e não o km/l, que é apenas uma média de espaço percorrido.

    • Silas Rana

      Valeu Zé!
      Eu tenho esse costume de anotar todos os custos do carro. Já tem alguns anos. A ideia é justamente saber para onde o dinheiro vai. Acho importante.
      Com relação ao custo/km, também acho mais importante que o valor do consumo em si. E olha que alguns parentes que vem para minha cidade, acham o etanol bem barato (2,77). Porém, mesmo assim, não vale a pena pra mim. Isso pouca gente vê e ainda segue a ‘regra’ do posto.
      Valeu pelo comentário e leitura! Abração

  • Alberto Rigattoni

    Belo relato, muitas informações importantes e muito bem escrito.

    Dos SUVINHOS o Renegade é que eu acho mais bacana quanto a design e acabamento, pena o porta malas ser bem pequeno. Teria um tranquilamente (se pudesse hehe).

    • Silas Rana

      Obrigado pelo feedback, Alberto.
      De fato o portamalas é bem pequeno. Penso que alguma melhora já teve quando a Jeep optou pelos steps temporários nos modelos mais novos. Uma família com crianças possivelmente passaria aperto com o tamanho dele mesmo.
      Novamente, obrigado por ter lido e pelo comentário! Abraço

  • thi

    peça cair e entre outras coisas q vi no relato tem uma culpada: Fiat … O carro pelo q custa tem cambio e motor fracos .

    • MauroRF

      Falou o fanboy da VW. Você não é imparcial.

    • Silas Rana

      Como falei lá em cima, se cair for relacionado ao texto, recomendo que vc releia. Não foi dito que nada caiu. Soltar é diferente de cair. Mas, mesmo assim, obrigado por ter lido e comentado. Abraço.

  • Cássio

    Parabéns pelo carro e pela análise! E que bonita garagem!

    • Silas Rana

      Obrigado Cássio. Valeu por ter lido. É pelo elogio da garagem. Tô esperando as palmeiras crescerem pra aumentar a sombra hahaha
      Valeu. Abraço

      • Cláudio

        Silas, esta planta, ao crescer, pode atrapalhar tomando a largura de seu espaço. Veja com alguém da área, pois quanto antes você souber, melhor para arrumar. Abraços e obrigado pelo relato rico em dados e livre de emoções.

        • Silas Rana

          Grande Cláudio! Obrigado pela leitura e pelo comentário!
          Vou conversar novamente com o jardineiro que fez a ornamentação lá. Na hora de instalar, eu me preocupei bastante com a raiz, para que não estragasse o piso e nem comprometesse a piscina que fica um pouco mais ao lado. Porém, confesso que não me atentei na ‘espessura’ da árvore. Se me lembro bem, é de uma espécie chamada “rabo de raposa” e, me parece que não cresce muito em altura. Sei que fica bastante volumosa na quantidade de folhas. Mas pesquisarei sobre o tamanho do caule. Realmente pode atrapalhar…
          Novamente, Muito obrigado! Abração!

  • pedro

    O cara fez opinião do Renegade, mas gastou um tempão para falar de outros carros.

    • Silas Rana

      Isto chama-se contexto. Obrigado por ter lido e pelo comentário. Abraco

  • carlos arriel

    Muito bem feito, parabéns!! Tudo depende do uso, no caso é basicamente urbano e com trânsito mais para moderado. Contudo, ao sair desse nicho o Renegade, na minha experiência, deixou a desejar! Principalmente na estrada, aí dá sentir a falta de força, mesmo o com etorq atualizado. O Renegade flex exige bem mais atenção nas ultrapassagens .

    • Silas Rana

      Eu penso que seria fácil dar uma agilidade maior, principalmente em rodovias, se encurtassem um pouco as relações das últimas marchas. Um motor que não tem um rendimento legal em baixas rotações, fica complicado viajar em sexta marcha a 2000 rpm. Realmente poderia ser bem melhor mesmo.
      Quanto as ultrapassagens, penso que num carro rápido ou não, a atenção é a mesma.
      Muito obrigado pelo comentário e por ter lido, Carlos! Valeu mesmo! Abração

  • Luconces

    Excelente matéria, muito bem escrita e detalhada. Meus pais tem um Longitude Flex do mesmo ano com as mesmas rodas.

    Único porém, bem pessoal mesmo, é com relação a essa cor. Sempre achei sem graça Renegade prata. Acho que não combina com a proposta e apelo visual do carro, tanto que a vendedora nos falou que era a cor que menos saia e levava mais tempo para ser entregue.

