Manutenção Matérias NA Pickups

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

Se você planeja estacionar uma picape/caminhonete movida a diesel em sua garagem, precisa ter em mente que os custos de modelos movidos a tal combustível são bem maiores que um exemplar equivalente dotado de uma motorização flex, por exemplo. Isso se deve, principalmente, ao fato do motor turbodiesel ser bem mais robusto que uma unidade a gasolina, além de ser dotado de uma série de recurso extras (como turbocompressor, intercooler, entre outros) e normalmente ser combinado ainda ao sistema de tração nas quatro rodas.


Por conta de toda essa complexidade mecânica, que resulta em mais força e também em maior eficiência, as revisões de uma picape a diesel costumam ser mais caras que as de um modelo flex. Para se ter uma ideia, num lado as seis revisões de uma Chevrolet S10 2.5 Flex são tabeladas a um preço total de R$ 4.636, enquanto em outro a tabela de revisões de uma Chevrolet S10 2.8 Diesel tem preço total de R$ 5.448. Ou seja, neste caso há uma diferença de pouco mais de R$ 800. Entretanto, a Fiat Toro 2.0 Diesel é mais barata de se manter do que uma Fiat Toro 1.8 Flex, por exemplo.

Elencamos abaixo todas as picapes a diesel comercializadas no mercado brasileiro com suas respectivas tabelas de revisões. Porém, alguns modelos ficaram de fora, como é o caso da Agrale Marruá AM 200 e também da grandalhona RAM 2500, já que ambas não dispõem de revisões tabeladas no País – pelo menos no que consta no site da marca e nos portais dos concessionários. Confira:

Chevrolet S10

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km


Uma das picapes mais vendidas no País e também uma das mais tradicionais do mercado, a Chevrolet S10 fica no meio da tabela quando o assunto são preços das revisões. A única opção turbodiesel da picape média é composta por um 2.8 litros de quatro cilindros, que rende até 200 cv e 51 kgfm, com câmbio manual ou automático e tração 4×4.

A respeito das revisões, a Chevrolet cobra R$ 5.448 pelas seis revisões da S10, intervaladas a cada 10 mil km rodados ou um ano. O modelo é ofertado com garantia de três anos. Já os preços partem de R$ 116.790 (no caso a S10 Chassi).

Fiat Toro

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

A líder de vendas entre as picapes compactas/médias e médias é também a que possui o menor custo de revisões entre os modelos turbodiesel. A Fiat Toro conta com somente três revisões até 60 mil km, sendo que todas elas são realizadas a cada 20 mil km ou 12 meses. As três totalizam uma cifra de R$ 3.336, que inclusive é inferior a cobrada pela Toro 1.8 Flex e pela Toro 2.4 Flex, de R$ 4.436 e R$ 5.244, respectivamente.

Atualmente, a Fiat Toro 2.0 Diesel de quatro cilindros consegue gerar 170 cv e 35,7 kgfm, com câmbio automático e tração 4×4. O preço inicial é de R$ 131.590. Já a garantia é de três anos.

Ford Ranger

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

A Ford Ranger é uma das únicas picapes médias que dispõem de mais de uma opção turbodiesel em nosso mercado. Neste caso, o utilitário oferece um 2.2 litros turbodiesel de quatro cilindros (160 cv e 39,3 kgfm) com câmbio manual ou automático e tração 4×2 ou 4×4 e também um 3.2 litros turbodiesel de cinco cilindros (200 cv e 47,9 kgfm), acoplado sempre a uma transmissão automática e tração nas quatro rodas.

No caso da Ford Ranger 2.2, são seis revisões a cada 10 mil km ou um ano que totalizam uma cifra de R$ 5.432. Já na Ford Ranger 3.2, há também uma tabela com seis revisões, mas com preço total de R$ 5.968. Ambas possuem garantia de cinco anos. Já os preços começam em R$ 124.200 (Ranger Chassi 2.2) ou R$ 183.490 (Ranger Cabine Dupla 3.2).

Mitsubishi L200 Triton

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

Por a partir de R$ 120.990, a atual linha da Mitsubishi L200 Triton oferece versões com um motor 2.4 litros turbodiesel de cinco cilindros, que é capaz de entregar até 190 cv e 43,9 kgfm, com transmissão manual ou automática e tração 4×4.

E ela é a segunda picape a diesel com as revisões mais caras do País. As seis idas à concessionária totalizam ao bolso do consumidor nada mais, nada menos que R$ 6.142. Neste quesito, ela só perde para a Toyota Hilux. A garantia da picape é de três anos.

