China JAC Motors Mercado Sedãs

E na hora de vender um carro chinês? Vou perder muito dinheiro? Nós verificamos isso na prática

jac-j3s-turin-preto-2015-2-700x525 E na hora de vender um carro chinês? Vou perder muito dinheiro? Nós verificamos isso na prática

Ter ou não ter um carro chinês? O pacote sempre é chamativo: carros bem equipados e preços abaixo da concorrência. Mas muitas dúvidas também aparecem. Será que a manutenção não será cara? Os materiais usados são de qualidade? É seguro andar num modelo de marca menos conhecida?



Passados alguns anos desde o início da invasão chinesa, a maior parte dessas questões já foi respondida pelos consumidores (seja de forma positiva ou negativa). Para isso, muitos usam a opinião de amigos ou de especialistas, além de reportagens sobre o assunto. Mas, para todos aqueles que nunca colocaram um carro chinês na garagem, uma dúvida continua: e na hora de vender, vou perder muito dinheiro?

Para responder essa pergunta escolhemos um dos últimos lançamentos da JAC Motors, a chinesa com melhor aceitação no mercado brasileiro. Estamos falando do J3 S Turin 1.5 JetFlex (veja nossas impressões, feitas no lançamento do modelo atualizado aqui), que é vendido por R$ 41.990. O modelo, cedido pela JAC, é 2014, tem menos de 8.000 km rodados e tem valor de tabela de R$ 36.913.

Confira agora como nos saímos ao tentar vender o modelo, tanto em concessionárias (como parte na negociação de um zero km) como em outras lojas multimarcas.

jac-j3s-turin-preto-2015-7-700x525 E na hora de vender um carro chinês? Vou perder muito dinheiro? Nós verificamos isso na prática

Concessionárias jogam o preço lá embaixo

Começamos nosso dia em uma concessionária Volkswagen. Após perguntar sobre o up!, falamos sobre colocar o J3 S Turin no negócio. O vendedor disse que outra pessoa fazia as avaliações, mas já nos adiantou: “Acho que vão te pagar uns 30% abaixo da FIPE”. Daí, ele mesmo já perguntou o preço de tabela, sacou sua calculadora e anunciou: “No máximo, se você comprar mesmo o up!, podemos pagar R$ 25.000”.

Saindo dali, partimos para a Nissan, onde o sistema é um pouco diferente. Ouvimos do vendedor que a concessionária só pegaria o carro se já tivesse alguém interessado. Ou seja, se o cliente quiser colocar seu usado no negócio, eles ligam para vários estacionamentos em várias cidades oferecendo o modelo. Pelo menos no caso do nosso J3, não queriam coloca-lo em seu estoque de seminovos. O mesmo ocorreu na Renault, que até trabalha com vários seminovos, mas não queriam pegar o J3 por falta de mercado.

A terceira parada, certamente a mais interessante, foi na autorizada Chevrolet. Discutimos a compra de um Onix LT completo, e aí falamos sobre o J3. Fomos junto com o vendedor até o setor dos seminovos (bem maior do que nas lojas anteriores), onde seria feita a avaliação.

E aí ocorreu a surpresa: o responsável pelas avaliações de usados não gostou nem um pouco da ideia, mostrando que não tinha a menor intenção de ficar com o carro. Chegou a questionar o vendedor (quando não estávamos por perto) como alguém poderia querer colocar esse carro na troca. Ao fazer a pesquisa sobre o preço de tabela, usou como base o valor do J3 S na versão hatch, alegando que no documento do carro não havia a expressão “Turin”. Tentamos argumentar, mas isso não mudaria o preço final oferecido: R$ 20.000.

Seguimos para a Ford, onde, por coincidência, havia acabado de chegar a primeira unidade do novo Ka. Fomos com o vendedor ver o carro (que ainda estava sujo da viagem) nos fundos da concessionária, e voltamos para sua mesa, onde ele nos disse que as primeiras unidades do lançamento chegariam em breve. Citamos a possibilidade de incluir o JAC no negócio e, para nossa surpresa, ele disse que havia acabado de pegar uma perua J6 numa troca. “Fiz um bom negócio”, disse o vendedor. “Paguei barato”. Mesmo assim, ouvimos a negativa em relação ao J3: “Acho que você vai fazer um negócio melhor se tentar vender particular”. Entendendo o recado, rumamos para outra loja.

jac-j3s-turin-preto-2015-9-700x525 E na hora de vender um carro chinês? Vou perder muito dinheiro? Nós verificamos isso na prática

Chegando à Fiat, perguntamos sobre o Novo Palio, ouvimos as condições e novamente citamos a troca com nosso J3. O vendedor disse que precisava consultar outra pessoa, mas que achava difícil o carro ser aceito. Ele então pegou o telefone e passou as informações, se mostrando surpreso com a resposta positiva. “Eles pegam o carro sim. Ofereceram R$ 20.000, eu chorei um pouco, e eles pagam R$ 23.000.”

A última parada foi na Hyundai, onde tivemos o melhor atendimento e a melhor avaliação. Mostramos interesse no HB20. A vendedora mostrou bem mais disposição que seus colegas de marcas concorrentes, nos passando com muita paciência todas as informações sobre cada versão do modelo. Sentamos para discutir as condições e já citamos nossa intenção de colocar o J3 no negócio.

Ela admitiu não conhecer o carro, mas chamou o responsável pela área, indo com ele ver o modelo. Voltando, elogiou a conservação e os equipamentos, e nos perguntou quanto gostaríamos de receber por ele. Não especificamos valor, e ela disse que precisaria consultar uma terceira pessoa para dar a oferta. Enquanto isso, ganhando tempo de forma inteligente, nos convidou para um test-drive no HB20 1.0. Quando voltamos, recebemos a melhor oferta pelo J3, que foi de R$ 26.000.

jac-j3s-turin-preto-2015-10-700x525 E na hora de vender um carro chinês? Vou perder muito dinheiro? Nós verificamos isso na prática

Lojas multimarcas não querem nem ver o J3

No dia seguinte mudamos o foco, e partimos para as lojas multimarcas. Em algumas, mostramos interesse por algum carro do estoque, em outras falamos apenas em vender o J3. Em quase todas ouvimos uma resposta negativa. Na única exceção, ouvimos que o estoque estava muito cheio, mas que assim que pudessem iriam nos ligar para vender o carro de forma consignada.

Nas outras, a resposta sempre era algo do tipo “Carro chinês não tem mercado, desculpa”, ou ainda “Tente vender em cidades maiores, como São Paulo. Lá você vende fácil”.

Conclusão

Para muitos, comprar um carro chinês simplesmente pelo preço não é mais tão interessante. A grande variedade de modelos oferecidos no Brasil sempre dá ao consumidor a possibilidade de encontrar uma boa oferta em marcas tradicionais. E se você tinha medo de perder muito dinheiro na venda, saiba que seu receio tem fundamento. Ao colocar um modelo como o JAC J3 de nossa avaliação numa troca, espere ofertas entre 30% e 40% abaixo da tabela. Se o carro em questão for de outras marcas chinesas, espere ofertas ainda mais baixas.

Será que em outras concessionárias, em outras cidades, a história seria diferente? Dificilmente. Percebemos claramente que a maioria dos vendedores que nos atenderam não tinham preparo para esse tipo de negócio. Quem leva seu usado a uma concessionária sabe que vai receber ofertas bem abaixo da tabela, mas isso não quer dizer que ele não espera ver seu veículo sendo bem tratado. E se a sua saída for tentar a venda particular, saiba que pode demorar meses para conseguir uma boa oferta.

Por outros motivos, comprar um carro chinês continua sendo interessante para alguns. O J3 S Turin usado para essa reportagem era muito bem equipado, e seu motor 1.5 tem vigor de dar inveja a muitos modelos com motores maiores, 1.6 ou 1.8. Mas quem compra um carro em marcas menos tradicionais precisa avaliar o quadro todo e saber que, na hora de vender, o barato pode acabar saindo caro.

Galeria de fotos do JAC J3 S Turin

  • DiegueteCG

    Mais um efeito do lobby das grandes montadoras “nacionais”, infelizmente. Como o interior dos JAC’s melhoraram!

    • Marcos Vinicius Bittencourt

      Me diga o que o lobby das montadoras tem haver com nenhuma loja multimarcas querer aceitar o carro?

      • Nelson C

        O super IPI tornou mico um carro que vinha vendendo bem e que na época provocou queda expressiva no valor de vários concorrentes, como o Fiesta Rocam 1.6.
        Sem o aumento absurdo e direcionado que o lobby impôs, o J3 provavelmente seguiria vendendo bem, teria mercado e seria mais bem aceito pelas revendas.

        • gustavo

          Mas tem um fator relevante nessa historia, varios fatores negativos a respeito de garantia resistencia mecanica e reposição de peças etc e tal, que começaram a circular na midia, que espantaram muita gente de comprar o carro, eu mesmo desisti, ja ia fechar negocio num J3 semi novo!!!

        • Marcos Vinicius Bittencourt

          Só me responda uma coisa: J3 custava 30% a menos do que o Fiesta Rocam? O fato é que as lojas não aceitam esse carro na troca, ou desvalorizam-o muito.
          Deve ter havido um lobby sim para dar uma freada nas vendas dos chineses 0km, mas usados?

          • A resolução é pratica. A proposta da JAC é um bom preço, bons equipamentos e uma garantia ! Olhe 4 anos atras, a relação PREÇO X EQUIPAMENTOS das grandes montadoras, a JAC fez com que o mercado conçar-se e começar a oferecer um preço menos abusivo. Antes de vomitar conceitos pre formados, conheça o carro e a estrutura !

            • Marcos Vinicius Bittencourt

              Brincadeiras a parte: Um ótimo carro à se colecionar: O carro que mudou o cenário automotivo brasileiro, quanta história!

          • Um carro que não tem boa saída quando novo, acaba não tendo boa saída e aceitação no mercado de usados e seminovos. Contribui para a não aceitação dos carros da JAC e em especial o J3, seu histórico de problemas incomuns na primeira versão importada, desde luz EPC, até abertura do capô pela grade e outros defeitos que a rede credenciada não tinha experiência para resolver, somado aos problemas de falta de peças de reposição, fechamento de concessionárias da marca. preços extorsivos das revisões obrigatórias para manter a garantia de seis anos repleta de brechas (várias partes do carro ficam sem garantia antes dos seis anos), além da nacionalidade da montadora e histórico de qualidade negativo das montadoras daquela origem.

            • Carlos

              Acredito mais em preconceito dos brasileiros em relação a algumas marcas e modelos, principalmente chineses. Tenho um C3 com quase 100000 quilômetros rodados. Manutenção não é cara, até hoje, só troquei óleos, filtros, pastilhas de freio e 2 coxins do amortecedor. Não faz barulho e mesmo assim, tem muito gente que fala mal, mesmo sem ter tido. Um zero custa apartir de R$ 40000,00 o mesmo que muito Onix 1.0. É muito mais confortável e o motor é muito melhor.

              • O C3 de fato é um bom carro, mas no geral o atendimento da rede Citröen é considerado deficiente para a maioria dos usuários, somado aos custos elevados das revisões já na tabela, a exemplo: R$ 348,00 a revisão dos 10.000 km do C3, contra menos de R$ 250,00 da concorrência, e R$ 728,00 nos 60.000 km contra a média de R$ 450,00 da concorrência, preços caros estes compartilhados com o JAC J3 que é pouca coisa mais barato (R$ 304 na dos 10.000 km), certamente afasta muita gente da marca, e torna mais difícil a revenda. Vale lembrar as redes de atendimento Citröen, Peugeot e JAC são campeãs em empurrar serviços que tornam as revisões ainda mais caras e as montadoras sequer possuem alguma política de reembolso do gasto não autorizado, como a Renault e a Nissan possuem.

                Quanto a qualidade, tanto a Citröen, como sua irmã Peugeot, apesar de serem controladas pela chinesa DFM (Dong Feng), melhoraram e muito sua qualidade, porém ambas possuem muito a melhorar no que tange atendimento, para gerar confiabilidade e melhorar a revenda. Nisto a Renault se deu bem, assim como a Hyundai e por isto ambas estão mais consolidadas na revenda em relação a família PUG.