    • Silas Rana

      Obrigado pelo comentário, Luconces.
      De fato a cor é bem careta mesmo. Se eu tivesse pego 0km teria escolhido outra. Porém, devido ao conteúdo dessa, as condições e o estado do carro, não tinha muito o que pensar da cor haha Mas você tem razão. São bem poucos Renegades Pratas pela rua.
      Valeu por ter lido e comentado! Abraço

      • Luconces

        Magina Silas!

        Aqui é preferência pessoal apenas!

        Creio que no seu caso faria o mesmo, entre os usados com uma cor diferente tendo itens de série e um prata cheio dos opcionais eu pegaria o segundo tranquilamente!

        Abraço

  • Wagner Lopes

    Tá aí um carro que eu realmente NÃO gostaria de ter…

    • Silas Rana

      Obrigado pela leitura e comentário, Wagner.
      Quanto ao carro, se for pelo que lê por ai, recomendo que faça um teste drive antes. Pode surpreender pelo conjunto. Tanto no flex quanto, principalmente no diesel. Porém, se for questão de gosto pelo visual do carro, aí é opção mesmo.
      OBrigado pelo comentário! abraço

      • Wagner Lopes

        Silas, é gosto pessoal mesmo. E também pela Fiat ter “colocado a mão” na Jeep e de cara equipá-lo com o “e-treco” baixo custo para fazer mais $$$$. Quanto a qualidade construtiva, segurança e conforto, não tenho qualquer dúvida que estão em nível elevado nesse carro. Abraços.

  • Davi Millan

    Parabéns pelo relato!

    1. “não tivemos ‘sorte’ com nossa unidade e, depois de várias idas e vindas e muito stress com a montadora, decidimos que era hora de vende-lo.” Eu sei como está se sentindo, eu estou passando essa raiva com um Up! TSI…

    2. Gostei da placa GIP.

    3. O Powersift queimou o carro e não importa qual “fornada seja o cambio”. Eu já cheguei a ver dois NF Titanium do mesmo ano com km 10mil acima para o MT e mesmo assim o MT estava 5 mil mais caro que o Powershift.

    4. Eu adoro o Renegade, pena que em questão de motorização ele não me agrade tanto. :/

    • Silas Rana

      Boa noite Davi. Obrigado por ter lido.
      Cara, eu sinceramente, NUNCA aceitei esse negócio de ter sorte ou não com carro. Afinal, não é uma aposta. A gente paga e paga caro pra comprar. Ser funcional e não dar defeitos seri o mínimo. Porém, depois do Fiesta, revi totalmente este conceito. Principalmente quando o pós vendas não funciona. É complicado demais. Que pena que está tendo problemas com o UP. Ele sempre esteve no top1 de opções de carros urbanos e economicos da minha lista mental! hahaha
      Como eu falei antes, o Powershift no meu caso foi só um dos problemas. E depois de arrumado, ficou muito bom. Mas o estrago no nome já estava feito, infelizmente.
      Quanto a motorização do RNGD, a sugestão é que tente um teste drive (caso não tenha feito ainda) Não vá 100% pelo que vc lê não. Apesar de sair do UP, que tem uma agilidade bem consideravel, certamente poderá achar o RNGD bem lento. Já pensou num RNGD a diesel? Os comentários de consumo e desempenho são excelentes.

      • Davi Millan

        Eu também não aceito esse negócio de sorte com o carro. Defeitos podem acontecer, mas o que vai determinar uma marca de ser boa ou não é exatamente como o pós-venda e a própria marca se posicionam perante esse problema.
        Eu gostei do Up! TSI. Ele tem racionalidade pois é um carro compacto (ideal para a cidade), econômico (ótimo para tempos de gasolina cara) e tem um bom desempenho (ótimo para manter o sorriso no rosto do condutor). Mas infelizmente não tive uma boa história com o modelo.
        Farei o TD nesse novo RNGD com as atualizações no motor para ver como ficou. Mas acredito que não sairei satisfeito pelo desempenho ser bem diferente do Up!. A Diesel é interessante, mas infelizmente é muito cara e nas configurações que me interessa o preço chega próximo aos meus SUVs/Crossovers favoritos, como Suzuki Vitara Sport / S-Cross Sport, Peugeot 3008, GM Equinox e MB GLA 200.