Nissan Frontier

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

A segunda picape média de origem japonesa que aparece por aqui é a Nissan Frontier. O modelo oferece um motor 2.3 litros turbodiesel de quatro cilindros, com até 190 cv e 45,9 kgfm, atrelado a um câmbio automático e tração 4×4. Ela parte de R$ 152.390.

Quanto às revisões, a Frontier tem a terceira cifra mais em conta da categoria. São seis revisões a cada 10 mil km ou seis meses a um preço total de R$ 5.292. Ela também tem garantia de três anos.

Toyota Hilux

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

A Toyota Hilux consegue liderar em dois quesitos entre as picapes: nas vendas e também no preço das revisões. A picape média da marca japonesa é o modelo que ostenta o plano de revisões mais caro do segmento. São R$ 6.277,99 cobrados pelas seis revisões a cada 10 mil km ou um ano. Para efeito de comparação, esse valor supera a rival VW Amarok 2.0 TDI Biturbo em R$ 1,4 mil!

Estas revisões são para a Hilux 2.8 Diesel de quatro cilindros, que entrega 177 cv e 45,9 kgfm, com câmbio manual ou automático e tração 4×4. A Toyota Hilux turbodiesel parte de R$ 120.150 e conta com garantia de três anos.

Volkswagen Amarok

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

A Volkswagen Amarok vence quando o quesito são opções de motorização. Há um 2.0 turbodiesel de quatro cilindros (140 cv e 34,7 kgfm) com câmbio manual e tração 4×4, 2.0 biturbo a diesel de quatro cilindros (180 cv e 42,8 kgfm) com transmissão manual ou automática e tração 4×4 e também um 3.0 V6 turbo (seis cilindros de 225 cv e 56,1 kgfm) com caixa automática e tração nas quatro rodas.

No caso da Amarok 2.0 turbodiesel e também da Amarok 2.0 biturbo a diesel, as seis revisões são ofertadas por R$ 4.864,54, sendo o segundo modelo mais caro da categoria. Já na topo de linha Amarok 3.0 V6, as seis revisões totalizam uma cifra de R$ 5.556,52. O modelo tem garantia de três anos. A Amarok 2.0 TDI tem preço inicial de R$ 117.990, a Amarok 2.0 TDI Biturbo, R$ 141.990, e a Amarok 3.0 V6, R$ 184.990.

Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km

Revisões
Modelo 10.000 km 20.000 km 30.000 km 40.000 km 50.000 km 60.000 km Total
Fiat Toro 2.0 R$ 768,00 R$ 1.196,00 R$ 1.372,00 R$3.336,00
VW Amarok 2.0 Turbo R$ 500,09 R$ 896,09 R$ 838,09 R$ 896,09 R$ 838,09 R$ 896,09 R$4.864,54
VW Amarok 2.0 Biturbo R$ 500,09 R$ 896,09 R$ 838,09 R$ 896,09 R$ 838,09 R$ 896,09 R$4.864,54
Nissan Frontier 2.3 R$ 615,00 R$ 1.149,00 R$ 615,00 R$ 1.149,00 R$ 615,00 R$ 1.149,00 R$5.292,00
Ford Ranger 2.2 R$ 448,00 R$ 760,00 R$ 984,00 R$ 1.128,00 R$ 652,00 R$ 1.460,00 R$5.432,00
Chevrolet S10 2.8 R$ 336,00 R$ 940,00 R$ 1.128,00 R$ 960,00 R$ 660,00 R$ 1.424,00 R$5.448,00
VW Amarok 3.0 V6 R$ 538,92 R$ 1.031,92 R$ 947,92 R$ 1.031,92 R$ 973,92 R$ 1.031,92 R$5.556,52
Ford Ranger 3.2 R$ 500,00 R$ 828,00 R$ 1.080,00 R$ 1.240,00 R$ 748,00 R$ 1.572,00 R$5.968,00
Mitsubishi L200 Triton 2.4 R$ 936,00 R$ 936,00 R$ 936,00 R$ 1.462,00 R$ 936,00 R$ 936,00 R$6.142,00
Toyota Hilux 2.8 R$ 574,99 R$ 987,00 R$ 1.080,00 R$ 1.617,00 R$ 849,00 R$ 1.170,00 R$6.277,99
Pickups Diesel: comparativo de custos de revisão até 60.000 km
Nota média 5 de 2 votos

  • Lucas086

    A desculpa de pagar mais caro na Hilux vai se resumir em revenda, pq se for em manutenção, o proprietário tem que se informar melhor

    • Visionário

      Manutenção vai se aplicar só para uma Hilux usada, com 150.000 km… Aí talvez valha a pena.