      • DiegueteCG

        Como disse o Nelson Corbal, e como eu mesmo já respondi abaixo, um carro que tem pouca aceitação zero vai ter consequentemente menos procura como usado.

        • Dafomg

          E isso porque nenhuma concessionária chinesa foi procurada. Se tivesse procurado, ele veria o tamanho da rejeição.

        • Marcos Vinicius Bittencourt

          Aceitação não quer dizer que o carro não vai ter liquidez no mercado de usados. A dupla Peugeot e PSA é “ruim” de mercado (já tivemos 3 carros) mas nunca ouvimos “não posso pegar seu carro usado no negócio”.
          Você acha que se o chines custasse 5mil a menos que seu concorrente o mercado de usados melhoraria para ele?

        • Junior Lobato

          no caso o etios entra nessa lista, pq para vender o que vendeu até Tv, ipva e seguro eram opções para vender esse monstrinho.

          • Mas o Etios acabou fazendo mercado, forçando suas vendas com estratégias de até mesmo mobiliar a casa do cliente… hoje a montadora consolidou um patamar de vendas e faz com que o Etios tenha uma boa aceitação, aliado ao histórico ainda que pequeno devido ao tempo, bastante positivo para o modelo no que tange a durabilidade e conforto, aliado a qualidade da boa assistência da Toyota, uma das referências no setor.

            O que matou o JAC, além da nacionalidade da montadora, foi o pós-venda deficiente e oneroso (a custo de carros premium) da importadora, pecados crônicos da primeira versão importada (luz EPC e capo com falha no sistema de fechamento, possibilitando fácil abertura pela grade), falta de peças de reposição até mesmo na rede credenciada, além do alto custo das mesmas a época, garantia que não cobria boa parte dos problemas que a versão inicial apresentou, além do crash-test monstruoso (1 estrela) para um modelo com airbag e ABS em uma época em que não se tinha tanto rigor no Latin N-Cap e qualquer carro zero estrelas (Renault Clio) com tais equipamentos conseguia três estrelas.

      • Adriano

        No caso das ccs tem a ver sim, nas multimarcas é preconceito mesmo.

        • automotivo

          Não é preconceito, não é simplesmente arriscar a perder dinheiro.

          • Cassiano

            Se um chinês novo já gera desconfiança, quem dirá um chinês usado

            • Raul Godiano

              Bom tem pessoas que preferem clio, gol,uno,palio,celta e cia… , esses sim geram confiança.
              Resumindo o povo ainda o mais do mesmo.

              • Um Clio com AB2 e freios ABS consegue três estrelas no Latin N-Cap, enquanto o JAC J3 anterior com os mesmos equipamentos de segurança conseguiu apenas uma estrela… ou seja qualquer popular comum se sai melhor que o JAC no que tange a segurança… e sim, dão menos problemas de manutenção e são menos onerosos no custo de revisão e peças do que o chinês que se sente premium.

                Pena isto ser fato. Se a montadora asiática fosse boa, isso não teria acontecido. Espero que a Chery, agora com fábrica local, seja uma virada de página na história dos carros de marcas chinesas e comecem a produzir minimamente com a qualidade equivalente das montadoras aqui estabelecidas, o que já não é lá grande coisa no geral, descontado as exceções.

            • Evandro

              falou tudo!

        • TiagoNA

          Eles trabalham com matemática amigo, não tem preconceito.

      • DougSampaNA

        Lembrando que a FORDA só baixou preços do modelo equivalente dela e equipou na época com air bags porque sofreu o baque do J3; entãoo Governo Federal foi espinhoso contra nós no fim das contas, impedindo melhoras nos nacionais movidas a base de concorrencia externa; só podia ser coisa de Governo Incompetente petista! No fim das contas, a conta sempre é nossa.

        • Antônio Luiz

          A FORDA realmente baixou o preço devido a JACa. Contudo, isso não muda a realidade da qualidade dos chineses: ATSOB.

          A JACa só é mentira: cadê a fábrica, depois de receber US$500 Dilmas em empréstimo? Motor fraco, câmbio molenga, inseguro, fácil de abrir (roubar), etc… preconceito?

          Mas, que a incompentência, isso há!

          • Edson Fernandes

            Não há necessidade de utilizar palavras como a que vc inverteu. Isso é contra as regras do NA e vc está advertido.

      • Petrucci

        Lojistas multimarcas, apesar da ausência da bandeira, têm sempre uma grande marca por trás, já que eles vendem muito bem 0km por preços abaixo da tabela.

        O problema maior, ao meu ver, é a garantia que eles dão ao veículo – creio que são receosos demais.

      • afonso200

        amigo respondi acima

    • experientdriver

      Não viaja. O negócio de compra e venda de seminovos é de total responsabilidade da concessionária. Nada a ver com lobby de montadoras e muito menos “nacionais” (no Brasil não existe montadora local, são todas multinacionais).
      Enfim, bastante incoerência em um comentário de 1 linha.

      • DiegueteCG

        Muito pelo contrário, o mercado de carros usados obviamente sofre consequências do mercado de carros 0km. A majoração do IPI implicou reduções expressivas nas vendas de várias marcas (kia, hyundai-caoa, JAC), sendo certo que um carro que tem pouca saída no mercado de novos, vai ter menos procura no mercado de usados. É sim mais uma das consequências da intervenção estatal no mercado, no caso, prejudicando a livre concorrência. E quando eu disse “nacionais”, fui SARCÁSTICO, justamente pelo fato de todas serem multinacionais, que no final vão usar mercados emergentes pra compensarem outros mercados. Enfim, não da pra achar que o mercado de semi-novos é uma bolha que não sofre alterações do mercado de zeros, posso até citar o exemplo dos compradores de Toyota/Honda que geralmente usam como uma das justificativas da compra a revenda.

        • Alfredo Araujo

          Discordo..
          O I30 do modelo anterior, encalha nas revendas de semi-novos… Isso pq ele foi o mais vendido do seguimento, durante bastante tempo !!!

          • DiegueteCG

            O i30 do modelo anterior também sofreu com a cota reduzida de importação, também tem o fato da mudança de geração. Duas mudanças nas vendas dos 0km que influenciaram no usado. Alias, à época que a geração antiga era vendida, dois anos atrás, eu estava procurando um hatch médio semi novo, sendo que todos os i30 usados que eu vi vendendo tinham desvalorizado muito pouco, menos que o focus inclusive.

          • Fabio Marquez

            Vários amigos já me perguntaram por ele, eu sempre dou a negativa para a compra, já que é um carro que já saiu de linha, importado da Coreia e eles como jovens vão ter que pagar uma facada de seguro, ou talvez nem vão ser atendidos pelas seguradoras. Sei que posso estar sendo raso na avaliação dele como usado, mas não quero ser culpado por um I30 rodando por ai todo destruído por falta de cuidado e sem seguro.

        • Evandro

          o problema não é cota de importação, visto que tem mtos JAC´s da vida para venda, acontece que encalharam mesmo, eu sinceramente não compraria um carro chinês de jeito nenhum, tava na cara que quem comprasse sofreria mto mais na revenda

      • saosao

        Cuidado…
        Quando uma empresa tem sede num local, ela se torna também “nacional”, pois possui registro, CNPJ etc.

        • Gabrielch

          Tudo bem. Diga isso as montadoras quando elas remetem os seus lucros ao exterior, deixando muito pouco no BR.

          • Evandro

            amigo, remeter lucros ao exterior não tem nada a ver, se fosse assim chamaríamos os cofres públicos de importados….

    • CorsarioViajante

      Neste caso, o único “lobby” é das pessoas que simplesmente não querem comprar o carro.

      • ultimate_rr

        Hahahaha boa!

      • Kkkkk melhor do dia!

      • O rapaz acima (Diguete CG) quis dizer que o lobby das montadoras que forçou o aumento do IPI para importados zero km matou as vendas dos chineses, que vinham em franca expansão até então. Assim, com a procura muito baixa entre os novos, a procura entre os usados ficou ainda mais baixa, jogando o preço de revenda no chão. Não é que haja algum lobby na ponta de lança da compra/venda de usados. Ele está na origem de tudo, que é o preço de venda dos novos, muito majorado pelo IPI astronômico imposto aos importados por medida provisória.
        Com essa medida do governo (protecionista em sua essência), o preço dos chineses (e de todos os outros importados) ficou pouco convidativo, sem nenhum atrativo quando comparados às marcas já consagradas em nosso mercado.

        • CorsarioViajante

          Tbm sou contra o IPI maior e tudo o mais, mas isso não é desculpa para operações catastróficas e amadoras como a maioria dos chineses fizeram, que em resumo eram encher um container de carros e desovar aqui sem nenhuma preocupação com pós-venda, assistencia, e etc.
          Outras marcas e modelos importadas tbm sofrem com o IPI maior mas isso não explica tudo. É uma conjunção de fatores, e sem dúvida os chineses naõ souberam construir uma boa reputação.

          • Concordo contigo. Eu particularmente acho que a indústria chinesa ainda engatinha no tocante a processos de manufatura e controle de qualidade, o que é natural quando olhamos sua idade ainda tenra. Mas que o IPI e as cotas de importação colaboraram muito para a complicação da operação chinesa no Brasil, colaboraram.

        • Evandro

          Ubaldir, sinceramente nunca vi essa franca expansão, na minha cidade é difícil ver um chinês na rua (exceto em pastelarias)

          • Evandro, antes do aumento do IPI a JAC vinha vendendo J3, J6 e J5 em um ritmo muito bom. Foi muito comum ver Cherrys Cielos, Tiggo e Face nas ruas. Mesmo os importados coreanos eram muito comuns (o I30 era o hacth médio mais vendido do mercado). O aumento do IPI de produtos importados somado à cota máxima imposta mudou radicalmente essa realidade. Hoje eu concordo que ficou bem difícil de ver um chinês ou qualquer outro importado na rua.

      • m_Ferrari

        Nada como uma pessoa sensata pra salvar os comentários sem noção….Parabens!!

    • Eduardo CWB

      Sabe di nada inocente !!!!
      Loja não pega esses micos .. ou se pega tem que ser por muito pouco .. para poder se livrar rápido e se vender sem garantia melhor ainda.
      Não tem lobby algum … o mercado é assim … tenha um xing ling e veja a fúria que vc terá com o início dos problemas sem solução por parte das CSS.. que estão virando lenda nas cidades…

      • DiegueteCG

        É justamente o que eu falei, ele já nasce “mico” desde a venda dele 0km. O IPI majorado contribuiu pro aumento do preconceito com essas marcas. Mico por mico, os japoneses já foram e os coreanos também, melhor seria deixar o mercado se auto regular, rejeitando os produtos ruins. No MÍNIMO, a concorrência de verdade (sem cartel) faria com que os concorrentes abaixassem seus preços ou oferecessem condições melhores.

      • gustavo

        Infelizmente devido a essa garantia falcatrua da Jac e a outros fatores de mercado como insatisfação de proprietarios da marca as css e as agencias (garageiro) vão pagar preço de galinha morta, mas a Jac em grande parte e que tem culpa nisso tudo!!

      • Evandro

        Exatamente isso Eduardo!

        • Eduardo CWB

          Eu andei num lifan .. Credo ! no jac 3 até que é melhorzinho .. mas de longe vc vê a qualidade …Xing ling.

          • CIDO

            Pois eu tenho um j3 fiz varias viagens nunca fiquei na mão, e o custo beneficio vale a pena!!! então fiquem com os nacionais pelados e caros

    • Rubem

      então sou Lobbysta….

    • MMM

      Acho que não tem nada a ver. Tive um Tiida e quando levei em uma Kia pra negociar na troca de um Soul eles não aceitaram, dizendo que a Nissan não tinha mercado…

      • Se for o Tiida Sedan, de fato não tem mercado algum, talvez por não ser muito bonito, pois é um bom carro.