        • Silas Rana

          É exatamente o que eu penso, Davi. Todos estão sujeito a problemas. TODOS. De todas as marcas (o relato da suspensão da mercedes no post mais recente não me deixa mentir), porém, o que faz a diferença é como a marca trabalha em cima do pós vendas. Sofri demais com o pós vendas da Ford. Cheguei a esperar 7 meses por uma peça (e era só um amortecedor). Tive vários problemas e TODOS só foram consertados depois de bastante estresse e em nenhum deles eu esperei menos de um mês pra arrumar. Isso quando nem a montadora sabia arrumar (caso do problema no airbag – foram 5 visitas e me devolviam o carro SEM diagnóstico e sem saber o que era o problema).
          Olha, vou ser sincero contigo. Saindo de um UP, o RNGD não vai te agradar no quesito desempenho/consumo. Alias, te digo que neste aspecto, nenhum concorrente vai agradar. Talvez apenas o Tracker turbo, ou os Suzukis turbo também. De resto, acredito que estejam todos na mesma fila do anda pouco e bebe muito (principalmente comparado ao UP). No nosso caso aqui, que saimos de um NFiesta, que era relativamente bem esperto e economico também, já sabíamos que estavamos abrindo mão desse requisito, em prol de outros. Foi uma questão de escolha. E, com isso em mente, tem nos atendido plenamente. Caso esteja disposto a abrir mão também, certamente ganhará em conforto, segurança, tecnologia e equipamentos também…
          Novamente, obrigado pelo comentário! Abração e boa páscoa!

          • Davi Millan

            É, o seu caso foi mais punk do que o meu está sendo…
            É o que eu digo sempre, cada carro tem sua proposta e o que vai definir ele em ser bom ou não é se ele cumpre a sua proposta. No caso do RNGD ele cumpre sim a sua proposta, mas muitos criticam ele com base em seus gostos, mas isso não quer dizer que ele seja um carro bom ou ruim, mas sim um carro que cabe ou não em seus gostos pessoais. Eu gosto do carro e ele até me atenderia bem (depende da altura da soleira da porta até o chão), mas fui picado pelo bichinho do turbo nos meus dois últimos carros e daí já sabe né… Mas inexoravelmente o Jeep terá um motor turbo flex e eu irei buscar por ele. Obrigado pelo relato e abraço!

  • Alexandre

    Parabéns. Mais uma vez um texto bem informativo.

    • Silas Rana

      Po, Alexandre! Que legal ler isso! Valeu mesmo.
      Eu, particularmente, gosto deste tipo de texto, primeiro porque sou ‘consumidor’ deles. Procuro dar mais voz a quem escreve textos pessoais, do dia a dia do carro do que uma avaliação ‘profissional’. Muitas vezes o convívio diário nos traz coisas que não vemos num test drive ou numa avaliação de revista, por mais completa que seja. Por isso que eu sempre penso em escrever. Justamente com essa ideia. Pode ser o diferencial que alguém precisa pra decidir ou não. Fico feliz que de alguma forma tenha te ajudado!
      Quanto ao Renegade, cara, também sai de um Fiesta que era bem ágil no dia a dia. Houve um período entre pegar o Jeep e vender o Fiesta, em que fiquei com os dois. Era MUITO nítida a diferença na ‘esperteza’ dos dois. Porém, nada que desabone o Jeep. Penso que são só propostas diferentes. Qualquer um que escolher nessa categoria não será muito diferente. Outra sugestão é que você realmente faça um teste drive tire suas conclusões. Tem muito comentário de pilotos de teclados (aqui mesmo já tem vários) que emitem opiniões com base formada por revistas ou testes on line, sem nunca ter entrado no carro. Mesmo que você até ache o mesmo, mas conclua por você mesmo!
      Enfim, é isso! Valeu mesmo pela leitura e pelo comentário! Gratidão! Abração

  • Bispo

    Relato meio…”vou dorar a pílula” … o motor 1.8 deste carro é para lá de manco… quem quiser passar raiva que a “engula”.

    E convenhamos Jeep que não for a diesel tem seu valor de revenda igual a mico albino com asas de seda.

    Se duvidam da capacidade anêmica deste motor…façam um teste drive…”abrolhos”!