      Mas uma nova, pelo simples fato de custar R$ 195.000 na mais cara, nada mais é que um instrumento de ostentação.

      – “Ara, meu vizinho vai ver que a colheita foi boa esse ano! AH, se vai!!”

    • Emanuel Schott

      Das médias, a única que destoa é a Amarok. As outras ficam muito próximas uma a outra.

      Aí escolhe entre pagar mais barato na manutenção e casar com a picape (Amarok) ou pagar mais e revender fácil (Hilux).

      • Lucas086

        A velha conta, compra mais caro, vende mais caro… e casar com Amarok? Não é o que o mercado diz, tou vendo é muita gente sair justamente de hilux e ir pra amarok, compass e outros justamente por pagar caro demais e usar um carro inferior aos concorrentes.

        • Emanuel Schott

          Aqui é mais fácil vender areia pra quem mora no deserto que Amarok usada. Tanto que não é difícil encontrar Amarok diesel pelo mesmo preço que S10 ou Hilux Flex de mesmo ano.

          • Lucas086

            Certo, e o cara mais barato por ela, então a conta bate. Pagou mais barato, vende mais barato

            • Emanuel Schott

              Amarok diesel é mais cara que Hilux e S10 Flex. Pra depois todas serem vendidas pelo mesmo preço, quer dizer que a desvalorização da VW foi alta.

          • Heleno

            Aqui no meu estado a mesma coisa, a Amarok pegou fama de quebradeira. Vejo muitas a venda por preços bem abaixo da tabela.

            • Emanuel Schott

              A Toro tá indo pro mesmo caminho. As picapes “europeias” tão pegando uma fama muito ruim. Vai sobrar só pras americanas e japonesas.

              • Debraido

                Cara, já viu a quantidade de Toro que vende por mês? Onde eu moro vende mais Toro Volcano do que Argo Drive. kkkk

              • ObservadorCWB

                Sem contar o vídeo circulando no Youtube onde mostra a “rapidez” no projeto…. parece que o Cárter tem doze parafusos, até aí tudo bem, mas são de três TIPOS diferentes… acesso ao interior do tanque de combustível e amortecedores também são extremamente dificultados.

              • Unknown

                A Toro é a única que não entra na categoria das médias, nem deveria estar neste comparativo! Só está pois consideraram TODAS as pickups diesel vendidas no Brasil.

      • Visionário

        Será?

        A Hilux SRX 2016 foi lançada a R$ 188 mil. Tinha até ágio.
        Hoje uma vale R$ 163.000.
        Consegue vender nesse preço mesmo ou por R$ 160.000 com facilidade
        Perda de R$ 25.000/28.000 em 2 anos de uso.

        Nessa mesma época, uma Amarok Highline completa custava por volta de R$ 168 mil. Facilmente possível desconto.
        Hoje uma vale R$ 138.000.
        Vai vender por R$ 130.000 com certa dificuldade até.
        Perda de R$ 38.000 no mesmo período.

        São cerca de R$ 10/13 mil de diferença. Porém, a manutenção da Hilux é R$ 2 mil mais cara e os R$ 20 mil que ela custa a mais rendem R$ 3 mil em 2 anos no banco.

        Assim, a maior desvalorização da Amarok ficaria em R$ 5 a 8 mil de prejuízo.

        Agora, que a Hilux vende mais fácil, mais rápido, concordo perfeitamente. Mas isso é trabalho para o lojista. E já coloquei na conta essa questão de menor aceitação da Amarok.

        • Lucas086

          Perfeito, concordo plenamente… o cara diz que hilux não perder valor, ai o cara paga mais caro, usa um carro inferior e “perde” menos. Ai vai um cara paga mais barato, usufrui de um carro melhor, vende mais barato, ai o dono da hilux diz que ele perdeu dinheiro… de vender rápido até depende viu, pq se cobram tão caro pelas hilux que as vezes elas encalham

        • Emanuel Schott

          A “conta” no final foi só uma forma de dar uma exagerada. Obviamente não dá pra pagar 10 revisões da Hilux com a desvalorização.

        • Mario Souza

          No fim como o povo não sabe fazer conta, acaba somente nessa da liquidez por no resto, não tem nenhum problema comprar uma Amarok.

      • Saulo Gomes

        Mais barato em termos, esta semana fui na oficina fazer revisão do meu carro e tinha uma Amarok lá, já tinha 3 meses parada com a parte de cima aberta, segundo o mecânico só de peças eram mais de 15 conto.