        Já o Tiida Hatch, apesar da alta desvalorização após o fim de linha, ainda é bem aceito pela grande maioria.

    • afonso200

      tenho um vizinho que é vendedor de umas das 4G, ele falou que nos treinamentos de vendas realizado pela empresa, eles sao instruidos a nao aceitar carro chines, e que os avaliadores que recebem treinamento separado tambem sao instruidos a baixar lá no chao o preço, ou nem pegar…………….ele disse que isso é uma corja das marcas do BR, mas que vai mudar com as fabricas prontas esse ano ou ano que vem, e que vai demorar uns 2 anos até aceitarem melhores trocas……… avaliaram um celer uma vez ele falou, o carro tinha 14mil km, do mesmo ano em 11mil reais, o cara queiria trocar por um jetta TSI, ele nao fechou negocio

    • Rodrigo

      Deixa seu telefone nas CCS amigão… quando chegar 1 desses o vendedor te liga pra vc comprar;

      ^^

    • Evandro

      nada a ver o que vc comentou, carro chinês não vende pq quem vai comprar tem medo da durabilidade, se terá ou não peças de reposição, se poderá ser feita manutenção em oficinas comuns ou somente em css, uma coisa é o chinês novo, que dizem que tem garantia, outra coisa é o chinês sem garantia…..

  • Tosoobservando

    Quer casar, compre um chines..

    • Gustavo73

      Pode ser uma chinesa…
      😁

      • Comment

        Melhor….bem melhor….

  • Yuri Chaves Souza

    Gostaria de fazer alguns adendos à matéria:

    Tive um caso semelhante, mas com um “grande astro” do mercado nacional. Um Fiat Uno (Modelo Mille Smart 2001 4 portas apenas com trava, alarme pintura metálica e som. com 150mil km rodados)

    Em 2012, fomos trocar de carro, e fiz a mesma peregrinação de olho em possíveis candidatos à novo carro e bons avaliadores do Mille.
    A Fiat foi a pior de todas. Sequer quis olhar o carro. Disse que eu vendesse por minha conta e desse o dinheiro como entrada. Fora que o Grand Siena 1.6 na época com os equip desejados sairia a 51mil!

    A FIPE pedia no Uno R$ 10.900. A VW ofereceu por ele 8mil como parte do pagamento de um Voyage 1.6 completo beirando 50 contos.

    A melhor avaliação foi da Nissan, que não quis ficar com o carro, mas procurou um comprador que ofereceu pelo Uno R$10.200. Pegamos um Versa SL 1.6 completo por 44mil (mesmos itens ofertados pelo Sienão e Voyage).

    Ah, sobre desvalorização, isso também é relativo.

    O Mille foi comprado em 2001 por R$14mil. Vendido em 2012 por 10.200.
    Perdi, em tese, muito pouco em tanto tempo. O seguro do Uno custava R$1800.

    O Versa saiu por 44mil (em média 6 mil mais barato que a concorrência). ECONOMIZEI dinheiro ai em relaçao ao Fiat e VW.
    O seguro é exatamente o mesmo preço que eu pagava no Mille 2001!

    No fim das contas, mesmo que ele “desvalorize”, compenso isso no seguro e no fato dele ser mais barato.
    O Mille desvaloriza pouco, mas cobra caro pelo seguro, assim como os Superstars GOL – FOX etc.

    É bastante relativo.

    • Tosoobservando

      fez um otimo negocio mesmo, assim como o pessoal da materia faria se tivessem aceitado os 26 mil da Hyundai e levado o HB20. É que nesse caso eu ficaria com o chines mesmo, mais equipado, espaçoso e potente.

      • Diego Nameko

        Foi o que meu primo fez, pegou um Cielo 2012, com 14.000 km rodado por R$ 21 mil e é um carro muito bom, tem tudo que um hatch compacto premium não tem e mais um pouco, cheguei a andar nele, só os bancos são durinhos, rsrs… mas a suspensão é mais macia do que os antigos Ford, rsrs.

        • Tosoobservando

          Se eu fosse ele teria pegado o Tiggo, mas o Cielo tb é bom.

    • pedroo

      faltou calcular a inflação de 2001 até hoje né ? é exatamente por isso que vc comprou o uno por 14 e vendeu por 10mil

      • RafaelC

        Dados básicos da correção pelo INPC (IBGE)
        Dados informados
        Data inicial 01/2001
        Data final 02/2014
        Valor nominalR$ 14.000,00 ( REAL )
        Dados calculados
        Índice de correção no período 2,3750329
        Valor percentual correspondente 137,5032900 %
        Valor corrigido na data fina lR$ 33.250,46 ( REAL )

        ele vendeu por menos porque desvalorizou mesmo, não por causa da inflação, senão teria que vender mais caro

        • Comment

          Como carro não é investimento, mas sim um bem que foi usado, acredito que se ele empatar o preço de venda com o de compra, já saiu ganhando dinheiro.

        • Lucas Santos

          Rafael, só corrigindo, inflação oficial é pelo IPCA do IBGE, o IGP-M é usado mais pra aluguel, contratos particulares e etc.

          • RafaelC

            corrigido

      • Yuri Chaves Souza

        Sim sim, não a coloquei aqui. Por isso disse “em tese”. Fora que, pagando seguro de 1800, eu “comprei” outro Mille em 8 anos!

    • Krazinsky

      Nossa, acho que o mais impressionante disso tudo é o fato de você ter rodado 150k km com o Uninho: como foi, deu algum problema ou o motor aguentou firme e forte?

      Ao final do ano pretendo trocar meu Vectra GT e já estou desanimado antes mesmo de começar: não tem coisa que odeio mais do que negociar venda de carro usado, me sinto um otário vendendo direto em concessionárias… Estou cogitando sériamente casar com o carro e deixar para carro de rodízio.

      • ultimate_rr

        Amigo, vc sempre vai casar com algo que não for um Gol, Celta, Corolla, Hilux, Strada, Ecosport… Na boa, eu ficaria com o GT se tivesse como. Gosto muito do carro e vão dar uma merreca na troca por outro modelo. Ainda mais considerando que o carro já saiu de linha há uns bons anos.

        • Krazinsky

          É, acho que farei isso mesmo… Sem contar que quero trocar por um DS3, só que esse eu já até comprei as alianças porque ficará na família para sempre, kkkk

          • Zoran Borut

            O que eu posso sugerir é que você comece a anunciar seu Vectra para particulares, sem pressa. É a melhor forma de não engolir uma desvalorização tão alta. Pode demorar, exige paciência, mas eu acho que compensa. Ainda mais em tempos de anúncios via internet.

        • A Ecosport usada, do modelo antigo também está sem mercado, com preços bem mais em conta que a Fipe, sendo fácil de encontrar até por 14.900 (1.0 Supercharger e 1.6 XL ano 2004) e não tem quem compre, sendo que um Gol 2004 vale mais que ela… incoerências de nosso mercado, onde um Celta 2004 2P pelado de tudo custa apenas R$ 2.000 a menos que um SUV Crossover Compacto.

          • Zoran Borut

            Supercharger foi uma versão que não vingou nem nos Fiesta, quanto mais no Eco (queixa de alto consumo com desempenho incompatível). E quem procura Eco, ainda que usado, quer “status”, por incrível que pareça. Por isso a versão básica é menos procurada nesse carro, como também acontecia com o antigo Vectra GL.

          • ultimate_rr

            Oloco, nem tanto hein. Dei uma pesquisada rápida e as Eco estão na faixa de 20 mil ainda. Achei apenas umas 2 na faixa de 18 mil.

      • automotivo

        Desde que cuide bem dele dar pra rodar mais. Alguns clientes como prefeituras conseguem rodar 300k pra poder fazer o motor…

      • dogmarley

        cara…150mil km pra um Uno não é nada!!
        rodei mais de 300mil km………só trocando o básico.
        apesar q e o Uno era básico tb: branco, 2p, pelado de tudo.
        HUSiHASuiAHsUIAshAIUshAIsAs

      • Diego Nameko

        Colega, o motor dele é relativamente barato de manter, e é muito bom e duradouro, se manter as manutenções preventiva em dia, é carro pra rodar 200 mil km tranquilo. E outras manutenções facilita, já que é um carro de história no Brasil, peças originais ainda é encontrado.
        Já andei nele e achei um tesão de carro, eu ficaria por um longo tempo se tivesse um.

    • Luis_Zo

      Yuri,

      O valor do Uno Mille 2001 hoje, considerando compra em janeiro do mesmo ano, corrigido pelo índice de inflação oficial (IPCA) é de R$32.921,34 (inflação acumulada de 135%).

      A valores atuais sua desvalorização foi de aproximadamente R$22121,34 ou 67% do valor que você pagou em 2001.

      Sim, é uma enorme desvalorização.

      A questão toda é que, tanto chines quanto brasileiro desvaloriza e muito no primeiro e segundo anos. Comprar um carro zero e vende-lo com 1 ou 2 anos de uso é perder muito dinheiro, independente da origem do veiculo.

      Em 13 anos, como tu fez, pelo menos a perda é amortizada ao longo do tempo. Se você tivesse trocado de carro de 2 em 2 anos, ai sim, um monte de dinheiro no ralo ahaha

      • Pela sua conta, a desvalorização foi pouco mais de 5% ao ano no carro, e o senhor considera uma enorme desvalorização? Deveria ter sido vendido por bem menos, haja vista a idade… infelizmente ainda não abrigamos a cultura de que carro é um bem de consumo e não deveria ficar tanto tempo nas famílias, nem manter-se tão valorizado assim após 13 anos de uso e mais de 100.000 km.

        Todavia, não rechaço quem pensa em carro como um investimento, pois do jeito que eles estão subindo de preço a cada ano e se continuar assim, daqui a pouco vai valer a pena comprar carro zero, mantê-lo zero e vender dali a dois anos… vai dar lucro.

        Edit: Em 11 anos, como vi no comentário abaixo, a desvalorização está na média de 9% ao ano, dentro do esperado pra qualquer popular.

        • Luis_Zo

          Dimithri.

          Talvez meu ponto de vista não tenha ficado claro. Meu contra-ponto foi em relação a frase do Yuri: “O Mille foi comprado em 2001 por R$14mil. Vendido em 2012 por 10.200. Perdi, em tese, muito pouco em tanto tempo”.

          Expus que sua desvalorização não foi de 27%, mas sim de 67% conforme os cálculos.

          Sim, considerado essa desvalorização de 9% ao ano muito grande. Ainda mais frente ao atual IPCA, onde se pode comprar títulos públicos com rendimentos de ~11% ao ano com baixíssimo risco (digamos um delta de 20% ao ano!).

          Não, carro não é investimento. E vou mais fundo, falta ao brasileiro educação financeira. Sim, muitas pessoas consideram o carro e inclusive a casa onde moram como “investimento”. No meu ponto de vista o brasileiro nesse caso confunde “investimento” com “poupança”, pois sem um carnezinho no final do mês não consegue guardar. Sim, é uma maneira bem estupida de guardar dinheiro (comprar um carro ou uma casa) mas que muitos ainda o fazem e sinceramente, paciência, esperamos que as próximas gerações sejam mais educadas, pois não vamos acordar amanhã com esse cenário mudado.

          O meu ponto em relação ao teu comentário é que não concordo que devemos ficar pouco tempo com um carro. É bem sabido que a desvalorização não é linear, sendo que no primeiro ano temos uns 15%, no segundo uns 12% e assim diminuindo até atingir os 9% ou mneos. Sendo assim, trocar de carro a cada dois anos, só porque é um “bem de consumo”, não me parece uma boa ideia. Perder 67% do dinheiro em 13 anos me parece melhor que perder 29% a cada 2 anos.

        • Diego Nameko

          Só brasileiro pensa assim, muitos mercados não levam carro zero como investimento.
          Estão esquecendo dos investimento pós venda para manter tal carro para não ocorrer desvalorização, e não sai por menos de R$ 10 mil/ano dependendo do carro. Pra quem mora em cidade relativamente grande.