    • Silas Rana

      Valeu por ter lido.
      E ainda bem que opinião, cada um tem a sua. A minha eu posso garantir que é com base em um ano de experiência com o carro. Com relação a desvalorização.. bom. Carro nunca foi investimento. Só da despesa. E eu compro o carro que eu quero pensando no que me agrada, não no que o mercado acha melhor. Se desvaloriza? Todos desvalorizam. Pelo menos eu tive o carro que eu queria.
      Valeu por ter lido e pelo comentário! Abraço

  • Mario Souza

    Ótimo comentário. Falta porta-malas, tela multimídia de celular, motor beberrão para a atualidade e achei interessante a opção do antigo dono por outros itens tecnológicos em detrimento dos air bags. Quase todos os “defeitos” que citei serão corrigidos nesta nova geração, menos o motor. Acredito que achem a opção a diesel a referência para consumo. Todos os itens que citou como mimos depois de uns 5 anos com eles, duvido que deixara de lado. De todos só dispenso o sensor crepuscular depois de todo esse tempo.

    • Silas Rana

      Obrigado por ter lido e pelo comentário, Mario!
      De fato, algumas coisas poderiam ser melhores. E acho que melhorarão em breve. Inclusive o motor, no ano que vem, como modelo 2020. E sim, depois de anos com todos esses confortos, realmente vai ser difícil deixar de lado. Mas não vou pensar nisso no momento. Ainda ta longe o dia de trocar de carro de novo. haha
      Novamente, obrigado pelo comentário e pela leitura. Abração

  • afonso200

    andei e achei mais manco que a CRV EXL AWD 2.0 2011

    • Silas Rana

      Manco? Manco sou eu que tenho uma perna menor que a outra. Todos chegam no mesmo lugar. Nunca tive pretensão pra piloto.
      Valeu por ter lido (leu mesmo?) e pelo comentário. Abraço

  • beto

    Parabéns pelo carro. Pra mim o melhor suv nesta faixa de preço, não é somente um carro de shopping como todos os outros.

    • Silas Rana

      Beto,
      Valeu pela leitura e pelo comentário. Eu acredito que todos os concorrentes tem seus predicados. Cada um deveria ver aquilo que agrada mais. Porém, de fato, é um puta de um carro. E eu truco que a maioria que fala mal, sequer entrou/dirigiu/conviveu com o carro por mais de 1 dia que seja.
      Novamente, valeu por ter lido e pelo comentário! Abraço

  • Calibra vermelho 95

    O Renegade me atrai muito para a próxima aquisição de meu pai. Teremos que fazer um test drive para ver se o desempenho irá satisfazer ele. Creio que irá pois atualmente ele tem um Cruze 1.8 e ele disse que o carro anda muito (rs).
    Outra questão que pega é o porta-malas. Ele gosta de porta-malas grande, porém ele quase não usa e faz poucas viajens. No máximo ele visita minha irmã que mora a 200 km umas 3 ou 4x por ano. Pena que ele é meio cabecinha dura, não sei se vou convencer ele de que ele não usa muito o porta-malas rsrs.
    Ano passado meu pai viu um Renegade de cor verde musgo numa feira agropecuária e se encantou com a cor, o design, imponência e robustez do modelo. Eu gostei muito do acabamento. Entrei no Renegade e depois no Creta de deu até desânimo, o Renegade é bem superior. E o consumo segundo o seu relato não é nada mal pelo motor e peso, é bem mais econômico que o Cruze que custa fazer 6,5 km/l de gasosa na cidade, com ar ligado e andando devagar como ele sempre anda.
    Enfim, o Renegade seria uma boa pra ele, principalmente uma coisa que gosto muito dele: a segurança.

    • Silas Rana

      Cara, tive exatamente este mesmo problema aqui. Acredito que seja a quebra de um paradigma.
      Em casa, a vida inteira foi perua (várias até 1989, com uma Quantum) e depois, só sedans. Só. Quando meu pai faleceu, minha mãe continuou com o mesmo pensamento, tinha que ser sedan e ter portamalas grandes. Tanto que vieram Focus sedan e Fiesta Sedan. Mas, assim como seu pai, a utilidade de tanto tamanho era mínima. Por poquíssimas vezes foram de fato usados no tamanho que ofereciam. Na hora de pegar o RNGD propus a lembrança de quando tinha sido a última vez em que realmente precisamos de um porta-malas tão grande. Ninguém lembrou. O porta-malas do RNGD é pequeno? Sim é. Mas atende perfeitamente a mim e minha família. Se nas 3 ou 4x por ano que seu pai usa, o pequeno porta-malas der conta, porque não?
      Tenta um teste drive. Alugue um que seja. É bom pra quebrar alguns conceitos.
      Valeu por ter lido e pelo comentário! Abração