        • Lucas

          Irônico… Sou dono de uma SW4 13-13 a diesel com apenas 42 mil km e acabei de gastar 10 mil reais na troca dos bicos injetores que são um problema crônico dessa safra.
          Manutenção cara não é exclusividade da amarok não…

    • aletp

      A insegura Hilux? não, obrigado.

    • André Luis Versiani

      Confesso que vim na sede de saber qual seria os custos da Hillux, pelo jeito este argumento já quebrou as pernas dos compradores ostentação.

  • Emanuel Schott

    Aquela história de que o custo de manutenção das picapes flex compensam o consumo a mais vai por terra ne? A diferença de custo não paga dois ou três tanques. Basicamente o único fator a se levar em consideração é a diferença de custo de aquisição.

    • Visionário

      Depende o quanto roda.

      Tem gente que faz 100.000 km em 2 anos, aí a diesel vale a pena.

      Não que dê lucro, mas fica “elas por elas”, e nesse caso compensa ter um carro mais robusto e BEM mais potente.

      As picapes flex até se saem bem no 0-100 quando vazias, mas no dia a dia a diferença de torque é gritante.

    • Saulo Gomes

      Custo de revisão é bem diferente de custo de manutenção. Gastar 10000 para consertar um motor diesel é bem fácil.

      • Emanuel Schott

        É difícil algum carro 0Km dar problema até os 60.000.

        • Saulo Gomes

          Fala isto para meu palio, menos de 40 e já levou retifica no cabeçote.

          • Unknown

            Ahh pelo amor né, vc quer comparar motor flex de um popular com um motor diesel de uma pickup média?

            • Saulo Gomes

              Não, só estou falando que merdas acontessem.

        • Unknown

          Carro a diesel então, se bem cuidado, aguenta pelo menos uns 200 mil km!

          • Saulo Gomes

            Não compare motor diesel de toyota bandeirantes com os modernos. Motor diesel de hoje em dia quebra tanto quantos os a gasolina.

            • Unknown

              Não fala besteira! Pode até não ter a mesma durabilidade dos motores mais parrudos e menos complexos do que os atuais, mas com certeza são mais duráveis do que os motores à gasolina.

              • Saulo Gomes

                Tá bom Alice.

            • Racer

              Tenho muita sorte…..3 carros diesel em casa, sendo dois de concepção nova, e nenhum “quebrou”….Um com mais de 300k km e outro com 110k km…..

              • Saulo Gomes

                Mas não eram 3?

                • Racer

                  Sim….citei a km só de duas. A terceira ainda não passou dos 100k km.

                  • Saulo Gomes

                    Até Fiat costuma chegar a 100K. Diesel aspirado dura 1 mi, turbo diesel até 2010 mais ou menos costumam chegar nos 500K, estes novos eletrônicos 300 e olha lá.

                    • Racer

                      Tudo achismo….Quando tu tiveres alguma experiência com este tipo de motor, volta aqui e discute…. Tu mesmo se contradiz quando fala que ele “quebra tanto quanto um gasolina”….e depois diz que dura 100…300…500 mil km….1 mi de km…

                    • Saulo Gomes

                      Eu tirei uma mb180 zero, com 150 mais ou menos deu defeito no cambio, na época o conserto era 70% do valor da van. Não quero diesel nem de graça, combustível muito bom para trator, trem e caminhão.

                    • Racer

                      Não estávamos falando de motor?

                    • Saulo Gomes

                      Você tinha dito que não eu não conhecia diesel …..

                    • Racer

                      Me relata problemas COM a motorização Diesel. Caixa de câmbio não vale…

                    • Lucas

                      Bicos injetores, no caso da minha SW4 2013 com apenas 42 mil km: Prejuízo de 10 mil reais.
                      Fui pesquisar e é um caso muito recorrente nessa geração de motores 3.0, fiquei estupefato com a quantidade de relatos iguais.

                    • Racer

                      Mas estes problemas podem ocorrer com qualquer outro motor. VW teve motores flex fundindo…O caso da EGR da Amarok pode ser defeito ou uso de Diesel errado (é um problema, mas faz parte a obrigação de usar só S10)

                      No caso da SW4, o que aconteceu com os bicos?

                    • Lucas

                      O carro simplesmente parou no meio do trânsito e não ligava. Acendeu a luz da injeção e o diagnóstico foi o de dois bicos queimados e um condenado. Acabei trocando os quatro, com peças novas e originais e isso custou caro (quase 10 mil), mas na Toyota a facada era muito, muito maior.
                      Ainda estou com o carro, acredito que agora ele rode anos sem maiores problemas.
                      Sobre a Amarok, mesmo usando diesel S10 o problema na EGR aparece, uma hora ou outra. O combustível vendido aqui, pelo visto não é dos mais limpos.