          • Eu, particularmente, não considero carro um investimento, e por isso creio que um Fiat Mille tão antigo como o do @yurichavessouza:disqus jamais poderia ser revendido por cerca de R$ 10.000, principalmente pela quilometragem que ele estava (desvalorização na faixa de 70% em 11 anos). Nosso mercado precisa amadurecer e os carros virarem bens de consumo, com preços mais acessíveis na compra do zero quilometro e depreciação de 50% entre dois a três anos, e carros com 10 anos ou mais servirem apenas para o desmanche ou primeiro carro do filho, como qualquer mercado maduro, tal qual o americano… mas hoje os carros sobem de preço a cada mês, fazendo com que daqui a pouco, torne-se um investimento adquirir um carro zero e revendê-lo no ano seguinte sem rodar ou rodando pouco… do jeito que está dará lucro.

            Sei que lá fora utilizam mais os carros e eles rodam bem mais quilômetros que o Mille em questão, mas considerando a qualidade de nossas vias e combustível, um carro com 100.000 km normalmente já está mais moído que um carro de 400.000 km da Europa, principalmente o Mille, que é um carro extremamente ultrapassado, obsoleto e sem qualquer segurança.

    • saosao

      Não que eu duvide de vc, mas não queriam pegar um Uno, justo no país onde a maioria não tem condição de comprar um carro zero à vista?

      Ou talvez será porque estava em vias de legalizar a obrigatoriedade de air bags, e a css estava com medo de que os mais básicos virassem mico? Pq vender carro barato é muito fácil hoje em dia…

      • Yuri Chaves Souza

        Pois é, cara! Fiquei surpreso também. Na verdade muito mais com a Fiat (a própria concessionária que o vendeu não o quis de volta).
        Fidelidade à marca pouco importa a eles.
        Pela forma como trataram o caso, achei que a presença do veterano Mille (com seus 11 anos na época) no show room da marca, para eles, não seria bom para a “imagem”.

        Isso foi em 2012, a lei ainda não estava em vigor. Tanto que alguns candidatos a novo carro que vi ofereciam abs e ab2 somente como opcional.

    • Daniel

      Vc está colocando outros itens na conversa: carro velho e “muito rodado”… vendedor corre disso, principalmente em concessionaria. Eles querem carros até 5 anos e com menos de 60mil km (ou que possam ter o hodometro adulterado pra isso sem levantar muita suspeita). Pode até ser o “cheque ao portador” VW GOL que se for muito velhinho ou muito rodado eles vão rejeitar.

      Sobre a desvalorização do teu mille… bom, primeiro vc tem que atualizar os valores!
      R$14mil em 07/2001 (chutei o mês apenas para efeito de calculo) são equivalentes a R$37562,92 hoje.
      Se vc vendeu por 10200, vc perdeu 27362,92 aproximadamente 73% do valor… ou ainda uma média de 9,5% a.a. Ou seja, um negocio dentro da média dos populares mais “populares”.

    • Marco Antônio

      Porra, a mesma coisa aconteceu com meu pai. A nissan pagou 1mil a mais pelo preço de tabela do carro. Um uno way 20092010 com 60 mil rodados. Comprou um versa SV.

    • Lucas Lira

      O salário mínimo em 2001 era R$ 180,00 amigo, pra R$ 14,000 necessitava de mais de 77 salários, hoje, com pouco mais de 14 salários o cara comprou seu Uno… Mas fez um excelente negócio, acho o Versa um carrão bem elegante, não acho bonito, mas deve ser um carro muito bom…

  • Robinho

    é, tentei dizer isto a um colega aqui, e foi criticado, ai está a prova…como disse no meu antigo comentário, meu amigo tem um Tiggo para vender e não consegue…infelizmente é a realidade, talvez com o tempo isto mude.

  • Gustavo73

    Carro importado e chinês. Não seria diferente. Os primeiros Hyundai e Kia também passaram por isso. Com a fabricação nacional, e iferta de peças acho que muda. Por enquanto é isso…

    • O que notamos com o carro chinês é que além do fato de ser importado existe um preconceito do mercado para com “ser chinês”. Hoje em dia carro importado no Brasil é algo comum, não é mais aquele bicho de sete cabeças, mas o chinês ainda sofre muito, por ser chinês.

      • Gustavo73

        Eber com certeza o fato se ser chinês pesa. Assim como já pesou o fato de ser coreano. Os primeiros donos do Accent que o digam. Mas acho que nesta categoria e nesses valores o fato de ser importado deve ter um peso. Medo de falta de peças entre outras coisas. O próprio J3 apesar de pouco tempo de mercado já tem 2 tipos de faróis e para choques dianteiros. Espero realmente que com o início da produção de carros de empresas chinesas aqui isso mude. Como eu gosto de falar quanto mais empresas tiverem que dividir o mesmo mercado melhor.

        • CorsarioViajante

          Vc falou algo importante, quem compra um carro normalmente quer fugir da “aventura”, ou seja, quer previsibilidade. Em termos práticos, isso quer dizer: um fabricante com histórico conhecido, um modelo com tajetória estabelecida, manutenção conhecida, etc.
          Para dar um exemplo, um VW EOS não é chinês, mas imagina como é fácil revender um desses…
          Como vc disse, os chineses tbm não se ajudam mudando muito o carro em pouco tempo num momento em que isso não ajuda a marca. Vc deu o exemplo perfeito, dois parachoques diferentes para quantas unidades vendidas? Nâo é preciso ser gênio para saber que será difícil achar estas peças.

          • Gustavo73

            Falei porque lembrei o que meu pai passou com o Monza 500 EF que ele teve. Quebraram a grade dianteira. Em teoria algo fácil de achar a grade de um Monza, mas no 500 EF a gravata é azul e não prateada. O mesmo acontece com as lanternas traseiras que é alemã. Uma vez comigo um cara sem seguro quebrou a lanterna. Resultado fui procurar. Achei em um único lugar. Me pediram mil e quinhentos reais. Resultado achei um cara que repara. Ficou bom e custou menos de 10 ‰ na época. Mas o carro já tinha mais de 10 anos e era uma série limitada. Agora em um carro comum isso não pode acontecer. Ainda mais em produção.

            • CorsarioViajante

              Pois é, o meu Polo tbm é uma série especial e sei bem como estes detalhes são chatos. Sequer as concessionárias tem ou sabem destas peças diferentes.

      • Igor Lima

        Corretissimo, na verdade, o negócio é com tudo que daquele país… é o estigma do Xing Ling que ficou associado a qualidade duvidosa… é a China tomando o lugar que já foi do Paraguai.

        • Zoran Borut

          O Paraguai ganhou a fama devido a produtos chineses, só para constar.

      • Myph13 .

        Chegaram a ver na própria JAC por quanto seria avaliado? Pois ao menos se o carro é bom, e a pessoa gostou mesmo, a troca seria por um mais novo…

        • Edson Fernandes

          Como poderia? O carro era muito pouco rodado e seria bem estranho até porque indicaria que é um carro de testes.

      • Junoba

        Infelizmente é assim. Se eu fosse comprar um carro, eu não escolheria de uma marca tradicional, porque eles só crescem e não dão oportunidade para os outros. E se deixarmos de comprar um carro que tem preço baixo e mais equipamentos que a concorrência, por causa que as CSS não aceitam, essas montadora ´´nacionais“ ficarão do jeito que está, e as outras empresdas não irão crescer no mercado.

      • Zoran Borut

        Assim que comecei a ler a matéria, notei uma coisa: o JAC era modelo 2014, ou seja, deste ano, preço de tabela Fipe de 36 mil reais, e o site fez simulações de dá-lo como pagamento de carros como o up! ou o Onix, modelos com pouca diferença de preço para a tabela do JAC. Em teoria, seria descer de nível. Poderia levar o vendedor a pensar que o cara comprou o JAC este ano e não está conseguindo pagar. O ideal seria que tivessem demonstrado intenção de comprar um modelo do mesmo nível ou acima, com diferença de preço maior, como Voyage, Spacefox, , Cobalt LTZ, ou um médio. Será que isso influenciaria a receptividade?

        Para comparar: um J3 Turin 2012 em São Paulo – SP, no Webmotors, é anunciado por em média 25 mil reais, ao passo que seu principal concorrente na época, Fiesta Sedan Rocam 1.6, de mesmo ano e praça, é anunciado por em média 28 mil reais – ambos custavam 37.990 reais, em São Paulo – SP, quando novos.

  • João Wilker

    Nas CSS da própria Jac e na Citroen, eles avaliam bem os modelos da Jac. Logico que tem uma desvalorização maior nos chineses por ainda ter muito preconceito dos brasileiro, mas a maioria dos carros vendidos para CSS tem uma desvalorização absurda, sempre é melhor particular !

    • Rafael Kleinert Giovannini

      Tudo tem seus altos e baixos.

      PARTICULAR: Vende por um valor melhor, porém pode demorar mais tempo, pagamento nem sempre vem “redondo”, comprador não faz transferência, fica recebendo multa e etc…

      CSS e LOJAS: Valor abaixo do que um comprador parcicular, porém dinheiro na mão, transferência garantida (em css e lojas grandes), venda instantânea e etc.

      • CorsarioViajante

        E vc esqueceu o mais importante: o particular requer tempo e SACO de ficar marcando encontro com curioso, com adolescente com tempo livre e sem dinheiro que tem o sonho que vai comprar, ou mesmo se expondo à pessoas mal intencionadas. Nas concessionárias vc se poupa disso tudo, mas, como vc bem disse, isso tem um preço!

  • vicegag

    Acho normal, pois mesmo a China produzindo muitos produtos de qualidade para empresas renomadas, no quesito automóvel ela ainda é conceituada por produtos de baixa qualidade.

  • Tosoobservando

    Fico pensando pq a Toyota nao comprou algum projeto chines em vez daquela tralha indiana do Etios? Ate esse Jac ae é mais bonito, tanto por dentro qt por fora.

    • Bruno Silva

      Se nenhum popular nacional passou nos testes de durabilidade da Toyota, fico imaginando esses chineses.

      • Tosoobservando

        O que tem a ver durabilidade toyota com o visual do carro?

        • Bruno Silva

          E quem te enganou dizendo que projeto de carro é só design??

          • Tosoobservando

            Mas eu falei projeto de design, obvio que a Toyota iria colcar sua carroceria, durabilidade etc.. mas nada justifica a feiura do Etios, e aquele painel horrivel..

    • Zoran Borut

      O design do JAC é italiano. Já o do Etios, que eu saiba, foi feito pela Toyota tendo como base o gosto (cof cof cof) indiano.

      • Tosoobservando

        O gosto indiano nao pode ser tao ruim, alias os Suzuki vendidos la sao ate bonitinhos. Falando nisso, o Etios é sucesso na India, qual nº de vendagem?

  • Anderson SP®

    Coitado do JAC, mas já vi a mesma coisa sobre carros franceses com C3 antigo e da Peugeot 206 Perua, essas lojas querem carros mais “tradicionais” ou seja, mais vendidos e fáceis de passar pra frente, isso não quer dizer que o JAC seja ruim, mas é bem por aí, quem compra já sabe o que esperar quando vender.

    • Zoran Borut

      Fiat Linea é outro exemplo de carro que desvalorizou muito. Mesmo sendo um bom produto, no segmento em que a Fiat tentou vendê-lo ele foi considerado um mico.

  • Alex

    Não precisa ser chines, somente. Tivemos uma experiencia com um 207, que ajudei numa possível troca. Por incrível que pareça, o melhor preço dele que obtive na troca de um novo foi numa concessionária ford. A Peugeout praticamente não quis pegar o carro na troca de um 208.

    • CharlesAle

      Ai,quando dissemos que nem CSS Peugeot aceita carros Peugeot usados,dizem que é mentira!!!!!

    • gustavo

      Praticamente não quis pegar ou Você não quis fechar negocio ?

      incoerência !!!!!!!