  • th!nk.t4nk

    Bom relato, Silas! Nunca entendi por que tanta gente parece ter “raiva” do Renegade. Alguém disse aí que é um dos SUVs com desenho mais interessante, e eu concordo. Em termos construtivos ele também não é ruim (pode nao ser excepcional, mas pior que os concorrentes nao me parece ser de jeito nenhum). Eu diria que o porta-malas desagrada, mas vai das necessidades de cada um. O motor também pode nao ser o ideal, mas os concorrentes também não são essa belezura toda na mecânica não. Enfim, parece que criou-se um ódio a esse tipo de carro, e deveria ser o contrário, já que o pavimento ruim no Brasil “pede” um veículo mais parrudo. Por fim, achei curioso o comentário sobre o câmbio de relaçoes longas (2100 rpm a 110 km/h), mas está correto pro segmento e tem que destacar mesmo :) Acho que a gente ficou muito acostumado a motores esgoelados no Brasil, que giram excessivamente nessa velocidade. Curiosidade: meu carro (que não é tão mais potente assim, fica ainda abaixo dos 200 cv) mantém 2000 rpm a 180 km/h, e se afundar o pé a essa velocidade ele volta a puxar até com bom vigor. É outro mundo de motor e câmbio, mas serve bem pra ilustrar a questao de que potência nao é tudo (tecnologia sim). Quando vejo o povo se batendo por 20 pocotós a mais ou a menos, sem nem ter dirigido o carro pra saber se anda bem, dá até desânimo. No fim o que interessa é se cumpre o objetivo, nao os números brutos.

    • Silas Rana

      Boa camarada! Obrigado por ter lido e pelo comentário!
      De fato, não sei o porque de tanta raiva também não. Dos outros relatos que escrevi, já haviam alguns “entendidos” que só vinham pra ser do contra. Acredito que as pessoas tenham dificuldade em lidar com as escolhas e opiniões alheias. O Renegade ta LONGE de ser o melhor carro do mundo. Porém, te garanto, que também passa LONGE disso tudo que pintam dele. E eu truco que a maioria dos que falam, já tenham andado mais que um test drive (se já tiverem entrado em um) e se baseiam por testes e avaliações on line. Os pilotos de teclado estão cada vez mais experientes!
      Com relação ao câmbio, eu concordo plenamente contigo. Passamos muito tempo com câmbios extremamente curtos (os finados Chevrolet VHCE, que o diga, com câmbio de trator, de tão curto). Porém, o que eu quis dizer no texto, diz respeito a este carro em específico. No modelo 2016 do Renegado, não há variação no comando de válvulas, por exemplo. O torque em baixa rotação é baixo. Logo, com uma relação tão longa, mantendo o giro tão baixo, é bem dificil dele manter a velocidade, no menor aclive que seja. Essa é a questão. Nos modelos mais novos, a partir de 2017, quando o etorque ganhou variação no comando de válvulas (não lembro se na admissão ou escape), houve uma melhora nas respostas em giros mais baixos. Os comentários de quem já teve os dois modelos dizem exatamente isso. Acredito, por exemplo, que se fosse um motor turbo, essa mesma relação de marcha seria uma maravilha para tanto para o consumo, quanto na manutenção da velocidade, por exemplo.
      Novamente, valeu mesmo por ter lido e pelo comentário, que certamente enriqueceu o debate! Abração

  • Eron Lopes

    Ótimo relato. E parabéns pelo carro.

    • Silas Rana

      Obrigado pela leitura e pelo comentário, Eron! Valeu mesmo! Abração

  • Enrique Souza

    Eu sempre tive preconceito com o Renegade,mas depois que fui vê-lo num concessionário,gostei do carro! Só peca num ponto do porta-malas com espaço bastante reduzido,mas no demais,é um SUV nacional de respeito! Ótimo relato

    • Silas Rana

      Enrique, obrigado pela leitura e pelo comentário.
      De fato, muito provavelmente, assim como você disse, muitas pessoas tem pré-conceito sobre o carro e, ao invés de ir conhece-lo a fundo, ficam disseminando inverdades por ai.
      Se for o que você procura e espera num carro, pode ter certeza que vai te atender plenamente. Com relação ao porta-malas, de fato, não tem muito o que comentar. Vai da sua necessidade. Porém, saiba que houve a mudança do tipo de estepe. Os novos agora vem com estepe temporário, aquele fino. Só isso já aumentou consideravelmente o volume do porta-malas (o aumento foi em altura, o que talvez não seja notado. E não em área). O meu, por exemplo, tem uma baita roda de 18″ guardada lá dentro. Pensa no espaço que ocupa?
      Novamente, obrigado pela leitura e pelo comentário! Abração!