      • Marcelo Henrique

        10.000?
        A brincadeira começa nos R$ 20.000,00 em uma L200 quadrada turbo diesel.

      • Racer

        Isto quando e se ele estragar….

    • Racer

      Mas é só assim para acabar com a lorota de que é mais caro manter uma picape Diesel. O custo de aquisição, vai se reverter na hora da revenda. E a versão Diesel vai sair mais fácil que as flex.

      • Saulo Gomes

        Se é lorota pq as grandes empresas quase só compram flex?

        • Racer

          Quais empresas e quais modelos?

          • Saulo Gomes

            As flex são bem pé de boi, quem você acha que compra isto?

            • Racer

              Não respondeu…Quais empresas compram flex?

              • Saulo Gomes

                Lembro bem de uma mb180 tirada zero, com 150 mais ou menos deu defeito no cambio, na época o conserto era 70% do valor da van. Não quero diesel nem de graça, combustível muito bom para trator, trem e caminhão.

                • Saulo Gomes

                  Eu trabalho com uma empresa grande, produtora de papel, frota de pickup toda flex. Empresa é na ponta do lápis, ai diesel perde feio, sem contar que sempre é locado.

                • Racer

                  Entendi….tu acha que algumas empresas compram flex…. EU tenho experiência com frota pública (média e pesada) e de transporte escolar, onde 100% é diesel, e não querem nem de graça um carro flex/gasolina.

                  • Saulo Gomes

                    Transporte escolar não tem opção flex, estou falando de empresa que poderia usar flex ou diesel, optaram pelo flex. Van escolar usa diesel na faixa de 100 a 120 cv, perfeito, vai durar 500k, sem problema, fora as Iveco é claro. Problema destas pickups modernas é que estão tirando potência demais, quase dobraram em 10 anos, isto tem um custo, e neste caso é durabilidade.

                    • Racer

                      Aí entramos em outro campo. No caso dos flex, também ocorre o mesmo: estão esguelando os motores, e reduzindo a durabilidade.

                      Sobre o transporte escolar, mesmo quando havia a Kombi, quem tinha grana, passava pro Diesel. Quando a Kia trouxe a Besta e a também com a Asia Topic, era só o que dava. Quem não tinha grana, só sonhava em ter um Diesel. A maioria das empresas, produtores rurais….vão de Diesel. Uma pesquisa da QR no ano passado, constatou que mais de 80% da picapes vendidas era Diesel… Tem quem compre flex? Tem…mas é pouco. E depois colocam GNV porque não estão aguentando o consumo de combustível.

  • Heleno

    A melhor picape VW ja fez https://www.flatout.com.br/wp-content/uploads/2017/07/autowp.ru_volkswagen_taro_4wd_extended_cab_1.jpeg
    brincadeiras a parte, o grande problema da Amarok é a desvalorização acentuada e a fama de quebradeira, agora a V6 ao que tudo indica é um picape excepcional.

  • REDDINGTON

    NA a Ranger é a única com 5 anos de garantia e não 3. Como a Nissan é atrasada..revisão a cada 6 meses. Isso é um assalto.

    • Alexandre Monteiro

      Na nova L200 Triton Sport essa mesma palhaçada, de 6 em 6 meses na CCS.

  • Alexandre Monteiro

    A Ranger possui garantia de 5 anos ok

  • Racelogic

    Vender uma Amarok usada, pra quem conhece e sabe como fazer, é bem fácil. Basta anunciar. E colocar “Aceito Touareg na troca.”

    • Lucas

      Haha, vendi a minha High 2013 em uma semana por 3 mil abaixo da Fipe, não tenho do que reclamar da liquidez.

  • Unknown

    Ficaria com a Ranger, apesar de ser cara.

  • Lucas

    O grande problema é o alto valor da manutenção corretiva nos motores a diesel. Sou consumidor de veículos utilitários e atualmente um dos meus carros é uma SW4 2013 a diesel, com apenas 42 mil km rodados, uma joia, porém…
    Falhou no meio do trânsito e descobri que precisava trocar 3 bicos injetores. Acabei trocando os 4 pelo valor de 10 mil reais, um absurdo – e fora da concessionária, já que na Toyota o valor era bem mais alto.
    Irônico um ex dono de Amarok (a melhor de todas), Dakar (um carro torturante), Trailblazer, S10 e atual de Ranger ter dor de cabeça com a tão indestrutível Hilux hehe.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email