      • Alex

        Eu entendo que quando a marca deprecia mais o usado dela do que a concorrencia, mesmo sabendo que a oferta da concorrente foi melhor (foi dito isso ao vendedor, mas ele não quis rever a oferta feita) ela não quer pegar o carro. A pessoa não tinha condição de comprar à vista, e como os preços eram similares, a avaliação do usado era o argumento final na escolha.
        Eu tenho um exemplo próprio quando fui trocar o meu carro. O meu usado foi melhor avaliado na concessionária da própria marca. E olha que eu procurei bastante na época.

  • Junoba

    Cada CCS dá o valor que quiser. A alguns anos atrás, meu avó queria trocar seu Astra, e o valor da tabela era algo em torno de R$36 mil, e tinha CSS que dava R$26 mil no carro!!! E chegou até fazer uma negociação na Sangyong que pegavam o valor de tabela. Então as lojas de marcas tradicionais, pagam muito menos, sendo de qualquer marca. Agora ele trocou o Fluence deve em um mais novo, e chegaram a ofertar R$33 mil no carro, em uma loja da Toyota, e o valor de tabela é R$45 mil. Enfim… tem que pesquisar muito antes de trocar ou vender seu veículo em uma loja.

  • gregorioalan

    Li a matéria com gosto até a parte: “seu motor 1.5 tem vigor de dar inveja a muitos modelos com motores maiores, 1.6 ou 1.8”, nunca dirigi um desses, quem já teve a oportunidade de dirigir vários me ajude, mas, dar inveja a motor 1.8? Sério?

    • Lenon Slater

      Acredito que seja pela relação de Peso x Potência dele, que é bem alta, visto que o motor entrega uma cavalaria interesante em um bloco pequeno.

      • saosao

        Só uma correção: pra ele andar bem, a relação Peso x Potência tem que ser baixa, e não alta :)

    • dex

      gregorioalan , eu já viajei com um Jac e posso te afirmar que o carro não é tudo isso que a matéria fala sobre potencia , ele anda como uma 1.6 8 válvulas. Mas está bem longe de chegar a um 1.8 . Na cidade ele passa a sensação de 1.4 .

      • Você viajou com um J3 S Flex? Pois a diferença de desempenho entre o J3 normal com motor 1.4 para esse 1.5 de 127 cavalos é grande.

        Nós avaliamos esses modelos da JAC em várias ocasiões, tanto em lançamentos quanto em avaliações posteriores, e não apenas viajamos com eles por um dia.

        Neste último teste mesmo ficamos quase 15 dias com o carro, e afirmamos que ele não anda tão pouco como você está falando não.

        No caso do 1.5 Flex ele entrega este bom desempenho especialmente se você joga as rotações dele lá em cima, não em conduções de baixo giro. Aí é claro que ele vai ter desempenho mais fraco, pois é 16v.

  • Giovane Fortuna

    Na verdade quando se vai vender um carro todos os compradores falam a mesma coisa…se seu carro é modelo x eles falam que esse nao presta que não vende que nao tem mercado, mas se fosse do modelo Y eles pegariam tranquilo! Se vc chega com o modelo Y eles falam que não vale nada mas que se fosse modelo X pegariam….

    É estrategia de compra e venda..os caras querem ganhar de todos os lados…

  • !Marcelo Surf!

    #MICO

  • Eduardo

    Ou seja, quem compra acaba ficando com uma Jaca nas mãos. Eu passei por isso, caí no conto do mais por menos quando comprei um Chery Cielo Hatch 0Km em 2011 por 43.990,00. Em 2013, fui em algumas CSS para trocar por outro 0Km. A Ford se negou a pegar, assim como a Hyundai. A VW chegaria a pagar 24.000,00 na troca por um Gol e a GM me pagou 20.000,00 na troca por um Sonic. A tabela FIPE na época para ele era de 30.000,00. Como queria me livrar da bucha, aceitei perder bastante e me livrar da zica problemática.

    • CorsarioViajante

      Tabela FIPE de 30.000, pagaram 24.000 e vc acha que tá ruim???

      • ACELERANDO

        A tabela FIPE tá ruim, no final deu 45% de perda em dois anos.

      • Eduardo

        O vendedor não me garantiu os 24.000,00, disse que ia ver com o gerente se rolava esse valor..papinho de vendedor para não perder a venda.
        Só quem já teve sabe o que é… Garantia de tanto anos, mas na pratica as CSS tem uma tabela paralela e que a garantia não cobre quase nada.. falta de preparo dos mecanicos das CSS…falta de qualidade nas peças, falta de peças em CSS e no mercado paralelo só se conseguem através de sites chineses e demoram 45 dias ou mais para chegar… Só quem realmente é ou foi proprietário de alguma marca chinesa saberá o que é isso..

    • Myph13 .

      43.990,00? Juro que em 2011 não lembro o preço, mas hoje ele é ofertado por 33.990,00… E no começo do ano, fui olhar pra minha sogra, e estava 31.990,00…

      • Eduardo

        Esse valor acima era para o Chery Cielo em 2011. Hoje em dia não existe mais Cielo, pois pararam de importar no final do ano passado… os poucos que restaram era 12/12 ou 12/13, por isso o preço mais baixo para limpar o estoque.

      • Daniel Morais

        Comprei um Cielo modelo 2012 por 21.500,00 na Tabela FIPE o valor dele é quase de 30.000,00. O carro estava e ainda está super conservado. Comprei ele tem seis meses. O dono só vendeu porque ele estava na garagem já há algum tempo, porque a mulher dele não conseguiu andar nele, já que ela só sabe andar em carro automático e as poucas vezes que ele ia pra rua, era ele que andava só pra não deixar o carro parado. O Carro só tinha 30 mil KM rodados. A suspensão é molenga, porém macia, eu já dei uma pequena modificada na suspensão do carro, pra deixar um pouco mais do meu jeito, o carro possui uma central multimidia de 7″ com GPS e etc. Bancos de couro e tudo que um carro hatch premium tem. Tenho certeza que eu fiz um bom negócio, é claro que eu posso bater o carro e ter dificuldade pra arruma-lo, é claro que pode estragar alguma coisa no carro e eu ter uma dificuldade pra repor a peça, é obvio, e eu sabia desse risco. Mas eu estava e estou disposto a esse risco, vide ao custo beneficio do carro.

  • FaloNaCara ¯ _ (ツ) _ / ¯

    Comprou um xing-ling? Use até acabar (o que não deve demorar muito).

    • Zoran Borut

      Mas se você pensar que os idolatrados Subaru, Hyundai, Kia passavam pela mesma situação até bem poucos anos atrás… Talvez o problema nem seja tanto o xing ling.

  • Eduardo Motta

    pago 10 mil Dilmas nele, e tá bem pago!

  • Andres Francisco

    Pra mim o pior é quando dá problema e vc precisa de peças de reposição. Conheço 2 pessoas que compraram chinês(um JAC J3 e o outro o Chery Celer) e estão sofrendo com a assistência técnica (o do Chery tá com o carro parado há 20 dias esperando peça). Fora os inúmeros comentários negativos que leio na internet. Falem o que quiser: Carro Chinês? Tô fora!! Quero quilômetros de distância dele!!!

  • Bikudin

    É fria!!

    • Andres Francisco

      Mais fria que o tal desafio do balde de gelo que virou moda na internet.

  • CorsarioViajante

    Muito interessante.
    Aliás, pelo menos aqui em CAmpinas, a concessionária Hyundai age de forma parecida: atendimento muito bom, boa avaliação do seu usado, vendedores que conhecem bem o carro que vendem, e oferecem test-drive de verdade.
    No caso do meu usado, aliás, gostei do vendedor, que falou “vc sabe que nós vamos vender este carro, então daremos menos do que a tabela”, abriu a webmotors, pesquisou pelo meu carro, vimos juntos o valor, e daí foi avaliar o meu. Deve ter ficado mais de meia hora “avaliando”, pois ligou para um monte de lugares para conseguir o melhor valor.
    Quanto ao JAC, não tem segredo, um carro com baixa aceitação no mercado de novos vai sofrer mais ainda quando usado. Na verdade, qualquer carro que seja um ponto fora da curva vai sofrer com isso, mesmo versões menos conhecidas de modelos bem aceitos.
    Mas tem o outro lado, os amantes de “usados completões” do NA podem comprar! Onde estarão eles?

  • Isso não ocorre só com carro chinês. Tenho uma CR-V EX AWD 2007. Há 3 anos fui verificar como estava o mercado para o meu carro, e os valores oferecidos foram ridículos. Geralmente de 25% a 30% abaixo da tabela mesmo.
    E olha que é um carro bom, sem problemas, manutenção em dia, e até hoje roda sem fazer barulho nenhum, nem de suspensão, nem de acabamento.
    Sempre vão oferecer o menor valor possível, com a desculpa de que o mercado está ruim, ou “esse carro não tem saída”, entre outras historinhas.
    Essa vai rodar comigo até acabar mesmo, e olha que ela tem fôlego de sobra!

    • CorsarioViajante

      Mas te ofereceram este valor e aceitariam o carro, correto? O mesmo aconteceu com meu carro, outro modelo…
      Penso que uma coisa é desvalorizar, isso é normal. Outra é não aceitarem.

      • Rodrigo

        É… Não aceitar é Flórida mesmo… Hehe

    • Daniel

      2007 já é muito velho pra eles… querem carro até 5 anos e pouco rodado.

  • Andres Francisco

    Escolheram um carro 2014 e da marca “mais bem aceita no mercado” e já foi essa dificuldade, imagine um mais antigo? Ou de marcas como Lifan, Effa, Chery….

  • Felipe morais

    De chinês, só a comida haha.

    • Debraido

      Pense melhor. Todos os equipamento eletrônicos da sua vida, se não são totalmente chineses, com certeza a maioria das peças são.

      • Rubem

        são chinesas com supervisão de terceiros, onde ai que entra o diferencial do controle de qualidade. exemplo iphone

        • Debraido

          O controle de qualidade é muito importante, mas minha questão é que não podemos duvidar da capacidade da industria chinesa.
          Acredito que parte do preconceito mundial com os produtos chineses, vem da enxurrada de produtos populares na década de 90. Não foi somente aqui, más no mundo inteiro.

        • Heisenberg

          Qualidade que tem iphone explodindo bateria… isso não é só Apple. Ela explora a mão de obra barata e o controle é o mesmo que um HTC ou Nokia precisam passar.

  • Ricardo

    E a própria JAC ofererecia quanto?

  • BlueGopher

    As concessionárias ainda não perceberam que a revenda de carros usados pode ser um ótimo mercado a se explorar, dando muito mais lucro e com giro de estoque muito mais rápido do que a venda de carros 0 km.
    Tratam o segmento com desprezo, como se fosse uma raspa de tacho.

    Falta bom senso e visão do mercado consumidor.
    A maioria dos consumidores gostaria de comprar seu carro usado com garantia de uma concessionária de renome.

    • CorsarioViajante

      Elas perceberam sim, e como vc disse, precisa de GIRO de estoque… Um J3 Turin deve ficar vários meses esperando um dono. Um Gol ou Palio ou qualquer outro carro desses deve vender rápido. Logo eles pagam menos para compensar o capital empatado.

      • BlueGopher

        Sem dúvida o J3 talvez não seja o melhor exemplo de carro para se ter em estoque, mas eu me referi ao mercado de maneira geral.

        O preço oferecido mesmo pelos modelos queridinhos de mercado é muito baixo, pois é comum a concessionária repassá-lo para revenda em alguma garagem independendente.

        Muitas consideram que trabalhar com carro usado parece ser coisa de 2ª linha, algo que depõe contra o objetivo da loja, e que só o aceitam como agrado ao cliente, não como oportunidade de negócio.

        Esquecem que o objetivo da loja é o lucro, e não o que têm nas prateleiras.

        Um artigo interessante pode ser encontrado em:
        http://automotivebusiness.com.br/artigo/706/gestao-otimizada-de-usados

  • Imaginem se fosse um QQ com 50.000Km. O vendedor ia mandar o dono tomar naquele lugar.

    • CorsarioViajante

      tem que estacionar longe, pq se verem vão trancar as portas… rs

    • Debraido

      Dá para imaginar um QQ com 50.000? kkkk

      • Daniel

        Só se foi guinchado e a roda que aciona o hodometro ficou no chão…

      • Tem vários no Webmotors com mais de 50.000 km a venda por particulares. O mais rodado que encontrei tem 78.792 km percorridos.