  • Ubiratã Muniz Silva

    Tenho olhado com bons olhos para esse carro e é um dos que eu considero para a patroa (em que pese eu já estar quase conseguindo convencê-la a abandonar essa ideia de SUV em prol de um sedan médio – ainda mais depois de fazer um test-drive no Elantra 2017/18 que está com ÓTIMAS condições de preço para a categoria).

    Amanhã tô viajando e reservei um na Localiza de Maceió, com o qual vou ficar por 8 dias. Tô torcendo para que seja mesmo um Renegade e não um Duster 2.0 automático (que já conheço), como em algumas outras unidades da locadora. Depois posto minhas impressões.

    A propósito, parabéns pelo relato, foi bastante esclarecedor.

    • Silas Rana

      Boa Ubiratã!
      Tomara que possa ter o carro pessoalmente, mesmo que por um curto tempo, para ter suas próprias impressões.
      De fato, optar por um SUV, é basicamente, abrir mão de um carro que custa basicamente o mesmo e é mais equipado e com motorização melhor, pra ter uma posição de dirigir mais elevada e uma robustez, teoricamente, maior.
      Via de regra, os sedans são mais equipados quando comparados a um SUV de mesmo preço. E, antes de tudo isso, vem o fator econômico do melhor negócio. Esse sim é capaz de mudar drasticamente opiniões haha
      Alias, o Elantra é um baita de um carrão também! Qualquer um deles será uma ótima escolha!
      Novamente, obrigado pelo comentário e por ter lido! Abração

  • Jorge

    Bem legal o relato, tudo bem detalhado. Da primeira vez que vi o renegade me apaixonei, mas acabei desistindo e hoje ao vê-lo a impressão que tenho é que ele envelheceu muito mais do que deveria.

  • HEDI

    SALVE, para mim esta palavra é coisa de BANDIDO.

  • Alexandre

    Boa tarde,
    Guaratinguetá, ooo cidade boa, passei minha infância juventude ai, com meus avós. Bairro pedregulho.
    Mas belo relato sobre o carro.
    Que use muito, mas analisa instalar GNV. Você roda muito.
    Eu tenho GNV no Etios e economizo muito.
    Perde pouco, 2,5% de potência. Mas fica mais barato de manter. Economiza uns 40% comparado com o preço da gasolina.
    Você foi detalhista no relato e contas. Faça com GNV. Ele deve ter um consumo uns 20% melhor comparado a gasolina.
    Abraço.

    • Silas Rana

      Quer dizer que é conterrâneo? Que maneiro!
      Nasci lá no Pedregulho também. Mas fiquei pouco tempo. Me mudei com 5 anos. Mas continuo até hoje aqui em Guará.
      Rapaz, quanto ao GNV, confesso que tenho um certo pré-conceito. Nem nunca me passou pela cabeça ter um em algum carro (mesmo sabendo que, quem tem uma vez, coloca em todos os carros seguintes).
      Na verdade, pro RNGD acho que o fator porta-malas pesaria contra. Mas vou pensar na possibilidade. Apesar de, ainda estar cabendo no orçamento do jeito que está…
      Novamente, muito obrigado pelo comentário! Abração. Boa páscoa

  • Alexandre

    Meu pai tem um CRETA 1.6 automático.
    Em SP capital faz 5,0 até 6,5 km / l no etanol. Computador de bordo. Bebe bem.
    Carro bom.

    • Silas Rana

      Obrigado pela leitura e pelo comentário, Alexandre!
      Infelizmente, acho que nenhum dessa categoria é referência em consumo. Digo, nenhum que se destaque positivamente. Obvio que um ou outro gastará um pouco mais ou menos, mas estão todos no mesmo barco. Mas isso desfaz a qualidade do carro. Acredito que se comprarmos sabendo disso, e couber no orçamento dessa forma, só resta ser feliz e curtir o carro! Parabéns pelo de vcs ai! Usem com saúde! Obrigado pelo comentário! Abrçao

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email

receber-noticias Notícias por email