        Creio que depois de 200 manutenções, 50 trocas de peças em garantia e outras 100 do próprio bolso, perfazendo um total de três QQ’s em peças pra fazer um funcionar, eles chegam tranquilamente a muitos quilômetros… rsrsrsrs.

        Brincadeiras a parte, o QQ de fato não é um bom carro, é espartano e não dá uma sensação de segurança, mas ao menos na parte mecânica, apesar da estrutura sacolejante, eles aguentam bem o dia-a-dia, e são até relativamente interessantes de dirigir, devido a posição “altinha”. Pena serem tão mal feitos e inadequados as nossas vias.

  • Leandro1978

    Eu acredito que isso deverá mudar em alguns anos, quando os modelos chineses forem mais aceitos. Acho que acontecerá como no caso das japonesas e coreanas, que também não foram bem aceitas quando chegaram, no início dos anos 1990. Obviamente que isso passa por uma melhora na qualidade geral destes carros chineses.

    Sobre a recusa de algumas lojas em aceitar o modelo, meu pai passou por situação semelhante, porém com um das “4 grandes”, uma perua Escort. Em 2003, com então cinco anos de uso, ele quis trocá-la e foi em algumas concessionárias. Justamente na da Ford em que comprara o carro zero, foi a que nem quis ver o modelo. Simplesmente não a aceitavam numa troca. Na ocasião, ele viu um Focus. Em outras, ou ocorria o mesmo, ou davam muito menos, claramente na tentativa de não ficarem com o modelo.

    • CorsarioViajante

      Acho que todo carro “fora da curva” ocorre isso. O mercado de usados vive de giro, não querem um carro que vai ficar lá seis meses.

    • Pajé_do_além

      Só há uma diferença das japonesas para as coreanas. As japonesas sofriam preconceito por serem novas mas nessa época(até bem antes) já montavam carros com qualidade superior a dos americanos e europeus. As coreanas, também novas, não apresentavam a qualidade esperada (não que fossem ruins, mas tinham qualidade inferior a dos japoneses, americanos e europeus). Os chineses chegam como os coreanos, mas com o agravante de que o brasileiro associa produto chinês a produto vagabundo.

  • Anderson Kaddahr

    acredito q se fizer a mesma pesquisa porem com um nacional, as respostas serão as mesmas…. a loja tem de lucrar com o usado tb… sempre joga pra baixo mesmo..tenta desvalorizar no maximo o seu bem… passamos isso recentemente em casa com um clio… minha mãe tinha um clio 2012 completo foi trocar por um zero completo… o antigo custou na época 31990… o novo saiu por 32990… tiveram a cara de pau de oferecer 14000 na troca!!! 50% em dois anos…. falaram que é q o clio desvaloriza muito!!!! porra!! o proprio vendedor desvalorizando o que ele vende… ae vc vai e ve nos usador que eles vendem o mesmo por 20k a 25k !!

    • CorsarioViajante

      É lógico… Ele paga 14.000 no seu para revender por 20.000.

      • Anderson Kaddahr

        e o mesmo acontece com o chineis!!!

        • CorsarioViajante

          O revendedor sempre vai pagar menos que o particular, pois ele revende, isso ocorre com qualquer carro.
          Agora, o QUANTO menos ele vai pagar, depende de vários fatores, e não só por ser chinês, qualquer carro com menos giro vai acontecer isso. Que tal chegar lá com um VW EOS e pedir para avaliar? rs

    • L641

      Cara, nós sabemos que a Renault é tão nacional quanto as 4 grandes, mas para o mercado eles ainda são franceses, importados e problemáticos.

  • Smooj

    Já ouvi histórias na família de muitas dificuldades em vender certos carros, e todos nacionais. Eu pessoalmente já perdi muito dinheiro ao vender um Peugeot 207. Nada do nível relatado com o JAC, mas enfim, acontece.

    Com o tempo, se a fábrica não cagar a reputação deles, eu acho que os carros serão bem assimilados ao mercado de usados.

  • Mr. Car

    Se for para comprar um carro que desvaloriza muito (embora sabendo que com qualquer marca você vai perder), e talvez também não tenha revenda muito fácil, prefiro então um Citroën, que é muitíssimo mais carro que esses chinas.

  • Fábio

    Por isso que o Corolla e o Civic custam mais caro que a concorrência.
    Liquidez. A desvalorização na hora da venda é muito menor que os seus rivais.
    Comprei o meu ano passado por conta disso. Nem de longe era o carro preferido.
    Por fim, planejava rodar 3 anos com ele (antes que comece o mimimi dos aborrecentes frequentadores do site, pra que trocar carro com 3 anos, carro pra mim é ferramenta de trabalho e eu rodo em média 30 mil km ano), acabei trocando com 1 ano. Defeito GRAVE nos freios, que me custou uma rodagem, vários sustos e nada de solução da dona Honda. Paguei 70 mil no carro (LXR 2.0) A FIPE do carro no momento da troca (julho/14) era 64800, a Ford me pagou 61 mil na troca por um Focus.

    • Zoran Borut

      Só 6% abaixo da Fipe? Cara, que sortudo! Tem gente aqui no NA que sobe a escadaria da Penha de joelho quando a concessionária oferece 90% da Fipe.

  • Bernardo

    Tive um novo uno que o valor da tabela era R$ 27000,00, na propria FIAT me avaliaram ele em incríveis R$15000,00. Então afirmo que não é exclusividade de carro chines isso.

  • _William

    Esse Jac então só compensa se a pessoa reside ou costuma andar em regiões com grande índice de roubos, pois nem bandido deve querer essas tranqueiras, aí o dono anda mais tranquilo.

    • Jonas Augusto

      Interessante colocação a sua.

      • Well Gama

        Nesse caso, por incrível que pareça, a indenização será mais justa por parte da seguradora se tudo correr bem na análise do B.O.

        • Cassiano

          Capaz de ocorrer um monte de golpes de seguros daqui para frente em carros chineses… Os donos vendo que não vão ganhar nada na venda, jogam ele ladeira abaixo hehehe

    • gustavo

      Vão achar muitos Jacs anfibios nadando em mares, oceanos e rios . rs.rs.rs.

  • Igor Lima

    Engaçado… não vejo um chinês aqui no Brasil… aqueles de lojinhas e pastelarias, andando de carro chinês!

    • Anderson Kaddahr

      e nem muitos brasileiros andando de gurgel!!!!!

      • Igor Lima

        mas esse é o ponto! somos brasileiros e conhecemos o gurgel… por que não compravamos qd era vendido? pq naum atendia as expectativas da maioria de nós!

        • Daniel

          Os gurgel vendiam muito bem… tinha fila de espera para os carros… o que complicava era a produção qse artesanal (se comparada com o das multinacionais) e o fato de serem veiculos de nicho (jipes e subcompactos urbaninhos).

          Lembro que quando compramos o BR 800l (e até hoje!) era um carro que chamava muita atenção nas ruas, muitos se interessavam pelo carrinho, mas poucos eram os que acabavam comprando. Afinal, era um carro bastante pequeno, projetado para rodar na cidade, numa epoca que a maioria das familias tinham apenas um carro (que deveria servir para viagens e tudo o mais).
          Quando nós compramos o BR, ele era o 4o carro da garagem (meu pai tinha 2 carros, minha mae outros 2). pouco tempo depois enxugamos a frota para 2 extremos… era o BR de um lado (urbanissimo) e a Caravan do outro (com todo espaço e luxo disponiveis na epoca).
          O carro agradou tanto que está até hoje em casa.

      • Daniel

        Opa… chamou?

    • 1945_DE

      Nem lá na china. Nos grandes centros só se vêem BMW, MERCEDES, VW, AUDI, JAGUAR E outras famosas. Na China só se vê chines com carro chines no interior. Ou seja, o pessoal que deve ter um poder aquisitivo menor.

    • Alessandrex

      Lendo o ranking de carros vendidos na China, acho que até lá a aceitação é baixa.

    • Por incrível que pareça, quando eu morava no Rio de Janeiro, um senhor chinês dono de uma pastelaria chinesa perto de minha casa tinha um Lifan 620. Foi o único chinês que vi, que tinha um carro chinês. Vi o carro com ele por um bom tempo.

    • Rubem

      no centro cultural chines na tijuca, rio de janeiro, vejo todas as marcas por lá, menos chineses e coreanos.

  • Diggo

    O mercado nacional é careta, mas tem um certo fundamento, pois algumas marcas deixaram o mercado de uma hora para outra sem deixar saídas para o consumidor.

    • L641

      A KIA por exemplo, já fez e parece que está querendo fazer de novo.

  • Jonathan Iury

    compre carro chinês e use ate virar um classico rs( se aguentar) como hoje tem muita gente querendo ter um lada pra colecionar

  • RX8

    Carro Chinês é igual quando pulamos na piscina com agua bem fria e ficamos chamando os outros pra pular também, falando que a agua tá quentinha!!! kkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Eduardo CWB

    Carro XIng ling pode ter de tudo .. mas não tem tradição aqui … e o que manda aqui é os VOVOS.
    Não adianta ter tudo e não valer nada … conheço vários amigos vendedores, que se arrependem de ter aceito carro assim na troca, pois a loja tem que dar garantia e ai começa o problema ..
    Peças quase não existem e se existem demoram meses para vir .. preços absurdos e falta de mão de obra qualificada para as suas mecânicas peculiares.

    Mico .. mico .. não recomendo a ninguém um Xing ling.

  • Colorado

    Fui numa loja dar uma olhada num C5 2010 custando 48 mil, como parte da entrada daria meu Pug 307 Feline, tbm 2010, ofereceram 23 mil no meu carro, paguei 28 mil a uns 4 meses, o vendedor alegou ser difícil revender. Mico por mico, acho que o C5 é mais que o 307

  • Rubem

    falto levar o carro na própria JAC para ver se eles mesmos iriam recusar o filho pródigo…

  • Carlos Negri

    É por isso que comprar carro zero não compensa, chines mais ainda! As concessionárias ganham rios de dinheiro devalorizando seu semi novo em média 20%, e dificilmente dando desconto nos zeros KM! Brasileiro está deixando de ser bobo, não é a toa que as vendas de seminovos cresceram tanto neste ano.

  • zeuslinux

    TODOS os carros são altamente desvalorizados na hora de vender hoje em dia, ainda mais quando se tenta dá-los na troca por um 0 km. A diferença é a liquidez, a velocidade de venda de alguns modelos. Carros de entrada das marcas tradicionais vendem mais rápido porque há maior mercado. Em segundo lugar vem carros médios muito vendidos, tipo Civic e Corolla. Depois vêm todos os outros.

    Só por curiosidade fui conhecer de perto esta semana o Audi A3, o novo Golf e o Jetta TSI e pedi para avaliarem o meu carro usado na troca, uma Captiva 2.4 modelo 2012/2012 com apenas 18000 km e sem nada a fazer. Na Audi me ofereceram apenas 50 mil reais e nas concessionárias VW me ofereceram de 50 a 57 mil reais na compra de um desses modelos VW de 86 a 104 mil reais ! Depois não sabem porque os usados estão vendendo bem e os carros 0 km estão encalhados !

  • Adriano

    Coragem hein, eu nao me arriscaria nunca, ainda mais com esses preços que vc acha carros com mais tempo de casa pelo mesmo preço e mesmos itens de serie

  • Supernescau

    Isso não é exclusividade da JAC. Tente ir em uma concessionária com um C4 Pallas para troca. Ou um 408. Assim como era com o Marea há alguns anos.
    Tive um Prisma e o último Vectra e todos queriam pagar muito abaixo da FIPE na troca (mas mais que os modelos acima). Carro ou se vende para particular ou se perde dinheiro (redundância).
    No meu caso, escolhi perder porque não queria ter o trabalho de vender para particular.

    • Rodrigo Peres Gomes

      Na mosca! Tenho um C4 Hatch 2.0 e estava pesquisando para fazer um troca em um Fiat 500 polonês. O melhor valor que consegui para alguma troca foi R$ 25.000,00 sendo que na tabela FIPE valia um pouco menos de R$ 35.000,00 na época.
      Fiquei com a “Cremilda” e devo ficar com ela por muito tempo por conta dessa desvalorização.

    • Mr. Car

      Mas é como eu disse: se é difícil revender e perde-se muito na revenda, pelo menos com o C4 Pallas, enquanto se está com ele, o sujeito está muito melhor servido em termos de carro que estaria com um JAC ou outro chinês.

  • Cassio

    Por R$ 20 mil eu compraria esse JAC.
    Mas em questão de carro excessivamente desvalorizado, gosto mesmo é do Peugeot 408 Allure com câmbio manual.

  • Castle_Bravo

    Eu juro que não entendo a FIPE. Ela não é baseada na média dos preços de venda? por que há uma diferença tão grande entre o que ela diz e a realidade encontrada?

    “Ao colocar um modelo como o JAC J3 de nossa avaliação numa troca, espere ofertas entre 30% e 40% abaixo da tabela. Se o carro em questão for de outras marcas chinesas, espere ofertas ainda mais baixas”.

    • Adriano

      No brasil tudo é uma merda, essa é a verdade, inflação camuflada, fipe camuflada, tudo desorganizado.

    • JPaulo10

      Uma vendedora (da JAC ……) respondeu-me isso, quando foi avaliar o nosso carro:
      A tabela FIPE foi criada para servir de referência, apenas, para as seguradoras.

      • Castle_Bravo

        Sim, é bem conveniente, né? as seguradoras e o estado para cobrar IPVA, que precisam de valores altos para “morder” uma fatia maior, ela é válida. Para quando vendemos os carros, ela “é só uma referência”. =/

        • alexandre

          Negativo. O preço da tabela FIPE é baseado na média dos valores anunciados de determinado veículo. Se vc tiver seu carro furtado/roubado, receba pela FIPE e vá à loja comprar outro igual. Essa é a lógica. Para vc vender seu carro para uma revenda, é justo que ela desvalorize uns 20 a 30%, pois ela venderá, em tese, pelo valor da tabela FIPE. Fora o lucro, que é o motivo do empresário estar lá de portas abertas, tem uma pregada de custos envolvidos no negócio, como comissão de vendedor, impostos, transferência do veículo para o nome da revenda, possível ipva etc.

          • Castle_Bravo

            “Média dos Valores Anunciados”, eu sei meu amigo, todavia obrigado pela explanação. Eu sei também como uma empresa funciona, sei tudo o que tem que ser feito, da mesma forma também sei que 40% de lucro bruto sobre um produto, quando a concorrência eventualmente tem valores menores, deixa a situação um pouco desconfortável aqueles que precisam vender seus carros, não achas? e isso não apaga a imagem que comentei, de que “quando interessa” a tabela é “cheia”, quando “não interessa”, aí sim, pode baixar até 40% dela que está tudo bem, tudo “normal”.

  • vin_cius_carvalho

    Me mudei de cidade e precisem vender meu J2 2014, com 10 mil km em Porto Alegre. Valor: R$ 29.500! Valor de tabela: R$ 30.200! Vendi para particular, naturalmente. Concessionária SEMPRE diz que o carro que temos é um lixo.. e que o carro que eles estão vendendo é o melhor do mundo. Entregar carro em concessionária é, sim, rasgar dinheiro e jogar pela janela! Paciência é a alma do negócio!

  • JPaulo10

    Acho que a saída para essa alta desvalorização (e, por consequência, baixa venda), estaria na JAC adotar uma política de recompra do veículo vendido, para dar confiança ao comprador.
    A Hyundai fez isso, no começo. Um vizinho nosso comprou duas Terracan, uma após a outra, dentro dessa prática.

    • _William

      Eles já fazem um esforço danado pra conseguir vender um zero, quem dirá um usado. Bobear nem eles querem.

  • Vattt

    Os carro envolvidos na troca eram 1.0 ou de motorização maior??? No primeiro exemplo o cara sair de um sedan 1.5 completo para um hatch 1.0, bem sem lógica??? Deveriam avaliar por Prisma 1.4, Voyage 1.6, Siena ou Gran Siena 1.4, Ka+ 1.5… na mesma categoria. Se você quer sair desse “chinezinho” completo para um compacto de entrada, boa coisa seu carro não é!!!

    • Zoran Borut

      Esse foi o primeiro ponto a me chamar a atenção quando li o texto, e fiquei horas tentando comentar isso, mas o sistema de comentários não estava funcionando direito e a propaganda que trava o navegador também não ajudou muito.

  • Marco Aurélio

    Agora eu entendo o desepero do vendedor de uma multimarca aqui de São
    Paulo. Eu cogitei a troca do meu celtinha 2010 “pelado” por um J3
    2011/2012 “completão”, e o cara só faltou oferecer a troca no conhecido
    “pau-a-pau”….rs

  • Alexandre

    Faltou levar na prórpia JAC para ver quanto eles pagariam…

  • Jonas Augusto

    Isso é um casamento sem direito a divorcio, “até que a morte os separem”. Se a JAC não se atualizar igual aos japoneses e coreanos, vai ser um mico tais como Chery, Lifan, Effa. Pergunta pra alguém que conhece de carros, não precisa ser profissional, e a resposta todos já imaginam.
    Mais o JAC J3 é melhor em acabamento quanto em motor, falta interesse por parte da JAC em divulgar melhor os produtos, eu me lembro quando o saudoso Faustão fazia propaganda do JAC J3 no inicio da peregrinação, que por sinal não rendeu bons frutos.

  • Marcio

    Posso falar por experiência propria: comprei um QQ em 2011 0km por 22.900. Rodei 1 ano e meio e 32.000kms depois vendi para uma loja de semi-novos por 18.000 que revendeu o carro por 20.000, 45 dias depois. Não fiz seguro do carro porque ninguém rouba QQ. O que eu economizei de seguro esse tempo todo, compensou qualquer prejuízo. Durante esse tempo fiz 2 revisões na Chery e muito bem atendido e precisei de uma mangueira da direção hidraulica que estava vazando mas eles tinham em estoque e o reparo foi feito em 45 minutos, na garantia. Voltaria tranquilamente a ter um carro da Chery, porque tenho a experiência de ter tido um carro chinês daquela marca. Aqui, muitos ficam só opinando, mas nunca tiveram “peito” para fazer isso. “Eu não gosto de Paris!” Mas nunca sairam do Brasil…rs

    • gustavo

      Você e corajoso se todos os Brasileiros seguirem seu exemplo a Chery abre mais duas fabrica no Brasil !!!

      • Marcio

        Não sou corajoso! Os outros é que são medrosos! rs

        • gustavo

          E meu caro guerreiro, você esta certo.

  • Gran RS 78

    Gostaria de saber qual modelo de carro que não desvaloriza, pois quallquer carro, nacional ou importado irá ter uma forte depreciação, ainda mais se for dar na troca por um OKm.

  • EJ

    É igual a propaganda da Brahma 0,0%.

    “Comprei um carro chinês! Vou perder dinheiro ao vender??” – Vai!
    “Vou ter dificuldade pra usá-lo como moeda de troca??” – Vai!
    “Várias lojas não aceitarão meu carro de forma alguma?” – Vai!
    “Meu amigo comprou um Agile, pagou 50k, eu comprei um J3 bem superior, e ele vai rir da minha cara ao colocar pra vender mesmo, vai acontecer isso??” – Vai!

  • Magnus Cordeiro

    O mercado nunca vai mudar . . . . . . o povo adora pagar 50 mil em voyage e gol porque na hora de vender é fácil . . . . . .

    • alexandre

      Exato. Enquanto não aprendermos a comprar carro, as Toyotas da vida vão continuar a vender Corollas sem ESP. Afinal, “tem que ser bom de revenda”….

  • m_Ferrari

    Boa matéria para abrir a mente das pessoas que gostam de teorias da conspiração. Carro chines é barato na hora da compra e muito mias barato na hora da venda. Isso reflete a confiança do consumidor, é uma “conta” simples.

    • _William

      E deve ser por isso também que eles não vendem os carros com preços melhores, pois se já desvaloriza assim custando caro, imagina se custassem 25k.. as css iam ofecer uns 9 mil..kk

      • L641

        Pior que é, com 9 mil vc compra um Chery qq 2012 e mesmo assim vai lá ver quanto tempo eles ficam no pátio.

        • Triton

          Onde isso? Me manda um anuncio de um.

          • L641

            http://carro.mercadolivre.com.br/MLB-577748523-chery-qq-20112012-azul-_JM
            Errei por 1500 mas da um desconto, faz tempo que não olhava o preço disso.

            • Rogério Veiga

              no anuncio fala que tem mais 19 parcelas de 290, quitado por 15500

            • Triton

              R$ 10.500 MAIS 19 parcelas de R$ 290. Não seja desonesto.

              • L641

                Só vi isso depois do comentário ter ido pra moderação, aí não da pra editar

  • Marco

    Como melhorou o acabamento desse carro hein! É um carro bem acertado só que ainda vai demorar um pouco para se firmar no mercado.

  • Bruno Silva

    Enquanto aqui em casa, um Voyage comprado em 2011 (já são 3 anos de uso) por R$35.990 e atualmente 39mil km foi avaliado semana passada em R$ 23mil. Sendo que o dono da loja queria comprar o carro na hora! Infelizmente os chineses vão ter que penar muito ainda para se tornarem algo comprável, hoje, ainda é inviável.

  • Thiago K. Galiza

    ou seja, comprou casou

  • Fabricio Jacob

    Muito legal a materia. Mas atualmente, nao está facil vender carro usado de marca nenhuma. Os patios estao cheios e a economia já está oficialmente em recessao. Nao estou defendendo os chineses, sao piores para vender mesmo, mas o melhor seria mostrar o quanto é mais dificil vender o carro em relacao aos seus concorrentes diretos. E o quanto ele deprecia a mais tambem, percentualmente.

  • Guest

    Coloquei um comentário há 1hr mas ele não apareceu. Por que?

  • JAFaria

    Trocar carro no Brasil é certeza de perder dinheiro.E não precisa ser carro chinês, não. Voce pode perder e muito até com marcas e modelos tradicionais. Brasileiro precisa aprender a não comprar por impulso e sim de forma racional por necessidade. Não é um modelo novo de carro nacional que vai fazer com que voce se torne a cereja do bolo. Depois que inventaram o carnê de 60 vezes, status, só com carros alemães de luxo.

  • Leandro Santos

    a vdd é q as ccs fazem isso com qualquer carro q chegar pra troca.

  • Diego Lip

    O brasileiro é curioso, compra o carro já pensando na revenda.

    • L641

      Não cara, o brasileiro é pobre e os carros são caros, se o cara não pensar na revenda ele pode estar se enforcando em arame farpado.

    • Rubem

      lógico, quanto mais valorizado a revenda, menos prejuízo vou ter na compra de um próximo carro.

  • Sérgio Niski Junior

    Não sei ao certo porque não conheço ninguém que tenha um J3 mas passa a impressão de ser no mínimo no mesmo nível dos “nacionais” e saí bem mais barato né resta saber em relação as peças e claro a pessoa vai casar com o carro.

    • O J3 atual parece que melhorou muito em relação a versão que chegou ao Brasil, que tinha inúmeros relatos de problemas crônicos como luz EPC. O que mata o J3 é justamente a pequena e deficiente rede credenciada, somada ao alto custo de manutenção seja devido aos preços caros das peças quanto ao preço das revisões mais caras que as de carros médios japoneses, como também a fama de ser frágil, devido ao crash test da antiga versão, que mesmo equipada com AB2 e ABS tirou apenas 1 estrela.

  • Andre Baracho

    Mas essa subavaliaçao nao é privilegio dos chineses não. Semana passada meu carro nacional, estabelecido no mercado, com valor FIPE de R$ 44 mil, foi avaliado por R$ 28 na troca por um honda civic. Na boa, é uma picaretagem essas CSS. Só pra enganar o pobre brasileiro ignorante.

  • Black Cat Dj

    Logica do brasileiro: “nossa esses carros da Kia e Hyundai são demais e é importado, mas carro Chines é um lixo tudo falsificado.”

  • Gustavobrtt

    Na minha opinião, carro é bem de consumo. Eu geralmente rodo até não dar mais. Mesmo vendendo barato, com o dinheiro que deixo de gastar trocando a cada 2 anos (como muita gente faz), eu troco por um 0Km sem dificuldades pagando à vista.
    Geralmente fico de 8 a 10 anos com um carro; rodo até uns 160.000km. Fazendo a manutenção corretamente, tudo tranquilo. Eu não troco um carro meu por nenhum outro seminovo de forma alguma.

    • zeuslinux

      Você está mais do que certo. Claro que há alguns casos onde a pessoa precisa trocar antes, mas a grande maioria podia fazer isso.

      O maior problema é não enjoar do seu carro ou ficar tentado em comprar outro carro.

  • gustavo

    Como um carro de uma marca quer ter um bom preço de revenda, se nao tem peça em lojas de auto peças, so na css da Jac com aquela garantia falcadrua!!E arapuca…

  • johnnyburanelo

    eles fazem isto pq existem funcionários que sem o patrão saber, tem esquema pra repassar estes carros direto para garagistas independentes multimarcas.
    o dono da concessionária nem sabe
    é uma mafia !!
    já aconteceu comigo uma vez e entreguei o cidadão direto pro dono da concessionária, que era um conhecido meu, amigo antigo da família…
    demissão na hora!!!

    • Leoncio

      Explica isso melhor. Por favor.

      • johnnyburanelo

        Por exemplo, caso que ocorreu comigo em 2008:
        Levei um Audi A3 na concessionária, na epoca interessado na troca por um punto TJet +teto zero km.
        audi A3 valor de tabela 35 mil na epoca.
        o avaliador funcionário novo viu , e fechamos q o Audi entraria por 32, no momento em que estava preparando pra assinar papéis, eis que entra um dono de loja de veículos seminovos independente da cidade, e eu de longe olhando, ele da uma volta no meu carro, e chama um outro vendedor mais antigo, q ao cumprimentar ele e conversar, chamou o rapaz q tava me atendendo, aí o mais antigo veio, sentou e falou q tinham me passado o preço errado, o valor que deveriam me passar era de 24 mil pro meu carro entrar no negócio.
        ou seja, iam entrar no famoso esquema de “repasse” que existe entre funcionários de concessionárias e lojistas independentes, sem a ciência do dono da concessionária.
        funciona assim, eles pagam um preço muito abaixo mesmo da tabela, pra repassar direto pro lojista, nesta o funcionário recebe 20 a 30 % do lucro q o lojista tiver na venda, que no meu caso ia ser 11 mil reais!!!

        isto acontece direto na cara de pau mesmo, é um absurdo! avisei o dono da concessionária na epoca, q mandou o cara embora alguns dias depois! funcionária que trabalha contra a empresa é um cancer e tem que ser retirado logo,

        minha Solução? fui em outra concessionária de outro amigo pessoal e tirei um corolla com meu carro entrando por 32, que sao os 3 mil abaixo da tabela, mas é aceitavel afinal tem o lucro normal, as eventuais despesas e a comissão do vendedor. que acabou sendo um negocio bem melhor haha corolla é bem melhor q o punto e desvalorizou bem menos

        • Leoncio

          Ah. Agora entendi. Que doidera. Não sabia disso. Mas ainda bem que se livrou dessa.

  • AUSR444BRA

    burro é quem vai trocar o carro ainda novo

  • Eddie

    Não consigo entender o que passa pela cabeça de alguém de sã consciência a comprar um carro chinês 0km.
    São carros totalmente inseguros, mal montados; eu sinceramente não entendi ainda por que estes caras vieram pra estas plagas, nem dentro da China tem aceitação.
    Por exemplo, exatamente como na reportagem, na África do Sul, o incauto compra uma traquitana dessas e simplesmente não consegue vender depois, acaba entregando como ferro-velho, aqui pelos menos com muita sorte consegue-se entregar na troca com enorme deságio.

  • Jackson Sousa Leite

    Eu mesmo tendo uns 28 mil compraria um desse. mas para ficar uns 4 anos como o mesmo ou mais pois quem compra carro pensando em ganhar dinheiro é lojista dos xing-ling os piores mesmo são os effa meu patrão mesmo pagou 98 mil e muma CRV 0km 2013 tá querendo vender e ofereceram 67 mil na troca em uma IX35 perder 31 mil reais em apenas 1 ano e 8 meses é osso

  • renato

    Para quem compra usado, talvez seja um bom negócio. Um carro 2014 que é vendido 0km por R$ 41.990,00. Bem pouco usado na tabela por R$ 36.913,00. Se você conseguir pagar por ele os R$ 26mil que o mercado tá pagando na prática, acho que vale a pena para rodar um bom tempo com ele. Por R$ 26mil eu compraria!

  • Marcelo

    Na boa se você chegar em uma concessionária com um “pão quente” do momento, tipo um Palio/Gol e cia a avaliação será 20% abaixo da tabela fipe também ou seja até aí nenhuma novidade.

  • Rodrigo

    Tabela Fipe 40.000,00 eu pago 17.000

  • Junior Lobato

    Mas esse problema não e só dos carros chineses, vai passar um Peugeot & Citroen, Nissan e alguns carros da kia & Hyundai

  • Antônio Luiz

    Chinês nem a China tem!

  • Marcio

    A melhor oferta que ele teve foi 26.000. Ofereço 28.000! Pagamento cash!

  • daniel San

    SO PAGARAM 26.000 NA HYUNDAI DEVIDO A MARGEM DO CARRO OU CHAMAMOS VALOR ABUSIVO COBRADO A MAIS ESTE 6 MIL REAIS SERIA DADOS DE DESCONTO CASO FOSSE A VISTA A DIFERENCA É QUE AO INVES DE RECEBER DESCONTO ELES FAZEM VC OUVIR MAIS TIPICO PARA QUEM QUER SER ENGANADO. HYUNDAY, SANG YONG, CHERRY ,JAC, É ASSIM POR ISSO PREFIRO IR EM UMA CONCESSIONARIA SERIA E OUVIR A REAL AVALIAÇAO DO MEU CARRO E PLEITEAR UM DESCONTO QUE MUITAS VEZES E SUPERIOR A 6 MIL

  • RyanSX

    O JAC J5 é bem bonito mas infelizmente também sofre com alguns retardados cabeças brancas falando que não presta, compra um GOL (ou derivados enfim) e espalhando esse mito que os carro dessas marcas tradicionais não dão problema (todos vão te dar problema com o tempo mesmo). Por mim não me importo se demorar a vender, sempre vai ter alguém procurando um carro completo a um preço bom. Andar em um carro com vários equipamentos não tem preço, o conforto que traz esses adereços é muito bom sem duvida. É a mesma coisa que acontece ao se comparar um usado/seminovo com quem compra um ZERO KM.

  • Romulo

    com todo respeito, sei que foi um ensaio pra uma futura negociação, mais o carro ainda tá Zero Km, pouquíssimo rodado, um painel decente, completo, poxa ainda tá pra continuar por um bom tempo ainda com ele, assim penso!

  • Basket13

    JAC que comprou fica com ele.

  • Diego Nameko

    Na minha opinião, se compra de carro 0km fosse investimento, seria o melhor negócio do mundo. Mas não é.
    Meu primo adquiriu um Chery Cielo 2012 por R$ 21 mil, na tabela FIPE está por volta dos R$ 28 mil. Ele disse que revisão não saiu caro, e que é do mesmo nível de um hatch compacto premium. Creio que não foi um negócio ruim por parte dele.

    • O Cielo é um carro muito bonito, pena que inadequado ao nosso país, o que fazia do carro uma constante fonte de problemas pra quem usa o carro no dia-a-dia, a começar pela suspensão ineficiente que prejudicava todo conjunto, até problemas no câmbio, comuns na família Cielo.

      Se tivesse sido minimamente tropicalizado, poderia estar vendendo por muito mais tempo.

  • Fábio Dantas

    Engraçado é ver meu carro com o mesmo valor de avaliação de dois anos e pouco atrás, quando fui ver um outro pra mim, mais de curioso que como interessado mesmo. Pagam os mesmos 14, 16 mil que me ofereciam na época. Vender carro com tão pouca quilometragem assim sempre vai ser prejuízo. Até pra vender Gol vai ser esse estupro aí, obviamente descontado o injustificado preconceito com a marca.

    E continuo hoje com má vontade de querer vender meu carro… tá funcionando, tá bem cuidado, não enguiça (isso porque bati mês passado, o carro voltou melhor que tava, trocaram absolutamente tudo que tava simplesmente arranhado, nada recuperado, foi troca e pronto)… e não tenho cara de mané pra bancar lucro exorbitante pra malandro. Ganhar dinheiro não é errado, achar que todo mundo é bobo é. Início do ano que vem eu tento de novo, se tiver preço bom eu vendo.

  • Danilo Fernandes

    O brasileiro é muito engraçado. Compra carro já pensando em revenda com a desculpa que não quer perder dinheiro, mas não faz manutenção nos carros e quer passar rápido, de preferência antes dos 50 mil kms. Ora! Tem forma maior de perder dinheiro do que trocar de carro a cada 40-50 mil kms?

    Carro chinês (da JAC pelo menos), assim como qualquer carro das marcas menos famosas, pode ser comprado, mas não se for pensar em vender logo em seguida. Compre, use bem o carro que, quando for vender lá na frente, terá feito pouca diferença a marca. Pessoalmente eu prefiro pegar um J3 completinho do que um Gol peladex.

  • Lucas Lira

    Nada haver o arrogante da Chevrolet alegar que não consta o codinome do modelo no documento, e não tá vendo que é um sedã não é?! Essas marcas chinesas sofrem desse mal, aparenta ser um carro bom; assim que a Jac chegou a minha cidade (Maceió) eu e meu cunhado fomos olhar os modelos, preços bem atrativos e outras coisas mais chamam a atenção porém o medo do futuro não deixou que ele fechasse negócio…

  • Bruno

    Não achei justa a avaliação pois não há base de comparação, interessante seria ir com um carro equivalente nas mesmas lojas para ver o quão depreciado é o carro, acredito que o chinês vai ter uma desvalorização maior, mas não tão distante se comparado com um sedan equivalente.
    Alguém aí fez uma avaliação recente na css e conseguiu uma avaliação com depreciação menor que 30%?

  • Marcus Fenix

    Nem os chineses que vivem aqui no Brasil compram carros chineses. Porque eu iria comprar!?

  • TiagoNA

    Meu amigo comprou um chines por 28k, e 3 anos após o vendeu por 20k. Mas digo-lhes: É mais fácil um raio cair na sua cabeça 50 vezes do que isso acontecer.

  • Marcos

    Tenho um J3 2012/2013 com bancos em couro e posso falar com propriedade.
    Carro com menos de 16000km rodados, revisões feitas na CC em dia e carro sem detalhes, tudo funciona. Nunca tive problemas mecânicos MAS a grande vergonha da JAC é seu Pós-venda, é vergonhoso pois alem de subirem muito a valor das revisões eles simplesmente alegam que qualquer problema é peça de desgaste e a garantia não cobre.
    Acompanho a pagina do Facebook com donos de Jac e tem cada absurdo que dá muita raiva. Mangueira da direção que vaza com menos de 2 anos, carcaça da valvula termostatica que vaza com menos de 3 anos, ar condicionado com problema, embreagem com ruido, trava do controle que deixa de funcionar, tudo isso não seria problema se a CC não se recusasse a solucionar o problema na garantia. Tudo eles alegam que é “desgaste natural”. Carro é bom mas a postura da marca é anti etica e eu não voltaria a comprar. Minha ideia é uma só, Honda ou Toyota, não pelo atendimento mas pela qualidade dos carros que são simples e manutenção só preventiva.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend